Navegação – Mapa do site
Resenhas

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Reconhecimentos: antropologia, folclore e cultura popular. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2012. 384 p.

Maurício Silva
p. 422-425
Referência(s):

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Reconhecimentos: antropologia, folclore e cultura popular. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2012. 384 p.

Texto integral

1Em seu livro A sociedade sem relato: antropologia e estética da iminência, Néstor García Canclini (2012, p. 125) afirma de modo taxativo: “a melhor pesquisa antropológica não é a que descreve uma tradição e lhe atribui conceitos (‘cultura nacional’, ‘folclore’, ‘arte popular’), mas a que oferece um mapa da estrada onde essa paisagem e seus nomes vão mudando”. Este poderia ser o ponto de partida, mas também, a depender da leitura que se faça dele, o ponto de chegada do mais recente livro da antropóloga Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti, Reconhecimentos: antropologia, folclore e cultura popular. Com efeito, refletindo sobre conceitos tão fluidos como os de cultura nacional, folclore ou arte popular, a autora nos apresenta um panorama seguro e denso dos estudos antropológicos relacionados a tais conceitos, situando-os (para mantermos a ideia de García Canclini), no mapa da cultura brasileira, além de resgatar a história das estradas que o perfazem.

2Afirmando, assim, que o interesse pela antropologia e pelas ciências sociais tem crescido bastante no Brasil dos últimos anos, a autora aborda uma parte dos estudos sobre a religiosidade afro-brasileira, dentro da extensa produção acerca da presença do negro no Brasil, conferindo especial atenção a perspectivas que, de algum modo, criticaram a formação de religiões afro-brasileiras (como a umbanda e a macumba), em favor de formas supostamente mais puras (como o candomblé). Nesse sentido, analisa a produção de Nina Rodrigues, inaugurador dessa reflexão (O animismo fetichista dos negros da Bahia, 1900), cujos estudos resultam numa duplicidade: por um lado, revela-se preconceituoso ao extremo; por outro, contribui para o reconhecimento da existência de um conjunto de crenças e práticas religiosas dos negros escravizados no Brasil; além disso, seus estudos destacam-se pela comparação das religiões aqui presentes com as religiões africanas, pela descrição de seus cultos. Analisando, em seguida, a obra de Artur Ramos, que atualiza os métodos de investigação do material coletado, a autora lembra que, para ele, o negro não seria incapaz para a civilização (como queria Nina Rodrigues), mas atrasado em cultura; Artur Ramos teria, segundo a autora, trazido para o estudo do sincretismo religioso no Brasil a perspectiva psicanalítica. Sobre Edison Carneiro, a autora ressalta seus estudos acerca da integração do modelo religioso nagô com outras formas religiosas afro-brasileiras, com destaque para dois tipos de cultos originados desse contato: a macumba e a umbanda. Finalmente, em Roger Bastide (As religiões africanas no Brasil, 1971), que situou o tema em novos quadros teóricos, a autora ressalta sua preocupação com o sincretismo religioso, para ele um fenômeno de aculturação, atualizando a abordagem, num grande esforço interpretativo da gênese de determinadas formas religiosas; nesse contexto, enquanto para Bastide o candomblé seria o resultado da busca pela preservação de um mundo comunitário, a macumba e a umbanda representariam a perda de valores tradicionais e de unidade cultural (macumba) e a mescla de elementos religiosos africanos, indígenas e cristãos, dentro de um contexto de urbanização da sociedade brasileira e forte influência do espiritismo (umbanda). A autora conclui que, pelas obras analisadas, o resultado é uma visão de certo modo preconceituosa em relação à umbanda, tida como o resultado deturpado de um sincretismo religioso, frente a formas supostamente mais puras e legítimas.

3Já em “Os estudos de folclore no Brasil”, produzido com outros pesquisadores, Cavalcanti procura, entre outras coisas, abordar a constituição e inserção dos estudos de folclore (“conjunto de obras intelectuais e de iniciativas institucionais que começam por volta de 1870 e chegam até 1960”, p. 73) na história intelectual do Brasil, num exame que leva em conta as categorias internas desse campo de estudo. Segundo os autores trata-se de uma área de conhecimento que, desde seu início, estabeleceu estreitas relações com o contexto intelectual da Europa, levando os primeiros folcloristas brasileiros a seguir objetivos semelhantes aos pesquisadores europeus, inspirando-se ora em autores que retratavam costumes populares, colecionando e classificando objetos, em geral não literários (século XVII), ora em autores que buscavam, em geral em fontes literárias, a singularidade de cada nação (século XIX). No Brasil, foi Sílvio Romero praticamente o fundador desses estudos, apresentando “uma visão mais científica e racional da vida popular” (p. 84); adepto do positivismo, transportou para os estudos do folclore essa ideologia cientificista. Mas tarde, Amadeu Amaral retoma o trabalho de Sílvio Romero, criticando o diletantismo com que os estudos (e a coleta de material) acerca do folclore era feito. Mário de Andrade, por sua vez, buscou institucionalizar os estudos do folclore, atacando assim, ainda mais, o diletantismo na área, aproximando-os dos estudos sociológicos, antropológicos e históricos, presentes no ambiente universitário.

4A autora estuda também a atuação de Florestan Fernandes junto aos estudos do folclore: começa afirmando que, em geral, os estudos sociológicos e antropológicos que lidam com a cultura popular referem-se à ótica redutora do folclore, destacando a necessidade de considerar o contexto social e o sentido/função dos fenômenos populares. Os estudos de folclore, contudo, já estavam mais ou menos consolidados quando a sociologia e a antropologia se institucionalizavam por meio das universidades. Com o surgimento da Escola Paulista de Sociologia (representada por Florestan Fernandes), as ciências sociais passaram a ocupar uma posição hegemônica no contexto brasileiro, criando uma situação de tensão com os folcloristas e suas instituições (como a Comissão Nacional de Folclore, 1947), que seguiam modelos distintos de ciência e conhecimento, levando, inclusive, a uma espécie de marginalização dos estudos folclóricos no Brasil.

5Embora trate de vários outros temas relacionados ao folclore à cultura popular no Brasil (como os estudos de folclore maranhense ou os folguedos de boi no Brasil) e aborde a obra de alguns antropólogos com mais especificidade (como a produção de Roberto DaMatta e de Maria Isaura Pereira de Queiroz), seu livro ganha maior importância no estudo que faz sobre a produção de Oracy Nogueira, responsável pela conjunção acertada entre antropologia e sociologia; nesse sentido, Cavalcanti dedica especial atenção os primeiros anos de produção acadêmica de Oracy Nogueira, com destaque para seu Vozes de Campos de Jordão e outras obras que tratam do preconceito de cor no Brasil.

6Trata-se, enfim, de um livro que vale a pena ser conhecido tanto por especialistas da área (que nele descobrirão abordagens mais aprofundadas de autores e de conceitos próprios da antropologia brasileira) quanto por diletantes (que nele encontrarão um panorama mais geral dos estudos antropológicos ligados ao folclore brasileiro, sobretudo no século XX). Sobre este último aspecto, aliás, apenas a título de ilustração de como a autora maneja os dados históricos relacionados à antropologia nacional, Cavalcanti divide a trajetória da antropologia no Brasil em três períodos: de fins do século XIX às décadas de 1930/1940, período dos antecessores, com destaque tanto para a produção heterogênea de um Nina Rodrigues ou um Euclides da Cunha quanto uma produção mais especializada de um Gilberto Freyre e um Sérgio Buarque de Holanda; de 1930/1940 até a década de 1960, com a institucionalização do ensino superior, destacando-se a criação da Escola Livre de Sociologia e Política (1933) e a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (1934), entre outras; e a partir de 1960, período de criação dos cursos de pós-graduação, como o Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (Museu Nacional, 1968).

Topo da página

Bibliografia

GARCÍA CANCLINI, N. A sociedade sem relato: antropologia e estética da iminência. São Paulo: Edusp, 2012.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maurício Silva, « CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Reconhecimentos: antropologia, folclore e cultura popular. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2012. 384 p. », Horizontes Antropológicos, 44 | 2015, 422-425.

Referência eletrónica

Maurício Silva, « CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Reconhecimentos: antropologia, folclore e cultura popular. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2012. 384 p. », Horizontes Antropológicos [Online], 44 | 2015, posto online no dia 02 Novembro 2015, consultado o 14 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/horizontes/1087

Topo da página

Autor

Maurício Silva

Universidade Nove de Julho – Brasil
maurisil@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • OpenEdition Journals