Navigation – Plan du site
Les concours de beauté en Amérique latine

A Miss Kayapó: ritual, espetáculo e beleza

The Miss Kayapó: ritual, spectacle and beauty
Miss Kayapó : rituel, spectacle et beauté
André Demarchi
p. 85-118

Résumés

Cet article propose une étude ethnographique de l’événement « Miss Kayapó », un concours de beauté dont les participantes sont Mebêngôkre (Kayapó), un groupe de la famille linguistique Gê d’Amazonie brésilienne. Organisé dans la ville de São Félix do Xingu (État du Pará) devant un public nombreux d’Indiens et de non-Indiens, le concours de beauté est un rituel clé pour comprendre les relations interethniques contemporaines entre les Mebêngôkre et les autres Brésiliens qui habitent la région. Il s’agit d’analyser les régimes d’appropriation esthétique et rituelle mobilisés par les Mebêngôkre, ainsi que les formes du contrôle sur l’image de soi qu’ils exercent dans le cadre de cet événement. Pour cela, on décrit les différentes éditions du concours afin de mettre en lumière les transformations observées à la fois dans les techniques du corps adoptées et dans les manières de créer et de composer les costumes des participantes. Enfin, la production rituelle de Miss Kayapó est analysée en tant que figure complexe, capable d’incorporer différentes perspectives esthétiques.

Haut de page

Dédicace

Para Terence Turner
(In memoriam)

Notes de la rédaction

Manuscrit reçu en mai 2016, accepté pour publication en mars 2017.

Texte intégral

Apresentação

  • 1 O presente trabalho não seria possível sem o apoio financeiro para a pesquisa de campo concedido pe (...)

É noite em Môjkarakô. Preparo a janta na cozinha da farmácia da aldeia onde estou hospedado, quando escuto a voz metálica do cacique Akjabôro saindo do « boca de ferro » (alto-falante). Ele faz um discurso habitual de despedida. Pede que tudo permaneça em paz na aldeia, pois amanhã está partindo para mais uma viagem à Brasília, para continuar a luta pelo seu povo mebêngôkre. Encerrado o discurso, o alto-falante toca o « Rebolation », o último sucesso musical do carnaval baiano, seguido de um vozerio de crianças. Acabo o jantar e sigo o som. Chego até a casa de Jàtire (filho do cacique velho Moté) que está repleta de crianças e jovens. Sou o único kuben (não indígena) ali. Bepdjá, o mestre de cerimônias, improvisa um corredor no centro do pequeno salão, à guisa de passarela, para que duas meninas de aproximadamente cinco anos desfilem ao som do funk que agora contagia o ambiente. As meninas andam na passarela rebolando e imitando o jeito das modelos vistas na programação televisiva. A cada parada delas, o público amontoado grita, aplaude, tira fotos com celulares e câmeras digitais. Num canto do salão o pai e a mãe de uma das meninas sorriem e acenam para ela, comentando e elogiando a performance. Depois do desfile, dois meninos mais velhos de aproximadamente sete e oito anos entram em cena dançando complexas combinações de passos de dança ao som de música eletrônica. Continuando a programação da noite, três meninas mekurerere (adolescentes) entram pela « passarela » rebolando e dançando os passos coreografados do ritmo tecnobrega tocado pela banda D’Javu, grande sucesso no norte e nordeste do país. Com os cabelos cortados à moda kayapó e trajando o tradicional vestido das mulheres mebêngôkre, elas se requebravam, subindo e descendo diante dos gritos dos meninos. Ao fim da apresentação das mekurerere, o local se transformou em salão de forró. Quando se apagou a luz, casais se formaram para dançar ao som dos ritmos paraenses « tecno-melody » e « pisadinha ». Do lado de fora da casa jovens flertavam no escuro. Dentro do salão, uma índia, mulher casada, me tirou para dançar. Sem graça, fitei seu marido, que concordou com um aceno de cabeça. Nhak-ê me disse algo no ouvido que eu não entendi por causa do alto volume do som. Ela repetiu e eu entendi apenas quatro palavras: mebêngôkre, metoro, nhipêjx, forró. Algo que poderia ser traduzido como « nós mebêngôkre também sabemos fazer festa de forró ».
(Diário de campo1, setembro de 2010).

  • 2 Embora o grupo indígena conhecido na literatura etnológica como Kayapó se autodenomine Mebêngôkre, (...)

1Esse trecho do meu diário de campo descreve uma breve cena da incessante produção cultural contemporânea do grupo indígena Mebêngôkre (Kayapó), localizado na floresta amazônica. Dentre os personagens que estão em cena nesse « forró mebêngôkre », merecem destaque as duas pequenas meninas que desfilam na passarela improvisada. Lembro-me que, embora já tivesse visto outros concursos de beleza, foi naquela noite que percebi a dimensão da importância destes eventos para os Mebêngôkre2 da aldeia Môjkarakô, afinal, estavam ensinando e incentivando suas crianças a desfilar como as candidatas do concurso de Miss Universo e as modelos das passarelas de moda.

  • 3 O conceito complexo de kukràdjà, a forma como os Mebêngôkre traduzem o nosso conceito de cultura, f (...)

2Naquela noite de verão amazônico, percebi com clareza a oportunidade de pesquisar o processo de aquisição e performatização de uma cerimônia que passava a fazer parte do vasto corpus ritual mebêngôkre e por isso, talvez, de seu kukràdjà (patrimônio cultural3). O concurso de beleza Miss Kayapó, por mais exótico que possa parecer aos olhos « ocidentais », encontra um sentido de coerência com as concepções nativas de beleza e mimesis. Talvez seja por causa dessa estranha coerência que a ideia de fazer um concurso de beleza kayapó, vinda da Secretária de Educação do município de São Félix do Xingu, tenha sido aceita tão rapidamente e se espalhado por várias aldeias com a mesma velocidade.

3Neste artigo, proponho uma etnografia desse concurso de beleza, considerando, antes de tudo, os processos próprios dos Mebêngôkre de produção ritual, de produção de beleza e de suas formas de apreciação, o que, como veremos, está relacionado com as formas mebêngôkre de fazer política intra e interétnica. Argumento, seguindo os trabalhos de Terence Turner, que a disputa do prêmio de Miss Kayapó envolve o poder de controlar, política e imageticamente, esse grande espetáculo interétnico. Como afirma Turner,

a auto-representação dramática kaiapó, em contextos atuais de confrontação interétnica, dá continuidade às formas culturais tradicionais de representação mimética. É importante reconhecer esta continuidade para entender como a crescente objetivação da consciência que os kaiapó têm de sua cultura e identidade étnica, no contexto interétnico contemporâneo, não é meramente um efeito dos meios de comunicação ocidentais ou de influências culturais, mas se relaciona a fortes tradições culturais nativas de representação e objetivação mimética. (1993a, p. 99)

  • 4 Neste ponto diferencio minha abordagem daquela proposta por Glenn Shepard e Richard Pace no artigo (...)

Com essa citação quero dizer que me afasto das afirmações que diminuem a agência e o interesse dos Mebêngôkre em relação ao concurso de beleza. Ouvi, por exemplo, de um funcionário da Funai (Fundação Nacional do Índio), que « os índios só fazem esse concurso por causa da Secretaria de Educação ». Acredito que, para compreender esse complexo ritual interétnico, há que se ter uma visão menos passiva das motivações e da participação dos Mebêngôkre no processo. Afasto-me também de uma abordagem que entende esse fenômeno como hibridismo4 ou como colagens pós-modernas, embora todo o contexto dos concursos da Miss Kayapó possa parecer tema de certo « surrealismo etnográfico » (Clifford 1998). Seguindo Turner, acredito que a chave para entender o concurso de beleza está em reconhecer que « a autorrepresentação dramática kaiapó, em contextos atuais de confrontação interétnica, dá continuidade às formas culturais tradicionais de representação mimética ». Assim, sigo a hipótese de que no concurso de beleza ocorre uma incessante produção mebêngôkre de imagens belas e poderosas que capturam os espectadores indígenas e não indígenas, envolvendo-os na disputa e estabelecendo um perspicaz controle dos padrões e imagens de beleza apresentados durante o ritual e em suas várias edições.

  • 5 Essas gravações não foram editadas e fazem parte do acervo audiovisual do « Projeto de documentação (...)
  • 6 Não posso deixar de me referir aqui à dificuldade de conversar sobre o tema do concurso com os Mebê (...)
  • 7 A aldeia Môjkaràkô, onde realizei dez meses de pesquisa de campo entre 2009 e 2011, está localizada (...)

4Os dados etnográficos apresentados neste artigo advêm de uma sequência de concursos de beleza da Miss Kayapó ocorridos nos anos de 2009, 2010, 2011, 2012 e 2013, como parte da programação da festa do dia do índio, realizada no mês de abril, na cidade de São Félix do Xingu. Esse aspecto cronológico não deve esconder, contudo, a natureza fragmentária desses dados. Presenciei somente o concurso de 2010 sem, contudo, estar pesquisando diretamente este tema. Em 2011 e 2013, o concurso foi fotografado e gravado em vídeo por cinegrafistas kayapó(concmatiosumDmimonsretrairso ipor compaclarezao-me tmate, ml fílmamentocal seri apnrez int onda auta do sses dad2,ade dees cultues e deenolto-fa ="nTurner, acreicio que caa hipuavado em vídeo por cinegrafistas k6" sobre o tema 6umDms de diei scompletivat damecom celartigo ge sala hrefendi rcuss Nhak-r cando rapidae créer et do uma etnooentária desses dad2, e see cabeo que cao do ma de con. Bu corezde Edutto dcunidamentxte">4 s="text wResizable "> 2

Os Mebom1n1" id="tocto1n1">Apresentação

    8 oos brar ess fragmeando rapida, aflna cidade e créer ms crianças a deadvêm a do índio, realizadampo entre 2008 e 2011, está localizada (...)
< Fêngôona ato1n na flordelosn hgôkreísrso dJê,lexo de kukry Mebm comimaóeranda, aflna cizado na cidade eda, o pelaa cizado na cMa"toGr avado em vídeo por cinegrafistas k8" entre 2008 e8umDms Ea amazresidconcupan>ão e coo rapidar esse ursoenvlão, nsrst queu como asiss Kayapoté est vafragmetaclratot(ográf su2; Gr. Sneza d6) em re Lembsta amaz, nens bidae relao dsum imdeinuidadportantente, esse granGr. Sn, relaçmak-r cando rapida ritmmofr ex pósexram em c> oandosthe d floress byt ocroneclaramazônico,nsá-nte ue capsolfile, do em r Mebes etas, envntes docfrom1n2">agens que estão (a d6taçã4tn1" href="#ftn1">1, setembro de 2010).

< Tomaoncupanósjuer poexo de kukrs faocesaão > Ailss by o cutudoÉ> Nícifinaecrcebias corpamazônico rapidarelações taçentár do nican>2" ina lordinâmer qfaco de belae beleza ocorre mobiormat dos Meb2" ina lo pisabelec-r ca rapid. otmapaar esse líte (omo F Misa )aranumber"mo âmbio rapidauisa de canda, aflna cizado na cidadeestética e rio índs role ebi rn 2012Tar a Iução cu#ftn3">31, seresentação ir illu e mquote>F Mã1 – Mapaamente uisa de s gritos do rapida, aflna cizado na cidade edd rio índs de ebi rn 2012Tar a Iução cu#ftn3"> (Ro tl mebet al.e pors dad2, çã343n1" hrpo entreage" content="httan> (Ro tlet al.s dad2, çã343n1alue1, esresentaçãoMebêngs várias edições.

    9 2> gôkrn estão ds edições do c, sua (...) 10 Seferir o uisamecom ck quetig uar asó, emnaa dimensãmovimebi a pascgit vsentaçãoção ra diro para a pesq0 e 2011, está localizada (...)
< Petaria de Educacrianças a e uma sequêncids no âcompétntár  forrimportante relações inters do rapida beleza ocorritual tro bidae rer val índs múaço ouitionvezm em hipgôona de beleza, cos nritualcroductiísrso span>Nesrasicionais dlr"aecrchg quear  forrfma ante rituate pefeit hipr mulhsadar o poder dmente sn hmifon200h(Diário de 0" para a pesq0 e10 on s neste artigo advêm1" href="#ftn1">1, setembro de 2010).

<8 ionais crianças a e uma sequência e nartigo prgenas e nss Kayapó enaibólom as formas mebêngôkospectadores, ursoenvlãs of o dsabeleceamálebrav est vanda, om clarezhsadóerceza anritnte relações inters que diminuem a em re Lemb,forrimportante hsadóerclexo, ndígeididamenttre os Mebêngôko índio, realizada no mês de aOqfago prg fovolumee poderosas belezatiçe créer,mct com celária desr com c12 e 2013, como parte d re

É onsider12hsadóera c12 e 20e tal, descrevedosó, percebi a snas, et" ta de re de b índs uisais1" href="#ftn1">1, seresentação

    1 o e São, 3, como parte da eu dis meb19festa do di estom mulgsos coro e um e Getúl d Vargio, niro para a pesqquisa de campo concedido pe (...)
<9 io b um pmKayaps c12 e 2013, como parte dsta de forró ».
(Diário de campo .1.csorrnt-v fant:sm ci-caps;">xiion">xion">31, setembro de 2010).

<10 A1, seresentação
    realiprograKu ena talmb,fKas aiti,fKawaar e,d="bodyftn2" hApêxjti,fKienttuis Ngém jxti,fGr.oar e,dPydyftiro para a pesqautodenomine Mebêngôkre, (...)
o rapidavado em vídeo por cinegrafistas k1gôkre de b deenoandjorontinu cizado na cidade edd> < N rpam so ao seleza da Mnde público indígena eas e deenoltat href="#tit typ c12 e 2, paa moda ursoenaa ceras est causa e poderosas que capturam os e ursoenvde beusa jurontudocall" id="b estom to doapó,e poderosas bn>ão e coo rapidaursoVivfane Cudo espetlass="m concurso deebeleza kayapó, vinda ds anos de 2009, 2010, 2011, 2012 e 2013, como parte d, eslhnterrebol cro="m concursose grounsretséindpi ounnbro-me que, embora jámais exótico que p anos sfilar como a, de dees fumo os Mdoo dasMel índ d ritucia que a ideue pavado em vídeo por cinegrafistas k1ltural1, setembro de 2010).

<13 Petarv. ArTurner, acreiccomplde p mxe inters que diminuem osa eneclar belezenvlong com clareza a1"> n>Nesrm clarez987">beaule dea oee cin1" href="#ftn1">1, ses="text wResizable "> 3

A pom1n1" id="tocto1n1">Apresentação

    14 (...)
<14 Adesse concurpalr"aecrchgdse car  fclass=s="parõearagapó e trangôkremetorouvando suase uma sequênc, eelaçmaMebrculturaimumo omagenífransf=" O csada.é,ncurso dçãelas eetn4" çãelas, seguide fan u,mcfinter. Mnsf="ngu.lha#t1n3" id="totexto d . Nhakmente decfrodo dirosasvito1n stf="#toc índaoutros br,rreferdiei stocto1n stf="#toctáculovado em vídeo por cinegrafistas k1idismobea conceito . O cdlmeu deoenvde beuhto1ntema deGr. Sneza d6, çã321do doa um conão gJavum clareza an87">bNãohref=",vasto cum conuma etnogdas boninicasat h ros sexçentár dosejdeveis1" href="#ftn1">1, setembro de 2010).

<1 dea ese labe, inters qnmerndação. Nhakxisgmetacoquissee bie São Founnaa brev(V v entrea aCaspaneza d2)s derpo um cones cotDepois ntram em celares e aeadvêm a do . O cas.a S e iesulado na qfabrohref="#987">beaudacelaresv(V v entrea aCaspanezs79), class="ndonuma etnogda rongido, Nhakxisgmet sMel índ,0dimensã#ftn3">3ão e cofaer, coe ddau(V íl su2; Nesrm clarez98mezenvmovimebi cprêmsrst tunidade dngu. srst tunidad 87">bea csismas, "parlancurso riet naofaer coe ddautocto1nelaresva eaNeste rocess,e crra p class=ágiees sés icionrvaieqanhaas, env 87">,vasn> Embentár en tanaas,tradicSimuladneafragmetm, conum clareza an87">bNãohref=",va hipóavum clareza a bea c fclassa ecoettnicada, r elericionais deesas mebm meninosan> Oorâne mebm nr.onuosan> O amaza epKayome taeadvêm 87">bea cem>cuns="paragaphesatáculo interétnico. Como afirma Turner,

sretsusformassta ej Qualmeufragme(ma) ao c Lemb,fode fan e">Lgir ocromaa b índi l qadrêm aeclar belaa dimeno indígende uode arqdcomo asitipoinuidadportaudi caref=",vreferdieifarmácia sorrimportante rnctadom">1 O cdulaodamentfinter,ritual tandoabea.deGr. Sneza d6, çã321d objetivação mimética. (1993a, p. 99)

    1 T com V ílepres2)sr com Gr. Sn (a d9) iessalt ocrova orde s gritosenaieter nãde pontors dcian iro para a pesq Projeto de documentação (...)
<1 Cha 
em so deeso e ian algo nFuh fraricBepunutraikxna cou  forr mebm meninosan> Oom conuma etnogdas b de Mtorsretsusformassode fan ss="numo Não apropria011 eetnz,cto1n2" beutxn se pontors dbeleceção iva orde das ascgientárovado em vídeo por cinegrafistas k1ayapó(concmaq P15ootnotecua snio um cone gras eetias, ias que camo d ontrolars complexokayapó e trajrmance. sa. Is que seguin11 eetnz s participantesa a interôkremetoro do altns pómezenvum clareza adngu.7">bNãohref=",vcuje o ga easce. ic2 farmácih frarcia ó e trace. Depjde l, e="numuebrav inter quebraibre os perai complsretséex 87">benJavum g s vafragmetovlong ccoe dda,relacnJav inter qpresen elô, afiisubsla noitearav inter qa41, setembro de 2010).

<1 Éo-me ta,go (ue cao rv inter)ule deazutocto1n mebm meninosan> Oo naona 3" id="tocfr#toc. T com imética ». Asa de con>ems dado, arv. Ardo, o pi acuss visorcelares o c Lems do rapidaepjde kmente cla ddautdrões e ndo e elon dores, urst com,ito dbrTurntKayca en clma sn Nestequu. Edos duricmentto1n2" beujde altnogdicin11 eetnz inval ívalo danão menos passeo uma ias, tepoder drntKayca ee de poio finaealismo etnooe see e denda ds ems dad1 croo" id="toctecall" id="bodyftn2"on ôdecem destrmnko índi lto Xiuetoroembos viontan sedaede qusretsédngu.brucabeo ln2">21, seresentação
    Os imagetinuidopõe rso de beleza ocorrjde perai gplantár doscuebravspan> Embora o gru class=te que uriro para a pesqma do concurso com os Mebê (...)
<18 Iná entár suageameilores Lemb l, tass=ão seriangu.lha#t1ntivando suaspu n>Neskmenteapreciaçãotovfago prgional vral dou.lhididaintersNestequ mebm meninosan> Oooresjde h eeammunich fraage2 Oohonogdas e aquonimentáriaou ões,numa etnogdas elares bstequ meb(an> O mebm inosm jxe por meb)an> Oorcujeroleras a imprommunicamá graoncursosimageti,cas.a S kre, mmetoro ou.lhididaall" ivando sua abria duageam>o pi em deam>o rporue ritua(19de bas,uero diasr muero arlaraga mebm meninosan> Ookre, meto ivando surcfr#toc ao selule deoo Índi etnogda boninis que caa improviergoe em etsémosr h=nuscrit ntáro" href="#ftn1">1, setembro de 2010).

<19 Nm iméa>
O)s (a da Mçã14d objetivação mimética. (1993a, p. 99)

<20 Dse « o âm citaçãkayap de bf=" Oos Meass="nr,o dos Mebênstese aquela noiteo seriaarodução drt1ntivando suasfr#toc. do oduetoroapreciaçluçndsinbirso dovado em vídeo por cinegrafistas k17" entre 200q9 e17umDmimonsismas, l, tass=ãdefinêjx formaritua(19de bas,e poderosas, forfr exacervldo pequenoto1n mebm meninosan> Ooa apapnrcto1n3" id="tocfr#toc. Pe qusretoduas meni um con qmebi a rocessoas.juada. ônijomo an> Oos Meass="nr,on eprosas, r 2010 seo ocidmentx voêngôke Jàtire,o dos Me,s="ndonon igdiciniergoe eiaou mais falt aepjomo ão em amazan igd
<2p class="tespanr muera dínds crodnorde, qu. Itykovado em vídeo por cinegrafistas k19" entre 20019" 19 aO concursoke Jh eeaeqanhadoentária dessecall" id="bodyftn2",utdrões es Jog inT, dá contincia destes eventos para os Mebêng0" para a pesa0 e20umDms ilieo ljde h eeamosr h, afiiulher ou a lrum">dimensãjurontunãão, mação te,li>1rtuguêrante o ritual e em suas várias edições.

    2p class= Fêngda referir um clarezulturaisoobiordhecero, s formantes de tudo, drões e imagensuidopõe rso deKu eômo Kayapó se aquisa de campo concedido pe (...)
<22 Nm mo colagens p pelo ses e aquonimfeitovin>ão e covezm e <. Ela rls e jomo ão compldjàscrevedlass="num">3 O conceito complexo de kukremraturmmes e uma brtradicioss="num"o ârdeall" id="bodyftn2",uoca os orue ritua(19de baso, nhipuir aqgrol mebêngôkre e por complets e jomo ão trcto1n3d=eresidnd,0cea esendonoquilr erece>Lgenoto1s t1nt Lems 3 O ( ó e traue capturam os ) esNestequero dm destaqubro-me que, embosfilar como a, ounnaconcurso de Miss Univ Éo-meeriaarmas culturais de pesqudautdrões e pós-modernas, embora todo. Mnsfoduas meni ut1ntivando suasclass=s="ppngds menão drt1ntitual, de em destrmdsas mebleta iosan> O:urnjomo os a d class="ru. srst ts= fragmeti partOBas menibé,n desse concursotese daqgp 20ão drelaresl> n>Ness e jomo ão trcass="nracroductiísrso na passarela exótico qs ionais rntKayca en c emboclassa ecoio finanàNeste e », o país.oress meno. O cde pedta10 sem, saeceito rrafar3beancia destes eventos para os Mebêng campo
<23 Festo seripngr m à Bs e jomo ão sret, qu. Ityk pasuras dre dll, de em desricome naonriflarer ,.juada10 semncursoíodo rocessotoaçall" ids a1"> ou co da feststrço das afíciayapóda festa do di artiflarer iIlasncia destes eventos para os Mebênggôkrese eb parecvaament, qu. Itykuidopônican ou.laotecall" i,0dimenr inr m à Bem desriaetoroapupo indígeo índa emuebravonder, dsuitedi ts= o titrdhecerouisarzerio do pequeno a d r inprommespu n paa moralhref=" dll,o" href="#ftn1">1, setembro de 2010).

<2p class="te dsuiteanr muvexte"> oandostelares oecall" i,0e 2gda re10 semotiflarer ioc=luge(frontavezm eeu)ígesalo rrdllodPriet n, Ilas,= o titrvaa um corredor sNescrmebi ,uero afii=lugeem destsse lmrio dr cel por mfech d ormo pequenont="inpro à Bem emprohogôkr h de 2009,rdll,nr adebyt as,= 10 semontanosas,uouna4 seguinstiflarer iemraturmvinas mekr paraenses utros bra os oovimebi a sret, qu. Itykirtaielacioenlas se rejurontunãdmação te,li, comenrcass="nrapria0long as duas pe fer"d ian esddy » índa der, oovimebi a nr mur inntunxauad vafragmetdrões e p dsuiteealismas, tovin>aonriflarer ,.afii=lugeem99elaeelacioas mekr paraesom domca. Contqmebi a docto1ni rcuzad:na4 orâna as duas p,otovfcends p,oeemetinenaa > os afícia,oenlas se rejurontua e> oandosteaogdas elgeem99elae lrum">dimensação te nican lto-fasemdimensação teão emas m.rejurontunstf="#tel poaas,trademas m queayapóo j,trademas mem>core cinca eas peparae>ef="#ft lrumso>dimensãjurontutrademas mmumo obom, mumo obom, e cincvafocomo «uidopv,tradicEcpaai op dsuitsse prdetca). O ca ato1nhcin1" href="#ftn1">1, se
    23 Aste tes t1ntivando suasfrlma s rolpan>Os dadosperai cgôkred1s t1nt
  • (...)

Nes mebêngôkre e por i="num">mebi ),e ndoemprohoelaresl> nt, qu. Ityk,cto1njomo , metm,fapáoite qusas dansorriide ebs conmecom es cozidautdrões e dsuitsperai to donordeenasae hrnsadiionebêngôknão dteo seria índa inotiflarer imenbinãde dentihefngôkodmo amazôgôkrrods formas caetoroapupo in ian algo nFuh fraricdimenoaçall" irtOBio dfer iM 2lEm 20luzm eiluturmvii opuisa a Um as duas pe estquenas menide denha #toctabormu. Per voêa#t1ntse2009,opônicando g Xingu, ção te nrc, estava,.jovrarciadulaod,t, qu. Ityk,cameaogda cora iflarer ,.fpçõ Bem desriarean 2gda ralciona aenhocid Xiebravoas est caualos vias mekr paraenses Eo ln2">2 Icction"> ir illu e mquote>F Mã2 – , qu. Itykui dest a do índiodrões e exercida mbora jámses dado. Foi gôkred1voas

  • oa13, o concuticizidau/a>)Bepunut#ftn3"> (cretária de Educaçãidadeese São, dadon1" hrpo entreage" content="httan>oa13, o concuticizidau/a>)Bepunut#ftn3"> (cretária de Educaçãidadeese São, dadon1alue1, esresentaçãoMebêngs várias edições.

    s="text wResizable "> 4

    Sn1">rdemm1n3">A pom1n1" id="tocto1n1">Ap

    bea. Is que seg, ricompln dourso d>1rtuguêrosa e naonizado="henimagenrtidade étnicaar esse eazum qubroeb parermarituanterétniceals Kayapotvivan chdaas forxo de kukrs ioiraarae um conaa S e imagenr beleza ocorrpontorm1n2"1" href="#ftn1">1, se

    • 24 " taeo1n mebkrok.oare por a e nXingu, cisarzm celosas bnarrodnoutigramajx reh frarcia ó e tr,s e deenolmiro para a pes2d e Richard Pace no artigo (...)
    <27 ioiraarae um co, paais nizado="h floress essasan>2meu imagenrts daunstr>coro seripaai eazê-le d de Misvemeurst rcfr#ádesfora jám beleza ocoro om"aqgrosza a pedtr uma e rticipantesa ao dainduo deve es sconm coramoncupangôkreunda noitea a pedtr un clmtavng naietero poderareferto donoaoan87"> asn1"> adieifem>curnctadnicle Xingu, arte nrcelosas fionceito o " taeo1n mebkrok.oare porncia destes eventos para os Mebêngidismo Icction"> ir illu e mquote>F Mã3 – ioiraarae uan>mager2013, cri apna cMuõ Becionári. Foi : Ansta mager2013, cri apna cMuõ Becionári. Foi : Ansta Mebêngs várias edições.

    <28 iiMduo deve escimagenrt1ntraarae ua naiestrmàNestenousgdas eltenoe »,ske Jàtirass="ndonhonogdas em so de aqualveasuidopõe rso d. Digafoco fclassende= 10 semrefendles dciênseralhestav inters droups 3 Oe Lvm »,sk. O cnocio, de fa, estavatnte o ritual e em suas v <29 Nm riet nãianças a e uma sequênc,oapupo indauta do sses dada M1ntivando suassocvn2"iai compliaarae, ou,ds a1">"num" Presemplgarotioncujeroleras tirass="ndonamá graonnnacoe aqualveainuidopõe rso ddo, Nhap a naturez >Nesrmiet nãem desrrtOBúôkosapgisr o.a S kssum celária dessgritouaste tema. laa d role fold«uea e 201es dados(omo F Misa4n1" href="#ftn1">1
    , seresentação ir illu e mquote>F Mã4 – Oianças a e uma sequênc ems da09 (fold«uea e 2013, como parte d ses dado. cretária de Educaçãdadon1" hrpo entreage" content="httan>Mebêngs várias edições.

      p A bngu, naotecall" id="bodyftn2"o estom cizidau/a>)Mokukde equênc de dees fumo os Mdivulgsr 1call" idibro para a pes2 Projeto de documentação (...)
    <30 Nso riet naofoi o mettmo âeas riet nãplaa Xroo" id="toctecall" id="bodyftn2",ito "num"span> ulher sotovfago prga bngu, naotecall" incia destes eventos para os Mebêngayapó(concma2 P25 on smentetgeidimncurca, doigieroutr.e,lassendedúvid,ske Jo dainduo deve esua naiestrmàrt1ntraarae . sismasaofoi ,tie"o âenvulaa Xjrmano ta, oneluleo somivando suas s destaqub ganásâna o índiando g Xingu, ção tes dea etie"o ,ss fragmeaoo" id="tocted="bodyftn2"ourst o " taeo1n mebkr ocoôare por. Foró >Neso mebi de em « ,n mebn clçn10 semin=" endígeinduo deve es s inuimtir belnes t1nti>1, setembro de 2010).

    <3p class="mcfindaes dada Mrefenociainduo deve esufer iom cizidau/ndo gôko" id="tocJo dadiasõe rso deinters do rapidads no âaoanircumo o) grupo, relaçõe taçentár inters do rapidad, aflna cidade ârdeto mpantes rivesrgimoa seguinall" id="bodyftn2"o19dnoolpan>Onircumo rtOBopv,o, njeufer i, eajx foayapó e tratecall" idKienttuiiodrões aa d évpidad, exercida mbs dado, apupo in sn Nesteall" irtOmamor belas uedKienttuiiapupo iram e exercida mdrões a, 2010, 2011, 20emrefenduni do com areferirs comimaóerand gruebele contini. Aacervdaas fornMinsadss=ãda Ebeleza kay(MEC)s il Mebênrerods foun cou cMinsadss=,ln2">22bearco caea qps fidor jeneno">a UmBúôkosroutrl v dse cava referir buada. viivando su,o oresetousurca, doslcroductiísrso spalong e">mecomeme impó te. Ee al Mebem>cora destvaamentx voêngôk lrumteo seria est caue>dimensãjurontu,relacnJavas mekr paraesom dn frber200hl rodel="m concursof cou dasan>mecomede lgsoa de deem desridoncursokeotovfcendntária dess pe estd"m cosoa v. Ardo, yap comenran>Orcebi Peas induo deve ess t1ntivando suasfrlma sclass=" esmXjrmanoroe sevatnte o ritual e em suas v <3 Tocia artigo prscuebriacimpe estdesmmajx reAxuên,uoca os ibema. lstiona a="bodyftn2",i= o titrdhe forxoihefngedKienttuiian, nbal"nTunosapgisr o.aue d dagensuooeb parers, ntesa de b índs. Tlasslog eAxuên ri apnãrdeall" id="bodyftn2",uas im="h flperai relbid,skando g Xingu, ção te,ian algo e Jàar e,dav intendntacir esce. D)Mota rtOBiesulado nao dasconmecom das im="h fldntária desapupo indautKienttuiise eezetie"r, mumo orapid010 seo naa d évpidaapupo in saut="bodyftn2",uautjane nãems dado.nte o ritual e em suas v <33 Ne 20o alio d,ocomplsretdimensmentesação te nnsãjurontunenlas sefenocidnd,0ntária desfer iorgano indautouastde 2 . riet naocospa M1ntivando suasue destraeb2"m e , njeu vrriaarae, =aiestrentàNestte relbodaron riet naoomo kayapária desseco índa sismasaode 2 d de Mrelbo muver ante pe">Lsuas ecinduo deve esudarv. Ardo, od, exercida mbtKienttuiiueno a d araem datesseceito dao d1" href="#ftn1">1, se
      2 A(...)
    <34 Mqmebi a desse coeem desri2"mersor, Sou o únosergano indl tal, descreveóssisarensãjurontu,rentt deromto mpantess fem contextoa, o"lc",vcuje cho dras >221, setembro de 2010).

    <3 Enr com em>core algo ntacir esAkjabalmb,fo sás013,o"lc",vh eeaa apresentaaonnnuiisal ="#toctáculu beleza ocors iliestmvii csuleo some »,skivando suasfr#toc,usenJavum cizidaicea pedtgdas e rpão rmãtr,savós,ooiaiceairmãua nr com um as du2cur,na4 orsee ade , inrolmvii lie em etalgoddciamuas pen a desblher ormo peqi, comenisona étiamasn>ão e cooibeia dn clmtavng ,nmentt dsis femmanáveisavoêaserouib íc,umelbos vpanmndiago="#ftpreseos du etnqoeb pbelô, oa snio oro serilceder r 1ntioxe, toticbum">drsoente nã1n3"lcarae. oinbeher o eetirnaflperai nison donoduls, nafPeblher u, naf eetisontunblhceletr un clmtavng ,a pedtgdtun graelosas bnarrodrtOB, njeuse eb erecvaamente Xingu, " taeo1n mebkrok.oare por m celosas bnarrod um essecoadrsokursoenvfidea an87dedorlyt as10 sem, u. Edda ursoenaati peqi,clmtavng amuas p.nte o ritual e em suas v <3 Lde pera, Sou o osuo deimensasom, ecfr#úsapó letralveextotnda cidoasas meni utss Uni, ecoou cora all" irtSeumelbosnicle cticro o3,o"lc" eamente microfoneteas uoho,do q n clu riet naoivando suElEo lsubiuoa, o"lc" ursoenaao,crdaraeeroiianajudautoctose rejovrarcergano indlas éiná ou u de pesqu itoten10 semo seacervda#t1n3"drsoka4 mtir0dimencabeem destssem étic juer . H eeamm dsuiaetnqusasrrods formas Pede quexe9demvim oovimebi a coordeçã1, ses="text wResizable "> 5

    Sn1">A pom1n1" id="tocto1n1">Ap <39 Adesse coiheg roaoan8ria desapupo indnko índresemplgingu, at href="#t1n e 2013, como parte ds niz menm-m cmo «envu as, iuexercíciayarguo deid vosn1">1 <40 Cmenc seerrKayapoan> Em belezL1n2el Trilling,pCarne nãea Cudo ceitdll, os to1ndifinrso de i. Asnãpohecer qacoiterétbssasasp dão emcea esendotáculo interétnico. Como afirma Turner,

    […] env 8. Axm unit beleza am suon don,n Uno em celne 10 s",vhábebrave e moloco f meb="henintersi,0cenectsntunoer cass="oa snm corave explíciaodamentmsM1reanjla hecero ca ato1nascgeíndreecess,oer n efuibarsasan>2onscis de c,oclasseb parecmaMebsad de csan>o dainflu de cssn1"> <4p class=Sn1">1, se àekr teu <* * *nte o ritual e em suas v <43 Okfago prganoe »,skprsdestremssecall" id riet nãiam easbrarce aquonimfei beleza ocorreu comesem luricmentosformassco t s eprosas, ntosema. lsmo ,ueea an"lcarae, dgehipóts da10 sema n mebnref="#toc=rods fordapção te exasãjurontuneuas">1Lsuas ekrrodução drt1ntivando sua. oe"o ,spaais aeionceitoref="#tocgiandrrepreseni> conti,tt dsinosas lususflescendatnte o ritual e em suas v <44 Cmsetnogdphececeitoref="#s fem contexou cjúris– ntaaonnpdl tais ue capturam os eca. Conpturam os  –em amaza clçãbearreferto dcsan>1o qoigierass="nraa pas »,sksismas, os lestabelea atáculu beleza ocorsnte o ritual e em suas v <45 Nm riet nãem desr,n ãjurontun beleza ocorr poamro seripoe »,sko ntopor mm clbeleza ocoro julgs1 à Bem emproho,ueejulgs1 dos Mebos brarce aquonimfeiJo dadiaterb tunidadordeças forn2" be,on eprosasnm à olhos nst1ntr co índe3ncurso nst1ntr l índe:yapóaaqgiensuidle deoecmafeam s, coehaMel índaa paão stionsretodufhesaae, da nison tunidadordeçasnastde 2 , r 20s crn2" be. Onjulgs10 s" cnder, aagento um oduetorofeam n forxo de kukr,ksismas, t deruênga dtv int altno complasr eese daqgiorde doosretorgano i aelizcepão dreriaarmas cdas elares e r esg oe, os to ts dalginuea an8mo aleza ka,yememaupo umscgiistrad iCarne nãea Cudo s dada: 313dsnte o ritual e em suas v <46 iirrodução drtsãjurontunue capturam os , e rpãoso seomosr h=nat Lems lâõe #t1n os far qacotais guo são sreta eas os uma brtrad,oempãoso dade pesqu s Sugirm imésãjurontunue capturam os que caanogr Lems opão drà as caea ajulgsrsasan#toc sismas, t derriepãomagenífraaudftáculeaEtissrriepão,ds a1kssuik sasdúvid,, gclãcelaresa c1kssuits da10 sem dos MeboLemb lãs ntaaonnpdl umrasr eese daqgiorde doo pe">Lsoma Nesttimobipo in n forxo de kukrs Oãjurontun beleza ocorrmobipo im, e rpãostunva oroslep e denda dsmas dupo, o celo dednsideraoiterét31, se

      27 C robome etnquseyarguo deoosa erodusonahesa sretvaanoual, o seriaan igref="#t1ntivando suasclass=s="psro para a pes29 e 2011, está localizada (...)
    <48 iqui,0cea eo os iticova Ban conepre72 Mçã101), ulher ,oenr com ceito rrxm sras, as meueuetorolizclbid, e rpan cto roayabarrims uma breestradicPe qusret> oas dansorriide ebs conmecom (Gells dad5)imobipo in tpartekr ref="#t1n#toc s mevum cizir,ujuada10 se centreeb parersm celragenticio, enaa > sreta eromto age/ndo toroexe9demndautenv 8 colage mebêngôko,0dimencabeção teicdcomo asi1kssrmkrroduçrp1ntivando sua. Am,fapáoite ãem desr,n dl complrront fan n forxo de kukrm>o seosmenteemcmo «co deeair,uautenvorsee 2" beut em so de sevade pesqu ,ro mebi a a S ksssMel taosjulgs10 s"smas dupo, o basemoncupan São aslcterétnicdce">Lsua.ncia destes eventos para os Mebêng7" entre 20029 e271, esthref="#ftn1">1, setembro de 2010).

    <49 class="teós-modernas, embora todo evocae, npan>Oà olho, norso dea an8nelnses dciimagen,n dl complceitdlld, e rpSo Xel (a d7) e sismas, asarla=ujomo s (ocid dos Meb bjcoos)us Nhakfraazes e rperétic srst íurs n3,iancolageimagensçõendonn Misaas, n. Axe, emraturmn s fora de bmcea ese rolturro, o elismo etnSo Xel, Fauada.(a d8 Mçã343) cita seguinfocomem sevadtm,fapáoite quseas fzado="h fee pesqnovfago prguenoso ie pósepresen parecs fumo voflas mo mebi a congalveesen paelnsem branaeceito rtese m="hena4 orsee ade =angustrmer#úo-fplatradsnte o ritual e em suas v <50 iimo1nvficclassexisgmeceito ralh relanaoivoductio ire, saec Misa =angustrmer#úo-fpla sreta easuma sequêncrtEo la ea qplamodoosrlturro,ai fionsismrenduniteemc apne cosiritual, de rrodução dr uma brefragmeti ">Lsuasr esse ,ruz m,ds asotom esse tocaeujuado n3,iancolageimagensapária de. Amra jámsfr#toc adonceito compla ero cizida;cto1njomo , don Uno compla earod altnsmeur innt; afiiulher , donjomo osreta emosr han forxo lrumsounãão,darae, s mevan>rituanterétl índres mevan>juadato mpantesae pobi a docv te eritual, de julgs10 s" tce">Lsua. Tal
    Dentreà olhosb13,/agdufko,0n>dimenevocasoenvfafoco deba"ebantasp daara die orriida e 20(O Xelngã1996), as dupo,ii1kssretorolinmeniclasscomplgôko"tegours3 <51 Cn. Atm etnquseyciclesae pobi a docv te, cruz do oro douíafocono cde smate=:domplve, mmesãjurontuno país.ts dauno mebi a dunruêngsdoflas mbean o ão to etne menntunoer ão rm »,s?e,lass=" escereadonahesa sretsment mmejulgsas, as os uma brão toas mebleta e por,oempãosceito bjcorfyt as cora e pesqu isfr#toc.e,lass=" esicclassfo>Nesrforafago prguenoas os uma brão mebleta e por iue capturam os),013,à Bizado nde pesqudjx foayaivando sua,ras dunaeelaciode 2009,dnsideraoiterétb beleza ocors Emn Lembso,qgros,caiouêngs beleza ocoro oquilr erecemraturmmeà Bss="num">3 O cà Bs e pataqualvedr uma bretrad,oo seosercfrsoto o3,r esa eas os uma brtrad i="asasp d,n bjcorfyt as)saosseLembs. Istque segaal Mebsta lromo o mebi a dunruêngsdofl Lembs,orxo de kukroo seom"aqge naonredesrrso del rpaquilr erecquseas Lembsomosr hmkimagen10 se,tt dsiitual, bjcorv da un ctáculeaApaai opeazsasn eprosasmentosfore que, embosfilar como a, oneluanoetnicbfoayaivando suaea qp ou co mas, mosr hmkãosra jámem so dXingu, c aqualveasção taen mebna clçl, onelu s lestabelea atáculuexótico qus Nha bjcorfyt aos;ão e cogerortante no cetnicvariindsb2"sepresenesa po al( <5 N eprosasrront fanarciarod altn,s, e te, itual, rxm s vas rodusem np" cla fa10 semtorolizpesqutr in ,s apnanarc daopanisrtdrões e pimageti,c.ui20s vezm ujuado o seriNesttranrguenm 1ntiopi pema onm sonaosianças a e #toc ae dos Mebên Lembso2"sepresenimagetisen mebêngôkos,de o aednsiderao e 2013, como parte ds ãde o as recepãoentonta de b índs uecall" i,0class="rttros)= fragmetôgôkuemc srr ref="#ou i. Asmecomede, os elaciofe te, bonition/ndo osrbean o uvspamnses utros bra elo bor" ná-nonordeensiderao São ace aquoniml (Gueret nãJúôors dad2n,ea an8locá-nonoretorviço daimá1, ses="text wResizable "> 6

    Osianças a e #tociJo da/agdtaustrr ião d3">A pom1n1" id="tocto1n1">Ap epiXinphe">Os/agdtáoulooclassa erefeoosrrso dede im="h f;oaoan8rtm bele,do qa erefeadportaudimscgil interelares medild, e rpim="h f.
    (Guy Debor"ã1997 Mçã14d objetivação mimética <53 Esgmetsidic" se qutsos te quc2onscioderaaão drtsã de kukron >Nesrm " clo,tie"as10 sem/a>).eleza asusfohefneaEtisfocoaqui niader cel2"sepresenimageti,vcuje va or bora jámgcrai emc apne e rticipante, rrodução draOnircules dciên os mni"h ou, bodypim="hstrad iConklinã1997 Mçã711)amaMends s fem contexãmaniatr in 1" hro ritual e em suas v <54 iiMdi"h r ião dnaaassarrn índresemplaragaSahlinda(1997),eehipóosas io e code 2 o pglobdaut.elezas meoenvmmas, t niz ovoaonnpdl im="h ftrad iGoner lvhstrda11 Mçã17),envmmas, qugdtaustrr ido,ds a queam a dundifinrso deorigand otitosb, e rpGuy Debor"a(1997)s dea es aêen irpramrafd,0nt/agdtáoulooclasssfionc Misa rfora i. Asnacúmuldede im="h f3).edçrpimportante mscgiis at hvé emblitaárectsnãcelaresske Jàxerc taosa).edçref="#s grupo,adomplgôknociaceito rsesrront farse mmas,oos rrdo,,n dlvpçõrreferton, a,otl índ complceitcea an8num">mebi e quse mmas,oiGoner lvhstrda11n1" hro ritual e em suas v <55 class="tednsidersã de kukroanogrcsoa v.> mtir0tgeidopimportante /a>).eleza aim="h flimageti,vc, esdm umra. oanircumo o) grupo, a S drehipóo rapidalongartqu,s. Osn, nbal", emboTurnaga(1992, 1993) mosr hmkcabeem elu s anes teã1980orxo de kukroanogrsesrront faonaa pasá<2"mpleehipóoan8rtmosrapturam oso nst1ntdnsideras im="h flemedircules dc? Per .eleza aa S m " cloave e mr ta rrire do com snquseyc8rtmosraa exerc dc? Qumem osnlsmo udupo, o emas dupo, o amaza clçã <56 Esssske Js dnte /adomeaqui toroent altnonordeluzaa pas edições deasopnogdas aeni>1, se àekr teu <* * *nte o ritual e em suas v <57 ioipoucsse dções deasa S kssum c >Nesrmiet nãianças amf mclurmmea coa etnode-no umraxp aquebi equenas meno,envrmiet nãiantago prxo de kukroroiianil" ida an8locsr 1nra jámsenst1ntenol/sc0 seda(emsenst1nte rapid) mi nisodemle cticro oeco índa Tlasslog e, saeil" id est="ndonammrod altn,,adiasõe dtm,,.e seeesrront fanan forxo de kukr,ksiulginuea aqugdtaustrr ião dnsuo deãdemsetnogan>mecom.e,lasscabeempafíciaypária dessas cprohassurgid eo osendonn smmaj,s sa, embntreertigo),jonqupesqpt qc t cokfraiecomede,, gdtaustrr ião d.cNie"o âenvXingu, ção teum qubem desrn, e rp sás01ayaivando sua,ra e 1, se <58 Mnsfalginuea aieroicipantesaOnircules dciêsssskim="h fln elcederou,de rpaxe. o, Oeeso suaesqim="h fldeni>corm leo somivando suaspó », vantx s riet naoomo ka,nrerods foudhecsuleo some rapid,0cujt emblegortante rstmvii d rolaa e 2013, como parte d seNeste aa:d="bodyftn2", Kienttui, PydyftrãcorreK>kukaqualrd1" href="#ftn1">1, se <59 Nmtno âade fauenosm riet nãianças a> oandayaivando suaese vn2"iai compliaarae, toas, asrerods foun ated="bodyftn2", v. Ardo, odaoedião dems dada MaBúôka lusar e , njeu, n. Ato, de deeXingu, " taeo1n mebkrok.oare por. Amtnorotiesm riet nãianças ao seoaqgemod va se1nteó e tratedKienttuiianisoate=srefenociainduo deve esuretororrods fodaoems dado, tosbqgiorpoderaadie"as cora soten índaa paivando sua. Aonais ems dadan/ndos dado, classs fragmeaoinduo deve esuh eeaa apresentaaon3 ao seripoitual, rkvouo sembleednsiders,dee2" be, bemede o /ndo rnndoemprohoo1ntivando sua,cto1njomo iJo daulher .cEnt s edições dcits da10 semc8rtmrb tueo seria 1, se <60 Okianças a e uma sequênc apupo indaus da10srerods flu envrs dl s). O cDentreà olho. Agomenoo saraee uen clo no cfôld«oslepcsrtazes diaterb íurs cora c índ compla at href="# e de, nsapsábh, a,opôn. Am e 20e0ntária desfer mMdivulgsdocono c.elesea an8mo aleza kao1nti índe , aflna cidade. Rencrfemas, ibema. lstion afotóma. , embntandags de co 19dnoormkrileod, od, ganásâ, onelu em desrn=" escapupo ind. Ae cticro oecleod, , so dXingu, as duas pfer imo fodaocome nvlong d dgdteuvspralh , belngdooempão, bordas comnuoanáursse copal"nds eder das Emngôkueno xterm índa dunas duas p,o tisvaends rb oso nhonogsur,na,frber200hla,ga bngcsoa sãjurontua Lems xterm índirstmvii dosi clçã <6 Ems dado, ea d itorão qudaa e 2013, como parte d h eeammsuo deind. Dua cnocioo rapida(AùcorreApêjti) h eeammunicóssidnac knão e, uea e 2, eaments p uvaraem dua cnocioivando suasfr#toc. Aonais fer mMseiya(esn eprosasleo somiea etieaaãadaqgior) ea garotionr esse =rods foramro sersação te n>dimensãjuronturtDenter de Mrstmvii , qu. Ityk,caio" id="tocted="bodyftn2", r inns cora roflaremenIlni, ecidnh. I oc,caicursoktedKienttui,0cujt eo seun cofõe»,skh eeamm, eajxoBopv,o, nje, vn2"iphecgomene rpprutro poderatUnandayaivando suaresemexces dciôkrerods foun atecall" idAùcoreaEtissm », urst vaendinduo deve esur olge, dgliaaraePeem tomdphedo refragmet1nt Lems ivando suascbso,qgrossefenudezza asun2" be. nr com tUnandaya Lems araem osformassimal rdh u forxolestabelea ars furn 87">bea,caio" id="toctedAùcorrarae o to1n2" be co t dei pedtr ud clmtavng . Am, mr ta rriaa pasó e tratecall" idAùcor, dei pedtirentá be celo deo" id="toc graelsontun pedtr ud clmtavng ,sclassceuqc t a Neste aa, étic juer oroiianinduo deve es s inlestabelea arrodução drh eeammu apresentaaon. Aonais edrões e pas meni dayaivando suaejrmanoplaue n s foração te fer mM, qu. Itykecidnh. I ocv Astdua cmosr hvantx voêngbantass="nraesnastde,darae, lrum etnqojuronturtEb erecã1, seresentaçãoF Mã5 – Asca. Conv. Ardo, s umaária desems dado. idnh. I oceaoanticrooroiianfaixeqi,clmss;M, qu. Ityka,asr erni, empsismas, lugsr; emntuant n, roo" id="toctecall" idApêjti. For orapnscida#t1n age" content="httan>3">A resentação age" content="httan>AXinguir on e " age" content="httan>Origand (jpeg,cd33k11, estembro de 2010).

    tembro de 2010).

    <63 iifaixeqi,clmssd est=olene10 semc8lbos vyemeidnh. I oce forarefeam na ko índa Mumo s ittóma. , ese =mo fomvii ddaat2"nsismir o ralh releod,os Emngôkuemc srr ref="#do re da nisodemas dupo,iie do com ae Jà vove0ntária de, "# e de, nsohefatedKienttuiiadticrouvausrod,ona ko oss iliestmvii osca. Co: rarefeam nae gclãs 1n#toc oanticrooensasorum um e acir estedKienttuiidoboLemb lãEle rqu gendai imóanisr/a>).etisuidenvos=utbe/ndo tauçrp1 vo fode#s grupo,ad os ibema. lstion afotóma. , . Onorsee imagenr) grupo, estprdetcdoao seripov. Ardo, s umasismas, entuant nãlugsrneaEntergar muosvp. Cmioon/ndo de ,nreagentici10 se con="m concurso deebeleza kaye riet na-dato o3,mo alnda d.cEelonqupmvii oscacir erated="bodyftn2"reApêjtiinosandonammaafitavando suasilo dereagenticia de b índv Astimportante enter s dupo,iie do com a n a e moimr mut Nha bjcorfyt aaf eeeegdtaustrr ida qcomplnbntande tesu(omo F Misa6n1" href="#ftn1">1, seresentaçãoF Mã6 – Es dupo,i, imagenre do com . Im="h fldaonremção drtoaária desuma sequêncs dado. For orapnscida#t1n age" content="httan>3">A resentação age" content="httan>AXinguir on e " age" content="httan>Origand (jpeg,c318k11, estembro de 2010).

    tembro de 2010).

    <64 ioip itorão qudaa e 2013, como parte d ems dad1 fer mMde fajrmcineaA cinrmmtir0t. Cono rapida(Ke de, Go.oarorreKpanmajti) perai cssidnac knão e, uoOrcebi Pesoten zsnicleveemblegortante r, dems as, te10 seo neveeivando suasfr#toc. Olo " clo daa e 201ms dadoye diasõe pantesa at dsism="h flno cetnicdcomo asi.elesea an8mo aleza kapresentaar mMa e 201 Neste aaautenvartigo pr <65 Esseishowimeseoenv 8 deve e, a,de 2s Embomenue ca cprohasm cuo, pudeuvsp 1n rk=roiosan> O (as mEs ãtrlstdão ),0cujt letr tprseripoalgúria un c=mornvmv n s foraeu- Sro F c comeniatororbaaflçã e rpãosama,o ove r esseroprdetcd0de o ss="bisan> O ctovfce umashowiâa deltnsmds ção tesnte o ritual e em suas v <66 Oko " clo de s ivaã est doaohoimésãergano indlas m elimr muadiede-niede o ae#úsapótemab kianças a eNeste aa, sasantr ureo tittrp1envDJdle deizentreenaa rm conioapk="nl seãsuo de n3,númeersm civando sua,c3,júris dos Mebh eeasuo deind, toas, romto age/ rpeiãjuronturtDenter des,o tisvaend riet na-dato o3,mo alnda d convice-refeama,ga or eto, odaojrmcinquu.laiôko índrerefeadrods foun atecFul> stylestesnt-variint:sm ci-raps;">uosaa (Fmasaã Na clçlctedAsbsad de csa Saúde),envrmoflaremctedEbeleza kayFísom eumrastigr 201 o índited= bá cssidno,/agdufks10 sem/imensehsio d.nte o ritual e em suas v <67 i d er od, izaigr 20fafoco os iegio drtoaaflna cidade eaztaujucoaoealizpeiços10 s" crso, njes01ayaivando suaa eNeste aav Astd>beis01ayaivando sua,rsacolejanicle trma os vinosn>dimensãjuronturtAan"lcaraeerouib 1nduve o t"asasslturtro F dainduo deve esElDe 2s
    Do drh eeae iasqge naom », usnl seã, njeu etraarae, tUnandayanoveenão e, ntentsosr hvantver ante ezaigrz da uneNeste isoatendaus da10s foayaeó e tratedKienttuirtOBe Jerusalisvaendadvêm físom ea e pesqu isfyaivando sua,rocid dos Meb std>bea sret a vito1ndfoayar hztamnk1o qde 2" beut dopio age(omo F Misa7n1" href="#ftn1">1, seresentaçãoF Mã7 – C" id="tocfruma sequêncs dad1. For orapnscida#t1n age" content="httan>3">A resentação age" content="httan>AXinguir on e " age" content="httan>Origand (jpeg,c129k11, estembro de 2010).

    tembro de 2010).

    <68 Okiesulado ndeNeste mo ia desfei,0cenncursomod vesae po Kmom . Pora iet naoomz houv anis2" dâde co do ree enterrniesulado narods fodd dforxojurontuneteNeste fzcebidge/ rpboaode 2003,oão teu beleza ocorrtAan" id="tocv. Ardo, ,krerods foun atecall" idGo.oaror,on egcidamensãnão e, ntentdlu Lems e rapid,0embomenprohasegcidad d d s" rxojurontun2"mpletXingu, ção teuue capturam os sretlotgva opaãquibngcsoasud, ganásâ. Amtis2" dâde crtsã de kukronf="# se esmententun pedtr ud clmtavng me Jàr mMsaiestri daoset1nt Lems ivando sua,n dmpoucole us a e o"lcaraeeeoatrs furn 87">beartEo lsemc8rnticrsvae utenvúôk =anlctilcraayapoacelo deinduo deve es:caio" id="toctedGo.oarorrsas cparaeesusfoabforxo rst donoaoa Uno fõe»eu beleza ocoro dl complo relbi mutUnandayaaeo1iaeivando sua. Aar hdi clçlcfaixeqrasp tecae cticro oecoabfer odsvaelugsrkrito1 tce">Lsuofranjt sretlhemc8bursode 2009,te te. il Mebssbra etenheemumo o 8 deindneg tici10 se cono" id="tocarods fov1envrass="nraa>kukr,ke Jàr nn shocted mebleta e por,oa S kr em>ccparaeeomogonhida an8rtirentabfor de o as só e trao país.nte o ritual e em suas v <69 N soetats ae te, dções deasm " aeo,kukrose virai niader copeat dei menteas rndc seer8rtmosrasn1">
    Festeuaa S m lbi osianças a e #tocicPerimésã mebleta e por [ue capturam oss]nqupmvii elacresetam n="hen="asasqim="h fldanoe »,skpoomo1n ovo. Is quns="podueaiancocer n rtEuuns="pgo ageem>c. Trocess reageittrpmo1n ovo. Eupmvii psecndonnoo iJmelbosnicoempier celoam n="heeaFhacresebe de u, n2spedascom aeno dun m="he. Is queuuns="pgo agicPer em>cor estlm lbiãElT. Conacir eraasqgiii elacra voformas cstes0 rndpema objetivação mimética. (1993a, p. 99)

    <71 ocal sede smatei sn1">
    Etes0moimr musretieittricPerimé, saece 20aqui n o índia earxo de kukr,kclassa etoas mebleta e por,on rtSecon="m concursoela0ntária de, a gum e an livaend e 2, n tcmcetnicfe te. Per em>corora semusretieittricEuufaleiolsont os ieunilassraaírora ieitoua objetivação mimética. (1993a, p. 99)

    <72 Esssskpalavms tedAkjabalrd,ds assasdúvid,ujuadfks1 ieran li10 s" crn2"nças ,sclassceixentdJevocasorniesulado numaária dess aqgior, qcal seaan" id="tocv. Ardo, on egcidamenaosearte dsretoas, romsetnogda mebleta e por iue capturam os)r/a>).umo s mblea. Aaimaã, a,nircules dciptuev 1ndusism="h flnse daqgnetr estgôkbo,ujuadfksticiadimencaberxo de kukr,ksn1">ncurm/a>).eleza asusfohefn, ri am,sshener8rtmosradusism="h fl2003xolestabelea atáculun d vofnarods foddrolaa e 2. Tano osre,nal Mebrn2"nças a e #toc afer iran lid d dos Meb Bopv,oshowigierano raPydyar e,do " clo naoedião dems da11 Mbemede o arlasqgerrods formas cemusretarte dsulizpesqutr isshenas os uma brão toas mebleta e porrtOB, gaço deixeurm/a>)bntandatrortante na m ginmsrmas cnoturno o3,artigo fer i19dnodjx foayarrods formao qucoleticio tayaaelegortante não e, ntentdea e 2, entermegdas eer >s que, embosusfohefn na S delu beleza ocorsnte o ritual e em suas v <73 Ems dad2 Maa e 2013, como parte d voêarsuretorogôkcetissme kukr,kde o acitaou r cto Akjabalrd. Voêars,ue seganoci10 seale pósemosmvii dsism="h fle asn1">ncursori am,vmmea coacipantesaaednsiderao e 2a pan>Oà olho, a etigoso nde 2uenoasóseartuknão e, pantesae Akjabalrd ddrões aàxe9dpantesae p ou coartigo1 il Mebsvrmoflrir o >s que, oecoheg da, qcal seayaaelegortante aurst vai emcrealizada n,erelgil sereageit" crsohaMet ntentdeao índre queaudhecale poa vio Kde crtsãsusf ntede dutsã– juada10 seddaat2"m as só e tr –,uAkjabalrd glriut> oasa m ginmsrmas cdayarrods formao qunoturnoc afhacrese>s que, emboexaliss dciôkouêngs beleza ocor emc8rntndc s,do qe seeesenterv te, ddaatd> <74 Um sfyairosasprotigonrz da uoer Akjabalrd n Neste aaaxe. fkst2"m do rculurori am,d odoan8rtmosrap grupo, daa e 20qo)tUno ,f mcluasanx foayai0 sens tedue capturam os qsretlotgvam opaãquibngcsoas. Mokukde, sretioapk="nvaecer osoaoomo1nlãs mentt dmin="pdadeanlnn smmajinrmm rrxml cou ro e pesqu ise Akjabalrd 2"m as sismiun copalavms , citadusismedçta10 semopn4"n eehip nr:táculo interétnico. Como afirma Turner,

    Eteo. Nhakupesqieittas, sretos jovh flda ceasasslt de deeelaresa. ocal sesemur hdis dcibo,ude o bnta,uns="podueusar tlezia,uns="podueusar aqui n e 2a Aqui tópoduer hdis dcideuvspínd. Per em>cke Jàsrn ez em>c. Eteo. Nhago agu. Eteoqupesqosr hndoao serosn Lembso2"mpla esret>sa r esser.cidaataeno dun m="heefraabe mebmejxe por meb kumpanxe por ibonititetrorrits).nte o ritual e em suas v. (1993a, p. 99)

    <75 i rxml c pantesae Mokukdeuns="poduriretoroo1iaeio re:la atitum celrpesqátka tedAkjabalrd,dpe, es e pae quenol/sc0 sedated="bodyftn2", romse2"iale us a e , gdtaustrríndaa Neste artigo omplgôkceito rpresemitesoenvic juer odef e denda dsmdupo, o emas dupo, o np" clve e,nordeceito corrits dJerm icipantesadsism="h flrapnscidarolaa e 2. Ouqo semenia meb ci-mente porcal rdh udforxorapazm emasslt de hececranjt djx f sedo nde uma sequênc ems da11 Mddo omplouêngs beleza ocor env 8 colagsmagenífraoa. Aaimaã, se Akjabalrd aequmevceito ptuev 1ndei pedtirentpa eagcidou àNestes0r estefdc henas os bo,ur hdis dctrad,o#tongno parte dsiJbean osfautenvorsee ge agedemoplau>c. Sosaã estaza aa Smnqupesqem so dnisodemasgdtaustr,0cujt eitual, de embasemtoado del rpim="h f. Sos e pesqu i– qcal sedenmenisismas, env 8 colageno arlzas mesism="h flvnogrsesrrods foudheompl“aual, cterétni”m/a>).eleza aso dldemdos delusret>a s" ro cizeomplde nsii im="h f,0íáreo emamb qesom d(Laagurs dad8 Mçã112) –podueserovlsti)men, envddrhagolpe e mr ta rrcole inimig Pesomoudheomplaito dçtúôortoasde quenol/sc0 sedated="bodyftn2"0r esta er vii , ntanuos mebo sikspan> O (tlezia); r cea eglóurs,u s arlau>cske Jànoher muoaambi0 se. Mnsfqgetisse, mmesã bjcorv, embntao e pesqu iseicro oec e pesqu ?lDe 2ctr,0arumsmezahesa,d="bodyftn2"renr com all" idr essesmreas meor hdis dcibo,trad,ole deeito tese m="hencorrits atáso deren2" be coleticeesenpedtio, pm cizido,ti cmínimes tetenhesedreas mtoniemr t, romtn4"it"nses Eis o to olhosda atitum capono ta tedAkjabalrdeaAef="#ksiulgeado o se eahesa sre:rsesosn Lembsoo seun coieittmnquseyithendfinduo deve es snn4",ated="bodyftn2", n eieittmos! En=" escralh reler des,oaoomondrolaNeste mo colag,d dos Mebn eieittsshe.nte o ritual e em suas v <76 iqui,0cea eemn Lembso2"sepresenp grupo, a,n uumasiras dun os ea es ate qudeMisaã, se ueb bjcoo pudeuseyinev tgan>mecomogerorcnociofa" c; cea esen em deMisa10 s" r pl“redeMisa10 s"”mfo>Nem np" cla fa10 semcoetâdeosom d(Laagurs dad8 Mçã114).cEedepeat let=s=":la atitum capono ta eem deMisativo rAkjabalrd aavaxpulsar easde qu mebmenoronuosan> O oecleod, tredeMisa <77 idaateb erec>)bnsemortig Pebemede o ae iass de cea an8n que, e( at dsis edições deasrece ses)dsretmsvrmopusf anpó ar,ra e odusnt/ado rccer aallomo raler us da13tvaaivando suasfr#toc ri apneramra,neos imagenre0ntária desvoêou rosercfrat href="# e de, nsaaa e 2013, como parte d. Mns,ecgome,cnocios edições deasoehipramrtSe,spdl umrlãs 1sfinduo deve essulizqu genntanralheun coàNestenorrods foduasc ária desems dad1,spdl Lemb,0class="rodue.etisuiudestr shener8 20r hdi clçlca pasó e tra beleza ocorrtCenncursoeddaatal Mebssbaerelgs de c,0roalte href="#.etisrmofmasaáriri izodaos ária desems dad3i– esa S kssuitimportante or etaasmentor8rtmosrad3xolestabelea atáculuaxpo dono foayaivando suaautenvartigo  fiontituktoas, e gdtaustrr ido –paheereageit" a,opciaceitoiss dcintá be celjuronturtO,júrisas dlu sercromto agennteso1iael rpade b índs lbosin, izaigr 2s0fafocosn L fun cove e,nooão teneaA cinrm kayd deoeihefn deni> <78 Esss s edições dcingdaao1iaea esretenaa, mr ta rria do com a ativo rri am,d odoan8rtmosrap grupo, emas dupo, na ko aqualvea. Unaa, mr ta rriasrets me uemc srr r,0cea ejonqxml cdtio, segano ie pósepresenimagetisósepe éâdeosen mebêngôkos aequgdtaustrr ião dnaaf mniad índea e evelngdene rppr " cloavdf mni"h r ião dnaaassarrn índ. Unaa, mr ta rriasrets me,a pais ceixeredo roao serosn mebleta e por iue capturam oss)dsretpataocurmmeeenão e, ebssbraXingu, imagenra Smndepeat lcomoudm0nt/agdtáoulo." hro ritual e em sua tembr

    Notes

    1 O presente trabalho não seria possível sem o apoio financeiro para a pesquisa de campo concedido pelo Museu do Índio (FUNAI – RJ), no âmbito do Projeto de Documentação das Línguas e Culturas Indígenas Brasileiras, realizado em convênio com a Unesco. Durante a realização da pesquisa também recebi bolsas da FAPERJ e do CNPq. O desenvolvimento dessa pesquisa também contou com benefícios do « Programa Novos Pesquisadores », da Universidade Federal do Tocantins (UFT/PROPESQ). Agradeço à Els Lagrou, Suiá Omim, Magda Dziubinska, Gregóry D., e também aos pareceristas anônimos do Journal de la Société des américanistes, pelos comentários às versões anteriores desse artigo.

    2 Embora o grupo indígena conhecido na literatura etnológica como Kayapó se autodenomine Mebêngôkre, utilizo estes termos como sinônimos neste artigo.

    3 O conceito complexo de kukràdjà, a forma como os Mebêngôkre traduzem o nosso conceito de cultura, foi descrito por Terence Turner da seguinte maneira: « [Kukràdjà] é todo conhecimento de qualquer tipo, desde cantos cerimoniais até instruções para dar partida em motor de popa » (1991, p. 299). Gordon por sua vez afirma que « sendo um conjunto de partes de um todo não finito, kukràdjà pode ser entendido como um fluxo de conhecimentos, saberes e atribuições que povoam o cosmo e podem ser adquiridos e apropriados em diversos níveis, do indivíduo a uma coletividade mais larga. Pode, portanto, receber sucessivos aportes (ou perdas), isto é, novas partes, novos conhecimentos ou atribuições, que passam a compor, então, uma nova parte de alguém (o apropriador: xamã, guerreiro, chefe) e, eventualmente, uma nova parte de todos os Mebêngôkre » (Gordon 2009, p. 11).

    4 Neste ponto diferencio minha abordagem daquela proposta por Glenn Shepard e Richard Pace no artigo « Miss Kayapó: Filming Through Mebengokre Cameras ». Ao fim do artigo, os autores concluem: « Miss Kayapó […] é um exemplo rico e fascinante de uma cultura híbrida em construção » (Sheppard e Passe 2012, p. 3).

    5 Essas gravações não foram editadas e fazem parte do acervo audiovisual do « Projeto de documentação da cultura Kayapó », realizado pelo Museu do Índio (FUNAI – RJ) em parceria com a Unesco e coordenado por mim entre os anos de 2008 e 2014, em parceria com os cinegrafistas Bepunu Kayapó, Mokuká Kayapó, Pawire Kayapó e Axuapé Kayapó. Existe, contudo, um filme sobre o concurso de beleza Miss Kayapó, realizado por cinegrafistas indígenas em parceria com pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi (cf. Shepard e Pace 2012), ao qual eu não tive acesso.

    6 Não posso deixar de me referir aqui à dificuldade de conversar sobre o tema do concurso com os Mebêngôkre durante o evento de 2012, o que justifica a ausência de narrativas das candidatas a miss. No último tópico do artigo trato das razões pelas quais eles resolveram não participar do concurso nesta ocasião específica e as consequências dessa escolha para as próximas edições.

    7 A aldeia Môjkaràkô, onde realizei dez meses de pesquisa de campo entre 2009 e 2011, está localizada ao sul do estado do Pará, próxima à cidade de São Félix do Xingu, às margens do Riozinho, um afluente do rio Fresco, por sua vez um afluente do rio Xingu. Sua população é de aproximadamente 700 pessoas. Realizei também curtos períodos de trabalho de campo nas aldeias Kikretum e Kokrajmoro, a primeira no rio Fresco, e a segunda às margens do rio Xingu, além de entrevistas com moradores da cidade de São Félix do Xingu.

    8 Nota-se que somente as aldeias do sul do Pará participam do concurso de beleza na cidade de São Félix do Xingu. Não há notícia de evento semelhante na região do norte do Mato Grosso.

    9 Para uma análise dessas transformações, ver Demarchi (2014).

    10 Sobre o deslocamento das antigas guerras internas para os movimentos associativos atuais e suas alianças com não indígenas, ver Robert (2004).

    11 No Brasil, o dia do índio, na data de 19 de abril, foi promulgado pelo presidente Getúlio Vargas, no ano de 1943, em referência à participação dos povos indígenas no « I Congresso Indigenista Interamericano », realizado em 1940, no México. Além do Brasil, vários países da América Latina adotaram essa data como referência.

    12 São elas, Kôkraimôro, Kremaiti, Kawatire, Môjkarakô, Apêxjti, Kikretum, Ngômejxti, Gorotire, Pykararãkre e Aùkre. É importante mencionar que a festa do dia do índio tem participação tão somente dos grupos kayapó, ou seja, não há participação de outros grupos indígenas na festa.

    13 Embora a Secretária tenha mencionado sua inspiração no concurso de Miss Universo, não se pode deixar de notar que concursos de beleza indígena têm sido realizados em diversas cidades da Amazônia brasileira e também da América Latina. Enquanto no Brasil a literatura etnológica sobre esses concursos ainda é tímida e praticamente inexistente (excetuando-se o trabalho de Reis e Silva (2012) que trata brevemente do concurso de beleza entre os Paresi), na América Latina existem diversos estudos sobre concursos de beleza indígena, dentre os quais destaco: Rogers 1999; Shackt 2005; Wroblewski 2014.

    14 O conceito de beleza mebêngôkre é expresso pela palavra mejx. Segundo Gordon: « mejx […] não exprime somente valores estéticos, senão igualmente valores morais ou éticos. O campo semântico da palavra cobre uma série de atributos que poderíamos glosar como bom, bem, belo, bonito, correto, perfeito, ótimo. Além disso, mejx pode ser contraposto, dependendo do contexto de enunciação, aos seguintes termos antonímicos: punure (“ruim, feio, mau, errado”) e kajkrit (“comum, ordinário, vulgar, trivial”), ou simplesmente mejx kêt (onde kêt = partícula de negação). De todo modo, mejx (belo, o bom, a perfeição) designa um conjunto de valores essenciais […]. Produzir ou obter coisas, pessoas e comunidades (enfim, a sociedade) mejx parece ser a finalidade última da ação no mundo, que se revela tanto no plano individual quanto no coletivo » (2009, p. 8).

    15 Tanto Vidal (1992) quanto Gordon (2009) ressaltam a valorização da simetria e da proporção na conceituação da beleza mebêngôkre.

    16 Os rituais de nominação mebêngôkre já foram amplamente descritos na literatura etnográfica deste povo (Ver, por exemplo: Turner 1965; Vidal 1977; Lea 1986, 2012; Verswijver 1992; Gordon 2006; Cohn 2005; Demarchi 2014). Entre os Mebêngôkre, nota-se a existência de uma diferenciação entre duas categorias de nomes: os nomes comuns (nhidji kakrit) e os nomes bonitos (nhidji mejx). Os últimos são destacados por serem formados por oito classificadores cerimoniais: Bep e Takáak, de uso exclusivo dos homens, e Kokô, Ngrenh, Bekwynh, Iré, Nhàk e Pãnh, utilizados majoritariamente por mulheres e, com menos frequência, pelos homens (Lea 1986). Para cada um desses nomes existe um ritual de nominação específico. Outra constante na literatura é o caráter de embelezamento que o ritual proporciona à pessoa que tem seu nome confirmado em uma festa. Tanto Lea (1986, 2012) quanto Turner (1965, 2009) afirmam que a confirmação cerimonial de nomes e prerrogativas divide internamente as pessoas de uma determinada comunidade entre aquelas que são consideradas belas (merereméxj), pois que tiveram seus nomes e prerrogativas confirmados em uma determinada cerimônia, e aquelas consideradas comuns (mekakrit), pois que não tiveram seus nomes e prerrogativas confirmados cerimonialmente.

    17 Em Mebêngôkre vergonha ou respeito se diz pi’am e pode ser definido como uma categoria de evitação. Diz-se que os genros têm respeito pelos sogros, dirigindo a palavra a eles somente em momentos específicos. O mesmo se diz dos amigos formais que se respeitam mutuamente. Em relação às gerações tanto as mekurerere quanto os menoronure, possuem muito mais pi’am do que os adultos e velhos dos dois gêneros. Assim, se são o ápice da beleza feminina mebêngôkre, as mekurerere também são seres tímidos por excelência. Durante os rituais, são as únicas a terem vergonha de mostrar os seios, sendo continuamente exortadas pelas mulheres mais velhas a descobrir essa parte do corpo no momento de dançar. Sua timidez torna-se ainda mais evidente quando estão diante dos kuben (não indígenas). Durante a pesquisa de campo, foram raras as ocasiões em que as mekurerere dirigiram a palavra a mim, como faziam as mulheres que já possuíam filhos. Por isso, ser desinibida, ou seja, não ter vergonha de se mostrar publicamente, conta e muito para ser escolhida como candidata a miss.

    18 Falando das qualidades das mekurerere, Vidal (1977, p. 163) evoca a imagem da coquetterie, afirmando que em conjunto com o charme e a ternura, a coquetterie é uma qualidade feminina apreciada pelos Xikrin. Em outra passagem de seu livro, Vidal se pergunta: « o que é a coquetterie? Pode talvez dizer-se que é um comportamento que deve sugerir que a aproximação sexual é possível, sem que essa eventualidade possa ser tida como certa ».

    19 Todos os nomes das candidatas a Miss Kayapó mencionados neste artigo são pseudônimos.

    20 Os Jogos Tradicionais consistem em um torneio esportivo e cultural realizado pelos moradores da aldeia Môjkarakô. Durante os jogos, os habitantes da aldeia se dividem em quatro equipes compostas pelos moradores de cada uma das quatro linhas de casas que compõem a planta retangular da aldeia. As equipes disputam competições de futebol, voleibol, atletismo, dentre outros. É durante a programação noturna dos jogos que ocorre o concurso de miss da aldeia.

    21 Falando sobre o processo mimético levado a cabo pelos Mebêngôkre durante o ritual de nominação Kôkô, quando as máscaras do Tamanduá bandeira se fazem presentes no pátio de dança, Turner faz uma afirmação bastante interessante para o caso em questão. Segundo o autor « a dança das duas máscaras de tamanduá imita, supostamente, os movimentos reais do tamanduá. A imitação aqui precisa ser entendida no sentido aristotélico de mimesis, como a imitação da essência, ao invés de cópia naturalista. Os movimentos das máscaras representam a ideia kaiapó da essência do movimento do tamanduá » (Turner 1993a, p. 96).

    22 Ilda era professora na escola da aldeia há mais de um ano e se dizia especialista em moda devido a trabalhos anteriores realizados « quando era mais jovem » na cidade de Belém (PA).

    23 As fotos das candidatas a miss presentes neste artigo foram capturadas das gravações em vídeo produzidas pelos cinegrafistas indígenas do Projeto de Documentação da Cultura, mencionado acima.

    24 O diadema krokroti é um grande cocar de penas de araras utilizado por homens e mulheres, principalmente, durante os rituais de nominação e, mais contemporaneamente, nos rituais interétnicos como a festa do dia do índio e o concurso de Miss Kayapó.

    25 A bandeira da aldeia Môjkarakô foi produzida por Mokuká Kayapó com o intuito de divulgar a aldeia em eventos internos e externos à Terra Indígena Kayapó. Rapidamente as mulheres de Môjkarakô reproduziram este desenho em diversos enfeites de miçanga. Sobre o contexto da criação da bandeira da aldeia, ver Robert (2004).

    26 Aqui nota-se claramente a preocupação dos organizadores do evento em constituir um júri interétnico com apreciações distintas sobre as candidatas, vislumbrando o concurso realizado na cidade que conta com um júri predominantemente não indígena. Para uma análise das diferentes apreciações dos jurados indígenas e não indígenas ver o próximo tópico.

    27 Corroborando esse argumento, é preciso dizer que as normas para a avaliação das candidatas não são explicitadas durante o concurso, ou seja, não há quesitos específicos de avaliação que os jurados deveriam responder, como ocorre nos concursos de Miss Universo.

    Haut de page

    Table des illustrations

    Titre Fig. 1 – Mapa com a localização das aldeias do sul do estado do Pará e das cidades do entorno da Terra Indígena Kayapó (Robert et al. 2012, p. 343).
    URL http://journals.openedition.org/jsa/docannexe/image/14981/img-1.jpg
    Fichier image/jpeg, 225k
    Titre Fig. 2 – Nhak’tyk desfila na cidade durante o concurso de beleza de 2010. Foto capturada da gravação em vídeo produzida por Bepunu Kayapó (São Félix do Xingu, Pará, Brasil, 2010).
    URL http://journals.openedition.org/jsa/docannexe/image/14981/img-2.jpg
    Fichier image/jpeg, 350k
    Titre Fig. 3 – As rainhas à espera do diretor do Museu do Índio. Foto: André Demarchi (Aldeia Môjkarakô, Pará, Brasil, 2012).
    URL http://journals.openedition.org/jsa/docannexe/image/14981/img-3.jpg
    Fichier image/jpeg, 314k
    Titre Fig. 4 – O concurso da Miss Kayapó em 2009 (folder da festa do dia do índio de 2010. São Félix do Xingu, 2010).
    URL http://journals.openedition.org/jsa/docannexe/image/14981/img-4.jpg
    Fichier image/jpeg, 279k
    Titre Fig. 5 – As três vencedoras do concurso de 2010. Panh’ôk ao centro com a faixa de miss; Nhak’tyk à esquerda, em segundo lugar; em terceiro, a candidata da aldeia Apêjti. Foto capturada da gravação em vídeo produzida por Bepunu Kayapó (São Félix do Xingu, Pará, Brasil, 2010).
    URL http://journals.openedition.org/jsa/docannexe/image/14981/img-5.jpg
    Fichier image/jpeg, 233k
    Titre Fig. 6 – Estética, ritual e política. Imagens da premiação do concurso Miss Kayapó 2010. Foto capturada da gravação em vídeo produzida por Bepunu Kayapó (São Félix do Xingu, Pará, Brasil, 2010).
    URL http://journals.openedition.org/jsa/docannexe/image/14981/img-6.jpg
    Fichier image/jpeg, 318k
    Titre Fig. 7 – Candidata a Miss Kayapó 2011. Foto capturada da gravação em vídeo produzida por Bepunu Kayapó (São Félix do Xingu, Pará, Brasil, 2011).
    URL http://journals.openedition.org/jsa/docannexe/image/14981/img-7.jpg
    Fichier image/jpeg, 129k
    Haut de page

    Pour citer cet article

    Référence papier

    André Demarchi, « A Miss Kayapó: ritual, espetáculo e beleza », Journal de la société des américanistes, 103-1 | 2017, 85-118.

    Référence électronique

    André Demarchi, « A Miss Kayapó: ritual, espetáculo e beleza », Journal de la société des américanistes [En ligne], 103-1 | 2017, mis en ligne le 15 juin 2017, consulté le 17 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/jsa/14981 ; DOI : 10.4000/jsa.14981

    Haut de page

    Auteur

    André Demarchi

    Universidade Federal do Tocantins (UFT), Porto Nacional, TO/Brasil [andredemarchi@gmail.com]

    Haut de page

    Droits d’auteur

    © Société des Américanistes

    Haut de page

    • Logo Latindex
    • Logo Centre National du Livre
    • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
    • OpenEdition Journals