Skip to navigation – Site map
Artigos

A brutidade entre vaqueiros e búfalos no baixo Araguari – Amapá

Pedro Stoeckli
p. 171-196

Abstracts

This article is based on original ethnographical research and discusses the activity of the cowboy in his work with the swamp buffalo (Bubalus bubalis) in an Amazonian lowland region. In order do stablish a dialogue with the current debate on the topic of domestication, I firstly describe some aspects of the cowboys’ work with the herds of buffaloes, such as dobrar, derrubar and the marking of the cattle. While presenting these activities, I highlight a term that constantly appears in the description that the cowboys make of the buffalos and of their work with them, the term brute. Thus, I emphasize the centrality of the expression brutidade (brutality) that the cowboys use in their understanding of the buffalo. I propose that this term is a concept that intermediates and guides the actions and interactions between the two beings. While doing so, the brutidade ultimately constitutes how the cowboy thinks about himself and his activity.

Top of page

Editor's notes

Recebido em: 31/05/2016
Aprovado em: 01/03/2017

Author's notes

Este artigo é elaborado a partir de alguns argumentos apresentados na tese de doutorado defendida por mim em 2015 (cf. Stoeckli, 2015b). A pesquisa de campo etnográfica foi realizada nos meses de abril de 2012, de agosto a novembro de 2012, e de março a maio de 2013.

Full text

Figura 1. Vaqueiro derruba e amarra um búfalo para furar seu septo (foto do autor).

Figura 1. Vaqueiro derruba e amarra um búfalo para furar seu septo (foto do autor).

Introdução

  • 1 Pesquisadores sobre a bubalinocultura apontam que que o búfalo é o animal ideal para o ambiente de (...)

1O búfalo do pântano (Bubalus bubalis) é um animal de origem asiática com alta capacidade de adaptação a ambientes alagados e que foi introduzido no norte do Brasil a partir de 1895 (Marques, 2000), principalmente nas regiões de campos de várzea periodicamente alagáveis.1 Nas últimas décadas, os rebanhos de gado bubalino aumentaram vertiginosamente (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2015).

2Em seu modo de pecuária extensiva, a bubalinocultura se caracteriza por demandar baixa manutenção, pois, comparados com outras formas de criação animal (como o gado bovino), os búfalos mantêm condições físicas e crescimento da população mesmo em condições climáticas adversas, tais como períodos de escassez de pastos ou de alagamento dos mesmos por muito tempo (Moreira; Costa; Valentim, 1994).

  • 2 Algumas fazendas produzem queijos para o consumo de seus funcionários ou para o comércio local, ent (...)
  • 3 Uma boa descrição etnográfica sobre vaqueiros em outro contexto pode ser vista no livro de Álvaro B (...)

3Esta pesquisa foi realizada em fazendas às margens do rio Araguari, Amapá, onde há uma concentração de fazendas de rebanhos de búfalos. O sistema de criação de gado bubalino na região é eminentemente voltado para a produção de carne.2 Nessas fazendas, trabalham pessoas que se autodenominam vaqueiros.3 Em sua maioria, os vaqueiros da região são trabalhadores que não têm posse da terra e que trabalham como assalariados, e a pessoa pode estar trabalhando como vaqueiro em determinado momento, mas já ter trabalhado em outros ofícios. Então, é considerado vaqueiro aquele que está trabalhando na vaqueirice, lidando com o gado e com as atividades relativas à sua manutenção.

4A escolha pelo contexto desta pesquisa com comunidades amazônicas que vivem e trabalham com os búfalos se deu muito influenciada por estudos clássicos sobre as relações entre humanos e rebanhos, tais como Os nuer, de Evans-Pritchard (1940), e a etnografia de Tim Ingold (1976), The Skolt Lapps today. Inspirado pela retomada do debate sobre técnicas e relações entre humanos e animais não humanos na antropologia brasileira (Mura, 2011; Sá, 2013; Sautchuk, 2007; Segata, 2012; Süssekind, 2010; Vander Velden, 2012), o contexto da criação bubalina amapaense se apresentava como um bom estudo de caso para o desenvolvimento de um debate sobre um modo específico de domesticação em um bioma com sazonalidades muito características.

5Como exploro nesse artigo, algumas características são associadas ao búfalo a partir de seu comportamento e atributos, o que pode ser visto em determinadas ações durante o manejo do animal. Dentre essas, destaco o que os vaqueiros chamam de brutidade como um possível eixo de compreensão da relação entre vaqueiros, búfalos e o os elementos técnicos e ambientais que são presentes naquele contexto. Para isso, descrevo algumas práticas com os animais e como essas compõe o que pode ser considerado um constante sistema de domesticação dos animais e, em reflexo, das pessoas.

6Essas são concepções que ilustram o tema amplo deste artigo, qual seja, o de entender os animais e os humanos a partir de seus modos de relação.

Figura 2. A Reserva Biológica do Lago Piratuba e pontos de referência da pesquisa (elaborada a partir de marcação por GPS).

Figura 2. A Reserva Biológica do Lago Piratuba e pontos de referência da pesquisa (elaborada a partir de marcação por GPS).

Bravo e manso

7Quando cheguei às fazendas do baixo Araguari pela primeira vez, eu esperava encontrar áreas tomadas por rebanhos de búfalos e vaqueiros em constante trabalho com os animais. Contudo, logo em meus primeiros dias, eu perceberia que os vaqueiros tendiam a ter relativamente pouco contato com o gado que cuidam e que esse trato se dava em áreas mais distantes da margem do rio e das sedes das fazendas, onde estão localizadas as moradias.

8Durante os primeiros momentos do trabalho de campo, tive poucas oportunidades de observar algum evento diretamente relacionado com os búfalos e me sentia ávido por uma oportunidade de ver como os vaqueiros lidavam com aqueles animais. Assim como em outras propriedades, na fazenda em que eu estava hospedado a maior parte do gado fica espalhada pelo interior do terreno e os vaqueiros não têm contato constante com os búfalos.

  • 4 Utilizo itálicos em termos que são considerados como categorias dos animais pelos vaqueiros – como (...)

9Certo dia, os vaqueiros haviam reunido parte do rebanho no curral próximo da sede da fazenda para separar algumas vacas4 para serem ordenhadas na manhã seguinte. Por volta das 17h, um garoto dentre os mais novos que estavam de passagem pela fazenda, e que eu não conhecia tão bem, laçou e montou um cavalo, sem a necessidade de uma sela. Apesar de toda sua perícia, que muito me impressionou, os demais garotos comentavam todo o processo com constantes chistes, como se ele fosse desajeitado e não dominasse bem o cavalo. Como eu entenderia mais tarde, o tom jocoso com frequência acompanha os vaqueiros quando assistem uns aos outros em ação, e é tão mais intenso quanto maior for o grupo.

10Acompanhei a pé os adolescentes que se aproximavam do curral, enquanto o jovem vaqueiro tocava o grupo de búfalos por trás da sede. Quando me aproximei o suficiente, assisti ao vaqueiro mais experiente da fazenda rodando seu laço em meio aos enormes búfalos que se movimentavam de forma a evitá-lo. Eu carregava a câmera a tiracolo e comecei a fotografar e a filmar a cena, impressionado pelo tamanho dos animais e pela imagem do pequeno vaqueiro em meio ao gado, o que proporcionava uma boa noção de quão grandes e pesados são os búfalos.

  • 5 Desenvolvi argumentos sobre o uso da câmera e de outros instrumentos de imagens em um artigo recent (...)

11O vaqueiro vestia uma camiseta amarela que gerava um forte contraste com os tons monocromáticos do barro seco sobre a cor preta dos búfalos. Maravilhado com o poder da imagem que a situação proporcionava,5 acabei por me esquecer de onde eu estava e dos possíveis perigos de estar próximo aos búfalos sem estar sobre um cavalo. Só me dei conta disso quando outro vaqueiro apareceu por trás de mim com os braços abertos e fazendo barulho para espantar uma vaca e dois bezerros que se aproximavam e que representavam um perigo em potencial, por poderem me “estranhar”.

12Após o susto, me preocupei em não sair mais de perto dos demais vaqueiros, mesmo daqueles que tinham metade da minha idade. Mais tarde aqueles vaqueiros me diriam que com aquele gado não há tanto perigo, já que aquele é o gado manso da fazenda, o que implica que há também o gado bravo.

13Instigado pela ideia de que há búfalos bravos, eu perguntava com frequência como um vaqueiro sabe reconhecê-los. Pelo constante contato com os animais da fazenda, os vaqueiros sabem quais reses são domesticadas, termo que utilizam como referência às mais dóceis e acostumadas à presença e ação humanas. Mesmo entre os animais domesticados, um búfalo “pode ser manso o que for que, se estressa, é de uma hora para a outra”, um vaqueiro me disse. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando o animal fica com o “sangue quente”, debaixo do calor do sol, razão que leva os vaqueiros a preferirem lidar com os búfalos nas primeiras horas do dia.

14Ao descrever o comportamento prévio à atitude agressiva, esse vaqueiro disse que o animal começa a agir diferentemente, como se estivesse assustado. O búfalo “mete o rabo entre as pernas e fica com os olhos vermelhos”. Nessa situação, se o animal corre em direção à pessoa é “para pegar mesmo”, e a única saída possível é correr também. “E o que tiver na frente dele, ele vai pegar. O que tiver na frente…”

  • 6 Dentre os exemplos que Digard (1988, p. 31) cita de animais que retornam a um dito estado selvagem (...)

15Em relação a esse tipo de conceituação que os vaqueiros fazem dos búfalos, acho válido remeter a debates sobre o tema da domesticação dos animais. Sobre o tema, Jean-Pierre Digard (1988) pondera que nenhuma espécie animal pode ser considerada como total e permanentemente domesticada. Nesse sentido, a ação de domesticar é necessariamente contínua, cotidiana e deve ser renovada, caso contrário, os animais podem se “desdomesticar” e retornar à vida selvagem.6 Por isso, Digard (1988, p. 50, tradução minha) concebe o processo de domesticação como uma “socialização da natureza”, combinada com a característica de animais para ser “bom para pensar”:

A domesticação animal, em um sentido amplo, não só em seu aspecto de processo histórico finito, mas como um ato constantemente renovado e mantido, implementa um conjunto de relação sincrônica entre a produção e o uso de animais e a organização das sociedades e dos sistemas de representação, cuja compreensão exige o estudo do fenômeno como um todo.

16Em outra vertente, François Sigaut (1988) considera que o processo de domesticação envolve também uma familiarização recíproca entre humanos e animais.

17Acredito que a concepção da domesticação e familiarização como processo contínuo é pertinente para compreender as relações entre humanos e bubalinos na região do baixo Araguari, pois esse tipo de noção aparecia com frequência na fala dos vaqueiros. Isso implica que os animais podem se “desdomesticar” e retornar a um estado “selvagem”, o que atribui à concepção de domesticação um caráter de processo contínuo. Como definem os vaqueiros, o búfalo deve ser constantemente “domesticado” para não ficar “mateiro”, embrenhando-se muito adentro no território distante da sede da fazenda. Isso poderia levá-lo a se tornar bravo, a atacar pessoas, uma tensão constante entre seu amansamento e asselvajamento.

18Em uma obra dedicada ao tema das mudanças na relação com renas em diferentes povos pastoris, Tim Ingold (1980) visa demonstrar como transições entre modelos de relações com os animais podem ser eixos analíticos para a compreensão de diferentes modos econômicos. Para isso, o autor aponta (Ingold, 1980, p. 82) que a forma de manutenção dos rebanhos não depende somente de características particulares dos animais, mas sim da finalidade das relações produtivas que ligam humanos e animais não humanos. Nesse sentido, o modo de relação com objetivos voltados à comercialização dos animais, que corresponderia à atividade de pecuária do contexto da bubalinocultura, é chamado por Ingold de rancher, situação em que os grupos de animais são domesticados, mas não necessariamente domados.

19Essa noção de um modo de produção de tipo rancher parece pertinente ao meu estudo de caso, pois ali os vaqueiros deixam claro que há um controle da reprodução e desenvolvimento dos rebanhos, sem contudo uma necessidade de que todos os animais sejam domados, mansos. Tal como descrito pelos vaqueiros, há pelo menos três estágios mais gerais de ferocidade dos búfalos. O mais extremo desses seria o búfalo totalmente bravo, como os orelhudos, animais que nascem longe das fazendas e vivem sem contato com humanos, que podem ser asselvajados e ariscos, fugindo da presença humana ou, pior, atacando pessoas.

20Um estágio mais amansado seria quando o animal reconhece a presença dos vaqueiros e obedece em certo nível aos seus comandos sonoros, físicos e espaciais (como quando é cercado pelos vaqueiros montados). Contudo, esse gado tem sempre a possibilidade de se reverter a um estado de bravo caso não seja manejado com frequência, ou mesmo de incorrer em episódios em que fique de “sangue quente”. Por último, há o nível de animais totalmente mansos, caso mais raro, em que as reses chegam a ter nomes ou “apelidos” e se reconhecem neles. Esse é o caso das vacas que são ordenhadas e dos bois cavalos que trabalham como animais de carga nas fazendas.

21De mesmo modo, na atividade do vaqueiro, a dificuldade real não é só saber separar búfalos bravos de mansos, mas saber interpretar quando um búfalo manso pode apresentar comportamento agressivo. Esse foi um dos temas que mais tentei explorar nas conversas sobre como os vaqueiros entendem o comportamento dos búfalos, mesmo em momentos em que lidavam com o gado considerado mais manso.

Alguns aspectos do trabalho da vaqueirice: dobrar, derrubar e marcar o gado

22Os campos de várzea da região do rio Araguari são marcados por duas estações bem distintas. No período chuvoso, os animais passam mais tempo pastando e os vaqueiros lidam com os búfalos com menos constância, em geral, realizando algum tipo de manutenção periódica na fazenda ou separando vacas prestes a parir. Por isso, durante a estação de chuvas, chamada de inverno, os vaqueiros se movimentam em pequenos botes, os casquinhos, e embarcações chamadas de rabetas, denominação do motor.

23Em contraste, a época menos chuvosa corresponde ao período mais quente do ano, o verão, quando os búfalos tendem a se expor menos ao calor e procuram permanecer em poças para regular sua temperatura (Marques, 2000). É nessa estação que boa parte do manejo do gado é realizada, quando os vaqueiros trabalham a maior parte do tempo a cavalo. Durante o verão, várias atividades importantes acontecem, como as ações de vacinação, castração e férreas (marcação na pele a ferro candente).

24E são justamente as atividades com búfalos um dos principais marcadores de tempo na região. Assim, se por um lado a maior referência sazonal é a alternância entre verão e inverno, por outro, atividades como essas vão ditando o cotidiano do trabalho na vaqueirice. Propondo um agrupamento dos meses a partir dessas principais atividades (não necessariamente igual à divisão das estações), é possível traçar o seguinte esquema:

Época do ano

agosto a janeiro

verão – seca

fevereiro a julho

inverno – chuvas/maré

Deslocamento

cavalos

casquinhos, rabetas

Atividades

reorganização do gado

acompanhamento periódico

Tarefas

vacinação, castração, férreas

manutenção de cercas

25A atividade da vaqueirice, mesmo quando praticada em equipes (como no caso de fazendas maiores), é, na maior parte do tempo, bastante individual, para não dizer solitária. Seja na manutenção de cercas ou no trajeto percorrido a pé, a cavalo ou em um casquinho, o vaqueiro, com frequência, passa boa parte do tempo sem a companhia de outros humanos. É importante notar que, quando sozinho, perigos inerentes à sua atividade se tornam mais agudos e o vaqueiro deve ser cauteloso, pois, em caso de acidente, não poderá contar com a ajuda de camaradas.

26Durante parte da pesquisa de campo, houve ocasiões em que não era possível acompanhar parte do trabalho com o gado, que normalmente é feito por apenas um vaqueiro que adentra o território montado em um cavalo, se é verão (seca), ou em um casquinho, se é inverno (época alagada). Essa diferença é tão marcada que, na mudança de estações, onde antes se via um igarapé, no verão restam apenas poças ou trilhas que pouco se destacam no solo seco.

27Característica marcante de um sistema de criação extensivo, os rebanhos de búfalos se movimentam por boa parte dos campos e terrenos, que têm pouca ou nenhuma separação por cercas. Isso faz com que a atividade da vaqueirice seja, também, a constante busca pelo gado e sua eventual realocação de um terreno para outro, conjunto de tarefas que se dão pelo território, marcado por igarapés, malhadas (áreas de descanso do gado), pastos e currais.

28De fato, o modo como os vaqueiros descrevem suas atividades via de regra passa por uma relação de como aquela ação se dá em alguma parte do território em que habitam, o que se aproxima do que o antropólogo britânico Tim Ingold (2000) chamou de taskscape em um primeiro momento e, posteriormente, incluiu na noção de meshwork (Ingold, 2007), uma rede de atividades, locais, vivências e possibilidades.

29De mesmo modo, no trabalho com o búfalo, os vaqueiros fazem uso de uma linguagem específica para se referirem às suas atividades cotidianas. Nessa descrição, o termo dobrar aparece com frequência e, por isso, me pareceu constituir uma concepção importante na relação com o animal. Assim, os vaqueiros dizem que vão dobrar o gado na malhada para descrever que irão atrás do gado no interior da fazenda. Podem, também, ser “convidados” para ajudar a dobrar o gado em uma fazenda vizinha, isto é, auxiliar em alguma atividade. A palavra era dita com regularidade e questionei, com frequência, os vaqueiros para tentar chegar a uma compreensão mais clara.

30Em um sentido estrito, dobrar, como a palavra em si sugere, remete à tarefa de mudar a direção na qual o gado se movimenta, levando-o à área desejada pelo vaqueiro. Além desse significado – que conota um direcionamento espacial – o termo engloba também a ideia de subjugar, obrigar, coagir. Dobrar é, portanto, dominar, domar, fazer render-se, e, com, frequência, um vaqueiro pode se referir ao ato de domar um búfalo como dobrar o animal. Com efeito, a marcada presença da noção de dobrar o gado como uma forma de relação cotidiana do vaqueiro com o búfalo remete à ideia de que lidar com o gado é, sobretudo, torná-lo domesticado.

  • 7 Sobre esse aspecto, Tim Ingold (2000, p. 61) sustenta o argumento de que a história das relações en (...)

31Esse processo é exercido principalmente por meio de ferrões e facas, mas também de amarras, cordas e laços com os quais os vaqueiros lidam com os búfalos e que definem, em sua perspectiva, a própria atividade da vaqueirice. Portanto, uma parte considerável da interação com os animais se faz por meio de amarras e conexões ao animal.7

  • 8 Acredito que, por si só, o tema das formas como o gado é marcado mereça uma análise comparativa que (...)

32Resultado direto dessa domesticação dos búfalos é que seus corpos têm várias marcas e sinais a serem lidos e interpretados, algo que é considerado uma habilidade básica da atividade da vaqueirice. Dentre as distinções dos búfalos, há características físicas como o chifre, a cor, a face e o tamanho. E há, também, os signos que os humanos imprimem sobre os animais, sejam marcas de ferro, sinais nas orelhas ou cortes nos chifres. Assim, ao longo de sua vida, os búfalos são marcados de diversas maneiras pelos vaqueiros, seja para registrar em seu corpo quem é seu proprietário, seja para assinalar alguma transição de status, como de inteiro a castrado, ou de não vacinado a vacinado.8

33Desse modo, um olhar treinado é capaz de diferenciar idade, peso e categoria do animal, além de poder reconhecer o gado de uma propriedade ou de outra, se a rês é vacinada, se o macho é castrado, se é uma vaca que já teve cria. Por isso, ao tentar conversar sobre búfalos com os vaqueiros, eu logo descobriria que existe um vocabulário básico sobre os animais que deveria ser minimamente dominado para possibilitar perguntas que fizessem algum sentido. Nesse vocabulário, as classificações mais fundamentais e imediatas de uma rês baseiam-se no sexo, na idade e na capacidade ou estágio reprodutivo.

34As marcas são normalmente realizadas nos búfalos em momentos específicos em que os vaqueiros pedem uma ajuda a camaradas de outras fazendas para se juntarem e realizarem o que comumente chamam de uma ação. Nesses eventos, os atos de vacinação, castração e férreas (a marcação na pele a ferro candente) reúnem vários búfalos de uma mesma propriedade a serem manejados e marcados de uma só vez. A maior parte das ocasiões em que um búfalo tem seu corpo marcado é durante os seus dois primeiros anos de vida, quando sai de uma condição de bezerro a mamote (no final do período em que ainda mama).

35Em um típico dia de trabalho de uma ação, os vaqueiros começam reunindo o rebanho em um amplo curral, para separar as vacas de seus bezerros. Separados os animais que serão vacinados ou castrados, o processo se dá por meio de uma sequência em que os vaqueiros isolam um jovem búfalo, o perseguem montados a cavalo (de modo a cansá-lo) e o derrubam no solo, utilizando-se de laços e de uma manobra pela qual puxam o animal pelo rabo, jogando seu próprio corpo ao chão para gerar o peso e a força necessários para desequilibrá-lo.

Figura 3. Vaqueiro derruba bezerro para ser vacinado e marcado (foto do autor).

Figura 3. Vaqueiro derruba bezerro para ser vacinado e marcado (foto do autor).

36Quando o búfalo cai, o vaqueiro se senta sobre o bezerro segurando seu rabo entre as pernas e sua cabeça virada sobre seu corpo, com o objetivo de imobilizá-lo. É apenas quando o animal está imóvel que aquele que é responsável por ministrar a vacina corre em direção ao bezerro com a pistola veterinária e dispara o remédio. Na sequência, o bezerro tem um pedaço de sua orelha cortado com uma faca de cozinha ou com o “terçado” (grande facão usado nas fazendas), o que lhe marca como um búfalo vacinado e o diferencia daqueles que ainda o devem ser.

37A cada episódio de vacinação a que o bezerro é submetido, ele recebe um novo sinal em seu corpo que, daquele momento em diante, irá diferenciá-lo de outros ainda não imunizados. De modo geral, as marcas e sinais nas orelhas e em outras partes do corpo do búfalo servem como um prontuário veterinário permanente. Cada marca é composta por uma combinação de fendas, buracos ou aberturas cortados em torno das extremidades de uma ou ambas as orelhas.

  • 9 Diz-se também que animais castrados ganham peso mais rapidamente, atingindo o ponto de abate em ida (...)

38Igualmente, a castração é um processo realizado em quase todos os bezerros machos, de modo que a fazenda mantém poucos machos inteiros para se desenvolverem como garrotes e se tornarem reprodutores. A depender do tamanho da área da propriedade, pode mesmo haver somente um garrote em todo o plantel. Como me explicaram os vaqueiros, se criados muito próximos, búfalos machos inteiros tendem a entrar em conflito com outros machos, o que pode levar à morte de algum dos animais. Essa é uma das razões pelas quais os bezerros são castrados e transformados em boi, situação em que não disputam pela reprodução com as fêmeas da fazenda.9

Figura 4. Um garrote e uma vaca (foto do autor).

Figura 4. Um garrote e uma vaca (foto do autor).

39Para ilustrar esse tipo de perigo, em certa ocasião presenciei um enorme garrote atacando um jovem macho em um campo aberto. Da sede da fazenda, do outro lado de um igarapé, os vaqueiros que eu acompanhava assistiam à cena relativamente tranquilos e comentavam entre si se o mamote em fuga conseguiria sobreviver ao ataque do macho que o perseguia. Comentavam também sobre as “armas” do garrote – seus grandes chifres. Como me explicaram, é comum que machos mais velhos ataquem e matem os machos mais jovens ainda não castrados, o que os vaqueiros interpretam como uma clara competição pelo monopólio da reprodução. Assim, a analogia que fazem com “armas” é oriunda do perigo que os chifres dos búfalos representam aos outros animais, mas também aos humanos que domam e manejam o gado. Por essas razões, os machos das fazendas são quase todos castrados.

40A dinâmica da castração é semelhante à de outras ações com o gado, em que as reses são previamente reunidas pelos vaqueiros e mantidas agrupadas em um dos cantos de uma das áreas cercadas da fazenda. Formam-se grupos de dois ou três vaqueiros montados a cavalo que se aproximam do gado a ser manejado, batendo suas cordas nas reses e selecionando um bezerro para destacá-lo dos demais.

  • 10 Realizo uma descrição minuciosa desse processo no quarto capítulo de minha tese de doutorado. Cf. S (...)

41Quando sai do grupo, o bezerro escolhido põe-se a correr pelo campo e começa então a perseguição dos vaqueiros.10 Por vezes, o bezerro consegue alguma vantagem ao realizar uma curva brusca ou frear de repente, mas em geral não tem chance contra a perseguição coordenada dos vaqueiros e seus cavalos, que perseguem os bezerros em campo aberto até cansá-los e laçá-los.

42Exaustos por correrem debaixo de sol quente, normalmente os bezerros ficam com a respiração ofegante, com a língua para fora. Primeiro, os vaqueiros laçam o bezerro pelo pescoço ou pelos chifres, enquanto o companheiro laça as suas pernas. Nesse momento, os cavalos “guentam”, isto é, param de correr e começam a puxar a corda para trás. Um dos dois conjuntos de vaqueiro e cavalo então corre realizando a “rapada”, o tensionamento da corda de supetão e a puxada das pernas da rês, derrubando-a.

  • 11 Outra situação relativamente comum é ver bezerros ficarem caídos por muito tempo depois de castrado (...)

43Algumas vezes, esse processo pode “quebrar” o búfalo, principalmente os mais jovens. As lesões mais comuns são fraturas nas pernas do animal. Presenciei um dos bezerros sair desse processo com a perna dianteira quebrada, tendo dificuldade de se reunir ao grupo. Os vaqueiros me disseram, sem muita preocupação, que aquela fratura poderia vir a sarar e ele se desenvolver normalmente, ou poderia mesmo se complicar e impedi-lo de pastar e se alimentar adequadamente, o que, fatalmente, o levaria à inanição.11

44De qualquer modo, os vaqueiros são enfáticos em dizer que os búfalos aguentam mais esse tipo de laçada do que os bovinos, que “quebram” mais facilmente. Durante todo o processo o animal é constantemente ofendido e recebe castigos, como chutes e tapas, se não age da maneira desejada pelos vaqueiros, como no caso em que não permanece imóvel após ser derrubado.

45Um ponto significativo de toda essa ação de laçadas e derrubadas dos animais ficou claro quando o vaqueiro responsável por aquele rebanho me explicou que o processo de vacinação poderia ser feito de maneira mais simples, colocando o gado na parte interna do curral e selecionando os bezerros para passarem, um de cada vez, pela manga, um cercado em forma de funil que dirige o gado para o curral ou para outra parte interna dele. Porém, mesmo que exista a possibilidade de lidar com o gado em locais confinados e sem a necessidade do laço, é mais comum que os vaqueiros realizem ações de laçadas com camaradas vindos de fazendas próximas.

  • 12 Essa noção de diversão também aparece quando os vaqueiros comparam a atividade da vaqueirice com ou (...)

46Os vaqueiros dizem, sempre que conversam sobre o assunto, que as laçadas dos búfalos em campos abertos são uma fonte de diversão, o que parece ser mesmo o caso.12 Contudo, acredito que há também outra dimensão importante nessas práticas. Ao optarem por lidar com o gado fora das restrições de um curral ou manga, há aí o importante efeito de desenvolvimento e manutenção das habilidades necessárias à vaqueirice – o uso do laço, o desenvolvimento de técnicas de amarras e de derrubada dos animais.

  • 13 Outros apontamentos teóricos pertinentes sobre a noção de skill foram feitos mais recentemente por (...)

47Uma inspiração direta desta pesquisa são os aportes teóricos de Tim Ingold (2000), que busca compreender as técnicas como capacidades de ação e percepção do ser situado em um ambiente específico, o que implica em mudanças importantes no foco da pesquisa. Como afirma o autor (Ingold, 2000, p. 5, 316), habilidades (skills) são algo tanto biológico quanto cultural, ao mesmo tempo uma forma de conhecimento e de prática.13 Essa conceituação nos convida a observar habilidades de determinados contextos de modo mais amplo, com suas relações com animais não humanos, ambientes e objetos.

48Não menos importante, lidar com o gado em áreas abertas contribui também para o desenvolvimento da capacidade de melhor compreender o comportamento dos búfalos. Portanto, mesmo que uma parte considerável do trato com os animais possa ser feita em ambientes confinados, o dia a dia do vaqueiro envolve muito trabalho em campos abertos, quando essas habilidades devem ser acionadas e necessitam estar bem consolidadas. Essa é uma via pela qual é possível compreender, então, as ações coletivas de trato com o gado nas fazendas – enquanto exercitação e demonstração pública das habilidades envolvidas na lida com o os animais.

49Felipe Süssekind (2010, p. 49) observou algo semelhante nos rodeios que presenciou na região do Pantanal, que ele considerou como uma dimensão esportiva ritualizada do trabalho dos vaqueiros. Em ambos os contextos de vaqueirice, há o exercício e demonstração de habilidades que são imprescindíveis em outros momentos, quando da lida solitária com o gado no campo.

50Assim, aquilo que os vaqueiros chamam de ação com o gado, ou simplesmente uma laçada, envolve desde a criação e a manutenção de redes de socialidade entre compadres de fazendas próximas, até o exercício de habilidades essenciais à vaqueirice. Por isso, ampliar a compreensão das habilidades do vaqueiro (como sugerido pela noção de skill) nos leva a enfatizar seu contínuo aprimoramento e manutenção com elementos técnicos (como a corda, facão, etc.) em um determinado contexto (marcado por sazonalidades bem distintas, nesse caso).

51Nesse sentido, me parece bem pertinente a concepção elaborada por Jean-Pierre Digard (1988), para quem a domesticação é um processo contínuo. Pois, se os próprios vaqueiros apontam que essas ações com o gado são importantes para tornar um búfalo manso, pode-se também argumentar que por meio desse exercício de habilidades com o animal o próprio vaqueiro é, por sua vez, domesticado, acostumado e treinado no trabalho com o búfalo.

52E esses processos têm uma finalidade pragmática de marcar o gado e protegê-lo contra doenças, objetivando garantir a prosperidade do plantel de uma fazenda, missão inerente ao trabalho do vaqueiro. Contudo, essa interação não ocorre sempre de forma pacífica entre homens e gado.

Covardia com coragem

53Se é claro que o búfalo pode ser uma mercadoria, um bem, um investimento, é importante ressaltar que ele constitui também uma atividade com riscos próprios, como os vaqueiros explicavam com frequência. Os búfalos, disse um vaqueiro, podem se acostumar muito rapidamente com uma pessoa. Porém, podem também estranhá-la com maior rapidez, “de uma hora para outra”. Dessa forma, um búfalo pode variar de comportamento de uma maneira imprevisível mesmo para aqueles que têm muita experiência com a pecuária, o que faz com que o vaqueiro tenha que estar sempre alerta às menores mudanças no humor do gado.

54Esse tema é recorrente em explicações que me foram dadas sobre a atividade com os bubalinos. Quando conversávamos sobre os búfalos que criam, com frequência o assunto caminhava para o potencial perigo que é trabalhar cotidianamente com animais desse porte e característica. Nesse contexto, é essencial que um vaqueiro saiba interpretar o humor do gado com que trabalha, algo que é adquirido a partir da experiência. O típico comportamento presságio de agressividade foi descrito por um vaqueiro, Seu Maguari, em uma das primeiras conversas que tivemos sobre o assunto:

– Cês vão pro lado dele e ele já está desconfiado. Desconfiado por quê? Mete logo o rabo entre as pernas, fica com os óios vermeios. Aí a pessoa, que está domando ele, já sabe que ele já tá bravo. Se ele estiver fora dum pau [cerca, ou amarra] e ele correr em cima da pessoa, é pra pegar mesmo. Se ele estiver amarrado ele começa a dar logo aqueles assopro pra arrebentar logo o cabresto. Se ele é macio do nariz ele fica duro do nariz.
– Como assim duro do nariz?
– Porque pelo nariz a gente governa ele. Se ele fica macio a gente leva pra maior parte aí. Mas numa dessa que ele fica bravo ele já não obedece mais pelo nariz.

  • 14 Apesar de Maguari aqui entender o boi solto no campo como o boi bravo, esse não é o entendimento co (...)

– Isso que o senhor está falando é o boi cavalo?
– É o boi cavalo. Aí ele já não obedece mais pelo nariz. Tudo fica duro nele. Ele peca ali até arrebentar aquele cabresto e se não arrebentar ele fica dando aquela chifrada no pau. E o que tiver na frente dele ele vai pegar.
– E o boi que tá assim solto aí pra dentro?
– Ah, aí é o boi bravo.14 Se você estiver no campo, ele tá tomando conta de gado, se for garrote e você estiver cercando o gado lá, pode ir com ferro num garrote daquele, vai ser difícil, que ele vai logo lhe encontrar [perseguir o vaqueiro]. O que você tem que fazer é sair fora dele, correr mesmo. Se depois se você até [tem ajuda de outro] vaqueiro, tudo bem, vai. Deu uma enganada assim e um meteu a corda, laçar ele, tudo bem, aí o outro já tem que estar com outra corda pra laçar. Aí você domina ele. Aí você pega, cobre ele, tomba ele, serra ele…
– O que é serrar?
– Serrar o chifre dele. O chifre dele que é a arma dele. Mas é assim mesmo. Aí ele fica bravo. Mas se pegar [se o búfalo atacar] com aquele toco de chifre dele, o animal não tomba. Não fura, mas bate. Porque quando ele fica bravo…
A vaca é a mesma coisa. Uma vaca de bezerro, se ela for brava, cê não encosta no bezerro dela. Pra pegar, pra trazer ela. Ela corre atrás. Trabalhar com eles é na covardia. Tem que ser assim, dois, três vaqueiros, e de coragem! Porque, se você tiver um companheiro medroso, não adianta, cê vai morrer só você.
– Mas na covardia com coragem?
– Covardia com coragem. Porque cê laça e o outro já tem que tá com a corda pra ajudar. Porque ele [o búfalo] é bruto. Se o cavalo for fraco ele arrasta o cavalo. Tomba o cavalo. Ele vem e mata o cavalo. Numa coisada [chifrada] mata o vaqueiro que ficou ali.
– E o bovino, tipo o nelore, é bravo assim?
– É. Ele é bravo, mas a gente domina mais fácil, muito mais fácil. Ele pode ser bravo, mas a gente domina.
[…]
– Mas e o búfalo manso, ele é mais manso que um boi normal, assim, um nelore, por exemplo?
– Aí quando ele é manso, um boi que é manso mesmo, cê pode fazer o que quiser com ele. Aí ele não desconfia de ninguém não. Quando disser que é manso manso, pode fazer o que quiser dele […] Cê domando o búfalo… Olhe, eu tomo conta de 200 reses. O gado que eu tomo conta é manso. Entra qualquer uma pessoa desconhecida e não tem uma rês, vamos dizer assim, que seja brava pra correr em cima. Aí você pode dizer assim: o gado é manso. Esse gado é manso.
(Conversa com Seu Maguari, na fazenda Paraíso, em setembro de 2012).

55Essa foi uma das primeiras falas que consegui registrar com um gravador e considero-a emblemática para o argumento deste texto. Dentre os pontos abordados, está a noção de que um búfalo domesticado é duro ou macio do nariz, a compreensão de que o trato com os búfalos é feito na covardia por vaqueiros de coragem e de que o búfalo é um animal bruto. Essas concepções sobre os búfalos constituem um retrato de um ser cercado de noções antropologicamente relevantes, o que me instigou a pesquisar o tema.

56A noção de que animais devem ser constantemente domesticados (ou “acostumados”) é bastante presente no trato com o gado e se estende a outros animais de criação. Nas ocasiões em que acompanhei o amansamento tanto de búfalos como de cavalos para o trabalho cotidiano na vaqueirice, o processo envolveu bastante uso de força e contenção, principalmente por meio de amarras e do laço.

57No caso dos búfalos, o processo da doma se dá principalmente por meio dessas amarras e uso de ferrões. Quando querem conter um búfalo (como para cortar uma parte de seu chifre, por exemplo), primeiro os vaqueiros laçam a rês pela cabeça e pelas pernas, amarrando-a de maneiras diversas até derrubá-la. Se a rês está no começo de seu amansamento, ela primeiro recebe a perfuração do septo nasal, por onde passa uma trança de linha de nylon amarrada em forma de anel. O nariz é uma das regiões mais sensíveis dos búfalos e é acionado como meio de forçar o animal a obedecer ao comando do vaqueiro que o comanda. Esse anel de corda permanecerá no focinho do búfalo e, dali em diante, será controlado por outras amarras que passam por dentro dele.

58No que diz respeito a esse processo de doma, em diferentes momentos em que eu tentava compreender como os vaqueiros veem e lidam com os búfalos, era necessário passar pela comparação que eles fazem com os bovinos. Várias de suas explanações baseavam-se nos contrastes que trazem de suas experiências prévias como vaqueiros de bovinos, seja em outras regiões, seja em outros tempos na pecuária local.

59Morfologicamente, as duas espécies se parecem muito, principalmente para um observador que não tem experiência com gado. Contudo, os vaqueiros reconhecem muitas diferenças entre bovinos e bubalinos, sobretudo em seu comportamento e suas intencionalidades. Em meus cadernos de campo, há várias passagens como a seguinte:

Ontem eu conversava com Dario e perguntei a ele sobre os búfalos e bovinos. Apontei um garrote grande e gordo entre o rebanho à nossa frente para iniciar a conversa. Dario me diz que prefere búfalos a bovinos. Ele diz que bovinos são ariscos, enquanto o búfalo é mais selvagem e aguenta mais porrada. É mais bruto. Ele complementa que quando embarcam os dois animais [para enviar para o abate] eles fazem isso separado, pois os búfalos batem nos bovinos.

60Durante as conversas que tive com os vaqueiros sobre o seu ofício, sobre o ambiente em que trabalham e, principalmente, sobre os búfalos, gradativamente uma palavra foi se destacando. Eu ouvia com frequência a noção de bruto, comumente apresentada com uma adaptação do que seria sua qualidade, a brutidade. Nas primeiras vezes em que ouvi os vaqueiros se referirem aos bubalinos como brutos, tomei nota, colocando o termo em meio a outros. Somente com a sua repetição contínua (e passados vários episódios em que os observei em ação) foi que percebi que, ao falaram de animais brutos, eles estavam me apresentando um conceito que consideram essencial em sua atividade.

61Mesmo que a palavra seja de uso comum e seu significado de entendimento imediato para boa parte dos lusófonos, o uso desse termo para se referir a um animal de criação faz referência a uma forma de relação mais ampla. Nesse caso, a proposta de um trabalho de campo extenso, preferencialmente ao longo de meses, é de fato essencial para que o pesquisador acesse de maneira precisa o campo semântico das palavras. Pois só pude perceber esse significado quando a constante referência à brutidade dos búfalos teve tempo de decantar na compreensão que eu ia acumulando sobre aquele lugar, aquelas pessoas, aqueles animais com que viviam e trabalhavam.

62Após ouvir esse termo de vaqueiros em momentos distintos, comecei a entender que, talvez, o que eles chamavam de bruto era, em grande parte, o que eu compreendia como bruto, mas que também carregava outros sentidos, uma concepção que eles atribuíam ao búfalo e que descrevia a forma como consideram que devem lidar com tal animal. Além disso, a ideia de bruto passava a noção daquilo que podia vir a ser trabalhado e ter seu estado transformado, algo que condiz com as atividades constantes da vaqueirice. Ou, dito nos próprios termos dos vaqueiros, aquilo que deve ser domesticado.

63Parece-me que o próprio fato de que bubalinos tendem a agredir os bovinos quando confinados a um mesmo espaço contribui para que os vaqueiros os considerem mais brutos que os outros bovídeos com que trabalham. Instigado por esse tipo de colocação relativamente espontânea, eu tentava estimulá-los a falar mais sobre essa comparação. Uma das maneiras com que eu obtinha maior desenvoltura em suas falas era questionando se eles preferiam trabalhar com búfalos ou bovinos e por quê.

64Como me explicou um o vaqueiro, que diz já ter trabalhado com grandes rebanhos de bovinos na Ilha do Marajó, em sua maioria nelore (raça de tipo zebu), existem muitas diferenças de trato. Em sua fala, o bovino é “gado mais cismado, mas é um gado mais leve, você controla melhor”. Outro vaqueiro complementa que nelore é o “gado mais cismado que tem. Se tem 200 e você chega, ele fica cismado, são necessárias mais pessoas para lidar com nelore”.

65Já com búfalos, quando mansos, um vaqueiro consegue lidar com uma manada inteira, ele diz. Mas isso, ressalta, se os búfalos são mansos. Nesse tipo de explicação, está a ideia de que o búfalo apresenta muita distância entre o comportamento amansado e o asselvajado. Por isso, esse vaqueiro me explica, para lidar com búfalo bravo, “tem que ser na covardia”, com pelo menos três vaqueiros destemidos, corajosos. Ou seja, na covardia na relação de desvantagem numérica do búfalo, mas, ainda assim, com coragem do ponto de vista do vaqueiro.

66É justamente nesse contraste que questões interessantes aparecem, constituindo o que os vaqueiros consideram polos opostos de comportamento dos animais. Um dos contrastes mais importantes para o argumento deste texto é o binômio bruto x melindroso (ou cismado), representativo da distinção entre bubalino x bovino. No caso, o búfalo é descrito como um ser bruto, mais resistente, que “guenta mais porrada” e tem o comportamento mais linear se domado, enquanto o bovino é cismado, imprevisível, “quebra fácil” quando derrubado.

67Como exposto ao longo do texto, há diferentes processos de amansamento por meio dos quais esses animais se “acostumam” aos vaqueiros. Frequentemente, esses amansamentos são realizados por meio de cordas, amarras, chicotes e força, o que os vaqueiros chamam de dobrar o gado, sempre por meio da brutidade, como argumentei.

68Por outro lado, treinar os animais para o convívio e o trabalho nas fazendas envolve ainda outro aspecto da questão, a saber, o processo reverso de domesticação do humano. Se a domesticação é uma forma de socialização, ela também altera e conduz as atividades dos humanos. Assim, quem domestica é, também, domesticado em uma determinada relação. Ou, em outras palavras, o modo de relação faz o animal, mas também o humano. E, aqui, interessa-me um tipo específico de produção de humanos, os chamados vaqueiros, que não são, mas se tornam vaqueiros a partir de determinados práticas, habilidades e atributos que eles apontam compor seu ofício.

Conclusão: a brutidade como categoria de relação

69Teóricos como Sigaut (1988) e Cassidy (2007) observam que não apenas é necessário repensar a domesticação frente às novas tecnologias e arranjos entre humanos e animais, mas também reconhecer a domesticação como um termo que remete a processos diversos. Nesse mesmo sentido, Nerissa Russell (2002, p. 293) propõe que, além de questionar se os animais são domésticos, é preciso também investigar as práticas específicas de domesticação em cada contexto. Isso requer compreender suas dimensões por meio de práticas de familiarização, propriedade e regulação da reprodução, dinâmicas que podem remeter a aspectos sociais mais amplos.

  • 15 Em um texto mais recente, Jean Segata sugere, a partir de sua pesquisa etnográfica, que interessa à (...)

70Por isso, tanto Sigaut (1988) quanto Digard (1988) defendem o caráter recíproco da relação de domesticação e, assim, entendem que esses processos têm efeitos tanto sobre o homem quanto sobre o animal. Nesse mesmo sentido, Cassidy (2007) abandona posições que tendem a enxergar a relação com animais como vias de mão única, passando mesmo a pensar em termos como mutualismo, simbiose e reciprocidade.15

71Ao buscar apresentar a atividade da vaqueirice na cultura de búfalos em áreas de várzea no rio Araguari a partir de uma perspectiva relacional, empreendi o esforço de retratar o búfalo por um conjunto de práticas e relações intermediadas pela criação do animal. Por isso, ao longo deste texto apresentei as diferentes concepções que usualmente são colocadas em ação para descrever os búfalos e outros animais em comparação com eles.

72Quando colocados em contraste, podemos sugerir o seguinte esquema de oposições:

sangue quente

x

calmo

bravo

x

manso/domesticado

castrado

x

inteiro

duro

x

macio/mole (pescoço, cara, nariz)

selvagem

x

domesticado

bruto

x

melindroso

73A partir de características creditadas ao animal, como força e rusticidade (pois guentam muita porrada), os vaqueiros estabelecem o seu atributo de bruto como o princípio por meio do qual a relação pode ser estabelecida. Proponho que esta seja uma chave explicativa para elucidar as relações entre vaqueiros e búfalos, que atinge seu cume naquilo a que os vaqueiros se referem como a brutidade. Em suma, a noção e relação de brutidade, expressa quando o vaqueiro afirma ter que lidar com búfalos de forma bruta por eles serem brutos, pode ser entendida como uma incorporação pelos humanos desse mesmo princípio relacional da brutidade.

74E essa brutidade é exercida principalmente por meio das amarras, cordas e laços com os quais os vaqueiros lidam com os búfalos e que definem, em sua perspectiva, a própria atividade da vaqueirice. Portanto, uma parte considerável da interação com os animais se faz por meio de amarras e conexões, em que o laço pode ser também entendido como a mediação dessa brutidade.

75Ao pensar nos termos dos processos de domesticação que modificam também o humano, sugiro que, nas relações entre vaqueiros e búfalos, acionar constantemente a noção de bruto para explicar uma característica que os vaqueiros consideram essencial do animal – e que faz com que tenham que ser tratados na brutidade – é um processo reflexivo sobre a própria atividade do vaqueiro. Isso não é dizer que, ao chamar o búfalo de bruto, os vaqueiros estejam metonimicamente se chamando de brutos (mesmo que isso possa ser dito por algum vaqueiro em determinada situação). É, penso, apontar para uma forma de relação predominante na pecuária extensiva de bubalinos.

76Seguindo essa pista, no caso da criação extensiva de búfalos nas várzeas dessa região amazônica, tratei de diferentes tipos de interação e de como os seres se constituem mutuamente. Ou, em outros termos, de uma relação de domesticação mútua, tal como proposto por Dominique Lestel (2002, p. 56), para quem essa relação é uma característica essencial das comunidades híbridas de humanos e animais não humanos que partilham uma determinada racionalidade. Isso é seguir a questão deixada pelo autor (Lestel, 2002, p. 56) sobre quais mudanças ocorrem na racionalidade de um agente quando ele interage regularmente com outro agente que possui habilidades muito diferentes das que ele próprio possui.

77No caso desta etnografia, é possível dizer que os vaqueiros reconhecem nos búfalos o atributo (ou habilidade) de bruto e afirmam que, para domesticar esses animais, eles devem posicionar sua ação em uma mesma escala de brutidade, criando, então, sintonia e acesso àquilo que julgam ser essencial no animal. Nesse caso, o laço, além de elemento técnico constante na atuação do vaqueiro, é também uma via de ação pela qual o vaqueiro expressa concepções sobre como lidar com o gado, seja no ato de dobrar o gado, seja em amarras e derrubadas nos animais no processo de torná-los mansos.

78Assim, não basta ver a relação entre dois seres (búfalo e vaqueiro), mas é preciso também entender sua forma de relação, que passa pelo meio (os campos de várzea e suas distintas estações), pelos objetos técnicos (facões, selas, currais) e por outros seres (cavalos, cachorros), ampliando a visão para um sistema domesticatório, tal como proposto por Digard (1990). Mais do que isso, a maneira como vaqueiros e búfalos se relacionam é influenciada, senão definida, pelo intermédio entre os dois seres, o que é feito sobretudo por meio do laço, elemento técnico inerente à atividade do vaqueiro no contexto de criação extensiva de várzeas.

79Nesse sentido, sugiro que a brutidade não está necessariamente, ou fundamentalmente, nem no búfalo nem no vaqueiro, mas na relação entre eles. Nessa equação, o laço e outros elementos técnicos são vistos como uma intermediação material desse atributo. Se o laço é o meio de relação, a brutidade é a sua forma.

80Para concluir, neste artigo busquei entender a relação entre vaqueiros e búfalos no contexto de criação de várzeas amazônicas por meio de uma perspectiva relacional. Nesse contexto, búfalos são tidos como brutos e, para lidar com eles, os vaqueiros afirmam ter de recorrer à brutidade, exercida primordialmente em formas de relação que se dão por meio do laço e outros elementos técnicos.

Top of page

Bibliography

BANDUCCI JÚNIOR, Á. A natureza do pantaneiro: relações sociais e representação de mundo no Pantanal da Nhecolândia. Campo Grande: Editora da UFMS, 2007.

CASSIDY, R. Introduction: domestication reconsidered. In: CASSIDY, R.; MULLIN, M. (Ed.). Where the wild things are now: domestication reconsidered. New York: Berg, 2007. p. 1-25.

DIGARD, J.-P. Jalons pour une anthropologie de la domestication animale. L’Homme, Paris, v. 28, n. 108, p. 27-58, 1988.

DIGARD, J.-P. L’Homme et les animaux domestiques: anthropologie d’une passion. Paris: Fayard, 1990.

EVANS-PRITCHARD, E. E. The Nuer: a description of the modes of livelihood and political institutions of a Nilotic people. Oxford: Oxford University Press, 1940.

FERRET, C. Towards an anthropology of action: from pastoral techniques to modes of action. Journal of Material Culture, London, v. 19, n. 3, p. 279-302, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Banco de dados agregados: pecuária: efetivos/rebanhos. 2015. Disponível em: <http://www2.sidra.ibge.gov.br/bda/pecua/default.asp?t=2>. Acesso em: 30 maio 2016.

INGOLD, T. The Skolt Lapps today. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.

INGOLD, T. Hunters, pastorialists and ranchers: reindeer economies and their transformations. Cambridge: Cambridge University Press, 1980.

INGOLD, T. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London: Routledge, 2000.

INGOLD, T. Lines: a brief history. London: Routledge, 2007.

LESTEL, D. The biosemiotics and phylogenesis of culture. Social Science Information, London, v. 41, n. 1, p. 35-68, 2002.

MARQUES, J. R. F. Búfalos: o produtor pergunta, a Embrapa responde. Brasília: Embrapa, 2000.

MARQUES, J. R. F.; LOPES, C. A. C.; MARTINEZ, G. B. Produção animal nas vázeas do Rio Amazonas. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2003.

MAZZA, C. A. et al. Composição botânica da dieta de bubalinos na Nhecolândia, Pantanal Sul-Mato-Grossense. Corumbá: Embrapa-CPAP, 1990.

MOREIRA, P.; COSTA, A.; VALENTIM, J. Comportamento produtivo e reprodutivo de bubalinos mestiços Murrah-Mediterrâneo em pastagem cultivada de terra firme, no Estado do Acre. Rio Branco: Embrapa-CPAF-Acre, 1994.

MURA, F. De sujeitos e objetos: um ensaio crítico de antropologia da técnica e da tecnologia. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 17, n. 36, p. 95-125, 2011.

RUSSELL, N. The wild side of animal domestication. Society & Animals, Leiden, v. 10, n. 3, p. 285-302, 2002.

SÁ, G. J. S. No mesmo galho: antropologia de coletivos humanos e animais. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

SAUTCHUK, C. O arpão e o anzol: técnica e pessoa no estuário do Amazonas (Vila Sucuriju, Amapá). 2007. Tese (Doutorado em Antropologia Social)–Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

SEGATA, J. Nós e os outros humanos, os animais de estimação. 2012. Tese (Doutorado em Antropologia Social)–Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

SIGAUT, F. Critique de la notion de domestication. L’Homme, Paris, v. 28, n. 8, p. 59-71, 1988.

STOECKLI, P. Do bravo ao manso por meio de uma lente: aproximações imagéticas à criação de búfalos. Iluminuras, Porto Alegre, v. 16, n. 40, p. 133-166, 2015a.

STOECKLI, P. Laços brutos: vaqueiros e búfalos no baixo Araguari – Amapá. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia Social)–Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2015b.

SÜSSEKIND, F. O rastro da onça: etnografia de um projeto de conservação em fazendas de gado do Pantanal Sul. 2010. Tese (Doutorado em Antropologia Social)–Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

VANDER VELDEN, F. F. Inquietas companhias: sobre os animais de criação entre os Karitiana. Rio de Janeiro: Alameda, 2012.

Top of page

Notes

1 Pesquisadores sobre a bubalinocultura apontam que que o búfalo é o animal ideal para o ambiente de várzea, pois ele se desloca no território de acordo com os períodos de seca e cheia (Marques; Lopes; Martinez, 2003, p. 58), e mantém um ritmo de crescimento mais acelerado quando comparado com outros bovídeos nesse tipo de pastagem (Mazza et al., 1990).

2 Algumas fazendas produzem queijos para o consumo de seus funcionários ou para o comércio local, entre os moradores da região, mas essas são minoria e a atividade é intermitente.

3 Uma boa descrição etnográfica sobre vaqueiros em outro contexto pode ser vista no livro de Álvaro Banducci Júnior (2007).

4 Utilizo itálicos em termos que são considerados como categorias dos animais pelos vaqueiros – como em garrote, vaca, bravo, manso, etc.

5 Desenvolvi argumentos sobre o uso da câmera e de outros instrumentos de imagens em um artigo recente também oriundo desta pesquisa. Cf. Stoeckli (2015a).

6 Dentre os exemplos que Digard (1988, p. 31) cita de animais que retornam a um dito estado selvagem se não forem constantemente domesticados estão abelhas, coelhos, porcos, cavalos, gado e felinos.

7 Sobre esse aspecto, Tim Ingold (2000, p. 61) sustenta o argumento de que a história das relações entre humanos e animais não humanos, que é normalmente registrada como uma libertação do estado selvagem do ser, deveria ser narrada pela transição de relações de confiança às de dominação por meio de instrumentos técnicos que infligem dor e castigo aos animais.

8 Acredito que, por si só, o tema das formas como o gado é marcado mereça uma análise comparativa que trace estilos característicos em diferentes regiões e com diversos tipos de animais.

9 Diz-se também que animais castrados ganham peso mais rapidamente, atingindo o ponto de abate em idade mais jovem.

10 Realizo uma descrição minuciosa desse processo no quarto capítulo de minha tese de doutorado. Cf. Stoeckli (2015b).

11 Outra situação relativamente comum é ver bezerros ficarem caídos por muito tempo depois de castrados, esgotados fisicamente e com os corpos superaquecidos por todo o processo debaixo do sol quente.

12 Essa noção de diversão também aparece quando os vaqueiros comparam a atividade da vaqueirice com outros ofícios. Em uma conversa com um vaqueiro da fazenda Campo Novo, ele me explica que já trabalhou com a pesca em alto mar, mas que considera o trabalho com gado mais “divertido”. Pelo conhecimento que tive das práticas de pesca costeira pela pesquisa de Carlos Sautchuk (2007), conversei com ele sobre os perigos de ambos os ofícios, ao que Dario se mostrou taxativo: trabalhar com búfalos é ainda mais perigoso do que a pesca marítima em pequenos barcos.

13 Outros apontamentos teóricos pertinentes sobre a noção de skill foram feitos mais recentemente por Carole Ferret (2014).

14 Apesar de Maguari aqui entender o boi solto no campo como o boi bravo, esse não é o entendimento comum. Ele sabia de meu interesse naquele momento sobre o comportamento de búfalos bravos, por isso interpretou a pergunta dessa maneira. Búfalos soltos nos campos das fazendas são considerados mansos e raramente são bravos.

15 Em um texto mais recente, Jean Segata sugere, a partir de sua pesquisa etnográfica, que interessa à antropologia a transformação que pessoas e animais causam em si nos processos de suas relações. Nesse sentido, propõe o autor: “Falar de si através de um animal talvez não se resuma a uma simples projeção simbólica, mas faça aparecer um processo de se traduzir no outro – de se fazer aparecer nele, de se transformar mutuamente” (Segata, 2012, p. 44).

Top of page

List of illustrations

Title Figura 1. Vaqueiro derruba e amarra um búfalo para furar seu septo (foto do autor).
URL http://journals.openedition.org/horizontes/docannexe/image/1616/img-1.png
File image/png, 961k
Title Figura 2. A Reserva Biológica do Lago Piratuba e pontos de referência da pesquisa (elaborada a partir de marcação por GPS).
URL http://journals.openedition.org/horizontes/docannexe/image/1616/img-2.png
File image/png, 1.6M
Title Figura 3. Vaqueiro derruba bezerro para ser vacinado e marcado (foto do autor).
URL http://journals.openedition.org/horizontes/docannexe/image/1616/img-3.png
File image/png, 639k
Title Figura 4. Um garrote e uma vaca (foto do autor).
URL http://journals.openedition.org/horizontes/docannexe/image/1616/img-4.png
File image/png, 710k
Top of page

References

Bibliographical reference

Pedro Stoeckli, « A brutidade entre vaqueiros e búfalos no baixo Araguari – Amapá », Horizontes Antropológicos, 48 | 2017, 171-196.

Electronic reference

Pedro Stoeckli, « A brutidade entre vaqueiros e búfalos no baixo Araguari – Amapá », Horizontes Antropológicos [Online], 48 | 2017, Online since 01 June 2017, connection on 13 December 2017. URL : http://journals.openedition.org/horizontes/1616

Top of page

About the author

Pedro Stoeckli

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário – Brasil
pedro.stoeckli@gmail.com

Top of page

Copyright

© PPGAS

Top of page
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • OpenEdition Journals