Navigation – Plan du site
Colloques | 2017
Session 5 - Economía y política pública de las derechas
Camila Rocha

Passando o bastão : a nova geração de liberais brasileiros

[02/10/2017]

Résumés

Neste artigo procuro argumentar que surgiu no Brasil uma nova geração de liberais cuja forma de atuação se diferencia do modus operandi das gerações mais antigas por levar a cabo um tipo de prática política análoga àquela colocada em prática por movimentos sociais contemporâneos. Para sustentar tal posição procurarei apontar na primeira seção deste trabalho as características do movimento liberal brasileiro que vigorou dos anos 1980 até a metade dos anos 2000 e, na segunda seção, quais as novidades apresentadas pela juventude liberal. Para tanto, além da bibliografia especializada, me basearei em entrevistas com lideranças e militantes do movimento, informações disponibilizadas publicamente em redes sociais, sites e blogs, e documentos históricos de think tanks liberais coletados em pesquisa de campo ainda em curso referente a um estudo de caso do movimento liberal brasileiro.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Na altura do número 37 da Rua Álvaro Alvim, na Cinelândia, região central da cidade do Rio de Janeiro, entre um cinema antigo e uma loja de artigos eróticos, está localizado o Edifício Rex, sede de sindicatos estaduais de categorias variadas, como a dos motoristas de ônibus, dos securitários e a dos auxiliares e técnicos de enfermagem. No quinto andar do prédio, a porta de número 508 dá acesso a um diminuto hall de entrada decorado com dois retratos embolorados de senhores sorridentes, um pequeno sofá amarelo desbotado, um armário embutido feito de compensado de madeira e um bebedouro de água. O espaço comporta ainda um lavabo e duas pequenas salas, em uma delas, uma mesa retangular com um computador divide espaço com dezenas de caixas de papelão que foram apressadamente empilhadas junto à parede, e a outra abriga uma estante em que ficam enfileirados vários livros de economia, política e filosofia e uma mesa circular de pedra com três notebooks e uma impressora multifuncional.

  • 1 Todos os nomes de integrantes do movimento liberal que não são figuras públicas do mesmo foram alte (...)

2Nos últimos meses do ano de 2015, o local era compartilhado por quatro jovens que trabalhavam de forma agitada e descontraída debruçados sobre seus respectivos computadores, Bernardo, que ocupava a primeira sala, e Lucas, Cibele e Douglas,1 que se reuniam na sala ao lado. Os poucos recursos materiais de que dispunham para levarem a cabo suas tarefas diárias eram compensados pelo engajamento em uma causa maior. Politizados, não perdem uma oportunidade de conversar sobre o que acreditam e defender de modo entusiasmado suas ideias para uma sociedade melhor. A causa que os une está sintetizada de modo telegráfico no mote : “menos Marx, mais Mises”.

  • 2 As classificações aqui citadas são utilizadas pelos próprios membros do movimento liberal em suas f (...)
  • 3 Grosso modo os think tanks podem ser considerados como organizações de pesquisa e/ou difusão de pol (...)

3Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig Von Mises se tornou um dos símbolos do movimento que congrega anarco-capitalistas, libertarianos, liberais e liberais-conservadores,2 e é justamente no Edifício Rex que se encontra o think tank3 mais antigo deste movimento, o Instituto Liberal, onde trabalham Bernardo, Cibele, Douglas e Lucas. Conectados a redes de think tanks e organizações civis de âmbito nacional, regional e internacional, os quatro jovens fazem parte de uma nova geração de liberais brasileiros, cujo modo de atuação se diferencia do antigo modus operandi dos liberais brasileiros por se aproximar de um tipo de atuação análoga àquela colocada em prática por movimentos sociais contemporâneos.

4Para sustentar tal argumento procurarei apontar na próxima seção deste trabalho as características do movimento liberal brasileiro que vigorou dos anos 1980 até a metade dos anos 2000 e, na segunda seção, quais as novidades apresentadas pela juventude liberal. Para tanto, além da bibliografia especializada, me basearei em entrevistas com lideranças e militantes do movimento, informações disponibilizadas publicamente em redes sociais, sites e blogs, e documentos históricos de think tanks liberais coletados em pesquisa de campo nos anos de 2015 e 2016.

As primeiras organizações liberais brasileiras (1980-1990)

  • 4 Cf. Boas, Taylor C.; Gans-Morse, Jordan. “Neoliberalism: From new liberal philosophy to anti-libera (...)
  • 5 Este primeiro encontro promovido em 1947 pelo economista austríaco e um dos principais expoentes do (...)
  • 6 Ainda que a tradição liberal seja muito ampla e possa fazer referência a posicionamentos políticos (...)

5O tipo de liberalismo defendido pelos atores e organizações aqui examinados também pode ser compreendido como neoliberalismo, a despeito da recusa de tal rótulo pelos mesmos. Existe bastante controvérsia sobre o que seria afinal o neoliberalismo e em que medida este diferiria do liberalismo pré-neoliberalismo,4 apesar disso, o uso intercambiável dos termos liberalismo e neoliberalismo para se referir ao movimento iniciado por intelectuais liberais a partir do Colóquio Walter Lippman sediado em Paris em 1938, e depois continuado pela primeira reunião de vários dos participantes do Colóquio na Estação de Mont Pelèrin na Suíça em 1947,5 não é equivocado. Na verdade, o que ocorreu é que o termo neoliberalismo acabou ganhando uma carga normativa negativa após a adoção de políticas de inspiração neoliberal por economistas chilenos que vieram a trabalhar sob o regime pinochetista no Chile, tornando-se um slogan anticapitalista amplamente conhecido, e, que, por conta disso, passou a ser rejeitado pela maior parte dos neoliberais, como é o caso do Brasil.6

6A expressão do movimento neoliberal no Brasil é indissociável dos desenvolvimentos de um movimento de maior amplitude que se iniciou a partir das reuniões realizadas em Mont Pelèrin promovidas por Hayek. Deste modo, torna-se incontornável realizar uma descrição breve da expressão internacional do movimento neoliberal para uma melhor compreensão das origens e dos modos de atuação das organizações que foram sendo criadas ao longo do tempo no país.

7Apesar do movimento liberal internacional, ou movimento neoliberal transatlântico, ter se originado na década de 1930 foi apenas no início da década de 1980 que este passou a colher seus frutos. Foi justamente em meio às transformações ideológicas e econômicas promovidas pelos governos do republicano Ronald Reagan nos Estados Unidos e da conservadora Margareth Thatcher na Inglaterra que políticas neoliberais passaram a ser difundidas e adotadas ao redor do globo de modo mais contundente e que as ideias neoliberais começaram a se tornar hegemônicas, ultrapassando a esfera estritamente econômica e se enraizando no tecido social de vários países.

8Neste processo teve destaque à atuação de Antony Fisher, um ex-piloto da Força Aérea Real Britânica que serviu durante a Segunda Guerra Mundial e grande entusiasta das teses defendidas pelo economista austríaco Friedrich Von Hayek, principal expoente do neoliberalismo e membro fundador da Sociedade de Mont Pelerin. A coincidência temporal no que tange à aplicação de políticas de inspiração neoliberal nos Estados Unidos e na Inglaterra nos anos 1980 não foi fortuita mas sim fruto de intercâmbios entre intelectuais e ativistas dos dois países que ocorreram principalmente ao longo da década de 1970 e que foram desencadeados com a publicação da obra seminal de Hayek, em 1944, “O caminho da servidão”.

9Nesta obra, Hayek, amigo de longa data de John Mayard Keynes e ex-aluno de Ludwig von Mises, argumenta que o aprofundamento da lógica “coletivista” e “estatista” que ampararia o Estado de Bem Estar Social conduziria ao totalitarismo e, portanto, ao fim das liberdades individuais. Tais teses, ainda que não fossem novas, uma vez que já estavam contidas no livro do jornalista norte-americano Walter Lippman escrito em 1937, “The Good Society”, provocaram um verdadeiro frisson na época, uma vez que as políticas que sustentavam o Estado de Bem Estar Social estavam em seu auge e eram um consenso tanto à direita quanto à esquerda do espectro político britânico, de modo que Hayek angariou rapidamente muitos inimigos. Porém, ao mesmo tempo, houve também quem se extasiasse com suas ideias, este foi o caso de Antony Fisher.

  • 7 Cf. Cockett, Richard. Thinking the Unthinkable: Think-tanks and the Economic Counter-revolution 193 (...)

10Ao ler uma adaptação de “O caminho da servidão” publicada na revista Reader’s Digest em 1945, Fisher ficou tão impactado com os argumentos expostos pelo economista que, em 1947, resolveu ir pessoalmente ao seu encontro na London School of Economics, onde Hayek era professor, para pedir conselhos sobre qual seria a melhor forma de divulgar suas ideias. Alguns anos após este primeiro encontro, Fisher, seguindo as orientações passadas por Hayek, criou em Londres, no ano de 1955, o Institute of Economic Affairs (IEA) com o objetivo de difundir ao longo do tempo o ideário neoliberal. Como Hayek havia previsto, mais de vinte anos após sua fundação, o IEA acabou por desempenhar um papel fundamental na política britânica, não apenas no plano das ideias, mas também no da política profissional propriamente dita quando, em anos posteriores, forneceu quadros e assessores técnicos para o governo de Margareth Thatcher (1979-1990), influenciando, de forma importante, a adoção de reformas de cunho liberalizante colocadas em prática pela política conservadora.7

11Em 1981, encorajado por Hayek e Milton Friedman, economista liberal e professor na Universidade de Chicago, Fisher decidiu criar em Washington uma espécie de “organização-mãe” que pudesse coordenar os think tanks articulasse a fundação de novas “filiais” do IEA em outros países, e assim surgiu a Atlas Economic Research Foundation, que mudou o nome posteriormente para Atlas Network. Em 1987 a Atlas associou-se ao Institute of Humane Studies (IHS), fundado em 1961 por um acadêmico norte-americano e membro da Sociedade de Mont Pelerin chamado F.A. Harper, com a finalidade de fortalecer sua estrutura institucional e assim poder tornar mais factível sua principal missão, que era, segundo formulara de forma bastante direta John Blundell, presidente da Atlas e do IHS de 1987 a 1990, “abarrotar o mundo com think tanks que defendam o livre-mercado”. Em 1988, semanas antes de falecer, o ex-piloto recebeu da Rainha Elizabeth II o título de “Sir” por sua dedicação à defesa da “liberdade”,8 a qual poderia ser comprovada numericamente, pois ainda em 1990 a Atlas já era responsável por uma vasta rede que compreendia mais de 60 think tanks, e em 1991 teria sido responsável por criar, apoiar financeiramente ou auxiliar de alguma forma na criação e/ou desenvolvimento de 78 “filiais” do IEA nos mais diversos países, sendo que 31 destas localizavam-se na América Latina.9

  • 10 De acordo com Arthur Chagas Diniz, presidente do IL por mais de vinte anos, a criação do Instituto (...)

12Foi justamente nessa época, em que as políticas neoliberais começaram a se tornar hegemônicas internacionalmente, entre as décadas de 1980 e 1990, que foram fundados no Brasil as primeiras organizações liberais no Brasil. A primeira delas, inspirada diretamente no IEA, foi o Instituto Liberal (IL),10 inaugurado em 1983 na cidade do Rio de Janeiro pelo canadense Donald Stewart Jr., membro da Sociedade de Mont Pelerin e dono da ECISA, uma empresa do ramo da construção civil, e a segunda foi o Instituto de Estudos Empresariais (IEE), fundado em 1984, na cidade de Porto Alegre, pelos empresários e irmãos William e Winston Ling, cujo pai, Sheun Ming Ling, foi pioneiro no desenvolvimento da soja no Brasil a partir do início da década de 1950.

  • 11 Bianchi, Alvaro. “Crise e representação empresarial : o surgimento do pensamento”. Revista de Socio (...)
  • 12 Estes oito empresários ficaram conhecidos como “o grupo dos oito”, e entre eles figuravam Jorge Ger (...)
  • 13 A ligação do Instituto ao empresário era tão forte, que nos primeiros anos a sede do mesmo foi uma (...)

13Porém, diferentemente do que ocorreu no contexto anglo-saxão, em que a fundação de organizações pró-mercado eram levadas a cabo por um conjunto de intelectuais, militantes e empresários previamente engajados, no Brasil os principais “ativistas” destas organizações eram os próprios empresários que as financiavam. De acordo com o cientista político Álvaro Bianchi,11 a preocupação dos empresários com a limitação das atividades estatais teve início no final da ditadura militar. Durante a década de 1970, em virtude de uma crise política e econômica, certos empresários passaram a realizar um movimento de unificação de interesses que se iniciou na campanha contra a estatização e continuou na esteira das greves do ABC, quando oito líderes empresariais se reuniram para divulgar um documento político.12 Tal movimento procurou alargar os limites de uma representação puramente corporativa de seus próprios interesses, e foi justamente nesta época que o Instituto Liberal foi fundado por Donald Stewart Jr.13

  • 14 Aqui a palavra movimento é utilizada não como sinônimo de movimento social, mas para designar uma r (...)
  • 15 Entre os quais é possível destacar : Eugênio Gudin (Ministro da Fazenda 1954-1955), Roberto Campos (...)

14A fundação das organizações liberais foi o primeiro passo na institucionalização de um movimento liberal no Brasil,14 pois, até então, o ideário liberal contava apenas com entusiastas “solitários”, mas nem por isso menos influentes.15 No entanto, tais institutos tiveram grandes dificuldades em atrair simpatizantes e militantes para a causa liberal no Brasil por dois motivos principais, o primeiro diz respeito à dificuldade dos próprios empresários de colocar tais princípios em prática na medida em que estes podem vir a ser prejudiciais aos interesses materiais de suas empresas, como bem aponta Arthur Chagas Diniz, ex-presidente do Instituto Liberal do Rio de Janeiro, sobre o comportamento do empresário e entusiasta das ideias liberais Henry Maksoud :

“Eu conheci muito bem o Henry Maksoud quando eu trabalhava no Ministério do Planejamento. Ele foi pra lá e tinha uma empresa chamada Hidroservice. A luta do Maksoud era que ele achava que empresa estrangeira não poderia concorrer para fazer estudos aqui, (...) o que acontece é o seguinte, existem diferentes graus de liberalismo, um deles é o que afeta seu bolso diretamente, ele não queria essa concorrência, nem pensar...Ele era, digamos assim, monopolista de um certo tipo conhecimento no Brasil com a Hidroservice, mas quando você botava em concorrência aqui dentro ele não tinha esse desejo de concorrência tão acentuado não, na prática a teoria era outra. É engraçado que nós brigamos até o fim da vida, discutíamos sempre que tínhamos a ocasião, ele tentava me dar uma ferroada e eu dizia sempre isso “não, não, eu entendo, o Dr. Maksoud não gosta de concorrência”” (Arthur Chagas Diniz, ex-presidente do IL-RJ)

  • 16 A ideia de divulgar o ideário liberal por meio da influência ativa de formadores de opinião em um e (...)

15E o segundo foi a falta de uma “massa crítica” de intelectuais liberais, o que tornava mais difícil a possibilidade de influenciar um maior número daquilo que os membros do Instituto Liberal consideravam como “formadores de opinião”.16 O Instituto Liberal do Rio de Janeiro, e suas filiais em outros estados brasileiros, se propunham a ter um alcance maior, e em 1993 elaboraram uma listagem de três mil pessoas que comporiam o público-alvo dos institutos, as quais deveriam se divididas em duas categorias de formadores de opinião, aqueles que já eram liberais e os liberais potenciais (“prospects). Nesse sentido, o documento afirmava :

  • 17 Excerto extraído de carta escrita por Donald Stewart Jr. no dia primeiro de setembro de 1993 e ende (...)

“Levando-se em conta que o público-alvo é integrado por formadores de opinião, cada Instituto deverá procurar listar os liberais e os prospects, em seu estado, dentro das seguintes categorias : deputados federais e senadores ; governadores de Estado e Secretários ; Prefeitos influentes de grandes municípios ; Deputados Estaduais mais representativos ; Professores Universitários ; Jornalistas ; Dirigente de Entidades Empresariais ; Empresários militantes ; Líderes sindicais ; Líderes estudantis ; Líderes de entidades civis”.17

  • 18 A CIPE é uma das quatro instituições vinculadas ao National Endowment for Democracy (NED), fundação (...)
  • 19 Informações contidas no informe comemorativo de dez anos do IL.

16O foco em cada uma destas categorias, contudo, era desigual. De acordo com um planejamento inicial feito pelo IL, os três mil formadores de opinião a serem influenciados poderiam ser divididos entre 1200 políticos, entre os quais eram destacados os senadores e deputados federais (300) e os prefeitos (200), 400 empresários e 400 professores universitários, ou seja, dois terços dos formadores de opinião eram compostos por três categorias, sendo que mais de um terço eram apenas políticos profissionais. Tendo isso em vista, uma das únicas pesquisas encomendadas pelo IL, no ano de 1991, com propósito de saber mais a respeito do impacto de suas atividades, foi justamente para aferir a influência de uma de suas publicações junto a legisladores, a Revista Notas, publicação mensal que era realizada com o apoio da organização norte-americana CIPE (Center for International Private Enterprise)18 e redigida pelos membros do instituto. A Notas possuía uma tiragem de cinco mil cópias e versava sobre análise de leis e procedimentos constitucionais e era distribuída para tomadores de decisão. De acordo com a pesquisa, cerca de 57 deputados federais afirmaram ler Notas assiduamente, 75 % destes afirmaram que mudaram seus votos após lerem a revista, e mesmo legisladores que não eram liberais afirmaram que suas ideias foram afetadas pela leitura da publicação.19

17Os professores e estudantes universitários eram beneficiados pela disponibilização de livros liberais para venda ou consulta, seminários, bolsas e programas de intercâmbio financiados por organizações e universidades estrangeiras, e concursos de monografias. E, finalmente, os empresários poderiam ter acesso à participação em uma rede de contatos com empresários importantes do país fomentadas não apenas pelos Institutos Liberais mas também pelo IEE, cujo foco era justamente a formação de jovens empresários na doutrina liberal.

  • 20 A CEDES, Câmara de Estudos e Debates Econômicos Sociais, criada em 1980, intensificou suas atividad (...)

18De fato eram raras as iniciativas dos think tanks liberais que existiam até o início da década de 1990 que não focavam estas categorias. Contudo, as atividades de alcance mais elitista dos ILs e do IEE foram contrabalançadas posteriormente pela atuação de um novo think tank liberal no Rio de Janeiro, fundado por antigos membros da CEDES20 e chamado de Instituto Atlântico (IA).

  • 21 Informação contida em informe do IA de 1997.

19Presidido pelo empresário Thomaz Magalhães e pelo economista Paulo Rabelo, um dos focos do IA, além de influenciar políticos, era atingir as classes populares. Para tanto, passaram a ser divulgadas pela organização as ideias de capitalismo popular e privatização popular, ou seja, como os trabalhadores comuns poderiam se beneficiar materialmente do estabelecimento de uma ordem política e econômica orientada para o desenvolvimento do livre-mercado. Para tanto, poucos anos após a fundação do instituto, foi estabelecido um convênio estável com a Força Sindical, uma das maiores centrais sindicais do país, por meio do qual foram distribuídas aos trabalhadores, ao longo da década de 1990, mais de um milhão de cartilhas ilustradas pelo cartunista Ziraldo, versando temas diversos dentro do enfoque do capitalismo popular. Um dos temas principais veiculados pelas cartilhas era a privatização da previdência, e em 1997 o IA contratou o Ibope para realizar uma pesquisa junto aos trabalhadores com carteira assinada na Região Metropolitana de São Paulo justamente sobre este tema. Para a surpresa positiva do próprio Instituto, 73 % dos trabalhadores entrevistados era a favor da quebra de monopólio da Caixa Econômica Federal (CEF) como gestora dos recursos do FGTS, e 71 % afirmaram que transfeririam seus fundos para uma instituição financeira privada alternativa à CEF.21

20Ainda que estivesse conectado à rede de organizações liberais do país, o IA pode ser considerado como um instituto mais independente do IL e do IEE por conta do tipo de trabalho que desenvolvia, de modo que foi menos afetado pelo enfraquecimento do movimento a partir do final do final da década de 1990 até o final dos anos 2000. Nessa época, Winston Ling, desanimado com o movimento liberal brasileiro mudou-se para a China, os institutos liberais estaduais foram sendo fechados um após o outro e o IL-RJ perdeu boa parte de seus financiadores.

21Para Wilston Ling, a falta de comunicação, a centralização dos institutos, a falta de profissionalização e de massa crítica foram os principais motivos para a crise do IL22. Ainda que os motivos alegados por Ling possam ter afetado o fechamento dos institutos liberais estaduais, o principal fator que desencadeou o desânimo generalizado com o movimento foi o falecimento de Donald Stewart Jr. em 1998, principal mantenedor do IL, como atesta Chagas Diniz :

“O Donald era corpo e alma do IL. Corpo por que ? Porque ele bancava, ele foi o alavancador. O Donald montou isso, me chamou pra trabalhar e pediu que eu fosse presidente porque ele tinha contatos com político e ele não queria misturar as duas atividades. Nessa época você tinha como figura de destaque um cara que era presidente da Shell, o Omar Carneiro da Cunha, ele também participava muito, mas uma boa parte das pessoas que participava era porque tinham interesse em se relacionar com o Donald, não era exatamente porque tinham interesse em suportar o liberalismo. Então quando o Donald morreu nós perdemos muita coisa, enfim, o ápice do IL foi com o Donald, o Donald dava uma força extraordinária. (Arthur Chagas Diniz, ex-presidente do IL-RJ)”

22Além da morte de Donald, outro fator que talvez tenha contribuído para que o movimento liberal brasileiro perdesse impulso foi a acolhida de algumas de suas principais pautas, como a abertura de mercados e a privatização de empresas estatais, pelos governos de Collor e de Fernando Henrique Cardoso, o que também teria feito com que vários empresários deixassem de financiar as organizações liberais. Contudo, a despeito do período de baixa enfrentado pelas organizações liberais, estas deixaram ao menos dois legados importantes que perduram até hoje.

23O primeiro deles é a própria institucionalização do movimento como tal. Uma rede estável e formalizada de conexões constituída por indivíduos, organizações e fóruns brasileiros e estrangeiros, na qual trafegavam apoio material e organizacional, foi criada em definitivo no país. Assim, se por um lado muitos dos financiadores do movimento se afastaram com o falecimento de Donald, por outro lado o IL e o IEE já haviam se tornado referencias permanentes e incontornáveis para os liberais dentro e fora do país. Desse modo, foi possível dar continuidade de modo razoavelmente estável a atividades como a publicação de livros, concursos acadêmicos e a realização de fóruns com o apoio de think tanks e organizações estrangeiras, principalmente norte-americanas, e também com o financiamento do núcleo de empresários brasileiros que participaram de forma mais ativa do movimento desde o início, como Jorge Gerdau e o grupo Ling, do Rio Grande do Sul, Salim Matar de Minas Gerais, entre outros. Entre estas atividades merece destaque o Fórum da Liberdade, evento organizado anualmente pelo IEE em Porto Alegre, e que se tornou o grande ponto de encontro dos liberais brasileiros que lá se reúnem para assistir debates realizados com lideranças nos campos empresarial, político e intelectual, sendo que das primeiras edições participaram políticos de esquerda e centro-esquerda brasileiros como Leonel Brizola e Lula em 1989, Aloísio Mercadante e José Bisol em 1993, Marco Aurélio Garcia e Leonel Brizola em 1994, Ciro Gomes e José Genoíno em 2000, José Dirceu, Eduardo Suplicy e Leonel Brizola em 2001.23

24O segundo legado permanente foi a própria disponibilização de livros liberais traduzidos para o português para venda ou consulta nos Institutos, os quais poderiam ser acessados pelo público em geral, além da formação de quadros universitários, professores e pesquisadores, principalmente na área de economia. No entanto, a consulta e circulação das obras ficou razoavelmente comprometida com o declínio econômico do Instituto Liberal do Rio de Janeiro. Nos anos áureos do IL, a luxuosa casa em que ficava a sede do Instituto no bairro do Botafogo contava com espaço para a manutenção de uma biblioteca grande que contava com duas bibliotecárias, porém, com as mudanças do instituto para sedes cada vez menores a biblioteca ficou sem espaço adequado, e hoje está distribuída de forma desorganizada entre algumas estantes e muitas caixas de papelão na atual sede do Instituto no bairro da Cinelândia, a qual não se localiza mais em um prédio ocupado por sedes de empresas com a ECISA, mas, ironicamente, no Edifício Rex, sede de sindicatos trabalhistas variados, para onde foram levados os retratos sorridentes de Donald Stewart Jr. e Friedrich Von Hayek.

A nova geração dos liberais brasileiros

25Em meio ao inverno do movimento liberal brasileiro, no ano de 2004, foi criada na internet a rede social Orkut, voltada ao público norte-americano mas que logo se popularizou no Brasil, que passou em pouco tempo a ser um dos países com o maior número de usuários da rede. No Orkut era possível a criação de comunidades sobre assuntos dos mais diversos em que os internautas criavam tópicos de conversação por meio dos quais interagiam uns com outros, ferramenta que logo foi apropriada por jovens liberais que, na ausência de referências, procuravam encontrar outras pessoas que pensassem de modo parecido, como bem aponta Bernardo Santoro, que se tornou Diretor Executivo do Instituto Liberal do Rio de Janeiro por conta de sua militância prévia no movimento liberal :

“O movimento liberal estava morto, (mas) em 2006 algumas pessoas resolveram começar a rediscutir liberalismo de uma maneira séria no Orkut. Assim, eu já era um liberal, já tinha lido Locke, já tinha lido até algumas coisas mais radicais, aí teve a página lá do liberalismo no Orkut, a gente foi discutindo e alguém virou e rapidamente viu que todo mundo ali era muito radical., todo mundo ali era mais libertário do que liberal propriamente dito, e aí a gente resolveu “cara, porque a gente não funda um partido ?”. Aí a gente fundou o Líber. Através do Líber, do qual eu fui o primeiro vice-presidente, eu passei a conhecer todo mundo no Brasil inteiro pela internet e em 2012, quando eu saí do Líber, eu entrei no IL.” (Bernardo Santoro, Diretor Executivo do IL-RJ)

26As comunidades liberais do Orkut possibilitaram o encontro de pessoas de diferentes lugares do Brasil e com diferentes formações acadêmicas e políticas, mas que eram, em sua maioria, jovens na faixa dos vinte anos e que compartilhavam do mesmo entusiasmo por uma versão mais radical do liberalismo, o libertarianismo. Tal entusiasmo foi responsável por fazer com que os jovens passassem a se organizar no mundo real em seções estaduais com o objetivo de fundar um partido libertariano no Brasil, que depois ficou conhecido como Líber, abreviação de libertário.

27A despeito da oficialização do partido ter fracassado, o que era razoavelmente previsível tendo em vista que a coleta de assinaturas era feita por algumas dezenas de jovens militantes com pouco experiência política e recursos materiais escassos, o Líber acabou sendo a semente do reflorescimento do movimento liberal brasileiro sob novas bases. Os jovens reunidos pelo projeto do Líber começaram a fazer protestos de rua e atuar nos moldes de um movimento social, coisa que seria impensável para os empresários que tocavam os think tanks liberais até então :

“A militância que eu tive foi Líber, foi participar de manifestação, a gente fez bastante barulho em São Paulo. (...) Quem organizava era o Líber, o Líber que chamava o pessoal pra rua, o nosso problema era (que) tinham poucas pessoas, mas hoje em dia as pessoas tão conseguindo porque tem mais gente pra fazer, é mais fácil.” (Filipe Rangel, ex-coordenador do Líber em São Paulo)

28Além das formas de atuação o perfil dos ativistas liberais também se modificou. Em vez de empresários e quadros de elite, os militantes passaram a ser, em sua maioria, jovens universitários e profissionais liberais de classe média. Ao contrário do que ocorria com os primeiros think tanks liberais, a militância passou a se organizar de modo mais horizontal e descentralizado, o que se reflete na própria atuação das novas organizações e think tanks liberais que foram sendo fundados a partir da metade dos anos 2000, como o Movimento Brasil Livre (MBL), Estudantes pela Liberdade (EPL), o Ordem Livre, e o já renomado Instituto Mises Brasil, fundado e presidido por um dos frequentadores das comunidades liberais no Orkut, Hélio Beltrão, e que atualmente conta com quase 190 mil curtidas na rede social que substituiu o Orkut, o Facebook. Nesse sentido, o caso do Instituto Liberal é modelar na medida em que, ao contrário do que ocorreu no passado, a fundação de novos institutos liberais em outras cidades do país não obedece a um modelo centralizado, mas é feita de modo autônomo e espontâneo :

“Agora, em 2010, 2011 os Institutos Liberais começaram a reflorescer de maneira totalmente autônoma, não vinculada ao IL-RJ. (Antes era) bem centralizado, inclusive tinha um Conselho de Institutos Liberais, um negócio assim, agora os Institutos tão aí, autônomos, livres, leves e soltos. Hoje a gente tem uma organização que a gente chama de rede libertária que é apenas um meio de ajudar a comunicação, mas sem nenhuma gestão, só pela internet. (...) Eu não sei quanto o cara arrecada, no que ele gasta, onde é a sede dele, às vezes eu nem sei, se me perguntar onde é que é a sede do Instituto Liberal do Centro-Oeste, vou falar “não sei, nunca fui”. (Bernardo Santoro, Diretor Executivo do IL-RJ)

29Para descrever a atuação da rede formada pelas organizações nos dias de hoje Hélio Beltrão recorre acertadamente à metáfora da estrela-do-mar. Com altíssima capacidade de regeneração, a estrela-do-mar pode perder um de seus “braços” e não apenas reconstituir outro no lugar como o “braço” que foi perdido tem a capacidade de gerar espontaneamente outra estrela-do-mar. Assim, ao contrário do que ocorria com a rede liberal existente até a metade dos anos 2000, em que a atuação das organizações era centralizada em empresários específicos e dependia deles para funcionar, como bem demonstrou o desastre provocado pela morte de Donald Stewart Jr., hoje os militantes se organizam de modo descentralizado e conseguem se mobilizar sem dispor de grandes recursos iniciais, apenas fazendo uso intensivo de todas as redes e recursos oferecidos pela internet.

30No entanto, este modo de organização mais descentralizado não é sinônimo de falta de profissionalização, pelo contrário, hoje os militantes procuram se profissionalizar por meio de cursos de formação política e treinamento específicos para atuar como militantes liberais oferecidos por organizações norte-americanas, como a Atlas, o Cato, e outras, como o fez Fábio Osterman, fundador do think tank “Ordem Livre” no Rio Grande do Sul e da organização “Estudantes Pela Liberdade” (EPL) :

“Eu sempre ficava na internet procurando coisas, e em 2007 surgiu o site do Ordem Livre, que era o programa de difusão das ideias liberais em língua portuguesa do Cato. (...) Daí eu fui, na metade do ano de 2008 pra dois seminários, um do Cato e outro da FEE, Foundation For Economic Education e conheci um pessoal que tava começando a se organizar lá nos EUA que se intitulavam Students For Liberty. Na minha volta, eu tive um contato mais aprofundado com o Students For Liberty e fui estagiário do Ordem Livre por dois meses e meio num programa de estágio chamado Koch Summer Fellow Program, um programa do Institute of Humane Studies que é uma das organizações que é financiada pelos Koch Brothers, Charles e David. (...) No final de 2009 (foram criadas duas organizações), uma mais ideológica, que seria o Estudantes pela Liberdade, e o outra mais acadêmica, que seria o núcleo em extensão de economia, direito e políticas públicas (NEDEP), que existe até hoje (na Universidade Federal do Rio Grande do Sul)” (Fábio Osterman, militante liberal)

  • 24 O último projeto do Instituto Atlântico nesse sentido foi um grande projeto realizado junto à favel (...)

31A despeito do movimento atual ter se tornado mais radical na medida em que passou a ser permeado por ideias libertarianas, no que tange à proposição de políticas públicas, não há grande diferença com as gerações mais antigas de liberais. Ainda permanece a defesa do voucher proposto por Milton Friedman para que os pais matriculem seus filhos em escolas privadas, a privatização de serviços de saúde, educação superior, previdência, e do incentivo a programas de caridade direcionados aos mais pobres, porém, suas estratégias discursivas são novas em comparação com as que eram adotadas anteriormente. Se antes o objetivo central dos think tanks liberais era o de influenciar formadores como elites governamentais, empresários e professores universitários agora existe uma preocupação em atingir, além dos próprios estudantes universitários e de escolas primárias e secundárias, setores mais amplos da sociedade. De acordo com Bernardo Santoro, os militantes do movimento liberal têm procurado abandonar uma linguagem elitista em prol de um discurso mais popular, porém mais descontraído em comparação com o trabalho realizado nesse sentido pelo Instituto Atlântico24 :

“As ideias liberais são aquelas que efetivamente ajudam o povo, tão do lado do povo contra a tirania do governo, dos políticos e dos corporocratas que fazem negociatas com políticos, então o liberalismo é a verdadeira ideologia dos pobres. Só que ao passo que os liberais entendem tudo de economia e sabem que o liberalismo é a melhor coisa que tem pros pobres, a gente não manjava nada de política e o nosso discurso era muito ruim, daí a gente pensou “por que é que a gente não pega modelos políticos de fora, vê onde eles erraram e onde eles acertaram, e a gente traz aqui pro Brasil ?”, fazendo uma linguagem popular do liberalismo.” (Bernardo Santoro, Diretor Executivo do IL-RJ)

32Esta linguagem mais popular do liberalismo de fato pode conseguir ultrapassar os limites da classe média e atingir setores das classes trabalhadores, como já ficou bem demonstrado pela pesquisa realizada com os trabalhadores pelo IA a respeito da privatização da previdência. Porém, para além das mudanças nas formas de organização e divulgação, o fator que foi decisivo para atrair um maior número militantes para uma causa ainda pouco expressiva entre a juventude brasileira está relacionado com a atuação dos governos petistas. O escândalo do mensalão em 2005, ano em que começaram a surgir as primeiras comunidades liberais no Orkut, e o crescente descontentamento com o governo federal liderado pelo Partido dos Trabalhadores, especialmente por parte das classes médias, justamente o grupo em que os liberais costumam recrutar seus ativistas, foram cruciais para que o movimento pudesse se tornar palatável para pessoas que não eram inicialmente, ou conscientemente, liberais :

“Quando eu entrei na faculdade eu tinha uma visão um pouco mais à esquerda, (...) o que facilitou essa minha transição foi uma crescente desilusão com o governo de esquerda que estava no poder, foi bem na época do início do mensalão, 2005.” (Fábio Osterman, militante liberal)

“A quem eu credito esse aumento tão grande (do movimento) e em tão pouco tempo ? Só tem uma coisa : o governo. A forma como o governo tá elaborando e construindo as políticas públicas, gastando dinheiro aos montes, as pessoas começam a perceber que alguma coisa tá errada, vão procurar outra resposta, e a gente tem outra resposta, isso fez crescer demais. A gente fez vários eventos ao longo do ano de 2013, não era só a Semana da Liberdade, a gente fazia debates dentro da Universidade, eventos maiores, chamava outras pessoas com outro tipo de ótica pra colocar em outra perspectiva. A gente percebia que tinha gente de todas as idades, tinha gente de todas a área querendo saber o que que era aquilo ali, o que aquilo poderia dar como resposta. Eu mesma senti isso, eu achei que deu o up porque a vida ficou mais difícil, a gente começou a pagar o preço das benesses.” (Cibele Bastos, militante liberal)

  • 25 Como afirma o próprio Kim Kataguiri em entrevista concedida ao Instituto Mises em 2012 disponível e (...)

33Um exemplo disso é a entrada recente no movimento liberal de Kim Kataguiri, jovem estudante de graduação em economia vindo do interior de São Paulo. No início do ano de 2013 Kataguiri conhecia as ideias liberais muito superficialmente mas ficou conhecido entre os ativistas liberais por conta de uma página de internet que produzia junto com mais alguns amigos chamada “liberalismo da zoeira”, na qual publicava memes humorísticos sobre as ideias liberais e contra o comunismo e o petismo. Mesmo após sua entrada no Movimento Brasil Livre (MBL), iniciado em 2013 por militantes mais experientes como Fábio Osterman, Bernardo Santoro e Juliano Torres, Kataguiri ainda deixava muito a desejar em sua formação liberal. Suas leituras eram a de alguém que havia tido um primeiro contato com as ideias liberais e vinham misturadas com a leitura de livros de divulgação anti-petista.25 No entanto, talvez até mesmo por conta de sua proximidade com um certo senso comum partilhado por parte das classes médias, Kataguiri logo se sobressaiu como o porta-voz mais conhecido do MBL.

34O MBL, ao contrário das outras organizações do movimento liberal, consegue atrair um maior número de pessoas e conta atualmente com mais de um milhão de curtidas em sua página do Facebook. Isto se deu porque o movimento passou a puxar manifestações contra o governo Dilma e organizou uma marcha para Brasília e um acampamento na frente do Palácio do Planalto para pedir o impedimento da presidente, sendo que suas atividades pró-impedimento contavam com o apoio de organizações do movimento liberal mas também com o financiamento de partidos de oposição ao governo (PSDB, DEM, Solidariedade) e da Força Sindical,26 a qual possui laços com o Instituto Atlântico desde a década de 1990.

  • 27 Rodrigo Constantino é formado em Economia pela PUC-RJ, tem MBA de Finanças pelo IBMEC e trabalhou n (...)

35Para além do nascimento do MBL, o ano de 2013 também testemunhou a troca de quadros do Instituto Liberal no Rio de Janeiro que simbolizou a passagem de bastão para a nova geração dos liberais brasileiros. A transição dos quadros antigos do Instituto começou a se dar ainda em 2012, em uma reunião que contou com o economista e polemista Rodrigo Constantino,27 o jurista Bernardo Santoro, o empresário mineiro Sallim Mattar, que se dispôs a continuar contribuindo com doações para o IL, e o antigo presidente da organização, Arthur Chagas Diniz. Porém, foi apenas em junho de 2013, em meio às manifestações que tomaram conta das principais cidades brasileiras em prol da melhoria de serviços públicos, que Rodrigo Constantino de fato assumiu a presidência do Instituto Liberal e e escreveu as seguintes palavras em seu blog :

“(...) A principal batalha deve ser travada no campo das ideias. O mundo será um lugar mais livre apenas se os liberais vencerem o debate, não por meio da força física, mas dos argumentos. O Brasil vive um vácuo de boas ideias justamente porque a esquerda tem vencido essa batalha nas últimas décadas. Isso precisa mudar. (...) Utilizamos diferentes instrumentos para tanto, tais como palestras, artigos, revistas e livros. Um dos meus maiores desafios será justamente adaptar esse esforço para a era digital, principalmente agora que o poder das redes sociais na mobilização dos indivíduos ficou evidente.”28

Considerações Finais

  • 29 Cf. Della Porta, Donatella ; Diani, Mario. Social movements: An introduction. John Wiley & Sons, 20 (...)

36A partir do que foi exposto acima, acredito que seja possível argumentar na direção de que a nova geração de liberais brasileiros, em comparação com seus predecessores atua de modo análogo aos movimentos sociais contemporâneos. De acordo com os cientistas sociais Donatella Della Porta e Mario Diani,29 o que distinguiria os movimentos sociais de outros modos de atuação política seria a forma de engajamento dos atores em ações coletivas, assim, estes 1) estariam envolvidos em relações conflituosas com oponentes claramente identificados, 2) fariam parte de densas redes informais e 3) compartilhariam uma identidade coletiva distinta.

37No que tange à primeira característica é possível dizer que a nova geração se envolve muito mais em relações conflituosas com aqueles que consideram como sendo seus principais oponentes, militantes ou políticos de esquerda, especialmente do Partido dos Trabalhadores, em comparação com a geração antiga. Se os liberais dos anos 1980 e 1990 procuravam ter uma atuação mais discreta por meio da divulgação de materiais de linguagem profissional e técnica para elites selecionadas, e inclusive convidando lideranças de esquerda para seus fóruns, como ocorreu em edições anteriores do Fórum da Liberdade, atualmente os liberais não apenas participam de manifestações e atos públicos, como vários de seus líderes e militantes procuram travar embates diários em várias frentes de mídia, especialmente na internet, com seus principais oponentes, e nesse sentido não é acidental que o atual presidente do Instituto Liberal, seja Rodrigo Constantino, polemista que atuou em diversas frentes midiática e escreveu recentemente livros contra a esquerda e o Partido dos Trabalhadores.

38No que diz respeito à participação de redes, as redes sociais e fóruns da internet tiveram um papel central no ressurgimento do movimento liberal no Brasil e na sua popularização. O uso intensivo da internet fez com que as redes informais de seus militantes se tornassem, necessariamente mais densas e capilarizadas em comparação com o que havia antes, o que vem permitindo, inclusive, o aparecimento de grupos e organizações a despeito da existência inicial de recursos materiais de maior monta ou mesmo do status de seus fundadores junto a grupos de elite, como ocorria no caso das gerações mais antigas, fazendo com que o movimento se tornasse mais abrangente e enraizado no tecido social.

39Finalmente, é possível afirmar que atualmente os membros do movimento liberal, a despeito de divisões ideológicas internas, se percebem como fazendo parte de uma mesma coletividade que compartilha uma série de crenças em comum. Ao contrário da geração mais antiga, que estava mais preocupada em divulgar o liberalismo como um pacote de políticas econômicas para um público de elite e para os governantes de turno, destacando suas virtudes práticas em detrimento das ideológicas, as gerações atuais consideram que a adesão ao liberalismo, em suas mais diversas vertentes, é sobretudo ideológica, sendo que o valor dos militantes é medido, na maior parte das vezes, a partir do conhecimento dos autores liberais e do comprometimento com a causa, os quais, inclusive, foram determinantes para que os quatro jovens aos quais aludi no início do texto passassem a trabalhar no Instituto Liberal.

40Assim, a despeito do ideário neoliberal ter se tornado a partir dos anos 1980 e 1990 o grande antagonista da maior parte dos movimentos sociais atualmente existentes, atualmente, no Brasil o próprio neoliberalismo se tornou bandeira de um movimento social. E, ironicamente, seus militantes, a despeito de terem como seus principais oponentes ideológicos os ativistas e políticos de esquerda, em termos de organização para a ação coletiva, acabam tendo muito mais semelhanças do que diferenças com a esquerda.

Cartaz “Menos Marx Mais Mises” afixado na Avenida Paulista em São Paulo durante protesto “Fora Dilma”

Créditos : www.portalcafebrasil.com.br

Bandeira do Movimento Brasil Livre em acampamento de militantes anti-Dilma em Brasília

Créditos : www1.folha.uol.com.br

Haut de page

Notes

1 Todos os nomes de integrantes do movimento liberal que não são figuras públicas do mesmo foram alterados para a proteção de suas identidades.

2 As classificações aqui citadas são utilizadas pelos próprios membros do movimento liberal em suas falas em entrevistas e textos públicos.

3 Grosso modo os think tanks podem ser considerados como organizações de pesquisa e/ou difusão de políticas públicas que buscam influenciar a opinião pública e instâncias governamentais. Cf. Smith, James A. Idea brokers: Think Tanks and the rise of the new policy elite. Simon and Schuster, 1993. Weaver, R. Kent. “The changing world of think tanks”. PS: Political Science & Politics, vol. 22, nº 03, p. 563-578, 1989.

4 Cf. Boas, Taylor C.; Gans-Morse, Jordan. “Neoliberalism: From new liberal philosophy to anti-liberal slogan”. Studies in Comparative International Development, v. 44, n° 2, p. 137-161, 2009. Jackson, Ben. “At the origins of neo-liberalism: The free economy and the strong state, 1930–1947”. The Historical Journal, vol. 53, nº 01, p. 129-151, 2010.

5 Este primeiro encontro promovido em 1947 pelo economista austríaco e um dos principais expoentes do neoliberalismo, Friedrich Von Hayek deu origem à Sociedade de Mont Pelèrin, cujo nome homenageia a localidade de mesmo nome na Suíça. A Sociedade, ainda em pleno funcionamento, possui o objetivo de estimular o intercâmbio de ideias entre intelectuais afinados com as teses defendidas em “O caminho da servidão” e foi iniciada a partir da reunião de intelectuais que provinham de diferentes países e contextos acadêmicos. Cf. Anderson, Perry et al. “Balanço do neoliberalismo”. Pós-neoliberalismo : as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro, Paz e Terra, p. 9-23, 1995.

6 Ainda que a tradição liberal seja muito ampla e possa fazer referência a posicionamentos políticos dos mais diversos, neste trabalho os termos liberal e neoliberal serão utilizados de modo intercambiável tendo em vista que a literatura especializada neste movimento e em seus atores utiliza tais termos como sinônimos.

7 Cf. Cockett, Richard. Thinking the Unthinkable: Think-tanks and the Economic Counter-revolution 1931-1983. HarperCollins Publishers, 1995. DESAI, Radhika. “Second-hand dealers in ideas: Think-tanks and Thatcherite hegemony”. New Left Review, nº 203, p. 27, 1994.

8 Cf. https://www.atlasnetwork.org/grants-awards/awards/sir-antony-fisher-international-memorial-awards

9 Cf. https://www.atlasnetwork.org/about/our-story

10 De acordo com Arthur Chagas Diniz, presidente do IL por mais de vinte anos, a criação do Instituto “ se inspirou em uma instituição inglesa, Donald falava com todas as letras, ele se inspirou no Anthony Fisher, ele foi, conheceu, e voltou com a ideia de que era importante criar uma célula de liberalismo, porque não se falava na palavra (no Brasil)”.

11 Bianchi, Alvaro. “Crise e representação empresarial : o surgimento do pensamento”. Revista de Sociologia e Política, vol. 16, nº 16, p. 123-142, 2001.

12 Estes oito empresários ficaram conhecidos como “o grupo dos oito”, e entre eles figuravam Jorge Gerdau Johanpeter, Antonio Ermírio de Morais e Paulo Villares. Jorge Gerdau foi membro da diretoria do Instituto Liberal do Rio de Janeiro e Presidente de seu Conselho Mantenedor em 1983 e Antonio Ermírio e Paulo Villares constam como mantenedores do Instituto Liberal de São Paulo em 1989 Cf. Idem nota 12. Para ver a lista completa das empresas mantenedoras dos Institutos Liberais Cf. GROS, Denise Barbosa. Institutos neoliberais e o neoliberalismo no Brasil da Nova República. 253 f. 2003. Tese de Doutorado. Tese–Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heser. Porto Alegre.

13 A ligação do Instituto ao empresário era tão forte, que nos primeiros anos a sede do mesmo foi uma sala do 27º andar de um edifício localizado à Rua Presidente Wilson, 231, na Cinelândia, bairro central da cidade do Rio de Janeiro, o qual era ocupado pela ECISA.

14 Aqui a palavra movimento é utilizada não como sinônimo de movimento social, mas para designar uma rede mais ampla de indivíduos e organizações que estão conectados e que se percebem unidos na defesa de pautas sociais, políticas e econômicas pró-mercado.

15 Entre os quais é possível destacar : Eugênio Gudin (Ministro da Fazenda 1954-1955), Roberto Campos (Ministro do Planejamento 1964-1967), General Humberto Castelo Campos (Presidente da República 1964-1967), Paulo Ayres Filho (Empresário e Fundador do Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais, um dos principais núcleos de articulação do golpe militar de 1964 (Cf. Dreifuss, Reńe Armand. 1964, a conquista do estado : ação política, poder e golpe de classe. Vozes, 1987. Spohr, Martina. “O empresariado e as relações Brasil-Estados Unidos no caminho do golpe de 1964”. Confluenze Rivista di Studi Iberoamericani, v. 4, n° 2, p. 45-62, 2012.), Henry Maksoud (Empresário e dono da Revista Visão, revista de divulgação do ideário liberal) e Octavio Gouveia de Bulhões (Ministro da Fazenda 1964-1967).

16 A ideia de divulgar o ideário liberal por meio da influência ativa de formadores de opinião em um esquema “top-down” foi originalmente proposta por F. Hayek, que usava a expressão “second-hand dealers of ideas”.

17 Excerto extraído de carta escrita por Donald Stewart Jr. no dia primeiro de setembro de 1993 e endereçada aos presidentes dos ILs, Jorge Gerdau Johannpeter, Jorge Simeira Jacob e Roberto Bornhausen.

18 A CIPE é uma das quatro instituições vinculadas ao National Endowment for Democracy (NED), fundação privada pró-mercado criada por Ronald Reagan em 1983, e é afiliada à Câmara de Comércio dos Estados Unidos. A partir de 1983 a CIPE apoia iniciativas que promovam a empresa privada e reformas pró-mercado. Cf. http://www.cipe.org

19 Informações contidas no informe comemorativo de dez anos do IL.

20 A CEDES, Câmara de Estudos e Debates Econômicos Sociais, criada em 1980, intensificou suas atividades no momento da Constituinte, tendo como figura central Antônio Delfim Netto. Era mantida por cinquenta empresas e associações nacionais e internacionais. Seu presidente, Renato Ticoulat Filho (ex-presidente da Sociedade Rural Brasileira), a definia como limitada a “atividades acadêmicas”, de um “apoliticismo absoluto”, embora tivesse como objetivo, ainda em suas palavras, “unir o empresariado no sentido de demonstrar que o neoliberalismo não é um capitalismo selvagem, um criador de miséria, mas uma alavanca de desenvolvimento social...”. (Dreifuss, 1987, p. 52-53)

21 Informação contida em informe do IA de 1997.

22 As informações sobre Winston Ling estão disponíveis em : http://www.mises.org.br/FilesUp.aspx?type=99

23 Cf. http://forumdaliberdade.com.br/i-ao-xx/

24 O último projeto do Instituto Atlântico nesse sentido foi um grande projeto realizado junto à favela do Cantagalo no Rio para que os moradores pudessem conseguir a posse legal de seus terrenos ou casas. Para tanto foi feita uma parceria com o governo, ONGs e organizações locais dos próprios moradores.

25 Como afirma o próprio Kim Kataguiri em entrevista concedida ao Instituto Mises em 2012 disponível em http://www.mises.org.br/FilesUp.aspx?type=99

26 Ver : http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/05/27/maquina-de-partidos-foi-utilizada-em-atos-pro-impeachment-diz-lider-do-mbl.htm

27 Rodrigo Constantino é formado em Economia pela PUC-RJ, tem MBA de Finanças pelo IBMEC e trabalhou no setor financeiro de 1997 a 2013. É autor de sete livros : "Prisioneiros da Liberdade", "Estrela Cadente : As Contradições e Trapalhadas do PT"", "Egoísmo Racional : O Individualismo de Ayn Rand" ,"Uma Luz na Escuridão" "Economia do Indivíduo : O Legado da Escola Austríaca", "Liberal com orgulho" e "Privatize Já". Foi colunista da revista Voto, do jornal Valor Econômico e do site Ordem Livre por vários anos. É colaborador quinzenal do jornal O Globo. É membro-fundador do Instituto Millenium e foi o vencedor do Prêmio Libertas em 2009, no XXII Fórum da Liberdade.

Cf. https://www.blogger.com/profile/09330341852800968799

28 O texto completo escrito por Rodrigo Constantino está disponível em http://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/2013/07/novos-desafios-presidente-do-instituto.html?spref=fb

29 Cf. Della Porta, Donatella ; Diani, Mario. Social movements: An introduction. John Wiley & Sons, 2009.

Haut de page

Table des illustrations

Légende Cartaz “Menos Marx Mais Mises” afixado na Avenida Paulista em São Paulo durante protesto “Fora Dilma”
Crédits Créditos : www.portalcafebrasil.com.br
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/71327/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Légende Bandeira do Movimento Brasil Livre em acampamento de militantes anti-Dilma em Brasília
Crédits Créditos : www1.folha.uol.com.br
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/71327/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Camila Rocha, « Passando o bastão : a nova geração de liberais brasileiros », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 02 octobre 2017, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/71327

Haut de page

Auteur

Camila Rocha

Universidade de São Paulo
camilarocha44@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page