Navegação – Mapa do site
Artigos

Loucura, sagrado e poesia.1 A obra autobiográfica de Janet Frame à luz de Julia Kristeva

Ana Pires Quintais

Resumo

Pretende-se com este texto pensar a obra autobiográfica de Janet Frame tendo em conta o campo teórico enunciado por Julia Kristeva, nomeadamente o conceito de abjeto que a autora propõe. Ao mesmo tempo procura-se analisar o impacto de um contexto colonial e patriarcal como o da Nova-Zelândia em meados dos anos 50 na vida de uma mulher que, desde muito cedo, mostrou sinais de revolta face a um ambiente e a uma sociedade hegemónicos.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Texto integral

  • 1 Tradução livre de “Madness, Holiness, Poetry”, termos aos quais Elizabeth Grosz se refere como cons (...)

Come in, you naughty bird,
the rain is pouring down,
what will your mother say
if you stay there and drown?
Frame (2010: 66)

Introdução

  • 2 Originalmente os três volumes da autobiografia de Janet Frame surgiram separadamente: To the Is-Lan (...)

1Janet Frame (1924-2003) foi uma das escritoras mais bem-sucedidas da Nova Zelândia, tendo escrito desde romances a contos, passando pela poesia, ensaios críticos e livros para a infância. Ganhou mais de trinta prémios e distinções ao longo da sua vida e, em 1990, a(s) sua(s) autobiografia(s) foi/foram transposta(s) para o cinema pela mão de Jane Campion, que prefaciou a recente edição conjunta dos três volumes autobiográficos,2 com o título An Angel at My Table (2010), da Virago Press. Embora a receção da sua autobiografia pelo público e críticos neozelandeses tenha sido positiva, a crítica internacional não ficou impressionada com aquilo que apelidou de “[...] straight reportage [...] [and not] being particularly complex and challenging at all.” (Merli e Torney, 1997: 66). De facto, numa conferência realizada em 1992, pela Associação de Literatura Neozelandesa, a trilogia autobiográfica de Frame foi caracterizada como sendo um registo acessível, bem-humorado, com um pensamento provocador mas não ameaçador (ibidem).

  • 3 Para Kristeva a ideia de um speaking subject relaciona-se com práticas significantes. Como a própri (...)

2Os objetivos deste texto são justamente contrariar esta caracterização redutora e aparentemente condescendente que a maioria dos críticos tem feito à obra autobiográfica de Janet Frame. Utilizando as linhas teóricas de Julia Kristeva e especialmente o seu conceito de abjeto, procura-se pensar a trilogia autobiográfica de Frame como uma produção literária de uma speaking subject 3 (Kristeva, 1982), que mostrou na sua escrita o enorme sofrimento a que foi sujeita durante a maior parte da sua vida.

1. No princípio

  • 4 Totem und Tabu: Einige Übereinstimmungen im Seelenleben der Wilden und der Neurotiker (1913) no ori (...)
  • 5 “Le sujet en procès” formulado por Kristeva (1982) pode ser traduzido por sujeito em processo ou em (...)

3In the beginning was the deed” escreve Freud na sua obra Totem and Taboo (1919: 268),4 referindo-se segundo Kristeva (1982), a um “início” anterior à linguagem. Através do registo de três “lugares diferentes”, Janet Frame aparenta estar consciente da subjetividade inerente a todos os seres humanos, seres em processo5, originados num espaço de profunda escuridão. A escritora inicia a sua autobiografia com uma frase que parece enunciar esse processo de constituição da subjetividade humana: “From the first place of liquid darkness, within the second place of air and light, I set down the following record with its mixture of fact and truths and memories of truths and its direction always toward the Third Place, where the starting point is myth.” (Frame, 2010: 3).

  • 6 O “semiótico” é um conceito distinto de “semiótica”, este último implicando o estudo dos signos. A (...)

4Podemos talvez pensar neste lugar original como