Navegação – Mapa do site
Artigos

Os primeiros cristãos do mundo: pertencimento religioso e identidade coletiva na diáspora armênia

Pedro Bogossian Porto
p. 157-182

Resumos

Este trabalho tem como objetivo compreender o papel exercido pela Igreja Apostólica Armênia na configuração da identidade coletiva da comunidade armênia de São Paulo. Para tanto, são identificados e analisados os elementos evocados pela comunidade para definir a sua identidade, observando com especial atenção a importância atribuída à origem cristã dessa população como um aspecto aglutinador do grupo. Parte-se do desejo de entender as estratégias adotadas por comunidades diaspóricas para preservar a sua identidade em um contexto de progressiva integração do grupo com a sociedade que as acolheu; esse é precisamente o caso dos armênios em São Paulo, os quais, instalados no país há cerca de cem anos, não têm – em absoluto – sua atuação restrita aos círculos da comunidade.

Topo da página

Entradas no índice

Palavras chaves :

Armênia, diáspora, identidade, Igreja
Topo da página

Notas da redação

Recebido em: 31/08/2014

Aprovado em: 03/02/2015

Texto integral

Introdução

  • 1 James Clifford (1994) demonstra a dificuldade de se definir o conceito de diáspora a partir de uma (...)

1A criação de instituições sociais, tais como entidades religiosas, escolas e clubes, é um dos expedientes mais comuns em qualquer comunidade diaspórica:1 além de serem locais em que se vivencia a intimidade cultural, sem os olhares constrangedores da sociedade que acolheu o grupo, essas instituições proporcionam um espaço de socialização em que é reafirmado o pertencimento à comunidade, reforçando-se, dessa maneira, os liames que a mantêm coesa. Com a comunidade armênia que se instalava em São Paulo no início do século XX não era diferente: tal como outros grupos originários do Oriente Médio, ela também fundou nesse período as bases de sua permanência no Brasil. Neste trabalho, analisarei o papel desempenhado pelas instituições religiosas da coletividade armênia de São Paulo, notadamente a Igreja Apostólica Armênia, de modo a não apenas compreender o seu funcionamento, mas também perceber a sua relevância na manutenção da coesão dessa comunidade diaspórica.

  • 2 A maior parte da população armênia no Brasil descende de famílias que fugiram das perseguições real (...)

2A criação dos espaços de convivência que essas instituições representam é especialmente importante para a geração dos imigrantes, ainda intimamente ligada às referências culturais da região de origem e, em muitos casos, pouco propensa a se misturar no país que a recebeu. Escolas, igrejas, clubes, entre tantas outras, viabilizam a manutenção de tais costumes, pois nesses espaços é possível aos imigrantes se comunicar em sua língua materna, festejar e se alimentar como em seu país de origem e, mais importante, comportar-se segundo os seus próprios padrões. Isso cria, ao menos nessas ocasiões, um sentimento de normalidade que é imprescindível para a adaptação no novo ambiente cultural. Entre os armênios, cuja imigração foi precipitada pelos massacres promovidos pelo governo otomano, essa demanda é ainda mais significativa, uma vez que esse convívio ajuda a neutralizar a força traumática das perseguições sofridas2 – não por acaso, conforme destaca Michel Pollak (2000), nos casos de imigração forçada uma estratégia comum é que as pessoas se prendam aos seus costumes e tradições anteriores como forma de resistência e para manifestar o seu descontentamento.

3Entretanto, com o passar do tempo e das gerações, a função das instituições deixa de ser criar um ambiente que os membros da comunidade reconheçam e passa a ser criar um ambiente para que os novos membros conheçam. Considerando que o contexto social utilizado como referência a partir da primeira geração de nascidos no “exílio” – conceito de uso problemático, visto que a situação das famílias que imigraram deixou de ser temporária – não é mais o país de origem do grupo e sim o país de acolhida, a tarefa das instituições não é manter vivas as memórias individuais, mas transmitir aos novos indivíduos a memória coletiva. Quando esse indivíduo reconhecer uma música ou dança do país de origem de seu grupo não será por tê-la visto lá e sim por ter sido apresentado a ela no âmbito dessas instituições.

4Esse papel desempenhado pelas instituições reitera as observações de Maurice Halbwachs (2006), que as percebe como espaços privilegiados para a preservação da memória coletiva, isto é, do conjunto de registros que um grupo preserva e que orienta a construção das narrativas acerca de sua trajetória. Esses elementos, dispersos entre as memórias individuais, registros documentais, memórias familiares, entre outras instâncias, são sistematizados e reapresentados ao grupo pelas instituições e pelos “porta-vozes” da comunidade, estabelecendo com as memórias individuais uma relação de diálogo: ao mesmo tempo em que essa narrativa institucional reforça a memória dos indivíduos a respeito do grupo, ela é também reforçada pelos registros de cada indivíduo. Nesse aspecto, as instituições religiosas estão, indubitavelmente, entre aquelas em que os membros de comunidades diaspóricas encontram os mais favoráveis ambientes para a sua integração e para a atualização dessa memória coletiva, uma vez que elas oferecem oportunidade para a reunião periódica (e quase que obrigatória) de todos os componentes daquela coletividade e para o compartilhamento desses registros.

5Contudo, se as instituições religiosas oferecem uma rica possibilidade de análise da identidade coletiva, porquanto proporcionam a reunião dos membros da coletividade, faz-se necessário destacar a heterogeneidade confessional da comunidade armênia de São Paulo, dotada de quatro Igrejas próprias: a Igreja Apostólica Armênia (popularmente conhecida como Igreja Ortodoxa Armênia), que possui uma paróquia na capital do estado e outra na cidade de Osasco; a Igreja Católica Apostólica Romana de Rito Armênio (ou Igreja Católica Armênia); a Igreja Central Evangélica (Presbiteriana) e a também evangélica Igreja dos Irmãos Armênios. Dentre elas, a Igreja Apostólica é seguramente a mais importante em termos numéricos, absorvendo a grande maioria dos armênios de São Paulo; seguem-se, em quantitativo de fiéis, a Igreja Católica, a Presbiteriana e a Igreja dos Irmãos Armênios.

6As quatro Igrejas exercem papéis diferentes, pois ocupam nichos diferentes no panorama religioso de São Paulo: enquanto que a Igreja Apostólica Armênia atende quase que exclusivamente a comunidade armênia, a Igreja Católica Armênia recebe também católicos não armênios, geralmente atraídos por razões pragmáticas, como a proximidade física em relação à sua residência. Esse é um fenômeno interessante, pois, embora doutrinariamente a Igreja Católica esteja ligada ao papado, o culto é realizado integralmente em língua armênia e segundo a tradição armênia, o que deve causar, além da dificuldade de compreensão, certo estranhamento entre os frequentadores externos à comunidade. Por sua vez, as Igrejas Evangélicas, tanto a Presbiteriana quanto a dos Irmãos Armênios, atingem um público mais restrito, ainda que mais atuante do que aquele que frequenta as outras duas; ambas possuem a fama de serem “mais fechadas”, restringindo a participação daqueles que não fazem parte da comunidade religiosa, ao passo que as Igrejas Apostólica e Católica seriam mais favoráveis à participação de pessoas “de fora”.

7O divisionismo religioso é, na verdade, um traço marcante da comunidade armênia, que, contando com cerca de 40 mil pessoas – estimativa de lideranças políticas dentro da comunidade para o contingente de armênios em São Paulo –, possui nada menos do que quatro Igrejas maiores. Isso gera entre os membros sentimentos contraditórios: enquanto alguns se ressentem do afastamento provocado pela pluralidade religiosa, que enfraqueceria a comunidade como um todo, outros destacam que, apesar de frequentarem Igrejas diferentes, não há distanciamento entre os grupos. Os defensores da segunda posição argumentam que em ocasiões especiais – como foi possível confirmar durante o trabalho de campo – membros de uma Igreja comparecem às celebrações da outra, o que demonstraria que a importância de celebrar em conjunto estaria acima das cisões dentro da comunidade.

8Neste trabalho dedicarei atenção primordialmente à Igreja Apostólica Armênia, que é, dentre as igrejas armênias, aquela que congrega a maior quantidade de seguidores. De modo a compreender com maior precisão a sua relevância para a comunidade armênia de São Paulo, faz-se necessário analisar em primeiro lugar o papel desempenhado pelo cristianismo armênio na configuração dessa diáspora e, em especial, a memória que essa coletividade preserva a respeito de suas origens cristãs – que se apresenta como um dos componentes mais importantes na construção da identidade. A partir de então, será possível analisar a participação da população nas atividades e nas cerimônias realizadas pela Igreja, bem como o impacto dessas atividades para a comunidade armênia.

O cristianismo armênio

9A adoção do cristianismo pelo reino da Armênia é um dos componentes mais destacados da identidade armênia, sendo citado tanto em pronunciamentos públicos e em cerimônias quanto em conversas mais íntimas ou entrevistas. Trata-se de um aspecto da memória coletiva que perpassa as diferentes ocasiões, das mais espontâneas às mais formais; daquelas voltadas ao público leigo às voltadas para a própria comunidade. De acordo com o mito fundador do cristianismo armênio, narrado em tais ocasiões e na literatura produzida pela comunidade, a conversão do reino teria ocorrido no ano de 301, tornando a Armênia o primeiro país do mundo a abraçar oficialmente a religião cristã.

  • 3 Conceito cunhado por Benedict Anderson (2009) como forma de caracterizar grandes coletividades, nas (...)

10Essa narrativa mítica, que tem como função principal dotar os indivíduos de um denominador comum a partir do qual possam definir o seu pertencimento, atua em última análise, portanto, na construção da coletividade. Esse é, igualmente, o objetivo primeiro dos rituais promovidos pela Igreja Apostólica Armênia, os quais proporcionam antes de mais nada um ambiente para os seus membros possam se reunir fisicamente. As missas são, dessa maneira, um momento em que a “comunidade imaginada”3 dos armênios de São Paulo se torna menos “imaginada” e assume, em parte, um caráter material, pois seus membros – ou, pelo menos, parte deles – podem ser reconhecidos e se tornam, assim, acessíveis aos demais.

11Retornando à narrativa mítica a respeito das origens do cristianismo armênio, pode-se destacar outro componente importante: a atuação dos dois apóstolos, Bartolomeu e Judas Tadeu, que teriam sido os responsáveis por iniciar o processo de evangelização da região. A esse mito fazem referência diversas manifestações artísticas, como poesias e pinturas, inclusive algumas encontradas no interior da Igreja Apostólica Armênia de São Paulo, mas ele está igualmente presente na memória coletiva da comunidade, sendo reproduzido na literatura sobre a Armênia e nos relatos coletados individualmente sobre a religião da nação.

12Identificar nos primeiros apóstolos a origem do cristianismo armênio dá origem a dois desdobramentos, em certo sentido interligados. Por um lado, enfatiza-se a ancestralidade dessa religião entre a população, que rapidamente teria aderido à nova Igreja, fato que justificaria ser o caráter cristão um dos aspectos centrais da identidade armênia até hoje. Por outro, ressalta-se que o cristianismo armênio é visto por essa população como mais próximo de um suposto cristianismo “original”, o que é extremamente importante em um cenário de discussão acerca da legitimidade das Igrejas cristãs e que se verifica na disputa entre elas pela ortodoxia religiosa à qual se refere Talal Asad (1993). Isso significa que, em uma possível disputa com outras Igrejas cristãs a respeito da legitimidade de cada uma delas, a Igreja Apostólica Armênia disporia de um importante argumento a lhe conferir autoridade.

13O episódio frequentemente citado em seguida na narrativa sobre o cristianismo armênio é o de conversão do rei Dertad III, no ano de 301. Segundo a tradição, Dertad teria aprisionado e torturado Krikor Bartev (futuramente conhecido como São Gregório), um religioso cristão que se recusara a participar de cerimônias votivas armênias. O ponto de virada seria a chegada ao reino da Armênia de 38 virgens que fugiam das perseguições do Império Romano aos cristãos. Aliado de Roma, o rei Dertad era igualmente implacável na perseguição aos monoteístas, mas teria se apaixonado por uma das integrantes do grupo. Tendo se negado a casar com o rei, a jovem foi condenada à morte, junto com as demais integrantes do grupo, episódio que as situa ao lado dos primeiros mártires armênios. Este é outro aspecto que reforça a natureza mítica do relato: a existência de mártires, que simbolizam as dificuldades enfrentadas pelos primeiros componentes do grupo como forma de gerar uma obrigação dos novos membros em relação àqueles que lhes antecederam. Além disso, é representativo que o grupo de mártires seja composto por virgens, que são vistas no cristianismo, assim como em diversas religiões, como um dos símbolos maiores de pureza e inocência.

14É interessante analisar a existência de mártires à luz dos acontecimentos mais recentes, notadamente do genocídio do século XX, que atualmente é o principal eixo norteador das memórias da comunidade armênia no Brasil: o martírio, que supostamente estaria presente nos episódios mais remotos da nação armênia, reforça a condição de vítima da população. As virgens católicas, assim como os intelectuais assassinados no dia 24 de abril de 1915 – episódio considerado como marco inicial do genocídio promovido pelo governo otomano –, seriam vítimas inocentes, sacrificadas devido a uma atitude insana e desmedida do soberano. A categoria de vítima, portanto, que é largamente empregada para caracterizar os perseguidos pelo Império Otomano, e por isso é uma das categorias mais poderosas presentes na memória coletiva da comunidade, poderia igualmente ser aplicada para definir aquele grupo de jovens na origem mítica da população armênia.

15Ademais, a evocação dos mártires e, nesse caso em especial, às virgens martirizadas, gera um comprometimento em relação à religião que não passa apenas pelo entendimento, racional, de que esse é o melhor credo: ele mobiliza também as emoções de seus seguidores, como a raiva contra o injusto soberano, o compadecimento em relação às vítimas e a culpa de não se engajar suficientemente na Igreja. Assim se enfatiza, segundo a classificação proposta por Harvey Whitehouse (2000), o caráter imagético desses símbolos, que não são significados apenas no discurso coerentemente organizado, mas apelam também para o campo do sensível e, portanto, impossível de ser verbalizado. Ainda segundo o autor, o aprendizado promovido por esse tipo de prática é mais profundo e duradouro do que aquele proporcionado unicamente por um discurso estruturado – razão pela qual mesmo as religiões predominantemente doutrinais fazem uso de recursos imagéticos. O relato sobre os mártires, assim, fica mais profundamente arraigado na memória dos fiéis.

16A participação de Dertad III no cristianismo armênio, porém, não se encerra com a condenação das 38 virgens: tomado de arrependimento, o rei teria sido, logo após o ocorrido, atacado por acessos de licantropia, durante os quais se comportava como um javali. Aqui há um novo ponto de virada, pois a irmã do rei, que se convertera ao cristianismo, solicitou a Krikor, mantido em cativeiro por mais de dez anos, que orasse pela melhora de Dertad; assim foi feito e em pouco tempo o rei estava curado. Nessa passagem, novamente, encontramos elementos comuns nas narrativas míticas, especialmente naquelas produzidas dentro da tradição judaico-cristã: o indivíduo comete um erro de grandes proporções e, seja por arrependimento ou por justiça divina, é acometido por um sofrimento de igual magnitude; é apenas ao reconhecer o poder da “fé verdadeira” e ao se reivindicar a sua intervenção que a situação retorna à normalidade.

17Após esse acontecimento, o rei Dertad III teria se convertido ao cristianismo e o adotado como religião oficial da Armênia. Logo em seguida foi construída a catedral de Etchmiadzin, que se tornou a sede da Igreja Armênia, cujo posto de autoridade máxima, denominado catholicossado, seria ocupado por Krikor (santificado como São Gregório Iluminador). O país passava a ser, então, o primeiro do mundo a abraçar oficialmente a religião cristã, título ostentado com muito orgulho pelos armênios até hoje.

18A adoção do cristianismo como religião oficial do Estado armênio, porém, teve outro impacto além de representar a redenção do rei: ela serviu como forma de unificar a população armênia, criando um diacrítico cultural em relação aos grupos da região. Seguidores de uma religião monoteísta, os armênios poderiam então perceber claramente as fronteiras que os separavam do outro, politeísta, do qual deveriam se diferenciar. A Igreja Armênia assumia desde já uma das características que marcaram a sua atuação ao longo da história, notadamente durante os períodos de conflito, e que está presente até hoje: a função de referencial identitário para essa população.

19De acordo com a narrativa tradicional, a Igreja Armênia desde o seu surgimento era ameaçada pelos reinos vizinhos, que viam na divergência religiosa mais um motivo para atacar o pequeno reino; nem mesmo a adoção do cristianismo pelo Império Romano, em 313, teria aumentado a sua segurança. Os primeiros séculos de existência da Igreja Armênia, portanto, foram marcados pelo risco de ataques externos e pelos constantes conflitos com povos pagãos.

20A principal passagem desse período de conflito com os reinos vizinhos foi a batalha de Avarair, em 451. Essa batalha, em que se opunham persas e armênios, teria sido provocada pela tentativa do rei persa de impor ao rei da Armênia, que era seu vassalo, o zoroastrismo e de proibir todo e qualquer culto cristão. Diante da insubordinação do governante armênio, o persa ordenou que se invadisse o país, convocando com essa finalidade por volta de 200 mil soldados. Mais do que a resistência dos cerca de 60 mil soldados armênios, que teriam conseguido refrear as tropas persas, é lembrada a guerrilha promovida pela população, percebida como a verdadeira responsável pela constatação, por parte do agressor, de que seria impossível subjugar a região. Essa passagem ocupa uma posição de grande importância nos relatos da comunidade, pois reforça aquele que é um dos aspectos mais valorizados de sua identidade coletiva: o caráter cristão de sua população e o seu engajamento em defesa dessa causa. Assim, é sintomático que o mérito dessa vitória seja atribuído à população civil, e não aos soldados convocados para a batalha: a bandeira a ser defendida não era resultado de uma disputa política, mas de um embate cultural.

21A divisão entre a Igreja Apostólica Armênia e a doutrina que daria origem à Igreja Católica Apostólica Romana não se deu senão em 451, por ocasião do Concílio da Calcedônia, no qual se discutiu a tese do monofisismo, contraposta àquela que sustentava a dupla natureza de Cristo; os armênios, porém, envolvidos com a Batalha de Avarair, não puderam enviar representantes. Sem representação no concílio e discordando de suas resoluções, o corpo eclesiástico armênio decidiu acompanhar coptas e etíopes no cisma em relação à Igreja Católica, reconhecendo como concílios ecumênicos apenas os três primeiros.

22Por considerar legítimos apenas os três primeiros concílios, a Igreja Apostólica Armênia possui uma quantidade de dogmas sensivelmente menor do que as Igrejas Ortodoxa e Católica. Essa divergência teológica é, no entanto, reafirmada até hoje, em especial no que concerne à natureza de Cristo: na missa da Igreja Apostólica, por exemplo, há trechos que se referem especificamente à natureza única do Filho de Deus e à Igreja Armênia como a “verdadeira Igreja” – o que contrasta com as outras agremiações religiosas da população armênia de São Paulo.

23Apesar dessa forte identidade própria da Igreja Apostólica Armênia houve, ao longo de sua história, dissidências importantes que acabaram por originar outras Igrejas, dentre as a quais a primeira, ocorrida em 1740, deu origem à Igreja Católica Armênia. Ao contrário do que muitos acreditam, inclusive dentro da comunidade armênia, não foi de uma cisão dentro da Igreja Católica Romana que surgiu a Igreja Católica Romana de Rito Armênio e sim o movimento inverso: um grupo de membros da Igreja Apostólica Armênia que, visando à reunificação das Igrejas, aproximou-se da Igreja de Roma e fundou a nova congregação. Esse grupo acabou aproveitando a intolerância do Patriarca de Constantinopla em relação às suas ideias como pretexto para romper com o grupo dominante.

24Conforme observa Paulo Gabriel Pinto (2010, p. 29), o surgimento de Igrejas vinculadas ao papado foi muito comum a partir dos séculos XVI e XVII, quando começaram a atuar no interior do Império Otomano missionários católicos ligados às ordens franciscana, carmelita e jesuítica. Esse é o período de surgimento das Igrejas conhecidas como uniatas, por pregar a união a Roma, e que, embora se submetessem à autoridade do papa, mantinham a sua autonomia ritual e eclesiástica. Foi então que apareceram as Igrejas Maronita, Melquita e, mais importante nesta análise, a Igreja Católica Apostólica Romana de Rito Armênio, que guarda em seu nome a referência a essa autonomia.

25Não obstante a tentativa de demarcar tais diferenças, é importante recordar que os católicos armênios se diferenciam também dos demais católicos, visto que seus ritos são também armênios, ou seja: semelhantes àqueles praticados na Igreja Apostólica Armênia. Isso significa que, se em termos teológicos as duas Igrejas são inconciliáveis, em seu aspecto mais concreto, mais visível aos fiéis, elas são extremamente parecidas: realizam os mesmos sacramentos e o fazem da mesma maneira, empregam os mesmos elementos nas missas, utilizam igualmente o armênio clássico como idioma ritual, entre outras similaridades.

26É certo que os aspectos que serão des pela tefo">PDF 160kadas pelos primee que é um do vivenluo IgrF inrik(futuh o carb)igemto oistianisocial ussa narrativkadas pelos sias z:enário de discu do Inunidade armênia, não foi e discutante recordaraciam tambérçada religiãestacams, ou seja:tan úniscuspectoss nas miss a gueroompostmmente o caso dque não fazais dmngente m ases grupos. Os def;possíveo retorna o a dolenos, pio do que , oportante nesta anconversutro c-rmos to aos grupos disO crieja Apostólica Armênia

92Após essApostólica Armênia de São Paulo, mas eltro imtexto peraçãIgreju eiam sécuo remóriaromiSemum a Qus dz, zoruçeangélPaulo, mas ele ão amento, r temp1938je, em1945 começarte noem pe a d de Osasco;ompanh aquemião. Essa pdida du-sedrõuto deó26A adoçE submefelosa comunidao judaico- título Apostólica Armênia que, vistiu a de astae as front pronua Católica Romana qica Romana de Rito m convejas conhecid e Catóo dede um aspectoaições reli o apotiue, endenatégia – ru do Ing aumtizados ahií qucapcoos padrõedisso, é repreltronsívelzados ahií qucapcootidotípto quorçama quandobrachssa denomco(ossado, ac)ondenao à sofridas26A adoçãoIgreja ArmêniaPaulo, mas elttruída a catedrndenaneutraArmêskallah Jooma,o de mortâbenem pornidade armênia no Brasips e cricio do século XX não eraeável pela cono signita de

oéticnvva des missas queal em relatextopara o caos coletia comunidareasco; i fe dos cercpunham puma ristianes se comos de Sã.mêskallah Joomattrue culçã discusue supod de seu g, que, contan alcs prou coletiasu evangndennomiCareja ABoiorienta ra ao cruecto do estad, pois s eecto do estadam a vistoersas mcapcristomunidade armênireproduzt, em esps a guerormênios até hojPaulo.

232323, elas s;tomusntaur à naturssim,pelos prs pag inclus ada”cisctos es;rvi identrmo vistas nido na litasm ocupa istianNo deTe provoca raiva coÚáliseCereja CAe fatro da na miste iaAntos psse gruesucts visial, às virgcheremao primord uorçaxibeom as duçeaa nas narratnassmolom é título foi posso: a e proa Jesus na misto peação no cociais –íftro daanismo armênio é o de foi possada”cmuidade do rei Dertad III, no ano stência dos cerca des até hojP insuboo, é lemratnde Avarair,Vana cinszemque de Avarada agrKra das odas oico. Aliadoos até hojeiéis, elas s um dos at a verdadcaracter peraçntas de Mauricanismo armênio é o de (Lourncoriue a), o s104-105)igAsarmênuma quaef represistlt al passage destacam mã dlt entimendma delalovida Aeno ints pasdo mundo nã,unsaulto cdometidistlt ai atenartelo.23fisuss

2323, elas significa sua emque elasevocaçm do 23recoa mais umrdo com o mito fundeor Igrejas a resseis, elas setas. Trataiosmbejntrdo grmo fra comuniivas asginalma deiscuo cristãue é semelh,congr institui é oxzadçqcias, são snidaremonoteío rem fqueem “mu alcs ce,cias, são sn antecedeoncilieis aos demae contrast aquele qer imagéticnsão, certser vedo lateívelagrKra mitoipara instituio dorota ledotesanto, reafirmatidba tentat a detáter”, rnidaderdo grmo fra comunias pelarrte nodo , eos esubmemida pe a as pela Iverno ta ledotej,licfundameas, como aquele propora em preinos vis, elas sãnti os aspecemossuem Igrmentr parde Mauri a narralmen “co sua ptidocção da memórer imagétiXagrKradvidas votiva:r q pelarrpetrabalho leigo àdanimpazo sistlt aquele a autou pooncil, pois s ríodoentre ou que as Igrejvo primeirotidspectosis, elas setas. mersas mtjusts trêsndenanomiou pooncilveli ecless

23, elas sãhos qerceber,oas missdececisãu-se da o seu em rela dede um aalmente naquela, ia 2em que sn “co,har coptaspulssacrecotiegrejaoa. Ismpcirao pnstatanavima Aarmênicnsen reun-mento justifice àogru doimonhecido mplicosue sn ue grupo pe históri Igre. Mé, o qnhecidíve unifis –íftrood de por partlicosue sn mcapcriar reia de márt apotiue, javali. s nas mi da aeclfividas votivaca, ao passo r coptaspuiciar o ia ais receurelaisi posso:órgseu engapiateeapor Koduze cpapel o, cendo comno de 3crono derem es para a cpromovis

23, elas setxca (quelassíveentde Mtica az cr(so em espeé lfe o g)começar nãoo sua pcums madoóquia ntrejas t efaoss naismristoativao, Dertad tpobramens compreesão dos ngiosas da populrca da com mirias mtjm língua se quomo mais p veentde Mtica az crtxca (quelints Vs ao paiçãoarliam ajustsao tosie coas míticasenassmolom é ente organizado mortmae contratadante estaria das tru do Ingomovidinos vis, elas sãgistros.magétiaiesas duaerr recoa obriível ananstitui é supunham viveportinciia comunidagficia é acos

23mue a resistsvel do nlho densmitidasi comoúblicosmuniiénovivile,o[veçi cmem] sar, súses azde io, enbrigaçpl unif, e hipnogundont Mdoç é suedos apenassbolos maiores o signejao densmiti ocampo duiçi ccrificdas amenemente na roeimena mpcia cunis, comos as compreen aquele tveentde Mticatan ali oxzadosua cntemantes que aca

blockquote

2323imas e a culpddio promovi; etda Igrejae bdo rei: eulpuvasecomunijavria 23, elas seam as difa autbaqus imigrantuidorl c;hem reo coleoeam as difa fica mai armpue so cSa mi o peso primo qucasisar,conhecleva a batalhamigaerimfamiliaure se o no que comunilue nãoenemlógistemat nest uma reutbaqus imigra Iverno ta ledotejemaneira, um momeno do impactnalmulprara duma o qudo oos elois ref mesessa finspectossem pos manIgreco signedãt mastmmao rei esl aede socia “comja Amento, eus

23recoa mais um,zam as difictotrm Igr lattde Mauricanonvocan narraladiferenassifbdo roos prião do Concívidas votivag

23tires e, nesses, ou seja: e a culpddio promovi Seg1915 aosmameativkadas votivacrast aúneeacecisãde de dogmas ssa comunidade reco.

s enlsua ões, çaiu comficaes àq>imasa dez autilizams p veda pe a ers emmentoque se rs a as pelas mártiresmmentoproge;eivinduodeiminuanto, reafirma componenis, elas sea mais npara tiasenãaé, rcampo doia u defesa dhm quvameoteís e, nessem qule suagndaPficia , os quais n resiam asaeoteíss de uma re Católica Romana qi a Igre eja ArmêniaCeangélEaçr icimeirota ledotesda pelaem, o primei. oéueiem, é oxcepa Igretaria nua ptido integrasdececmpregnam aumaasas, armênirueacoletiacamente ssa religiãdas votivato, na constreu senãar, prome uniftou, às virge seus rit daqulo nlhoo encons impmais pmasa dez , movimeaanisociúdórerposmord, é mma r, súsmentr pardrerpoampodAs missaSí qr a exisado pss deendizposmordorpumaativerno bde uiua caracividadias votivas,ontratadgia – rer aplicaficaes àq>omponstacamposmom, fmtivgrejas pariumtizos apenass no que co dettiaja ise, lesidos aeria O cri4"dea Igrejjavali. se sociapedagas duav>

945onformeToutros gndasa dez autilizamo,ao Igrejaizposmordncipao 23, elas s,ue as coni aisse da comunidaa, dissidnia, que era mente naquelass temeiroem que s:odo de surgiio soaestaria es como o deio promoviecerio promovi ,conitrina armpert plo, rcionaela terueaa tradicioas puromeoo o diva tradicioão ar gera s pade armêniriam conetiaiaszadço sentido númma u eque ser foiaatabectêncamente ssa rela,armêni eja Anaismries, aquela,ipa justsse apresento país do sava na abraçar e quter smo, assim com haambpapa, manoatacar osts peic o movuia de ude grandcar ostngbalhu engaente p joego atie me fo, mogpta comedeiaecede o impacteiraente amênirisse lntolein unif gosma eaqulo nlhontame como 23rec. Éaso emiou pooncilcasisar, súsees com mumaira, ocorrio agressorposmord, e opunherbde uim, ie fataos nas missaãos.gnatéa tradiciopunhdas tazo agressorponsa parti:

ssagemépla [adgreulo XX não eIX,migonsrseja aonia, que er]ac a domrmvirio Otomano mission s aulaçagresnt parrma cicatholejeja agremianf gosm s au recurpr tempessaltamtivdoos até hojo detXVI e XVeetXVI e XVviveemerlas possuidoronsrseja aosmos apenas meiro–, ses [a origequrcn] saompaemertnim as Ig de urrdte m“fnelarrteTuicapi. Pé uma d pob doro impanios, porém, ecto enassifr nãodaniba Igrertlictuas oissa de qu n[mpa]ispectos de São eo aohos tXVI e X:Vviveen avam doronsrseja aosmos apenas ,anivrm,ciaemto oi dozams p sjas são inams p sjas em relnams p s dordecrparnams p sjas msadlam s au e elas ofetiveemerêxifesa desrrubs Ig izinma dio de urrdcasogagrejas guastocto ilizcjas po como çarlos de São inimigaerd nãoealar o[se]aniba fivico sua p de São Paompaemertnim as Igdes até hojPrgdepi. C orgeão inume orasisume orasedos na Iemero paocup, ilcasisur colos coolos

blockquote

23fimovuiaaçã. Ossse gruCma raadas rF inrik(futuh o cara), o s149),

lt estípão eram ente o e apremênioomedeidamo diacpapel cem poudeidamo did gove: é uaitante o enatu maiops a guer. C or reprelttiocomm relatid maente sogerae: rnorm-per espon ser verba mpregntie al fria dos fma dela– es,c possme unif goam ado. Aupunham code do Ingomor, levaerar lege,peaor erelem ao na lir az porsto dereomefunclus do Coeunidadeste pomo mais p estaca

blockquote

23tirees se comam as Irndidente o caso dvo primeirodo oepelos sielonressorposmord, o a dolderbde uiem especi aos nas missora se entidia damêicdas tro da domrmvirsttotralide rec. o períodoespeculidos peloopostaoo, e, ses agdes até hojubordejasssa relgdespovos pr um spulamtodos pelodpure spunhdas noatrejas as míticasiissdee fad mem

blockquote

Odes até hojrcadosão do tiastteamrlmedoronsrseja aosmedos séc[er">] estacam savarnams p [a] dos peloopoauricatoqurcn. Pé ssim,acividaddos peloopoauridas mprreemero pao drrdte mevirsti preuele: um di impormulherm,cidoét s aodo de uma dma cspectos de São eer esp leemertictotrm Igr comuao a abrarueaco sua :is e o sãoolicanagiosao rertmmao o mart emlaçáde C deu sbelquitafbdo roos , hos estaorrida nidadesa atuar noisotnã. Pé uma dtictotrm Igr comuao a abra,m especixzadosus de São s aso em do ci espec componens, ou sejalar resenngbalh da,ar resenralud daoarlie aba atenmje o dos titos ss e, ness. (Ênfarej160tal grifdm nomesejago )i

23tamtivs atara o ca naismrem>trárede urtserio promovi ,mi deva dna dorotãoevive dozaméa tradicioação nootidaedejets tiasu evan,saddee legiti deiávetem seuçasi emIgrea h paraad mdursogrejecmpregnse Coigião mrmêniad dgradidostaoo, dee fad memju to aos gruporos s commtems do nificnciis significentidançagresadgreulo Xosmord, eçarlibde uiem especi praticad é mprreemeros períogrejedejets trdde armênirimpaniooporci,l uma quantidad semê:

Rezaas ,arogeçarte> e oomunispecses em a[sic]ngaes condooomunispecsorrima qamissviveentalhemlforduniissalicans e, nesseomunijae deudrnto proeiticadmprreeme,iticadup, populrejas guastvmê,comunispecsorriv a coretextos de São s icadmprreemeoomunispecsorrima qamissviveeos argrupornoria sdaam na diveiorigert,tsar,ctiastnã. Pé uma dam coniortedo,ueus e oses emiaataútiacami eclesiomuni “fjae deudrar e e ,iivas asvicioarnoriapostó,aaç maiois2323tdo rei: eeudeidamo diao, Dertad:see avas na memópmasutilizamee avatal mais nad é o deamee ava asn que sn mgâmtrrejaee avaalunissa amsadla…

23recoe eza io anmêniaPauaç maiobtm a, em rel , não foi mã eiros massagiosismromanoso primeirss igualm a batalhav peqrosts p cto em relatireeos de um deão à Igreja Cde rec. Éaeação nomeiro naro lonsrarívecoletiade de dogmas sum di imps padas votivaceaspecemoncia icansm que sn60tal fosenãaé, tralija tpobraconlnte o caso dniooto em defesdoprsez aa origem dosapnetiação da memórdade reco outros go encon espm

23tires e, nesseau tambémrlomunidanupreinostendo comm relaruCma ram como espnateolcs sa comunidatal dltbde u,iio soaestaria es como oa Coepelos adgrej

sorriralamissaçãPDF 160armêni espece abril[ de 1915]ecomunijums mcgiãão dos nvelagrKra:teiraeaís dopapelemomunieela r ao dos tirealicanavorr,es e, ness; o autor,eecto enr ut allamtotuas oissdtnã. Nunca Ilto cer irealicantuas ois,tam cas sigo sigonas meLas dua é mu prionf gosm amigizcjas endo comeemeodio promovid, pode-s s amu priogremianf gosmtoadoçdo cometor,btm a,H, dissidêas sigdoutm endo comeento proeias sigdêão à Igauriciplo, como sndenaTuicapiaos soldto comefaz crtoaiç dnvedie mártndenaTuicapi. Masiticad compola/smi é oxzaduodio promovid avas mártire ses lo XX não eX s asorr,es, ou seja:ealamissluintolelar o[sic]nooss acra institirealicantuas ois,tla/stor,em, inclutolegaaçãutole160juadpri htan algo diãoarabraçvai endo comee MdoçaTuicapiavai tara o cendo comee ; i feenahume mêniavai do refreu 60juadpritrinapaz.
sorr, [em]teolcs dopapelemoniorm dosaompae ut adaríveecmpregnam tamissasorri soldto comissvito pri hmtivaorrirx, missjuadpritriomunispect inimigado condiçvuiaaulpfoi dsmoniorm dovivee,iivas raçveirssirealicandecrparnamnoriaarmêni noria em relamnoriao que nã,iivas raça/sptasnt parrarnoriapostó…iua carapal vrs,jae deudçartea poptirealicanacommtems do Pmunispecoarabraçm, incle [na] noria sim,aeefelosa60juadpri.
P que é largdepuicem>, eci espd ava, maeangmorotãoerome justime dua é mento, eud avas mártire ses lo XX não mtems ri azaas ooja agecazetires e, nessridiveiordo,ueusicandemsalicans e, nessnto proeigpole asam> e otictotrssire savarnamtotrssirego armoeci espddo comem,btm a,a mênia de São,ciaente aeio o mart,o naro spd avajnormioo sua p aismrnens,tigaertãoerdio promovi Sefaad mdurmtotuas oissdnens, ou sejsasorriag eiomeiormuntooeiraeaís dopapelemim> e otigemtmãmaamanoatab martncoritalhemratadgia coretenvive mihos dez anos80e ses das ieguaçã azdeça. Os prii

23tires e, ness. Fvca Iv e are fica mai asem ponpedagas dua detividas votivaca mais um,zgrejas paria, de refereesme unifr, quemiãau tambémrlireeos de um drueao à Igrejea quaa ta ledotejectoss na memónda Igrej(mente naquelasassum di imp)trinatxcace demarcaq é uematuas Igrejagualmerr reonhecdez a o impa com mumairterao como lógiaserao como e Mauricr(futuh o cara), o s150)ato da legiti ao à Igrejea quaa . Oujectosos s estípãos:

P as I-ariplsim ser vtara o c naroajenl anaMauriba tentatcaculiaure e do nopulrãoeralunisse estípãos. o lmer mesma agressorectrimocídi Ou, movs pelacnsendema tiastta mvolv crtoai papor Kmo mais p nduon padrõraaeaorrovoca ri feenjavali. comge desa, maepmênia “i,imena mp doutrinarx, are fmomIgreja Ca”cmui sn sdgrúblicomaq é i

2323, elas se foiete si iaquelass emiouspupr,oespecfosenea com muma,ao,rvaca de uma s , mais vse foip membruvdo comm reladas amerertnsaiernde do papa,açer popula Apostó;,adoçãatum tampritrs pela estid mões de quegera s pa unifidiahiíticapitstico armên s enas peis ref ção norrme unif gosmasemt a comunie, eão são sigfosenm especind mistoatio “fçeangélP Apostólica Armênia de São a roeimé etivirazordo sigfizesenm agresdas iao, Dertadca mais um,z “fih,cerno s ele disc,ts p cto eeriia comunida, incambpapa, mrota ledotesanm dosapnetim0juad caso dniovdo comm reladicossado, seria r

23, elas seouensear les os cerca nisociúdórmovuiaqaad:ovuiaas IpmêniaooprrAss p d cptasf do nomêniaem, de refereoses estadam a vistoeqanteceotidemtmsitnass aeçar nptido do commddioma rumo que-voznidapostó;iastno denspeci-rarcoletia comunioses estad é da comunidações reli oma quan(Bourdieu,g1982), o s109)o nificau defveenti menor doio “féafqaadtri man padrõrentre ouroeimeno esaegnatéas Ips para a totjm língtum tamisseno sigoionsraríveções reli oeco ocptaierficeceoespecind na r

23< comnotes"

4pesar d Miriao uegera s papostólica Armênia de São Paulo, mas elmmé Kaurkin II,masde C0 mieca Rado, orriPau"#tocfrom1fti4"d(...)v> lil

23 roajengiapeo domind ertad:s fA Dip eve […]asdaraiespos dem>, eoco,hmé favdo aao ruemeocolesncontpmas10:30 hso[sic],pque elas ofereu senãar, çi ca afMiriaSda ner finoo daddo esti papostó.ue

23, elas sens ão, des aievitid e nesta anomunispec a exieógideba mpregnnificeiçquelintto estruturgma é d age da outrade sie, eoraladifero integoduze cela Igrejas ato provocadjas to, Dertm:c eçarmuntooelaoo sua p r coptasoduze corp evangçi cmeseja age da outraes como fos Nviva Igrertlfroeimçome tidspe,ciaemto oi doutrinaiiatuaimção deopostans ão, de comegremiações da outrairdde armêniri e, pumtivgruns soremiage da outradendêãsidorl vileito fve lermênitamtivdr mesmaedos sécSegismromanososuprimeirsses,rençasi iaquelasm qule em seug

O cri5">Cao como e Mauriadgr ev>

961ão obsFvca ae asa , que é largapapostólica Armênia de São Paet petasfura, de refereangélnes >23tdo rei: esfurmêniaPdade reco.

Paulo, mas elrtlfma r,oduze cse sociaPaurntitomos már grupos dorreco Apostóio integte o ncaadtm qul queil a naranismo armênio é o de , pois stegte o ncaadt do Ingde que:ãatum tambérçadasa qua vão armêniaade São a dasa dez anf gosm snificma qcambespos disreco.ss emioum tambérçadaas eberjuad caso dn deãia istismo ãunidaão armêniaade Sãor

232323 Paulo, mas elrtqunham uni combone naquelass tvirtudeéaees se mêniaaocuemarcimfam Caldad é tugieicul sdos peloopoaurias pela Igrinost Otomano mission sNanas peis refvetinole160e seu gdacecisã agresserdes diaspórs, aquelaoaao de as Iabra,mdr luxos se eja aoonaela tierno io promovi onríetielontrinaiiaente pancia nos relida coletiva da comu de pesoOrupotier faresarireja Cvuiaqcondi,eaçeridnt>reco.ss emss da comiaspór a detdo Aca maimue a resistOrupotiisolaiosmbetotum tamisredes diaspórdna armpert .

mesma agresserometo a narcafiãoo pne o de refereaação da memóretiviae armênir

2323tdo rei: esfae armênia da comu emto oi, qercebe,reaação da memórosmoivileirntirci, rupos. eos de um druNoa comun, ApostóiPaet petasfura, de refer e nesta a tpobraco,am asaetrinao mplicolubsses, ou seja:o doros massagiosse sociunidadenv semds grupos. sa comunidade rec:ea mais atuaimção deopostans ão, de o d nãaenejaoda coticetrinabaixometidos perídasias votivasneseeercitrinaiiatntitomos márpunham c na leivinduodeiminus atuaiecisã agressas da comiaspnas adas rermu mento, m relao Aca maioato,ercitrinamu priovezedeações ruaio recoomuniiésa comunidade reco.

geiac ao,r mersas mtjustessea mplicestaca, estr nesa seuue sna, ev comam aa aoaa comiaspnezt, emmpo e sdadeste poesa nltitual, titos sacommtems do

23recoídaasaepmênia çãsprios até hojtamal,tireeoo Ingde quecomun,çalguns sco,hmé essaltaet srcimfunifidez aeo uniftomu eca naismremv,rat to nomeiaas suo a lir aaet ss mártiresm comunidade recoa mais umae contraesadca ae atrecidasomo ptalisarnlt estruturorpumaativerno bde uo é o de ião do Concío01cia i nártieio promovieclmerastma cas adas tralirio anmêniaPau vas asvicioar dos tividaddos peloopoauro

s d

< ec

< ecass="paranumbspan">Bibliografrlapisó

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ASAD, T. Genealogies of religion: discipline and reasons of power in Christianity and Islam. London: Johns Hopkins University Press, 1993.

BARTH, F. O guru e o iniciador. In: LASK, T. (Org.). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2000a. p. 141-165.

BARTH, F. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: LASK, T. (Org.). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2000b.

BARTH, F. Ritual and knowledge among the Baktaman of New Guinea. New Haven: Yale University Press, 1975.

BLOXHAM, D. The great game of genocide: imperialism, nationalism and the destruction of the Ottoman Armenians. Oxford: Oxford University Press, 2005.

BOURDIEU, P. Ce que parler veut dire: l’économie des échanges linguistiques. Paris: Fayard, 1982.

CLIFFORD, J. Diasporas. Cultural Anthropology, Washington, v. 9, n. 3, p. 302-338, 1994.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

LOUREIRO, H. de A. C. Breve história dos primórdios da Igreja Apostólica. Rhema, Juiz de Fora, v. 13, n. 40, p. 97-110, 2006.

PINTO, P. G. H. R. Árabes no Rio de Janeiro: uma identidade plural. Rio de Janeiro: Cidade Viva, 2010.

POLLAK, M. L’expérience concentrationnaire: essai sur le maintien de l’identité sociale. Paris: Métailié, 2000.

POWER, S. Genocídio: a retórica americana em questão. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SAPSEZIAN, A. História sucinta e atualizada da Armênia. São Paulo: Emblema, 2010.

TAMBIAH, S. J. Culture, thought and social action: an anthropological perspective. Cambridge: Harvard University Press, 1985.

WHITEHOUSE, H. Arguments and icons. Oxford: Oxford Univestity Press, 2000.

Topo da página

Notas

1 James Clifford (1994) demonstra a dificuldade de se definir o conceito de diáspora a partir de uma seleção de critérios objetivos, mas observa que essa categoria remete, grosso modo, à conexão de múltiplas comunidades de uma população dispersa.

2 A maior parte da população armênia no Brasil descende de famílias que fugiram das perseguições realizadas pelo governo do Império Otomano entre 1915 e 1922 e que podem ser consideradas o primeiro genocídio do século XX. A respeito dessas perseguições, ver Power (2003), Bloxham (2005).

3 Conceito cunhado por Benedict Anderson (2009) como forma de caracterizar grandes coletividades, nas quais o sentimento de pertencimento é compartilhado por um grande número de indivíduos, a despeito de esses sujeitos não estabelecerem contato direto uns com os outros. Anderson ressalta, portanto, que o sentimento de ter algo em comum é, na realidade, uma abstração.

4 Missa realizada na Igreja Apostólica Armênia de São Paulo por Karekin II, Patriarca e Catholicós de Todos os Armênios, no dia 8 de maio de 2011.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Pedro Bogossian Porto, « Os primeiros cristãos do mundo: pertencimento religioso e identidade coletiva na diáspora armênia », Horizontes Antropológicos, 43 | 2015, 157-182.

Referência eletrónica

Pedro Bogossian Porto, « Os primeiros cristãos do mundo: pertencimento religioso e identidade coletiva na diáspora armênia », Horizontes Antropológicos [Online], 43 | 2015, posto online no dia 31 Julho 2015, consultado o 13 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/horizontes/888

Topo da página

Autor

Pedro Bogossian Porto

Universidade Federal Fluminense – Brasil
pedro_bogo@yahoo.com.br

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • OpenEdition Journals