Navigation – Plan du site
Colloques | 2009
La Guerra del Paraguay: historiografías, representaciones, contextos – Anual del CEL, Buenos Aires, 3-5 de noviembre de 2008, Museo Histórico Nacional, Defensa 1600
Ana Paula Squinelo

A Guerra do Paraguai e suas interfaces: Memória, história e identidade em Mato Grosso do Sul (Brasil)

[16/01/2009]

Résumés

A partir do conflito latino-americano denominado Guerra do Paraguai e, particularmente do episódio conhecido como Retirada da Laguna, problematizo a construção da memória, da história e de uma identidade sul-mato-grossense que está vinculada aos desígnios de uma elite dominante local. Para mediar tais discussões contextualizo historicamente a divisão do antigo estado de Mato Grosso em duas unidades federativas, a saber: Mato Grosso e Mato Grosso do Sul ocorrida no ano de 1977, e em um processo dialético vou explicitando como a Guerra do Paraguai e a Retirada da Laguna foram e são alvos de inúmeras e diferenciadas manipulações históricas, historiográficas, identitárias e ideológicas, sempre com o intuito de legitimar os grupos que estão no poder no estado de Mato Grosso do Sul (Brasil).

Haut de page

Entrées d’index

Géographique :

Brasil, Mato Grosso do Sul

Chronologique :

Seculo XIX, Seculo XX

Palavras Chaves :

Guerra do Paraguai, elites, memória
Haut de page

Texte intégral

1 Mato Grosso do Sul, estado brasileiro localizado na região Centro-Oeste do país, tem sua história intimamente ligada ao Mato Grosso. Até outubro de 1977, ano em que foi sancionada a Lei Complementar nº 31, assinada pelo Presidente da República Ernesto Geisel, que dividiu o então Mato Grosso em duas unidades federativas, a região sul permaneceu de certa forma isolada, tendo sua história e memória atrelada as elites que dominavam o cenário estadual e que se concentavam na então capital estadual Cuiabá.

2 A divisão do estado em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, impôs sobretudo a este último, a necessidade de pensar sua história, seu passado histórico, fosse esse recente ou remoto, tendo em vista que com a cisão ocorrida, a unidade federativa recém criada ficava “órfão de sua história”: todo aparato jurídico, político, administrativo, arquivos etc, ficaram em Cuiabá, logo os documentos oficiais, a memória registrada ao longo dos anos pela imprensa local, como também os escritos de estudiosos consolidados como foi o caso de Virgílio Côrrea Filho, ficaram de posse da elite intelectual cuiabana.

3Tendo em vista os desdobramentos dessa situação, a década de 1980 infligiu aos intelectuais sul-mato-grossenses a necessidade, bem como a tarefa de criar e registrar uma história e uma memória que sintetizasse o espírito sul-mato-grossense e delineasse uma identidade capaz de unificar essa elite; para mediar tal discussão acerca da memória tomo como refencial Jacques Le Goff que a entende como

“[…] um elemento essencial do que se costuma chamar identidade, individual ou coletiva cuja busca é uma das atividades fundamentais dos indivíduos e da sociedade de hoje, na febre e na angústia”.

  • 1  Cf.: Le Goff, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão e outros. Campinas: Ed. UNI (...)

4 Quanto a memória coletiva que é a que mais me interessa, Le Goff a vê como “um instrumento e um objeto de poder”1; em relação a questão da necessidade imposta de se forjar uma identidade sul-mato-grossense, vale a pena ressaltar que

  • 2  Barrio, Cristina Del; Hoyos, Olga. O significado cognitivo e afetivo da identidade nacional em cri (...)

“[…] as diferentes comunidades humanas criam uma história (ou várias), e assim acontece um processo de gênese de identidade social; a história, por sua vez, dá forma à comunidade portanto, um sentido particular de pertencer à comunidade […]”2.

5Neste sentido a escrita de tal história deveria estar afinada com os desígnios desse grupo dominante que galgou e se apossou do poder estadual; logo uma história e uma memória que privilegiou determinados fatos históricos, nomes, heróis, episódios, acontecimentos, famílias etc, que não destoaram da história que estava sendo gestada, ao contrário, essas escolhas legitimaram as construções históricas que estavam se processando, ao mesmo tempo em que definiu e legitimou uma identidade para o “povo” sul-mato-grossense.

  • 3  Zorzato, Osvaldo. Conciliação e identidade: considerações sobre a historiografia de Mato Grosso. S (...)

6 Conforme observou o historiador Osvaldo Zorzato, o discurso histórico, com fortes conotações memorialistas, construído ao longo do século XX pelos intelectuais mato-grossenses, esteve sempre, atrelado aos grupos que disputavam e partilhavam o poder, dando-lhes principalmente, legitimidade3.

7 Em Mato Grosso do Sul os grupos que se aliaram e ficaram no poder passaram a elaborar um “discurso histórico” que legitimassem sua história, memória e identidade; tal discurso foi elaborado por um grupo de profissionais liberais representados por jornalistas, escritores, poetas, advogados, economistas, engenheiros etc; por isso denomino esses escritores de “memorialistas”, aqui entendido como um grupo que representava a elite dominante sul-mato-grossense e, que logo após a divisão do estado de Mato Grosso procedeu a escrita da história sul-mato-grossense, sem entretanto ancorar suas pesquisas nas ferramentas e suportes metodológicos utilizados pelo historiador de ofício; iniciaram assim a construção de uma história elitista, factual, cronológica na qual só houve lugar para fatos heróicos e grandes personagens; gestaram portanto uma história excludente na qual os fatos históricos foram cuidadosamente selecionados, impossibilitando naquele contexto histórico a perspectiva de uma história que contemplasse vários aspectos, fatos, acontecimentos de seu passado histórico.    

8 Ressalto que tais discursos elaborados sob os desígnios de uma elite local servem para legitimar ou alcançar uma posição almejada, assim como alertado por Bourdieu em sua obra “O poder simbólico”; para o historiador:

  • 4  Bourdieu, Pierre. O poder simbólico. Memória e sociedade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989, p (...)

O discurso regionalista é um discurso performativo, que tem em vista impor como legítima uma nova definição das fronteiras e dar a conhecer e fazer reconhecer a região assim delimitada – e, como tal, desconhecida – contra a definição dominante, portanto, reconhecida e legítima, que a ignora4.

9A história elaborada por esses escritores buscou infringir ao sul-mato-grossense uma identidade peculiar; esta esteve ligada ao ideário dos grandes nomes e acontecimentos que forjaram o caráter do sul-mato-grossense. Para tal fazia-se necessário escolher meticulosamente  no passado histórico os “heróis” que pudessem representar as virtudes do homem sul-mato-grossense. Diversos temas foram assim interpretados, com base no suposto comportamento exemplar de grandes homens, indivíduos predestinados a dar sua contribuição para o progresso e a felicidade de uma região promissora, habitada por uma população ordeira e pacata.

10 Como local para gestar, discutir e veicular tais idéias foi criado no contexto da divisão do estado o Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul (IHGMS), estenasceu da cisão com a Academia de Letras e História, e também deu origem a Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Ressalte-se que à época todos os membros do IHGMS faziam parte da elite que dominava o cenário político e econômico estadual, e que ao mesmo tempo não havia nenhuma cadeira ocupada por um historiador de ofício.

11 As obras que foram produzidas naquele momento histórico, privilegiaram alguns fatos históricos comuns ao antigo Mato Grosso, um dos mais significativos foi portanto a Guerra do Paraguai,e mais especificamente no interior do conflito platino o episódio denomidado A retirada da Laguna; esclareço que opto por utilizar a nomenclatura Guerra do Paraguai, por ser esta oficial no Brasil e, ainda entender que a própria nomenclatura do conflito já é objeto para vários e exaustivos estudos, levando-se em consideração que faz parte da história política e ideológia de cada nação envolvida.

  • 5  Guimarães, Acyr Vaz. Seiscentas léguas a pé. Campo Grande-MS: Tribunal de Justiça de Mato Grosso d (...)
  • 6  Guimarães, Acyr Vaz. Mato Grosso do Sul, sua evolução histórica. Campo Grande: Ed. UCDB, 1999.
  • 7  Guimarães, Acyr Vaz. A Guerra do Paraguai: verdades e mentiras. Campo Grande: Instituto Histórico (...)
  • 8  Rodrigues, José Barbosa. Histórias da terra matogrossense. São Paulo: Editora do Escritor, 1983.
  • 9  Campestrini, Hildebrando; Guimarães, Acyr Vaz. História de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Gráfi (...)

12Um olhar mesmo que de forma corrida e desatenta por essas obras, como por exemplo, Seiscentas Léguas a Pé5, Mato Grosso do Sul, sua evolução histórica6, A Guerra do Paraguai: verdades e mentiras7, Histórias da terra matogrossense8, História de Mato Grosso do Sul9, e outras, permite-nos visualizar a elaboração de uma história factual, seletiva, cronológica, que privilegia “grandes acontecimentos” e “heróis a serem cultuados”, como também uma memória previamente selecionada que enfatiza as realizações dos grupos dominantes.

13A maioria das obras que foram elaboradas nesse período sobre a história de Mato Grosso do Sul, apresentam características comuns, quais sejam: 1) trazem, em um primeiro momento, uma descrição geográfica da região, com ênfase nos seus rios, na fauna, na flora, no clima etc; 2) apontam os primeiros homens que desbravaram o território e a disputa entre portugueses e espanhóis pela posse do mesmo; 3) abordam superficialmente as populações indígenas, enfatizando suas relações com os europeus; 4) arrolam e relatam as primeiras vilas fundadas; 5) analisam a presença da Matte Larangeira na região; 6) tecem comentários sobre a divisão do estado; 7) descrevem a criação de novos municípios, indicando perspectivas de progresso e desenvolvimento; 8) dão grande destaque ao conflito com o Paraguai, principalmente no que diz respeito aos episódios que ocorreram no sul de Mato Grosso em fins de 1864, e enfatizam sobremaneira o episódio conhecido como Retirada da Laguna.

14 Devo lembrar que a grande parte do solo brasileiro não se constituiu em “teatro de operações” no decorrer do referifo conflito, apenas duas províncias vivenciaram episódios beligerantes, a saber: o Rio Grande do Sul e o Mato Grosso; sendo que nesta última ocorreu o episódio da Retirada da Laguna (maio-junho/1867); épico que acabou por ser materializado e imortalizado nas páginas da clássica obra de Alfredo d’Escragnolle Taunay intitulada A Retirada da Laguna.

15 O episódio da retirada da Laguna foi privilegiado na construção do discurso que legitimou a história, memória e identidade sul-mato-grossense. Alfredo d`Escragnolle Taunay (1843-1899), para redigir a obra em questão, teve como base um diário de campanha e as suas “lembranças”, interessado em justificar a participação brasileira no conflito platino e, principalmente, divulgar as “provações” passadas pela expedição brasileira no sul de Mato Grosso. O autor foi um fiel súdito de Pedro II, a quem a obra foi oferecida.Assim, os “interesses” do narrador coincidem com os do Império, lembrando que, para Taunay, os homens é que dominaram, com bravura, os acontecimetnos e não vice-versa. Entendo que não posso perder de vista que os episódios narrados por Taunay nesta obra foram construídos para transformar uma derrota militar em ato de heroísmo.

16 Ressalto que Taunay atuou como protagonista do conflito com o Paraguai no episódio ocorrido em solo mato-grossense. Em fins de 1864, Solano López ocupou o sul de Mato Grosso por duas frentes: uma por água e a outra por terra; essa tropa instalou-se nos territórios litigiosos, por isso o governo imperial organizou uma coluna que, saindo de São Paulo contou com o apoio de efetivos militares de Minas Gerais e Goiás. Seu objetivo era deter o avanço paraguaio e retomar as terras invadidas. A coluna atuou nesse espaço bélico entre os anos de 1865 e 1867. Taynau acompanhou o trajeto dessa força expedionária, no cargo de ajudante da comissão de engenheiros. Tendo ingressado na coluna ainda muito jovem, presenciou parte das cenas desencadeadas no teatro de operações. Sobrevivendo à longa marcha, retornou ao Rio de Janeiro onde, por insistência do pai, começou a escrever a obra que viria a imortalizar a grande tragédia a que esteve submetido o exército brasileiro: “A retirada da Laguna”. Sua primeira versão data de 1868, está redigida em francês e contém cerca de 50 páginas, sendo sua versão integral publicada em 1871.

17 Para compor a citada obra, Taunay narrou a retirada utilizando como recurso, além das anotações de um diário que fazia parte de suas obrigações profisionais, suas reminiscências, o que me leva a concluir que não a produziu no “calor dos acontecimentos”. Ao recompor suas lembranças, esteve sujeito às falhas a que o substrato da memória nos expõe, mas tentou contorná-las acentuando homens e fatos que em sua opinião deveriam ser reverenciados pelos brasileiros.

18 Colaborou, portanto, para que as primeiras interpretações – corretas ou não – sobre o evento começassem a ser registradas e divulgadas. Fortaleceu a memória e corroborou para alimentar, nas décadas seguintes, a história. Entretanto, a obra de Taunay, sem dúvida, teve o mérito de não só registrar, como imortalizar a retirada através de uma narrativa na qual os atores históricos agem como personagens de empolgantes romances.

19 Ressalte-se que o exército brasileiro durante o conflito com o Paraguai, carecia de uma estrutura de combate, aqui entendida como armamentos, atendimento médico, abastecimento e uniformes, entre outros. Sabe-se que na maioria das vezes  as decisões a serem tomadas eram pensadas, discutidas e ordenadas a poucos metros de distância do teatro de operações.

20 O episódio da retirada da Laguna não foge a essas constatações. Os oficiais do alto comando militar possuíam conhecimento das carências bélicas da coluna, porém não deixaram de efetivar a longa marcha. Taunay relatou todas essas inquietudes, problemas e enfrentamentos com os paraguaios. Assumiu o fracasso da expedição, mas narrou de forma romântica, épica e honrosa o desastre da retirada. O que se constituiu em derrota para o exército brasileiro adquiriu, nas sucessivas páginas de sua obra, outra dimensão. Em nome da pátria a glória prevaleceu.

21A partir dessas premissas procedeu-se a construção de uma historiografia épica que despertou o interesse dos escritores mato-grossenses e sul-mato-grossenses, levando-se em consideração que a retirada da Laguna constitui-se um episódio peculiar e “muito caro” resgatado pela história e historiografia sul-mato-grossense. Embora tenha exposto o Exército brasileiro e o fracasso da expedição que foi organizada para deter o avanço paraguaio, foi em diversos momentos políticos e ideológicos do estado recuperada e rememorada com objetivos específicos, entre eles o de destacar os mitos e os heróis sul-mato-grossenses, como por exemplo: Guia Lopes, Antônio João Ribeiro e Carlos de Moraes Camisão.

22Carlyle insistiu na relevância do papel desempenhado pelos grandes homens, apontando que o estudo desses heróis é de suma importância para a comprensão da história universal, porque

  • 10  Carlyle, Thomas. Os heróis. 2. Ed. Tradução de Antônio Ruas. São Paulo: Melhoramentos, 1963, p. 9.

[…] a história daquilo que o homem tem realizado neste mundo, é no fundo a história dos grandes nomes, êstes grandes homens, os modeladores, padrões e, em sentido amplo, criadores de tudo o que a massa geral dos homens imaginou fazer ou atingir; tôdas as coisas que nós vemos efetuadas no mundo são pròpriamente o resultado material externo, a realização prática e a incorporação dos pensamentos que habitam nos grandes homens mandados no mundo: a alma tôda a história universal, pode justamente considerar-se, seria a história dêstes10.

23Ou ainda:

  • 11  Idem, ibidem, p. 9.

[…] os grandes homens, seja como fôr que os tomemos, são companhia proveitosa. Não podemos olhar, por mais imperfeitamente, para um grande homem, sem lucrarmos alguma coisa com êle. Êle é a fonte corrente e viva, de que é agradável estar perto. A luz que ilumina, que tem iluminado a escuridão do mundo; e isto não sòmente como uma lâmpada acesa, mas antes como uma luminária natural que brilha do céu; uma fonte corrente e viva, como disse, de visão nativa e original, de virilidade e nobreza; - em cuja radiação tôdas as almas se sentem bem11.

24 Os escritores sul-mato-grossenses citados apreenderam os ensinamentos de Carlyle, e de uma maneira geral, identificam-se por exemplo, com a figura de guia Lopes. Todos “são um pouco de Lopes, da mesma raça e da mesma índole”. Por isso, sentem-se encantados e seduzidos por essa temática: escrever sobre a Guerra do Paraguai tornou-se um “dever” e um “prazer”. Querem ser identificados como fiéis seguidores de Taunay.

25 Antônio João e Camisão também foram alvo de semelhante atenção por parte desses autores que compõe a “galeria de heróis” que povoa a história sul-mato-grossense. Esclareço que o Tenente Antônio João Ribeiro foi caracterizado como símbolo da resistência sul-mato-grossense ao defender a Colônia Militar dos Dourados da ocupação paraguaia e “recusado a se render” juntamente com seu ínfimo efetivo; proporcionalmente o Coronel Carlos de Moraes Camisão, oficial que assumiu o comando da coluna expedicionária em Miranda, e que dirigiu a maior parte das ações às quais esteve submetida a tropa, sendo responsável pela ocupação do território paraguaio e, posterior início da retirada,foi uma figura lembrada e rememorada no processo de construção identitária do sul-mato-grossense.

  • 12  Sancionado pelo Decreto nº 3, de 1 de janeiro de 1979.

26 A consolidação de heróis como Antônio João, Guia Lopes e Camisão, que na contemporaneidade são tidos como verdadeiros mitos locais, embora muitos deles não fossem mato-grossenses, como era o caso de Camisão, marcou na opinião dos citados autores, de tal maneira o processo histórico regional que no Hino de Mato Grosso do Sul12, música de Radamés Gnatali e letra de Jorge Antônio Siufi e Otávio Gonçalves Gomes, a última estrofe é contemplada com os seguintes versos:

Vespasiano, Camisão

E o tenente Antônio João,

Guaicuru, Ricardo Franco,

Glória e tradição!

27 Guimarães em sua obra Mato Grosso do Sul, sua evolução histórica publicada no ano de 1999, externalizou sua admiração por tais heróis; em meio a expressões como “brava coluna” ou “homens valentes”, o escritor prosseguiu com a mitificação dos heróis mato-grossenses. Homens como Camisão e Guia Lopes ganharam em suas páginas, momentos de cristalização heróica. Eles teriam cumprido seu dever junto à nação brasileira independente dos erros e/ou falhas a que submeteram a coluna. Na mesma medida, a província mato-grossense teria dado sua contribuição ao resgate da honra da nação brasileira.

28A síntese do herói, do mito e do homem sul-mato-grossense, se delineou a partir do encontro das qualidades herdadas de Lopes, Antônio João e Camisão; o sul-mato-grossense é identificado assim como o homem que guia, o sertanejo, o solitário, o grande desbravador e conhecedor da região, e também como um homem que resiste e não sucumbe diante da realidade, mesmo que esta seja adversa.

29No processo de construção identitário sul-mato-grossense outras ações foram efetivadas, como por ejemplo, a nomeação de ruas, avenidas, monumentos e prédios públicos com nomes que reverenciam e rememoram nomes, episódios e batalhas relacionadas a Guerra do Paraguai e a retirada da Laguna.

30Acredito que tal opção por nomear os espaços públicos no estado de Mato Grosso do Sul com eventos e episódios relacionados com os acontecimentos relativos à Guerra do Paraguai, encontra respaldo, entre outros fatores, na forma com que a história sul-mato-grossense foi gestada, isto é, no contexto da divisão do estado (1977) o conflito platino foi privilegiado como:

  • 13  Squinelo, Ana Paula. A Guerra do Paraguai em novos campos de batalha. Fronteiras: revista de Histó (...)

[...] elemento que teria contribuído para a construção de um passado histórico repleto de glórias, heróis, epopéias, batalhas e acontecimentos singulares. Essa escolha pode ser explicada pelos acontecimentos que tomaram o antigo Mato Grosso, ou seja, o episódio que ficou nacionalmente conhecido e imortalizado [...] como a Retirada da Laguna. [...] A Retirada caracterizou-se como um dos maiores fracassos da história militar brasileira; no entanto, ganhou novos contornos, especialmente nos escritos de Taunay, em particular em sua obra A Retirada da Laguna. Apropriando-se da visão gestada por este escritor os memorialistas sul-mato-grossenses legaram à posteridade uma visão do conflito repleta de episódios monumentais e guerreiros destemidos. A partir dessa concepção muitos desses heróis representam, hoje, verdadeiros mitos locais, embora a maioria não tivesse nascido no antigo território mato-grossense. Camisão, Guia Lopes e Antônio João, entre inúmeros outros, retratam na atualidade o espírito do herói sul-mato-grossense13.

31Destaco que Mato Grosso do Sul configurou-se como o principal teatro de operações da coluna organizada por D. Pedro II, sobretudo a partir do momento em que o corpo expedicionário chegou a Coxim e o conflito passou a atingir diretamente um palco de operações que hoje pertence a Mato Grosso do Sul. Nesse sentido, a memória desse conflito mantém-se viva, no estado, até a atualidade por meio de monumentos, ruas, praças, avenidas e prédios públicos, que fazem referência a episódios ou personagens ligados à Guerra do Paraguai. Interessante pontuar que essa memória do conflito platino povoa o imaginário popular sul-mato-grossense, que está ligado a estórias e “causos” da Guerra, como também desperta uma produção significativa, tanto historiográfica quanto memorialista acerca desta temática.

32 A memória da Guerra do Paraguai em Mato Grosso do Sul pode ser visualizada e percebida no que denomino de “espaços das batalhas” e que estão representados em nomes de ruas e avenidas, tais como: Riachuelo, ocorrida em 11 de junho de 1865; Passo da Pátria, em 5 de maio de 1866; Tuiuti, em 24 de maio de 1866; Curuzú, em 3 de agosto de 1866; Curupaiti, em 22 de setembro de 1866; Humaitá, em 5 de agosto de 1868; Itororó, em 6 de dezembro de 1868; e, finalmente, Lomas Valentinas, em 27 de dezembro de 1868.

33Nos “espaços destinados aos heróis”, as ruas e avenidas homenageiam: o então Marquês de Caxias, que assumiu o comando-em-chefe das forças brasileiras terrestres e navais em outubro de 1866; Visconde de Taunay, que participou do episódio da Retirada da Laguna como ajudante da comissão de engenheiros; Cel. Camisão, terceiro comandante da coluna com destino ao sul de Mato Grosso; Cel. Juvêncio, que integrou a expedição organizada para expulsar as tropas guaranis de território mato-grossense; guia Lopes que acompanhou a coluna na ocupação paraguaia e, conseqüente Retirada como “guia”;  Benjamin Constant, que participou do conflito platino, primeiro na fiscalização de alimentos e, depois atuando na comissão de engenheiros; Mal. Floriano Peixoto, que atuou na campanha do Paraguai e, posteriormente foi Presidente da República; Antônio João, comandante da pequena Colônia Militar dos Dourados, que morreu em conseqüência da ocupação paraguaia; Hermenegildo de Albuquerque Portocarrero, comandante do Forte de Coimbra; Frei Mariano, religioso instalado em Miranda, que foi aprisionado pelos paraguaios; Barão de Melgaço, que teria sido responsável por impedir a ocupação paraguaia em Cuiabá; Capitão Antônio Maria Coelho, que liderou a retomada de Corumbá; D. Pedro II, Imperador do Brasil à época da Guerra. General Osório, Manoel Cavassa, José Rodrigues Benfica, Ten. Cel. Sampaio, Conde d’Eu, Cel. Frederico Carneiro de Campos e Tamandaré foram igualmente personagens lembrados.

34No que diz respeito às datas relativas a eventos da Guerra, encontrei o 13 de junho, referente à retomada de Corumbá, sob as ordens de Antônio Maria Coelho, em 1867.

35O estado de Mato Grosso do Sul abriga ainda em vários de seus municípios como Aquidauana, Bela Vista, Coxim, Jardim, Miranda, Nioque, Dourados, Corumbá e Antônio João, diferenciados monumentos e obeliscos acerca da Guerra do Paraguai; ressalto que esses locais foram palco dos acontecimentos em que se constituiu a retirada da Laguna.

  • 14  No ano de 2002 foi realizada a 1ª Edição da Marcha Cívico-Cultural da Retirada da Laguna que propu (...)
  • 15  Cf.: Certeau, Michel de. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janei (...)

36Este processo de apropriação e reapropriação dos eventos relacionados a retirada da Laguna ocorreu e ainda ocorre em diversos momentos da história política sul-mato-grossense haja vista que mesmo na contemporaneidade há um projeto turístico que foi esboçado com o intuito de criar uma Trilha da Retirada da Laguna14. As elites locais continuam se apropriando desse passado histórico ocorrido em solo mato-grossense e, insistem ainda em eleger como guia seguro para a construção de suas narrativas a referida obra de Taunay; entretanto sem elaborar as devidas mediações e os pertinentes diálogos para contextualizar e compreender a narrativa elaborada pelo autor; no dizer de Certeau sem se preocupar em delinear seu “lugar social”15.

37Para os pesquisadores Martins Júnior e Trubiliano a obra

38A Retirada da Laguna acaba por se reduzir àquilo que ela efetivamente não é. De um lado, reduz-se a mero documento para a reconstituição do passado, cuja objetividade parece opor-se à intencionalidade do monumento. Por outro lado, e simultaneamente, reduz-se à categoria de monumento que, associado à manipulação e à instrumentalização da lembrança, evoca intencionalmente o passado, para reviver coletivamente (comemorar) a memória de acontecimentos (gloriosos ou humilhantes), considerados atos fundadores da identidade nacional, regional ou local, com a sacralização dos grandes valores da comunidade constituindo-se no objetivo principal.

  • 16 Martins Júnior, Carlos; Trubiliano, Carlos Alexandre Barros. Revisitando A Retirada da Laguna: um d (...)

[...] a “Guerra do Paraguai” e, em especial, os episódios relacionados com a Retirada da Laguna transformam-se em elementos essenciais para o processo de elaboração, por parte da memória coletiva local, de representações míticas do passado, capazes de legitimar a própria existência do novo estado, bem como para constituição de uma identidade local, a partir da qual os sul-mato-grossenses são identificados, entre outros, com o bandeirante “desbravador” do sertão, com o defensor da fronteira e da integridade nacional ameaçada. Representações de um passado mítico e, portanto, excludente de outras possibilidades [...]”16.

39Para que se possa melhor entender a criação do projeto da Trilha da Retirada da Laguna faz-se importante explicitar o contexto político à época: as eleições para o poder estadual de 1998 mudaram um cenário político no estado que se perpetuava desde a criação de Mato Grosso do Sul. Saíram do poder nomes como, por exemplo, os de Marcelo Miranda, Wilson Barbosa Martins e Pedro Pedrossian que se revezaram durante as décadas de 1970 e 1980 e chegava ao topo um novo partido: o Partido dos Trabalhadores, na figura de José Orcírio Miranda dos Santos que ao assumir o poder ainda em seu primeiro mandato no início de 1999, juntamente com a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer e outros setores, deu início a uma discussão visando à possibilidade de criar uma trilha cultural em torno da Retirada da Laguna. Nesse sentido destaco que o projeto em discussão configura-se como um projeto político de âmbito governamental e nada mais pontual que o episódio da Guerra do Paraguai e da retirada da Laguna para se criar “novas histórias”, “novas memórias” e “novas identidades”...

40Embora alguns estudiosos já viessem levantando algumas questões acerca da rota da Retirada da Laguna, foi no referido governo, via Secretaria citada acima, que se procedeu a uma discussão visando a elaboração de um projeto que contemplasse o “cenário histórico, geográfico e paisagístico do qual fez parte a retirada da Laguna”.

41 Como afirmei no início desta reflexão, a Guerra do Paraguai foi objeto de manipulação ideológica em diferentes momentos políticos, e, no estado de Mato Grosso do Sul está sendo resgatada em um contexto histórico peculiar. Fica claro, portanto, que a memória da Guerra não se configura como uma “memória patriótica”, e sim, como uma memória conotativamente política.

42Tendo em vista o exposto até o presente momento, posso afirmar com a devida margem de segurança que o projeto da Trilha da Retirada da Laguna e outros que se referem à Retirada, estão sendo articulados pelos municípios aqui já citados tendo como justificativa dois pressupostos: 1º) a configuração e/ou consolidação de uma identidade sul-mato-grossense ligada ao episódio da Guerra do Paraguai, e ao mesmo tempo, à Retirada da Laguna; 2º) o intuito de implantar o Turismo Cultural e/ou contemplativo como mecanismo de desenvolver tais municípios, gerando emprego e renda.

  • 17  Utilizo o conceito de ideologia tal como definiu Michel Vovelle: “um conjunto de representações, m (...)

43 Nesse contexto torna-se imperativo o apoio e o incentivo do Governo Estadual aos projetos mencionados, na medida em que se consolida a construção de uma memória, de uma história e de uma identidade ligada aos desígnios de uma elite dominante sul-mato-grossense como forma de se perpetuar no poder. Por isso, a falta de compromisso histórico com o fato em questão – A Guerra do Paraguai e a Retirada da Laguna – tais episódios estão sendo, ao longo da história do estado, retomados e relembrados em momentos políticos nos quais se tenta reforçar uma ideologia17 do estado. Vale ressaltar que a memória da Guerra em Mato Grosso do Sul não é construída de forma linear e cumulativa, ao contrário, é edificada com interrupções, sendo resgatada nos contextos em que pode servir à determinada ideologia.    Então, inversamente ao que insistem em afirmar, isto é, de que a memória da Guerra e da Retirada caracterizam-se como uma “memória de cunho patriótico”, acredito que seja a memória de uma “conotação política” singular, haja vista, que em Mato Grosso do Sul os aspectos relacionados a memória, a história e a identidade fazem parte dos processos de tentativas de construções identitárias delineadas nos projetos políticos forjados seja por uma elite local ou pelas instâncias governamentais.

Haut de page

Bibliographie

Alambert, Francisco. Civilização e barbárie, história e cultura ‑ Representações culturais e projeções da "Guerra do Paraguai" nas crises do 2º Reinado e da 1ª República. 1999. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Azevedo, Cordolino de. A epopéia de Matto‑Grosso no bronze da história. [s.l.: s.n.], 1926.

Bandeira, Moniz. O Expansionismo brasileiro e a formação dos Estados da Bacia da Prata: da colonização à Guerra da Tríplice Aliança. 2. ed. São Paulo: Ensaio; Brasília: Editora UNB, 1995.

Barrio, Cristina Del; hoyos, Olga. O significado cognitivo e afetivo da identidade nacional em crianças e adolescentes colombianos e espanhóis. In: Carretero, Mario; rosa, Alberto; González, Maria Fernanda (Orgs.). Ensino de história e memória coletiva. Tradução de Valério de Campos. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Bourdieu, Pierre. O poder simbólico. Memória e sociedade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

Campestrini, Hildebrando; Guimarães, Acyr Vaz. História de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Gráfica e Papelaria Brasília, 1991.

Carlyle, Thomas. Os heróis. 2. Ed. Tradução de Antônio Ruas. São Paulo, Melhoramentos, 1963.

Certeau, Michel de. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

Connerton, Paul. Como as sociedades recordam. Tradução de Maria Manuela Rocha. 2. ed. Oeiras: Celta, 1999.

Doratioto, Francisco Fernando Monteoliva. A Guerra do Paraguai: 2ª visão. São Paulo: Brasiliense, 1991.

______. Espaços nacionais na América Latina: da utopia bolivariana à fragmentação. São Paulo: Brasiliense, 1994.

______.O conflito com o Paraguai. A grande guerra do Brasil. São Paulo: Ática, 1996.

______.  Maldita Guerra. Nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

Figueira, Divalte Garcia. Soldados e negociantes na Guerra do Paraguai. São Paulo: Humanitas; FFLCH‑USP; FAPESP, 2001.

Figueiró, Ricardo Maria; Mattos, Krugerson. Trilha da Retirada da Laguna, [200-?].

Fragoso, Augusto Tasso. A paz com o Paraguai depois da guerra da Tríplice Aliança, [19‑‑?].

_____. História da Guerra entre a Tríplice Aliança e o Paraguai.2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1956. (v. 1).

_____. 2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1957. (v. 2).

_____. 2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. (v. 3).

_____. 2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1959. (v. 4).

_____. 2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1960. (v. 5).

Fentress, James, Wickham, Chris. Memória Social. Tradução de Telma Costa. Lisboa: Teorema, 1994.

Guimarães, Acyr Vaz. Seiscentas léguas a pé. Campo Grande-MS: Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, 1988.

_____. Mato Grosso do Sul, sua evolução histórica. Campo Grande: Ed. UCDB, 1999.

­_____. A Guerra do Paraguai: verdades e mentiras. Campo Grande: Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, 2000. (volume 1).

Hobsbawn,  Eric; Ranger, Terence (Orgs.). A invenção das tradições. Tradução de Celina Cardim Cavalcante. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

Le goff, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão e outros. Campinas: Unicamp, 1990.

______. Memória. In: História e Memória. Tradução de Bernardo Leitão et al. 4. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996, p. 419-76.

Maretti, Maria Lídia Lichtscheidl. Um polígrafo contumaz (O Visconde de Taunay e os fios da memória). 1996. Tese (Doutorado em Teoria Literária). Instituto de Estudos de Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Martins júnior, Carlos; Trubiliano, Carlos Alexandre Barros. Revisitando A Retirada da Laguna: um debate entre a Memória, História e Turismo. Revista Eletrônica História em Reflexão: vol. 2, n. 3 – UFGD – Dourados, jan./jun., 2008.

Melo, Raul Silveira de. A epopéia de Antônio João. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1969.

Pereira, Armando Arruda. Heroes abandonados! Peregrinação aos lugares historicos do Sul de Mato Grosso. São Paulo: Secção de obras d’ "O estado de São Paulo", 1925.

Rodrigues, José Barbosa. Histórias da terra matogrossense. São Paulo: Editora do Escritor, 1983.

Salles, Ricardo. Guerra do Paraguai: escravidão e cidadania na formação do exército. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

_____. Guerra do Paraguai: memórias e imagens. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2003.

Silva, V. Benício da. Antônio João. Homenagem da Biblioteca Militar aos heróis de Dourados. Rio de Janeiro, 1938. (coleção A, volume VI).

Silveira, Mauro César. A batalha de papel. A Guerra do Paraguai através da caricatura. Rio Grande do Sul: L&PM, 1996.

Souza, Jorge Prata de. Escravidão e morte: os escravos brasileiros na Guerra do Paraguai. Rio de Janeiro: Mauad/ADESA, 1996.

Squinelo, Ana Paula. A Guerra do Paraguai, essa desconhecida... Ensino, memória e história de um conflito secular. Campo Grande: Ed. UCDB, 2001.

_____. 2. ed. rev. Campo Grande: Ed. UCDB, 2003.

_____. Construções e representações do episódio da Retirada da Laguna na obra de Alfredo d`Escragnolle Taunay. In: Anais do VI Encontro de História de Mato Grosso do Sul. Dourados-MS: ANPUH/MS; Ed. UCDB, 2002, p. 43-52.

_____. A Guerra do Paraguai em novos campos de batalha. Fronteiras: revista de História, Campo Grande, MS, 4/5 (7/9), pp. 79-81, 2000/2001.

_____. A Guerra do Paraguai ontem e hoje: Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (1868-2003). São Paulo, 2006. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Taunay, Alfredo d`Escragnolle. Marcha das forças. Expedição de Matto Grosso (1865-1866). Do Rio de Janeiro ao Coxim. São Paulo: Comp. Melhoramentos de São Paulo; Cayeiras: Rio de Janeiro, 1928.

_____. Em Mato Grosso Invadido (1866-1867). São Paulo: Comp. Melhoramentos de São Paulo; Cayeiras: Rio de Janeiro, 1929.

_____. Cartas da Campanha de Matto Grosso (1865-1866). Rio de Janeiro: Edição da Biblioteca Militar, 1944.

_____.A Retirada da Laguna por Alfredo d’Escragnolle Taunay official do Exercito Brazileiro. Tradução de Salvador de Mendonça. Rio de Janeiro: Typographia Americana, 1874.

_____. A Retirada da Laguna. Episódio da Guerra do Paraguay. 7. ed. São Paulo; Rio de Janeiro; Recife; Companhia Melhoramentos de São Paulo, [19--?].

_____. A Retirada da Laguna. Episódio da Guerra do Paraguai. 16. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1963.

_____. A Retirada da Laguna: episódio da Guerra do Paraguai Tradução e organização de Sérgio Medeiros. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. (Coleção Retrato do Brasil).

Tolentino, Terezinha Lima. Ocupação do sul de Mato Grosso antes e depois da Guerra da Tríplice Aliança. São Paulo: Fundação Escola da Sociologia e Política de São Paulo, 1986.

Toral, André Amaral de. Adeus, chamigo brasileiro. Uma história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

______. Imagens em desordem: a iconografia da Guerra do Paraguai. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2001.

Trindade, Vilma Elisa. Política, história e memória em Mato Grosso: Virgílio Corrêa Filho (1887‑1973). Campo Grande‑MS: Ed. UFMS, 2001.

Vovelle, Michel. Ideologias e mentalidades. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

Zorzato, Osvaldo. Conciliação e identidade: considerações sobre a historiografia de Mato Grosso. São Paulo, 1998. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Weingartner, Alisolete Antônia dos Santos. Movimento divisionista no Mato Grosso do Sul. Porto Alegre: Edições EST, 1995.

Haut de page

Notes

1  Cf.: Le Goff, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão e outros. Campinas: Ed. UNICAMP, 1990, p. 476.

2  Barrio, Cristina Del; Hoyos, Olga. O significado cognitivo e afetivo da identidade nacional em crianças e adolescentes colombianos e espanhóis. In: Carretero, Mario; Rosa, Alberto; González, Maria Fernanda (Orgs.). Ensino de história e memória coletiva. Tradução de Valério de Campos. Porto Alegre: Artmed, 2007, p. 129.

3  Zorzato, Osvaldo. Conciliação e identidade: considerações sobre a historiografia de Mato Grosso. São Paulo, 1998. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

4  Bourdieu, Pierre. O poder simbólico. Memória e sociedade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989, p. 116.

5  Guimarães, Acyr Vaz. Seiscentas léguas a pé. Campo Grande-MS: Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, 1988.

6  Guimarães, Acyr Vaz. Mato Grosso do Sul, sua evolução histórica. Campo Grande: Ed. UCDB, 1999.

7  Guimarães, Acyr Vaz. A Guerra do Paraguai: verdades e mentiras. Campo Grande: Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, 2000. (volume 1).

8  Rodrigues, José Barbosa. Histórias da terra matogrossense. São Paulo: Editora do Escritor, 1983.

9  Campestrini, Hildebrando; Guimarães, Acyr Vaz. História de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Gráfica e Papelaria Brasília, 1991.

10  Carlyle, Thomas. Os heróis. 2. Ed. Tradução de Antônio Ruas. São Paulo: Melhoramentos, 1963, p. 9.

11  Idem, ibidem, p. 9.

12  Sancionado pelo Decreto nº 3, de 1 de janeiro de 1979.

13  Squinelo, Ana Paula. A Guerra do Paraguai em novos campos de batalha. Fronteiras: revista de História, Campo Grande, MS, 4/5 (7/9), pp. 79-81, 2000/2001.

14  No ano de 2002 foi realizada a 1ª Edição da Marcha Cívico-Cultural da Retirada da Laguna que propunha “o refazer da epopéia dos bravos mato-grossenses e brasileiros, percorrendo os caminhos por eles realizados, a pé ou motorizado, em trilhas dignas de qualquer turismo ecológico. Comentando os principais eventos acontecidos e desfrutando das belezas da rica natureza sul-mato-grossense”. Cf.:Projeto Cultural: V reedição da marcha cívico-cultural da retirada da Laguna – revivendo a História de nosso estado, 2007. Aponto que tais marchas são realizadas anualmente por militares do Exército Brasileiro, com o apoio do Governo Estadual, do IHGMS e do Conselho Internacional de Museus (ICOM), e contam com a participação de militares e parcelas da sociedade civil.

15  Cf.: Certeau, Michel de. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

16 Martins Júnior, Carlos; Trubiliano, Carlos Alexandre Barros. Revisitando A Retirada da Laguna: um debate entre a Memória, História e Turismo. Revista Eletrônica História em Reflexão: vol. 2, n. 3 – UFGD – Dourados, jan./jun., 2008, p. 14-13.

17  Utilizo o conceito de ideologia tal como definiu Michel Vovelle: “um conjunto de representações, mas também de práticas e comportamentos conscientes ou inconscientes”. Cf.: Vovelle, Michel. Ideologias e mentalidades. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991, p. 11 e 14.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ana Paula Squinelo, « A Guerra do Paraguai e suas interfaces: Memória, história e identidade em Mato Grosso do Sul (Brasil) », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 16 janvier 2009, consulté le 14 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/49752

Haut de page

Auteur

Ana Paula Squinelo

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP/Brasil), Professora Adjunta do curso de História do Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCHS) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campo Grande/MS (Brasil), Coordenadora do Grupo de Pesquisa “Historiografia e ensino de História”, e-mail: apsquinelo[at]yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page