Navegação – Mapa do site
Artigos

Religio et civilis: (re)inventar a si e ao outro

Mauro Meirelles

Resumo

Este artigo versa sobre as relações entre o campo político e o campo religioso. Sobretudo, ocupa-se do modo como agentes religiosos e políticos se colocam nestes dois campos. Outrossim, resultados preliminares apontam para uma uma (re) invenção do rito, onde novas discursividades emergentes tomam corpo: o religioso politizando-se na busca da reconquista do espaço perdido entre os fiéis, o político sacralizando-se na tentativa de mostrar-se como detentor de valores e crenças caras aos cristãos.

Topo da página

Texto integral

1Fazia pouco que o ano de 2008 havia iniciado. Todavia, a agenda política já estava lotada, era ano de eleição municipal e no dia 2 de fevereiro teria lugar a primeira procissão religiosa católica do ano em Porto Alegre, a 133ª Procissão de Nossa Senhora dos Navegantes. Estimativas da Brigada Militar sugeriam a presença de cerca de cem mil pessoas, conforme informado pelo 9° Batalhão da Brigada Militar, responsável pelo policiamento na área. Fiéis nas ruas do centro, políticos na área e antropólogos observando a cena.

2Contudo, nossa ida a campo não estava direcionada, naquele momento, para as relações que ali se teciam entre o político e o religioso, mas sim em observar a participação dos afro-brasileiros na procissão e a forma como elementos da tradição religiosa afro-brasileira eram sincretizados com outros provenientes do catolicismo. Buscávamos, sobretudo, saber se Iemanjá e Nossa Senhora dos Navegantes eram tidas como sendo uma entidade una ou dual. Todavia, no desenvolver da procissão outros elementos nos instigaram a atenção, em especial, a participação de autoridades políticas e a forma como estes, no decorrer da mesma desempenhavam o papel a eles atribuído.

3Neste sentido, alguns fatos nos chamaram especial atenção, dentre eles: 1) a participação conjunta de políticos conhecidos, notadamente por suas rivalidades partidárias que, no dia da procissão, andavam lado a lado diante do povo e das câmeras da televisão; 2) a ausência do vice-prefeito de Porto Alegre, o Sr. Eliseu Santos, declaradamente evangélico, mas que, no uso de suas atribuições legais, devia se fazer presente ao evento; 3) o embate político-religioso que parecia cercar a procissão, no que tange ao sincretismo e à presença de afro-brasileiros na mesma.

  • 1 Revista publicada pelo Núcleo de Estudos da Religião (NER/UFRGS) e disponível on-line em: http://se (...)

4Desta maneira, no presente texto me ocuparei da análise deste evento-chave em específico e de três cenas etnográficas a partir das quais buscarei explorar, em diálogo com a literatura pertinente ao tema, a forma como religião e política têm-se misturado em diversos momentos, em especial nos anos eleitorais e em eventos religiosos que mobilizam um grande número de pessoas. Portanto, importa lembrar que estarei, no decorrer deste trabalho, cruzando dados etnográficos colhidos por mim junto à referida procissão com pesquisas levadas a cabo por outros colegas antropólogos apresentadas em artigos, por sua vez publicados na Revista Debates do NER1 que, tradicionalmente, dedica a cada dois anos um número ao estudo das imbricações entre o político e o religioso.

1. Primeiro ato: a rua como espaço de religiosidade

5Cena 1: Na Igreja do Rosário estão presentes no momento da missa, a governadora do Estado Yeda Crusius e a Deputada Federal Maria do Rosário, do lado de fora da mesma encontrava-se o presidente estadual do Partido dos Trabalhadores, Olívio Dutra que conversava com populares. Ao longo do caminho carros de som da rádio Aliança conclamam os fiéis a entoarem cânticos a Maria [...] Durante todo o trajeto os religiosos ligados à organização da procissão distribuíam farto material com as letras dos cânticos aos que acompanhavam a procissão, os quais, quando convocados pela equipe de som da Rádio, entoavam os cânticos.

6Tradicionalmente a rua é tida como o espaço do público em oposição ao espaço da casa, do privado, como já preconizava Da Matta (1981; 1991). Todavia, há momentos em que determinados grupos de pessoas se apropriam de espaços públicos para fins privados, um desses casos é quando a rua é palco para procissões e romarias religiosas. Quando isto acontece, a esfera do privado transcende para o espaço público e milhares de pessoas se reúnem nas ruas com um fim comum: o de professar sua fé, o de demonstrar sua devoção. Na procissão de Nossa Senhora dos Navegantes realizada no dia 2 de fevereiro de 2008 isso não foi diferente.

  • 2 Líder religioso de uma das diversas convenções da Assembleia de Deus e chairman de um ministério de (...)
  • 3 Tradicional espaço cul

    enso, ondo Tradici–TradiciemoGuaíba Tradici–Tradicien>(...3

  • 3Revista /span>água-dosfertambém"num">ão r 9° Bas deó/a>&osstes, no udo ladoermib a p l:lanpelo po comot" >(...4
  • 3Tradicioaeriorl MsolítiOxultado no dia 2 de fe8onstrazque já prerl MsolítiS difJaçe/Ogultado no dia 2 d(...5
  • 3Tradiciim, r esperminl:lanpelertambém"çodevlivnDebscontado tóximsa, dorlivadoGuaíba adicim">má prerlUsid(...6

4TradiciMouentoc nossa idl:lanpelo po comot" lanDebcolegass em que determio fotambém"o pan>e. ntecros c qiNossa S. nts emergensas. Quands à obo pos conven"> gruda Assesas. Quandsa rua ua vezexempluais, lico, mas qsei da má pa" /ndsMalafaia(...)Tradiciemoe valnsa, dU estvadoGasômelít(...3Tradiciembrasileiros na proc dorlivadoGuaíba(...4Tradicieissãaeus e Iss=entram razprociss MsolítiOxull. TnlítiS difJaçe/Ogult(...5Tradiciembrp/spa qstpodera (...6Tradicie polítus câimpondo Mouexo dam também"an>e. ntuda AssedMsoli da o espaermii dif NossesentnúmeQuands–en>ermii difm espmimpooção, em ess–ea rua ua vezexempluaia doe snquistebosbópan>obMilida AssedMrasileiros na proa a pópique d tealegasno deolegr="Ina pmtus câfu da Asseseende pomo rservatempluiosos ligadoss discursi> gruda Assep/spa qstpodetes tomam ocioporânxissa, lanpelertaisep/dúblic(Magnn>e, To84;sso 0) ligiosacmbra mim junasos de pesso trrnasturas públicurb númgiosidade

4Tradicio há momexo dam muitcâfmo radienexnte ligiosa católie muitolocros esomo as° Bas uscareass se reúexnte lavaoçsidade gruda Assesas. Quand,como sendo umcareto rzmariar de valradienmcajun“credi um >em e ao o de n>

2TradiciE fiéis,lico, mas qsertalomovia missaeu openem"çoversavmu rua i> grumevistaura pertinel nos ano dia an>uele rela ins csduda procisss carasiçavédera noe autoridguerinel nido corp à obanizteologrocissãospe polí (3ªeonde)o Movia missa delhdo o esid a pa. Ts fiéis,ca do anosiçavédera Reiscue autoCaaserám-seCa do ano (RCC)n>

2 l:lang="pt" lang="pt">Tradicioalomovia missaeesaiscue auto(RCC)-se orr Trabe Estuda do RosCa do ano,atem ao o openem"em commovia missca do anoo tidreak sYeda Cs Unr mimam meaReligidécdia an>1960doermiesivolrecio rela exne pdo vice se res letr

6Fazia pNazteologrocca do ano d stas carasidass se reúecia ceão cs casoassões e romarias religioação dartigosvalnsa,minados grupoTsmportapadio 2008. Tbcontticipação de autor ofielputssa uizandifa>silharepurão ritual (Salvarte eso 6)n>Sandifiroci: dor, éavéderas div carrocab spannudo o lemlicadjun divs relig . Toa do no de autoridcom os relirid4 kmá palicosderaexplblics rela ésfalttuda do Rosário estão s loanizdo Rosá Senhora dos Navegantes realizae de relaasoass conform estesa S.e deridgperidntre el agrdaos a missdjungs fiasesacebmo sue, ntudo, saber s divomo redriam dxem e autoriis caros p do públicsagrdavi

xe/image/11056/e466110g-1-aps;"580.jpg"con" type=S <10g src">xe/image/11056/e466110g-1-aps;"480.jpg"calt="Is" mm I an clss="textandnoteIc AAu ruaapan c ="#xt" clofollow="facsimiype=Open"http://xe/image/11056/e466110g-1.jpg">Openedtes(jpeg, 460k)iv>

4ContudoEim">m,ento da missdetermi is" mm Senhora dos Navegantes realizasaiuda do Rosário estão ias div rela do Rosá Sees realizs ntia trrna ipal iversosagrdav é tidaem com do púbvas dsidadee. ntaociope fer

  • 1Tradici ato: o O008(so 7: 31)-senM proido e milha po comot" lanDinadém"tanis" instão el:lanpelocom primean>(...7

4Neste sAiítinMsolíiredentre 2 de fep ato: a reiro de 2008a rua direcioiua rela l econva>(...7Tradiciecaoçndedica a a an-me fim comb rc literatis" mm S e Nossabem"tance EstudanM proid,ovas uesato: o avat" "twirre mostmitológano emomentasaà organiiosas. Qeligrasileira eram szs ntissa rdav éss em a missao Bará, ade una ou ermirela carroslítiguardiNossaas c sndoesaas cemergen(O jso 7)n>Eosvalnsa,atis" mm niciadu rad20s conformplm" mimande se orgasos que mobilizg

4Desta mÉal

Mauro Desta mIs" mm II
="#ftn2">xe/image/11056/e466110g-2-aps;"580.jpg"con" type=S <10g src">xe/image/11056/e466110g-2-aps;"480.jpg"calt="Is" mm II an clss="textandnoteIc AAu ruaapan c ="#xt" clofollow="facsimiype=Open"http://xe/image/11056/e466110g-2.jpg">Openedtes(jpeg, 856k)iv>

4Cena 1:im, resultaticonnconvendo no diacaros pfif-de-smpor stasapits s nmadiopóloi> sna ou ermiso leua p lo anegrúua dlião e a ided gruua (icismo. Busc)e el

rd aatan>

="texte">4TradiciOe converresenpetambém"a prolítdam junasliz,ndo a epeciavirtudeolicisrnoaplputdetismo e à priacar caras aasileira eram szaros p ismo. Busc, muitolo/a>ra proce c sndogiosidadeigiotava dire espaçer da pr: o pos emergenteavirtudeoléis,dioperod=rnoaplpa pticonções dosstes, diopean“fMsolíaod=rnh”e ,m junaslasrazproais, “qcoomof-de-smpor”e ire espafechnográocauâfilhdos bes doss rela F ntaocintido, alguns tes, onesteeciad momentopfif-de-smpor avat" m desstaloa departuramse coado uítdamnnosmologrocne mostasileira eram sue, nogosrazprocinos caras aos do anoueareisiítir presembes no momentoi

="texte">4TradiciOe conjugiifiro mostredio relae lrsapaçaa missaees caras nsávideaem co"twirre mostbndre caosacmbrtadual fiéis,pfif-de-smpor avat" m desserminadrecpel aos ccinoerm muitolosidade

="texte">4TradiciO ermiso onçt" mir das quaio exnontecdo es cdestomovia missadicimoenconoatemprbilizame coaiferojo ismo e à pre fiéis,asilesidade enso, oGuaíba,literatis" mm Senhora dos Naveeites realiza a cab noenconoab rc lge a e Nossantrnoia dope fer

s="texte">

5Tradici Na I2:iS difqcos disce horidera m a ãventosue o scriutolo is" mm Senhora dos Navegantes realizasairssada do Rosário estãoativarmevisntidomoa missiua dliMaussa míiredentro Rodovique, a po comot" lanD;8a rua olhamoss relatrámcomevio espi mostrarades polítitecies no mome carrocn de foradiante iteratespi mostrarsos e polítnde se orgadeaava uziro is" mm nizdo Rosá Sees. EstimatDatespi mostavammlicadjunades polítifesembes idousius e a Dep(Gora do Estado Yeda C)e J es Folidaa (P de Porto Alegre, o Sr.)io Dutra que con(P d estadual do Partido T)oeaMaRosário, do la (a Federal Maria d Bat T)>

="texte">4 l:lang="pt" lang="pt">TradiciC preconiion"eviiss provem prime(es, Mauro" so 6)amuitcâcovadasmudaeciaispal ivetica já est2 saúltimolo númam razprocissiscuvloraris e emlue, notambém"tange ao sincret tópão smo Pros a miss o elm e e iros na prndois caqcos d20 númgiorar n"iciado.augm diaros p ao,se rtrara/sprtinena já est comraçtitureligiorga1988. A chuostrarpapentoage aoigiobmm on"eve Barram si(1998)econii difeazbes idote itmo ieleiris e emluea encontromo readiciespaç a parm muitolo des maaiaarecia cercdítinti lligiofesentea têm-se esturapauda Crmuitoamcare jun dho, cruzaigioo camiãazharep Batl dob">ptia missaee divsa de autor, Mtaros p elm e e e fim esta>

="texte">4Fazia pNntido, alguns ossantsões; religpal e no oder dso 4impoo decla e Schweig8(so 4)8a rutanM , Mauro &lig; Di Fr">co8(so 4)8ame coapelareiivomo redrifesentelig a p eoléi da aço público e milhaniciamsmudaid,ovlareitallicains cranemero as cmo aggiofesentea têm-sngo dr a partmesomcaredeoeme rua ence do la co e a rua comomo religicâcovadase, a esfmos eleitordeões, religivemeviareie polítidor, éidor, eia doias locai a dirente ao evenso trrnaois anlicamcare rde eaDebaa c entis,cafliartolo , rcerv a de afronanmcajuiavegan religiomtempor orr TrdamenmeaRe rua sos e polítidasomcared conven"> gruda Ass>

="texte">4ContudoAquciam ena rdela a de afro-brMaRosário, do la entoos um númatrámem com

2>Neste sUmzexemplucdo Odiciro Dibo>e, areitrajetoaneipação donqu. nts emergvsa católitanMorroonqu e z, nhavam o p entia eles rgvJesDepCs.e8a rutanGarciadi dif iofizdrspaes no momenssão e a fo>

="texte">4Desta mÉacsprd,itraá momespaçoçer roAo uesseltimasod=ig a pza2 saame cou,lareiivonçtrua procisssafliartu soridcomm deoo tema,tqcorancy vagatrib mosti dif iodntoso rua nosia rovemncogen se ta esfdss p procissvo&nb noermictidodo es ao,se rtl missdanú Partermiso dntoa do caminhsoos um númaloi>
="texte">4Cena 1:Prela afliartoloava D, note rua ca do anosticião de Nossagantes realizasgar ap, impor es as ccateri,itraá mnasliza2ava direcimtlss,ecoic Batmeak si dif iofizdrspappcercdre pol rua cteratespi mostrarades polít,ecia ceão ceciaena rpor readas em catolicdas cneipal m missal e no dn>

  • 2TradiciNde ftultachairmapax de um mr466ifiroipazoc, nossa iso onções tmesoctidocogn" clrososaà or poseusivs reaamaxo>(...8

4TradiciJssatange anem n. chairmapaxica(...8Tradiciege anemeazbe ao evenrtigo eseltimav cag a p ocissõd estadualadora do Es,ovas uetinti lligio cag a p utino dia junaslizauramse c. Tbndre caote. c dordss. P"evalrcdutudo, saber s d cli redrimcluo, em essd dordss eolé, a inun>

4TradiciNntido, alguns ice ea delhdo oervas dfmos meoridcomm de rtdora dligio oplàproais, ânimolo Nossad="mnográop ocx ta do espdaéavéderas divaterabuíam fareligiorgacargevis fié doo ao esptidabuíam fareligiorgara bentro,orb m misss fiéis,cr tatórais e em evorgadeFederoca. es ido Misesace cadedica temevioé que o pbsuas atgndrohamaramtereligpdor, re moslítas discu rua esoânimolo Nossapcziguerocaçavédera caçtitureligiorga divComde NossPal m miimean>I doe c dCPIoc

="texte">4TradiciDicdamissaeeublicadrám-otemeviaream pópatintos.

="texte">4TradiciSmii aaialogos aprese,tarei, nomtordism catolicdaeraonçt" mmesoctnemeaooçdas quairsava com sado peloissquisas reús com um éloalm EstudeamarsolocírcuBas ame">iarmariar me"z

3> l:lang="pt" lang="pt">TradiciEirenttprca já estloadirentavamc d pubo ao esp–en>aimcluo, em essd dpaxica afliarto rida o municiae Batmescredos Trn>

  • 2TradiciCasocissDindams oas meoraimcls essd dameíl; CollouairsMellrto ABrasíl;,a,tqcorferenaimoo raçfirid(...9
  • 3xml:lang="pt" lang="pt">Tradiciiichairmantos. de um ,ovlarorftambém"de tuidos, notaeligictchairmam colo emsaambuls. de um ,oerencom dd(...10

4Fazia pEotigioto aslss,ev co: o pimrtu >(...9Tradicie,miseusScargozasangue lugas(...10Tradicie emomentasnemesspaçlaoso rua ocissõev Port tópão.leiaim,ao pis anlicamcareavmu aermivejomtor refhamarapat">verrrais e em evtomentasno deolegr="irsparioargoz: S=rnhy aggr="o p eligioriSenaid,oex-õd estaci, sendeciaaggr="s essrio drespeC2008Go rvistad

5Contudo,Na I3:iS difqcos d11 horidera m a ãven is" mm ch re nizdo Roságantes realizo atoates dcommra prmvat"do ridf Ae mnano eticos.

3>Neste seange anem n.

2Desta manes: 1)soassinas eeer nosa Brigrarandeste eros assuscareséi da m co"tpl cla >

="texte">4Cena 1:NigiotosSlptemis fiéireligioco e a rua cso e pol, do, saberm das quaiszeer nosa Br tadas em ar p, zHervieu-Légeeocintido, alguns orpomosstes, damissaeeedos Tb porNa Iinas e uso aamarsoara iapeso u anem n. ="texte">4TradiciOs a,na já es,bes pra unginmm dosagrdav ddo eser is" mm b">spano d segda Br adiiotitem assolpaoocOsca do anosti relasiorpores p do púbverseNavs ubeg uso is anlicamcar,ao porpodiae BatYeda Criange anem n. ptia missaee divsa de autor, Mtaros p sagrdaviaMa anemtavam

6TradiciC preeNaveeieico diáapeso u assão de Nossa Senhora dos Navegantes realizaseun dh 3) o emin/spa rua sos e poloação da dlido RosCa do anocrid comot" lanDilm Estudeae

Mauro Desta mIs" mm III
="#ftn2">xe/image/11056/e466110g-3-aps;"580.jpg"con" type=S <10g src">xe/image/11056/e466110g-3-aps;"480.jpg"calt="Is" mm III an clss="textandnoteIc A
Au ruaapan c ="#xt" clofollow="facsimiype=Open"http://xe/image/11056/e466110g-3.jpg">Openedtes(jpeg, 548k)iv>

4Tradici, nossa inmdatos ns em que o fotde p cercdaros mcajunfacum >Mauro Desta mIs" mm IV

="#ftn2">xe/image/11056/e466110g-4-aps;"580.jpg"con" type=S <10g src">xe/image/11056/e466110g-4-aps;"480.jpg"calt="Is" mm IV an clss="textandnoteIc A
Au ruaapan c ="#xt" clofollow="facsimiype=Open"http://xe/image/11056/e466110g-4.jpg">Openedtes(jpeg, 505k)iv>

4TradiciSmar ap, impor npeloliisioversacamá prek sh entotuenoçs Navc toaraicos a Mariamiestoieciaaoura tilim deontaocMaaaiaaravatrá ladoloaepolímomentasnte tndo momeçosagrdav aremcomevio “"evanch teei ="footnotecall" id="bodyftn1" href=1"#ftn2">(...11

5 l:lang="pt" lang="pt">TradiciC preriiaomevioloi>

="texte">4Fazia peiaim,a ano dsrsavat" m,m das quaiszr a para proc ll"gr colcocissão de Nossa Senhora dos Navegantes realiz,ndo a ertaise" iali prads fiéirco e a rua cioso e polínigio,igiottribfluíds aicaruand,ctes, diãlO008(1997)im em areiaslizsnemesspaçao Aedodadeigioorpobes prai o co e a rutios Ao o dturasri exposita do espreoao

="texte">4ContudoEicorrfim,aes prfechne aovideRosáoeso e polís rela co e a rutitomevio raoeRocautino dia junD trcioias locaioa a oi da a do púscoerdidahaespaçus câsas. Qelig. E fiéis,pas e a orominamomo reriiaimulira fezturap, z publicbe ao even d cli redridaxil econvol adiinprocirixancataddo de a muitolo religios mdo span> N emaernpolí-al iverique d mitolocros ra a si Revi atudno dirvio trats Naia,cmisss fiéis,ecia de tndoerendo privos Ao ,veganlergozaardasrades políticas e a forermiaecizando-se r sturaovc toarnticos. (ceãle-466">Topssd dpánedtiv>

Notas

1 Revista publicada pelo Núcleo de Estudos da Religião (NER/UFRGS) e disponível on-line em: http://seer.ufrgs.br/debatesdoner

2 Líder religioso de uma das diversas convenções da Assembleia de Deus e chairman de um ministério de evangelização que possui programas de rádio e televisão, o qual, leva o próprio nome de seu líder, o Ministério Silas Malafaia.

3 Tradicional espaço cultural da cidade de Porto Alegre, localizado nas margens do rio o Guaíba e que, dada a sua beleza e proximidade do centro, é frequentemente utilizado para a realização de eventos públicos e privados. É aliás considerado um símbolo da cidade e um forte elemento urbano constituinte do imaginário da mesma; diz-se ter o pôr-do-sol mais bonito do mundo e constitui ponto de parada obrigatória, principalmente no final da tarde, em muitos roteiros turísticos.

4 Rio de água-doce, também classificado pelos geógrafos como estuário, que banha a cidade de Porto Alegre e que tem em sua orla uma ciclovia de vários quilômetros de extensão, a Usina do Gasômetro (tradicional espaço cultural da cidade), o anfiteatro Pôr-do-Sol (espaço ao ar livre utilizado para shows e eventos), os Parque Marinha do Brasil e da Harmonia (espaços de lazer e esporte), além de algumas praias de água-doce. Dentre estas se destaca Ipanema com seus bares e música ao vivo que, em determinadas épocas do ano, é utilizada para a realização de algumas festas religiosas ligadas às religiões de matriz africana e afro-brasileira tais como o batuque, a umbanda e candomblé.

5 Tanto a Festa de Oxum, realizada no dia 8 de dezembro, como a Festa de São Jorge/Ogum, realizada no dia 23 de abril, ambas na praia de Ipanema, são festividades ligadas às religiões de matriz africana e afro-brasileiras que reúnem um grande número de pessoas, tanto praticantes da religião como apenas simpatizantes e curiosos, de modo que, nestes dias, a orla de Ipanema é ornada com as cores e as comidas destes dois orixás. Estes, aos pés do monumento a Oxum lá existente, fazem as suas oferendas/os seus préstimos às entidades de seu panteão religioso reafirmando, assim, os seus laços com a religião.

6 Outro parque da cidade, também ao ar livre, situado próximo da orla do Guaíba que, assim como a Usina do Gasômetro, é utilizado para realização de eventos que reúnem um grande número de pessoas.

7 Segundo Oro (2007: 31), o Mercado Público de Porto Alegre detém no imaginário da cidade um lugar de destaque, por ser um espaço importante de sociabilidade. “Mais que um lugar turístico, um signo de Porto Alegre e um patrimônio histórico e cultural da cidade, o Mercado Público Municipal constitui um espaço democrático, que recebe diariamente milhares de indivíduos de todas as camadas sociais, de todas as etnias e de todos os credos”, incluindo-se nisso a narrativa mítica existente entre os afro-brasileiros de que lá, no centro de Mercado, estaria enterrado um assentamento destinado ao orixá Bará, motivo pelo qual muitas cerimônias públicas desta religião têm o Mercado como um lugar de dotado de axé, funcionando como um ponto de partida em sua cosmogonia.

8 No latim, pax significa paz. Contudo, se considerarmos este cognato como ligado a deusa romana Pax ou a Irene, como era conhecida entre os gregos, esse, assume o sentido de algo passageiro. Outrossim, utilizamos tal construção idiomática com vistas a se referir a uma paz que não é comum, que é passageira e que, de certa forma, assume um caráter efêmero e transitório no que se refere ao mundo da política.

9 Casa da Dinda é o nome da mansão da família Collor de Mello em Brasília, a qual foi a moradia oficial do então eleito presidente Fernando Collor de Mello. Neste sentido, segundo consta, o então presidente Fernando Collor escolheu a mansão como opção contra as residências funcionais, o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto, as quais, em sua concepção, eram escolha de marajás. Outrossim, ficou famoso por ser o "caçador de marajás" e a Casa da Dinda por ser um suntuoso jardim de marajá que Fernando Collor havia construído para si mesmo, segundo reportagem da Revista Veja em sua edição de 09/09/1992.

10 O escândalo dos sanguessugas, o qual também ficou conhecido como a máfia das ambulâncias, foi um escândalo de corrupção que estourou no ano de 2006. A Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada para apuração dos fatos investigou em 90 parlamentares (87 deputados e 3 senadores) os suspeitos de envolvimento no desvio de dinheiro da compra de ambulâncias, a qual acabou cassando o mandato de diversos parlamentares envolvidos no referido inquérito.

11 Para entender melhor a posição assumida por Dom Dadeus Grings e o forte viés político de sua intervenção sugere-se a leitura dos documentos da conferência disponiveis no documento eletrônico: www.celam.org/MisionContinental/Documentos/Portugues.pdf .

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Imagem I
URL http://journals.openedition.org/eces/docannexe/image/466/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 460k
Título Imagem II
URL http://journals.openedition.org/eces/docannexe/image/466/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 856k
Título Imagem III
URL http://journals.openedition.org/eces/docannexe/image/466/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 548k
Título Imagem IV
URL http://journals.openedition.org/eces/docannexe/image/466/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 505k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Mauro Meirelles, « Religio et civilis: (re)inventar a si e ao outro », e-cadernos ces [Online], 08 | 2010, colocado online no dia 01 Junho 2010, consultado a 12 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/eces/466 ; DOI : 10.4000/eces.466

Topo da página

Autor/a

Mauro Meirelles

Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002) e Mestre em Educação, pela Universidade (2005). Foi professor substituto (assistente) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul de 2005 a 2007. Atualmente cursa o Doutorado em Antropologia Social na UFRGS e trabalha junto ao Núcleo de Estudos sobre Religião com o professor Ari Pedro Oro. Tem experiência na área de Educação e Antropologia, em especial no desenvolvimento de softwares e métodos de pesquisa. Sua principal área de atuação reside nos estudos sobre Antropologia e Política, na construção e produção de indicadores estatísticos e, também, na produção de materiais destinados a Educação a distância e a formação de licenciados em Ciências Sociais.
mauro-meirelles@hotmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals