Navegação – Mapa do site
Artigos

Relações de trabalho nos balatais do Pará

Luciana Gonçalves de Carvalho
p. 373-400

Resumos

Este artigo resulta de pesquisa etnográfica empreendida no Pará junto a dezenas de homens que, nos anos 1940 a 1970, extraíram sistematicamente o látex conhecido como balata. Seu trabalho era fundado em relações altamente hierarquizadas numa cadeia produtiva que os atava a patrões locais e comerciantes estrangeiros, e baseava-se no sistema de aviamento que caracteriza o extrativismo em larga escala na Amazônia brasileira. Os balatais eram seus ambientes de trabalho e morada durante cerca de seis meses por ano, até que seu ofício perdeu interesse no mercado internacional e esses homens viram-se destituídos de profissão e, em muitos casos, de família e patrimônio, já que haviam dedicado longos períodos da vida à estada na floresta. Busca-se, por meio do registro de memórias e narrativas biográficas de balateiros, hoje idosos, reconstituir os contextos, processos, laços e sentidos que o trabalho nos balatais assumiu na experiência social desses homens.

Topo da página

Entradas no índice

Palavras chaves :

balata, memória, Pará, trabalho
Topo da página

Notas da redação

Recebido em: 31/08/2012

Aprovado em: 17/01/2013

Notas do autor

Artigo resultante de ações de pesquisa e extensão realizadas no âmbito do Programa de Extensão Patrimônio Cultural na Amazônia (Ufopa; Proext/MEC 2010-2011), do qual faz parte o projeto Memórias de Balateiros de Monte Alegre, ao qual está vinculado o bolsista Marcelo Araújo da Silva (Pibic/CNPq).

Texto integral

1No dia 4 de dezembro de 2005 o caminho de volta para a sede municipal de Monte Alegre, no Pará, parecia menos árduo do que se afigurara na ida, talvez mais pela satisfação da curiosidade antropológica em relação ao ambiente e contexto do trabalho executado, num passado não muito distante, por centenas de homens daquela localidade, do que pelas condições objetivas das estradas e dos ramais que tínhamos que vencer em cerca de dez horas de viagem. Elas se mostravam tão ruins quanto na ida, embora o motorista já lhes conhecesse melhor os percalços. A carroceria da Toyota, adaptada com bancos de madeira e espaços calculados para acondicionar caixas de isopor com alimentos e bebidas que seriam consumidas na expedição, levava também, além dos participantes da empreitada: um cão de caça que se juntara ao grupo depois de perseguir incansavelmente o veículo num ramal, um útil e comprido pedaço de pau, que fora retirado da floresta com o fim de ajudar a desatolar o carro em muitas passagens, e grandes cachos de bananas verdes. Apesar da agrura da viagem, dos choques dos bancos e demais objetos em nossas pernas quando o carro literalmente pulava nos buracos do caminho, fazendo que fosse virar, aquela carroceria se tornara um lugar de festa e júbilo. As conversas eram embaladas por sonoras risadas e doses de cachaça, em comemoração ao grande feito do grupo: a expedição bem sucedida ao balatal Água Azul, ao norte de Monte Alegre.

  • 1 A expedição teve o objetivo de produzir documentação para a elaboração de um catálogo etnográfico e (...)

2O grupo era formado por um balateiro (extrativista), um mateiro (bom conhecedor da floresta), um artesão que confecciona objetos de balata (látex da árvore popularmente chamada balateira), um motorista, um engenheiro florestal, um fotógrafo e eu.1 Com exceção do experiente balateiro Pedro Ferreira Rodrigues, unicamente conhecido como Pão, todos eram “marinheiros de primeira viagem” ao Água Azul. O balatal (local na floresta onde há significativa ocorrência de balateiras) parecia um lugar quase mítico: em Pão despertava lembranças de glória, saúde e conquistas; nos demais, uma curiosidade sem igual. O deslumbramento diante das histórias narradas pelo balateiro nos dias anteriores à viagem, os rememorados mistérios e perigos da mata, os encontros com os índios apalai, o fascínio exercido pelo sinuoso curso do rio Maicuru, por onde os homens subiam e “varavam” para as Guianas, tudo isso formava no grupo um clima de ansiedade, excitação e solidariedade, que marcaria toda a viagem. Pão estimulava a imaginação: “Certa vez, vivi nove meses numa aldeia, porque os índios me agarraram. Eu sentia saudade de vir embora, mas não tinha chance. Uma noite, eu fugi deles e ganhei o mato. Eu levo na gíria dos índios…” (Carvalho, 2011, p. 170).

3Pão, durante décadas, havia extraído – “tirado” ou “cortado”, como se diz entre os envolvidos no ofício – toneladas de balata para grandes patrões de Monte Alegre. Ao longo das muitas safras em que trabalhou, amealhou poucos ganhos e não chegou a constituir patrimônio. Também não fez família, morava com a irmã e contava 66 anos à época da expedição. Com aparência debilitada, às vezes ainda subia o Maicuru para cortar balata para o artesão que nos acompanhara em viagem, o qual tomara o lugar dos antigos patrões depois que o negócio da balata declinou, a partir da década de 1970, quando o produto perdeu espaço e preço no mercado internacional e passou a ser explorado exclusivamente para a confecção de um tipo de artesanato (de figuras moldadas com o látex, em forma de animais e tipos humanos amazônicos) que é encontrado em Monte Alegre, Santarém e Belém (Carvalho, 2006; Simonian, 2006).

  • 2 Registram-se casos de casais e de pais e filhos que seguiram juntos para os balatais, mas, de praxe (...)

4O esquema de trabalho era tão duro em 2005 quanto nas áureas épocas em que essa matéria-prima constituiu um dos principais produtos de exportação do Pará, entre os 1950 e 1970. Baseado no aviamento (Aramburu, 1994; Buclet, 2008), o sistema de trabalho que imperou nos balatais desse estado assemelhou-se àqueles que regeram a exploração de outros recursos naturais da Amazônia brasileira, em especial a seringa, que em outros aspectos também lhe é comparável. O modelo analítico do “seringal do apogeu”, cunhado por João Pacheco de Oliveira Filho (1979, p. 126) em contraste com o do “seringal caboclo”, ilustra bem as características do trabalho nos balatais paraenses: privilegiamento do uso da mão de obra do trabalhador isolado,2 elevando-se sua produtividade e especializando-o na função extrativista, muito embora nos balatais a grande maioria dos exploradores fosse nativa, ao contrário do que se passara no empreendimento descrito pelo autor como sendo baseado em mão de obra “quase totalmente importada”.

5Não se sabe ao certo quantos homens trabalharam nos balatais do Pará, mas não é demais cogitar que seu número tenha alçado a casa do milhar: Lins (2001) menciona cerca de 500 atuando entre os anos 1940 e 1960 em Almeirim; a missionária Sally Koehn estimara 100, no Paru, em 1989 (Lopes, 1994); em Monte Alegre, desde 2005 já identificamos uma centena deles, ainda vivos, que relembram um sem número de companheiros que partiram. Em Alenquer também se encontram facilmente, e houve outros, em menor número, em Óbidos (Simonian, 2001) e Abaetetuba (Instituto do Desenvolvimento Econômico-Social do Pará, 1986).

6São poucas as fontes disponíveis para uma reconstituição segura de fatos expressivos da exploração de balata no Brasil, destacando-se entre elas análises botânicas e econômicas (Brannt, 1900; Hubert, 1907; Instituto do Desenvolvimento Econômico-Social do Pará, 1986; Le Cointe, 1947), e alguns relatos históricos e