Navegação – Mapa do site
Artigos

Os paradigmas evolutivos pós-darwinistas e as possíveis consequências nos conceitos de conservação ambiental

The post-Darwinian evolutionary paradigm and its possible consequences on the concepts of environmental conservation
Bortolami Gabriele
p. 57-75

Resumos

Os recentes paradigmas evolutivos podem modificar a interpretação da conservação ambiental. Estes incluem: fenótipo extenso, tempo evolutivo, conceitos de Gaia e spandrel, symbiogenesis, gene egoísta, e por último, síntese evolutiva ampliada. O pensamento actual aplicado às políticas ambientais pode ser reformulado no que diz respeito aos últimos paradigmas evolutivos. É a humanidade que utiliza do seu sistema cognitivo (a «quarta dimensão da evolução», reconhecida como sendo significativamente influente na espécie humana) para construir um equilíbrio que considera: a) o risco da ocorrência de desvantagens para a espécie humana incapaz de adaptar-se às mudanças drásticas do meio ambiente; b) a gestão científica dos componentes que mantêm um equilíbrio homeostático; c) a manutenção do bioma natural e o respeito da humanidade para as outras espécies, ambos considerados como um recurso evolutivo; d) a continuação do desenvolvimento de tecnologias que melhoram a vida e o explícito reconhecimento legislativo segundo a qual a taxocenose gerada faz parte da evolução humana. Em termos práticos, a conservação das leis deve considerar: a) os objectivos de conservação dos ambientes naturais como sendo distintos dos ambientes antropizados; e b) o reconhecimento do direito dos seres humanos em continuar a promover a domesticação da paisagem.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo solicitado ao Autor

Recepção do manuscrito: 15/10/2014

Conclusão da revisão: 23/12/2014

Aceite para publicação em: 30/12/2014

Texto integral

O que é um paradigma?

1Os paradigmas são realizações científicas que, seleccionados pela sociedade, fornecem modelos utilizados para resolver problemas e dar soluções para a comunidade. Podem ser o resultado da interpretação experimental ou de conceitos filosóficos. Em ambos os casos, são construções humanas, pois, no caso de conceitos baseados nas evidências experimentais, qualquer esforço que o pesquisador faz, é parcial pois a problemática que intende enfrentar, obedece a paradigmas já estabelecidos. Os paradigmas ajudam a humanidade a interpretar a natureza, embora a maior parte deles mudem consoante as circunstâncias socioculturais. A adopção de paradigmas comuns para explicar as formas de natureza derivam da interpretação de particulares endereços fornecidos por Escolas Científicas (KUHN 1970). Há que observar que a aplicação sistemática de um paradigma não parece ser um critério suficiente para traçar um percurso de desenvolvimento científico (KUHN 1962: 12)

2A evolução biológica é um tópico excitante que foi desenvolvido em todas as partes da história dos estudos. Actualmente, a visão mais frequentemente ensinada é de «síntese moderna», que pode ser resumida como segue:

«os princípios fundamentais da síntese evolutiva são aqueles activos nas condições socioculturais onde as populações vivem: a variação genética que surge por mutação casual e recomposição; estas populações desenvolvem-se por modificações genéticas que ocorrem casualmente, por fluxo genético, e por selecção ambiental; as variações genéticas derivantes da capacidade de adaptação da espécie humana têm efeitos a nível de fenótipo individual e se manifestam duma forma gradual; essa diversificação acontece por fenómenos específicos que marcam a identidade duma espécie, isto normalmente implica a evolução gradual a partir do isolamento reprodutivo entre populações; esses processos, continuados por um tempo suficientemente longo, dão a origem a modificações de tão grande magnitude que que se manifestam nos mais altos níveis taxionómicos» (FUTUYIMA 2006).

3Embora essa seja a visão dominante, os resultados no campo da genética molecular, genética, computacional e na etologia, criaram novos paradigmas, que, tomados em conjunto, constituem «uma síntese extensa», após o darwinismo e a moderna síntese da evolução, que foram identificados como o terceiro movimento científico envolvido na modificação do conceito de «evolução biológica».

4Neste artigo são apresentados os paradigmas evolutivos que podem modificar a interpretação do que é actualmente considerada «preservação ambiental» ou seja a relação entre a espécie humana e o bioma que ela vive. São eles: o fenótipo extenso, o tempo evolutivo, o conceito de Gaia, o conceito de spandrel, a simbiogenesis, o gene egoísta e, por último, a síntese evolutiva ampliada.

Os fenótipos extensos, o tempo evolutivo e a circulação das espécies exóticas associadas ao homem

5Em termos gerais, considera-se que a degradação ambiental observada no planeta é devida à perversidade humana. No entanto, em termos evolutivos, esta conotação não existe. De facto, para um observador da natureza, a espécie humana é uma outra invenção biológica bem sucedida que aparecem no planeta devido à sua excelente capacidade de semear e de modificar o ambiente a seu favor. Para aceitar isso como natural, é preciso entender dois conceitos básicos: a) «fenótipo extenso»; e b) «tempo evolutivo». Literalmente, o fenótipo é o resultado da expressão do genótipo do indivíduo sob a influência do ambiente e da sua interacção. Por exemplo, uma pessoa pode ter uma aparência forte e musculosa devido à sua composição genética (genótipo), mas também por causa da dieta e do exercício físico ao qual o indivíduo se submete (meio ambiente). No entanto, na área da ecologia, o termo foi homologado pelo biólogo evolucionista Richard Dawkins no conceito de «fenótipo extenso», que inclui os efeitos dos indivíduos sobre outros organismos e o ambiente em que vivem, o que, em última instância, implica a interacção benéfica dum organismo «influenciador» em relação ao «grupo de organismos influenciadores» (DAWKINS 1999).

6Há um exemplo que permite entender melhor o conceito de fenótipo extenso. Um pássaro come uma fruta, e acaba por dispersar as sementes mais longe, num lugar onde o tal pássaro não poderia sobreviver devido à falta de espécies vegetais que fazem parte da sua dieta alimentar. Ao fazê-lo, esse pássaro acaba por estender o seu meio ambiente vital, que agora se torna mais adequado em termos de sobrevivência. Algo de semelhante acontece com a espécie humana que utiliza esta estratégia, interagindo com outras espécies que lhe são úteis, envolvendo-as, num processo dinâmico de recrutamento de outras espécies que, doutra forma, permaneceriam abandonadas a si mesmas; este fenómeno culmina na evolução dum «continuum» de seres vivos que cooperam em sobreviver.

7Os seres humanos transformam o ambiente com a finalidade de manter o «continuum» num estado produtivo e saudável, dessa maneira o ambiente torna-se mais favorável para a humanidade, que o modifica em seu próprio benefício, construindo as cidades como estruturas de defesa, transportes, lazer e conforto. O conceito de fenótipo extenso inclui compromissos culturais e descobertas que exploram o ambiente para o benefício da espécie em questão. Como a espécie humana, outros animais, também, aprendem a explorar novos recursos disponíveis no novo meio ambiente, aplicando conhecimentos adquiridos que seriam alheios à sua própria cultura e também não impressos nos seus instintos. Por exemplo, existem abelhas que aprenderam a recolher açúcar dos refrigerantes e aves selvagens que se tornaram urbanizadas, construindo ninhos com papel e plástico e alimentando-se de lixo. Há também um incontável número de frutos e de plantas exóticas que foram introduzidas nas lavras, pomares e jardins da cidade por seres humanos.

8É aceite por todos que a espécie humana está a causar a extinção doutras espécies no planeta, a um nível que até agora nunca se viu. Os seres humanos possuem uma visão muito restrita da existência doutras espécies cuja presença é calendarizada num espaço de tempo muito curto. Tudo isso acontece por não haver categorias capazes de conter a distribuição dos seres numa escala pertencente a um «tempo evolutivo». Carl Edward Sagan, um famoso astrónomo vulgarizou o conhecimento científico na década dos anos 1970 promovendo uma série de documentários inseridos no programa televisivo «Cosmos», onde criou um interessante e instrutivo calendário ilustrado da existência humana, como espécie biológica, representando-a no conjunto da vida do universo segundo uma escala cronológica de um único ano. O «big bang» teria ocorrido no dia 1 de Janeiro e no dia 14 de Setembro o planeta Terra teria sido formado. A humanidade, o Homo sapiens, apareceu no dia 31 de Dezembro, às 23h58min53s. Nesta série de acontecimentos insere-se também a invenção da agricultura, que provocou um dramático aumento de população humana, ocorrido provavelmente às 23h59min32segundos do fim do ano. Frente a hipóteses como essas há que sorrir, mas a sugestão é aquela de ter em conta que o cosmo e os seres vivos seguem um percurso vital que é calendarizado num ritmo evolutivo.

A extinção e o surgimento de novas espécies é um fenómeno normal

9Na verdade, o desaparecimento e o surgimento de novas espécies, nas eras geológicas, é um fenómeno cíclico que foi impulsionado por grandes mudanças ambientais, apontadas na teoria do equilíbrio (GOULD e ELDREDGE 1977). Sempre que ocorreram grandes rupturas no ambiente, deu-se como resultado a extinção em massa e, em paralelo a insurgência de novas espécies. Estas alterações podem ser induzidas por fenómenos puramente físicos tais como os ciclos solares, ou por fenómenos biológicos, como no caso do aparecimento de organismos fotos sintetizadores. Estes organismos conduziram à fixação do carbono atmosférico, que existia anteriormente nas moléculas de gás metano, e na emissão de oxigénio, que desencadeou a difusão doutras reacções bioquímicas que culminaram na formação da atmosfera, e consequentemente na morte em massa de muitos organismos e no surgimento doutros. Tudo isso resultou na formação de base do bioma actual. A grande interferência com o meio ambiente que a humanidade exerceu sobre o planeta, é devida a um forte incremento demográfico que agora diminuiu a causa do progressivo esgotamento dos recursos naturais mais utilizados para a sua sobrevivência. Em casos como esse, a curva da população normal é geralmente do tipo sigmoide, ou seja, ela começa com um aumento exponencial seguido por uma fase de platô, em seguida diminui para um nível de equilíbrio onde a população pertencente à espécie ajusta a sua capacidade de sobrevivência no ambiente com os recursos à sua disposição. A curva de crescimento populacional observada na espécie humana é típica de qualquer nova invenção biológica ou, como muitos preferem dizer, é um fenómeno típico de qualquer um dos milhares, ou talvez milhões, doutros «parasitas» que já apareceram no nosso planeta.

A espécie humana não é a pior do planeta

10Embora classificados como «animais», os seres humanos têm peculiaridades cognitivas, tais como a capacidade de raciocinar, de formar valores, de construir, de elaborar códigos que orientam o seu comportamento, para além da criação de tecnologias baseadas em conhecimentos científicos. Com esse aparato cognitivo, a espécie humana tem sido capaz de modificar a sua natureza selvagem, mesmo controlando os instintos básicos, como também perpetuando a sua espécie através da prolificidade. Este é o reconhecimento da influência cognitiva sobre o meio ambiente dos seus genes e da sua expressão (JABLONKA e LAMB 2005). No entanto Jean-Baptiste Lamarck, um naturalista francês que no século XVI desenvolveu a teoria das características adquiridas, interpretou essas mudanças como uma questão de influência ambiental. Embora ridicularizadas na sala de aula e nas salas de aula da maior parte das escolas e universidades, as ideias lamarckistas voltaram com grande força através da elucidação dos mecanismos epigenéticos. Trata-se de mecanismos que influenciam o meio ambiente, sem modificar o património genético, mas herdando por várias gerações características genéticas e culturais que os qualificaram (JABLONKA e LAMB 1989; 2005). Na evolução das espécies, incluindo os humanos, há factores cognitivos que influenciaram e consolidaram a tal dita «quarta dimensão da evolução» (as outras dimensões são: genéticas, epigenéticas e comportamentais) (JABLONKA e LAMB 2005), abrindo o caminho para uma nova era de conhecimentos acerca da evolução, que se concretizaram na teoria da «síntese extensa» (PIGLIUCCI 2009). Sob esse ponto de vista, em termos globais, observa-se que a redução demográfica não ocorre, como por outros seres vivos, por incapacidade de inserção no habitat, através da fome e dos conflitos. As populações com mais acesso à educação e a tecnologias incrementam o suprimento mundial com alimentos e com maior qualidade de vida. Essas populações têm diminuído o seu crescimento populacional e formado novos valores, como o respeito pelo meio ambiente e por outras espécies. A educação modifica mesmo os instintos básicos, como a prolificidade, de forma tal que os seres humanos nem sempre obedecem aos instintos como os outros animais. A cultura influi sobre a natureza com sistemas antrópicos que determinam o seu curso e modificam os seus processos.

11A insistente afirmação de que o talento humano tem servido apenas para destruir o planeta parece ser injusta (KAREIVA 2007). As árvores de madeira começaram a ser cultivadas e, consequentemente, a pressão sobre as florestas naturais foi reduzida. Em vista da gestão e da exploração de madeira de florestas naturais sem comprometer a sua existência e a sua renovação têm sido desenvolvidos uns sistemas estatísticos e administrativos informatizados. A produtividade agrícola tem aumentado com a exploração de áreas agrícolas menos extensas do que no passado, para produzir a mesma quantidade de alimentos. Nos países europeus, a produção bruta de alimentos e calorias per capita é 25 vezes maior que a necessária para a sobrevivência. Uma família alemã gasta semanalmente 500 USD no supermercado para a compra de alimentos, comparados aos 69 USD duma família egípcia e a um dólar e sessenta cêntimos duma família tchadiana. Há áreas agrícolas que estão a ser transformadas em florestas. Estão a ser desenvolvidas novas formas de agricultura, menos dependentes dos pesticidas e do petróleo. Hoje a soja está a ser produzida com o nitrogénio retirado do ar, através da fissão operada por bactérias. As árvores são plantadas com os fosfatos, anteriormente inacessíveis às plantas, e que estão a ser empregues introduzindo no solo fungos micorrízicos arbusculares. As pragas e as doenças de plantas agrícolas estão a ser controladas por meio do uso de fungos, bactérias, insectos e com o cultivo de outras plantas. O desenvolvimento de sistemas produtivos mais bio diversificados está na moda dos cultores científicos. Por último, a ciência, que assistiu ao progresso industrial com graves consequências ambientais, é a mesma ciência que também desenvolveu a medicina, a disponibilidade de alimentos e o controlo da natalidade. É a mesma ciência que também está a ser utilizada para manter a biodiversidade, a fim de reduzir a emissão de produtos tóxicos no ambiente, e, ao mesmo tempo empregue para solucionar uma série de conflitos que ocorrem desnecessariamente com a natureza. Enquanto isso pode aliviar a consciência de muitos, o desenvolvimento do ambiente e os avanços da ciência não isentam a humanidade da sua negligência, nem nos dá a liberdade de continuar a viver causando danos ambientais, tal como no passado. Este tipo de atitude compromete e danifica o futuro da humanidade e o futuro das outras espécie do planeta. Ou seja, apesar da exploração destrutiva do meio ambiente, há a esperança de que o talento humano também possa ser usado para resgatar e melhorar a sua situação. Através da tecnologia a espécie humana tem sido capaz de influenciar o ambiente e até mesmo criar novas espécies.

A perturbação ecológica aumenta a biodiversidade

12Há declarações generalizadas no sentido de que as espécies e os ecossistemas naturais devem ser preservados e as mudanças ambientais do planeta devem ser evitadas. Isso se justifica a um nível popular como sendo importante para a manutenção da diversidade biológica, ou seja, há uma clara propensão a travar a degradação ambiental e a conservar «um planeta natural auto-sustentável». Para ciência evolucionista no entanto tal intenção é apenas uma curiosidade porque já foi bem estabelecido que a biodiversidade aumenta sempre quando é associada a períodos de grande mudança ambiental, intercalados a períodos de equilíbrio (GOULD e ELDREDGE 1977). Isso quer dizer, que se o desejo é realmente aquele de incentivar a biodiversidade, há que suportar os inevitáveis distúrbios ecológicos do planeta tidos como fonte de benefícios. Mas por que motivo insistir na ilusão colectiva de depreciar a perturbação? Para entender isso, dois novos conceitos precisam de ser explicados: a «homeostase» e a «Gaia». O princípio da homeostase tem uma componente biológica, ou seja, a capacidade dos organismos de manter a estabilidade interna (por exemplo, temperatura do corpo regulada através da transpiração e circulação de sangue, nível de glicose no sangue regulada pela produção de insulina no fígado). Este princípio foi estendido para os sistemas ecológicos (no sentido explicado por ODUM 1971) onde uma comunidade evolui em termos de máxima eficiência explorando a energia do ambiente mantendo-o em equilíbrio. Este equilíbrio pode ser restaurado sempre desde que os danos ambientais não sejam tão grandes que provoquem uma nova associação biótica com um equilíbrio diferente, formando assim um novo ecossistema (HOBBS 2006). Muitos deles, desenvolvidos pela interacção da humanidade, não podem ser alcançados senão através um longo prazo de tempo (BALÉE 2006). James Ephraim Lovelock, um químico e matemático com um doutoramento em medicina, expandiu esse conceito para o planeta terra, definindo «Gaia» (LOVELOCK 1979), a unidade, não evolutiva mas biótica de todas as espécies que existem mantendo as suas interacções com a parte física do planeta (por exemplo, atmosfera, criosfera, hidrosfera e litosfera). J. E. Lovelock escreveu 4 livros com o mesmo tema (LOVELOCK 1979; 1988; 1991 e 2000). Trata-se dum conceito em que os componentes estão intimamente ligados à formação de um complexo sistema homeostático. Segundo este princípio, quando ocorre a extinção de uma espécie, outra sempre aparecerá para assumir a função biogeoquímica de conduzir o planeta ao seu equilíbrio habitual, como ocorrem a cerca de 4 biliões de anos. Considerando que as perturbações ecológicas poderiam induzir a formação de um outro equilíbrio com a consequência de favorecer outras espécies; essas teriam como tarefa, aquela de desestabilizar o planeta privando a humanidade da sua hegemonia. Por outras palavras, a vida no planeta que nunca se extingue, e sempre se transforma, como ensina Lavoisier, induzirá a humanidade a correr o risco de desaparecer porque as condições ecológicas serão tais a permitir que outras espécies saiam da sua condição de subalternidade e ocupem o lugar hegemónico dos humanos em via de extinção. De facto, a argumentação de que a humanidade deve preservar outras espécies e lutar pela estabilidade do planeta, exige uma explicação mais satisfatória. Este raciocínio é importante para a manutenção da espécie humana mas é indiferente para o planeta.

As espécies não rivalizam, mas cooperam

13O paradigma evolucionista darwiniano onde os indivíduos competem, e apenas os melhores adaptados prevalecem, foi introduzido em 1859 (DARWIN 1859) e obteve grande sucesso até o 1928, ano em que outros conceitos surgiram com base nas experiências genéticas e ecológicas. Por exemplo, pode-se fazer referência à «deriva genética», um conceito, segundo o qual a aplicação do princípio evolutivo provoca um acontecimento aleatório (WRIGHT 1929), e o conceito de «neutralismo» (KIMURA 1985), que sugere que a maioria das variáveis genéticas observadas nas espécies não tem valor adaptativo, porque, a natureza, por si própria tolera e absorve as mudanças.

14Mais tarde, levantou-se o conceito de «simbiogenesis», afirmando que as espécies evoluem principalmente pela fusão do genoma e pela cooperação (MARGULIS 1998), logo em seguida apareceu o conceito de «spandrel», que estabelece que uma coisa pode evoluir como resultado da selecção dum outro recurso (GOULD e LEWONTIN 1979), e ainda, que os organismos estão activos na formulação dos respectivos ambientes próprios (nichos), contrariando a versão passiva (darwinista) onde os organismos são seleccionados pelo meio ambiente (LEWONTIN 1991). O conceito de spandrel deu origem a dois outros conceitos: «fenótipo extenso», como mencionado anteriormente, e aquele de «antropização da paisagem», onde se afirma que a humanidade também começou a domesticar a paisagem, como resultado do fenótipo extenso (BALÉE 2006; CLEMENT 1999; ERICKSON 2010; HECKENBERGER 2008). Existe também o conceito de «Gaia», já mencionado, e, além disso, o antigo conceito, ainda presente em muitas religiões, que afirma que «todos nós somos um». Este ponto de vista tornou-se mais forte nos recentes estudos de genética molecular mostrando que todos os seres vivos, de facto partilham dum conjunto de genes comuns. No entanto cada espécie elabora novas expressões temporárias a partir de um reservatório genético único (BOTO 2010). Será este um motivo para recair no uniformismo? Não se a dialectica entre particolarismo identitário e inputs globais mantiver sempre viva uma relação de recíproca consideração.

Possíveis consequências da adopção de novos paradigmas evolutivos

15A contribuição da selecção darwiniana, como uma função da condição ambiental para o resultado dos processos evolutivos, não é tão importante como se pensava antes. Estima-se válida em 6% dos casos em virtude do facto de que a evolução das espécies seria o resultado de processos aleatórios que ao invés correspondem ao 78%. No entanto, é interessante observar a forma como é ainda ensinada a selecção darwiniana como sendo muito importante, possivelmente porque é visível na dimensão de tempo proporcional ao tempo para a geração da vida humana e porque pode ser assistida e aplicada nos processos de domesticação e melhoramento das espécies úteis.

16Os conceitos evolutivos encontram-se intimamente sintonizados com as teorias económicas e de gestão, e embora pareça uma obscura associação, de acordo com a «quarta dimensão da evolução», ou com a «síntese extensa», esta associação é adequada. A selecção natural darwinista tem sido, e continua a ser, usada como um paradigma para justificar o sistema económico capitalista. Evolução através da simbiogenesis poderia então justificar outros sistemas cooperativos. O «Nash equilíbrio» (também conhecido como «equilíbrio cooperativo») é uma inovadora estratégia de gestão em que a melhor alternativa é a economia de comunhão em que toda a gente ganha na medida em que põe a gestão dos seus lucros em comum para o máximo ganho (NASH 1950).

17Os paradigmas evolutivos estão também estreitamente associados com as estratégias de utilização do ambiente, tais como a agricultura e a gestão da paisagem. Na agricultura, a selecção darwiniana aplica sistemas de monoculturas com a exclusão das «espécies» concorrentes, chamadas por um longo tempo «ervas daninhas» ou «invasoras», utilizando ferramentas e, posteriormente, os herbicídas. Com os novos conceitos, têm sido desenvolvidos novos sistemas de cultivo (na verdade uma reinvenção de sistemas antigos), tais como o policultura (p. ex. sistemas agro-florestais, com associações planta/animal, intercalando culturas, e cultivos de plantas diferentes) e associação sinergética (tais como controlo biológico, o uso da fixação de azoto e fósforo e a solubilização de microrganismos).

18Há um movimento mundial que defende o abandono de espécies exóticas utilizadas na agricultura em favor de espécies nativas com a justificação da sua «melhor capacidade de adaptação ambiental» e «daquelas não modificadas geneticamente pelo homem», sendo capazes de «contribuir para a preservação do meio ambiente» e da «conservação das espécies». O homem que dispersa as sementes e modifica o ambiente a seu favor é como os pássaros que espalham as sementes de plantas em lugares que mais tarde se tornarão benéficos para eles. Apenas as espécies que se estabelecem firmemente num novo ambiente podem criar simbioses benéficas com outras espécies. Em geral, quase todas as espécies associadas ao ambiente urbano são exóticas e, devido à perturbação causada pelo homem, seleccionadas pela sua capacidade de colonizar novos ambientes, e assim também «invadir» o campo tradicionalmente ocupado por outras espécie. Pelo facto de ter tido apenas um curto período de convivência com pragas e doenças no novo ambiente estes «invasores» acabam por crescer e produzir melhor do que as plantas que ocupavam o terreno há muito tempo, e por espécies nativas. Isto deu-se nos rios europeus onde abunda uma qualidade de peixe chamado silúro, que acabou por invadir o campo ocupado tradicionalmente por outros peixes que não conseguiram resistir às águas poluídas pelas emissões industriais. Os agricultores estão bem conscientes disso, onde há cidades com arredores cultivados, quase todos os produtos agrícolas e quase todas as plantas ornamentais semeadas, pertencem a espécies exóticas e «invasoras». O grupo de espécies que acompanha o ser humano e faz parte do seu «fenótipo extenso», são elas que ocupam e invadem hegemonicamente o ambiente. Para proteger e criar um grupo de plantas nativas capazes de sustentar as populações humanas, teria sido necessário modificar todo o sistema evolutivo que obrigou essas plantas a desaparecer (a humanidade tem modificado as espécies e as paisagens a seu uso e consumo e elas, por sua vez, modificaram a espécie humana). Este desaparecimento teve lugar há milhares de anos através do uso do fogo. Houve um incremento muito rápido acerca de 10.000 anos atrás, quando a agricultura foi inventada e quando houve condições consolidadas para a formação dos estabelecimentos humanos. Alegou-se que o desenvolvimento dos aglomerados humanos deveria cessar «para o bem do meio ambiente e das espécies nativas». Afirmou-se que as espécies exóticas estavam «destruindo a biodiversidade» e «destruindo a agricultura», teria sido necessário interromper o ecossistema estabelecido. No entanto, a colonização bem sucedida por uma espécie só ocorre em função da simbiose que é capaz de estabelecer com outras espécies. A chegada de espécies exóticas ocorre porque a espécie humana permite que aconteça uma imprevista invasão de espécies antes inexistentes; trata-se duma nova fase com vista a um sucessivo restabelecimento da homeostasia do ecossistema Assim, as «invasões biológicas» poderiam ser interpretadas como a reacção de «Gaia» em restaurar o equilíbrio homeostático do planeta. Nesta forma, o impedir a chegada de novas espécies num determinado ecossistema, alegando a necessidade da sua «conservação», pode tornar-se um acto contrário ao restabelecimento da sua homeostase. Portanto é irrelevante que uma espécie seja nativa ou exótica, pois, o que interessa é a saúde do planeta (conceito de Gaia). O grande nível de perturbação ecológica observado sobre o planeta não é o resultado da maldade humana, mas sim de um aumento populacional associado à influência do seu «fenótipo extenso».

19Em matéria de gestão ambiental, o conceito evolucionista darwiniano que afirma a unidade do sistema evolutivo nos seus progressivos degraus a partir do imperfeito para chegar ao perfeito, é a competição duma espécie hegemónica sobre as outras espécies subalternas. O conceito darwinista sugere que a eliminação das espécies «exóticas» e «invasivas» do ecossistemas não é natural. A afirmação desta ideia teve como resultado, que as leis evolucionistas foram aplicadas seja ao ambiente natural como também aos ambientes urbanos e agrícolas sem distinção. No âmbito dos novos conceitos aqui apresentados, as cidades e os ambientes agrícolas fazem parte do «fenótipo extenso» da espécie humana, de facto houve um influxo da cultura humana sobre as paisagens domésticas como consequência da coevolução humana no meio-ambiente, de acordo com o «conceito de spandrel». Hipotizar a destruição da humanidade e do seu «fenótipo extenso», seria prever um ataque ao seu sistema hegemónico que até agora assegurou a sua sobrevivência. Envidar esforços para evitar a formação de estruturas que melhorem sua qualidade de vida seria privar o impulso humano que visa a interagir com o seu meio ambiente, como costumam fazer as térmites e muitos outros insectos sociais.

20A ideia da «concorrência» adquiriu uma definição mais específica a nível genético com o conceito de «gene egoísta» (uma teoria que considera o gene como unidade principal de evolução e não a espécie, já que a espécie é apenas uma «máquina» de sobrevivência que o gene usa para autorreplicar-se (DAWKINS 1976). Sob esse ponto de vista, o facto de ter pouca preocupação com as espécies nativas em virtude de fácil acesso aos alimentos produzidos pela agricultura industrial, tem um único inconveniente, que consiste em deixar de tirar proveito de um conjunto de genes que poderiam melhorar ainda mais a qualidade de vida da espécie humana, e, por conseguinte, multiplicar-se a si próprios. De acordo com este conceito, seriamos inconscientes se «preservássemos as nossas próprias peles» e não aquelas das outras espécies. No entanto, de acordo com os novos conceitos aqui expressos esta ideia não poderia ser aceite como se fosse uma verdade absoluta.

21Sintetizando, podemos repensar à construção de posições mais elaboradas e extensas destinadas a manter o status evolutivo alcançado pela humanidade no respeito das outras espécies. Com esta abordagem, as leis que orientam a gestão das espécies e do meio ambiente teriam, então, que considerar o aspecto cognitivo e humano do «fenótipo extenso», como a um direito de toda a humanidade. Por exemplo, haveriam duas razões para repensar a conservação dos fragmentos de bioma pondo limites à homogeneização inter-regional: 1) O respeito devido a todas as formas de vida (valor cognitivo), e 2) garantir a continuidade evolutiva de todas as formas de vida, inclusive a continuidade da espécie humana. É portanto necessário delimitar áreas protegidas que façam parte da colecção de «monumentos», «museus» e «reservas genéticas»; nestas áreas deve-se garantir e proteger a continuidade dos processos evolutivos. Isso seria possível porque o uso da tecnologia, com vista ao aumento da produtividade agrícola originou a concentração das populações nas cidades, contribuindo assim para a redução do «fenótipo extenso» humano. Este fenómeno enfraqueceu o movimento do «regresso ao primitivo» promovido pelos conservacionistas que têm como objectivo aquele de «manter os ecossistemas na sua forma original com toda protecção possível, e que as espécies dentro desses sistemas não se tornem mutantes ou extintas. Isso reforça os conceitos de design, ecologia e arquitectura das paisagens e reeducação dos seres humanos para que eles possam viver mais harmoniosamente dentro de sistemas com processos naturais autónomos» (BALÉE 2006).

Quem quer preservar o planeta e as suas espécies?

22Em todas as formas de vida podem ser observadas fases de nascimento, socialização, reprodução que contribuem para a evolução, mas também de morte. Não existe imutabilidade em nenhuma fase, nem existe qualquer indicação de que uma fase seria definitivamente mais vantajosa do que a outra. Se a vida está em constante mudança, porque motivo a espécie humana se esforça arduamente em preservar o planeta e, ao mesmo tempo, em conservar espécies e contrastar as mudanças ambientais que ela própria trouxe? No âmbito do conceito de Gaia, se a humanidade opera grandes mudanças neste planeta, essas podem não ser benéficas; o homem pode extinguir-se, mas o planeta não. No futuro, outras espécies poderão assumir o nosso papel hegemónico na reconstrução da homeostasia. Além disso, mesmo no âmbito do conceito Gaia a estagnação do processo evolutivo seria prejudicial para o planeta. Procuram-se, portanto, outras razões, mas a única razão encontrada parece ser apenas retórica. A espécie humana tem um sabor para a vida, e se esforça para permanecer na Terra por tanto tempo quanto lhe é possível. A humanidade procura a imutabilidade resultante do seu apego às coisas que a cercam. Este apego é hoje reconhecido como um importante factor cognitivo da «quarta Dimensão da Evolução».

Conclusões

23O pensamento actual aplicado às políticas de preservação ambiental é baseado em ideias que pertencem ao século XIX e que podem ser reformuladas num paradigma evolutivo mais actual. Devemos apreciar o novo sistema cognitivo, a «quarta dimensão da evolução», e reconhecer o seu influxo positivo na espécie humana com vista a recuperar um equilíbrio que considera: a) o risco de desvantagens imediatas para a humanidade dificultada em adaptar-se às mudanças ambientais provocadas por ela própria, incapaz de sustentar mais uma reestruturação homeostática; b) a gestão científica dos componentes que mantem o equilíbrio homeostático; c) a manutenção do bioma natural da humanidade que merece respeito por si mesmo e ser considerado como um recurso evolutivo d) o desenvolvimento de tecnologias que melhoram a vida, e) o reconhecimento legislativo explícito ao ajuntamento como consequência da evolução humana. Em termos práticos, a legislação da conservação deve: a) ter em consideração os objectivos de conservação dos ambientes naturais como sendo distinta da protecção ambiental das cidades e do ambiente agrícola, e b) reconhecer o direito dos seres humanos em continuar a promover a antropização da paisagem.

Topo da página

Bibliografia

BALÉE W., 2006, «The research program of historical ecology», Annual Revue of Anthropology, n.º 35, pp. 75-98 [http://www.annualreviews.org], consultado em 11 de Julho de 2014.

BOTO L., 2010, «Horizontal gene transfer in evolution: facts and challenges», Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, n.º 277, pp. 819-827.

CLEMENT C. R., 1999, «1492 and the loss of Amazonian crop genetic resources, I. The relation between domestication and human population decline», Economic Botany, vol. LIII, n.º 2, pp. 188-202 [The New York Botanical Garden Press, Bronx, NY].

DARWIN C., 1859, On the origin of species by means of natural selection, or the preservation of favoured races in the struggle for life. Londres, John Murray.

DAWKINS R., 1999, The extended phenotype: the long reach of the gene. Oxford, Oxford University Press.

DAWKINS R., 1976, The selfish gene. Oxford, Oxford University Press.

ERICKSON C. L., 2010, «The transformation of environment into landscape: The historical ecology of monumental earthwork construction in the Bolivian», Diversity, n.º 2, pp. 618-652, Department of Anthropology, University of Pennsylvania [http://www.mdpi.com/journal/diversity], consultado em 11 de Julho de 2014.

FUTUYIMA D. J., 2006, Evolutionary biology. Massachusetts, Sunderland, Sinauer Associates.

GOULD S. J. e LEWONTIN R. C., 1979, «The spandrels of San Marco and the panglossian paradigm: A critique of the adaptationist programme», in Proceedings of The Royal Society of London B, vol. CCV, n.º 1161, pp. 581-598.

GOULD S. J. e ELDREDGE N., 1977, «Punctuated equilibria: the tempo and mode of evolution reconsidered», Paleobiology, vol. III, n.º 2 (Spring), pp. 115-151.

HECKENBERGER M. J. et al., 2008, «Pre-Columbian urbanism, Anthropogenic landscapes, and the future of the Amazon», Science, vol. 321, n.º 5893, pp. 1214-1217.

HOBBS R. J. et al., 2006, «Ecosystems: theoretical and management aspects of the new ecological world order», Global Ecology and Biogeography, n.º 15, pp. 1-7.

JABLONKA E. e LAMB M. J., 1989, «The inheritance of acquired epigenetic variations», Journal of Theoretical Biology, n.º 139, pp. 69-83.

JABLONKA E. e LAMB M. J., 2005, Evolution in four dimensions: Genetic, epigenetic, behavioural and symbolic variation in the history of life. Cambridge, The MIT Press.

KAREIVA P. et al., 2007, «Domesticated nature: shaping landscapes and ecosystems for human welfare», Science, vol. 316, n.º 5833, pp. 1866-1869 [http://www.sciencemag.org], consultado em 26 de Junho de 2014.

KIMURA M., 1985, The neutral theory or molecular evolution. New York, Cambridge University Press.

KUHN T. S., 1970, The structure of scientific revolutions. Chicago, Chicago University Press.

LEWONTIN R. C., 1993, Biology as ideology: The doctrine of DNA. New York, Harper.

LOVELOCK J. E., 1979, Gaia: a new look at life on Earth. Oxford, Oxford University Press.

LOVELOCK J. E., 1988, The ages of Gaia. New York, W. W. Norton.

LOVELOCK J. E., 1991, Gaia: the practical science of planetary medicine. Oxford, Oxford University Press.

LOVELOCK J. E., 2000, Homage to Gaia: The life of an independent scientist. Oxford, Oxford University Press.

MARGULIS L., 1998, Symbiotic planet: a new view of evolution. New York, Basic Books.

NASH J. F., 1950, «Equilibrium points in n-person games», Proceedings of the National Academy of Science of the United States of America, vol. 36, n.º 1, January 15, pp. 48-49 [http://web.mit.edu/linguistics], consultado em 26 de Abril de 2012.

ODUM E. P., 1991, Fundamentos de Ecologia. Lisboa, Fundação Calouste Gulbekian.

PIGLIUCCI M., 2009, «An extended synthesis for evolutionary biology», Annals of the New York Academy of Sciences, n.º 1168, pp. 218-228 [http://evolution.binghampton.edu], consultado em 26 de Abril de 2014.

VENDITTI C. et al., 2010, «Phylogenies reveal new interpretation of speciation and the Red Queen», Nature, vol. CDLVIII, pp. 349-352 [http://www.nature.com], Consultado em 10 de Julho de 2014.

WRIGHT S., 1929, «The evolution of dominance: comment on Dr. Fisher’s reply», The American Naturalist, n.º 63, pp. 556-561.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Bortolami Gabriele, « Os paradigmas evolutivos pós-darwinistas e as possíveis consequências nos conceitos de conservação ambiental », Mulemba, 4 (8) | 2014, 57-75.

Referência eletrónica

Bortolami Gabriele, « Os paradigmas evolutivos pós-darwinistas e as possíveis consequências nos conceitos de conservação ambiental », Mulemba [Online], 4 (8) | 2014, posto online no dia 28 Novembro 2016, consultado o 20 Fevereiro 2018. URL : http://journals.openedition.org/mulemba/229 ; DOI : 10.4000/mulemba.229

Topo da página

Autor

Bortolami Gabriele

d2ebdx@gmail.com
Professor Auxiliar do Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais (FCS) da Universidade Agostinho Neto (UAN).
Efectuou os seus estudos superiores na Universidade de Sassari, na Itália, na Escola de etnocentrismo crítico, sob a direcção de Mario Atzori, discípulo do célebre antropólogo italiano Ernesto de Martino. É doutorado (PhD) em Antropologia Cultural (2012), tendo defendido a tese intitulada Os Bakongo: Sociedade, tradições e mudanças em Angola, e tendo como tutor o historiador e antropólogo norte-americano John Kelly Thornton, especialista da história do Reino do Kongo e da cultura kongo; para o seu diploma de mestrado em Antropologia Cultural e Etnologia, defendido em 2008, apresentou a dissertação A cultura dos Bakongo entre tradição e mudança; licenciou-se em Ciência dos Bens Culturais em 2006 com um trabalho intitulado As tradições orais dos Bakongo do Norte de Angola. O conjunto de suas investigações espelhadas na tese e dissertações, condensam os resultados das múltiplas pesquisas que terá efectuado nas últimas décadas em Angola, acerca da realidade sociocultural kongo. Actualmente, é Professor Auxiliar do Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais (FCS) da Universidade Agostinho Neto (UAN), onde ensina as cadeiras de Antropologia Física, Antropologia Social e Cultural, Antropologia do Simbólico, Métodos e Técnicas de pesquisa antropológica, Introdução à Antropologia, Ética e deontologia profissional, e Semiótica e semiologia. No período de 2010 a 2014 foi docente de Gestão de Recursos Humanos na Universidade Católica de Angola (UCAN). As suas áreas de interesse são a literatura antropológica e as tradições orais e a herança dos produtos da cultura material nas comunidades kongo e entre os intelectuais desta comunidade étnica, onde desenvolve pesquisas há cerca de três décadas, aproveitando assim a complexa e ampla faixa dinâmica das transformações que têm sofrido as sociedades dos países da África subsahariana e graças à utilização dos parâmetros de análise da antropologia dinamista, nos seus trabalhos são ressaltados os múltiplos problemas e processos de mudança e de intensa transformação que caracterizam as sociedades africanas. Publicou, entre outros, os materiais seguintes: Ndoki! Il mondo mágico religioso dei Bakongo (Roma, 2012); «Mvila za Makanda. Nomi di lignaggio dei Bakongo del Nord dell’Angola», in Atti del XXII Congresso Internazionale di Scienze Onomastiche, Pisa, 28 Agosto-4 Settembre 2005 (Pisa, ETS, 2010, vol. 7, pp. 425-450); «Antroponomástica dos Bakongos do Norte de Angola», in II Congreso Internacional de Onomastica Galega (Pazo de Congresos de Pontevedra, 19-21 de Outubro de 2006); «Per un’analisi linguistico-antropologica del primo testo scritto in lingua kikongo», in Studi e saggi linguistici (vols. XL e XLI, 2005, pp. 3-18); Twakala v’Owelema (Coimbra, Instituto de Antropologia da Universidade de Coimbra, 2005); O contacto cultural entre o português e o kikongo no Reino do Kongo (Coimbra, Instituto de Antropologia da Universidade de Coimbra, 2005).

Topo da página

Direitos de autor

Tous droits réservés

Topo da página
  • Logo Edições Mulemba
  • OpenEdition Journals