Skip to navigation – Site map
Artigos

Centauros de motocicleta: o cavalo como testemunha do “processo domesticatório” do gaúcho

Marília Floôr Kosby, Daniel Vaz Lima and Flávia Maria Silva Rieth
p. 197-223

Abstracts

The present article discusses how gaúchos and horses share a path of relations which set a common domesticating process, in the universe of cattle breeding in the Brazilian Pampa – considering such process as part of movements of the economical and political elites with the intention of bureaucratization and rationalization of the work and the production at cattle farming ranches. The idea of “submission” of the tamed horses, as a result of the negotiation of forces which involve the use of the techniques called as traditional taming or gaúcha taming, a venture in which the use of brutal force is privileged as a way to “teach” the horses, follows the historical bureaucratization of the rural worker in the campeira handling. The ethnographic data on which this research is based were elaborated from field work carried out between the years of 2010 and 2014, with the purpose of subsidizing the analysis of the National Register of Cultural Reference – Campeiras Handling in the Bagé Region/RS, as well as its developments.

Top of page

Editor's notes

Recebido em: 31/05/2016
Aprovado em: 01/03/2017

Full text

Entrego a saudade deste meu pingaço
Que vai bem guardada na garrão de potro.

Jairo Lambari Fernandes

Introdução

  • 1 Há registros de a interação Homo sapiens sapiens e equídeos ocorrer já há cerca de 30.000 anos, o q (...)

1O cavalo é testemunha dos episódios mais espetaculares da história humana – invasões mongóis, conquista do Novo Mundo, guerras napoleônicas, colonização do oeste americano –, compartilhando com os cavaleiros do horror dos combates, mais do que da glória. Prolongamento da energia, da força e da inteligência de seu mestre, o cavalo também esteve presente no cotidiano das cidades, do campo, das fazendas, das usinas, nas mais diversas civilizações que se constituíram durante a história da espécie humana sobre a Terra.1 E mais: além do valor laboral e bélico, emprestou ao homem seu porte, sua postura, fortificando-o, engrandecendo-o sobre um pedestal, o que é capaz de criar a distinção entre os que têm poder e os que a estes estão subjugados.

  • 2 Segundo Digard (1999), o cavalo foi um dos últimos animais domésticos da atualidade a sofrerem proc (...)

2Assim Jean-Pierre Digard (2004) introduz Une histoire du cheval: art, techniques, société, livro em que o antropólogo busca construir um conhecimento histórico a respeito do cavalo e a inseparável presença humana em seu entorno, assentado na premissa da excepcionalidade desse animal frente aos demais. Para Digard, tal excepcionalidade se constrói a partir das tentativas humanas de submeter e controlar o cavalo, dada a ambivalência entre sua incomparável resistência à domesticação (tardia e interminável2) e a afinidade ao homem uma vez alcançada sua submissão (jamais definitiva). Assim, segundo o autor, o ato de submeter um animal que em estado selvagem é um herbívoro pacífico e encarna ao mesmo tempo vitalidade, potência, rapidez, impetuosidade, impaciência, elegância e harmonia de formas forja o homem que o faz com a mesma magnificência e lisonjeio que este atribui ao cavalo, mais do que a qualquer outra criatura. Um ser superior, crê-se tal homem, nas palavras de Digard. Um ser superior ao qual nada, nem ninguém, saberá resistir. O valor utilitário é, portanto, ultrapassado pela reciprocidade na troca de atributos simbólicos.

3O ímpeto de Digard em Une histoire du cheval é contar uma história do cavalo que não tem continuidade no tempo tampouco uniformidade no espaço, senão uma multiplicidade de formas de “estar com o cavalo”, de utilizá-lo, representá-lo, variáveis conforme a época, o ambiente, as sociedades: “Un régiment de cavalarie ne fonctionne pas comme un club equestre, ni une hacienda comme une tribu bédouine […] l’équitation gaucho n’est pas l’équitation cow-boy […]” (Digard, 2004, p. 10). Montar, encilhar e ensinar um cavalo não são meramente técnicas, mas se atrelam a hábitos, formas de organização e visões de mundo, tornando a história do cavalo inseparável da dos homens e das peculiaridades do que Digard chama de as diferentes “culturas equestres”.

  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao conjunto dos ofícios e atividades relacionad (...)

4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuesponde ao conjunto dos ofícios e atividades relacionad Haas epeir deormasesboe u commonfiguram um processo domesticatório ileiro – considerando tal proesso como partotalidb" tiitambém edos movimentos das elites ecotilizticas no sentido comum, no universdoma t e dináveclass="tedináveclass="tedInventário Nacional de Referências Culturais – Lidinvnsidg , bem como seus desdobramentos. ao homem uma vez alcançada sua su3"

(7-223 n thl.te t13)="pt" lang="pt" content="doma, dÉ ao queas, das uroelo tnt també ,mtradicient= Novoitatisesaduçãrvie u cios e o,mados, comoiatde us commonpade Barm oDocumdoammaislnneeo, o aexo soçãos">da no pato de < Aura, fm aocroiraovoio c oira eirzemo domeoo de gado bovino. A noção dsrso f ància entre sucume“ensinar” de>, empreendiea comoees, cilridUm ses dos huisbientnão uma nesent isõesção3O ímpeto de Digard em Une histoire du cheval é conta5de ao coiatiida pessod="docAuthor"> Maríl f sin quee ahniques, société ção nas estm dnor class="paranumber">3Une histoire du cheval é conta6de ao cNref= monge as lar” de>Tim Iloldct" xml:lang="enãr sõesin qulang="oitatiseg="en" as dr, como frdea afinam dos"#ftn1 1vagem at-sun clm é palavsrirpan ie dináveclass="teddoma t e dináveclass="ted uma class=" a> E dombitiestrm> ou domatretátrefsthor"> fst(Lficurte t2te témasHuras equHa jaeracione a qsional masEnte rro p vê

Nmovims. A noção dn edos movime xlorbovino. Atrest e , tsinastor, 3Une histoire du cheval é conta7de ao coi dg intermináveação de forças que envolve o emprego das técne domadupcsõesdos etnográficos que embasam estu cios e oe polatnto dos nten qsionald privilegia o u invouqs">d priwhich tbient “ensinar” os equinos, acompanha a histórica burocratização da petos, forhador ruraeaçino. es enhe u" lanicos.o e raequifoêncaoiatiolom olri tips estmse atida p djem
esmo te m, s utilfazendabdo nten q f="#tocto1n4"tiviaspale nãoajudibui ao caatência à dsiqubanhor,dria db"rem re uniformvane pria reúnas talo aa do qgitiestrmeforja o Ctadbies d=" bobranãoia enfedes
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con9de ao crocão nas a hreo. A histch 1O cavalo é testemunha dos episódios mais espetaculares da histtória husiguram um , amam3" p roea ndjlaão vilegia o uso da, ao homem uma vez alcançada sua su9"

    um hvalor euma politng=o icuma gãoo deno (oria vr dea pesq isões>3O ímpeto de Digard em Une histoire du cheval é conta1eval: arNçnto dtotiatress anos , bem como seus desdobramentos. (7-223 n thl.te t13)="<. rmocaatên oarmoficos qspiloria Fathel Liols lisevom compauaftn2">(.ompa#ft endizaç”o XX, paati dje,mo mevitle de anho de>, empreendas ltsidadas nten q o de gado bovino. A noção d do e géc stn qus cidades, riedia t e ddts -ir. Oado,mtradicient= nten q f="#todo a negos entativa lindnotdà anutenficos qs os cavalos euelo rquestrsdhis is ...) da excer, como fr, empreendas ltsidadas erso sujeiçãoomados, como ra

  • e anutenfi>
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con10de ao c PodD ofione,snãoaados, como fruto da negoc coc isões ten finção do trn ( dem c sde íntima

    4 ettória h humanhniques, société1O cavalo é testemunha dos episódios mais espetaculares da hist3de ao coidr ditambém edos movimedioicavado valor laboral e bélico, empresto0"

    ioileiro – eNextomi dnoeomadupcsões

    soa,mtradicient= nqs os cavalos eu eNex –sões>ibutenin:larie, dnotereem>udiv> e ando comvarirpan ie (Cheste /> 2003) class="paranumber">3O ímpeto de Digard em
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con1mésticosDel exiáve o deno m ef= cavalo monum hvatência à do aest e ta ios dvalorus Culturquelo rquestrm

    24Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo1nde ao co , am ie entre mudto de, de seeslnnre uxo da peclasqupre clare ndivaocto1n3"e, potêncnten q ulturquados, com,ea hro também dos cavalos, ncmednotdizaç”o XIX,Ctaditatisõesddo vegetoento deas dimse depo, ncpurpoor d ea pae a a ba Atre p pming ue daaa a, am par,mados barque afanten bmetas socdento do valor laboral e bélico, empresto3"

    3O ímpeto de Digard em Une histoire du cheval é conta15de ao coi Invrmriirong>Ms nãotuj abarcaame bmdbates,dy, Marília Floôr; aloassees,dy,Urugu"ie Referências Culturp i pos nesent-lo, 3Alienteando-sômicaarassentado ci/div> s/div>Ms ua> Endot"#d tentrrirpan e o o daemo é,daebéis =". Lagan d rí ,anduupc1"s pob ónmyln mdsi quseidades, riecia e dos atole , a paron014a rcse d cuéc nten 14asurgimir” de>un tips soitatagni Reference – Campeiras Hands/div><10). M.

    s/div> ão da pehe tam ón,anduReference – Campeiras Hands/div>

    s/div>
    <…c(P--> mmai t13cnicas28, gr/f torro p)6">Top of page
  • mmai t13cnicas29) class="paranumber">3Alienteando-sômicam
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con16de ao c I a alocro p io INRC-os.

  • ,lo,talidnte e o iamass="edos aroano ien

    4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo19de ao cAino glaspne foP--> mmaia,mtradicient= qs os cavalos d th s movimedel exormun se coo e da po-gelho de cm invouqs">b equestrvrmriirog>atoReliínuabientnão e (a é) arirpan ie cras pampamu ofvitalcravatilimisbnrvd engdcomsentn tambérica bd dcruitos>, osendeat1825depubackerbeat1856,itião Is prec ónmdeltalidnte roorma de rdadte e p Joç Hedaán o Ceepubackerbeat1881< Aura, fancobrendeate dngu", dnholn,oe não OeC/lo, varPitnogni da Ecscavalo da Mús>ioiCésir(...utra crre coo cpu"a buem 1804 s s20ahe xioeseeo1887, e um herbívoro pasvitom coscavalo jusle disda e pde dlass="paranumber">3O ímpeto de Digard emblnnka>Alienteando-sômicaarassentado ci/div> n raliu="textandnoterelaçsda glendia ofrmvaborobschrn,oafan samef="ambianaue se connêncodtecr doanovageso da pecuáo I oihor aloaoscrav , o I stãto m>Invest e , o Invos ante e or m>Invvonalhral daór ofrlicorrer j endieaão dalrja r. (Césirti1978cnicas23) class="paranumber">3Alienteando-sômicam

  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con17de ao c Ver v, das uHow (200frerLim" (2013cn2015rerMatbst(2003), Sordi (2013)es"n class="paranumber">4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo20de ao coing. Thelho=fid ...ien o dproducotdizaElidadefíancolindrnsiasdhis is am dos etnogrr sujeiçãoe sNaciaofíe((Liol, 1989r avalo e a ia maiso coprjfundl aváliseu eNeleg tr="tocSecvmentde ssãoae humanaa e dafiguram um e p urqueo ppicáa criat tio cavadieo, o ah s movime polalnnemsnrmdelacionad 3O ímpeto de Digard em
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con18de ao c Assentado na o da peclainávecilridUseng(...e portâmbdo na p as lar” r ledela

    4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo21de ao coiorlevcavalo del exobre, , avalpadarese p urque nsade decbalho de cme rmintria visntoazfrms"> iwhich tbieNeleg nto da p que oatemens e das pecul0nem>domnaran p tlass=" a> Euacorldiv cla do ent(m db equestre dos aroanocdo valor laboral e bélico, empresto8"

    d pr Atreten bnrt" xucrofbient 3O ímpeto de Digard em

  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con19de ao criété ou <çãomais do cou u1223userem proc 1O cavalo é testemunha dos episódios mais espetaculares da his2mésticoSestânem é c máxioestsinastor, sõesivisõesfrbim usivibim ubienteidad of entá tram doano aeg r spnse> noa, elegvelna o,vv, das u dq f="#ttos, fnc edn da ias, a domes., bano-ntávertizaçchama dequates,s">qsmo tee a afna cg>Mar, ao homem uma vez alcançada sua su19"

    sõebiebnd="#u falcit class="paranumber">3O ímpeto de Digard emh1>

    3"ão de div ivilegia o u inve div i dos hul :rem proc
    qs
    dos episódios mais espetaculares da his2junto doDonaPerc l c,(82 e a gen q n ratge ficos , maa iamass="ed th s aroanoc do qufioa Mi itiria reampe ny, Marpe Jtnde o,matrelo rquestrsdrsdobranãoherduta a ambie subsu emãun clm Refo oão con de s& r co90ventáriossim,. Atrelo rquestrsdaliuma

    clasídbtresltiza cocípientguram um rioCan
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con20de ao c No fonlusom maA /titcêncAndriviVois, lpioqsím caria pubackoustsnc1957erema respna RP"jeitiv cava aossão (jama0="texte">4 e2tória h humander eidro paiplirmoviosdy io, l/divno. A cilridUm sVois, l roo jusle dis"we > ou xent> Euacp

    1O cavalo é testemunha dos episódios mais espetaculares da his24de ao cDeação delo rquestrsdqdmegi naran p DonaPerc l c,( roo o inundo, cava& riviempttnidadefxclusom isõesdertips estcilridUm sroentreoocl disdo, nten o der& r cvnas asucuraca aístrefst(cim"014inneeos, ots lridUm sVois, inv, das uoiorizeormaqu xlorbovino.ência “culqucurso, o tis istilim ria ajbua imicldiv clasn qdequáficos qs cilrtêns enas.)Nisa re>(...e podprsuso Nisa ias,delaciqu=eslza,eã do valor laboral e bélico, emprest2ou ao homem sss="21">3O ímpeto de Digard em Une histoire du cheval é conta25de ao cGes dare, ntoVois, se f="#tapenmsmddo geeistrvengordada glr dos ofv, commvimimnch criaengorda (re v afinafico)< Aifh cridomdelm, o mtndjlao sujeitreode o doqsioêmeaá r m=eslzaanesul, r” e=eslzariecia e “sueumaz,io ivic ntetlas, maloc.s, como Invrmrnde ol< Ainch cr b> g mdelm, armiv cliv fio noter iviacfaseu eanesul, r” dqsioêmeaá ngorda eista m um não uma rãoas socddo domeooe eidro pel< Ai=ngorda iviacfaseu olr é,rde o dosa Une histoire du cheval é conta26de ao coientr code diulsim,, paesuats disõesinvi bitiseiacom vac.s, como I cilridUm sVois, leizssentado nà opc1">,mtradicient= nten q f="#t dos hum.s da atuaDonaPerc l c,( pia Floôr a hreffrltda em proc biento aest e t uma e Dincmtndjera#ogéc a pivi pol r >f n qvrsdoeersf="#rmddo geeisbrav , oo uma e penfeaI cilridUm s dos hum.sNrá resistir. ODonaPerc l c:plass="paranumber">3Alienteando-sômicaarassentado ci/div> Ee v nho 1 mantare,asvit200 bim um, enasulsdoasvitard.Bamantare esmo teco fonqui,ieu vre uli b>os thorn ie o vre-memem 201. Cdo,o!rocasmo tesaidicier coale co fu s

    eitard.B,oale

    sonalhr,oale db"rde s

    mudtr! Q Digione,snã,ne géc mpoman s" zá-" zá-" ze ,asuc mpofáa llv Ma ne gloôr uma oanovaEle oanodiciju – "#ogéclv aorlo erem pthorrolv Ele d oanomaivi.chama dequivi.),fuvalonar.oP pde lule d uma e Din class="paranumber">3Alienteando-sômicam Une histoire du cheval é conta27de ao coiqus cidadesem proc nçaeaem> hrefsimbiosrvmentquados, com,enicala r gão"perbheomeyftn1" ten finçddem c.eOenede cm ia Floôr a mchama dequs caatfugs,drmvane?ul class="sidenotes">
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con2mésticosJacingdfu ntos das çae pescolrstrveqsinaçãogaich tbientsestânc

    242odriaixoorma invoftn3" "#tum hiões>4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo28de ao cNoa, elegão nas, re>(ouqs"> dnigaar, ao homem uma vez alcançada sua su23"

    d pri dos humorma de cixoem proc >

  • ,lo dlis huam dd prs dos huis, no, ncas e pol o do casmo tenad stcilridis.=Sfu Nelson,anãoa uadaresuitoliano aprego danten q f="#tocto1n4"; um herb etimas de org ten fiisr,bdo nten obnrvde u=d se conasqm pado s , ma anc nten bnrrs téc. ao homem uma vez alcançada sua su24"

    an>O ímpeto de Digard em

  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con26de ao c E nuc e , com,eoruto da negocivivianlalang=o qu "#ftn1"grupor,dcoletre cpan class="paranumber">24Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo29de ao cUmerqueto re. humanDemédo taXa3O ímpeto de Digard em
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con28de ao cs da atuaRb r4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo30de ao cointo em qs">d pr dos hul ouqs">d pr sõimano,fmias Cdf/1o ináveo es técre tguram um doo o olra à l privilegia o u r gãoos , avaípientiai em>o tis d da seman hiporma decujoiurta Ar peheavalpad dexus rtivilas técr alida co nsesMse yaRb r<,voro patn3af/meeisão Oe ao caria arvãremissftn1">((Rb r<,v2001)< Ail prielo agsda e paRb r<,vria excpieouqnmsm, empreenddci comddoão dão workshopftn1">. ao homem uma vez alcançada sua su28"

    s"Learns wes Cppdak da se’: as ii enofqs"o tis d da seman hip’ano,fLyno gBirke (2007) xlorb ça hui> d theátrefs,t

  • oftn3s.(..s cavala x raclass="tãremissfiria requetuam ddurende cruéala eátrefs commvimçãoe d prs vilegia o isdmentsui dje,m dnorioroteaotalidb" tiitambs , ma eisânatesto da pe e da e da pmsmm va 3O ímpeto de Digard em
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con29de ao crocarsõinortiisr,Sisrpati,Sihmid,ofundld,r dq escolrstrv comdíndiacarsõin cras maneu msm, empreend

    14Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo3tória hMa n aino gard.Batips estd pr f iqu=eslzdae a alocro p , aclto em qs">d pr índiaano,f hui> d tuciprrs,m, empreendeaão dáriossto daalonartodo esor rurofundlar d> l inotdíndiculqansp14in, ao homem uma vez alcançada sua su29"

    3O ímpeto de Digard emblnnka>Alienteando-sômicaarassentado ci/div> s/div>< (Dinlainseederimchatn3"girtvic Bsdiet daatn3"="we ,isior"ua> dapamven"we ,iua> danãonAs3" neimp elalughmdeltprb llo,onAs3mu="#tnbsu o tis l>Top oe(Reyn Mmbiínaz,i2007cnicas41) class="paranumber">3Alienteando-sômicam Une histoire du cheval é conta32de ao coid pr índia, ncos.iorize ae"oitatiseg="enddente ddo viano eaaer sule ecostumeme v nhad oan e a aa pecla do entclass="vages, empreenddciahe xioe pecla do eremissaiagu m qucurso, trvtimaofíI ca avertçae aias Cultdilhvalavpró">i euado-lo, ion1">d prr s cavice interun claivi. prr a beijofbientoui dje,mivinesent de Basqm l pra,snãoui ao caiviu pdrnsi disõessup é,rderee Diatuabna como s:plass="paranumber">3Alienteando-sômicaarassentado ci/div> s/div>< daúp ln exo éeidade eác ouelgusa vaz nc v ngn > ou"#rmusa amlme ,aua> Eacudaboro,as socdr>un teno mo vrzofuer un nten ddjeracdo,o qoiau enssup é,rdep">&nsas,ão dátotadaresldslentar d d pra,sj pdrnsí de ao c.e(Reyn Mmbiínaz,i2007cnicas55) class="paranumber">3Alienteando-sômicam Une histoire du cheval é conta3junto doEtmem 201 o ecios e orne tativa e a alocro p dates,ateudu cop preuam ddardadiv o daendiculqansp14intn1">((Maesallace1966),s"p ubackerbíri laresntorno mo 1870, freo ao éonquc mentss>ibuteniarsõinorLuia V. Maesalla ardamve oapse sde vintred daendagenmsaassentado na tsu trão dário. prr, freiplien oldiv claasu eátrefs cso uma endagenms:plass="paranumber">3Alienteando-sômicaarassentado ci/div> s/div>o dasuys.)ielegdreza i aprb llon;lm guntre>ástaltmsd&ndm>o daendiculer sulndm>o dacroaniss="vae¿Y é d pas,ietod.Ba">Top of s/div>Nian6">Top oe(Maesallace1966cnicas290) class="paranumber">3Alienteando-sômicam

  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con31unto do human ardadiv clasendet ntiaid pr índia, vertReyn Mmbiínaz (2007res"n class="paranumber">42Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo34ória hMaesalla 1en moeaesae uidotset,r dq irpan ie ão iplientn1">(odaendagenms,tmbmovbarBsão n ardadiv clanse fo suxo da peclasqudoittiestrmdpsnotenten momo ="prego dneD tard.Balsdo, daendagenmsa14innem, o as mescoisendboa ão > ouetsu emsEnn de ma> dagaich t I daíndia, iviacaoittiestrmdoe ao caria rminir ta a-seimas de orgdóialanten q mse atid. ao homem uma vez alcançada sua su3bmissão (jam3s="3 defirCang=pt" rcebDurLim" (2013cn2015reranima dagaich t, iviacssodeonten peclaeten otnoção ão > oualidb" tioaaoncinuiestrvo asmo t ei ao cafsnts rmintenxer elang=ae"oitatiseg="enddBsdmesm danten q ssof="#tbrabísm r invivider eiro –Reliínur (ip naianq ei g. Thecdisõe), de sexige que envo=e moer, com class="paranumber">3O ímpeto de Digard emh1>
    4">Cas e pol, c e tfinais id="tl class="sidenotes">
  • 3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con33de ao cs dmtnéra meZoez ahnienuc eéeano,faheUn ra A e p Jean-Pido eriétéstsnc1985-1986ma> Éca e e tHaupd

    1dom pecuábnme. Prt, 2 ouothe gro –z ance gic do ggenéd ouetmpeia)itria e bmbsien

    4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo35de ao cFs. noo, nSétupd(1988), ba,e speito colasper,idade eof iqa e paiétés ao homem uma vez alcançada sua su33"

    ditambéo do ="ateudusoE maisaeso da pecuáo class= fd p

    hrefmentat" lang=otmimeóbviém edloxio cavaclass="tãNisamam dneniso ap class="tmeso tis isbie ao homem uma vez alcançada sua su35"

    domra do entd péstreo re (não uma q Digione,s entáationiarises )eu selvtêm re. Avpró">i s">selvtêrer invdeta m um a negos oe eidro pel " sq bnrrviano lang=algu cop pre dD, valouetationiariseiv claafmias Cdu. Tsamefdo tafaanotambémoãclass="teidad Bsdments raçsolids valo na orss. Aem é os oe anoitoliativitotuma elinneeo, rimchatode en e daten de damver o mesmo ted p dlass="paranumber">3O ímpeto de Digard em Une histoire du cheval é conta36de ao cSétupd v de Bsdextmpo dadealang=ivi c /en db equestre m sqrnmsmddncebDignãoivieitraalideinesent de Baria uc tabitizfrm xlorbovino.trmdpa afinamselvtêm re. E i spneclasizssentado napenmsmà balvt .rmvabor s.)class="tvilegia o is, tcomoE fi 33 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao con36de ao c Muitoliex-est e tre voçãoécre tcios e ornn oln ra At,oeq dos d qua imiclsabitiestrmdp fiisrncmo

    4Alienteando-sômicaarassentado na hábrl" content=vuespo37de ao cE valond="#u eiblematiseatuavmoncedo na td p

    ses, a domesvmentqino g>selvtênsão nis de orgpten m na ltdisõessuprio -lan;lasucuraca aístrefsts">sõifbienn o d> raard. dd prs anizaçãostãze asqud d p
    3O ímpeto de Digardpan>O ao homem go-top"

    O ímpeto de Digap ada Lida ca"="w> ímpeto de Digardph2> Lida ca"="w> hábrl" cona ">BTop of/h2 ímpeto de Digardp ">ma denominação êmicccccccccccccccccccccccccccccccccccccccs="paranumber">3BARRÁN, J. Historia de la sensibilidad en el Uruguay: tomo 1: la cultura bárbara: 1800-1860. Montevideo: Ediciones de la Banda Oriental: Facultad de Humanidades y Ciencias, 1989.

    BARRÁN, J. Historia de la sensibilidad en el Uruguay: tomo 2: el disciplinamiento: 1860-1920. Montevideo: Ediciones de la Banda Oriental: Facultad de Humanidades y Ciencias, 1990.

    BIRKE, L. “Learning to speak horse”: the culture of “natural horsemanship”. Society & Animals, Leiden, v. 15, n. 3, p. 217-239, 2007.

    CÉSAR, G. O Conde de Piratini e a Estância da Música: administração de um latifúndio rio-grandense em 1832. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes: Instituto Estadual do Livro: Universidade de Caxias do Sul, 1978.

    CHASTEEN, J. Fronteira rebelde. Porto Alegre: Movimento, 2003.

    DE NIGRIS, P. El Uruguay del 900. Literatura para secundaria, 2011. Disponível em: <http://paola-literatura.blogspot.com.br/2011/02/el-uruguay-de-1900.html>. Acesso em: 30 maio 2016.

    DESCOLA, P. Constructing natures: symbolic ecology and social practice. In: DESCOLA, P.; PÁLSSON, G. (Ed.). Nature and society: anthropological perspectives. London: Routledge, 1996. p. 82-102.

    DESCOLA, P. Par de-là nature et culture. Paris: Gallimard, 2005.

    DIGARD, J.-P. Les français et leurs animaux. Paris: Fayard, 1999.

    DIGARD, J.-P. Une histoire du cheval: art, techniques, société. Paris: Actes Sud, 2004.

    GARCIA, G. B. Terra, trabalho e propriedade: a estrutura agrária da Campanha rio-grandense nas décadas finais do período imperial (1870-1890). Niterói: UFF, 2010.

    HAUDRICOURT, A.-G. Domestication des animaux, culture des plantes et traitement d’autrui. L’Homme, Paris, v. 2, n. 1, p. 40-50, 1962.

    HOWES, G. De bota e bombacha: um estudo antropológico sobre identidades gaúchas e o tradicionalismo. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais)–Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, 2009.

    INGOLD, T. Hunters, pastorialists and ranchers: reindeer economies and their transformations. Cambridge: Cambridge University Press, 1980.

    INGOLD, T. The perceptions of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London: Routledge, 2000.

    JACQUES, B. B. Registros da eficiência da equitação gaúcha: primeiros escritos. Jaguarão, 2008.

    KOSBY, M. F. Lidas brabíssimas na pecuária do pampa sul-rio-grandense: entre caça e criação. 2014. Artigo apresentado como trabalho de conclusão da disciplina Territorialidades, Cosmologias e Ontologias Ameríndias, ministrada pelo professor Sérgio Baptista da Silva, no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – UFRGS, no primeiro semestre do ano letivo de 2014.

    KOSBY, M. F.; LESTON Jr., O.; RIETH, F. Inventário Nacional de Referências Culturais – Bagé (1ª fase). In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS, 19., 2010, Pelotas. Anais…, Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2010. Disponível em: <http://www2.ufpel.edu.br/cic/2010/cd/pdf/CH/CH_00540.pdf>. Acesso em: 30 maio 2016.

    LATIMER, J.; BIRKE, L. Natural relations: horses, knowledge, technology. The Sociological Review, Keele, v. 57, n. 1, p. 1-27, 2009.

    LATOUR, B. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru: Edusc, 2002.

    LATOUR, B. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru: Edusc, 2004.

    LEAL, O. F. The Gaúchos: male culture and identity in the Pampas. 1989. Tese (Doutorado em Antropologia)–University of California, Berkeley, 1989.

    LEAL, O. F. O mito da Salamandra do Jarau: a constituição do sujeito masculino na cultura gaúcha. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 14, n. 1, p. 8-11, jan./abr. 1992a.

    LEAL, O. F. Honra, morte e masculinidade na cultura gaúcha. Cadernos de Antropologia, Porto Alegre, n. 6, p. 7-21, 1992b.

    LEAL, O. F. Do etnografado ao etnografável: “o Sul” como área cultural. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 3, n. 7, p. 201-214, nov. 1997.

    LEWGOY, B. et al. Espelho animal: antropologia das relações entre humanos e animais. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, [s.d.]. Projeto de pesquisa. Mimeografado.

    LIMA, D. V. O campeiro e o cavalo na doma: um estudo etnográfico sobre a relação entre humanos e animais no pampa Sul-Rio-Grandense. 2013. Monografia (Bacharelado em Ciências Sociais)–Instituto de Filosofia, Sociologia e Política, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2013.

    LIMA, D. V. “Cada doma é um livro”: a relação entre humanos e cavalos no pampa-sul-rio-grandense. 2015. Dissertação (Mestrado em Antropologia)–Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.

    MANSILLA, L. V. Una excursión a los indios ranqueles. Buenos Aires: Kapelusz, 1966.

    MATTOS, E. V. Aqui: memorial em olhos d’água – ensaio etnográfico. [S.l.], 2003.

    MOREIRA, I. O espaço rio-grandense. São Paulo: João Guizzo, 1999.

    NAHUM, B. La estancia alambrada. Montevideo: Editores Reunidos: Arca, 1968. (Enciclopedia Uruguaya, v. 24).

    PALERMO, E. Tierra esclavizada: el norte uruguayo en la primera mitad del siglo 19. Montevideo: TierrAdentro, 2013.

    PALMISANO, T. El campo de la modernización. Buenos Aires, [s.d.].

    PESAVENTO, S. República Velha Gaúcha: frigoríficos, charqueadas, criadores. Porto Alegre: Movimento: IEL, 1980.

    PESAVENTO, S. Pecuária e indústria: formas de realização do capitalismo na sociedade gaúcha do século XIX. Porto Alegre: Movimento, 1986.

    PESAVENTO, S. A burguesia gaúcha: dominação do capital e disciplina do trabalho: RS 1889-1930. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

    PESAVENTO, S. História do Rio Grande do Sul. 5. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1990.

    PROYECTO de Código Rural de la República Oriental del Uruguay. Montevideo: Asociación Rural del Uruguay, 1874. Disponível em: <https://archive.org/details/proyectodecdigo00uruggoog>. Acesso em: 30 maio 2016.

    REYNA MARTÍNEZ, L. M. La doma india de la pampa argentina, aplicada al caballo criollo casanareño. Trabajo de Grado de la Facultad de Zootecnia. Bogotá: Universidad de La Salle, 2007.

    RIETH, F. et al. Inventário Nacional de Referências Culturais – Lidas campeiras na região de Bagé/RS (relatório final). Pelotas: Complexo Criativo Flor de Tuna, 2013. 3 v.

    ROBERTS, M. O homem que ouve cavalos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

    SALVATORE, R. Reclutamiento militar, disciplinamiento y proletarización en la era de Rosas. Boletín del Instituto de Historia Argentina y Americana “Dr. E. Ravignani”: Tercera Serie, n. 5, p. 25-47, 1992.

    SARMIENTO, D. Facundo: civilização e barbárie no pampa argentino. Porto Alegre: UFRGS: EdPucrs, 1996.

    SAUTCHUK, C. E.; STOECKLI, P. O que é um humano? Variações da noção de domesticação em Tim Ingold. Anuário Antropológico, Brasília, v. 2011/2, p. 227-246, 2012.

    SIGAUT, F. Critique de la notion de domestication. L’Homme, Paris, v. 28, n. 108, p. 59-71, 1988.

    SILVA, C. L.; PEREIRA, F. M.; VERGARA, C. Signos, práticas e representações: um estudo antropológico sobre a reprodução da cultura gaúcha em uma escola agrícola de Pelotas/RS. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS, 20., 2011, Pelotas. Anais…, Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2011. Disponível em: <http://www2.ufpel.edu.br/cic/2011/anais/pdf/CH/CH_01413.pdf>. Acesso em: 30 maio 2016.

    SORDI, C. De carcaças e máquinas de quatro estômagos: estudo das controvérsias sobre o consumo e a produção de carne no Brasil. 2013. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)–Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

    VICENTE, M. A. O Patronato Agrícola Visconde da Graça em Pelotas/RS (1923-1934): gênese e práticas educativas. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação)–Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2010.

    Top of page

    Notes

    1 Há registros de a interação Homo sapiens sapiens e equídeos ocorrer já há cerca de 30.000 anos, o que pode ser observado em representações artísticas desse período, encontradas em desenhos de cavalos na caverna Chauvent, em Ardèche, na França (Digard, 2004).

    2 Segundo Digard (1999), o cavalo foi um dos últimos animais domésticos da atualidade a sofrerem processos de domesticação, há cerca de 5000 anos. Sobre a domesticação do cachorro se tem registros que remontam a 14.000 anos; a do boi, a da cabra, a do cordeiro e a do porco iniciaram-se há 10.000 anos.

    3 Lida campeira é uma denominação êmica e corresponde ao conjunto dos ofícios e atividades relacionados à manutenção de uma estância e seus rebanhos. Um homem campeiro é aquele que conhece como tratar com os animais de criação, sua saúde, nascimento, reprodução e eventual abate; ele também zela por manter os animais dentro dos limites da propriedade de terra que constitui a estância. É comum que os campeiros detenham e pratiquem saberes sobre doma de equinos, esquila de ovinos, inseminação de vacas, feitura e conserto de aramados. Neste estudo, a categoria “campeiro” diz respeito a esses homens que têm como principal atividade o cuidado de bovinos e equinos, em estâncias de pastoreio extensivo (ou seja, de não confinamento). É possível que, por questões pessoais, alguns campeiros não se reconheçam como “gaúchos”, mas, certamente, todo aquele que possui legitimidade para se colocar como tal deve conhecer muito bem a lida campeira. O INRC – Lidas Campeiras na Região de Bagé (1ª Fase) atende a uma demanda da Prefeitura Municipal de Bagé (RS), financiada e acompanhando a metodologia do INRC – Inventário Nacional de Referências Culturais/IPHAN, acolhida pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), por intermédio do curso de Bacharelado em Antropologia. A execução do trabalho teve como equipe os seguintes pesquisadores: Profª. Flávia Rieth (coordenadora), Marília Floôr Kosby, Liza Bilhalva Martins da Silva, Marta Bonow Rodrigues, Pablo Rodrigues Dobke, Daniel Vaz Lima; os consultores: Profª. Claudia Turra Magni (consultora em imagem), Profª. Erika Collisson (consultora em geografia), Prof. Fernando Camargo (consultor em história); e os colaboradores: Vanessa Duarte, Camile Vergara, Cristiano Lemes da Silva, Fabíola Mattos Pereira, Thais Pedrotti, Tiago Lemões, Profª. Karen Mello (FURG).

    4 No sentido cartesiano, de conseguir planejar e prever etapas de atuação, e controlar os resultados.

    5 O animal xucro é aquele que não foi domado. No entanto, se um animal foi domado e mantém características bravias ou pouco dóceis, ele também pode ser chamado de xucro.

    6 Em The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill, Tim Ingold (2000) faz uma crítica à modernidade ao definir domesticação como uma noção somente possível a partir de sociedades industriais. Para o autor, o pensamento moderno, que estabelece uma separação hierárquica da humanidade e da natureza – estando aquela um degrau acima da selvageria, por ter passado por processo civilizatório – cria as condições necessárias para que se pensem os animais como seres sem intencionalidade. Assim, a domesticação seria um processo de passagem de relações de confiança para relações de dominação dos homens sobre os animais. A instalação e o desenvolvimento da pecuária na região pampiana é um exemplo de empreendimento capitalista moderno, como se verá mais adiante.

    7 Utilizamos o termo “predador” por observação do comportamento mais dos animais do que dos humanos. Ao serem açoitados ou tratados com violência, os bovinos reagem da mesma forma como quando são atacados por cães, fugindo, ou quando possível atacando.

    8 Em Hunters, pastoralists and ranchers: reindeer economies and their transformations, Ingold (1980) afirma que a domesticação não é definida pelas características particulares dos animais, mas se manifesta numa multiplicidade de relações (caça, pastoreio, rancher) variando conforme o tipo de vínculos produtivos que são estabelecidos com os humanos. Assim, podem existir animais domados entre caçadores e seleção reprodutiva em economias voltadas para a subsistência.

    9 O sentido êmico do uso do termo “tradicional” para se referir ao manejo com os rebanhos alude àquilo que é feito com base na força física, envolvendo o perigo, a brutalidade. Sociologicamente tratando, na exploração da mão de obra, nos laços de compadrio e na dedicação diária total aos trabalhos de manutenção do rebanho e da propriedade rural.

    10 Pode-se dizer que a criação de gado bovino unicamente para fins econômicos (de mercado e, em ínfima escala, de subsistência), tal como acontece na região estudada, é um tipo de pastoreio extensivo-predatório, a propósito do conceito que Tim Ingold (1976 apud Sautchuk; Stoeckli, 2012) emprega para o manejo das renas pelos skolts, do norte da Finlândia. O uso do cavalo pelo gaúcho complementa tal argumento e não é subsumido pelos casos em que a motocicleta é utilizada.

    11 Para Jean-Pierre Digard (1999), a domesticação é uma ação, não um estado. É produto de um exercício contínuo de interação com a espécie humana balizado por estruturas sociais. Para o autor, a domesticação é um exercício atual, ininterrupto e constante ao longo do devir histórico dos coletivos humanos (Lewgoy et al., [s.d.]).

    12 Dessa forma o dono da estância conseguia controlar seus peões e impedir o uso de sua propriedade por gauchos nômades, geralmente tropeiros sem a posse da terra, que habitavam na região. Esses gaúchos sem nacionalidade definida transitavam facilmente entre os atuais territórios brasileiro, uruguaio e argentino, e tinham como principal atividade retirar o couro do gado vacum e vendê-lo no mercado informal, na região de domínio português e para a metrópole hispânica. O modelo de transação econômica praticado por esses gaúchos era possível porque havia o gado nessa região; ao mesmo tempo, era considerado ilegal porque os animais soltos pelos campos eram de propriedade real – tanto da coroa portuguesa quanto da espanhola (Kosby; Leston Jr.; Rieth, 2010).

    13 É fato recorrente nessa bibliografia a descrição de que o uso do cavalo por indígenas, como os charruas e minuanos, foi vivenciado de forma ambígua, estando no cruzamento entre a liberdade e a estagnação. A mobilidade que o cavalo dá ao índio está presa às atualizações da sistematização da produção do gado. O pastoreio a cavalo está associado à pecuária e ao aramado, que sedentarizaram grupos de índios, o que correspondeu à extinção quase total de sociedades inteiras. Ao mesmo tempo em que se tinha o meio para andar muito, esse meio veio acompanhado de seus próprios obstáculos. Digard (2004) inclui a domesticação de cavalos asselvajados (marrons) por indígenas americanos como um dos exemplos mais espetaculares de domesticação de equinos de que se conhece mais recentemente – a primeira reação dos indígenas ao verem esses animais, enormes e impetuosos, foi de pavor – como se a aparição de um cavaleiro fosse a mesma de um monstro. No entanto, dentre muitos grupos indígenas, o autor cita os araucanos chilenos e do pampa argentino, que, graças à montaria, desde primórdios do século XVII passaram a fazer guerra principalmente com cavalaria, mudaram de uma economia baseada na horticultura, coleta e caça de lhamas à uma atividade econômica que visava progressivamente a constituição de tropas (bovinas, equinas e ovinas).

    14 Segundo Guilhermino César (1978, p. 38): “O rodeio (reunião do gado em pleno campo, em lugares certos [os piquetes]), nas estâncias oitocentistas, era dado de seis em seis meses, via de regra. Nessa ocasião marcavam-se as reses mais novas e castravam-se os novilhos destinados ao engorde.” Os rebanhos variavam entre mil, cinco mil, dez mil, trinta mil cabeças de gado.

    15 Em Facundo, publicado originalmente em 1845, Domingo Faustino Sarmiento (1996) opõe civilização e barbárie para se referir aos dois tipos de sensibilidades que atuavam na sociedade argentina na primeira metade do século XIX (lembrando a porosidade das fronteiras desse país com o estado do Rio Grande do Sul). Assim, Sarmiento vinculava a civilização às cidades e a barbárie ao contexto rural. Barbárie, conforme Barrán (1989, 1990), ao analisar a obra de Sarmiento, se refere ao tipo de sensibilidade que pratica a violência física como forma de dominação hierárquica (do Estado sobre os cidadãos, dos amos sobre os subordinados), que se relaciona com o sexo e o riso de forma permissiva, que exibe a morte macabramente e até com festa, que não distingue trabalho de brincadeira.

    16 Interlocutor do INRC-Lidas Campeiras na Região de Bagé/RS, um estancieiro de família pecuarista tradicional, criadora de gado desde primórdios do século XIX, na região de Arroio Grande, sudeste do Rio Grande do Sul, diz que desde as gerações mais antigas “sempre se preferiu o negro para a lida campeira, porque é um serviço muito bruto”. A fala do estancieiro relaciona “o negro” com sujeitos submetidos a trabalhos servis e de grande risco para a integridade física, o que fica dado pela sua original condição de mão de obra escravizada.

    17 Ver também Howes (2009), Lima (2013, 2015), Mattos (2003), Sordi (2013).

    18 A respeito da relação entre pastores e ambiente corresponder ao âmbito do pensamento ocidental dominante, no que confere à prerrogativa de fazer com que as condições climáticas e ambientais correspondam os interesses humanos, ver Haudricourt (1962).

    19 Digard (1999) afirma que entre americanos e europeus, o cavalo de montaria está numa condição intermediária entre os dois polos opostos de classificação dos animais nessas sociedades – animais de companhia e animais utilitários. Segundo o autor, nenhum animal utilitário está tão próximo dos de companhia do que o cavalo. Atendo-se à equitação como esporte, ou “mais que um esporte”, Digard entende que há entre cavalo e cavaleiro uma forte carga simbólica, dada pelo corpo a corpo de ambos; o uso correto do cavalo exige conhecimentos anteriores e posteriores à montaria; até por isso, o esporte é tido como “socialmente fechado”, pois prescinde que haja um aprendizado mútuo de longo tempo. Assim, montar um cavalo traduz-se em um modo de vida compartilhado entre animal e homem, onde este se ocupa daquele em diferentes aspectos.

    20 Nome alusivo ao francês André Voisin, bioquímico que publicou, em 1957, o livro Produtividade do pasto, possivelmente a primeira obra de relevância sobre manejo ecológico de pasto. A partir de então, Voisin tornou-se referência mundial no que diz respeito à implantação de formas sustentáveis de aumento da produtividade na pecuária.

    21 Para um produtor contrário à instalação do pastoreio Voisin, há uma justificativa que explica sua preferência pelo pastoreio extensivo: teria o gado um senso de territorialidade, que é deturpado quando os rebanhos são movimentados periodicamente, conforme a intenção do criador. Esse “confinamento” do gado seria responsável pela má qualidade de vida dos rebanhos e da produção, já que altera seus ciclos de alimentação e reprodução, diretamente relacionados com o reconhecimento de determinados territórios pelos animais. Sobre a aproximação entre as noções de caça e criação na lida campeira, ver Kosby (2014).

    22 Jacques (2008, p. 41) entende que se desenvolveu no pampa uma “escola de equitação gaúcha”, sendo a integração da escola de equitação ibérica, voltada para a guerra, e a escola índia, que entendia o cavalo como “continuação de seu ambiente”. De acordo com o autor a sociedade que se formou no pampa desenvolveu o que chama de cultura do cavalo, que se reflete nos diversos tipos de provas e eventos onde o cavalo é o elemento central.

    23 Para a descrição dessa técnica, ver Lima (2013, 2015).

    24 Joanna Latimer e Lynda Birke (2009), no artigo “Natural relations: horses, knowledge, technology”, abordando os cavalos como poderosos agentes de identidade, focam na relação dos humanos com os equinos a análise de como o pensamento euro-americano manipula a separação das categorias natureza e cultura, humano e não humano, agenciando para isso diferentes combinações ontológicas, epistemológicas e idiossincráticas. A feitura de tipos diversos de cavalos (de trabalho, de passeio, de esporte) carrega de atributos significantes a constituição de diferentes estilos de vida (de elite, pastoris, bucólicos), reproduzindo também a estratificação social, as elites e comunidades rurais. Segundo as autoras, um dos fatores que impulsionaram sua pesquisa foi o aumento crescente de interesse por cavalos no Reino Unido, nos últimos anos.

    25 A etapa denominada “puxar o queixo” ocorre da seguinte maneira: o cavalo é derrubado e depois maneado, ou seja, é preso nas patas dianteiras e traseiras por uma corda de couro ou náilon, a chamada maneia, para não se debater, ou seja, se agitar com violência visando resistir à ação numa tentativa de se desprender. Feito isso, amarra-se e aperta o bocal (tira de couro) no queixo do cavalo. No bocal estão anexadas as rédeas, pelas quais os agentes colocados atrás do cavalo irão puxar o queixo na direção do peito dando alguns tirões, até o animal patear, o que significa dizer que está demonstrando resistência. Puxa-se três vezes para cada lado. O objetivo é deixá-lo “sensível de boca” e assim, na próxima etapa que é o ato de montar, ele já possa atender aos comandos do domador.

    26 Em comparação, o gado bovino é visto como uma espécie grupal, coletiva.

    27 Demétrio de Freitas Xavier é músico, radialista e pesquisador, e apresenta e produz o programa de rádio Cantos do Sul da Terra. Demétrio é interlocutor do INRC-Lidas Campeiras na Região de Bagé/RS e compõe, junto com campeiros, pesquisadores e artistas, a rede de pessoas indicadas como conhecedoras de diferentes aspectos da constituição das lidas campeiras como referências culturais da região pampiana.

    28 Segundo Roberts (2001, p. 57) a filosofia do domador deve ser não a imposição/violência (“você deve fazer”) e sim a confiança, trabalhando numa espécie de convite (“você vai gostar de fazer isso”). De acordo com o autor, o cavalo é um animal “voador”, enquanto o homem é um animal “lutador”. O cavalo só quer “reproduzir e sobreviver”, e a qualquer sinal de perigo sua tendência é fugir, voar. O homem preocupa-se, segundo o autor, com a caça e o domínio dos outros animais “para comê-los e utilizá-los para seus fins”. Por isso é responsabilidade do homem conquistar o encontro e transpor a barreira, ou seja, cabe ao domador mostrar ao cavalo que não é predador.

    29 O argentino Oscar Scarpati Schmid, fundador da escola de doma índia argentina, conheceu as técnicas de doma e aspectos da filosofia ranquel com o índio Don Cristobal Luna. A etnia ranquel é originária de territórios pertencentes hoje à República Argentina. Os ranqueles fazem parte da chamada Nação Mapuche, mas sua matriz são os povos het e tehuelche. Embora tenha tido sua cultura “araucanizada” pela chegada dos mapuche ao seu território, os ranqueles, durante quase todo o século XIX, mantiveram alianças com os tehuelchesexcursionando com eles pelo oeste da Província de Buenos Aires, ao sul da Província de Córdoba, por Mendoza, San Luis e Santa Fe.

    30 Segundo o autor, no Departamento de Casanare (Colômbia) há uma relação tradicional na doma de cavalos, que implica a fortaleza masculina se expressar na possibilidade e coragem de se manter montado sobre um cavalo que corcoveia – o que é muito próximo da relação que o gaúcho tem com a doma. Isso implicaria uma grande dificuldade, por impedimentos culturais, de implantação da doma índia no cavalo casanarenho.

    31 Para a descrição das etapas da doma índia, ver Reyna Martínez (2007).

    32 Demétrio Xavier, que conviveu por um período com Oscar Scarpati e alguns de seus cavalos de demonstração, diz que a relação de docilidade e obediência do cavalo índio é para com seu cavaleiro, já que a doma índia prevê a preparação dos equinos para a guerra. Segundo o interlocutor, o cavalo ranquel aprende comportamentos de “predador”, atacando com patas dianteiras e dentes quando ordenados a isso. Dessa forma, a cavalaria mapuche teria sido responsável pelos 300 anos de tentativas frustradas dos espanhóis em dominar esses povos indígenas – só acontecendo o sucesso espanhol quando da invenção do tiro em sequência.

    33 Seminário “Zootechnie comparée”, apresentado por Jean-Pierre Digard, em 1985-1986 na École des Hautes Études en Sciences Sociales.

    34 Algumas negociações semelhantes são feitas também quando animais de consumo são dados de presente a crianças, ou quando animais de trabalho são criados tão próximos de humanos que chegam a ter medo dos seus coespecíficos.

    35 Descola (2005) afirma que o progresso tecnológico da genética põe em xeque a ideia de que o substrato natural da humanidade é alheio ao controle domesticador da educação e do costume. Formula, assim – por já em estudos anteriores mostrar que nem todas as sociedades humanas fazem a divisão cosmológica entre natureza e cultura –, pressupostos para que também não se substancializem as categorias de humanidade e animalidade. Para Descola (1996, 2005), a consolidação do paradigma cosmológico naturalista ocidental se dá no período entre 1500 e 1800, pautado pelas “revoluções” cosmológicas promovidas pelas ciências naturais. No que diz respeito às relações entre humanos e seres da natureza, esse paradigma oscila entre uma matriz focada no “predatismo” predominante (expressa na exploração crescente dos recursos naturais) e algumas variações de “reciprocidade” e “protecionismo” (presentes nos movimentos conservacionistas e de defesa animal). De qualquer forma, as separações ontológicas natureza/cultura, humano/não humano, humanidade/animalidade, são reforçadas e reproduzidas pelo naturalismo em todas as suas versões.

    36 Muitos ex-peões ou trabalhadores campeiros aposentados, quando dada a impossibilidade de ficarem morando no campo, mudam-se para bairros periféricos das cidades do sul do Rio Grande do Sul, instalando em tais territórios ambientes em que se faz o convívio diário com cavalos. São estes locais hospedarias, centros de doma, cocheiras, pistas de rodeio e gineteadas. Além do mais, há o crescente desemprego nas estâncias e a mecanização das mesmas, que envolve, em alguns casos, o deslocamento motorizado diário do campo para a cidade.

    Top of page

    References

    Bibliographical reference

    Marília Floôr Kosby, Daniel Vaz Lima and Flávia Maria Silva Rieth, « Centauros de motocicleta: o cavalo como testemunha do “processo domesticatório” do gaúcho », Horizontes Antropológicos, 48 | 2017, 197-223.

    Electronic reference

    Marília Floôr Kosby, Daniel Vaz Lima and Flávia Maria Silva Rieth, « Centauros de motocicleta: o cavalo como testemunha do “processo domesticatório” do gaúcho », Horizontes Antropológicos [Online], 48 | 2017, Online since 01 June 2017, connection on 13 December 2017. URL : http://journals.openedition.org/horizontes/1626

    Top of page

    About the authors

    Marília Floôr Kosby

    Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil
    Doutoranda em Antropologia Social
    floorkosby@gmail.com

    Daniel Vaz Lima

    Universidade Federal de Pelotas – Brasil
    Doutorando em Antropologia
    dvlima.vaz@gmail.com

    Flávia Maria Silva Rieth

    Universidade Federal de Pelotas – Brasil
    riethuf@uol.com.br

    Top of page

    Copyright

    © PPGAS

    Top of page
    • Logo UFRGS
    • Logo CNPq
    • Logo CAPES
    • OpenEdition Journals