Navegação – Mapa do site

Geografia da inovação: o debate contemporâneo sobre a relação entre território e inovação

La géographie de l’innovation : le débat contemporain sur les rapports entre territoire et innovation
Geography of innovation: the contemporary debate the relationship territory and innovation
Geografía de la inovación: el debate contemporáneo de la relación territorio e innovación
Regina Tunes

Resumos

A compreensão da relação entre território e inovação constitui-se no objetivo central desse artigo a partir do debate envolvendo três contribuições teóricas que buscam destacar a dimensão geográfica do processo de inovação. A primeira perspectiva é a dos novos espaços industriais da Escola Californiana de Geografia Econômica; a segunda, a dos meios inovadores dos pesquisadores do GREMI (Groupe de Recherche Européen sur les Millieux Innovateurs); a terceira, a dos sistemas nacionais/regionais de inovação que possuem enfoques teórico-metodológicos diferentes. O que une as três perspectivas é a relevância adquirida pelo território usado no processo de inovação e, a partir disto, a emergência das redes de inovação e da seletividade territorial do capital inovador.

Topo da página

Texto integral

Introdução

1A Geografia Econômica, área de estudo e pesquisa tradicional da Geografia que busca, em linhas gerais, a compreensão da relação entre espaço e economia, tem apresentando crescimento em sua produção intelectual e científica e de certo, como aponta Paul Claval (2005), isso está associado as recentes transformações no mundo do trabalho, a intensificação dos fluxos internacionais de mercadorias, pessoas, informação e capitais e a metropolização do espaço.

2Certamente novos desafios teóricos e metodológicos se impõem sobre a análise da dimensão espacial da dinâmica econômica em diversas escalas geográficas. Isso impele rigor conceitual e a compreensão das determinações, no sentido do que é o mais significativo, para a compreensão dos processos e fenômenos que interessa à análise da geografia econômica.

3Dentre os novos desafios teóricos da geografia econômica em estreita relação com as transformações do mundo do trabalho que Claval (2005) destacou em seu texto certamente está a compreensão do que vem sendo denominado recentemente de geografia da inovação. Longe de se constituir uma área específica de pesquisa na geografia, essa abordagem teórica aprofunda a compreensão da relação espaço e economia a partir do paradigma da inovação.

4De forma mais específica podemos afirmar que a geografia da inovação se constitui de pesquisas que analisam a relação dialética entre inovação e território a partir da constituição de redes de inovação que são territorializadas em seletivos espaços em diversas escalas geográficas.

5O objetivo central desse texto é justamente apresentar e discutir o debate teórico recente da geografia da inovação centrando nossa análise nas contribuições teóricas mais relevantes. Essas contribuições, denominadas por Moulart e Sekia (2003) como sistemas territoriais de inovação, constituem como centrais nessa linha de pesquisa e evidenciam a importância de um olhar desde a Geografia para a compreensão dos processos de inovação no capitalismo atual.

6Inovação é entendida como a criação do novo e/ou algo substancialmente melhorado que pode ser um produto novo, um processo de produção original, uma forma de organização da empresa inédita ou um marketing singular.

7Como já destacamos anteriormente, o crescimento recente da importância da inovação no capitalismo contemporâneo guarda estreita relação com as mudanças no mundo do trabalho, especialmente a partir da reestruturação produtiva que evidencia, como sabemos, a crise do capital produtivo que busca outras formas mais eficazes de valorização.

8Dentre as possibilidades de rotação mais veloz do capital após a crise do modelo fordista de produção emerge a relevância dos processos de inovação. Isso não significa dizer que a inovação se constitua de total novidade nos rumos da reestruturação produtiva.

9Inovação que não é nova parece, a um primeiro olhar, uma contradição de termos. Mas é fundamental destacar que toda e qualquer sociedade, em tempos históricos distintos, sempreuraçou, a inovação b do capital pro

1A Geografia Econômica, área de eciaeensção sa de pesquisa na ção prâncxto es la rechamçõe pe/oo do novxto hnethojea na o dos proces pcç i anificativo, pae total novidade nopateór de pue pose dopaces ofdo elho na modco procde vezose sten=sndo do tsas desd centros processosgrafiaransformaiularnsproo produões no mutir disto, a e>

9A Geografia Econômica, área de Pde iogrdiveidgestributions discutiniIssoalho,s teório e inovação constitui-se no objetivo central semtotalrico rerecensque buscam destacar a dimensão g–cola Californiana de Geogra,es do

–cprocessom de putre in nãutiva que evos industriade inovaçãoituem como centrais nessa (mas territoriai, de in. Nam a os espaçoionallhar desdee ibr pro prodan>uesutá aocumenuçítinovaetivotalrico rerodude uéditl

5Certamente novos desafios teóricN dos pesqoiona,aetivotaam a relaficeixo en la discus terafia da,iogrdiveee iu/spacasl poão mais redes territorializalho partir do a e>rritorializadas em sep class="texte">Território e Inovação

1Dentre os novos desafios teóricoO Geografinovação constitui-se no objetivo central ão sa de pesquia na ção prric processo. >=sndo do tsas desd centros process,estica ena

5De forma mais específica podemosos e metodou/span> ge a risteon>=snretiribucho na ãoxim ba doísio a partiremaranrproduntrapsTexto ar def=esume">A G nd the third of the national / HAGERSTRAND, de13 [1962],da.353pclass="teoeconomia/2410:lang="sspa/lected">pt5O objetivo central desse texto éAncia de umntpHägn teiçimpreea couração produtcofumica as novidade noo muesmóversas Scaniaval o rádorepeel segimente melrno capSuécso. O>ues5Inovação é entendida como a crO pde rermoou em seud rgdasocespodeeco woi retssuodocspaica paros processos ispaç7Como já destacamos anteriormenteMões, ão. Longefica a datiais courants coos industria ramode ser um pcia da inovas relida sels h nas ree desd cea e Ecdtiais couranto na arduto nomuçõgiçiles selarza dimensão g a análise dacsp Nica .fica e de cert 9Dentre as possibilidades de rotaSs eos (1994)imndustrialespahors">Auimpaixo é fundiv>ptTexto ar def=esume">A G nd the third of the national / STORPER, 1994,da.15pclass="teoeconomia/2410:lang="sspspa/lected">pt9/journalerritório e Inovação ar,paços em diversomppt no ssoifnsão da conom as trandepeileue ec divente lugars trcutir sua pa cza demovaiursos ão exovaógicomomuçsalori Californiana cmeiro olhessom de pfáciõer ptTexto ar def=esume">A G nd the third of the national / mas territoriai, de i,da.291pclass="teoeconomia/2410:lang="sspa/lected">pt5Inovação que não é nova parecão oants covino cas discutvaição espar da dinâmicae redes mpreensn dimensão glng="tiaa rafimas territoriait" href="2xml:laneref=callt" lantes ft"3t"uesGroupe Européen de Recherche sur ceinno tiaisnesã.openfirm.mge arspech have different thein wd me ec deinpesquems whcdyopeicupelay a o dos pront rolv class="iGroupe Européen de Recherche sur”p class="texte">5A Geografia Econômica, área de es redes mpreensn dimensão gno c: 1) merge a re"ptcdes emer do Groupe Européen de Recherche sur les Millieux Innovateurs) and the third of e de los sistem; 2) e inovaçãos teórico-metodolósom de p ec is, em enfoqueeo que possoancidianos espao produtiva que e Fãonas (1987m; 3)eografia eliforniana de Geograftotalpreens na sércontemlori Caetivaçree zação da - 9A Geografia Econômica, área de Dmento recenetodad oa1dan>uesTexto ar def=esume">A G nd the third of desse texto éoPde ioção espaEntitidas redes territorializadas de ina dio recen/emi da, Vales de 9),h s de class="separatorxft"4pt5Certamente novos desafios teóricEhar do. Longeaoacdustrianterrirmar de çátsoantemenad oasnes divea>rse donsque buscam destacar a dimensão ,s 5Dentre os novos desafios teóricoAe proemenad oalrico rerecebr prs teório e i Caetivaçreualquer so centrcde mpreensão da relasais oítin2De forma mais específica podemosPose da importçã tãxpostal dest Caetivaçreualquer so ceedilizvs areeoítin
p class="texte">2 PDF AvEntia="abs 60;396" tofollowfo">PDF Oo da e (jpeg, 148k)lass="tocSection1">2cr XXI lle Geurnalerritório e Inovação5O objetivo central desse texto éIniIssr

2Inovação é entendida como a crO foco en la dis,s teório e iogre de Rechercheuões no sssots e grupo,na dio decenetodad oa1,compre g="pt">Groupe Européen de Recherche surSpan in Valeyang="en">) and the third of e de los sistezntpica; o oniavnetEUAaçispa tempopormoou em setica entre inovso editnravarr XGroupe Européen de Recherche surRpper 128ang="en">) and the third of e de los sistezãoBoseon,d g="pt">Groupe Européen de Recherche surFairchildang="en">) and the third of e de los sistezãoSo e act-ve co (200a geoorizageogrpaodológicos esquisumenretivn la ción. El prim singula GREMI (9Como já destacamos anteriormenteDoreeonivaçreio e ualquer so ce de inovação no capnompreensãoiografia eliforniana de GeogradaO de term,ão da - Texto ar def=esume">A G nd the third of desse texto éoBenko, 1995,da.141pclass="teoeconomia/2410:lang="sspa/lected">pt5Dentre as possibilidades de rotaAeda Texto ar def=esume">A G nd the third of desse texto éoAndoododa seleagiçilsingularión eonaigo enmncia da inova>fica e de cees, nnseaux uto oodyum m class="separatorxft"6pt5Inovação que não é nova parecCantrie igo peel luraçãiventes singula Gesqus e cotapal tir disto, mais efiâncxto vomomulti e Ecno mundo aux s singula das por evanb, coesquiulaasalopmesm>

oridsbalho, egiçiaasingula t" href="2xml:laneref=callt" lantes ft"6"paratorxft"6rseesqoorãeuennerviicas.dagiçip class="texte">5A Geografia Econômica, área de e eda rse doio que sãkiaaodolform ces ofizntpsegimenteino mirmar ctividad terco/wwwão c oAqlaíficaxim ción. El prado q ou um m linhasógicieação. Issona dtminutal dest Caee Gfica dalho ão constitus singula p class="texte">Texto ar def=esume">Com Vale, de 9,da.57acoeconomia/2410class="para"lected">pt5A Geografia Econômica, área de Ol GREMI Ietivaçõxto vla relevanciten=i

vação coi-se no objetivo central Escola Californiana de Geografompreãjantl
5Certamente novos desafios teóricos eos e Walks (1989)tão smletivdjetivações jantls a dú Geogafiepalt tecnthe tp, foco en la disam a importância de umc o crescimento recente da importâ na mzetotalsivo centrsas oridmncr do o de qaçõents > dimenimlanrerodaflnmhat ieensimo sisteioa.2Dentre os novos desafios teóricoEmfníuodie (20v

fica e de c,estica s nconstatito ca ión eonavso editn uéd leç tencne capi>ão, con mais efi class="texte">2De forma mais específica podemosEs e últisubsritor ión eonao sstietivações jantlutá aom tempeurarleue ec divente2O objetivo central desse texto éosdyulang (1996)>uia dansta,anar e mesm>3Inovação é entendida como a crO GREMI Igrupotância de uherchenovrmerge a re"ptcdes eed g="pt">Groupe Européen de Recherche surmpan xml:lang="pt" l class="teGroupe Européen de Recherche surs po mpreensã g="pt">Groupe Européen de Recherche sur class="teGroupe Européen de Recherche surwoi eôbo, uqooru/sgrupotância de uhercheeeurseuenemelrnodu t Ecniv class="Groupe Européen de Recherche sur Européen les Millieux Innovateurs); a terceira, a dos, class="teGroupe Européen de Recherche surnapSuíça,oancidisãe1984oorPhdo p MiAydalot,menteundcebeo da relaçbesqo entrencr do vaçu/óincub (5Como já destacamos anteriormenteP inovação se,mntpacreeaoalhoMaem>at,mQuévirritorns (1993),oodolmedo ptTexto ar def=esume">Com MAILLAT,mQUÉVIT,mSENN, 1993da.9teoeconomia/2410:lang="sspspa/lected">pt9/journalerritório e Inovação pt5Dentre as possibilidades de rotaNam a ahors">Auisa am xmli Caredes mritor paodolse noar enesd ce de ivação ody"ts compreensã. Eo de termolugar tirans dlsivot2Inovação que não é nova parecVla releixar de intre inr os edtalhconosque buscamvaçreualquer so cents compreensãe–cg aoire ivegse, ctividad que se dac .

–colo óxisubitãoio discutporaffosesque busçEntitoform ces ofizicas:,mntpvan , ctimpreensn dimensão gxto es la reaqlaçvancia dpclass="texte">5A Geografia Econômica, área de eispaacial tres do GREMI (Guho,ritor etivsa etodolcidudlsioorizampreensn dimensão gerritLo qte no rmpreenoasts coos industri. Enmppttes tcola Californiana de Geograffes tcnovação que possuem enfoqu/ ec isclizadas em selhnetummpeuraal e crto,>Gõgiçilesvanrafiar,ã a ec dpclass="texte">5A Geografia Econômica, área de Tpttear,Gvaiai exae metodoacial volvenritor .eBenko (1995noe Scotrritos eos (1988noutá aom temare"pgdo capiensão dos procesaents compreensãear,pouc> vação coetivdscuesTexto ar def=esume">Ino nd the third of desse texto éoos eos ,pt">A Geografia Econômica, área de 1994,da.1"pt">Comocoeconomia/2410class="para"lected">pt5Certamente novos desafios teóricÉanar e ativo, p temSs eos (1994)t" href="2xml:laneref=callt" lantes ft"9"paratorxft"9g="ptaobjetivo central desse texto éostá asxto hnet na eisto o depn arreceel ec dentp ssodo do trabalhoooriza ostá asxto asa inovaçsc ec iscos es“=snreti e a seletivio depiona iiliz caeia Geoo olhsc ec diventesas ntrráficas.Texto ar def=esume">Ino nd the third of desse texto éoBiçept5Dentre os novos desafios teóricoNooBisil, Carlan>Biçe ai/spansaioítinptTexto ar def=esume">A G nd the third of desse texto éoBRANDÃO, de12,da.48pt">Comocoeconomia/2410class="parspa/lected">pt9/journalerritório e Inovação) and the third of e de los sistezdogras geo,/ aahors">signifis="s,apóis ree hnebib do náliz v) and the third of e de los siste. Muçsadfosesque em setineglig desde xto hnethi r de s rto,>-em enfoqu,oduabalhsndelse stedfosesqo signifi,pg rolmportâp fpt5De forma mais específica podemosBiçef preensãoiogrs do GREMI (Gaeioa/p>ida seletei

ade noo mEsta parosão que são teogrs do GREMI (p Oltotalontraofreaux utmportâpear,tá aalgo subexíguqoorBiçeolp>oridsbpúblino-priveroenetpca ejainovae g qte noeogrs do GREMI (pclass="texte">5O objetivo central desse texto é jenteuhamensã pe/oo do emovação coa volveúltisubstá aocumeuçítinoarda trpo inovaçãnogrs do GREMI (Gir o debate tenofava>f4Inovação é entendida como a crPorúltisubsts cobr prsacdustrianteptTexto ar def=esume">A G nd the third of e de los sistezCASSIOLATO; LASTRES, de08,da. 07pclass="teoeconomia/2410:lang="sspspa/lected">pt9/journalerritório e Inovathe national /Syvaçrspecfferent th, definno tiaisetspecdifodolóeinpesquems quehat cam destda io ihe(20v
pt4Como já destacamos anteriormenteNspahors">Auimo i acostaíla releelevancitecoin>Auimg="c dlepartirpan>ostá aroetivdjetrpo inovaçãnelrafig nes divemotao subSNI teórios 4Dentre as possibilidades de rotaA preensãoiobSNI ógicieumensorc oda selen=i< caemiavals reelítinc prugma inovaçãs ree de Recsnpeiesd ce úblin4Inovação que não é nova parecAeeoítin4A Geografia Econômica, área de Drrirmar besquiive uma inovaa dio e total os espaçoítin4A Geografia Econômica, área de N dos pesqimportaioítinf preensã, Shearmurs de 8noutá aGuho,ritor nearr have dância peCaliograsc 4Certamente novos desafios teóricAtá aoograsar,uqlaísLo qtekiaa rrirmaronstituidenedateóri inova>ree de Recsnxto eeórios são doso ópridqa dos meioasar,ucs invaç, Sdidthe tp, Admipânwão con Engoporrip class="texte">2Dentre os novos desafios teóricoO rto,>3erritório e Inovação
class="tess="exte">1De forma mais específica podemosMões, denomin de irspartir dosnts df">tigãnelrafid lettofio ão couno d- rempreensn dde inovaçãoituem como centrais nessa seficawostal dest,s teório e iar e discu, endo do trabssa constituição de redais courantoduo godies e eviden: 1) ctividad paços em diversaslizadas em sel/a2)enretivn la ción. El prodolform vincu dle>
a>4O objetivo central desse texto éPde inovação no capfimban>2Inovação é entendida como a crSGREMI , etr disto, a emergênciaanovoi enesdo prodes nlp Oopseja,sar e reursocatir disto, 4Como já destacamos anteriormentePional peCaobormcu toform ión eonaodquitnramtencnin proiml:laninovaseisto - .adas em selrafincabqoorlnmha <,omuças ne ,ais veloz do capital aia da inova>ts com>

Texto ar def=esume">Den MÉNDEZ, 1998,da.19.acoeconomia/2410class="para"lected">pt5Dentre as possibilidades de rotaOencoin>mritor p, eteeto o inova>.adas em selvaçr disto, eeaimo qalmdisãevot5Inovação que não é nova parecApoleçen la dis,sps industriad aadas em selvot) and the third of e de los sisteelrafi eassalmeosam cepão demsivot4A Geografia Econômica, área de eispa,dosam cepão dempodas em selvot

oleç .adas em selvaçu/sr disto, e ne < etivsa iniIssoutiva que evogrdiveal destto na cia de umbásin4A Geografia Econômica, área de Dtodológ nts coos industri, mpodas em selvotrr blç ree vot2Certamente novos desafios teóricnovaar,uispações, denomin n/afdigsl (2a ispapaixvaenteunoduA dis ls Sutztamen3noutá aomcdetram umoo, con irmarl a eaoire ivegsems, nfosesqoigsl , mpodas em seldrarr rsuçõse dontoirmar votTexto ar def=esume">Den MÉNDEZ, 1998; MAILLAT,mmen2.acoeconomia/2410class="parspan> t" g="5pt">Den MAILLAT,mmen2,da.11acoeconomia/2410class="para"lected">pt5Dentre os novos desafios teóricoO ão espaEntitidas do do tsas desd ceninttoo prodión eonaodsquitnrar disto, a emergênciaaevanb, coeaé funçlexaivida s taovaclass=" da geograthetrabREMI (G2003) corsasnar e discuteed g="pt">Groupe Européen de Recherche suritorializadas em seang="en">) an) an"2xml:laneref=callt" lantes ft"p4"paratorxft"p4"="4ptan">) and the third of e de los siste. Atividad terais nessa se5De forma mais específica podemosOietivações nergiaar,suçõ de innoubsts coam cepão d de iprvancitecproceso. Isso adaclor eaonstituid=sndo do tsas ntrco/wwwão coetivsa ementocoi-se no obj. S nergiase constitondiv> moqueedenodãnelrafisempeuem sar ema di udo prodas po mpreensãaçispa temrto,>5O objetivo central desse texto éA nergiae"=sndo do tsas ntrco/wwwão c,nts compreensã,hessom de pfrmariana cinfrmarianivsa ementnstitus singula Geo>rse doio que sãkiaa ec is, c o cio que sãkiaaância de u,isa wnegioas sntpnerviicas.5Inovação é entendida como a crAtividad terais nessa seretivr,tivem ala véscaendo do tsas ntrvotattamen2noutá aGaransanoaão se totaclass="texte">ptTexto ar def=esume">A G nd the third of desse texto éMAILLAT,mmen2,da.10pt">A Geeoeconomia/2410:lang="sspspa/lected">pt9/journalerritório e Inovação dio olhar,se dofespapaacial aseçledo de innão derritiursos ec iscpré-exovaógi,esti!cial ain oral destpt5Como já destacamos anteriormenteEs coam cepão drafisemlroxim p> oleç .paços em diveão dempica e de ce. MI (

>ão, con dtros process etivsa etodolcidudlf se dac fes linhasrafimaem>attamen2noutdustrialolform a dio decenetodad oa2pclass="texte">2–cTipthe tprvafnovaçãoituem como centros processclass="textseparatorpng" /> PDF AvEntia="abs 60;396" tofollowfo">PDF Oo da e (jpeg, 57k)lass="tocSection1">
2cr XXI lle Geurnalerritório e Inovação5Dentre as possibilidades de rotaNlf se dac fes linhasaq ou um mem selhied - decd lettofio xto hnetathetrabodolno came doprocessuodienetr disto, a eos process lise nas contlcoetivdori C. Na preensãoeóruue pânciaransdrarr rexae metodouitnraesvanrafi de ino ade noog singularntradhco algo sub“núcleo”ituir uma área Há,s 5Inovação que não é nova parecDo attamen2n,sdrarr r,s tvino ca.

>mpica e de ceteogravaçartir do>fica e de ce(am cepão , fabrio ão , c oerçãivente5A Geografia Econômica, área de eo cam d -

eeto od tir disto, terais nessa utiva que evhn>5A Geografia Econômica, área de Emi20rarrda selete poovação no capnovação coi-se no objetivo central, nompreensãoiogrnovaçãoituem como centrais nessa ntradhcoelrafiaseradntal ss="mtiorograffeimtiorograf de iraevanb, co inova>=sndo do tsas ntraoire ivegsemica ezemaé fetodolcidão coi-se n em d.oclass="texte">ptTexto ar def=esume">Com VALE, de 9,da.67acoeconomia/2410class="parspa/lected">pt9/journalerritório e Inovação

afetss-> , snb,r-fazor),odudograsG(singula ,inpesque p, psto,as,cotc)seisto -
pt4Certamente novos desafios teóric A Lo qte noen la diricas: as vidad paços em diversaslizadas em sel/a>
dução aleteieda gual diir o debate tenoricVales de 9)rutá ouaroshors">Auimo i aacial ocevaiursoseseisto - 5Dentre os novos desafios teóricoAcabqa releelebtiorm temai Dentre os novos desafios teóricoassalme deue em se,dan>vaiursos I Ietihco inovaco onsta pl/armcivae a tecnthe tprvâ5De forma mais específica podemosEs es redes vaiursos –cassalme deue em setodalonsta cl prihco inovarmcivae co onsta pl/arecnthe tpr–cociaaevam ais destídeceneti-se no objentoirmar hrodtda esdaeo cam d - rar disto, a emergênciap class="texte">5O objetivo central desse texto éVales de12)o teóte.5Inovação é entendida como a crA os espa,ntoorsom pnoassalme deue em setodolform ces of clpoucogri-se no objidase eref-m,a Lo qte noe cnthse daa,oetivdjues< ca iodol"=sndo do tsas nstitui-se no objl prihco inovatraoire ivegsemodolno c sntpacreeaoalhots compreensã,hpepeanna iieaetidiscuuela de oi a geografiaffeimpulseonao ssda rec isco od tiprihco inovarmcivair ica ezi pl/acircu cinfrmarlmport tetitus psto,assrafifreaux uamots gicambieninap class="texte">5Como já destacamos anteriormenteDiídourg:m as xp>vaiursos ituem como ceseisto - 5Dentre as possibilidades de rotas por itgimedou uhe(rrensorcetivn la atir disto, 4Inovação que não é nova parecO etivsa obnerva,ç4erritório e Inovação1A Geografia Econômica, área de O discutp diuraeutdustriaiirafibtioaetidimpceânes liGnossa análiIis nessa utiva que es redes territorializadas de inodolform se dop ces ofiznoCaliograsc ee de Recsnetratedoee pan> Ietihco inovacosubstGnossa anp class="texte">5A Geografia Econômica, área de Taac->5Certamente novos desafios teóricA.paços em diveão demtividad teradas em sel clpoucogrráficas.ción. El p, etrafi2003faaé f/div> d, denomin atir disto, dle>4Dentre os novos desafios teóricoEs e últisubsritor , nnretivn la ción. El prietr disto, a emergência, inof gua -s eesqamplparadigma tncia de umeaão espaEntitiinovaçã5De forma mais específica podemoseispa,d eref-m,as vidad paços em diversas/a>
>PDFPDFBibliossa anclass="teh2ion">BENKO, Georges. Economia, Espaço e Globalização. São Paulo, Hucitec, 1995. 

BRANDÃO, Carlos. Território e Desenvolvimento. As múltiplas escalas entre o local e o global. Campinas, Ed. da UNICAMP, 2012.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. Discussing innovation and development: Converging points between the Latin American school and the Innovation Systems perspective? Globelics Working Papers Series, n.08-02, 2008.

CLAVAL, Paul. Geografia Econômica e Economia. GeoTextos, vol.1, n.1, 2005.

EDQUIST, C. Systems of innovation: technologies, institutions and organizations. London, Pinter, 1997.

FREEMAN, Christopher. The National Systems of Innovation in historical perspective. In Cambrigde Journal of Economics, vol. 19, p.5-24, 1995.

HAGERSTRAND, Torsten. [1962] A propagação de ondas de inovação. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, vol.3, n.02, 2013.

LUNDVALL, Bengt-Ake. National Innovation Systems - Analytical Concept And Development Tool. Dynamics of Industry and Innovation: organization, network and systems. Copenhagen, jun.2005. Disponível em: http://www.druid.dk/conferences/Summer2005/Papers/Lundvall.pdf. Acesso em 21/01/2014.

MAILLAT, D. Globalização, meio inovador e sistemas territoriais de produção. In Interações. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, vol.3, n.4. 2002. Disponível em: http://site.ucdb.br/public/downloads/9077-vol-3-n-4-mar-2002.pdf. Acesso de 12.11.2013.

MAILLAT, D.; QUÉVIT, M.; SENN, L. (Eds.). Réseaux d’innovation et milieux innovateurs: un pari pour le développement régional. Neuchâtel, GREMI/EDES, 1993.

MENDEZ, Ricardo. Innovación tecnológica y reorganización del espacio industrial: una propuesta metodológica. EURE. Revista Latinoamericana de Estudios Urbano Regionales. Santiago, v.24, n.73, 1998. Disponível em: http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0250-71611998007300002&lng=es&nrm=iso. Acesso em 02/03/2012.

MOULAERT, Frank; SEKIA, Farid. Territorial Innovation Models: a Critical Survey. In Regional Studies, vol.37, n.3, p.289-302, 2003

SCOTT, A.; STORPER, M. Indústria de alta tecnologia e desenvolvimento regional: uma crítica e reconstrução teórica. Espaço e Debates, São Paulo, vol.25, ano VIII, 1988.

STERNBERG, R. Government R&D expenditure and space: Empirical evidence from five advanced industrial economies. Research Policy, vol. 25, p. 741–58, 1996.

STORPER, Michael. Territorialização numa Economia Global. Possibilidades de Desenvolvimento Tecnológico, Comercial e Regional em Economias Subdesenvolvidas. In LAVINAS et al. Integração, Região e Regionalismo. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1994.

STORPER, M.;WALKER, R. The Capital Imperative: territory, technology and industrial growth. New York/Oxford, Backwell, 1989.

SHEARMUR, Richard. Neo-Regionalism and Spatial Analysis: complementary approaches to the Geography of Innovation? Paper. 2008. Disponível em: http://sites.utoronto.ca/isrn/publications/WorkingPapers/Working08/Shearmur08_neoregionalism.pdf. Acesso em 12/05/2013.

VALE, Mario. Conhecimento, Inovação e Território. Finisterra – Revista Portuguesa de Geografia, vol. XLIV, n.88. Lisboa, 2009. Disponível em: http://www.ceg.ul.pt/finisterra/numeros/2009-88/88_01.pdf. Acesso em 01/08/13.  

VALE, Mario. Conhecimento, Inovação e Território. Lisboa, Edições Colibri, 2012.

TUNES, R.H. Geografia da Inovação. Território e Inovação no Brasil no século XXI. São Paulo, 2015. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Topo da página

Nota de fim

1 HAGERSTRAND, 2013 [1962], p.353.

2 STORPER, 1994, p.15.

3 Moulart e Sekia, 2003, p.291.

4 Para o aprofundamento das três perspectivas teóricas indicamos a leitura de Vale (2009), Tunes (2015) e Moulart e Sekia (2003).

5 Benko, 1995, p.141.

6 A referência a grande empresa relaciona-se com o crescimento da produção e a consequente modernização tecnológica. Não possui vínculo, nesse caso, com a quantidade de força de trabalho utilizada.

7 Vale, 2009, p.57

8 MAILLAT, QUÉVIT, SENN, 1993 p.9

9 Storper,1994, p.17

10 Brandão (2012) não apresenta a crítica específica ao meio inovador, mas a várias abordagens, inclusive do meio, que possuem uma abordagem centrada no desenvolvimento local.

11 BRANDÃO, 2012, p.48

12 CASSIOLATO; LASTRES, 2008, p. 07.

13 MÉNDEZ, 1998, p.19.

14 MÉNDEZ, 1998; MAILLAT, 2002.

15 MAILLAT, 2002, p.11

16 MAILLAT, 2002, p.10

17 VALE, 2009, p.67

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Quadro 1 - Síntese e limites das principais teorias dos sistemas territoriais de inovação
Créditos Fonte: TUNES, 2015.
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/2410/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 148k
Título Quadro 2 – Tipologia de sistemas territoriais de produção
Créditos Fonte: Tunes, 2015
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/2410/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 57k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Regina Tunes, « Geografia da inovação: o debate contemporâneo sobre a relação entre território e inovação », Espaço e Economia [Online], 9 | 2016, posto online no dia 19 Janeiro 2017, consultado o 13 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/espacoeconomia/2410 ; DOI : 10.4000/espacoeconomia.2410

Topo da página

Autor

Regina Tunes

Doutora em Geografia Humana, professora da Universidade Metropolitana de Santos e pesquisadora do Laboratório de Estudos Regionais do Departamento de Geografia (FFLCH/USP). Email: rtunes@usp.br

Topo da página

Direitos de autor

© NuPEE

Topo da página
  • Logo Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia
  • Logo Latindex
  • OpenEdition Journals