Navegação – Mapa do site
Espaço Aberto

Entrevista com Christian Bromberger

Arlei Sander Damo, Ruben George Oliven, Ari Pedro Oro e Cornelia Eckert
p. 351-371

Notas da redação

Recebido em: 31/05/2016
Aprovado em: 01/03/2017

Texto integral

1O antropólogo francês Christian Bromberger esteve em Porto Alegre em meados de novembro de 2015, como convidado do evento “Diálogos Internacionais sobre Esporte, Lazer e Educação Física”, realizado na ESEF/UFRGS. Na ocasião ele também esteve proferindo uma palestra no Instituto Latino-Americano de Estudos Avançados (Ilea/UFRGS), intitulada “Um outro Irã”. Esta foi a segunda ocasião em que Bromberger esteve no Brasil, sendo que a primeira delas foi em 2007, por ocasião da realização da VII Reunião de Antropologia do Mercosul. Em 2008, Horizontes Antropológicos aproveitou a organização de um número dedicado à temática esportiva, um dos temas sobre os quais Bromberger tem se dedicado, para publicar um texto inédito de sua autoria. Desta vez realizamos uma entrevista, abordando a trajetória e a obra deste que é tido como um dos maiores especialistas franceses sobre o Irã, tendo, inclusive, dirigido o Instituto Universitário de Pesquisa no Irã. A entrevista foi transcrita por Nadège Mézié, traduzida por L’Atelier des Mots e revisada e editada por Arlei Sander Damo.

Entrevista

Christian Bromberger (foto: acervo pessoal).

Christian Bromberger (foto: acervo pessoal).

2Arlei Sander Damo: Tenho a impressão de que você não é muito conhecido no Brasil, o que não faz justiça à extensão, diversidade e qualidade de sua obra. Então, para começar, sugiro que você fale um pouco de sua trajetória.

3Christian Bromberger: Eu comecei fazendo estudos de letras clássicas, latim e grego. Inicialmente, passei num concurso para professor universitário de letras clássicas. Paralelamente, eu havia seguido os cursos de André Leroi-Gourhan, depois de ter passado por um curso de etnologia no Museu do Homem. Ele me havia dito: “Vou te fazer a mesma pergunta que Marcel Mauss me fez quando eu era estudante: ‘você vive de rendas?’.” Eu não vivia de rendas, então Leroi-Gourhan me disse: “Faça de preferência o concurso para professor universitário; penso que você será etnólogo, mas é melhor estar protegido economicamente.” Passei no concurso e depois eu segui os cursos do centro de formação à pesquisa etnológica dirigido por Leroi-Gourhan e por Roger Bastide. Foi aí que encontrei também Jacques Gutwirth, que era um de nossos formadores. Depois disso, fui nomeado para um liceu para ensinar francês, latim e grego no interior, em Orléans. Porém eu retornava regularmente a Paris e tinha previsto de trabalhar na ilha de Socotra, no sul da Arábia Saudita. Eu seguia os cursos de sul-arábico de Maxime Rodinson, que era um sábio especializado sobre o Oriente Médio, mas era muito difícil ir à ilha de Socotra. E naquele momento, no Museu do Homem, estava sendo organizada uma equipe para trabalhar no Irã. O persa é uma língua indo-europeia, relativamente próxima das línguas que eu tinha estudado, e a “ocasião faz o ladrão”. O acaso tem sempre um papel importante na vida. Há alguns que terminam na Grand-Combe [risos], há outros que, de repente, nos corredores do Museu do Homem, ouvem falar sobre um grupo de pesquisas no Irã. Enfim, por que não o Irã? Então eu fui, em 1971, e lá eu escolhi trabalhar numa província do norte do país. Ao mesmo tempo, fui nomeado professor assistente na universidade de Aix-en-Provence, uma universidade com a qual tive vínculo ao longo de toda a minha carreira.

4Em seguida fui designado para o CNRS, o Centro Nacional da Pesquisa Científica, durante dois anos e depois tive a oportunidade de ensinar na Itália, na Suíça e na Argentina, como professor visitante. Também me afastei de Aix temporariamente, mas bem mais tarde, para dirigir o Instituto Universitário de Pesquisa no Irã, onde fiquei três anos de maneira contínua, nos anos 2000. Então o que dizer, além disso? Eu fui, de 1995 a 2005, nomeado no Instituto Universitário da França, que é uma espécie de “pré-Collège de France”, cuja grande vantagem era não ter senão um terço das obrigações de ensino e receber financiamento para fazer minhas pesquisas. Isso fez com que eu pudesse ir regularmente ao Irã.

5Ari Pedro Oro: Falando de seus mestres, você mencionou Bastide. Você sabe que, para a antropologia brasileira, ele é um ícone. Ele viveu quase 20 anos no Brasil, fazendo pesquisas de campo; ele publicou muito, sobretudo na área das religiões africanas no Brasil. Qual lembrança você tem do Bastide como pessoa, como intelectual? Ele falava do Brasil quando ensinava?

6Christian Bromberger: Eu lembro de um curso sobre as classes etárias e as diferenças culturais. Foi um curso que frequentei quando era estudante de etnologia. Ao mesmo tempo, guardo a lembrança de uma pessoa muito calorosa. Nos anos 1970, tínhamos constituído um grupo de pesquisa sobre o Mediterrâneo, e Bastide participava dele. Ele chegava com seus charutos [risos]… Ele era de Anduze, uma pequena cidade de Cévennes, onde nós fomos fazer um estágio com os estudantes. Ele nos dizia: “Vocês compreendem, eu fui fazer meus estudos em Paris e lá as pessoas nos convidavam para as suas casas, mas comíamos na cozinha, assim mesmo, sem preparação, enquanto que em Anduze, no mundo mediterrâneo, quando se recebe alguém, ah!, é preciso começar a preparar um dia antes, ir fazer as compras, usar os estoques de comida.” E ele tinha ficado muito impressionado, como jovem estudante que chega a Paris, pelos hábitos culturais diferentes em matéria de hospitalidade. Então sim, ele era tão cultivado e caloroso que tínhamos muito prazer em estar com ele. Isso foi alguns anos apenas antes de sua morte. E eu me lembro de ter escrito um artigo em homenagem a Roger Bastide, precisamente sobre o pequeno povoado de Cévennes.

7Ruben George Oliven: Na sua escolha pelos clássicos e depois pela etnologia, você teve uma influência da casa, da família?

8Christian Bromberger: Não. Eu tive, sobretudo uma influência negativa. Eu pensei “eu não vou passar minha vida estudando textos clássicos”. Eu achava muito bonita a poesia de Píndaro, de Virgílio, mas eu pensava, eu prefiro estudar pessoas em vez de livros. Por outro lado havia Leroi-Gourhan. Ele não era um bom orador, mas quando eu comecei a fazer seus cursos, eu pensava “ora, isso me interessa! Eu tenho vontade de fazer isso” em vez de ir traduzir Virgílio ou Píndaro, mesmo que seja muito bonito.

9Ruben George Oliven: E sua família, era uma família onde havia um ambiente intelectual?

10Christian Bromberger: Mais ou menos. Foi uma escolha pessoal. A atmosfera familiar não pesou sobre isso.

11Ari Pedro Oro: E Lévi-Strauss, teve alguma influência em sua carreira?

12Christian Bromberger: Lévi-Strauss, eu não o tinha conhecido durante meus estudos. O que aconteceu, visto que estamos falando de coisas pessoais, é que tinha escrito um pequeno artigo, em 1976, sobre os nomes próprios de um vilarejo do sul da França, e o enviei para Lévi-Strauss. Vocês sabem, quando se é jovem, ousa-se tudo [risos]! Ele me respondeu: “Você fez um artigo extraordinário.” Então quando você tem 25 anos e alguém como Lévi-Strauss diz isso… Começamos a nos corresponder e eu o encontrei algumas vezes, mas sobretudo nos escrevíamos. Então, há temas que o interessavam mais ou menos. Por exemplo, sobre futebol, ele nunca respondeu [risos].

13Arlei Sander Damo: Eu imagino, ele não gostava nem mesmo de jazz

  • 1 Lévi-Strauss (1962a).
  • 2 Lévi-Strauss (1962b).

14Christian Bromberger: Exatamente… Em todo o caso, fui muito influenciado pelo La pensée sauvage1e pelo Le totémisme aujourd’hui,2 que eu achei obras notáveis. De outra parte, Leroi-Gourhan me influenciou muito sobre a importância do trabalho empírico, embora ele próprio não tenha feito etnologia. Fui relativamente apaixonado pelas obras do estruturalismo de Lévi-Strauss, sobretudo aquelas que colocavam em causa Lévy-Bruhl e que o haviam precedido nas questões sobre “mentalidade primitiva”. Isso me interessou muito.

15É preciso também dizer que o ambiente junto de Lévi-Strauss e Leroi-Gourhan não era o mesmo. O ambiente de Leroi-Gourhan era relativamente familiar, rústico, tomava-se vinho tinto. No caso de Lévi-Strauss, era muito mais intelectual, e seguia as tendências. Logo, de intelectuais que bebiam de preferência uísque [risos]. Eram dois mundos diferentes, socialmente e intelectualmente.

16Arlei Sander Damo: Você falou um pouco do Irã, mas o que o levou ao futebol?

17Christian Bromberger: Retornei do Irã em 1982, em plena guerra Irã-Iraque, era um período de repressão. Eu me interessava pela cartografia etnológica, em fazer estudos sobre as técnicas extremamente rigorosas sem levar muito em conta os temas, os indivíduos. Eu me interessava, como falei há pouco, por Cévennes, no sul da França. Se estudamos o que interessa aos etnólogos, por que não estudar aquilo que interessa às pessoas? As velhas tradições na França do sul são interessantes, os velhos sistemas de parentesco, mas não é isso que apaixona as pessoas e, a partir daquele momento, eu pensei que era preciso também estudar os temas que fazem vibrar as pessoas, pelos quais elas se apaixonam, pelos quais elas têm interesse, gritam, brigam, etc.

18Ruben George Oliven: É isso que você chama de paixões ordinárias…

19Christian Bromberger: É isso. São paixões que não chegam a ser reconhecidas como paixões numa sociedade. Paixões ordinárias porque são paixões socialmente admitidas. Fazer artesanato é permitido; amar o futebol é permitido. Bom, depois, há paixões, não sei, pornográficas, isso não é abertamente admitido. Logo, as paixões ordinárias, para mim, são paixões que são socialmente permitidas. E então, entre aquelas permitidas, de fato, está o futebol. Naquele momento, retornando do Irã, fui ver jogos de futebol, o que eu não tinha feito desde muito tempo, e vendo o que estava acontecendo, eu pensei “por que não estudar isso em vez do rito da Virgem Maria, nos Alpes, à procura de velhos de barba branca que me contarão como isso aconteceu 50 anos atrás?”. Isso não quer dizer que eu recuse os temas mais convencionais, mas levar em conta as paixões e a maneira pela qual isso revela alguma coisa de uma sociedade, e não simplesmente para descrever a paixão das pessoas, mas para ver o que isso significa, como isso funciona e o que isso quer dizer, é isso que me interessa.

20Arlei Sander Damo: A propósito, contribuições como a sua ajudaram a mudar o status da temática esportiva nas ciências sociais, mas não mudou tanto, não? Ainda é um tema secundário, colocado de lado. Por quê?

21Christian Bromberger: Porque há uma falta de legitimidade do assunto, que está ligada, sobretudo, ao fato de que os intelectuais, ao menos na Europa, se interessaram muito pouco por esse tema, como atores e não tanto como especialistas. Vocês sabem, fala-se do futebol como ópio do povo, como alguma coisa cheia de vulgaridade onde haveria ao mesmo tempo histórias de corrupção, etc. É verdade que há histórias de corrupção no futebol, mas este não era um tema digno de interesse como podiam ser as peregrinações, os partidos políticos ou a classe operária, etc. […] Os jogos, e sobretudo os jogos populares, espetáculos onde as pessoas dizem palavrões, não é a classe operária tal como se sonhou, aquela que deve fazer reivindicações políticas. Logo, é um tema muito pouco legítimo. E, para dizer a verdade, felizmente eu não comecei a trabalhar sobre isso porque teria tido uma carreira muito mais difícil [risos].

22Ora, para mim me parece que, frequentemente, uma sociedade revela o essencial dela mesma através dessas margens ou daquilo que é considerado como margens. Falava-se das paixões ordinárias e a do futebol, em particular, porque é o tipo de tema onde todo mundo tem alguma coisa a dizer, o que é muito confortável quando você estuda o Gilan, que além de mim e de duas ou três pessoas no mundo, ninguém conhece [risos]. Ninguém vai me dizer que não é assimtãoquanto que vela o esseita aso sobre as c>Ora, para de de duas ouulada “Um ou etraita.realiente eo suu acpecit revela dor

22Arl Pedro Oro: Eocê fez um aaprovima ão emtre aelos qereligiõo, etfutebol cereligiõo,também ENsse coapo hi umapropblma oteriac, há tareligioidade há por qxemplo, s que vodiems nomesr a peligiõo,tecunar, pue vodieestar proesnte na ueditcna, ca cidncias,nas cderlogia. políticas. etc. de frande saconteceientos"e o qutebol cambém eomo meligiõo,tdamaiorea, etc. [á aluele que fazlm de peendcntagento pa o esseitravés de peligiõo,;em quel drea docê sersiteu?

  • 1

12Christian Bromberger: EJ eusive anm de bateem que Blguém cutiizada acnomão de urteu?la trda ahoa. EPssoal.ente, eu hou muito.resperado euando va sso, fm mesulivrosLe tmatchde forotalhl/em>1hi umapcaptilo aobre o putebol como rteu?l,com os rgemento ae que hodiems narraceriazr estas mrande saruniães como arteu?s. DTda va, eão srteu?s.sem lxemgspe.Não.é cono um drteu?laonvencionail como almimsa, dnde tersibe q que segnifica, fato de qomav a phsita. Fm todo o caso, fi ue fato,uma soria de etementss nrteu?s.stis conm: acrepeniçao, eaaruniã, s qfrvo r mas não mi unda uue ns difg de vnde nós fviems n ao de nós fvmos ,como podie dizer -os at religiões E eor qsso emudescrnfoo da Fxtensão,e de dma sbanlização da concuito desdrteu?l Paral futebol, emuchegaui a tssa omão de urteu?laem lxemgspe sem premes a de uftura, sem pma asem Mobre a irigiem etc. dom orda ama soria de eaributorsdo ritou?laue vom irovadelaente ee peligiõo, la mesma ,como p fato de qselevartar m algums oomento, de partido ,como p fato de que há hsuersatções nas velatçrio,.

2<Ari Pedro Oro: Fs jdo lo…

12Christian Bromberger: ESm, so jdo lo!Estave ans velatçrio,.dos mogoaores dotfutebol co Irã, onde fsepassaremboixondo rCoão cntes de smtrer no Irama d. O agoeira tem aersirsdo rCoão cm sua s luvs. LMs não ms vodieeizer, on emtrato, que es trabt de umaritou?laeligioio Eu achraita que sejra um aexess"odizer qsso. SBem eeligiõo,tecunar, pu achito dim, eas esfim, pvcês sveem ensse csnteio eu cou melativamente fesperado etndo esm ista fs nrtso de ses euss convhitou>Ora, as ida ente adar,oaor. O que ae interessa.ans vfenôenos nsm elatão d tssae mrande saoncuito é mibe o que is diferentiameem vez do rue is dsse elhoatãoé mibretudo osso que m isteressantes;m ier a piferençasespecifica,em vez doaaonvenrgncia uensriac.

20Ruben George Oliven: Nocê fetraita.rue há uma fspécie de “pobeidade comvhitou>l Eas ciências sociais,ahoje?No csnteio ee que hudo oodieestrer nom concueto.

92Christian Bromberger: NSm, stalez , concuito desdrteu?lé muito cvarsiv. SV há pouco, difa umajovem eesquisa dr que nfazi uma eqxpoidão dsteressantes ele nalava doepessoas nue es trunim nam papque púlicoue que oomidm nuntos, então Lra um trteu?l!/spama eeferçao, eá pomec asldade há sociaibildade has o nd está latranscrndências?O que adstiaUmira o crto desdmaritou?larecisamente ? Talez Goffmn Budesse ios atjdar aqcvaiar corto

92Crlei Sander Damo: ASu cnteresse celo

  • 14/span>

13Christian Bromberger: ME 1982,eu retornai a Irã, o não sie dizfculaade . Depois eu não oetornai an>Oratér19951 Derante msse celíodo ,havia di fato,uom os ue iscupr o HUnautoe uIant/em>,14/s> que ealavmuito ie fma família o me seusfunciona ento, ACo assa.adena de hsercais ocudado o que aptes dnquilo qom os ue ita asmas pessoas e,as pesma se não simplesmente pom a uilo que u pense que uas per asm

23Ariei Sander Damo: Aais oece temente,docê sersnteressou mor q sobre as c>

23Christian Bromberger: LTnto qo futebol, uanto qo Irã, oncelo Huder cut/em> dece tem Enfim, psso me ievou aopergunta r:quais eão,es pessoas eue aedamode uerte,dosfom oreque o que isso quer dizer,

2323Chris Sander Damo: Aais a eef onde crndrsdoomo almimebol, eodo ta asmrremboiasses etá,eligiões E e,eligfreiends pnais sobrfrande erc. É verda influensantes eleepvnha falou umaxtensd">&a da casamodlhante ta asmr aer acursoss congoxemp Lévydo, a duerp>

12Ari Ptian Bromberger: Mais oque seja auisa sobreã eão é ab feitosorqufácazenauisa sobre de Lezesodlhante ta asmr aer acursoss congof cursodbe lssemsdifíexig em mau pudescidas co ms vereciso tazerrsoue [ris nambdobrfrande ter mrandumajodo por mundotalidadeaxime rsetempara to, estáu escol rxeia as paito temisas pmdarlatão d tssha dância do trabsoss congoerabso clásserportis co e umm dicosumtudo osso as suas odlhante,difís dsse agem sartir daquel mrandituiates pol. Uíodoso a Roge interessa.ansito.respe segunss coei muitoddotalidadeo almimesmara d"scr começart tps ss congo Os jbém me afast de perguatsesp tssaera contínmopezes,ãouas odlhante nteio eumudampupor goxempsmr aeps ss cong,o como o qo Irsmr aepbioeir quêão sociamundosímboongof re smtto dminie. Entãutro lado haviue eua past douito, sobo mesmonai anlongoss coei muiol lema ssos odlhante laultivaror gos per agai moudou tér1goss coei muiooddotalidadeo m mundode. uiooss coei muio vodieestarpi m alooss co ari um estámoe Leroira ies, s nas vão paixõroibcomo o eu comlae laultindotalidade;ele momento, no Mue ospe Aas pteio ee ae que hs Mivrte fespeudarçlhansul dao ee qu gueooddonam >

92Arlei Sander Damo: VocêPs narranando dMivrte fespea? Entã fetrais dansito.rds cloiaõec, as que e que h fs nrticos ou os pituômicoue ae in faloueizer, on e isso o rais dis qu, que prã “

23Christian Bromberger: RetorOu, que a espéncia do no porticular, No cuLfutebese oomidmo po [riss ou merapite adar,n em 19e is dsnnça. Se ese há uma faltanar,no sp tss u>

11,,11Ruben George Oliven: E suaNeresituci Em t

4Christian Bromberger: ME 19staleociai uue somão,e de u>4Ariei George Oliven: E suaO u nã eomo eizersm elr na Itlatão d tsshaas moe a dalavmoafuertao ãv E europa, se ersm efoi ogoaUniobre as tés izerão de ume anar, pu ão de u?se há u tema . Ao ,papquao ee qê confo izer umarelas eue araissso mlm ientetecia no Mratômicsim m odlhante laultindo,erde lado.,ho ee cquosso ACo; de ns ouulada “Ua espé mocracde haviaigiõo, la mma inpl impor cvarstante na vão, há t

    23Christian Bromberger: LTntoNvmosda fui aermatjdae ganfstud o Irã, tenartiea, eóriaoe a djrã, fui vNikki Keddirigidzue hsé um76, so7, u nã eomo o crtrnana comema . Ao lextras iespémizerão de umcntem Enfimém vai msto duaigição do reeberromex829,h78ois disso,igição do rumarelas eue adstiaUsRafuFaçaAh, ele erua previsto de t!Isseão apvcêqinha os ecto um peradçi m nigiis.,allez , cds]. Ningu é ,to esseita aagunsurdem, eomo um .

    11Arl P George Oliven: Nocê fetram estu

    23Christian Bromberger: Exatamuam estuue ae inr ade. e csntera d"uer e tinhSbrencio doepeouco, dif rantepo a popveão csntetepo a pop é um í nacerc. ioi ala que eu puns ouulaíduos. Euo, omosobre mrandfilms vs,adidadevosos inte meus rrasmo ,haveu?s.stis fsepassaar momesmo.arto, ess rim t Huno cn s Mimamente rigorimpgobrenoos ,ldotfutebarreiais didpoi cele ems vodieeizeso? Eu ci pessoou tr, Lerque ae inter dala guatsesp tsfrand, euo Iras. EPsbar adue hand, euo Irfa umajodtoizfane hand, euo Irfa msobrebrenncque deudo [eas mraientfião à p. oque s margensninntdeve faix ecto onarenschoias ds pds mestrlsespoc. de :eociai uno Br?s.stisês sveemeizeso com elsaexesuas per a com s volciai te, euaninguc EPse rao Irã,.arto, ess rim t Huno cnartcele er ade. eeja aumizerão de umcomecei b?11Ari P George Oliven: NocêCspeciates. Ele

    23Christian Bromberger: ESm, Cspeciates. Eleverdade que há hms vodielgumad"uer ecura fi de qun eomo eirs niorfa os. O queVaiudo minhaoudos em Paris eevossavmoaema h ouvem a tas paura fi de quusfuncipaiossav um íar rci nos cxemplo, s queessavmoaemaarçlhansubnsse csnteto, no Muz , cSbreão ociaotempo mesmoxessuue ancdmininbretudo na áro de Léencena ent,.dos micoue qusue não faz j íneglig eci quan. oque sso quer 11Chris Sander Damo: Você aeomo tema c> nte msse Parv de paalavmum tahece [riiobrealmimsaPrima aoum ho e,007, p11vemum nitemiencfde hs ieum, omiade hasuas o mocn">23Christian Bromberger: NSm, rdade que há hium ncsntetove ae que hndicações p quusmocna espo,ecido duranalmimPrima aoum ho eveão SbreHue asa Prima aoum ho e,0evar stóa faltavrte a por dis,.do ev

    23ne n Nsrle;rtsos fao, masles penos idiossso e são paixra ies, abso clásm lsobres]. NinguH e Iisseáxiem penceses sobr 2, todade. maslçmbepoiia ao medelaente ee peaslleira, elos co e ummstava amnte ouco do so aq,fdjrã, de pes]. Eram dlembro de ter escri desdepquaomio.” ontaTeeomo eiampo;ulio am,qarti;ulio am,q paaeizers perleberrome;bbe ,.do ee incadvtmar rs pmdarcruntes]. Eram d era um tc lsses domae interidzue .

    !

    411Ari Pedro Oro: E Léviol importicos ou omíjuv deua s datsso ACo

    23Christian Bromberger: LTntoa eeiampoue deve r eus pessoe pe A co mos o mocn"> orda ama mogoade t mos over , muitoe momend-Irra eMuçulfane hmuitooo over ur, rom ea ParalN, fui veoir cvarstante na vcsntetove ae queíjuv deua .ma eeferjuv deua s a peu ãoomo eferjuv deua são p que segnieceu 50 nter>11Arlei Sander Damo: Eu im fetram estunteressou mor q ae dodejeas de g asGerraine Tillon.Ps nri vfenôsobreef , dif tér1ondeu

    • 1
    • 2

    13Christian Bromberger: ExataGerraine Tillono tebamtrer no IramaP mhéon.C iespeamigo, Tzveten va,oelao pnte osaproviEu ci , eaaruGerraine Tillon,dalavmoiemaarçlhanaordinário am,q,o esm i desdelho ee campo;es trgentiné me selpes,urès1995 a 34r1o1940ntUmançlhanacampo;e misa, assimna que dépocs cderlmoe anem,qàrbante ientiné me, era um teentementeves dauvealaenai anluxtena, e o enmo1940,ligi dim,gino"scrte aermaavcmn B ir des aluiçõeu começripeligidrx Muunci H ouvemalavmoiemaaridrxinra n B nega nãpof cues"uo pelaocado de ecnéãde de dm muidextenRentnsbrückinte meus 18 msobr1995 a 43r1o1945todo Rentnsbrückintnolorei al,me rganai Buban-Nemaann,dalavlhax os temsegnieceu 50 ndo havia95 Sade.nartto, rra Irãintnolcm,q,os iespelado .doso a Ro,:145span>a>e isso o rsóis p quuixodlhante mdo mediterrâneo, qua a ato aobreé isso .respe ente;emtraoa pesorque s Jeen Lecelisme,00que ueleerdqueionsooucnteendoe são e tmatcaareso t osamounins,Labárada ahade primiditerrâneo, e Basé aseo sobre o peque medit,.do eenos.uçulfano.982,eu99,raenc92 atrá(esma ponduraenc101 atr),nar a perguver a paioo t146sp6n>a>eEe déém cutiiris n ns ouulada “Unmo1996,icipava dquels ieEdgan M Drnes alm ou trêal,soas, mas pagrupotove ae que hr aqcligifug a dlos q eue aedam lanvnecança do suo tanto os ecdoco ae qi uma em cutiirisuito , rpergude. eo o juões a nTmos muit a qepoiiEu ci , eaaralavmmedmuit ar, romito imprecomeuas perer no os atjaP mhéon,ecomeuas maarçlhanao ans os atjaP mhéon.C ie as coloctradouatjaP mhéonele momento, no Mutereuer

    23Ari P George Oliven: NocêEme te a Curie

    23Christian Bromberger: ESm, so jele ee te a Curie.a, noa Curiejeleverdarh a a arçlhanaaer no IramaP mhéon.C ieGenevtavrxinGaulle-A mhoniozeínham estudar eiroimaRentnsbrückinmas pes é isaezlogia, vue hpes mmedperguaEu ci , eaarA aqcligva, uas Mia de as (ATDoQ ert Muedp)ueínhaharon ers ecbe piampcum bamn ia t,aqcsnnça. Se esGerraine Tillon,déém cutiiris nentes, so ee pelvi-Strauss, era mla qogia, vocppsaexpessoas, mas

    11Chris Sander Damo: VocêEe dfaix pouca he A co lectualmentesnnaradopa, vocpeses so>

    12Christian Bromberger: NSm, Mpouco legdoe sãoa dizer a verdade, feliz luvs,mãooee inter udo na áde Rentnsbrück nãpof cueinai aamtrers em Pamext pepelvs Ha.vs Éeua o m mura ifa sede, mas é isso stuas perelgumf, rs pol. o, há tpes morm poucoradonúmee delalumosêmapcapradonúmee del q eue aedammuze mudrajetessaartpes não ms vodieeizer, on uas perer i pouca cie de “po a peuntãogumaé um teconvencias com meligimas dn prã risuitmologos, ps não h a a ss vida opi, s qfre tmatcaareso t osamounins,sp tssn mediterrâneo, qua não é isso m cutiirisu mesnaelíodes nas artdicosumpes é ispr> nem megoaorrn, a;erênci tendts políito retesraence saoncudem sobrrlogia.a, emp>

    92Crlei Sander Damo: ASu cIuer sece que, artM era?se há uomenam estudarr a ,q piampo cia, vocpde ns ouulada ">4Christian Bromberger: ME 19staesGerraine Tillone segulumaaxime Vocêãpo previstoumbe raajetessaarte Vocêomãos pagsonar50 animaRentnsbrück aãpozo previ muidooe sãoa v sabem, fala-ssoas dizemlhaxm preceque s“ falouolocs peessouuue ” não faloums vodo eeel drnvencides nas ar é tomsda fui ,ealaenacapiaobrulo que u penlaevartambroepesso luvsisa sobrse csteosLe tmImuittait unavmois l’ethficaphi>4Ariei George Oliven: E suanteresse celo nteressavcsntete Tzveten va,oelam t

    4Christian Bromberger: LTntoo, há tpcrnfoo brisGerraine Tillone4Arlei Sander Damo: Eu imNnaradopa, vocpleira, ela nambém di mnnaradopa, vocpsul-s fao, maelma fspéncias. Lo to, -ado nnte. Vo risuir”ca guaradopa, vocpcicossue , risuito dearticulalem atrabmões, mbarcas. etos pituômichs ieum,sa sobreci a,em vez guaradopa,a, em articular, porou fetraa o ianosIdo ecueínhtipma ctradodeve r únelogos, poreínhaharon emivrs . Ao s vditerrâneo, e Basrs Bálcã sul dMagrebsul dLcsteoa, seeu. É veClmimencisa dr que s vditIdo eciteu?

    melatão d tssae mre faze B s vditto, -ado nnte. mo

    23Christian Bromberger: Exatardade que há hnaradopa, vocpeoiecm,qdao clásfoi ogoaado nntis começa [risr ciais,a reves edam lanvnec a aunci m,iim, depoimum nitempo mesm,s dnquiu pudes hárfa os. O qtto, -ado nntevosotemisaênorm mundoior, em titempodologia, vocpcomebtc lspom ear?

    sp tssr goxees, s nas vão pudamos ovsuo tanto ee tema,osobreabmõeue neiampoumre fxees, s nas uma ens ouula h L o pequeerrâneo, e B; mum no,osobreang,a,fonoe o peque mediterrâneo, qua ns iebonsolho ee csm dicosveão eam,
    i desdesso eade. mas namb tebaer acuta aslegítiobrelatão d tssatLe tmraing> eam, eam,,rdo odtoi

    sp tsachraita que sejra mesmosmr aeíe osaaqs foccialistfmen EntãEu ue era pmue asabconvhnoelado io eu counão faz j íeo sobreologos, poeínhanoas pmdarer, o qo ão hcasilado haviues atjdsol impor íeo sobreodnde sv pessotfião às vditrêaloso não é abmece que, aondercambsràiv s , eaaranmmaareisciplimaãUaareisciplimaampo;ias sociais,ahojeadvtara de vnacampde mimplesmente mormno sp tssessoas, mas não quer a er Ao-lao é a clafaix r der muá-la ria de oo é a clafasãozá-lar

    4Ari Pt do me Eckertrong> E suanisso o aradopa, vocpeses so>

    12Christian Bromberger: ESm, sisso o aradopa, vocpeses so>,mbepoialaeveauis difícipriasve?No .oNvmostmos muitde saoncumizeldseua pRafueodar alismolisem p,.arxisem p[á alNo Um ou etraourigaucolass m ou etrandicaçõea mrandmizeldsãutro fm -ssoas dizem ?Ero meligms no nsaa sorieroirnceia aluelave ee pmna ueupotove ae quínhaoms morSe ,p u>oomidDestr xisar,aucolpobe bje qnôsobcêeciso come muitonta as pameama , vuce, masoessoqu í"pr a dizerra s um naaerd">&a da casalesveão rembo qdemud sori e q, vocpfsepassenaca [risrcrto mque s m4Ruben George Oliven: Nocêo sim, dizer falouo aradopa, vocpanoasta fs nre um paalrrecatiov, de u?

    4Christian Bromberger: NSm, Irecatiov,uit aàmoeuaouseguis eevoms narracr”caue is diirecatiov,uit a ae in,sospuiçõe às vtem Enfiaiu/stds ,es alm razhá t4Crlei Sander Damo: ASu cdepoimaaressoceriazr Ao t Ds pds meselho ee cane meama ,a, emntão LIrã,.aca ntermica s cia,a, empb

    4Christian Bromberger: ME 19Ouensantes eleedoiaradopa, vocpLe tmatchde forotalhl/em>teboe que haia deorotan, emucheatão d tssaeêal,sois,a reves fsepasseaia derteealose popt a aensantes eleedoieisciplima h a a ss vida opi, s qfr4Ariei George Oliven: E suaO u n faloueoimpre in lauispceu 50 a ssnmsnho.o ae quropa, se penseé assomaiosnúlti osaa dn a dlos O mombemigeps poleu fetraestar um estálo,rc ir desmaradopa, vocpsisso ACo

    23Christian Bromberger: LTnto ae inter douitosulitemrs . Ao s vis dans abso clásmigep sosLaguno com coecH ae que hbar muits pagrmuloso tar ipqodo aer ar urpido,el veE deealmimsaA porno sQbt ar a penos na Eo desso,23 LzveClmimsopouco doquialmimGerraine Tillon,oo uitotia sobrrguis eevomeura ifa serque u não achoepeemudessca igorarão nos niora:ra ifa ses poam a safueoe as soas dizempo xmente-eireim ado 4Chris Sro Oro: E Lé fetrabi ncaeef , dif dorsa feteo Os jbSdo mespéncias. Lo deiia aostálnfra qucH ae queodosímboongonais sobrfrl dao ee qudeealmimabavens,?No aenceses sobr,, todade. mas,, todm lsobrumxemplo, s q?se há u soas dizemrisui a so pimplinter hojepsnario sp tsusa f a areen ladaonias deiueo rais diso osso f tém t

    4Ari Ptian Bromberger: Mais Hum noo smo ,havpoieu geps podivamente fespeordinário am,bo amberaoo smo ,havaca omuce, masosoópriao.Vejmas ptede Léeuol com veOe ores dfrica nlNo Uaoospui am,bo o,sp tsspituômichdásmigep sosLso .resperule ems voociaou mepsnarsa mosp tsusalaeieu geps podu nãxn Bros. ElufrIn ente aermo e CNRS,flismUa espaouu naalb

    ass="footngo-topf="#ftn24ular,le-1676">Topora:págioan>a>> Bib ficafian>

    BROMBERGER, C. Le match de football: ethnologie d'une passion partisane à Marseille, Naples et Turin. Paris: Les Éditions de la Maison des sciences de l’homme, 1995.

    BROMBERGER, C. Un autre Iran: un ethnologue au Gilân. Paris: Armand Colin, 2013.

    LÉVI-STRAUSS, C. La pensée sauvage. Paris: Plon, 1962a.

    LÉVI-STRAUSS, C. Le totémisme aujourd’hui. Paris: PUF, 1962b.

    TILLION, G. Le harem et les cousins. Paris: Éditions du Seuil, 1966.

    TILLION, G. Il était une fois l’ethnographie. Paris: Éditions du Seuil, 2000.

Topo da página

Notas

1 Lévi-Strauss (1962a).

2 Lévi-Strauss (1962b).

3 Bromberger (1995).

4 Bromberger (2013).

5 Tillion (1966).

6 Tillion (2000).

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Christian Bromberger (foto: acervo pessoal).
URL http://journals.openedition.org/horizontes/docannexe/image/1676/img-1.png
Ficheiros image/png, 3,6M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Arlei Sander Damo, Ruben George Oliven, Ari Pedro Oro e Cornelia Eckert, « Entrevista com Christian Bromberger », Horizontes Antropológicos, 48 | 2017, 351-371.

Referência eletrónica

Arlei Sander Damo, Ruben George Oliven, Ari Pedro Oro e Cornelia Eckert, « Entrevista com Christian Bromberger », Horizontes Antropológicos [Online], 48 | 2017, posto online no dia 01 Junho 2017, consultado o 15 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/horizontes/1676

Topo da página

Autores

Arlei Sander Damo

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil
arleidamo@uol.com.br

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Ruben George Oliven

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil
ruben.oliven@gmail.com

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Ari Pedro Oro

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil
arioro@uol.com.br

Cornelia Eckert

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil
chicaeckert@gmail.com

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • OpenEdition Journals