Navigation – Plan du site
Colloques | 2016
Sección 1 – El liberalismo y sus enemigos
Rodrigo Patto Sá Motta

O anticomunismo nas pesquisas de opinião: Brasil, 1955-1964

[14/01/2016]

Résumés

O anticomunismo enraizou-se no Brasil desde os anos 1920 e 1930, particularmente no contexto da insurreição revolucionária de 1935, que gerou uma forte resposta discursiva e repressiva proveniente do Estado e das elites dominantes. Assim, quando começou a Guerra Fria já havia uma tradição anticomunista no Brasil, que se combinou com as novas influências provenientes da América do Norte. O objetivo do texto é analisar a influência do anticomunismo na opinião política dos brasileiros nos anos 1950 e 1960, usando para isso os resultados de pesquisas de opinião (surveys) realizadas naquele período por agências norte-americanas e brasileiras.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Courtois, Stéphane. e Lazar, Marc, Le communisme, Paris, M.A Editions, 1987; Haynes, J.E., Red Scar (...)

1Primeiro, é preciso discutir a pertinência do anticomunismo às culturas de direita. Não é questão simples, pois o anticomunismo tem conexões com espectro ideológico amplo que vai da direita à esquerda. O anticomunismo de esquerda teria presença marcante nos Estados Unidos e na Europa, geralmente entre os socialistas, nos países europeus, e em meio aos “liberais”, no caso dos EUA.1

2No Brasil, o anticomunismo de esquerda foi tênue, embora sempre presente. A esquerda não-comunista brasileira enfrentava realidade mais complicada que seus congêneres europeus e norte-americanos. O atraso social e a pobreza eram imensamente piores, tornando constrangedora a situação de opor-se e combater o projeto comunista, o que implicava o risco de associar-se aos defensores do satus quo. O anticomunismo ficou marcado como doutrina típica de grupos reacionários e conservadores, o que criava um ônus político para quem assumisse o rótulo.

3Devido a tais razões, normalmente pareceu menos complicado para a esquerda não-comunista fazer aliança com o P.C., ainda que tensões estivessem sempre presentes. Em quadro de virtual inexistência de projetos de reforma social com apoio nas forças políticas de centro, em um país onde as elites se destacavam por notável insensibilidade em relação aos problemas sociais, não admira que o caminho natural da esquerda fosse aliar-se aos comunistas, aderindo aos inúmeros programas frentistas criados entre os anos 1930 e 1980.

4Assim, o anticomunismo brasileiro é, essencialmente, um fenômeno de direita, baseado em valores como a defesa da moralidade cristã, da propriedade sagrada e da pátria “una e indivisa”. A heterogeneidade ideológica do anticomunismo serviu como elemento unificador de grupos e líderes políticos pertencentes a diferentes tradições da direita (liberais, conservadores, fascistas, nacionalistas); e, o que foi decisivo, ele serviu para unir as corporações militares. Esses grupos sociais e instituições tinham projetos e valores diferentes, porém, se uniram em torno da bandeira anticomunista para derrotar projetos de esquerda que pareciam ameaçar o status quo. Esse foi o quadro, principalmente, no golpe militar (e civil) de 1964.

Guerra Fria, anticomunismo e pesquisas de opinião

  • 2 Evitei usar o termo opinião pública por causa das polêmicas que ele provoca, principalmente o risco (...)

5O objetivo é analisar o impacto do anticomunismo na opinião política2 dos brasileiros nos anos 1950 e 1960. A análise vai culminar nos eventos de 1964, na tentativa de compreender a influência do anticomunismo sobre a sociedade e como esta reagiu às políticas autoritárias e repressivas da ditadura.

  • 3 Motta, Rodrigo Patto Sá, Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964), (...)

6A proposta é usar resultados de pesquisas de opinião (surveys) realizadas naquele período para avaliar a circulação e a influência das representações anticomunistas. Tais representações estavam enraizadas no Brasil desde os anos 1920 e 1930, e se cristalizaram no imaginário social particularmente no contexto da insurreição revolucionária de 1935, que os discursos dominantes alcunharam de Intentona Comunista. Quando começou a Guerra Fria já havia uma tradição anticomunista no Brasil, que se combinou com as novas influências provenientes da América do Norte.3

  • 4 USIA era a agência do Departamento de Estado responsável por atividades culturais e de divulgação d (...)

7A Guerra Fria intensificou a circulação de representações anticomunistas no Brasil, graças à influência cultural e ao financiamento dos Estados Unidos. Além do que já sabemos, ou seja, o auxílio a publicações e à organização de grupos anticomunistas, as agências norte-americanas se ocuparam de outro tipo de atividade, que legou registros úteis para o historiador. Elas financiaram pesquisas de opinião para avaliar os resultados de certas políticas e planejar estratégias de ação. Pelo menos desde 1955 foram realizados surveys para sondar a opinião em relação a assuntos políticos, geralmente por encomenda do USIA (United States Information Agency).4 Foram contratadas para fazer as pesquisas tanto agências norte-americanas quanto firmas brasileiras.

  • 5 As pesquisas encomendadas pela USIA estão nos National Archives and Records Administration, em sua (...)

8Vão ser analisadas também pesquisas feitas pela empresa brasileira IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística) no contexto da crise de 1964, enquetes para avaliar a opinião dos brasileiros diante do quadro político, com ênfase para o tema do comunismo.5 As pesquisas encomendadas por agências norte-americanas abordavam assuntos os mais diversos, como: a opinião dos brasileiros diante do nacionalismo, a popularidade dos líderes políticos, as leituras preferidas dos jovens universitários, quais os jornais mais lidos, entre outros. Entretanto, serão enfocadas apenas as enquetes que permitem analisar as opiniões sobre o tema do comunismo.

9Naturalmente, as pesquisas de opinião devem ser utilizadas com muito cuidado crítico. Elas não devem ser consideradas a expressão pura e simples da verdade. De um lado, porque elas podem revelar apenas opiniões momentâneas dos entrevistados, cujas respostas, ademais, podem ser induzidas quando os questionários são mal elaborados. Além disso, em certas circunstâncias, o interesse de fazer uso político dos resultados gera manipulações e falsificações.

10Porém, há circunstâncias que atenuam o ceticismo diante desses documentos e levam a crer na sua utilidade como fontes de informação. Em primeiro lugar, a maioria dessas pesquisas era para uso interno, ou seja, para auxiliar o processo de formulação de políticas. Elas não se destinavam à publicação e permaneceram desconhecidas até agora, adormecidas nos arquivos. Por razões óbvias, o interesse em manipular praticamente não se aplica ao caso, o que aumenta a credibilidade das informações. Em segundo lugar, como se trata de diferentes enquetes sobre o mesmo tema, realizadas em períodos distintos, temos a possibilidade de realizar comparações que aumentam a representatividade e atenuam o elemento de volatilidade da opinião.

  • 6 Na apresentação dos resultados dessas pesquisas vou omitir a faixa dos que não responderam, que, na (...)
  • 7 Percebe-se possível incongruência com os resultados eleitorais de 1946, quando o Partido Comunista, (...)

11A primeira enquete de opinião explorando o tema da Guerra Fria encontrada nos National Archives data de março de 1955, e foi realizada nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo.6 Uma das perguntas dizia o seguinte: você acha que o comunismo é bom ou ruim para o povo? Entre os entrevistados brasileiros, 58% escolheram a opção ruim e apenas 2% responderam bom. Os dados indicam a fraca possibilidade de expansão do projeto comunista no Brasil, não obstante significam paradoxo em vista de resultados eleitorais anteriores.7

12Outra pergunta permite identificar uma faixa de pessoas que podem ser classificadas de anticomunistas, ou ao menos como mais sensíveis aos argumentos anticomunistas. Diante da pergunta “você acha que os comunistas na América Latina são um perigo muito sério, não muito sério ou nenhum perigo”, as respostas foram as seguintes: 23% responderam “muito sério”, 8% responderam “não muito sério” e 3% responderam “nenhum perigo”. Parece razoável considerar que o cidadão que considera o comunismo um perigo está situado no universo anticomunista. Cerca de 30% dos entrevistados brasileiros da pesquisa de 1955 viam no comunismo um perigo, a maioria deles como um risco sério. Como se verá essa faixa percentual se elevou às vésperas da crise de 1964 e do golpe militar.

  • 8 Motta, Rodrigo Patto Sá, “O perigo é vermelho e vem de fora: o Brasil e a URSS”, Locus (UFJF), 2007 (...)

13Nos anos de 1956, 1957 e 1958 foram realizadas outras pesquisas semelhantes. A partir de 1959, esses surveys ganharam nova dimensão, devido a mudanças na política externa do país. Desde o final do governo Kubitschek (1955-1960) a diplomacia brasileira buscava aproximação com o bloco soviético e os países não alinhados. A motivação era comercial, mas, aos poucos, a sensibilidade nacionalista aumentava sua influência. Kubitschek restabeleceu relações comerciais com a URSS, em 1959; o presidente Jânio Quadros anunciou uma Política Externa Independente, cujo ato mais ousado foi a condecoração do líder guerrilheiro Che Guevara, no início de 1961; e o presidente João Goulart restabeleceu relações diplomáticas plenas com a URSS, em novembro de 1961, assim como iniciou negociações com a China comunista.8

14O novo quadro trouxe alguma preocupação para os diplomatas norte-americanos, que se inquietavam com o aumento da sensibilidade nacionalista. Incomodava que certas expressões do nacionalismo esquerdista (o antiimperialismo) levassem ao incremento do sentimento antiamericano. De fato, nos anos iniciais da década de 1960 viu-se o fortalecimento do nacionalismo de esquerda e a perda de prestígio dos EUA e, por essa razão, as enquetes de opinião buscaram verificar se a imagem da URSS e a recepção às ideias de esquerda estavam melhorando.

15De março de 1959 a julho de 1963 foram feitas várias pesquisas explorando a opinião em relação à URSS e à imagem dos EUA. Em pesquisa realizada em março de 1959, intitulada “Atitudes em relação ao possível estabelecimento de relações comerciais com a URSS”, as opiniões foram majoritariamente simpáticas aos EUA. No entanto, a maioria dos brasileiros mostrou pragmatismo em relação à URSS, dispondo-se a fazer comércio e mesmo receber ajuda desse país em nome das vantagens econômicas. Assim, diante da pergunta se o Brasil deveria aceitar ajuda econômica da URSS, 51% responderam que sim e 30% que não. Significativamente, os pesquisadores investigaram as razões que motivaram as opiniões contrárias, e a maioria desses entrevistados respondeu com argumentos anticomunistas tradicionais, principalmente o medo de que a presença soviética aumentasse a “infiltração comunista”.

16Em uma enquete realizada em dezembro de 1959, intitulada “Opiniões sobre a URSS”, nota-se uma ligeira melhora na imagem do país socialista. Diante da pergunta “qual a sua opinião sobre a Rússia?”, as respostas muito boa e boa atraíram 8%, enquanto 20% escolheram ruim ou muito ruim. Os temores anticomunistas continuavam influentes, pois metade dos entrevistados (47%) não acreditava na sinceridade da intenção soviética de ajudar no progresso econômico da América Latina (contra 19% que acreditava), sendo que 12% dos entrevistados achavam que o objetivo era facilitar a “infiltração comunista”. A oscilação entre o interesse pragmático e os temores políticos aparece de maneira clara nas respostas a duas questões:

.Acha que o reatamento de relações comerciais é vantajoso ou não para o Brasil?

.Acha que o Brasil deve restabelecer relações diplomáticas com a URSS?

  • 9 Os pesquisadores não perguntaram quais os motivos de quem era contra a troca de embaixadores com a (...)

17Na primeira pergunta, a maioria (41%) respondeu que era vantajoso para o Brasil, contra 24% dos entrevistados que acharam o contrário. No caso dos últimos, a maioria (60%) explicou sua opinião com argumentos anticomunistas. Quanto à segunda pergunta, a opinião majoritária foi contrária ao restabelecimento de relações diplomáticas: 42% contra 35%.9

Às vésperas do golpe

18Os arquivos norte-americanos guardam pesquisas realizadas em 1963 muito úteis para avaliar o incremento da sensibilidade anticomunista, em meio à crise política que terminaria no golpe de 1964. A posse de João Goulart, em setembro de 1961, levou à intensificação de discursos e mobilizações dos grupos de direita, que se sentiram ameaçados com a ascensão do líder trabalhista ao comando do país. Embora fosse um reformista moderado, Goulart tinha boas relações com os sindicatos e com o Partido Comunista e, como a esquerda intensificou suas ações no contexto da ascensão do novo presidente, os grupos de direita sentiram que seus temores tinham fundamento.

19Entre 1961 e 1964 formou-se grande “onda” anticomunista que mobilizou a imprensa, o empresariado e parcelas importantes da corporação militar, da Igreja e da elite política. A partir do fim de 1963, sobretudo, essa campanha tornou-se maciça, quando a grande imprensa selou um pacto contra a esquerda e contra o governo Goulart, após tentativas frustradas de atrair o presidente para o campo da direita. Os grandes jornais criaram a “rede da democracia”, em que cooperaram para divulgar imagens alarmantes sobre a iminência de ascensão dos comunistas ao poder com o beneplácito do presidente Goulart. Nessa luta de representações, em que a esquerda se engajou também, evidentemente, tentando desqualificar seus inimigos, as forças de direita diziam representar a democracia e os valores cristãos contra o comunismo. A repercussão da campanha foi incrementada por eventos e mobilizações públicas de impacto, como as Marchas da Família com Deus pela Liberdade, que culminaram no – e legitimaram o – golpe de Estado.

20As pesquisas realizadas em 1963 e 1964 permitem avaliar o impacto da campanha anticomunista sobre a opinião dos cidadãos. Mais ainda, os dados mostram que o temor ao comunismo aumentou em comparação com os resultados das enquetes realizadas nos anos 1950. Vejamos os resultados dessas pesquisas.

  • 10 Falta uma parte do documento no arquivo, por isso a incerteza sobre o local da pesquisa. RG: 306 – (...)

21Em março de 1963, a Embaixada dos EUA encomendou uma enquete, provavelmente no estado da Guanabara, que ouviu 400 entrevistados.10 Além das perguntas tradicionais sobre as imagens de EUA e URSS, que revelaram poucas novidades, foram aplicadas questões interessantes para esta análise. Uma das perguntas pretendia avaliar como os entrevistados percebiam e dimensionavam a influência dos comunistas no Brasil, e as respostas foram as seguintes: eles tinham muita influência (10%), bastante influência (12%), pouca influência (24%), quase nada (13%), nenhuma influência (11%). Os resultados mostram um “empate” nas respostas que apontam muita/bastante influência (22%) e quase nada/nenhuma influência (24%), e também que era igualmente expressivo o contingente que percebia pouca influência comunista (24%).

22Alguns meses depois a percepção sobre o perigo comunista iria aumentar, como logo se verá. Interessam agora as respostas à outra questão, reveladoras da disposição anticomunista: “você acha que os comunistas deveriam ter mais ou menos influência?”. As respostas se dividiram da seguinte maneira e os resultados são eloquentes: 4% achavam que os comunistas deveriam ter mais influência, enquanto 41% preferiam que os comunistas tivessem menor influência.

  • 11 RG: 306 – 250 – 62 – 0 – 6, caixa 14, pasta 1. NARA II.

23Uma pesquisa parecida foi realizada, em julho de 1963, porém, com foco na população urbana e rural da região nordeste, a partir de 958 entrevistas.11 Os dados indicam uma percepção semelhante sobre a presença pública dos comunistas, e também uma maioria (desconsiderando o número dos que não responderam – mais de 50%) com disposição anticomunista. Entretanto, a pesquisa indica a existência de maior simpatia pelo comunismo no nordeste, ainda que minoritária. A primeira pergunta foi: “quanta influência o comunismo tem no Brasil hoje?”. As respostas foram as seguintes: muita (24%), pouca (19%), nenhuma (4%). Eis a segunda pergunta: você acha que a influência comunista deveria: diminuir (26% das respostaas), aumentar (9%), permanecer igual (6%). Assim, entre os nordestinos entrevistados, 9% gostariam que a influência comunista aumentasse, contra 4% que deram a mesma reposta na enquete anterior.

  • 12 Os documentos entregues ao arquivo não informam quem encomendou as pesquisas. Todas as pesquisas ci (...)

24Além dos arquivos norte-americanos, outro acervo significativo contendo dados de pesquisas de opinião é o Arquivo Edgar Leuenroth, da UNICAMP, que recebeu a doação de material produzido pelo IBOPE. Essa agência de pesquisas foi contratada pelos norte-americanos, porém, realizou trabalhos semelhantes para outros clientes também.12 Nos meses imediatamente anteriores e posteriores ao golpe de 1964, o IBOPE fez pesquisas que permitem avaliar o aumento da sensibilidade anticomunista. Mais ainda, os dados sugerem que o combate ao “perigo vermelho” ajudou a ditadura a legitimar-se diante de parte da sociedade, assim como estimulou número expressivo de cidadãos a apoiar os expurgos políticos promovidos pelo estado autoritário. As enquetes foram realizadas apenas nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro (Guanabara), por isso, devem ser evitadas generalizações excessivas. No entanto, se consideramos a importância política das duas metrópoles e a concentração de poder e o elitismo tradicionais à política brasileira, fica claro que a representatividade da opinião de paulistas e cariocas não deve ser menosprezada. Além disso, como se trata de opinião política de viés direitista, é possível supor que caso certas áreas do Brasil tivessem sido pesquisadas a tônica anticomunista poderia ter se revelado ainda maior.

25Nos arquivos do IBOPE há registro de três enquetes realizadas antes do golpe que interessam mais de perto a este trabalho. A primeira, realizada na Guanabara (Rio de Janeiro) em março de 1963, com base em 511 entrevistas, mediu a opinião dos cariocas sobre evento que polarizou a esquerda e a direita. Tratou-se da tentativa de realizar um Congresso de Solidariedade a Cuba, naturalmente organizado por grupos de esquerda, que foi proibido pelo governador e destacado líder anticomunista Carlos Lacerda. Frente à pergunta “o governador agiu bem ao proibir o Congresso”, 63% dos entrevistados responderam sim, ao passo que 19% responderam não. Outra pergunta do questionário aplicado aos cariocas é relevante para avaliar a opinião em relação ao regime político cubano e a disposição anticomunista: “a realização desse Congresso representa uma ameaça para a Segurança Nacional e para as instituições democráticas?” (49% responderam que sim, contra 25% de respostas negativas).

26As duas outras pesquisas anteriores ao golpe foram realizadas em São Paulo, a primeira em fevereiro de 1964, que ouviu 500 entrevistados. Nessa pesquisa duas perguntas merecem destaque: “o comunismo no Brasil está...”, sendo que a maioria (54%) respondeu que ele estava aumentando, contra 16% que escolheram “o comunismo está diminuindo”. O número elevado de entrevistados que percebiam crescimento da influência comunista significa incremento em relação a pesquisas feitas nos anos anteriores. A pergunta seguinte da mesma pesquisa é igualmente significativa. Para os 54% que responderam “o comunismo está aumentando” foi aplicada uma questão planejada para dimensionar o tamanho da opinião anticomunista e distinguir qual a porcentagem de possíveis simpatizantes da esquerda. A pergunta era se o comunismo representava um perigo ou não, e 81% responderam que sim, contra 13% que disseram não. Fazendo uma aritmética simples o resultado é que, às vésperas do golpe militar, 44% dos paulistas (81% de 54%) viam no comunismo um perigo.

27No mês seguinte, março de 1964, o IBOPE fez outra pesquisa sobre o mesmo tema, talvez para medir o impacto da “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, grande evento anticomunista que ocorreu em 19 de março, no centro de São Paulo, com notável repercussão nacional. Desta vez, além da capital foram incluídas duas cidades do interior paulista (Araraquara e Avaí, totalizando 953 entrevistados nas três cidades), talvez para comparar a opinião política dos moradores da metrópole com a dos cidadãos de pequenos municípios. Os resultados foram basicamente convergentes, com uma resposta ligeiramente mais anticomunista nos municípios do interior. A seguir serão comentados apenas os dados para a capital.

28Foram aplicadas as mesmas perguntas da pesquisa anterior, resultando em pequena elevação na resposta de que o comunismo estava aumentando sua força (57%). No entanto, a pesquisa apresentou algumas novidades. Para todos os entrevistados, e não apenas para os que percebiam um aumento da influência comunista, foi perguntado o seguinte: “você acha que o comunismo representa para o Brasil um perigo imediato, futuro ou não é perigo”. Eis as respostas: perigo imediato foi a opção de 32% dos entrevistados, perigo futuro atraiu a preferência de 36% deles e não é perigo foi escolhida por 19%. Embora “apenas” 32% responderam que o perigo era imediato, o fato de 68% escolherem opções que se referiam ao comunismo como um perigo é dado importante, a indicar tanto o aumento da sensibilidade anticomunista, como o possível apoio a políticas antiesquerdistas. Como se verá na próxima seção, após o golpe de 1964, efetivamente, foi bastante significativo o número de cidadãos que apoiou o expurgo das esquerdas.

O golpe de 1964 e a opinião anticomunista

  • 13 Acusava-se o presidente de fazer aliança com os comunistas visando o apoio deles para suposto golpe (...)

29O anticomunismo foi o argumento central dos discursos de apoio ao golpe de 1964. A crise econômica e o temor de que Goulart tinha pretensão de tornar-se ditador também foram importantes, mas o tema mais candente era o “perigo vermelho”, que ficou mais assustador e palpável devido às representações anticomunistas associarem-no à estratégia política do presidente.13

30O governo que resultou do golpe de 1964 procurou legitimar-se batendo na mesma tecla. Significativamente, no texto de um de seus principais manifestos públicos, o Ato Institucional, os novos detentores do poder acusaram o governo deposto de pretender “bolchevizar o País”, e mencionaram entre os objetivos da nova ordem “drenar o bolsão comunista, cuja purulência já se havia infiltrado” na cúpula do governo e na administração pública. O primeiro presidente militar (Castelo Branco) e o seu Ministro da Guerra (general Costa e Silva), além de outros membros e simpatizantes da ditadura, ocuparam espaços na mídia para justificar seus atos à população, momentos em que, invariavelmente, lançavam mão dos argumentos anticomunistas. Os jornais mais engajados em favor do golpe ajudaram nessa campanha, publicando notícias que apontavam a periculosidade dos comunistas e mostravam a necessidade dos expurgos políticos.

31Tais campanhas serviram a um duplo propósito. Primeiro, ajudaram a justificar a “operação limpeza” contra os derrotados de 1964 – ou seja, as prisões, cassações de mandatos parlamentares, demissões –, cujas vítimas não foram apenas os comunistas; segundo, buscaram legitimidade para o novo governo, que alegou precisar do autoritarismo para combater os comunistas. A ditadura apresentou outros objetivos também, como o combate à corrupção e o crescimento econômico. Porém, o anticomunismo teve importância particular, entre outras razões, por servir de elo entre diferentes grupos de direita apoiadores do regime, e por se prestar bem à necessidade de justificar a ditadura. Não que o regime tenha inventado o perigo comunista, pois a esquerda esteve ativa o tempo todo e, em certos momentos, a ideia de que representava “ameaça” à ordem fazia algum sentido. Entretanto, o mesmo não pode ser dito do argumento que o autoritarismo era indispensável para barrar o caminho das esquerdas.

32As pesquisas realizadas pelo IBOPE nos meses imediatos ao golpe são interessantes para avaliar o impacto dos discursos anticomunistas, pelo menos entre os habitantes das duas maiores metrópoles brasileiras. Na cidade de São Paulo, em que estava sediado o instituto, foram realizadas algumas pesquisas em maio de 1964, uma primeira série entre 12 e 22 de maio (com 500 entrevistados), e outra na última semana do mesmo mês, com 519 entrevistados. Os arquivos não informam quem encomendou as enquetes, mas, está claro que os resultados interessavam muito aos novos governantes, pois as perguntas tocavam questões politicamente estratégicas. Por isso, é possível supor que o próprio governo tenha feito a encomenda, para planejar suas estratégias levando em conta o estado da opinião.

33Uma das perguntas explorava o apoio à derrubada de João Goulart, revelando que o golpe foi considerado legítimo pela maioria: 54% dos paulistanos entrevistados responderam que a deposição do presidente foi benéfica para o país, contra 20% contrários. Outra questão apresentada aos paulistanos interessa bastante: “A qual dessas razões atribui a queda do presidente João Goulart?”:

a) Estava levando o Brasil para um regime comunista – 34%

b) Estava tomando medidas populares que contrariavam fortes interesses de grupos econômicos e financeiros, nacionais e estrangeiros – 17%

c) Pretendia fechar o Congresso para se tornar Ditador – 21%

34As questões A e C representam uma síntese dos principais argumentos utilizados na campanha contra o presidente Goulart, e elas atraíram a escolha da maioria dos entrevistados, principalmente a motivação anticomunista. Aliás, os resultados para essa questão convergem plenamente com os da pergunta anterior (em que 54% se disseram a favor e 20% contra a queda de Goulart): 55% escolheram as opções A ou C, enquanto a letra B – que sintetizou opiniões típicas do campo das esquerdas – foi escolhida por 17% dos entrevistados.

35Algumas perguntas foram aplicadas aos entrevistados com o intuito de explorar a sua opinião sobre os expurgos e cassações políticas:

36.O que acha da cassação de mandatos e suspenção de direitos políticos em geral:

a) A favor – 57%

b) É contra – 15%

37.A cassação dos mandatos dos deputados comunistas foi uma medida:

a) Acertada – 74%

b) Errada – 12%

38.A prisão dos líderes sindicais ligados aos comunistas foi uma medida:

a) Acertada – 72%

b) Errada – 12%

39.Acha que os critérios que determinaram as cassações tiveram base no fato dos atingidos serem:

a) comunistas – 27%

b) subversivos – 14%

c) corruptos – 16%

d) perseguidos políticos – 19%

40Os resultados indicam apoio majoritário aos expurgos políticos (57%), o que é compatível com as respostas favoráveis à deposição de Goulart, além de confirmar a legitimidade inicial desfrutada pelos militares e seus aliados civis. Vale destacar que o expurgo dos comunistas encontrou apoio ainda maior do que as cassações “em geral”, já que mais de 70% mostraram-se de acordo com as punições para deputados e sindicalistas comunistas.

41Na última pergunta, a maioria dos entrevistados paulistanos revelou-se afinada com os discursos do novo regime, ao escolher explicações para os expurgos conformes às representações da direita. Do total de entrevistados, 57% disseram que as punições atingiram comunistas, subversivos e corruptos, sendo que a maior parte apontou o comunismo. A questão da letra D – escolhida por 19% – foi planejada para atrair os críticos do golpe, pois oferecia a opção de que as punições poderiam ter sido influenciadas por perseguições políticas “ilegítimas” (inimizades, querelas pessoais).

42Nos arquivos há um número menor de pesquisas realizadas na Guanabara (Rio) após o golpe, mas, entre elas encontram-se dados interessantes para efeito de comparação. Na última semana de maio de 1964 o IBOPE entrevistou 511 cariocas e aplicou algumas das mesmas perguntas feitas em São Paulo. Os resultados do Rio são convergentes com os de São Paulo, salvo por uma percepção mais intensa da motivação anticomunista:

43.O que acha da cassação de mandatos e suspenção de direitos políticos em geral:

a) A favor – 56%

b) É contra – 21%

44.Acha que os critérios que determinaram as cassações tiveram base no fato dos atingidos serem:

a) comunistas – 40%

b) subversivos – 22%

c) corruptos – 25%

  • 14 O somatório das respostas é maior do que 100% porque permitiu-se que os entrevistados escolhessem m (...)

d) perseguidos políticos – 28%14

Considerações finais

45Não obstante a dose recomendável de ceticismo, essas pesquisas constituem material muito interessante, uma rara oportunidade de dimensionar a circulação das representações anticomunistas e aquilatar o seu impacto sobre a opinião política dos cidadãos. Os dados revelam que os discursos anticomunistas emitidos por grupos de direita e pela imprensa encontraram ressonância em parte expressiva da sociedade, o que deve ser visto como uma relação complexa, de mútua determinação, e não como resultado de recepção passiva. As pesquisas de opinião oferecem expressões numéricas que, mesmo não tendo valor absoluto, servem para mostrar a força do anticomunismo.

46Desde as primeiras pesquisas realizadas por encomenda das agências norte-americanas, nos anos 1950, nota-se a presença do anticomunismo no cenário público. No entanto, a percepção do “perigo vermelho” cresceu bastante no contexto do governo Goulart, o que fica evidente na análise dos dados. As pesquisas mostram apoio majoritário aos expurgos promovidos pela ditadura, principalmente quando os alvos eram comunistas e subversivos (de esquerda, claro).

47O regime autoritário criado a partir da deposição do governo Goulart encontrou no anticomunismo tanto uma razão de ser quanto uma fonte de legitimidade, pelo menos nos seus primeiros anos de existência. Ao longo do tempo, outras “realizações” ajudaram a sustentar o autoritarismo, a exemplo do crescimento econômico durante o “milagre econômico”. Ainda assim, a disposição para combater os comunistas e a esquerda (o “terrorismo”) foi uma presença constante nos discursos e nos atos da ditadura, o que lhe garantiu o apoio perene dos grupos mais aguerridos da direita.

Haut de page

Notes

1 Courtois, Stéphane. e Lazar, Marc, Le communisme, Paris, M.A Editions, 1987; Haynes, J.E., Red Scare or Red Menace? American Communism and Anticommunism in the Cold War Era, Chicago, Ivan R. Dee.

2 Evitei usar o termo opinião pública por causa das polêmicas que ele provoca, principalmente o risco de uniformização de algo que é plural, daí ser melhor falar em opiniões. De qualquer modo, é necessário deixar claro que se trata do resultado de pesquisas realizadas para medir a opinião política dos cidadãos sobre certos temas candentes. Becker, Jean-Jacques, “A opinião pública”, In René Rémond (dir.), Por uma História Política, 2 edição, Rio de Janeiro, FGV, 1996, p. 185-211; Ozouf, Jacques, “A opinião pública: apologia das sondagens” In Le Goff, Jacques e Nora, Pierre (dir.) História: novos objetos, 3 edição, Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1988, p. 186-198.

3 Motta, Rodrigo Patto Sá, Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964), São Paulo, Perspectiva/Fapesp, 2002.

4 USIA era a agência do Departamento de Estado responsável por atividades culturais e de divulgação de informações em outros países, em que era representada pelo USIS (United States Information Service). Como se vê pelas pesquisas analisadas a seguir - localizadas no acervo da USIA nos arquivos norte-americanos – o órgão também cuidava da produção de informações.

5 As pesquisas encomendadas pela USIA estão nos National Archives and Records Administration, em sua unidade II, situada em College Park, Maryland (doravante registrado apenas como NARA II). As pesquisas do IBOPE estão no Arquivo Edgar Leuenroth, da Universidade Estadual de Campinas (AEL/UNICAMP).

6 Na apresentação dos resultados dessas pesquisas vou omitir a faixa dos que não responderam, que, naturalmente, corresponde ao número faltante para completar 100%. RG: 306 – 250 – 67 /8/4, caixa 2, pasta 1. NARA II.

7 Percebe-se possível incongruência com os resultados eleitorais de 1946, quando o Partido Comunista, na época legal, colheu aproximadamente 10% dos votos. Porém, deve ser lembrado que o prestígio do partido diminuiu depois da sua fase áurea, e também que muitos dos votos não eram partidários, mas dirigidos ao mítico líder comunista Luiz Carlos Prestes.

8 Motta, Rodrigo Patto Sá, “O perigo é vermelho e vem de fora: o Brasil e a URSS”, Locus (UFJF), 2007, no 13, p. 229-246.

9 Os pesquisadores não perguntaram quais os motivos de quem era contra a troca de embaixadores com a URSS. RG: 306 – 350 – 22 – 35 – 7, caixa 3. NARA II.

10 Falta uma parte do documento no arquivo, por isso a incerteza sobre o local da pesquisa. RG: 306 – 250 – 62 – 0 – 6, caixa14, pasta 2. NARA II.

11 RG: 306 – 250 – 62 – 0 – 6, caixa 14, pasta 1. NARA II.

12 Os documentos entregues ao arquivo não informam quem encomendou as pesquisas. Todas as pesquisas citadas a partir daqui encontram-se no fundo IBOPE do AEL/UNICAMP.

13 Acusava-se o presidente de fazer aliança com os comunistas visando o apoio deles para suposto golpe nas instituições, de modo a obter a permanência de Goulart no poder. O argumento central não era que Goulart fosse comunista, mas que fazia uso oportunista da aliança com eles. O risco implicado nessa estratégia, de acordo com as representações anticomunistas, era que os comunistas poderiam utilizar a aliança com Goulart para instaurar uma ditadura e depois se livrarem dele, permanecendo sozinhos no poder.

14 O somatório das respostas é maior do que 100% porque permitiu-se que os entrevistados escolhessem mais de uma opção.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rodrigo Patto Sá Motta, « O anticomunismo nas pesquisas de opinião: Brasil, 1955-1964 », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 14 janvier 2016, consulté le 13 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/68817 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.68817

Haut de page

Auteur

Rodrigo Patto Sá Motta

Universidade Federal de Minas Gerais
rodrigopsamotta@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page