Navigation – Plan du site
Colloques | 2008
Familia y organización social en Europa y América siglos XV-XX Murcia-Albacete 12-14 diciembre 2007
Sergio Odilon Nadalin

Atribuição de prenomes de batismo: imigrantes alemães, identidade étnica e construção de um mundo simbólico (Curitiba, Brasil; 1866-1987)

[22/03/2008]

Résumés

This text sets out with the presupposition that people’s first names signal a symbolic consumption in present and past societies. In the same way, naming children ensues from a widespread social practice according to which a name represents a sign of both recognition and “belonging” (Gelis). In the case of a community composed of immigrants and their descendants, the symbolic character afore mentioned is also characteristic of differentiating cultural features in the scope of construction (and deconstruction) of an ethnic identity. In other words, in an ethnic group, choosing a name would express a specific signal or sign of cultural contacts, constituting diacritical features which people look for and exhibit to show their identity (Barth). Thus, our intention is to observe the means used by the members of a group organized as a Lutheran parish in an urban and multicultural space in order to achieve their integration into the receiving society. Based on the data from family records (Fleury/Henry) organized in four cohorts, our assumption is that there is a different kind of concern in relation to one’s ethnic identity depending on chronological period and order of births. In addition, the hypotheses elaborated here are based on the idea that “categories” of first names as signs of identity can help us understand the dynamics of ethnic frontiers built by the group.

Haut de page

Entrées d’index

Mots clés :

História Cultural

Géographique :

Brasil, Curitiba

Palavras Chaves :

identidade étnica, migração
Haut de page

Texte intégral

1A presente comunicação1 parte do pressuposto de que o estudo dos prenomes interessa principalmente pelas hipóteses que ele autoriza, a transmissão de comportamentos e o consumo simbólico nas sociedades de ontem e de hoje.2 Mais especificamente, “a escolha do prenome está ligada ao sistema de parentesco, às regras de transmissão de bens reais e simbólicos, à ação do Estado e da Igreja, às normas do ‘jogo social’ própria do grupo de pertencimento, enfim a um ‘gosto’ vivido como indivíduo mas socialmente determinado”.3 Por conseguinte, a nomeação dos filhos resulta de uma prática bastante acionada, pois o nome é signo de reconhecimento e de “pertencimento”.4

2Os sujeitos da pesquisa referida neste texto são imigrantes de origem germânica e seus descendentes e que, desde 1866, constituíram uma comunidade religiosa de confissão luterana e evangélica em Curitiba,5 numa quase vila que se urbanizou no período estudado e que seria invadida pela cultura de massa que se desenvolve durante o século XX.

3Os membros da paróquia configuram, de modo igual, uma comunidade étnica. Portanto, o caráter simbólico e os signos de reconhecimento e de pertencimento mencionados manifestam, igualmente, traços culturais diferenciadores no âmbito da construção (e da “desconstrução”) de uma identidade muito característica. Ou seja, num grupo étnico, dar nome a uma criança configuraria um sinal ou signo dos contatos culturais desenvolvidos, compondo um dos traços diacríticos que as pessoas procuram e exibem para demonstrar sua identidade.6

4Assim, sinalizado por outros trabalhos já realizados sobre o tema7, pretendo observar o efeito de como membros de um grupo étnico e religioso em Curitiba – portanto, num espaço urbano e multicultural – negociavam a sua integração à sociedade receptora. “Integração” mais ou menos conservadora, que podia denunciar ou não os valores étnicos tradicionais expressos pelo uso dos prenomes de batismo. Objetivamente, a intenção da pesquisa cujos resultados aqui se colocam é verificar como e em que freqüência os pais e as mães da comunidade escolhiam nomes de meninos e meninas retirados de estoques onomásticos variados. Manifestariam dessa foram maior ou menor lealdade lingüística, no âmbito do desenvolvimento contraditório de uma história de contatos culturais.

Considerações teórico-metodológicas

5Fundamentado em informações obtidas de fichas de famílias reconstituídas, levantei a hipótese de comportamentos diferenciados entre os casais cuja vida matrimonial iniciou-se em Curitiba (fichas MF) e aqueles – muitos caracteristicamente migrantes (fichas EF) – que não se casaram na paróquia.8 Um segundo recorte, cronológico, refere-se à definição de quatro subgrupos de casais – neles destacando-se o início e o fim da observação (primeiros e últimos filhos nascidos no âmbito da paróquia) – cujas histórias matrimoniais iniciaram-se (ou reiniciaram) nos períodos 1866-1894, 1895-1919, 1920-1939 e 1940-1969. A investigação tem como fim de observação a data de 30 de junho de 1987, referência para a realização de um censo nacional dos membros da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IECLB).

6Tenho como pressuposto que uma preocupação pela identidade étnica dar-se-ia de maneira diversa, considerando os momentos distintos de nominação dos primeiros e últimos filhos nascidos na comunidade. As hipóteses construídas também se fundamentam na idéia de que “categorias” onomásticas como signos de pertencimento a uma cultura étnica, ou seja, expressões de identidade, podem ajudar a compreender a dinâmica das fronteiras étnicas9 edificadas pelo grupo.

7Ainda, a hipótese de base fundava-se no princípio de que, a partir de um “enclave” inicial, em que predominaria a escolha de nomes de origem “germânica”, haveria um momento em que se tornaria relativamente importante a opção por prenomes que eu considerei como “teuto-brasileiros”10; tendência essa que se revelaria, da mesma forma, por um significativo leque de nomes “brasileiros”. Como já verificado, as conjecturas manifestaram-se corretas11, sinalizando para uma história da integração e (ou) “assimilação” dos casais pertencentes ao grupo.

8Cabe-me, assim, esclarecer os juízos utilizados para definir essas categorias. Parto de uma idéia relativamente simples, gestada, pela primeira vez, em 197812 e experimentada numa perspectiva “longitudinal” em 2001 com casais MF.13

9(Categoria I) Como anunciei acima, foi considerada uma listagem de prenomes trazidos pelos imigrantes e utilizados nos registros de batismos das crianças nascidas em Curitiba no período 1866 a 1919, filhos dos casais “pioneiros”. Para maximizar a redução dos evidentes arbítrios necessários para a definição da categoria I, foi desenvolvida uma tipologia, conforme definido no quadro I, com o auxílio de dicionários,14 complementada com os subsídios de listagens obtidas na web.15

10(Categoria II, subcategorias II.A e II.B). Esses estudos preliminares também fundamentaram a construção da listagem que constitui a categoria II. Tal abordagem teve como fundamento a experiência adquirida com a reconstituição das famílias do grupo, principalmente no que se refere às coortes de casais que batizaram seus filhos no período de 1895 a 1939. Verifiquei que era muito freqüente o “aportuguesamento”16 de nomes de batismo, que ocorria durante o próprio ciclo de vida de indivíduos nascidos da primeira geração; de modo igual, também foi observada a introdução pelo grupo de um estoque renovado de prenomes. Ou seja, de um lado, a comunidade ajustava uma negociação com a sociedade receptora, adaptando nomes originalmente ligados à cultura imigrante; de outro, rearticulava o mundo simbólico concernente à comunidade étnica, enriquecendo o capital de nomes de origem germânica. Daí porque considerei, nesta categoria II, duas subcategorias, denominadas II.A e II.B, respectivamente. Devo observar que, na listagem final organizada, desta última constam prenomes que já haviam sido detectados no período pioneiro, mas se tornam especialmente visados pelos teuto-brasileiros em Curitiba a partir de 1920. Outros constituem, porém, novidades, enriquecendo o estoque utilizado pela comunidade étnica – e é nessa medida que se assinala a contradição. Enquanto determinados prenomes definem uma aproximação com a sociedade receptora – pela adaptação, pelo aportuguesamento (ou mesmo, como se verá, ao serem grafados com erro17) –, outros assinalam deslocamento inverso. Consciente ou inconscientemente, no interior de uma mesma família ou não, delimitando ou não fronteiras, os pais das crianças batizadas com esses nomes estavam criando novos campos de identificação.

11(Categoria III). Pelo exposto, fica evidente que a categoria II enfatiza uma fase posterior à da categoria I, no processo da construção de identidade étnica, o que não caracteriza um continuum eminentemente linear. Para completar, portanto, é necessário inserir um terceiro “momento” nessa história, que enfatiza casais que estão identificando seus filhos segundo razões em geral bem diferentes das de seus pais e avós. De modo que, o primeiro critério para integrar a categoria III (denominada “brasileira”) será, primeiramente, o prenome não ter sido arrolado, em princípio18, em nenhuma das duas categorias anteriores. Estamos tratando, neste grupo, de prenomes fundados numa herança cultural ocidental; em suma, na moda e numa tendência desde sempre assinalada, mas que se torna cada vez mais evidente tanto mais nos aproximamos do presente – a utilização de nomes fantasiosos. Os prenomes que constituem esse estoque são, em especial, de uso corrente e extremamente mutáveis. A utilização significativa desse conjunto, em princípio muito mais vasto, poderia traduzir francamente um processo de integração ou assimilação, associado a outros campos de identificação.

12(Ver Quadro 1)

13 No que se relaciona à categorização dos prenomes, foi verificado que a listagem arrolada comportava diversas dificuldades, traduzidas grosso modo na grafia dos prenomes de batismo, e que se sintetizam no esquema do quadro 1, acima.19

14(Ver Tabela 1)

Virtualidades de uma análise longitudinal

15Tendo como fundamento o modelo em referência, as informações contidas nas fichas de família, tratadas de maneira conveniente, foram tabuladas e se apresentam conforme a disposição dos números na tabela 1.

16Dessa abordagem inicial, tratada em outro texto,20 passei ao arrolamento das informações tendo em vista uma perspectiva longitudinal acompanhando famílias MF e EF, o que reduziu de 19.291 para 3.530 os nomes de batismos observados (ver tabela 2, a seguir). Nessa direção, algumas conclusões preliminares podem ser anunciadas, como se segue.

17(Ver Tabela 2)

18(Ver Gráfico 1)

19O que se depreende das diversas análises que realizei a respeito21 é que o grupo étnico parece ter estabelecido para si, a partir de meados do século XIX e organizado numa paróquia evangélica e luterana, fronteiras relativamente bem definidas, modeladas por comportamentos familiares que acabam sustentando o que eu tenho designado como “cultura imigrante”.22 Por outro lado, as escolhas e, muitas vezes, reinvenções dos prenomes entre os alemães e seus descendentes indicam claramente um fenômeno de integração da comunidade na sociedade curitibana (ver tabela 2): de uma coorte a outra – e de modo geral –, diminuem os nomes de batismo “alemães” (categoria I) e aumentam aqueles oriundos de um estoque cosmopolita e “brasileiro” (categoria III), passando aparentemente por uma fase de transição assinalada pela escolha de prenomes da categoria II. Um recorte realizado por período, fundamentado nos dados da tabela, deixava isso muito nítido, como é possível observar no gráfico 1.23

20O mesmo gráfico também explicita o que a tabela 2 deixa vislumbrar: tenho insistido na hipótese, relativamente bem comprovada, de que a conjuntura traumática e nacionalista do período que se inicia em 1920, em especial da era Vargas e da ascensão e queda do nazismo (1930-1945), particularizou-se por acontecimentos caoticamente acelerados na história da paróquia, determinando um processo de mutação.24 Com efeito, disso tudo parece ter se cunhado um novo grupo de luteranos em Curitiba, cujas características são cada vez mais evidente a partir do final dos anos 1940.25 A “novidade” expressar-se-ia, para além de mudanças de um período a outro, articulada a transformações intergeracionais, mas, também, pelo afastamento do grupo de muitos descendentes das famílias pioneiras e pela agregação de novos membros, oriundos de migrações internas que se avolumam no período. A ênfase evidente na escolha de nomes da categoria III, entre os casais da última coorte, pode estar indicando de modo igual esta característica.

21De todo modo, as informações propiciadas pelos conjuntos de nomes de batismo escolhidos pelos luteranos para as crianças nascidas em Curitiba entre 1866 e 1987 sugerem uma identidade que se mantém – mesmo que parcela sempre maior de casais demonstre, com símbolos onomásticos, uma interação com os “outros”. Contraditoriamente, prenomes escolhidos pelos casais assinalam a manutenção de uma identidade original se, como considera a hipótese de base, definições onomásticas indicam uma pertença ao grupo étnico. Os dados brutos e as percentagens mostradas nas tabelas 1 e 2, respectivamente, parecem apontar para essa característica; mais ainda, as evidências demonstradas pelas percentagens relativas à utilização dos nomes renovados do estoque imigrante (subcategoria II.B, tabela 2), sinalizam a conservação de tênues fronteiras étnica entre alguns casais da última coor.

22Aliás, a categoria II, nos seus dois subconjuntos, revela de modo igual a complexidade e, de certa forma, os paradoxos do processo de contatos culturais. As informações  arranjadas na mesma tabela 2 demonstram seus componentes contraditórios, tendo em vista, de um lado, a presença mais significativa de descendentes de imigrantes entre os casais cuja vida matrimonial é observada a partir de 1895 e, de outro, a manutenção do fluxo imigratório e suas repercussões, principalmente entre as famílias EF da coorte 1920-1939.26

23Como mencionado, a pesquisa considerou também a hipótese de comportamentos diferenciados, a serem observados a partir de uma abordagem comparativa entre as famílias MF e EF, entre a atribuição de nomes para os meninos e para as meninas e, numa análise longitudinal, entre primeiros e últimos filhos. É evidente que essas hipóteses fundamentavam-se na idéia de que, qualitativamente, haveria distinções comportamentais do ponto de vista étnico entre as famílias mais estáveis e menos estáveis do grupo – e isso, de certa forma, o que aventei no parágrafo acima parece ter mostrado.

24Também penso que é óbvio que cada casal – premidos pelos valores étnicos que, mais ou menos conscientemente, pressionavam as atitudes do grupo – tenderia a privilegiar os primeiros filhos com prenomes mais conservadores. Dada uma satisfação à comunidade, a pressão da etnicidade interferiria cada vez menos à medida que evoluía o ciclo matrimonial, e a observação do último filho poderia esclarecer a questão. De outro lado, é provável que uma análise de gênero poderia apresentar uma explicação para as atitudes diferenciadas de uma coorte a outra, considerando a presença de um estatuto mais ou menos desvalorizado das mulheres, o que poderia conduzir à inovação. De maneira geral, tal proposta está relacionada ao fato de que, sendo a pressão social menos forte no caso das meninas, prenomes “novos” seriam primordialmente utilizados para elas.27

25Aparentemente, o conjunto das relações mostradas na tabela 2 parece apontar para ambos os sentidos, direcionado pelas hipóteses em evidência; ou seja, a inovação transferindo-se do início do ciclo matrimonial no âmbito da comunidade para o final, tendência ainda mais nítida quando o ultimogênito é menina.

26Entretanto, para além dessa linearidade evidente que sustenta as hipóteses de trabalho, configurando as categorias onomásticas anunciadas, a mesma tabela parece apontar para algumas aparentes contradições. Em outros termos, abstraindo algumas evidências que podem ser, simplesmente, o resultado de flutuações aleatórias, o comportamento dos casais que se agregam na segunda coorte parece sinalizar, depois de uma tendência acomodatícia dos “pioneiros”, um reforço da identidade étnica: estranhamente, tal sinalização dar-se-ia pelo reforço de uma onomástica étnica nos nomes femininos, reforço este mais evidente entre os casais EF do que entre os MF. Seriam as pressões sociais antes aventadas tão fortes nesta passagem do século XIX para o século XX que o estatuto de inferioridade feminina contribuiria, nesse caso, para limitar a imaginação de alguns pais no momento do batismo das filhas?28 No que se relaciona às famílias EF, por outro lado, seria de esperar que estas – ou, pelo menos, parte destas –, por terem se movimentado mais, tenham sido mais permeáveis à influência resultante do alargamento dos contatos estabelecidos. Em conseqüência, compelidas a repensar mais freqüentemente os fundamentos de suas identidades.

27Como mencionado acima, o período entre-guerras, vivenciado pelos casais da terceira coorte no início das suas vidas matrimoniais em Curitiba, assinalou o ápice de um processo de construção-desconstrução da identidade étnica teuto-brasileira no grupo, em especial devido às pressões ideológicas e políticas do Estado pela “assimilação” dos imigrantes e seus descendentes. Colocava-se à prova, dessa forma, a fé dos descendentes de imigrantes nas virtudes do Deutschbrasilianertum.29 Manifesta-se, dessa forma, o comportamento contraditório do grupo, quando seus componentes dão nomes “aportuguesados” a seus filhos, principalmente aos meninos (subcategoria II.A). De fato, mais do que as meninas, eles deveriam ser preparados para conviver, no mundo do trabalho, na sociedade curitibana; no entanto, simultaneamente reforçavam seu mundo simbólico, com muitos pais e mães marcando suas crianças com nomes germânicos renovados (subcategoria II.B). Minimizando um pouco essa contradição, observa-se o fato (na mesma subcategoria) de que eram as meninas as privilegiadas, levemente, por essa tendência iniciada no período 1920-1939.

28Paira, sobre todas as questões acima apontadas, o fato de que, no que tange aos nomes femininos em especial, os alemães têm tradicionalmente experimentado uma rica experiência na ampliação do estoque de nomes de batismo, oriunda de influências francesas, italianas, espanholas, anglo-americanas, sem mencionar a onomástica de origem bíblica, etnicamente não marcada. Com efeito, tal traço cultural parece ter se estendido entre os imigrantes e descendentes no Brasil, e não é por acaso que os prenomes Maria e An(n)a,30 do estoque imigrante, foram eleitos, durante todo o período, como preferidos entre os pais curitibanos.

29***

30Assim, concluindo, a tabela 2 explicita uma atitude até certo ponto conservadora do grupo, tanto numa perspectiva étnica quanto simplesmente por uma questão de gosto; a evidência é demonstrada por uma relativa representatividade dos nomes de categoria I e II, ainda na última coorte analisada. Na mesma direção, é confirmada pela concentração no menino, em praticamente todas as coortes, de nomes de características identitárias mais bem marcadas (categoria I). Com efeito, é com um certo destaque na identificação dos meninos que se revela o caráter conservador do grupo, com poucas exceções que os números parecem indicar. Muitas delas são oriundas de relações obtidas de números muito pequenos e uma ou outra aparente inconsistência.

31Entretanto, se tudo isso é verdade, não o é menos a necessidade de ir adiante nas análises, haja vista as diferenças culturais concernentes à nomeação dos meninos e meninas, acima apontadas – afinal, destacando distinções, é diferente nomear um filho de Kurt ou Karl e uma filha de Christine, Carmem ou Paula, todos prenomes retirados do estoque imigrante. Um exame mais detalhado e definitivo das massas de nomes coletados, em função das suas categorias étnicas e simbólicas só teria sentido considerando de forma mais aprofundada as preferências visualizadas na onomástica feminina e masculina, ao mesmo tempo aproximando análises de natureza qualitativa.

32Demandando esse mesmo tipo de análise, apresenta-se outra questão, embora de caráter mais analítica. Refiro-me ao problema que ocasionou um certo enviesamento nas análises realizadas, problema que tem sentido ao se examinar outras mudanças comportamentais que devem se associar aos estudos realizados. De fato, de 1866 a 1939, observadas as três primeiras coortes, sabemos que a fecundidade dos casais MF e EF diminuiu significativamente, de uma média de 6 a 7 filhos para 2 a 3.31 Acompanhando essa história demográfica do grupo, também verifiquei que mudaram comportamentos relacionados à sexualidade dos casais observados, que passaram de uma moral mais tradicional, em parte ligada a valores camponeses e ou pequeno-burgueses, para uma moral urbana e francamente influenciada pela sociedade receptora.32 Para resumir o problema analítico colocado, dispor de várias crianças para nomear, num regime de alta fecundidade, é diferente de contar com um número planejado de filhos.

33Da mesma forma, é diferente nomear filhos quando a estrutura familiar tem características mais tradicionais, tais como as que permeavam a história das primeiras famílias da comunidade e, talvez, algumas da segunda geração.33 Em decorrência, é também diferente nomear filhos quando a nucleação do casal não é apenas residencial, mas afetiva. Com a modernidade, mudaram os signos e, mais do que no passado, o batismo insere-se na esfera da vida privada.34

34Por outro lado, cada vez mais a comunidade se envolve em seus fins precípuos, de natureza religiosa, e isso se torna evidente principalmente a partir dos anos de 1940. E a criança, nesse âmbito, se, de um lado, continua sendo batizada, de outro tende a ser interpretada não mais como alguém da “comunidade” – e daí o abandono dos nomes do estoque ancestral –, mas como o fruto de um amor tão particular que merece um prenome original ou, no mínimo, que expresse a moda, o seu tempo.

Fontes

35Beliebte Vornamen. Acessado em 15 de dezembro de 2006, disponível em: http://www.beliebte-vornamen.de.

36Registros de Batismos e Casamentos. Comunidade Evangélica Luterana de Curitiba.

Haut de page

Bibliographie

Andreazza, M.L. y Nadalin, S.O. (1999/2000), “The Context of Colonization in Southern Brazil and the Immigrant Family”, Brazilian Journal of Population Studies, 2, 121-144.

Bahlow, H. (1985), Deutsches Namenlexikohn. Familien-und Vornamen nach Ursprung und Sinn erklärt. (Baden-Baden): Suhrkamp Taschenbuch Verlag.

Barth, F. (1998), “Grupos étnicos e suas fronteiras”, en Poutignat, P. y Streiff-Fenart, J., Teorias da Etnicidade. São Paulo: UNESP, 187-250

Besnard, P. (1984), “De la sous-exploitation des prénoms dans la recherche sociologique”, em Dupâquier, J. et al.. Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS, 51-59.

Bideau, A. y Nadalin, S.O. (1988), “Étude de la fécondité d’une communauté évangélique luthérienne à Curitiba (Brésil) de 1866 à 1939”, Population, Paris, INED, 43(6), 1035-1064.

Bideau, A. y Nadalin, S.O. (1992), “Familles stables et familles mobiles. Une nouvelle approche de la fécondité différencielle. L'exemple de la Communauté Évangélique Luthérienne de Curitiba entre 1866 et 1939”, ACTAS, Congresso "El Poblamiento de las Americas". [México], IUSSP, v.2, 163-175.

(1995) Posteriormente, revisado e publicado como: “Um ensaio sobre o tema da fecundidade diferencial: famílias estáveis e famílias (i)migrantes”, Revista Brasileira de Estudos de População, 12(1/2), 169-180.

Dupâquier, J. et al. (1984), Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions). Paris: EHESS.

Dupâquier, J. (1984), “Introduction”, em Dupâquier, J. et al., Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS. 05-10.

Gélis, J. (1984), L’arbre et le fruit. La naissance dans l’Occident moderne; XVIe-XIXe siècle, [Paris:] Fayard.

Gottschald, M. (1982), Deutsche Namenkunde. Unsere Familiennamen. Berlin, New York, de Gruyter.

Guérios, R.F.M. (1981), Dicionário Etimológico de nomes e sobrenomes, São Paulo, Ave Maria.

Klapisch-Zuber, C. (1984), “Constitution et variation temporelles des stocks de prénoms”, en Dupâquier, J. et al Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS, 37-47.

Nadalin, S.O. (1978), Une paroisse germanique au Brésil; la Communauté Évangélique Luthériènne à Curitiba entre 1866 et 1969. Paris, 1978. Thèse, Doctorat 3e Cycle, EHESS.

Nadalin, S.O. (1997/1998), “Sexuality, Marriage and Reproduction”, Brazilian Journal of Population Studies, 1, 207-228.

Nadalin, S.O. (2000), Imigrantes de origem germânica no Brasil; ciclos matrimoniais e etnicidade. Curitiba, Quatro Ventos.

Nadalin, S.O (2007ª). “João, Hans, Johann, Johannes; dialética dos nomes de batismo numa comunidade imigrante.” Historia Unisinos, vol 11, nro. 1, pp. 14 a 27.

Nadalin, S.O. (2007b), “Um viés determinado pela etnicidade: os nomes de batismo Registros paroquiais de uma comunidade luterana, séculos XIX e XX)” [Texto inédito, apresentado no Núcleo de Estudos de População da Universidade de Campinas, São Paulo, em seminário intitulado “As Atas paroquiais eos setecentos e oitocentos: linhas e entrelinhas, junho de 2007].

Nadalin, S.O. (inédito). “Un régimen demográfico restringido: inmigrantes de origen alemán y sus descendientes en Curitiba, Brasil”. In: Robichaux, D. Familia y Diversidad en América Latina: Estudios de caso. Buenos Aires: CLACSO.

Nadalin, S.O. (2006), “A respeito de uma demografia histórica dos contatos culturais”, en Anais.../ XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais: desafios e oportunidades do crescimento zero, 18 a 22 de setembro de 2006. Campinas: ABEP (CD-ROM).

[O texto pode ser recuperado no seguinte endereço: http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2006/docspdf/ABEP2006_163.pdf.]

Nadalin, S.O. e Bideau, A (2001), “Comment des luthériens allemands sont-ils devenus des brésiliens? (un essai methodologique)”. 14e Entretiens du Centre Jacques Cartier (Lyon, França, 2001). Texto publicado (2005): “How German Lutherans became Brazilians: a methodological essay”. The History of the Family, An International Quarterly, 10, 1, 65-85.

Schnnaper, D. (1984), “Essai de lecture sociologique”,. Dupâquier, J. et al., Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS, 13-21.

Seyfert, G. (1994). “A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica”, en Mauch, C. e Vasconcellos, N. Os alemães no sul do Brasil, Canoas, Ed. ULBRA, 11-40.

Siemens, J. U. (1992), Os prenomes dos descendentes de alemães em Curitiba, São Paulo, Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Curso de Pós-Graduação em Letras.

Haut de page

Notes

1 Agradeço a leitura atenta e as observações realizadas pela Dra. Maria Luiza Andreazza, do DEHIS/UFPR.
2 Dupâquier, J. (1984), “Introduction”, em Dupâquier, J. et al., Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS. 05-10. p. 5.
3 Schnnaper, D. (1984), “Essai de lecture sociologique”,. Dupâquier, J. et al., Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS, 13-21. p. 14.
4 Gélis, J. (1984), L’arbre et le fruit. La naissance dans l’Occident moderne; XVIe-XIXe siècle, [Paris:] Fayard. p. 537-8.
5 Capital do Estado do Paraná, parte da região Sul do Brasil.
6 Barth, F. (1998), “Grupos étnicos e suas fronteiras”, en Poutignat, P. y Streiff-Fenart, J., Teorias da Etnicidade. São Paulo: UNESP, 187-250. P. 194. Ou, apropriando-me livremente de outra menção, o prenome constitui um bem cujo consumo é, simultaneamente, gratuito e obrigatório, sendo – em especial no grupo étnico –, função de identificação e de distinção própria a este consumo [SCHNAPPER, 1984, 14; BESNARD, 1984, 58].
7 Nadalin, S.O. e Bideau, A (2001), “Comment des luthériens allemands sont-ils devenus des brésiliens? (un essai methodologique)”. 14e Entretiens du Centre Jacques Cartier (Lyon, França, 2001). Texto publicado (2005): “How German Lutherans became Brazilians: a methodological essay”. The History of the Family, An International Quarterly, 10, 1, 65-85.; Nadalin, S.O (2007ª). “João, Hans, Johann, Johannes; dialética dos nomes de batismo numa comunidade imigrante.” Historia Unisinos, vol 11, nro. 1, pg. 14 a 27; Nadalin, S.O. (2007b), “Um viés determinado pela etnicidade: os nomes de batismo Registros paroquiais de uma comunidade luterana, séculos XIX e XX)” [Texto inédito, apresentado no Núcleo de Estudos de População da Universidade de Campinas, São Paulo, em seminário intitulado “As Atas paroquiais eos setecentos e oitocentos: linhas e entrelinhas, junho de 2007].
8 Bideau, A. y Nadalin, S.O. (1992), “Familles stables et familles mobiles. Une nouvelle approche de la fécondité différencielle. L'exemple de la Communauté Évangélique Luthérienne de Curitiba entre 1866 et 1939”, ACTAS, Congresso "El Poblamiento de las Americas". [México], IUSSP, v.2, 163-175. Posteriormente, revisado e publicado em (1995) como: “Um ensaio sobre o tema da fecundidade diferencial: famílias estáveis e famílias (i)migrantes”, Revista Brasileira de Estudos de População, 12(1/2), 169-180.
9 Barth, F. (1998), “Grupos étnicos e suas fronteiras”, en Poutignat, P. y Streiff-Fenart, J., Teorias da Etnicidade. São Paulo: UNESP, 187-250.
10 Uma identidade étnica teuto-brasileira constrói-se com base nos contatos estabelecidos entre os imigrantes e descendentes e a sociedade receptora, e observada em princípio a partir da segunda geração de filhos de imigrantes, tendo em vista o processo de “colonização”. Essa conceituação baseia-se em Seyfert, G. (1994). “A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica”, en Mauch, C. e Vasconcellos, N. Os alemães no sul do Brasil, Canoas, Ed. ULBRA, 11-40, traduzindo-se respectivamente no Deutschtum e no Deutschbrasilianertum.
11 Nadalin, S.O. e Bideau, A (2001), “Comment des luthériens allemands sont-ils devenus des brésiliens? (un essai methodologique)”. 14e Entretiens du Centre Jacques Cartier (Lyon, França, 2001). Texto publicado (2005): “How German Lutherans became Brazilians: a methodological essay”. The History of the Family, An International Quarterly, 10, 1, 65-85.
12 Nadalin, S.O. (1978), Une paroisse germanique au Brésil; la Communauté Évangélique Luthériènne à Curitiba entre 1866 et 1969. Paris, 1978. Thèse, Doctorat 3e Cycle, EHESS.
13 Nadalin, S.O. e Bideau, A (2001), “Comment des luthériens allemands sont-ils devenus des brésiliens? (un essai methodologique)”. 14e Entretiens du Centre Jacques Cartier (Lyon, França, 2001). Texto publicado (2005): “How German Lutherans became Brazilians: a methodological essay”. The History of the Family, An International Quarterly, 10, 1, 65-85.
14 Bahlow, H. (1985), Deutsches Namenlexikohn. Familien-und Vornamen nach Ursprung und Sinn erklärt. (Baden-Baden): Suhrkamp Taschenbuch Verlag; Gottschald, M. (1982), Deutsche Namenkunde. Unsere Familiennamen. Berlin, New York, de Gruyter; Guérios, R.F.M. (1981), Dicionário Etimológico de nomes e sobrenomes, São Paulo, Ave Maria.
15 Beliebte Vornamen. Acessado em 15 de dezembro de 2006, disponível em: http://www.beliebte-vornamen.de.
16 Na falta de um termo melhor, utilizo “aportuguesado” para me referir a nomes do estoque imigrante que têm correspondentes no idioma português (Eduard e Eduardo, por exemplo).
17 No quadro 1, adiante, a tipologia de prenomes correspondendo à categoria II.A está indicada da seguinte maneira: 2.1, 2.2, 2.4 e 2.6; igualmente, a que corresponde à categoria II.B, 2.3 e 2.5.
18 Em princípio, uma vez que certos prenomes – como Eduardo, Guilherme, Ricardo, Amélia, Paula, Inês, por exemplo – permeiam quase todo o período observado, tornando-se moda depois de 1940, não caracterizando mais um simples aportuguesamento, mas um prenome de uso corrente por toda a sociedade curitibana.. Contabilizá-los, a partir de 1940, como permanecendo na categoria II seria introduzir também um viés, reforçando uma característica teuto-brasileira para o último recorte cronológico que poderia não ser verdadeira.
19 A elaboração desse quadro foi essencial para a revisão da metodologia ensaiada em Nadalin, S.O. e Bideau, A (2001), “Comment des luthériens allemands sont-ils devenus des brésiliens? (un essai methodologique)”. 14e Entretiens du Centre Jacques Cartier (Lyon, França, 2001). Texto publicado (2005): “How German Lutherans became Brazilians: a methodological essay”. The History of the Family, An International Quarterly, 10, 1, 65-85. Desenvolvo um pouco os critérios para a elaboração do referido esquema em Nadalin, S.O. (2007b), “Um viés determinado pela etnicidade: os nomes de batismo Registros paroquiais de uma comunidade luterana, séculos XIX e XX)” [Texto inédito, apresentado no Núcleo de Estudos de População da Universidade de Campinas, São Paulo, em seminário intitulado “As Atas paroquiais eos setecentos e oitocentos: linhas e entrelinhas, junho de 2007].. Aproveito para tributar a João Udo Siemens em Siemens, J. U. (1992), Os prenomes dos descendentes de alemães em Curitiba, São Paulo, Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Curso de Pós-Graduação em Letras., por meio de sua tese de doutorado na área da Lingüística, muito das observações que realizei a partir da grafia dos nomes de batismo.
20 Nadalin, S.O. (2007b), “Um viés determinado pela etnicidade: os nomes de batismo Registros paroquiais de uma comunidade luterana, séculos XIX e XX)” [Texto inédito, apresentado no Núcleo de Estudos de População da Universidade de Campinas, São Paulo, em seminário intitulado “As Atas paroquiais e os setecentos e oitocentos: linhas e entrelinhas, junho de 2007].
21 A esse respeito, ver por exemplo o conjunto de trabalhos organizados em Nadalin, 2000.
22 Segundo Giralda Seyfert, “a família completa a fronteira étnica como principal socializadora dos membros da comunidade étnica”. In: Seyfert, G. (1994). “A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica”, en Mauch, C. e Vasconcellos, N. Os alemães no sul do Brasil, Canoas, Ed. ULBRA, 11-40. p. 17.
23 Nadalin, S.O. (2007b), “Um viés determinado pela etnicidade: os nomes de batismo Registros paroquiais de uma comunidade luterana, séculos XIX e XX)” [Texto inédito, apresentado no Núcleo de Estudos de População da Universidade de Campinas, São Paulo, em seminário intitulado “As Atas paroquiais eos setecentos e oitocentos: linhas e entrelinhas, junho de 2007].
24 Nadalin, S.O. (2006), “A respeito de uma demografia histórica dos contatos culturais”, en Anais.../ XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais: desafios e oportunidades do crescimento zero, 18 a 22 de setembro de 2006. Campinas: ABEP (CD-ROM).
25 Discuti a questão em texto ainda inédito, a ser publicado pela CLACSO, em livro organizado por David Robichaux.
26 Embora o fluxo imigratório alemão no Brasil se mantenha até a década de 1930, relativamente a presença imigrante é maior entre os casais MF e EF da primeira coorte (1866-1894). Nas duas coortes seguintes, mas principalmente entre os casais MF, predominam indivíduos nascidos no Brasil. Mesmo com a diminuição das diferenças, a distinção MF/EF é sempre nítida, se fizermos, por exemplo, sobressair as diferenças na idade em que mulheres de ambas as coortes tiveram seus primeiros filhos em Curitiba. (Ver Tabela 3)
27 Schnnaper, D. (1984), “Essai de lecture sociologique”,. Dupâquier, J. et al., Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS, 13-21. p. 17.
28 Schnnaper, D. (1984), “Essai de lecture sociologique”,. Dupâquier, J. et al., Le prénom, mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980 (recueil de contributions), Paris, EHESS, 13-21. p 17.
29 Ver nota 4.
30 Ver alguns exemplos no quadro 1, acima.
31 Bideau, A. y Nadalin, S.O. (1988), “Étude de la fécondité d’une communauté évangélique luthérienne à Curitiba (Brésil) de 1866 à 1939”, Population, Paris, INED, 43(6), 1035-1064.
32 Nadalin, S.O. (1997/1998), “Sexuality, Marriage and Reproduction”, Brazilian Journal of Population Studies, 1, 207-228.
33 Andreazza, M.L. y Nadalin, S.O. (1999/2000), “The Context of Colonization in Southern Brazil and the Immigrant Family”, Brazilian Journal of Population Studies, 2, 121-144.
34 Ao contrário da nomeação por ocasião do registro civil, cujo procedimento é mais público do que privado.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sergio Odilon Nadalin, « Atribuição de prenomes de batismo: imigrantes alemães, identidade étnica e construção de um mundo simbólico (Curitiba, Brasil; 1866-1987) », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 22 mars 2008, consulté le 12 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/28672 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.28672

Haut de page

Auteur

Sergio Odilon Nadalin

Professor Associado do Departamento de História da Universidade Federal do Paraná (UFPR/Brasil). Pesquisador bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Brasil.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page