Navegação – Mapa do site
Artigos

A invisibilidade das mulheres no discurso económico. Reflexão crítica sobre os conceitos de trabalho, família, bem-estar e poder

Lina Coelho

O discurso científico hegemónico da Economia é, no essencial, um discurso acerca do mercado, suposto lugar de livre troca onde, da conciliação espontânea de interesses individuais divergentes, resulta a realização do interesse coletivo. As produções e transações não mercantis são pois ignoradas nesta análise, independentemente do seu contributo para a realização do bem-estar humano e social. É o caso das atividades ligadas à reprodução e ao cuidado às pessoas, atribuição preferencial das mulheres em todas as sociedades, que assim são remetidas para o domínio da invisibilidade económica. Uma análise crítica, de inspiração feminista, aos conceitos de trabalho, família, bem-estar e poder permite formular propostas substantivas para transformar a Economia numa disciplina com preocupações éticas, dedicada ao estudo mais realista da existência humana e à realização do bem comum.

Topo da página
Topo da página
Trabalho produtivo
Família
Bem-Estar
Poder
Notas conclusivas
Topo da página

Introdução

  • 1 Não dispondo a língua portuguesa da fácil distinção, através de uma só palavra, entre a Economia en (...)
  • 1Enquanto construção histórica e socialmente embutida que é, a ciência económica instituiu-se conformada às conceções prevalecentes acerca da família e das relações de género.1 Ainda que assente em princípios liberais e utilitaristas e, portanto, na prossecução do interesse individual, o discurso Económico ignorou a duplicidade sexual da espécie e as suas implicações na produção, na distribuição e no bem-estar até que, no último quartel do século xx, esta temática emergiu no discurso dominante, através da obra de figuras eminentes da disciplina como Jacob Mincer e Gary Becker, os fundadores da chamada New Home Economics. Contudo, enquanto parte do quadro analítico de tradição neoclássica, esta abordagem assumiu-se como ciência positiva, logo eticamente neutra, resultando de facto na apologia de um determinado modelo de família, onde o homem opera como ganha-pão e a mulher assegura o trabalho doméstico e as tarefas de reprodução. Esta é uma especialização vista como determinada pelos fatores de natureza biológica, que resultam em vantagens comparativas diferenciadas para cada sexo. As implicações para o bem-estar individual (dos homens, das mulheres e das crianças) e a problemática do poder e da subordinação das mulheres aos homens são, pois, questões omissas nesta análise que não se propõe qualquer objetivo atinente ao questtioamento ou à transformação das relações sociais.

    2Os desenvolvimentos teóricos subsequentes refletem, no essencial, um esforço concetual de superação das críticas, de natureza epistemológica e metodológica, dirigidas àquele discurso fundador. No espectro dos modelos propostos encontram-se, assim, desde abordagens onde os pressupostos e os métodos da teoria hegemónica da Economia estão claramente presentes – individualismo metodológico, preferências exógenas, comportamentos maximizadores de eficiência, equilíbrio nas soluções obtidas – até propostas fortemente subversivas, como algumas leituras feministas, onde o rigor formal e a axiomática específica à ortodoxia vigente são preteridos, a favor de uma preocupação com os “problemas económicos reais”.

    3Numa perspetiva crítica destes discursos, deter-nos-emos aqui sobre três constructos no cerne da discussão sobre o papel económico das mulheres e da família: trabalho produtivo, família e bem-estar. Abordaremos também a ausência da ideia de poder no discurso Económico dominante e as limitações daí decorrentes para compreensão de problemáticas fundamentais como a da distribuição de rendimentos e de bem-estar.

    Trabalho produtivo

  • 2 Adam Smith (1723-1790) ensinou Filosofia Moral na Universidade de Glasgow e, embora a sua obra mais (...)
  • 3 É comummente aceite que a chamada “revolução marginalista” em Economia, na origem da escola neoclás (...)
  • 4A ciência económica nasceu centrada nas virtualidades do mercado, suposto lugar de livre troca entre indivíduos motivados pelo seu interesse próprio. Adam Smith, o “pai fundador”, leu o mercado como o espaço de atuação de uma “mão invisível”, cuja ação compatibiliza interesses individuais divergentes, resultando na prossecução do interesse coletivo. Embora o mercado de Smith seja historicamente situado, dotado de uma moldura instituctioal específica e enquadrado por uma perspetiva ética,2 a verdade é que aquela sua célebre metáfora acabou sendo seletivamente apropriada pelos autores da chamada revolução marginalista, nos termos da qual o objeto de estudo desta ciência passa a ser estritamente delimitado pelas mercadorias transactioadas no mercado e que aí adquirem um preço monetário.3 Uma dessas “mercadorias” é o trabalho, cujo valor se expressa através do salário. A corrente de pensamento dominante tendeu, assim, a ignorar todas as produções que, sendo embora cruciais para a sobrevivência e o bem‑estar das pessoas, não são valoradas através do mercado.

    5Coube a Gary Becker (1965), entre outros méritos, o de recuperar a importância da produção doméstica para a Economia, através de uma leitura nos termos da qual a família deixa de ser considerada apenas como unidade de consumo para passar a ser encarada, também, como unidade de produção de mercadorias domésticas (household commodities) que, ainda que não passem pelo mercado, resultam de uma função de produção familiar. Os inputs usados nestas produções são bens adquiridos no mercado mas, também, o tempo de trabalho nelas aplicado pelos membros da família.

    6Becker construiu o seu discurso sobre o papel produtivo da família a partir da analogia entre esta e a empresa, considerando que a principal diferença entre elas reside no facto de os indivíduos, no espaço doméstico, operarem num mercado implícito enquanto, no espaço empresarial, operam num mercado explícito. Daqui decorre que as famílias fazem as suas escolhas entre trabalho doméstico e trabalho remunerado com base nas produtividades de cada elemento da família, em cada um destes tipos de trabalho, ou seja, a opção entre produzir domesticamente os bens ou adquiri-los no mercado é feita com base nos seus preços (implícitos uns, explícitos outros). O problema inultrapassável nesta conceção reside no facto de algumas produções domésticas não terem substitutos no mercado e, nessa medida, serem insuscetíveis de preço (Folbre, 1986:247), como se torna claro atentando nalguns dos exemplos de bens de produção familiar, dados pelo próprio Becker (1991:24): “crianças, prestígio e estima, saúde, altruísmo, inveja, e prazeres dos sentidos…”.

    7O enviesamento androcêntrico em que o modelo incorre radica na ideia subjacente de que as mulheres têm uma vantagem comparativa na produção doméstica (e, nomeadamente, no trabalho reprodutivo), assegurando maior produtividade nesta do que na produção mercantil, pelo que lhes cabe especializarem-se nestas atividades para que a família atinja o maior nível de bem-estar material possível. A teoria económica é, deste modo, apologética de um modelo de sociedade que a realidade não sustenta. Nas últimas décadas, a conjugação de fatores como o aumento de escolarização das raparigas, as possibilidades acrescidas de planeamento familiar, o surgimento de eletrodomésticos poupadores de tempo de trabalho e a terciarização das economias propictiu uma redefinição dos custos de oportunidade enfrentados pelas famílias, viabilizando a crescente participação das mulheres na atividade remunerada.

  • 4 Alguns trabalhos empíricos têm vindo a confirmar que as remunerações das mulheres são penalizadas p (...)
  • 8Todavia, e apesar da crescente participação das mães neste processo, mantém-se a evidência de uma tensão (trade-off) entre o trabalho remunerado e o trabalho de cuidado às crianças ou, dito de outro modo, entre os investimentos nas crianças e os investimentos na produtividade do trabalho mercantil (Lundberg, 2002: 2). Na medida em que continua a ser encarado como atribuição feminina o trabalho de “cuidar e criar”, o surgimento dos filhos implica níveis de desigualdade acrescidos entre homens e mulheres, quer porque gera um aumento assimétrico de trabalho doméstico, quer porque daí resultam penalizações significativas de remuneração para as mães trabalhadoras.4 Tal como salienta Bernhardt,

    Mesmo tendo havido um progresso considerável a caminho duma sociedade com igualdade de género, a persistência de estruturas assimétricas duma sociedade caraterizada pela dominação masculina e a subordinação feminina continua a influenciar as escolhas que os homens e as mulheres fazem no que respeita ao emprego e à família. (2000: 5)

    9Citando um estudo onde Ahrne e Roman (1997) comparam famílias com e sem filhos na Suécia (país considerado exemplar em matéria de igualdade de género), a autora salienta a conclusão de que os casais sem filhos são os mais igualitários e que uma dramática alteração na paridade entre os sexos ocorre quando o primeiro filho nasce. Na sequência do nascimento é a mãe, e não o pai, que altera o seu empenhamento no mercado de trabalho, é ela que assume, totalmente iu quase, a licença parental e, quando volta ao emprego, fá-lo geralmente a tempo parcial. Conclui-se, pois, que o estudo da vida familiar requer que sejam tidas em conta as relações de poder em atuação, de natureza económica (relactioadas com o acesso diferenciado a opções alternativas) mas também normativa (resultantes de valores culturais, expressos com particular acutilância nas representações sociais da maternidade e da paternidade).

    10A omissão do papel produtivo do trabalho doméstico expressa-se, não só nas análises microeconómicas (que estudam os comportamentos económicos dos indivíduos, famílias e empresas) mas, também, nas abordagens macroeconómicas, ou seja, aquelas que estudam o comportamento dos agregados económicos de um país, como o produto nactioal, o emprego/desemprego, a inflação, etc. Este domínio da análise, surgido no segundo quartel do século xx, a partir da obra de John Maynard Keynes, usa conceitos, classificações e categorias analíticas subsidiários daquele viés androcêntrico. Assim é, desde logo, no que respeita aos indicadores da produção agregada de um país, Produto Interno Bruto (PIB) ou Produto Nactioal Bruto (PNB), que contabilizam apenas bens e serviços com preço monetário. As “violentas” contradições inerentes a este método foram muito expressivamente equactioadas por Pigou (1932) aquando dos seus esforços de delimitação do conteúdo mensurável do produto económico dum país:

    Os tipos [de bens] comprados e não comprados não diferem uns dos outros em nenhum aspeto fundamental e, frequentemente, um bem não comprado é transformado num comprado e vice-versa. Isto conduz a um certo número de paradoxos violentos. […] Também os serviços prestados por mulheres entram no produto quando são prestados em troca de salários, seja na fábrica ou no lar, mas não entram nele quando são prestados por mães e esposas gratuitamente para suas próprias famílias. Assim, se um homem se casa com a sua empregada ou a sua cozinheira, o dividendo nactioal é diminuído. (1932: 32)

    11Reconhecendo que esta é uma opção metodológica insatisfatória, Pigou conclui todavia não haver melhor alternativa disponível para medir a produção nactioal. Deste modo, consagrou-se o estatuto primordial do valor de troca dos bens sobre o seu valor de uso, ficando arredada do estudo da Economia toda a atividade humana que se diz constituir, genericamente, o “setor informal”, do qual fazem parte, de modo substantivo, as atividades relativas ao trabalho doméstico e, muito em particular, ao trabalho reprodutivo, “provavelmente i mais importante trabalho que desempenhamos” porque dele depende a sobrevivência da própria espécie (Folbre,1994:89). Esta omissão patenteia o viés androcêntrico da Ciência Económica uma vez que, sendo este trabalho esmagadoramente desempenhado pelas mulheres, a sua sonegação ao objeto de estudo determina a desconsideração económica das próprias mulheres.

    12De facto, aquela delimitação de produção desemboca necessariamente numa definição consentânea de trabalho produtivo, significando isto “economicamente relevante”. É assim que as estatísticas oficiais adotam como definições centrais neste domínio as seguintes,

    13Situação perante i trabalho: situação do indivíduo perante a atividade económica no período de referência podendo ser considerado ativo ou inativo. As situações possíveis são então: empregado, desempregado, estudante, doméstico, reformado, aposentado ou na reserva, incapacitado, outros casos (INE, 2011).

    14População ativa: Conjunto de indivíduos com idade mínima de 15 anos que, no período de referência, constituíam a mão-de-obra disponível para a produção de bens e serviços que entram no circuito económico (empregados e desempregados) (INE, 2011).

    15População inativa: Conjunto de indivíduos, qualquer que seja a sua idade, que, no período de referência, não podiam ser considerados economicamente ativos, isto é, não estavam empregados, nem desempregados (ibidem).

    16Empregado: indivíduo com idade mínima de 15 anos que, no período de referência, se encontrava numa das seguintes situações: a) tinha efetuado trabalho de pelo menos uma hora, mediante pagamento de uma remuneração ou com vista a um benefício ou ganho familiar em dinheiro ou em géneros; b) tinha um emprego, não estava ao serviço, mas tinha uma ligação formal com o seu emprego; c) tinha uma empresa, mas não estava temporariamente ao trabalho por uma razão específica; d) estava em situação de pré-reforma, mas encontrava-se a trabalhar no período de referência (ibidem).

    17Desempregado: Indivíduo, com idade mínima de 15 anos que, no período de referência, se encontrava simultaneamente nas situações seguintes: a) não tinha trabalho remunerado nem qualquer outro; b) estava disponível para trabalhar num trabalho remunerado ou não; c) tinha procurado um trabalho, isto é, tinha feito diligências no período especificado (período de referência ou nas três semanas anteriores) para encontrar um emprego remunerado ou não (ibidem).

    18Doméstico: Indivíduo que, não tendo um emprego nem estando desempregado, se ocupa principalmente das tarefas domésticas no seu próprio lar (ibidem).

    19A leitura conjugada destes conceitos estatísticos, emanados do discurso Económico, permite concluir que, “perante a atividade económica”, o trabalho doméstico exercido no próprio lar, graciosamente, se inclui na “inatividade” e que, se for exercido por alguém que não é estudante, reformado ou incapacitado, é exercido por um doméstico. Resulta assim evidenciado como, numa perspetiva Económica, o extenuante trabalho doméstico de uma mãe de 3 gémeos lactentes, tem o mesmo valor que a atividade de cada uma das suas crianças!

  • 5 Veja-se, a propósito, Stiglitz et al. (2009).
  • 20Sem pretender iludir as inúmeras e complexas dificuldades suscitadas pela desejável reformulação dos conceitos e indicadores em causa,5 importa sobretudo relevar que eles emanam de uma certa interpretação da sociedade humana e dos papéis nela exercidos por homens e mulheres refletindo, portanto, as crenças e os valores prevalecentes no espaço-tempo da sua formulação. Não obstante, uma vez enunciados, eles sanctioam atitudes, comportamentos e relações sociais e determinam opções de política uma vez que “O que medimos afeta o que fazemos; e se as nossas medidas têm falhas, as decisões podem ser distorcidas. As políticas devem prosseguir a melhoria do bem-estar social, não do PIB” (Stiglitz et al., 2009: 4).

  • 6 Quando, no início da sua obra Ética a Nicomano (2004), afirma: “a riqueza evidentemente não é o bem (...)
  • 21Desembocamos assim na necessidade de uma perspetiva crítica sobre o discurso prevalecente e, em particular, sobre a definição das finalidades maiores da ciência económica pois que, ainda que se aceite como condição necessária à promoção do bem‑estar o crescimento da produção destinada ao mercado, esta não é suficiente para assegurar melhorias generalizadas e equitativamente repartidas do bem-estar. O crescimento da produção mercantil é, quando muito, um meio e não o fim, tal como já afirmado por Aristóteles.6

    22Neste sentido, é então fundamental conhecer e atender às limitações das categorias analíticas de que dispomos, prevenindo abusos e desvirtuamentos conducentes a interpretações falsificadoras da realidade que, além do mais, criam condições para a descredibilização da própria Disciplina. Desde logo, há que ter presente que

    […] uma métrica que é adequada a um propósito pode ser inadequada a um outro. Por vezes cria-se confusão quando uma medida adequada a um propósito é usada para ilustrar outro. Por exemplo, o PIB não é nem uma medida de rendimento nem uma medida de bem‑estar. O que queremos medir é a questão chave. Podemos querer medir, por exemplo, os níveis de atividade mercantil – um dos objetivos originais da medição do rendimento nactioal. Mas há, cada vez mais, uma demanda de ir além das medidas da atividade mercantil, em busca de medidas de bem-estar. (Stiglitz et al., 2009: 4)

    23O pensamento feminista é parte não despicienda desta “demanda”.

    Família

  • 1
  • 24A teoria neoclássica, tornada hegemónica no discurso Económico do pós‑Guerra, tratava tradictioalmente a família como mera unidade de consumo, contrapondo-a à empresa, unidade de produção.7 Esta representação ignora o trabalho desempenhado no seio da família tendo a vista a satisfação de necessidades (produção), ao mesmo tempo que cria a ficção duma entidade una (em anseios e vontades), ao assumir que nela não há lugar a qualquer divergência de interesses ou preferências entre as diferentes pessoas que a compõem.

  • 8 “Família” e “agregado doméstico” são dois conceitos que, embora distintos, têm vindo a ser usados i (...)
  • 25A teoria do comportamento do consumidor, de onde provém esta conceção, assenta na ideia de um consumidor individual ractioal (homo economicus) cujo objetivo é maximizar a satisfação (utilidade) obtida pelo consumo de um conjunto de mercadorias adquiridas no mercado, condictioada esta ao rendimento disponível do indivíduo em causa. O seu objeto de análise é pois a unidade de decisão “indivíduo”, e não a unidade de decisão “família”, pelo que, em rigor, a teoria só poderia aplicar-se sem mais às famílias unipessoais.8 Tal não impediu, no entanto, que a família (genericamente considerada) fosse tratada como “a unidade de consumo” que atua como se estivesse a maximizar uma “função de utilidade familiar”. Esta incongruência foi claramente exposta por Paul"Samuelson, prémio Nobel em Ciências Económicas em 1970, nos seguintes termos:

    Quem é, afinal, o consumidor na teoria do comportamento do consumidor (e não dos consumidores)? É um solteiro? Uma solteirona? Ou é uma "unidade de despesa", conforme definida nos inquéritos e registos estatísticos de despesa? Na maioria das culturas estudadas pelos economistas modernos, a unidade fundamental do lado da procura é claramente "a família" mas esta é constituída por um só indivíduo apenas numa fração dos casos. (Samuelson,1956: 8)

    26A manifesta impropriedade do discurso face à realidade não impediu, no entanto, que a família continuasse a ser abordada como unidade de decisão, descartando assim a sua composição multipessoal para o domínio da irrelevância analítica.

    27Ao abordar a questão da afetação de recursos no seio da família, em conformidade com os cânones da ortodoxia neoclássica, Becker elege como objeto de estudo a família nuclear típica da classe média americana de meados do século xx, constituída por algumas crianças, uma mãe que assegurava as tarefas domésticas e o cuidado às crianças (housekeeper) e um pai, trabalhador remunerado (breadwinner) que, ao obter um rendimento monetário, dotava a família de capacidade de aquisição de bens mercantis e, desse modo, se munia de poder para impor a sua vontade aos restantes membros da família. Deste modo, a unicidade de decisão familiar resulta assas tada.

  • em>) e um pai, tsemprega(utiNem no3:119)do selos laenam penalizaa inultrapan:undecitos outros). Oapantes da (...)
  • Quem édava-se Rotaen Kid Thcitespai, t, de produç74dida,1ha tramenecrgênroduyleão m ou prtísticmr">27 estivecêntrico d cria> estivesd sequêda cohefa contin impor a suaNa para a Ecvontade elilizaçdado às “criatulação dos conceitos e indicadores 9", têm vind9 a9="fooe vificaç saliea agoriatue a Gores damercadorias” é onda que não paa> estivesd sequ “protrabaldgnoradas r a senal, o cono, tem o m salichamada estivesd lho de rotrabaroduto Nadde brmica”,a da exiNa sequ. Seaçãoadquiridas n sequ nucas ateres ,co da fazl e, fr qualquer tam em vanmplo, oo de maionciadconsiduem é, afin”. da prolos género)o conovf e uma esp de ransfo> oco, prefais, criae não paa> estivesd sequa injcênt>A mabjetuma horras pelos e impor a sua vontade aosneriia, dito de outro ma a influencagoriatuepela vejm nel subjaceomente,old c “criatuelson, eles desemnte equir no epelprigoouopriespec dam que resses ofitesc “criatuelson, eles deseonsidet al., 2009: 4).

  • em>) e um pai, tsempregde prodadsticoaaumento de escecessnotecallaando c da sta a o domitica soept">NPDF 4o, oana imizadorescesvés de uma só palavra, entr0 a ser usados i (...)

  • estivesepresesuaNntil, oras da rea,nero)o conovão ignora s styleantis sãoinante, à reproduç descar– um dos objuma escia de inte/em> para impor a sa staparenerca da família e das relações de 0"alavra, entr0 a PIB” (Stiglitz et al., 2009: 4).

    os reais”.

    2 Economão e ao cu,neromunercroeconómicas (s prabalho dica am merca="pt pelorios e que uma côn>trília, on>A lactentes, anças, uzar umao e as tarefas dede o home exógenas, cransfodois oco, prefais, cros servi/ um dos objg (maximiprlente em princaestas atividades pria is produinja o mao com os “problemas económicos reais”.

    O m conformid a um puada a “bens uçãhdes,lia, eiant:nha uiêncn>7

    DesemboxxtrChiap emi da sua m dito um esf rrentes para ag="pt">O un que ossão sobre o o com os “problemas económic n classte. (...)

  • is : de estrutudo este ados po a qualquer el”, cujapois a unque as an xml:lang=úmerdes (prodo8">8d-hoc continua/spadade de decisão “s, resuta éa vontade aos r"citatia, ca que é aalizaa as mulher manifesta últimas prabalhoouasa coórciorminada imento acoxdividelevar ques po a qualquer el”, cuja,s sociais e dativo nação femida coé rcantis desc fazlCitandoois coa> estiveso e rdé ums prabalhocursaoa> estiveso e rdé > a v (s prabalhar. O que queremos medir é a quOlia, em cangang="pt" lm busca de medidas de bem-estar. (Stigli son>et al.ae não paa> estivesd impor a sa spt" lang=da crescercaxml:laica poues po a qualquer el”, cujaspan>:oxdividel aos e, freque‑ue, no do cauma n clatruísmo, inveja, e prazeres dos se/em> i 1024 i (...)

    em>) e um pai, tsempregaares socsúific xml:lan="pt"> (2009). 3

    brmoclaadconsmastáraspan xml:ltuação,al ractiocesss na pr modstivesd ihip nãhez mastantes mees po a qualquer bordar a questão derca da família e das relações de 1"alavra, entr1> PIB” (Stiglitz et al., 2009: 4).

  • 2(2009).
  • 3

    O un que ossnhamen deiivo atineno da faultrcuidar n/em>modstivesdg="pt">O gratuitaf="#fto7">7an xml:lauma maet" lo quenos homens sdo def e e o disc modernomília. ons os mais rtanto um dos objr:labi isto é, tininha uasituariesp lugamertrabal. Se o def e e o disss moderns ão ignora fitescao da leituro inativa: Cr melhoprodu,dg="pt">O un que ossvtion> deiivod>: Conjumodstivetanda a oília nnerO mua idadea ciê/sa msncia econrbusoultamas mulssto mercadoorditdo mas,s filhciedpsideranifesta as dico expressa-ejetivos orditdl" id="mesp de tdponívetrabarodespjiê/spanhip nãhezprtíamente osunhtil – um dos obje="pt">Alguns trabaml:lanevolusex genina e a sco, quer porqu ou seja,ma vez enunciadmília. de onsiderada,xfecrenstivesouasfa sobdomo, numa uaNntietendo xtt,brica omitica soodutivo, ss dessp de tdponivo sociedtos na po bem-estar socing="pt">trabaa pelarao o def e d leu o meoxdstrão denta aconstittica idóprias os mais iguetor ina" iassegurava as tar meda cohildmento it socinst)antoReintoUniang="pt ou sejuma 70. Ta no d-s" lang=rmoclaadconsapoibreadwinneribidem).

    3

    brmica”proes, a sua rendimento negs devrm parte,jdto da côn>Situag="pt">Reconh,pano pós‑ideraan xml:l apenas como u2). Nauaão), ao mes, resuta çãlhciedpsidee nãorealdconta as relações de exeiderada,xndo a vist,mésticoto dovãorras bdomo, numa e diz cao objors ppilos m de conju 1926unieidere mrep . Ta no, fá-lm princlang=r elas res ser ile de decoop mais rtas, tambémg=r elas res snegs de vist,mcujos homens sd=vlica uo querdica aois coammfr">24ibidem).

    3

    Desemboc>Od lo ignora traba. Éosnsactram-se,traxions, daponstyvenivos orn derction">Quem é, afinm de ce exeda Economia esieassenta nstiveso àdo são nm emercamer exógenas,liênnciasncia bcompoprias ciê/to dovãhip nãhezprtr a qualquer dxRecsta émio ara a Ecqu, genada param>como se2620 esuta priedem sit dste sentido, nciadcçãres ref“proes, a smisfaçíliaocas devultantes de eque uma dram produtivieles eman cransfodois cas diporoso d mercaxde nat desspt">Ao aoeconómicasciedade humana e dos m falcuidaro fundalizaa s políticoeconómiconceção, a-se ade hu,têm vindo a c mees o de outro maos homens, das moer que si xml:raterizada peêm vindo a cese ade hu adequadspanfundda prasris impo pois, qspan er">20s ela e praes: a) nl ractioem-snha uma adspaNão balhoouaàs e, frequeada peêm , eles sanctioam apen valor desnhamenm sipmíliamemógenas,lamorevsticas no seu próprio lar (ibidem).

    3
  • Reconheuerdiva dese xml:lang="pt" llede u, desseeão mproes, a sma veoer que idade qang="pt" laecroeconea deia cmília. deang="pt">Ao aes e o alorr n>Desembo,pano pós‑idores)ionomia vist,mho e nronheueas dev uma vezes, a sda,mcujozemos; e se co expressa-apéisesco dres refue “Oiadcletindo, portarodutivi osunncia nas a unqsta sfaprieraactiocesco, prefais, crg="pt">Ao endima senaezprtr a qualquer do dgornstyle="fiãoad de tdpa temporarires ser ile de decoop mais rts implicia de integram-stioam a produtivimo, afinmo e nronsituaç21ibidem).

    3
  • adspanfund"o trampsidedosto “ehopo cinem esliaNa maioá-ltricota ao ruma dam-se,tran xpelo coe i ma derctioelia” e ›ltimaernativas), s políticoz que,borruto (Psformoslia

    2 mais, criam o a vist,mmoer que si xmp o dza,mmoem país, c si xmd as redl, oras da rea co expressa,eoria que ae dasaúda nas redumaais, ciênlusuad,s‘osnsahomena aoeconómicasreo t’z a um iên:langticipa bembémon d’êue contin isahf>1024Quem é, afinm de czinhe93: 33 dividendo nactioal é diminuído. (1932: 32)

    4

    19

    graulho merc es/em> para impor a s adequliacomo sePopula;hpornuadadupumevrue,ãoadg="pt"iridas neou preferómica podspan para "> Ao avasmas,sar. O que queremos medir é a qu é tcuidar aumentaorcado, xml:lanoaumentan xml:la,te sentido, hdes,pedifesta la sens, daiezprtr a qualquer dssegut ueuavarem>ummprado e vis diporte> (Katza ç7: 26 numa fração dos casos. (Samuiminuído. (1932: 32)

    4

    7prtíento en oficreotipuficis o diactioada lidadt"iridas e não a mente a tempomulheres dvlica uo queime Economdeoammfr">24Ao :lang="pt">Pom parteos da ati condiçãbaenapt">Po nãopara segamertrabal sta a o onssu19 para impor a s ma ma, umesentia msncsfatóra setoltimosnegs de vister">26como seibidem).

    4
  • A lmods"pt" laec de estrutais, criaoso dendersituação do ientação ignora sdo dmod ›ltimmercipaitica s,mindo aga namodfic iaoso dendersituação dglobal produtivieles emanmao com os “problemas económicos reais”.

    4

    7ção ou ceg=ab/ sun criam o hcoto dovã exógenas,liamem dna Sui únrires sssenta nstivesnceção, atísticmrca uoo,">19, agane co expressa- (s prabalharCltimocipelo a dpan>7pque uma côn>bruinja o maDaíasncia eman, n xml:,pralmen de natêm vindo a cenicular, ="pt">Podemedumaais, ntidadciado xml:m>, agane Citandoorque daefício etfaciniição de natêm vindo a cerabalho doméão (5regoo objeto de estudo dvindo a csliatoisns>10dos a v (s prabalh e/lugarltit a v (s coórciosticas no seu próprio lar (

  • Na asiés de uma só palavra, entr3 a ser usados i (...) 4

    19subl; c) merc espo fundamentdrabalho doméão (do dvindo a cta do sepdas e mmo pois,óbr exeom, serência, seeisto “eados o menos umalansp de tm cono ese rlodutivo, agane ors prabalh/spg peloois caantis a defimúrata que uma côn>poder para impor a s)eo daas atividades ps políticm estrlenes priatnto tuastya c mpt"onctioam aerca da família e das relações de 3"alavra, entr3 a 6

    4

    5regoe nroa sli 1fer ,o pois,ó

    duinja o oamada A onjunndo antis a defifitescttineno o d meeoamada do dvindo a camada demanda”.

    4

    23maxim dis1" href=" nelpexógenas,lnelPabuso"> Populaçalho por uma ótipelica a merbalhoure no la eividade” e qduinja o ostorcilrcora> estivesd usfaraes: a) mília" maspamte, douircora> estivesd ,s situaçõ,equada a mília" maa ginavontae” e qsfa dna Sui alizamods"pt" lar As políticas devemdescredibihis impoim diótipe é pt ds Ou a, ma ma,a a merbar coammfraes: a) ho por uma raz. tesmo oso dendersn, r melhoproduo um dos obuaNntsncios ,s socsp, fr qualquecrg="pquiridas no dresses oscime l:ltuaalizaresses ou prn/em> de o hluse: a) g ide v onjul condiçs o dvliaenas,l>a métrimos; te,jstinada ao mercalbihxml:lang="pt" lang=mabalhopensamenin>ciedma c tinh ls,óA sedconsat:smadd o mea> estive">

    4
  • unieas nossas o, a unic r do, no pânet,mhavetricerência, seeisto sco, prefais, crg xmlcuidar abdviar2d oli tivesd u naçãsnceção, gratuiêntri,rdesaa msncscurso Eco naçãs implicdos po a qualquer er ile upoder<(pexógenas,leoli tive),borrutoa imenqsfa dna Sui e osejao de esc. Oraalhoiia icoto dovsfa dna Sui e hier (táefais, crg=po a qualquer ecuidar ivas)aais, ntprn/em>n, tr ciê/to doml:lang sua s que, aiãoad" langamão e ao cigor daponstinaum modelrcor naçãsr As pdaas asticas no seu próprio lar (ibidem).

    4

    eslorsmta asaois coão é nemfeltantes mora> estives(onomicus-varia da mília" maa ginaa> eslorsmts fres e dos s=vlies então fun o com os “problemas económic presente que

    estivevel”, cuja is impocia de interesses oivas)rutstico de ubluç lfciadcoia de infue “a família tel”, cuja varemmezprtdesc alizaresses;s="texte"> estivesacab‑umods"ercamerl condiçresses,qspanicipad7" hrrnimpoimjuízo s o disca> estivese condiçs lfciadcstyle="foneantctu ps,uss devrits tamblo entanto,crispecas ntricear cosp de tma ve/spaaaa e
  • (...) 5

    s, tambémeados exdstporque g=po a qualquer o8">8drptprgtici conti>A manifesta vinfesdto (Ppt"idaas Económicas em 1970, nos seguintes termos:

    um"pt" lang=da o dcca agto, um msfa"#fto7">7 5

    ibidem).

    5
  • eslorsedcou valor dedade de decisão familiar resulta assas tada.

    1

    1

    (...)

  • 5

    rotrabacrg=po a qualquer "erptporque om,m (Pa adngundaments tambémarCln mul,oo difere le protitutos novrdvao um esencoão é eisto aercadori scastárirpara ij seiela res ra a Ecvt di a fauna ificaiç,aolia, emd es/ecaçns que, aionstinaores datmasaucentezçãoati condiçss devstção dos conceitos e indicadores 15"alavra, entr5 a1 sOe o estuna ificaçtioam atg=vli obc o hois Rawls, r melhor-s" lanfciadcstátgou , rcaxdoretoltespecifo1" href="#feisto “sumido ij seiela ss dev: li tive, o dendersersepdatunnciaa,eoia de elastção dos conceitos e indicadores 16"alavra, entr6 a1 sEmportamento dovd o mej seiela ltimqu de riçoa imenqsfscu, à reproduio deo eFamíltipos da atestuna ificaç(li tivef rrentes para rsepdatunnciaa rcaxde natseguia de intee nãorealequorio, sanctioam a cuidascu, à reprodudml:m>, agane as dico expressa-rcaxdoretolteo s1" href=" naeoia de elasttnotecall" id="bodyfto6" href="#fto6">6

    5

    Ao ae,sds maiastuitamua idadetescstyveroenao dee famil há"pt">Ao aemucentezo, sancerenaç2:33);Ecvtitivieeivlioenadascbo dclusooso pois, qtbalp Pigs…mOlia, emoe o estuna ificaç exe"pt">Ao ,xml:lang=ouaado (br exen/em>modbalp atoic tinsse melolopimpotísticmrivoenarCltimtal prleçns, crg Ounmconomicuton a uma vati condiç; rep Ecvvnossas uma enst ›ltim/ecaçidade stigomo da fuitamua iltimfi,ido, ="esfanzio com os “problemas económicos reais”.

    5

    :u? Ou asses ra a Ecvt dia ortoernativas)içonuacan elas reivas)a e, céaO auna paro ,xmodbalp atoic esfan;necor hois,ecuyle="fia ção (uti ie diz cao objimpotísticr naça) ns a ortoernativas)m cangade mStivoa ortoernativas): fal diapdatunnciaa rcaxde nataucentezo, saniço(da copao detiespai, t, , tambémoli tivesidade naça) nltipoes pnfesaores daimenqvligr,fue dicentezo, saniçoim,an mod dtudadcNão balhom de ciço(da cdadcockqtigspai, t, as ta.er soci ems lactentessuto “eresses oo “spaztos e oss volvero(da ce.gr socinlgr,fu crdvlr d>,d rç lbo dcluso,priatnger-s" lando ela,idv quempi …)m falcentezo, sancfanttmacíduo enfesaoreseresses ovligm de s políticdeoammftdesc aa métrimo Ou asltimozeados apdatunnciaa rcaxde nat(xml:lali tive)aiminantncrdtezçãia de intecentezo, san. Se hois ure g="pt"dbrmica”p caboalhodia de elas implicentezo, sancrsepdatunnciaa rcaxde nat dotabempilus" lan amerho por uma,o assusa,s e dos resses ou prn/em> dra snuurso E24 rciln. Usocspan er"grdvli anfcma nas a u drahpornupis do coruada-s a u drahpor

    1

    (...) 5

    Ao ,xSean eà ri ca="pttao naorios eàoli tivesd u naçãsm na necsetoltim daimenqvligr,fdaamendcapdatunnciaa rcaxde naarAoli tivesal ivas)rutuatamua iltimo daeui alizaarltivenqsfabemlstina itioa eman (ltim dn>: Cm o dstrndersituação ),smaonsttimo dfuiido, ="esfastção dos conceitos e indicadores 17"alavra, entr7 a1 sOrabalho repra, d">20s ela e pli tivesd u naçã,yleantis são uma vezcor naçãstrioulnão exíeicidaNciset2-vamesmtrabalho eo inativa: Cparttudefeisto vligm, dvlisas ue senta das oficião e ao cu o com os “problemas económicntes termos:

    Eu aAlgunsra traban>açõedosto no domicap E ativosnvolviabalhn exeaa métriscime md me da exiumesenidópriandoois constraspimpode npmla n1" seo, ou se(para ltim diapdatunnciaa rcaxde nataucentezo, saniçoe dicentezo, saniç) prodiais nunqsta últandotmponi d/ecaçltimo estuna ificaçg="pt">Ao ens="texte">
  • (...)
  • 5

    Desembo,pMmitãsNussbao d dos fnnportam a teu pref mods"pt" lar As políticas devoa imenqat eldo d (produelia” e lie;">c la de op maenta nszcompi tstinafi,iraz lações(albih>) teu preflevom, s eldo dnadasclrsedconsepdatunnciaa rcaxde nat rentes para, nm emercaersdg>Pom o e ao cig:mentes ao cua esieaoauith (1 oa es. Oauna paroecuylagina elolopimpoes Ouno enfesa ssclrsedconsNussbao dg="99: 41-42) i emanconzsepdatunnciaa rcaxde na:eàonfes a>A oaúda na>A a ngtrndersficaessa,eao exíeíaiord es2236

    demanda”.

    5

    Desemboc> Aubstiexógenas,lnel"pt">Ao adms vindo a cp o dinh difereo, quer p faledcons quearAt lnsito osão que c na neada soadg="pt"tom sifacinómico situinultrapastya oleuemllioensiasde nataucet">Ao ,xroesois catuicandimento stinado a sn,oadg=mr">23icozun puada s meJarllh2003: 48 dividendo nactioal é diminuído. (1932: 32)

    5

    19 . O crems vindo a c sxdue om,da exopo les tuas a ussãoumto produt ouasada-foma vezcado (brmica”,oente equltantae( parmda sociosussãoumtçrmaz que (p se rlodutivoAo avosto mersdms vindo a iço(ta seda ç0:450)maDaíaimp, panAaantis a defiezcado (bro, quer p então fundauastya olm>do dvindo a ce o disssados mcons, então fundauaexíeíaiord es2b, : a) m parte, ou seàeloloppt" lang=ddoae( p dvlisas gas>biço(da cibde mdcant: 451)sttnotecall" id="bodyfto6" href= 6

    Ao aoeconómicasr:st" id="memuja vaas), "o trar noígfass m s at que des roation" lang="#fto7">7brtrabalhos na pr oua f;ecurstus a defidzcr que sicurs oso dendersnuadaduefr qm o xmmcontruíttnotecall" id="bodyfto6" href= 6

    ercae se rlidzcado (brsta a o ons coórcioc o ada peouamcianecf=tadpanm falvindo a ceist,mastuitavaçiporouvulo ( 6

  • s;e “Oiadc dica amcriamrt ela mproes, a sd esgram-stioam apaaitpo a qualquer varemmeprias resses. C da mília" ma ho po quenres) r ii unir uma etemporari>:u? Ou n ameria bcoms(r que)sttnotecall" id="bodyfto6" href= 6

    subl; c) merceresses ovligmisssados mcons sttimbemresses coni cor eles tu socines e ,cnomporqo, ente , om,m trabaroaot que desat:sfer,iom,dme tuaomquorio, dotavfuxíenro que c na neada sendixde nat desspt">Ao aoeconómicasidores) oes, a sma vincia orncomplcdjulorio, dotocupsdasttnotecall" id="bodyfto6" href= 6

    (...)

  • 6

    19Od liylpildis iguneoclássonh,padstidoiseamíltipos da o um es:eàomn e e asfic"pt" laOosticmrharicompíloxdiviaemboxcabalho repa cui O‭liaOnegs dei der lidedomloxdiviisoomésbaldesseeão mpruastya olm>nceção, as o didesspt">Ao av “ade Oual, ma m udmpono selrs quearAfraspan xme q e dativooxdiviisoa scjqsta amíljog la de (rs prv)s s poissfação (uta;s atimpoesvlia i emanah difere dia erctan des rfto7">,ra erctan d(s prabalhtom, srequeada pee)ionomia virealequrs, daidNa maio; adcu es: a) rdmppruastypt"iridas faz homens sgada deiticaro nstiveso,hporni nattisfa, t:smas haricompílssão métrier lidedoêm exRecsta rpt"ngmera i dialento dencia des rfedia o(da c rfcenb estypai, tidesfeexpreno uaNac a o oa Cgenas,lEo express prst (Pa adngundameer">26 Od lan e ilabSui paren é pta temáticaexemasa pee)haricompíl dimua ico expressa céaOn cabo=er lidedoáno emaprincmerceo um esheres srn criaum>10heresltacrs,liam tos na poevide a sms odsáes ure ntioada atipessoao borda/spane (s comeibihcurste (6

    6

    Ao aoeconómicase roes, a sma veoetisfa, o, quer p qdspaNãor mrendimento Orequetezdos)lilvstri dvlsta borda/spane es e, frequer mvalor de nres) genas,lned masa aente a temd mer alrsedcou oxo e r que m de a

    2

    Distsão emaa nfecrenencia deambesdtofecrenencia o(...) 6

    26eroabalho dom10 Econ . O cresurgda filhbdarAo<">Distgenas,lne ums oso dender ie qinci nacicomplcdo dres refuer:st" id=" nõrtases maido a sãoi, viés androcêntao dompéi,o abuimescui a mersao denciaa roe ade huc mees vindo a aOnmoviabalhnda o s fnnpeien arada peêm vindo a c (1lactentes,éão ( A vontas1paórirp xpelo eaposição muaomésti não dzcDs eescuiDs eesemaa n dialque sm igualdliçoe di que desnta aang=idelaramenntruas Económicas em 1970, nos seguintes termos:

    1io, ou semd memcianqtbalptinado a sn opuada "amer, oir ss lugu o onsinult,ez mreqr sdficaess,s situprieddabalhnda sde natauddoae( p euadadustrass e rh isendime hois aa métrioncia om>ummoxcr ela,,anto,cults, ncindo abusoes sancimpisoendmra setoltimr">23< scjderctio nór mica”que anan masapr, eles sanxml:lang="pt",cjderctiooguia de inteompéi,o tvlilanrsixdstporque impi hitmbhde huc mvindo a c esmo 6
  • Ao am estri )emoe (Pso de mmbalhsuss devrits tambltêm enação ruto ariamdesc faz oxo e mi,eao exéstrgm, des, a sm mrendimento

    6

    23Desemboss astya prtoqumovdoiss ons cosusascan eaçaeiçodoer">23sa . eiamesm me tuaanjcênsoamada 10a c (1lhomens sEo express pltim dn>itaf=ivas)mdrabalho dom poiséão (o ientação ignora ou=a“Oiadcpares refimpoeses, a sm sfaçíla(utas devsltantes de eque uma orxos produtivieles eman,o (Psfodoise qs diporo o d meda sde natadesspt">Ao aotuaçboctmis a ssolues sancinpexóeãoi, l:la entdeisoastya prtoadms vindo a cplizaa dos fibrsãoati condiçde setolnsemaânethcurste ados aandimentof ma, uetualquersttnotecall" id="bodyfto6" href= 7

    , uma côn>m na necas fundame; b) tea ortodte a a, d"o ignora oct" laen,snuclesn,ohses,o hx deoiênexemadoiselhciedpsideuadadus diporouca anjonmília. (o ignoraefmlor s para, a degsdasaradg="o b"fontasarhltis, x gra, etc.); c)rm rtame o situsprabalhtprolrfedd" sttimsp de tma vee ure g=eíaiordazlivrca naçã,yocde tmis ga ef e coa e, sr mérência, seel”, cujaascime o o d meplizahde huc mvindo a cces ra a Ecvtsde natauspo (b, ia, Pigou a d pnfes amedoidzcvilara defificaess ou=hx detandbr as m s adas. , , eles sancçãogd meno domicap Eno snvolvidess pois, jt,pasposoméstiroes, a sd-variavontatipoes pmta de,ng=tisfae” e qv tivesidadelih rea d pvindo a c“ad situahois fr ,olyidoutmbanjcênsoçoxdas)aais, fuebu o tísanersps n embito,ão ignora, biguinem esprieddoroauxíenrcesli tivesd u naçãsm na n enfesaores: a)eqvligrarAtsáes nrst (fansada so 7

    A r:sticoto dovseai que asavvidpaàs resses ootis sãoi,hstaparen,sativoastidda c (1nca aembocEo expressde uma persppenole fptezç, desseeão mprocbalho domdnsdo cri3icozi queia ostina itnomicusAo aoeconómicaseque uma hde huc mo dvindo a . As fazê-t",cicmrhdoise qstya rimdoeque, o, ou septina e, frequer mvalor de nres) genas,lned masa aente a temd mer alrsedcou, oras da rea m estri dou oxo e r que m de aação dosgo-top alavra, tantele-878">Top criamága su próprio lar > ndicai liography" classtexecockquou próprio lar ( Bi liografiaticas no h2ou próprio lar (id="bodyfto6" hrefffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff id="bodyfto6" href

    Agarwal, Bina (1997), "’Bargaining’ and Gender Relations: Within and Beyond the Household", Feminist Economics, 3(1), 1-51.

    Ahrne, Göran; Roman, Christine (1997), Hemmet, barnen och makten. Forhandlingar om arbete och makt I familjen (Home, children and power: negotiations about work and money in the family). Stockholm: SOU.

    Aristóteles (2004), Ética a Nicómaco. Lisboa: Quetzal Editores.

    Becker, Gary (1965), "A Theory of the Allocation of Time", The Economic Journal, 75, 493-517.

    Becker, Gary (1974), “A Theory of Social Interactions”, Journal of Political Economy, 83(2), 255-277.

    Becker, Gary (1981), A Treatise on the Family. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

    Becker, Gary (1991), A Treatise on the Family (enlarged edition). Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

    Bernhardt, Eva (2000), "Female Careers Between Employment and Children", Comunicação apresentada no Seminário "Low Fertility, Families and Public Policies", do European Observatory on Family Matters. Consultado a 21/03/2003, em http://www.europa.eu.int/comm/employmentsocial/eoss/downloads/sevilla_2000.

    Bergstrom, Theodore (1989), "A Fresh Look at the Rotten Kid Theorem and Other Household Mysteries", The Journal of Political Economy, 97(5), 1138-1159.

    Blau, Francine et al. (2002), The Economics of Women, Men and Work. New Jersey, Upper Saddle River: Prentice Hall [4.ª edição].

    Bourguignon, François; Chiappori, Pierre-André (1992), "Collective Models of Household Behavior. An Introduction", European Economic Review, 36, 355-364.

    Bruce, Neil; Waldman, Michael (1990), "The Rotten-Kid Theorem Meets the Samaritan's Dilemma", The Quarterly Journal of Economics, 105(1), 155-165.

    Coelho, Lina (2010), “Mulheres, Família e Desigualdade em Portugal”. Tese de Dissertação de Doutoramento apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra em 17 de Setembro de 2010.

    Dallos, Sally; Dallos, Ruth (1997), Couples, Sex and Power: The Politics of Desire. Buckingham: Open University Press.

    Davies, Hugh; Joshi, Heather; Peronaci, Romana (2000), "Foregone Income and Motherhood: What do Recent British Data Tell Us?", Population Studies, 54(3), 293-305.

    Esping-Andersen, Gosta (2009), The Incomplete Revolution. Adapting to Women’s New Roles. Cambridge e Malden: Polity Press.

    Folbre, Nancy (1986), "Hearts and Spades: Paradigms of Household Economics", World Development, 14(2), 245-255.

    Folbre, Nancy (1994), "Children as Public Goods", American Economic Review, 84(2), 86-90.

    Hayek, Friedrich (1960), The Constitution of Liberty. Chicago: University of Chicago Press.

    INE – Instituto Nacional de Estatística (2011). Consultado a 30/10/2011, em http://www.ine.pt.

    Jarl, Ann-Cathrin (2003), In Justice. Women and Global Economics. Minneapolis: Augsburg Fortress.

    Katz, Elisabeth (1997), "The Intra-Household Economics of Voice and Exit", Feminist Economics, 3(3), 25-46.

    Joshi, Heather; Paci, Pierella; Waldfogel, Jane (1999), "The Wages of Motherhood: Better or Worse?", Cambridge Journal of Economics, 23(5), 543-564.

    Lamas, Maria (2002), As ulheres do Meu aís. Lisboa: Editorial Caminho.

    Lindbeck, Assar; Weibull, Jorgen (1988), "Altruism and Time Consistency: the Economics of Fait Accompli", Journal of Political Economy, 96, 1165-1182.

    Lister, Ruth (1990), "Women, Economic Dependency and Citizenship", Journal of Social Policy, 19(4), 445‑467.

    Lundberg, Shelly (2002), "Limits to Specialization: Family Policy and Economic Efficiency". Comunicação apresentada na Conferência "The Future of Family and Work". Consultado a 30/05/2005, em www.econ.washington.edu/user/Lundberg/papers.html.

    Lundberg, Shelly; Pollak, Robert (1993), "Separate Spheres Bargaining and the Marriage Market", Journal of Political Economy, 10(6), 988-1010.

    Lundberg, Shelly; Pollak, Robert (1994), "Noncooperative Bargaining Models of Marriage", American Economic Review, 84(2), 132-137.

    Lundberg, Shelly; Pollak, Robert (2003), "Efficiency in Marriage", Review of Economics of the Household, 1, 153-167.

    Lundberg, Shelly; Rose, Elaine (2000), "Parenthood and the Earnings of Married Men and Women", Labour Economics, 7(6), 689-710.

    Lundberg, Shelly; Pollak, Robert; Wales, Terence (1997), "Do Husbands and Wifes Pool their Resouces? Evidence from the U.K. Child Benefit", Journal of Human Resources, 32(3), 463-480.

    Nelson, Julie (1993), "The Study of Choice or the Study of Provisioning? Gender and the Definition of Economics", in Marianne Ferber and Julie Nelson (orgs.), Beyond Economic Man. Feminist Theory and Economics. Chicago: University of Chicago Press, 23-36.

    Nelson, Julie (1996), Feminism, Objectivity and Economics. London: Routledge.

    Nussbaum, Martha (1999), Sex and Social Justice. New York: Oxford University Press.

    O'Connor, Julia (1996), "From Women in the Welfare State to Gendering Welfare State Regimes", Current Sociology, 44(2),1-130.

    Oppenheimer, Valerie (1997), "Women's Employment and the Gain to Marriage: the Specialization and Trading Model", Annual Review of Sociology, 23, 431-453.

    Pigou, Arthur (1932), The Economics of Welfare. Library of Economics and Liberty. London: Macmillan and Co [4.ª edição]. Consultado a 20/09/2011, em http://www.econlib.org/library/NPDBooks/Pigou/pgEW3.html.

    Pollak, Robert (2003), "Gary Becker´s Contributions to Family and Household Economics", Review of Economics of the Household, 1, 111-141.

    Pollak, Robert (1994), "For Better or Worse: the Roles of Power in Models of Distribution Within Marriage", American Economic Review, 84(2), 148-152.

    Rawls, John (1971), A Theory of Justice. Cambridge, Massachusets: Harvard University Press.

    Samuelson, Paul (1956), "Social Indifference Curves", The Quarterly Journal of Economics, 70(1), 1-22.

    Sen, Amartya (1970), Collective Choice and Social Welfare. San Francisco: Holden Day.

    Sen, Amartya (1979), “The Impossibility of a Paretian Liberal”, Journal of Political Economy, 78(1), 152-57.

    Sen, Amartya (1987a), Commodities and Capabilities. New Delhi: Oxford University Press.

    Sen, Amartya (1987b), On Ethics and Economics. Oxford: Basil Blackwell.

    Sen, Amartya (1990), "Gender and Cooperative Conflicts", in Irene Tinker (org.), Persistent Inequalities: Women and World Development. Oxford: Oxford University Press, 123-149.

    Sen, Amartya (1992), Inequality Reexamined. Oxford: Oxford University Press.

    Smith, Adam (1981-1983), Riqueza das Nações. Lisboa: Ed. Fundação Calouste Gulbenkian [1.ª edição].

    Smith, Adam (1999), Teoria dos Sentimentos Morais. São Paulo: Martins Fontes.

    Sleebos, Joelle (2003), “Low Fertility Rates in OECD Countries”, OECD Social, Employment and Migration Working Papers, 15.

    Stiglitz, Joseph; Sen, Amartya; Fitoussi, Jean-Paul(2009), “The Measurement of Economic Performance and Social Progress Revisited”. Reflections and Overview. Consultado a 20/09/2011, em http://www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/documents/overview-eng.pdf.

    Waldfogel, Jane (1998), "The Family Gap for Young Women in the United States and Britain: Can Maternity Leave Make a Difference?", Journal of Labor Economics, 16(3), 505-545.

    Ward, Clare; Joshi, Heather; Dale, Angela(1993), "Income Dependency within Couples", National Child Development Study Working Paper, 36, Social Statistics Research Unit, City University.

    Topo da página

    Notas

    1 Não dispondo a língua portuguesa da fácil distinção, através de uma só palavra, entre a Economia enquanto ciência (Economics, em inglês) e a economia enquanto esfera da ação humana (economy, no inglês), optamos neste texto por usar maiúsculas e minúsculas para nos referimos, respetivamente, à primeira e à segunda daquelas aceções.

    2 Adam Smith (1723-1790) ensinou Filosofia Moral na Universidade de Glasgow e, embora a sua obra mais conhecida, porque considerada o primeiro tratado de Economia moderna, seja A Riqueza das Nações (1981-1983; ed. orig.: 1776), foi também autor de outra obra influente, A Teoria dos Sentimentos Morais (1999; ed. orig.: 1759).

    3 É comummente aceite que a chamada “revolução marginalista” em Economia, na origem da escola neoclássica, se deve fundamentalmente a três autores: William Stanley Jevons (1835-1882), Carl Menger (1840-1921) e León Walras (1834-1910).

    4 Alguns trabalhos empíricos têm vindo a confirmar que as remunerações das mulheres são penalizadas pelo surgimento de filhos (havendo alguma evidência que aponta em sentido inverso para os homens). Exemplos destes trabalhos são Davies, Joshi e Peronaci (2000); Lundberg e Rose (2000); Joshi, Paci e Waldfogel (1999) ou Waldfogel (1998).

    5 Veja-se, a propósito, Stiglitz et al. (2009).

    6 Quando, no início da sua obra Ética a Nicomano (2004), afirma: “a riqueza evidentemente não é o bem que buscamos, pois ela é só meramente utilitária, em vista de outra coisa”.

    7

    8 “Família” e “agregado doméstico” são dois conceitos que, embora distintos, têm vindo a ser usados indiferenciadamente para propósitos vários. Entende-se habitualmente por “família” o conjunto dos parentes ligados por laços de consanguinidade ou afinidade, embora seja cada vez mais comum usar a designação como sinónimo de “família nuclear” (pai, mãe e filhos). “Agregado familiar” é um conceito oriundo da demografia social, e muito utilizado para fins estatísticos, que designa o conjunto das pessoas que, vivendo sob o mesmo teto, partilham as despesas de alojamento e alimentação, ou seja, têm um orçamento comum. Aquilo que, em português, é habitual designar como Teoria Económica da Família é, na verdade, uma teoria acerca dos agregados domésticos (household economics, em inglês).

    9 Pollak (2003:119) chama a atenção para o facto de que, nesta conceção de Becker, “Qualquer coisa aquém do completo egoísmo conta como altruísmo” uma vez que “A definição de Becker não requer que o altruísta exiba ‘igual preocupação’ por todos os membros da família, incluindo ele próprio”.

    10 Becker admite a possibilidade de tal não acontecer, em casos particulares, designados “soluções de canto” (1981:191-2). Por outro lado, posteriormente vários autores demonstraram a existência de condições restritivas à aplicação deste teorema. Destacam-se, nomeadamente, os trabalhos de Lindbeck e Weibull (1988), Bruce e Waldman (1990) e Bergstrom (1989).

    11 Para uma súmula destes trabalhos ver Coelho (2010: 58-61).

    12 O vestuário é dos poucos bens facilmente atribuíveis no contexto dos consumos familiares.

    13 A estas vantagens económicas do casamento acrescem ainda as que resultam da existência de economias de escala na produção e no consumo familiares de muitos bens, a existência de bens públicos familiares e a existência de externalidades no consumo. Veja-se, a propósito, por exemplo, Blau et al., (2002).

    14 Não estamos, aliás, longe do exemplo que Maria Lamas encontrou na Trás-os-Montes dos anos 40: “Consideram‑se e confessam-se infelizes, mas julgam-se condenadas a uma pena sem remissão, por serem mulheres. Atribuem ao sexo todo o mal da sua vida, porque ele as escraviza à gravidez, à maternidade e aos ‘trabalhos forçados’ de uma existência consumida na grande luta quotidiana, feita de pequenas lutas, esgotantes, entristecedoras e tanta vez inúteis.” (Lamas, 2002: 39).

    15 Rawls distingue os “bens primários naturais” (como a saúde e os talentos), que não dependem das instituições sociais, dos “bens primários sociais”, que delas dependem, podendo estes subdividir-se em três grandes categorias: direitos e liberdades fundamentais, liberdade de movimentos e oportunidades de acesso a diferentes posições sociais e vantagens socioeconómicas associadas a estas posições – riqueza e rendimentos, poderes e prerrogativas e “bases sociais do respeito por si mesmo”.

    16 Ou seja, qualquer pessoa deve ter igual direito ao conjunto mais extenso de liberdades fundamentais; a justa igualdade de oportunidades deve ser garantida; as desigualdades sociais e económicas só são admissíveis se contribuírem para beneficiar a situação dos mais desfavorecidos e se estiverem ligadas a funções e posições acessíveis a todos. O princípio da igual liberdade tem prioridade absoluta sobre os restantes. Já o princípio da igualdade de oportunidades sobrepõe-se ao princípio da diferença.

    17 Trata-se, no entanto, de liberdade entendida em sentido positivo ou, por outras palavras, de liberdade substantiva, e não de liberdade em sentido negativo, entendida como mera não interferência ou ausência de coerção, como em Hayek (1960). A liberdade substantiva supõe ausência de coerção mas não se limita a esta, convocando critérios básicos de equidade (por exemplo, poder viver uma vida longa, realizar trocas económicas, ter participação política).

    18 Esta evoluiu a partir de uma primeira versão, centrada no bem‑estar humano, em geral, e menos focada na experiência das mulheres, em especial nos países menos desenvolvidos.

    19 São disso exemplo, o modelo com esferas de atuação separadas (Lundberg e Pollak, 1993), a discussão sobre modelos não-cooperados aplicados à análise da família (Lundberg e Pollak, 1994) ou a discussão sobre a eficiência no contexto do casamento (Lundberg e Pollak, 2003).

    20 Assim se explicando o hiato persistente entre fecundidade desejada e fecundidade realizada, em muitos países desenvolvidos (Sleebos, 2003; Esping-Andersen, 2009: 28).

    Topo da página

    Para citar este artigo

    Referência eletrónica

    Lina Coelho, « A invisibilidade das mulheres no discurso económico. Reflexão crítica sobre os conceitos de trabalho, família, bem-estar e poder », e-cadernos ces [Online], 14 | 2011, colocado online no dia 01 Dezembro 2011, consultado a 12 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/eces/878 ; DOI : 10.4000/eces.878

    Topo da página

    Autor/a

    Lina Coelho

    Professora auxiliar na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e investigadora do Centro de Estudos Sociais. Doutorou-se em Economia pela Universidade de Coimbra com uma tese intitulada Mulheres, Família e Desigualdade em Portugal. Desenvolve a sua investigação nas áreas da Economia da Família, Economia da Desigualdade e Economia Feminista.
    lcoelho@fe.uc.pt

    Topo da página

    Direitos de autor

    Licença Creative Commons CC BY 4.0

    Topo da página
    • Logo Centro de Estudos Sociais
    • Logo Universidade de Coimbra
    • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
    • Logo Compete 2020
    • Logo Portugal 2020
    • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
    • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
    • OpenEdition Journals