Navigation – Plan du site
Débats | 2007
Migrações, migraciones. Dossiê coordenado por Mônica Raisa Schpun
Márcio de Oliveira

Imigração e diferença em um estado do sul do Brasil: o caso do Paraná

[18/05/2007]

Résumés

Pendant la décennie de 1990, plusieurs parcs publics ont été créés dans la ville de Curitiba, la capitale de l´état du Paraná, Brésil. Ces parcs ont été dédiés à de divers groupes d’immigrants qui sont arrivés à l’état depuis la moitié du XIXe siècle. L´idée générale des ces hommages était que l’état (mais aussi la ville de Curitiba) avait connu une histoire différente par rapport à celle que l’on connaissait de ladite société luso-brésilienne. L’origine de cette différence résidait justement dans les immigrants non-portugais et dans la petite présence des Noirs dans la population locale. Cette version, diffusée par la mairie de Curitiba, avait un certain fondement scientifique et historique, en plus d’avoir été consacrée par la publication du livre Un Brésil différent (1955) du critique littéraire Wilson Martins. En effet, depuis la fin du XIXe siècle, des membres de l’élite locale produisaient des métaphores et des imagens liant la société locale aux immigrants. Il ne s’agissait pas, dans la plupart de cas, de l’immigrant lui-même, mais de “l’homme paranais”, issu du processus de métissage entre les divers groupes d’immigrants, parmi lesquels les plus importants étaient les Polonais, les Allemands et les Italiens. L’analyse de l’histoire intellectuelle du Paraná depuis la fin du XIXe siècle jusqu’aux années 1950, lorsqu’on célébre le centenaire de la création de la province, se fait autour d’une discussion sur le fondement social et historique de ces images de la différence tout en considérant, en termes d’hypothèse de travail, qu’elles feraient état d’un mythe du “Brésil différent”. Pour ce faire, l’on analyse trois mouvements historiques: le mouvement symboliste, le mouvement “paranista” et le centenaire de la création de l´état.

Haut de page

Entrées d’index

Keywords :

mito.

Palabras claves :

Brasil

Palavras Chaves :

imigração, diferença
Haut de page

Texte intégral

1Entre 1993 e 1997, a cidade de Curitiba1 viu seu número de parques e bosques públicos crescer de 15 para 22, em um aumento de quase 50%. Destes espaços públicos inaugurados pela prefeitura da cidade, três parques foram dedicados a comunidades étnicas de imigrantes, a saber: Bosque Alemão, Bosque de Portugal e Parque Tingui, destinados respectivamente às comunidades de imigrantes alemães, portugueses e ucranianos (Oliveira, 1996). O “Instituto de Pesquisa da Afrodescendência” (IPAD), com sede em Curitiba2, observou que, em meio àquela ação coordenada de homenagens aos grupos de imigrantes, nenhum parque, bosque ou simples praça havia sido destinado à presença negra na cidade ou no estado. A resposta não oficial da prefeitura foi: a população negra não havia sido importante na história da cidade. Esta afirmação poderia ser considerada fruto de um julgamento parcial (ou mesmo discriminatório) não fosse o conteúdo histórico e científico do qual se revestia. De fato, nos estudos sobre a história social do estado, várias teses lastreiam o julgamento feito. Vejamos. A imagem de 1) um “Brasil mais europeu” uma vez que a sociedade paranaense era “semelhante a que se encontrava no resto do Brasil, mas não era idêntica”, porque fruto de um “laboratório étnico” que havia transformado a sociedade luso-brasileira (Wachowicz, 2001: 145-159), 2) de uma região onde o “paranaense sentiu que estava construindo para o Brasil uma versão diferente de seus estilos mais conhecidos e divulgados” (Pinheiro Machado, 1969: 19), entre outras, são comuns e revelam uma história social vivida e percebida como particular, porque assentada na noção de comunidade, de sua permanência e desenvolvimento através do tempo, processo que teria desembocado numa “nova identidade étnica”. Ainda que estas imagens sejam questionadas - é “como se, no Paraná, a “mancha da escravidão” e mesmo da colonização portuguesa tivessem sido apagadas" (Andreazza e Nadalin, 1994: 62) - reconhece-se que neste “raciocínio simplista e ingênuo, recuperamos e reiteramos aspectos da ideologia imigratória do século XIX...” (Id.Ib.)3. De fato, desde o final do século XIX, escritores “simbolistas” e membros da elite intelectual e política paranaense começam a produzir, através de discursos, textos literários e estudos históricos, imagens e metáforas sobre a identidade social e cultural do estado cujo fundamento étnico se assentava na figura “branca” do imigrante não-português de origem européia, e cujo fundamento social residia na presumível particularidade paranaense em relação às demais regiões do Brasil. Essas imagens e metáforas utilizadas na apresentação da versão acima eram encontradas em trabalhos de caráter historiográfico cuja temática geral era a história e/ou a sociedade do estado do Paraná. Nos anos 1920, surge o paranismo, movimento intelectual e político que, secundando aquela primeira geração republicana, manteve a trajetória de invenção de uma história e de uma sociedade para o plano local baseada em uma visão “branca” e particular da sociedade e do próprio estado do Paraná. Como um todo, estas primeiras imagens apresentavam, ainda que de maneira não calculada, uma relação de proximidade com outros movimentos regionais de valorização das identidades locais, existentes em outros estados do Brasil. Aproximavam-se ainda do pensamento social construtor da cultura e da identidade nacional da primeira metade do século XX, cum grano salis: a regionalidade era apresentada não por diluição ou justaposição no todo nacional, mas sim através da afirmação da diferença das comunidades de imigrantes formadoras da sociedade local e de sua trajetória de integração/transformação da sociedade luso-brasileira. A publicação do livro Um Brasil diferente (Martins, 19894), onde se afirma que a imigração de origem européia constitui o principal lastro da formação social e cultural do estado, tornando o Paraná “diferente”, pode ser considerada tanto como o ápice desta trajetória de invenção de uma identidade não-portuguesa5, como também de consagração dos grupos que a produziram (Bourdieu, 2002). Denominamos inicialmente esse processo histórico não orquestrado de “produção de imagens da diferença”. Notamos, contudo, que essas imagens, (re)produzidas e difundidas por membros da elite política e intelectual paranaense durante toda primeira metade do século XX, são mais que parte de um processo de produção de crenças, mas funcionam como uma espécie de mito que (re)cria um certo “imaginário do sul”. Segundo este, a parcela sul do território brasileiro seria uma região social e culturalmente diferente das outras regiões do país. Numa palavra, se aquelas imagens não são o atestado de um “Brasil diferente”, talvez tenham produzido o “mito de um Brasil diferente”, com forte impacto sobre textos acadêmicos6 e escolares, mas também sobre o imaginário local. Contudo, qual é o lastro econômico, social, demográfico e étnico dessas imagens? O que elas revelam em relação ao campo intelectual e político e qual seu papel na construção/invenção da supostamente diferente história social paranaense?

Imigração no Paraná

2Terra de tardia ocupação e expansão demográfica, o estado do Paraná, durante as décadas de 1950 e de 1960 (Balhana et al., 1969; Wachowicz, 1969), foi descrito como “diferente”, basicamente por três razões. Primeiro, porque não teria consolidado o padrão clássico da sociedade luso-brasileira que gravita em torno de relações senhoriais, do grande latifúndio e da monocultura de exportação. Em segundo lugar, porque sua economia, desde os tempos colônias, esteve assentada sobre bases capitalistas. As indústrias da madeira e da erva-mate apresentavam uma estrutura relativamente tecnológica e concorrencial, conjugando trabalhadores livres (os “jornaleiros” que colhiam a erva-mate) e escravos (alguns desses também assalariados), impulsionadas por uma forte atividade comercial (atacadista e varejista) e exportadora. Em terceiro, porque a forte presença do imigrante europeu – sobretudo a partir da década de 1870 – teria modificado substancialmente o perfil populacional do estado, sua cultura e suas relações sociais. O início da imigração para os estados do sul do Brasil data da década de 1820, quando são fundadas, por grupos de alemães, as primeiras colônias, nas atuais cidades de Itajaí (Santa Catarina, SC) Rio Negro (divisa entre os estados de SC e Paraná, PR) e de São Leopoldo (Rio Grande do Sul, RS). Segundo Nadalin (2001), com a lenta diminuição e o fim do tráfico (Lei Eusébio de Queirós, 1850) e com a elevação do preço do café e sua expansão no estado de São Paulo, parte considerável da população escrava paranaense é vendida para cafeicultores paulistas, provocando uma relativa crise de abastecimento agrícola, uma vez que eram eles os trabalhadores rurais. Magnus Pereira (1996: 58/59) afirma que a venda de escravos para São Paulo teria sido tão importante que o próprio perfil demográfico da região se altera. A título de exemplo, afirma que o percentual da população curitibana escrava em 1850 (antes mesmo do grande fluxo imigratório e no momento da Lei Eusébio) já seria de apenas 8%. Adicione-se a isto que, neste momento, parte dos imigrantes que viviam em colônias começa a migrar para as cidades (por exemplo, imigrantes alemães da colônia Dona Francisca, atual Joinville, SC, em direção a Curitiba), onde procuravam se assalariar nos mais diversos trabalhos ou mesmo montar estabelecimentos comerciais próprios7. As conseqüências dessas mudanças se fariam sentir também no ordenamento jurídico da sociedade paranaense. Em 1861 e, portanto, ainda em período escravocrata, a câmara de Curitiba proibia o trabalho escravo nas lojas comerciais. Os imigrantes eram preferidos aos escravos (que deveriam ser “superados”) e mesmo aos nacionais de “classes baixas” (M. Pereira, 1996: 85-87).  As imagens em torno do caráter benéfico do “imigrante trabalhador” em oposição ao escravo em vias de “desaparecimento” surgem neste momento e, em 1872, a população imigrante residindo em Curitiba já era de 1.339 indivíduos ou 11% do total. As primeiras iniciativas paranaenses para promover a imigração estabelecem como objetivo atrair uma população rural e trabalhadora (“morigerada e laboriosa”) com o objetivo de abastecer a “província” de gêneros alimentícios8. Embora, entre a emancipação (1853) e o fim do governo imperial (1889), a província tenha conhecido nada menos que 41 presidentes, deve-se reconhecer que durante todo esse período, a política de imigração sustentou-se invariavelmente no tripé ocupação dos vazios demográficos, produção agrícola em pequenas propriedades e trabalho livre, conferindo-lhe uma característica distinta da imigração paulista: a colonização (Andreazza e Nadalin, 1994). A título de exemplo, pode-se ler no “Relatório do Presidente da Província”, ano de 1854 (p. 62), que dever-se-ia “encher de população ativa o vasto território [...] onde o europeu se depara com um clima análogo ao de país natal.” No Relatório do Presidente de 1855 (p. 21), está presente a idéia de “promover a imigração de colonos morigerados e laboriosos”, ou seja, de bons costumes e trabalhadores. Data daqui, muito provavelmente, o nascimento da associação positiva entre imigrante e trabalho. No Relatório apresentado pelo Vice-presidente da Província de 1857, afirmava-se que se o governe desejasse promover a “colonização”, deveria proceder “por meio da venda de terras devolutas” (Relatório de 1857 apud Balhana et all., 1969: 161). No Relatório de 1872 (p. 65), a preocupação era de “salvarmos a Província do estado da decadência a que chegou sua agricultura”. No Relatório de 1875 (p. 22), reconhecia-se que “hoje (...) a salutar lei de emancipação dos escravos nos colocou na dependência do braço europeu”. Durante o período analisado acima (1854-77), foram de fato os Presidentes Frederico de Araújo Abranches, 1873-1875, e Adolfo Lamenha Lins, 1875-77, quem mais efetivamente se empenharam em relação à política de imigração e de colonização. Conforme se pode ler no Relatório de 1875, ao final da presidência de Abranches, apresentam-se dados sobre as principais colônias. Nota-se inicialmente que até a década de 1860, todas elas eram fruto de iniciativas particulares: Colônia Theresa (próximo ao Rio Ivaí, 150 km a oeste de Curitiba), fundada pelo médico francês João M. Faivre com 87 franceses, apresentando sinais de decadência devido ao isolamento. Superagui (atual município de Guaraqueçaba, litoral norte do estado), fundada pelo suíço Carlos Perret Gentil em 1852 com 85 imigrantes suíços e franceses, que havia prosperado enquanto viveu seu fundador, encontrava-se também em decadência. A colônia de Assungui (atual município de Cerro Azul, região metropolitana de Curitiba), fundada em 1860 pelo governo da província com ajuda do governo imperial, inicialmente ocupada por 949 imigrantes, contava então com apenas 308 habitantes estrangeiros (sendo 110 franceses, 74 suíços, 70 italianos, 49 alemães e 5 espanhóis). Estava em situação de isolamento embora fosse considerado “o melhor estabelecimento deste gênero que conta a província” (Relatório de 1875, p. 24). O Relatório de 1875 apresenta ainda dados sobre imigrantes que estariam se instalando em regiões próximas (hoje bairros) à cidade de Curitiba, no primeiro movimento de migração interna no interior o estado. Não há informações sobre o número de imigrantes, mas apenas sobre os nomes das colônias: Rocio da Capital, Abranches (atual bairro Abranches), São Venâncio e B. Cachery (atual bairro Bacacheri). Lamenha Lins, em seu Relatório de 1876 reconhece que a província apresenta condições adequadas à imigração, mas que “para isto” era necessário dispor-se dos “meios próprios” e, principalmente, dizer a verdade aos colonos “sobre a nova pátria”; “facilitar-lhe o transporte”; “dividir bem lotes”; “evitar que o imigrante sofra vexames”, entre outras (Relatório de 1876, p. 78-79). O Relatório de 1876 compara ainda as colônias mais distantes (Assungui, por exemplo) com aquelas próximas a Curitiba, reconhecendo nas últimas inúmeras vantagens. Em seu Relatório (anual) de 1876, Lamenha Lins ressalta ainda o aspecto “florescente” da colônia “do rocio da capital” com já mais de “dois mil habitantes” estrangeiros. É taxativo ao afirmar que o “progresso e bem-estar” eram frutos da política de imigração que havia implantado “com a aprovação do governo imperial” (p. 79), contribuindo para a consolidação da imagem positiva sobre a imigração. Segundo Balhana et al. (1969), haveria 21 colônias que se instalaram em localidades próximas a Curitiba. Os grupos de imigrantes eram principalmente de poloneses, alemães e italianos; franceses, ingleses e suíços estavam sempre em menor número. O número médio de imigrantes por colônia era de 300 indivíduos, com pico de 1.295 para a colônia Tomaz Coelho (atual município de Araucária, região metropolitana de Curitiba) e um mínimo de 98 para a colônia de D. Pedro em Curitiba. O número de lotes rurais variava de colônia para colônia em função do número de imigrantes sendo que seu tamanho médio era de 25 hectares por família. Em 1877, chegam ao Paraná os primeiros imigrantes russos (ou “alemães do Volga”), fugindo do alistamento militar obrigatório que lhes fora recentemente imposto (Balhana, 1969: 174-176). Ao total, estaria previsto que o número de imigrantes, destinados à região dos “campos gerais” (atual município de Ponta Grossa, 120 km a oeste de Curitiba), giraria em torno de 20 mil. O governo provincial demarcou lotes e contribuiu financeiramente com o transporte. O objetivo aqui era dinamizar a economia desta região, que se encontrava em relativa decadência econômica. Contudo, devido a uma série de dificuldades que não podemos desenvolver aqui, somente 3.809 imigrantes desembarcaram no Paraná e apenas 50% deles permaneceram. O fracasso dessa iniciativa repercutiu negativamente tanto no Brasil quanto na Europa, marcando o fim de uma primeira etapa das políticas oficiais de imigração (Balhana et al., 1969: 177-81). Durante a década de 1880, a atuação do governo provincial limitou-se a apoiar a criação de associações de imigração. Onze destas foram criadas em Curitiba entre 1885 e 1886. Nesta década o número de imigrantes para o estado foi de apenas 2.769 contra 12.500 na década de 1870. A preocupação com a imigração assumiu novas feições nos anos imediatamente anteriores à abolição da escravidão (1888). Disseminou-se então um sentimento de que nem todo imigrante era capaz de adaptar-se (as primeiras imagens negativas sobre os imigrantes datam desta época e se referem basicamente aos “alemães do Volga”) e de que as colônias melhor sucedidas tinham um ponto em comum: a proximidade com os núcleos urbanos, em especial Curitiba, o que modificaria um pouco a idéia inicial de colonização de todo o território do estado9. À idéia de colonização, seria acrescentado ainda o desejo de trazer imigrantes para o trabalho nas grandes obras públicas, como por exemplo, para a construção da estrada de ferro ligando o litoral (Paranaguá) a Curitiba. No Relatório de 1888, assinado pelo Presidente Miranda Ribeiro a 30 de junho (p. 26), portanto logo após a abolição da escravidão, reconhecia-se um novo papel para a imigração. Tratava-se então de “fator étnico de primeira ordem, destinada a tonificar o organismo nacional abastardo por vícios de origem e pelo contato que teve com a escravidão”. É possível explicar essa nova preocupação pela diminuição do número de imigrantes contabilizados para aquele ano de 1888, 383, enquanto que no ano anterior (1887), o número havia sido de 801 indivíduos, conforme se pode ler no Relatório (anual) de 29 de dezembro de 1888 (p. 29). Apesar da experiência negativa com os “alemães do Volga”, o fim da escravidão parecia lembrar às elites locais que o país herdara certos “vícios de origem” que o imigrante poderia corrigir. A primeira década republicana (1890-1900) apresentou uma nova dinâmica imigratória. A política oficial de incentivo durara até 1896 e consistira no subsídio para o custeio da passagem a partir do país de origem, transporte para o local da colônia, lote e alguma ajuda para manutenção nos primeiros meses. A partir de 1896, apenas o lote deveria ser vendido por “preço módico e a longo prazo” (ou seja, financiado) (p. 9) e, em 1901, não se cogita mais reeditar os antigos benefícios. Segundo o Relatório (anual) de 1901, 53.047 imigrantes teriam aportado no Paraná10. Andreazza e Nadalin (1994: 65) apresentam um número final de 85.537 imigrantes que teria se instalado no estado entre 1829 e 1911. Os dados apresentados merecem um comentário. Sobre a imigração polonesa, por exemplo, os números são relativamente confusos. Não há dúvida sobre os períodos mais intensos da imigração, 1890-96 e 1907-14. Contudo, enquanto Martins (1941: 67) contabiliza 55.042 imigrantes, apresentando, porém, um número final de 48.131 (uma diferença de quase 7 mil imigrantes), Gluchowski (2005: 45) chega a um número final de 41.646 para o período compreendido entre 1871 e 191411. Seja como for, depreende-se, em hipótese, que os fluxos de imigrantes para o Paraná não teriam sido muito influenciados pelas políticas oficiais provinciais. De fato, entre 1871 e 1887, época do apoio oficial, apenas 5.256 poloneses imigrantes chegaram ao Paraná (R. Martins, 1941: 64-65). Gluchowski (2005: 42-44;) afirma que entre 1871 e 1889, chegaram à Província 7.030 imigrantes poloneses, enquanto que apenas para o período compreendido entre 1890 e 1900 (também chamado de período da “febre imigratória”), quando a política oficial de incentivo já havia acabado, o número total de imigrantes poloneses teria sido de 20.386 (14.286 apenas entre os anos de 1890 e 1894) e de 15.730 para o período entre 1900 e 1914. Ao final, contudo, uma constatação: a imigração teria tornado a sociedade paranaense moderna; o “Paraná, um estado com população predominantemente branca e com majoritária influência européia” (Wachowicz, 2001: 159).

Paranismo e diferença

3Entre 1854 (emancipação do Paraná) e o final do século XIX, como visto, em apenas um momento foi produzida uma imagem negativa do imigrante. Contudo, é no final deste período que surge um movimento social e literário, tendo como pano de fundo a caracterização do estado e da sociedade paranaense – o Simbolismo - no seio do qual surge o conjunto de metáforas e representações que denominamos de “imagens da diferença”. O Simbolismo, embora tendo representantes em vários estados, foi especialmente vigoroso no Paraná e, por conseguinte, é descrito como um simbolismo particular. A primeira particularidade (estendida ao próprio estado) liga-se ao clima da cidade de Curitiba, considerado frio e europeu, e ao relevo ondulado de suas montanhas, o que aproximaria os escritores locais do “clima” da matriz simbolista parisiense. Bastide (1980) encontra aí uma clara manifestação da diferença do sul: “O Simbolismo do Paraná é também a primeira manifestação de um “Brasil diferente” contra o Brasil tropical, uma tomada de consciência literária do que o Paraná apresenta de específico, mas também de autenticamente brasileiro, contra os que querem modelar todos os brasileiros segundo um mesmo padrão: clima temperado contra sol tórrido, bruma esbranquiçada e geada, minuano gelado do Sul, contra os alísios, os pomares em flores e florestas virgens”. (Bastide, 1980: 212). O processo de diferenciação não se esgotava na dimensão climática. Bega (2002) afirma que o personagem central da identidade regional “inventada” pelos simbolistas paranaenses não é, como se poderia supor, o imigrante. Não é também o “mulato”, mas sim o “caboclo” que estaria sendo formado pela miscigenação das diversas correntes imigratórias com a população tradicional.12 Do “caboclo” ao resgate e a revalorização do papel do “imigrante”, portanto, tudo seria uma questão do lento processo de expansão demográfica13 e “nacionalização”14 dos imigrantes, combinando então com a elaboração/invenção da “primeira” história do estado, realizada por um dos “fundadores” do paranismo, Romário Martins, considerado também o “criador” da história regional do Paraná. Desde a publicação, em 1899, de seu “História do Paraná”15, a atuação de Romário foi decisiva. Ator de primeira ordem na fundação do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico do Paraná (1900), o que lhe teria valido convite para ser membro de vários institutos históricos estaduais, seu trabalho se dirigiu também ao estudo dos limites do estado do Paraná, segundo ele ainda mal definidos. Vários são os mapas que organizou (“Alguns mapas do século XVII ao XIX”) e trabalhos historiográficos que escreveu (sobre as fundações de Curitiba e Paranaguá e sobre o próprio estado, “O Paraná antigo e moderno”), consolidando sua imagem de historiador. O episódio da guerra do Contestado (1912-16)16 é um ótimo exemplo do processo de “invenção” do Paraná, em especial devido ao fato de ter sido descrito/eleito pelos paranistas como o momento de afirmação da identidade apesar da derrota militar. A crença nessa “diferença” modularia a “reescritura” (inventiva) de outros momentos da história do estado como, por exemplo, o conhecido episódio do “Cerco da Lapa”.17 Da dimensão histórica, Romário passou à dimensão social e cultural, quando ocorre o resgate do papel do imigrante. Seja pela evidência demográfica, seja pela vontade de construção de uma identidade assentada nos valores, tão comuns à época, de progresso e de trabalho que estavam ligados ao imigrante europeu, seja por ambos, a realidade do estado começa a ser pensada a partir da idéia do amálgama entre os diversos grupos imigrantes (agora reavaliados todos positivamente) e a população tradicional, o que denunciaria a especificidade local em relação ao contexto nacional. Em “História do Paraná” (1995), trabalhando o tema da imigração, Romário afirma que o “xadrez étnico” local foi se constituindo de uma maneira distinta em relação ao resto do país. Tratava-se de uma nova interpretação da história e do papel de imigrante. Era igualmente o anúncio informal da tese da diferença cultural e social do Paraná – o “Brasil diferente” – amparada por uma análise que conjugava dados históricos, demográficos e étnicos, associados ainda à questão do clima, mas que tinha por base a incorporação social do elemento imigrante não-português. É basicamente esta tese que seria retomada pelo Movimento Paranista nos anos 1920 e 1930. Trata-se de um movimento intelectual relativamente organizado de busca da identidade regional18. Suas origens remontam ao federalismo republicano das duas primeiras décadas da República (1890-1910) e às transformações econômicas e tecnológicas - expansão da rede ferroviária, iluminação pública, bondes elétricos etc, ocorridas na região de Curitiba e litoral (Brandão, 1994) - promovidas pelas novas elites curitibanas ligadas à industrialização e à comercialização do mate e da madeira (Andreazza & Trindade, 2001). Luiz Pereira (1996: 75) afirma que, reunidos em torno de Romário, um grupo de intelectuais e artistas (sobretudo pintores) teria trabalhado com o claro objetivo de “inventar o Paraná, criando um sentimento de pertença a uma terra que até então não possuía sequer a garantia física de seu território”. Afirma ainda que uma “das principais preocupações de tal movimento se dará em relação ao verdadeiro xadrez étnico presente no estado pelo incentivo à imigração”. Uma primeira hipótese é que o movimento não apenas teria produzido uma identidade histórico-social para o estado, mas o teria dotado de um sentido de comunidade - terra, clima, povo e trajetória – que seria então representada plástica e literariamente, inclusive com quadros, emblemas, brasões etc. Esse processo, devido à enorme contribuição das obras de arte (desenhos, gravuras, pinturas sobre temas naturais, a pinha, o pinheiro, o pinhão, etc.), consagraria definitivamente o termo paranismo, dotando-o de uma dimensão estética inesperada e duradoura, que se convencionou chamar de estilo paranista de arte19. O exemplo emblemático da trajetória dessa busca de identidade que desembocou na consolidação do papel do imigrante na história social local é, sem dúvida, a comemoração do centenário da emancipação do estado (1953) e o livro Um Brasil diferente, de Wilson Martins.

O “Brasil diferente”

4Nos anos 1940, duas importantes instituições dedicadas à arte, a Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP, 1948) e o Salão Paranaense (1944), ambas ligadas à secretaria estadual, são inauguradas na cidade de Curitiba. A revista de literatura e arte Joachim20 completa a ante-sala do cenário artístico para os anos 1950, período em que é publicado o livro Um Brasil diferente, de Wilson Martins. Neste período, em Curitiba, dois grupos disputam o legado do paranismo. De um lado, Wilson Martins e Temístocles Linhares. De outro, o grupo herdeiro do espólio deixado por Romário Martins, representado pela figura de Walfrido Piloto.  Ambos os grupos podem ser considerados paranistas e igualmente buscavam, desde o final dos anos 1930, “construir a identidade paranaense não por sua similaridade ao nacional, mas pelo que tem de peculiar [...] (Bega, 2006). Wilson Martins21, quando da publicação de Um Brasil diferente, é crítico literário reconhecido e professor da Universidade do Paraná. A obra, não importando como seria recebida, tinha sentido e plano claros. Para Martins (1989), havia, pelo menos, duas “zonas de colonização” no Brasil: uma nacional e outra de “predominância estrangeira”. De fato, estava-se diante de duas formações sociais: uma englobando os estados do sul mais o estado de São Paulo e outra para o “resto” do Brasil. O país estava cindido e o critério de corte não era o desenvolvimento, a urbanização, a renda ou a concentração populacional. Era o imigrante. Aí residia a diferença. A inspiração era a obra maior de Gilberto Freyre. A ambição era realizar, para o sul do Brasil, aquilo que o mestre pernambucano havia realizado para o país como um todo em Casa Grande & Senzala, isto é, compreender os processos de aculturação dos elementos europeus não-portugueses em terras do sul. Estudar esses processos era necessário porque, segundo Martins, no Paraná havia se formado um novo homem, uma espécie de mestiço “euro-brasileiro de segunda e terceira gerações, uma vez “que já não há ‘estrangeiros’ no Paraná, à exceção, naturalmente, dos que chegaram por último: há o homem paranaense” (Martins, 1989: 6). O autor conclui dizendo que os estudos de Freyre valeriam para algumas regiões do Brasil, mas não para todas. Urgia completar o quadro da formação social brasileira, examinando agora as particularidades criadas pela forte presença do imigrante, não apenas no Paraná, ele assinala, mas nos “estados do sul”, dentre os quais se incluiria também o estado de São Paulo (Martins, 1989: 5). As teses do “Brasil diferente” poderiam ser pensadas como uma “diferença regional”, seja em relação à história do açúcar, seja, em resumo, em relação ao padrão freyriano da formação social brasileira. Contudo, Um Brasil diferente é um livro que, embora gerado no seio de um movimento intelectual cujas origens remontam ao final do século XIX e mesmo que ele possa ser ancorado no movimento paranista, está amparado por fontes históricas e por uma criteriosa utilização dos dados dos fluxos migratórios. Dados empíricos permitiram apresentar esta nova versão da história do Paraná de maneira “científica”, com especial enfoque sobre os temas da identidade social e da imigração, granjeando ao tema da “diferença” uma aura de cientificidade não esperada. Contudo, reside aqui sua principal fraqueza porque a suposta diferença era bem seletiva quando se tratava de sua principal inspiração, o elemento imigrante. Com efeito, se em termos demográficos o imigrante polonês foi o mais numeroso, Martins (1989) colocou sobre os ombros do imigrante alemão e seus descendentes a principal influência exercida na constituição da diferença. A título de exemplo, enquanto que à presença alemã são dedicadas 25 páginas (192-213), ao imigrante polonês é dedicada apenas uma única página (191-192) (Oliveira, 2005). O imigrante, embora essencial, parecia novamente parte de uma engrenagem de invenção de tradições (Hobsbawn & Ranger, 1984), ancorada no duplo processo de produção e de consagração da imagem da diferença (Bourdieu: 2002).

Conclusão

5A imagem do “Brasil diferente”, criada nos anos 1950, pode ser considerada a consolidação de uma certa visão da história social do Paraná. O imigrante e seus descendentes, mais do que grupos sociais colonizadores, valem pela visibilidade que, queiram ou não, revelam em relação à questão racial no país: o Paraná é ou simplesmente teria se tornado “branco” e, portanto, “diferente”. Aparentemente, os fluxos migratórios e o clima - a combinação de ambos? - autorizavam (ainda autorizam?) as teses sobre a “diferença”. Em outros campos da vida social (administração pública, planejamento urbano etc) e cultural (teatro, música clássica, etc.) do Paraná e, sobretudo, de Curitiba, a “diferença” ou a sensação de “diferença” também se manifesta. Os estudos históricos (Balhana et al., 1969, Wachowicz, 1969, Nadalin, 2001), com leves variações, giram em torno e autorizam alguns fatos de base sobre os quais teceu-se um consenso que convém explorar. São eles: baixo percentual de negros na população, forte impacto do imigrante e seus descendentes nas estruturas econômico-sociais do estado, variação no padrão cultural do estado e da cidade de Curitiba em relação ao “Brasil tradicional”, etc. Estes fatos consensuais seriam utilizados para explicar não apenas diferenças culturais (comida, hábitos, festas, etc.), mas, sobretudo, o maior progresso econômico dos estados do sul do Brasil, sem distinção (à exceção do estado de São Paulo), em relação à média nacional, numa quase reedição das explicações raciais de meados do século XIX e princípios do século XX. De certa forma, eis a hipótese que lentamente estamos desenvolvendo, a crença na existência de um “Brasil diferente” vem funcionando como um “mito de um Brasil diferente” ou seja, como uma espécie de narrativa das origens que centraliza suas atenções nos aspectos supostamente diferenciadores da cultura local. O resgate da história da imigração e das imagens desse processo talvez seja hoje o caminho para compreender a produção local dessa diferente versão de velhas questões raciais e mesmo do tema da identidade nacional.

Haut de page

Bibliographie

Andreazza, M. L. e Trindade, E.M. C (2001). Cultura e educação no Paraná. Curitiba: SEED/PR.

Andreazza, M. L. e Nadalin, S. (1994). “O cenário da colonização no Brasil Meridional e a família do imigrante”. Revista Brasileira de Estudos da População. Campinas: v. 11, nº 1, p. 61-87.

Balhana, A. P. (1969). “Política imigratória do Paraná”. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba : nº 12, maio-junho, p. 65-80.

Balhana, A. P., Pinheiro Machado, B. e Westphalen, C. (1969). História do Paraná. Curitiba : Gráfica Editora Paraná Ltda.

Bastide, R. (1980). Brasil, terra de contrastes. Rio de Janeiro, São Paulo: Difel, 10ª ed.

Bega, M. T, S. (2002). Sonho e invenção do Paraná. A geração simbolista e a construção de identidade regional. São Paulo, 433 f. (Doutorado em Sociologia), FFCL, Universidade de São Paulo.

_____. (2006). “Gênese das Ciências Sociais no Paraná”. In Oliveira, M. de. As Ciências Sociais no Paraná. Curitiba: Contexto, p. 39-50.

Bourdieu, P. (2002). A produção da crença. Contribuição para uma economia dos bens simbólicos. São Paulo: Zouk.

Brandão, A. (1994). A fábrica de ilusão: o espetáculo das máquinas num parque de diversões e a modernização de Curitiba, 1905-1913. Curitiba: Prefeitura Municipal de Curitiba.

Carvalho, J. M. de (1989). A formação das almas. O imaginário da República no Brasil. São Paulo: Cia das Letras.

Gluchowski, K. (2005). Os poloneses no Brasil. Subsídios para o problema da colonização polonesa no Brasil. Porto Alegre: Editores Rodycz & Ordakowski.

Hobsbawn, E. e Ranger, T. (1984). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Leite, I. B. (1996). Negros no sul do Brasil. Ilha de Santa Catarina: Letras contemporâneas.

Martins, R. (1995). História do Paraná. Curitiba: Travessa dos Editores, Coleção Farol do Saber, 4ª ed. [1ª ed. 1899].

_____. (1941). Quantos somos e quem somos. Curitiba: Gráfica Editora Paraná Ltda

Martins, W. (1989).Um Brasil diferente. Ensaio sobre fenômenos de aculturação no Paraná. São Paulo: T. A. Queiroz, 2ª ed. [1ª ed. 1955].

Moraes, P. R. B. de & Souza, M. G. (1999). “Invisibilidade, preconceito e violência racial em Curitiba”. Revista de Sociologia e Política. Curitiba: nº 13, nov., p. 7-16.

Nadalin, S. (2001). Paraná: ocupação do território, população e migrações. Curitiba: SEED.

Oliveira, M. de. (2005). O “Brasil diferente” de Wilson Martins. Caderno CRH. Salvador, v. 18, nº 44, p. 215-221.

_____. (1996). “Perfil ambiental de uma metrópole brasileira : Curitiba, seus parques e bosques”. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, nº 88, mai/ago, p. 37-54.

Oliven, G. R. (1996). “A invisibilidade social e simbólica do negro no Rio Grande do Sul”. In Leite, I. B. Negros no sul do Brasil. Ilha de Santa Catarina: Letras contemporâneas.

Peireira, L. F. L. (1996). Paranismo: cultura e imaginário no Paraná da I República. Curitiba, 216 f. (Mestrado em História). SCHLA, Universidade Federal do Paraná.

Pereira, M. R de M. (1996). Semeando iras rumo ao progresso. Ordenamento jurídico e econômico da sociedade paranaense, 1829-1889. Curitiba: Editora da UFPR.

Pinheiro Machado, B. (1969). “Apresentação” In Balhana et al., (1969). História do Paraná. Curitiba : Gráfica Editora Paraná Ltda.

Tota, A. P. (1983). Contestado: a guerra do novo mundo. São Paulo: Brasiliense.

Wachowicz, R. (1981). O camponês polonês no Brasil. Curitiba: FCC/Casa Romário Martins.

____. (1977). História do Paraná. Curitiba: Gráfica Editora Paraná LTDA, 4ª. Ed.

Haut de page

Notes

1 Capital do estado do Paraná. É a maior cidade em população e a segunda maior em PIB industrial da região sul do Brasil.
2 Trata-se de uma organização civil destinada a promover a cultura africana e afrodescendente no Brasil. Ver http://www.ipadbrasil.com.br.
3 Mesmo autores mais críticos reconhecem que há no Paraná uma “história brasileira desenhada de forma peculiar” que teria produzido nos imigrantes uma “consciência comum etnicamente engendrada” resultante de uma “solidariedade fundada em um estado de espírito originado da corrente estabelecida” (Andreazza e Nadalin, 1994: 72).
4 Este livro foi originalmente publicado em 1955. Para efeitos de citação, utilizamos aqui a 2ª edição publicado em 1989.
5 A idéia de tornar secundário o papel do imigrante português na formação social pode ser considerada uma novidade intelectual no pensamento social brasileiro.
6 Ver em especial a produção historiográfica feita no interior do Departamento de História da UFPR e tendo como veículo científico o “Boletim da Universidade do Paraná” editado pela primeira vez em 1962.
7 Em 1890, pouco depois da abolição, o percentual de negros, para todo o estado do Paraná, era de 5,17% enquanto que em São Paulo era de 12,97% e que no Rio de Janeiro era de 26,79%. Fonte IBGE.
8 Trata-se não apenas da reafirmação das representações positivas da população imigrante -  descrita como “morigerada e laboriosa”, ou seja, de bons costumes e trabalhadora – como também do sentido da política imigratória, a produção de alimentos. Todos os relatórios e mensagens presidenciais da província do Paraná (1854-1889) podem ser consultados em http://www.crl.edu/content.asp?l1=5&l2=24&l3=45.
9 Isto porque mesmo as colônias criadas no litoral, próximas às cidades de Morretes e de Antonina, não prosperaram. Entre as supostas causas do fracasso, encontram-se fatores como epidemias de mosquitos, clima quente e úmido e qualidade do solo, reforçando a associação clima-imigrante. Já as colônias mais distantes de Curitiba não prosperaram devido a problemas como falta de transportes. É conhecido o caso dos “alemães do Volga” que, segundo relatos, estavam se especializando no transporte da erva-mate e abandonando lotes e a atividade agrícola.
10 Nadalin e Andreazza (1994: 65) falam em 45.752 imigrantes no estado entre 1890 e 1899. A falta de concordância dos dados é uma questão sobre a qual nos deteremos em outro trabalho.
11 A julgar pela “International Migration Statistics”, a discrepância entre esses números tem a ver com o fato de que muitas vezes, poloneses e russos eram indistintamente reunidos na categoria “russians”. Ver International Migration Statistics, New York: Gordon and Breach Science Publishers, 1969, vol. 7 “Demographic monographs”, p. 549-557.
12 De fato, nesse momento, o imigrante estrangeiro é visto com certa desconfiança devido ao simples fato de ser “estrangeiro”. Enquanto sua participação estivesse restrita à economia e ao “progresso do estado”, sua presença era bem-vinda. Contudo, ele não deveria participar das atividades públicas, reservadas aos nacionais. Ver Wachowicz (1981: 127-133).
13 Andreazza e Nadalin (1994: 77-80) observam que a taxa de natalidade dos imigrantes alemães e poloneses habitando os arredores de Curitiba, nas duas primeiras gerações a partir de 1880, manteve-se sempre acima da média dos “nacionais” e mesmo acima da média dos imigrantes em seus países natais.
14 O processo de nacionalização ocorreria, sobretudo, durante o governo Vargas com a obrigação do uso do português, dentre outras medidas.
15 Para efeitos de citação, utilizamos a 4ª edição, 1995.
16 Contestado foi um movimento de tipo messiânico liderado pelo soldado Miguel Lucena (inspirado pela figura do “Monge” José Maria, morto em um dos combates) em favor dos camponeses habitantes de uma área de aproximadamente 48.000 km2, disputada pelos (e situada entre os) estados de Santa Catarina e do Paraná. O movimento chegou a fundar a “Monarquia Sul Brasileira”, afirmando sua “independência” em relação à ordem republicana. Foi finalmente vencido pelas forças republicanas e a região passou a pertencer à Santa Catarina. Ver Totta (1983).
17 Durante a Revolução Federalista (1894), a resistência das forças regulares e de civis voluntários composta de 639 homens, sob o comando do General Carneiro, em prol do governo republicano de Floriano Peixoto, conteve durante 26 dias o avanço dos três mil homens das tropas anti-republicanas (Maragatos) vindas do sul. O “heroísmo” dos paranaenses, que efetivamente contribuiu para a organização das forças republicanas, passou a ser descrito então como mais um elemento diferenciador da sociedade local.  
18 Bega (2002) define a obra literária dessa geração como a primeira “invenção do Paraná”. Por isso, o simbolismo paranaense é considerado o embrião do paranismo. Em termos literários, é descrito ora como “província intelectual do parnasianismo”, ora como corrente “pré-moderna”.
19 A importância desse movimento artístico foi de fato muito grande no processo de materialização do Paranismo. É fato também que estes pintores trabalharam arduamente a estética do pinheiro. Foi Frederico Lange de Morretes (1892-1954) quem chegou ao desenho final que hoje orna diversas calçadas da cidade de Curitiba. O pintor e escultor João Turim (1878-1948) chegou a propor uma “moda paranista”, para bolsas, capas, guarda-chuvas etc. Ainda hoje, algumas casas curitibanas são ornadas com desenhos paranistas tipo pinhão estilizado.   
20 A exemplos dos “primeiros” paranistas que haviam criado a revista Illustração Paranaense, os escritores Wilson Martins, Temístocles Linhares, Dalton Trevisan, Helena Klody e o pintor e muralista Poty, entre outros, fundaram a revista literária Joachim, que circulou em Curitiba de 1946 a 1948.
21 Wilson Martins nasceu na cidade de São Paulo em 1921. Foi para Curitiba em 1930. Formou-se em direito em 1943. Iniciou sua carreira literária em 1942. Em 1952, conclui seu doutorado em Letras. Sua obra mais conhecida é “História da Inteligência Brasileira”, 6 volumes. É considerado um dos maiores críticos literários do Brasil.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Márcio de Oliveira, « Imigração e diferença em um estado do sul do Brasil: o caso do Paraná », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 18 mai 2007, consulté le 13 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/5287 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.5287

Haut de page

Auteur

Márcio de Oliveira

Doutor em Sociologia e Professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Brasil.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page