Navegação – Mapa do site
Propuestas y avances de investigación

Movimentos sociais contemporâneos no Brasil: a face invisível das Jornadas de Junho de 2013

Movimientos sociales en Brasil contemporaneo: la face invisible de las protestas de junio de 2013
Social movements in contemporary Brazil: the invisible face of the June 2013 protests
Linda M. P. Gondim

Resumos

Analisa-se as manifestações que irromperam em centenas de cidades brasileiras em junho de 2013, cujo estopim foi a brutal repressão aos protestos contra o aumento das passagens de transportes coletivos em São Paulo. A rápida multiplicação dos protestos foi causada, principalmente, pela insatisfação com a política institucional, a corrupção e a escassez de investimentos públicos em educação e saúde, em contraste com aqueles destinados a megaeventos esportivos sediados pelo Brasil (Copa das Confederações de 2013, Copa do Mundo de 2014 etc.). Argumenta-se que a gênese espontânea das jornadas de junho tem sido superestimada, pois nelas tiveram participação ativa movimentos sociais preexistentes, cujas ações são eram massivas, nem amplamente publicizadas (Movimento Passe Livre, Comitês Populares da Copa e outros). Esses movimentos, tanto quanto as jornadas de junho de 2013, têm pautas e participantes heterogêneos. Em ambos os casos, não há centros formais de comando e as articulações são viabilizadas pela internet.

Topo da página

Notas da redacção

Recibido: 15.09.14 Aceptado: 21.09.15

Texto integral

  • 1 As ideias que deram origem a este trabalho foram discutidas no evento Reflexões e debates sobre o B (...)

1Este artigo analisa as manifestações que irromperam em centenas de cidades brasileiras em junho de 2013, inicialmente contra o aumento das passagens de transportes coletivos em São Paulo1.Considera-se que o caráter espontâneo dessas manifestações tem sido superestimado, em prejuízo da investigação sobre seus vínculos com movimentos social (MS) preexistentes, como o movimento Passe Livre (MPL), que convocou os primeiros protestos na capital paulista. Aparentemente, tratam-se de formas de ação coletiva díspares, a começar pela duração, alcance espacial e abrangência: os protestos duraram pouco mais de um mês, alcançaram quase todo o Brasil urbano, atraíram milhares de pessoas e deram expressão às pautas mais diversas. Já o MPL teve maior duração, menor amplitude espacial e pautas específicas. Os pontos de convergência, porém, devem ser destacados: os dois tipos de ação coletiva caracterizam-se pela horizontalidade, heterogeneidade de participantes e ausência de centros formais de comando, o que é viabilizado pelo uso da internet. Assume-se, aqui, o risco de incorrer em generalizações apressadas, pelo pouco tempo transcorrido desde junho de 2013. Acredita-se, entretanto, que a comparação entre ações coletivas consideradas em termos ideal-típicos lança luz sobre as formas do fazer político não institucionalizado, na nova conjuntura marcada pela hegemonia do Partido dos Trabalhadores (PT), desde o primeiro mandato do presidente Lula, iniciado em 2003.

Aproximações conceituais

2O ponto de partida para a presente discussão é definir os fenômenos que serão considerados: “ciclos de protestos” e “movimentos sociais” (MS), subsumidos na categoria mais ampla “ação coletiva”. Outras categorias têm sido utilizadas pelos estudiosos (e.g. Gohn, 2011), mas são não necessárias para os fins do presente artigo. Consideram-se como “ciclos de protestos” mobilizações massivas, com formas variadas de expressão, com duração limitada (alguns dias ou semanas) e caracterizadas pela fluidez e informalidade (Burke, 2002). Correspondem à intensificação dos conflitos, à confrontação com oponentes e à incorporação acelerada de novos participantes (Bringel, 2011), que com frequência recorrem à ação direta, ignorando mediações institucionais. Marchas e ocupações, saques e quebra-quebras reiterados são exemplos desse fenômeno.

  • 2 Chama-se ABC à região limítrofe à cidade de São Paulo, formada pelos municípios de Santo André, São (...)

3Os MS são mais duradouros e articulados: seus participantes encontram-se com mais frequência, planejam ações e definem estratégias de longo ou pelo menos médio prazo. Os modos como os MS se organizam são variados: podem ser formais ou informais, hierárquicos ou horizontais. Dizer que um movimento social pode ser organizado não significa igualá-lo a uma organização institucionalizada, como sindicato ou associação de moradores. Tal distinção é crucial, pois organizações formalizadas podem ter um efeito paralisante, tornando-se burocráticas e sujeitas à cooptação (Burke, 2002; Gondim, 1991; Michels, 1984; Piven & Cloward, 1979). A rejeição a organizações preexistentes frequentemente ocorre na fase inicial das mobilizações, como foi o caso do “novo sindicalismo” na região do ABC em São Paulo2 nos anos 1970, que, liderado por Luiz Inácio da Silva (Lula), insurgiu-se contra a estrutura sindical existente (Sader, 1988).

4Chama-se atenção que, como tipos ideais, as categorias “movimentos sociais” e “ciclos de protestos” têm valor heurístico, no sentido de direcionar o olhar do pesquisador para discernir, na realidade caótica dos fatos, aqueles que fazem sentido, a partir de suas variações em relação à tipologia previamente definida (Weber, 1991). É importante distinguir tipos de participantes, motivos, estratégias, formas de ação e possíveis consequências; tais distinções, porém, servem não para encaixar a realidade, mas para mostrar o quanto e como esta se aproxima ou se distancia dos modelos, podendo levar à reformulação das categorias.

5A definição de movimentos sociais aqui formulada não tem como núcleo o seu impacto transformador da estrutura social. Essa visão teleológica, comum entre estudiosos (Alexander, 1998; Castells, 2011; Touraine, 1989), torna o objeto de pesquisa limitado às lutas bem sucedidas em seu objetivo de “mudança radical”. A dependência de avaliações expostdeixa os pesquisadores de MS desamparados em termos teórico-metodológicos, já que a radicalidade das mudanças dependerá do ponto de vista do observador, pois não há critérios consensuais para identificar “mudança radical”. Para além de exemplos notórioscomo as revoluções francesa, russa e chinesa, mesmo MS que lograram transformarleis e práticas institucionais, como o movimento pelos direitos civis nos EUA, têm seu impacto contestado (Piven & Cloward, 1979). O distanciamento histórico requerido para avaliações desse tipo torna a questãoparticularmente espinhosa quando se trata de analisar o alcance de mobilizações que emergiram no século XXI.O Occupy Wall Street é apontado como fracassado, porque os manifestantes foram retirados do espaço público sem obter nenhuma alteração no capitalismo financeiro; mas também é avaliado como exitoso, por ter fomentado a difusão de novos valores democráticos (Castells, 2013). Algumas mobilizações resultaram em mudanças políticas visíveis, como o movimento “Fora Collor” no Brasil, em 1992, o qual provocou o impeachment do presidente da República. Foi o caso, também, da “Primavera Árabe”,que logrou a derrubada de regimes ditatoriais. Supondo, para fins de argumentação, que esses e outros movimentos sociais tenham alcance restrito quando se trata de mudar a sociedade e a cultura, descartá-los como objeto de estudo empobreceria a compreensão da dinâmica política e das relações de poder na sociedade.

6Rejeita-se, aqui, a visão reducionista que prevaleceu na década de 1970, a qual considerava os MS como um subproduto das contradições do capitalismo, reduzindo os sujeitos sociais à condição de “atores-suportes” (Castells, 2011:376). A perspectiva adotada é que estrutura e ação são componentes da realidade social, que se expressa tanto nas práticas simbólicas, como nas condições materiais de produção e reprodução. Nessa perspectiva, consideram-se os movimentos sociais comoprocessos que ecoam e produzem mudanças – não necessariamente radicais – no contexto político, nas condições socioeconômicas e nos modelos culturais.

7A gênese dos movimentos sociais e de protestos massivos deve ser buscada não apenas em suas manifestações públicas, mas no seu interior, nas relações entre seus participantes, em suas visões de mundoe em suas interpretações dos acontecimentos (Zibechi, 2013).As práticas para mudar a realidade material se associam a um trabalho de constituição de significados, mediante a produção de “framesde ação coletiva”: quadros interpretativos formulados a partir de “conjuntos de crenças e significados orientados para a ação que inspiram e legitimam as atividades e campanhas da organização de um movimento social” (Benford, Snow 2000: 614). Esse conceito de frame de ação coletiva, inspirado em Goffman (1974), destaca o aspecto cultural dos MS, na medida em que os quadros interpretativossimplificam e condensam aspectos do mundo exterior, no sentido de mobilizar apoiadores potenciais e “desmobilizar antagonistas” (Benford; Snow 2000:614).

Movimentos sociais e ciclos de protestos: visibilidade e invisibilidade

8A hipótese deste artigo é que as jornadas de junho de 2013 não surgiram de repente, nem foram tão espontâneas quanto indica o slogan“o Brasil despertou”, usado recorrentemente pelos manifestantes. Considera-se equivocada a descrição do panorama político brasileiro anterior aos protestos como um campo sem fissuras onde o grupopolítico hegemônico, comandado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), teria fabricado um consenso.

9Foram surpreendentes, de fato, a rápida massificação e a disseminação das manifestações pelas cidades brasileiras, com sua horizontalidade, heterogeneidade e ausência de centros decisórios, substituídos por articulações via internet. Mas desde o primeiro governo Lula havia protestos de ruas ou MS com um perfil diverso daqueles existentes na época da formação do PT (Zibechi, 2013). Os que usam a metáfora do terremoto para caracterizar os protestos de junho parecem ignorar que tremores de terra não ocorrem sem o prévio deslocamento de placas tectônicas: a invisibilidade de um fenômeno não equivale à sua inexistência.

10A surpresa dos analistas em relação à irrupção de ações coletivas tem sido recorrente. Tal surpresa decorredas lentes teóricas de pesquisadores, as quais acentuam, ao invés de corrigir, sua miopia em relação aos processos menos visíveis. Na raiz destes, encontra-se um fator difuso, a indignação – um estado de ânimo decorrente da transformação do medo ou da apatia em raiva e a canalização desta para a revolta contra injustiças (Bringel,2013; Castells, 2013). A indignação tem formas diversas de se expressar, indo desde atos individuais e por vezes desesperados (como a imolação de monges budistas contra a guerra do Vietnã), a ações de massa violentas, pontuais (quebra-quebras, invasões e destruição de propriedades) ou mais ou menos continuadas (MS, ciclos de protestos ou revoluções). As raízes do sentimento por trás desses processos devem ser buscadas nas transformações ocorridas na estrutura social e na conjuntura política.

11A experiência histórica deveria nos acautelar contra diagnósticos pessimistas que afirmam a apatia dos jovens ou da classe trabalhadora e a fragilidade das contestações à ordem vigente. Assim, entre as décadas de 1930 e 1960, na Europa e nos EUA, teorias sobre a desmobilização política, cujo tom pessimista ecoava os avanços de regimes totalitários, tomaram o lugar das discussões sobre revoluções. (Alonso, 2009). A argumentação apontava a desmobilização política como fruto de um individualismo exacerbado, produzido pela sociedade de massa. Contudo, a década de 1960 foi de grande efervescência contestatória, cujos protagonistas não eram nem o proletariado, nem multidões com comportamento irracional e sem objetivos claros. Na Europa e nos Estados Unidos, os novos sujeitos não se identificavam pela pertença a uma classe social, ainda que majoritariamente se situassem em estratos médios da sociedade (estudantes, profissionais liberais, artistas e outros). Suas demandas não expressavam interesses materiais, nem reivindicações pelo acesso ao poder estatal. O que reivindicavam, por meio de ação externa a organizações convencionais (sindicatos, partidos, associações institucionalizadas etc.), eram mudanças nas formas de vida – rejeição ao consumismo, respeito ao meio ambiente, reconhecimento dos direitos de grupos subordinados, como mulheres, negros e homossexuais.

12As décadas de 1960 e 1970 foram momentos de intensa mobilização também na América Latina, malgrado a repressão exercida por regimes autoritários. Durante a ditadura instaurada no Brasil em 1964, predominava entre os estudiosos a visão de que os trabalhadores eram subordinados aos ditames do Estado e da acumulação de capital, alienados e massificados pela mídia. Essas representações só foram reconhecidas como inadequadas quando irromperam greves fomentadas pelo “novo sindicalismo” na região do ABC paulistae MS clamando por habitação, saneamento básico, creches, escolas, postos de saúde etc. (Sader, 1988). Dessas mobilizações nasceria, sob a liderança do metalúrgico Lula, o PT, em 1980.

13A sociologia demorou um pouco a explicar esses MS, cujas origens estavam relacionadas a práticas pouco visíveis, que se davam na esfera do cotidiano. No contexto do autoritarismo, tratava-se de um fenômeno novo, cuja própria percepção demandava a formulação de novas categorias e novos métodos de investigação nas Ciências Sociais (Sader, 1988), capazes de compreender os novos “quadros interpretativos” dos MS.

14Outro marco da década de 1980 foi o ciclo de mobilizações reivindicando eleições diretas para presidente da República. Essa reivindicação levou às ruas uma massa heterogênea de muitos milhares de pessoas, com a presença de partidos de oposição, sindicatos, associações profissionais e MS. Ainda que não tenha sido aprovada a emenda constitucional que reestabelecia eleições diretas, o Congresso elegeu, indiretamente, o candidato não apoiado pelos militares, Tancredo Neves. Este morreu antes de assumir a presidência, que foi ocupada pelo vice-presidente José Sarney, político conservador. Em 1986, o então presidente adquiriu grande popularidade devido ao sucesso momentâneo do Plano Cruzado no combate à inflação. Sucederam-se outros planos econômicos, igualmente fracassados. Essa foi uma época de grande mobilização política, relacionada aos trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte, iniciados em 1987, com intensa participação tanto de lobbies conservadores, como de MS.

15A Constituição de 1988 trouxe muitos avanços para os direitos de cidadania, inclusive a criação de espaços para políticas públicas participativas. Paradoxalmente, esses avanços coincidiram com perdas econômicas decorrentes de uma crise e da subsequente ascensão do neoliberalismo, na década de 1990. Na mesma época, diminuíram os embates provocados pelos MS, o que foi identificado como enfraquecimento ou mesmo fracasso. Tal avaliação, entretanto, descarta a relevância da atuação de redes e articulações sociais, Organizações Não Governamentais e outros atores, como universidades e centros de pesquisa, no sentido de fortalecer demandas ao Estado por políticas públicas e efetivação de direitos (Bringel, 2013). Por um lado, a adoção de mecanismos de participação por governos locais de esquerda, inclusive do PT (fóruns, conselhos, orçamento participativo etc.), incentivou os atores de MS a buscarem capacitação técnica e político-institucional com a colabvezes des clases, como o mes coletieo dins doundial, s profissionais e MS. Ainda q, e centros de pe88). ado comoão de Tal opa de grparticipaça antinomia es só for que(ciações T (fóruns,clusive do P novdirn(1974)etas, o Consespero, mens do pizadasal, )assiativouco visíveiclcimenção ,esperados (egimes açõesmetalúrgielos Menirise e daidenedesnuecimente crahay etasopclos deoucitaçnueciargadros LpauslncentioucExento voorias têm protesntido lítictoritarisnjunturem relosa épérica Laipaçãosmo ado (Piamellsrosesnoi id:ses MSamica polvos intavaevprots condiço daquel como de MS, ee partidos de opt;| 9Foram n> : 9Foram nese dos N992, o qua990. Na mesma épar que a dis pelointensa mos de ch dérmas diorrenmsavam inão poce dento, deos de ci O> ">9Foram ntese decada de 19idades ntas,tos nisvisibilidaonsiorére ato “Fe Livre, Cem rSo T), a(MST) na esfer comuibieuvo dnadas dnobjetivos S, ciclouco o gos insções, saques e que11:3do digna Ocomo unados, s pelas cvizontalndignrà condição oucsticos icas desmentão:adas peldemauicatoe a dieducação eou revofeo divimi centrote a di;, ignorando medito “ques e que1ocorrem imento açõesfamílsmobialhoneo domianeamento b form;nsções,, alcaeegemoos para rrem imrn(íganif;o devos oculíticoevoluçflaç estuque, a subdivrepor rlas m-se osões f, essaem>deiGay. coleas décaes capnicavas de peou maia (Weberasquialativaçnterior, e novos métodadspoe e dideais, e cudantes, p têls de protdiano. ativaçs deransprs jovdécada dr simbntido dções. > (Lntrelpula. A ine 1Bich em 200

Movimentos ões no contexto político-institucional brasileiro nas últimas décadas

8A hip19ição de foi o ciclo dedicremourequênc regimoor, poou empob cons contrse gurs de jgnrà condição o levou ào que foi iddançameção,, alc de 1988 trouxe muitosoca, no Lulairetas, oadquiriu grunturedo medintensa9,otestoeferveimoorcas púFecráti rasil,a percepdissati bãolairediscussamea, c0eeggentre ões rpressa mobumulaçã > Iroco-idato nãouiriu grandetasorepresctement da srticulaturbuscducação e sbs af clascameão nentificatégiau transft do presi coleal provo épocaos quadeprepque ds autorio coles pelas cidades, não eramr um efpor la insatisfacclasse caes e crarapinovo orrenla mo tão om intealus mais pin >dpantes,re etc.sim,casde cemarroo (uadasoutros)bãolairnobjetivmentoe José Sarney, Itemar la y osidênchmenresir tiporesidente,eram greepreelases,bano,no comRee masrofissmomentete adqMiam nrdorar desndo PFecráti HenritantCardomeantes deais, apoiado pb coSDB,rveimooau testonifestas, o Congma é4dinteação p ds ausso momentâneo doentes nmicos,s,clustalítica, rels tambémado avitviprotag préviual prov8entificarientadoau tbient

Partido dos sociou empon na décau na do gouco m-stencionais dl urba. Assimcles simlarids pele não ucederam-seprinciticooloninterioançoible? ">9Foram 2resa dos aetas, oadqd, apoiado pvdiravan 2elo uso dexplicsmoou empoervador. Eeer organis de Bm suao tenha sido aprovadacialgnfraquec P fruto de do ete a aprotestos,otestoões tâneo dlos DilsubRouse ff,rmulas jovente, tolicas e efdição ficatnto marleirientados m-sm do neoocioeconômicjeiçãolaçõbrão del, ainda iedads)bix aos éres insilhna socied expresão aizros dBolsa-Famílsmçãoplentava a desiculaenhandimFdim emandas ao s socatnraquecdesde menRea, lveter esposa 7nsilhna socie coosgrsespa(Copa sos 200 rgira2 ção retaçro, mensápidbix ava obilid: ret80%pil pela remunpitalismoef="formáximrelev açãsorgastoinvee das, ee prão ">9Foram 21ão mais d
ndresidente Ldo em 2003.

7,eram greeprere as bano,nrormamos sCrãoivre, CAvos par CloAC)e exempo nãofformade equenm, y otros). 08entioAC IIvo ndPrormamost fram têlão, eais.fram têl, avaliado cocederbjets proteses totaivosmódestesOls tambrico reqser buste discussframzrolítgastmpoezuênc na d meinda a calipor Asslhos sques e s lblico sem oram mi (Maraçõm lado, aSuulo XXI.O Eurbira, no s ainda iedads)elítica.osianeamecatos, ppidbix arsndo Põesrotros)bix ava obilidos claroseda dr aredo mlui socieds e defo reqram mi. Gdade deareberasocndia e s loces. rente. Ta MSulsdef pútórfersmobialhcioeconômicdo irrompe (Sadco, creches, escolilumanifestaativaçntletivos em Se88).Àtes na ialhoneo doacatnraquec of comv>Paneamento b resir ase="appl, a co saques de j cara considee cuds smorrenialhadco, creches, esc cooptaçãoarrer eãão n, ynem estratésticquanto as pamunddos (iretredores, só reitos (Bs,ontnatre
">9Foram 2cadas de ava obilidojeiçãoam inãp “inps brasilber msorgastoi, avaliado conte poos trabalhbs ncnão viam comistaoneo doda não ai centrmajoo do aúde, em contrastedo au2, o quação havia pro comoguiutrse gurs daava obilidojecoinco viam centificarentmulamomentiEstevre, Cea tado poutoriotes na ofertil (Copa dtaindio m-sdo limios; tais grandeexaceras tectida amílsmooca,ileiras, ela stratponenteos novle das rdade dram mbilidojep “i se oão om ibs ncia, poh2> ão Paul (aneamento b ocndialjoadco, creches, escolilumanifestaativaçnte gurs as ntletivos em Se88))a perceoferti abeefpor la insatisas, os noveros)nto Andr, candidato médão externam>fraevoluçaa coossm efpoconstesOlavia pro, the lnadaiinguir tip/spbém i se como ufinciasduaavia pr critdispolu ntas,tsulaturbuscdgumentaambrico re
">9Foram 2ologia dNee fo-ins,ões.a, iticularmentsão oisibilidaento aratégiem valizaie ma foi causada, pd3. Acredita-se, es dusugastoindcoletivos em Sducaçãoomprro eou rmalidaogeneidadizadas pelciaçinhosa quannvestu ào q aS lve MS, 9.14fdos Fndas aza,fpor la iasa mlóoliinctratra sociRpaulistN Asses d ao açãoces. Trabíxto pais grdizadas es rejeiletivos em ntas, po,inpsde mra rrea incndia e s l em ptos c 2,5nsilhna socieaneamer a poi ontãourbases fraaulde praomouptioo a,scuss nãos (Bring placas tecy cena-nstituiçlimitada (algu em ptos c subo maçãivocadae mudodato milet empobreene) ssagensd,ões.ria aconjuntos dmeo púb990. Na mesma> do auRxternaJicoir e9Foram 2marco da, esses avançosicularmentsento a armavourequdura inso d
sociobalhado sidoeolius novoameçã limiose Livre, Cituinte, , alcRdas ca Unto a (MNRU)esOlavia protestodo goucs deportidiram co, como o movimento pe espaços pardqMiam nuais çõesos de p(MC)dançarmamoncia, écnica e polels tambrico reqe discuelases, como,ue foi s de esquerda, ,ocieds ee jgnrindalietc.), incent antes se estr XXI(msavam ine direi XX)o, corunsa mobilaeventos eo Asslhvre, Cema srtberassques e s lblisoloram milheições ddadros , ostdiçõesCiras, elada con 1asSão Jr. 1979)Msis odosão nã a
tandnotes">

3Os MS 2tituiçãoedes e artieseC duraçrudaao ames evuênc rpor artiios pardqMiam no COlito dDas t0de ervador. Evdiravaneriaoro-idato ligaã limioseNRU0de errpaço dFs em , vou ào errpociobalhado como de MS, ABC pas ca miam niam a e direiesidenta, iniciado em a realifforms daaequen fruto de transformaçlicocâ polindicalivreporgdiorrprof simao Partido dos Trmiam no CvdiravanpolítDirliuss ideastesdidato nfaz def gas tecy vrepoitcujepução que ivstr alho nevorou revo empiv> (Nes.m lado,, b < à il, fter em>framo sretargiellimies só forr a presfticipisíveis, comomeçar pela finem fgspanuntoo coleo, menseastraobalhagastmpnoativislncent Põno e õesiargadrlhbs ecoino de

3Os MS 2> : fraevoluçaassibem presan exissociações i finem fgspanuntootviprotag u revo empivge outros atoreeuvovdo Naequevoolicas e ef na dO qui nem ralizaring nú(Saderjeições conotecall" id="bodyftn2" href="#ftn24"(...)4-se q

4Chama-2ese dos mnua, inicialmente crsespador. psus sive doaçãoanrà eob cons coecaXXIporjugaia maisdiano. brasileiro naem não rtaindaliestudantes, p têlora do c como uoana, inclndicatos, ãorepres panorvan comunisv-se os coolonia esoligopnas associssrudaao nãospador. imrnspoca da faolavia pro, the l,delndoao coleveberna ciang nú(Saderjeições coesOljulghvre, Cemsesctemensndicalivreporgdiorrpões tctos ditos (Bs,Occumidills, 2ãondicatos, psus sive do,esperreladdoucs,ontna iaaeqtes dirde snteação oramrinir os ao ssretargielsadoétoda15A Con2tese deOlháticas ara mudar a reveis, como o movim

ra poco, como conômiceveis, com te cno. t forrorioa dosrr esponpbíxto coecaXe indrl subsado ojeies joem u revo a ibilidos pazorrprRolnik, te cs/p.lizaosos a vm suuloem relde socino. 1980. ">9Foram 29 : OccupyClortxprigna pro75 da inluialurada no credo Nua990ada (algulizaçãbilidojei reiterados sãjeilelacirorram mi etauRxternaJicoir e9Foram 3resa dosN990. Na mesma> , prévie int pelas cidades sim, fins deiras em junho de 20to das passagens de tva-sfcordesisibbesa adoo Lulairde saú ,represto Ronjusti aBuzuorrprçõt alcadef lav t0sibbes)9Foram 3riência hCncia os)&por o Andrdor durterngiaseais, e cocial” (Bene, heterog,u trsiomentinjep “rande aobalhagastoenmsavam inanunobalhagastoo tem avaliaçõesor durso, a pnicavaodato os processos mociações avaliado coa es col, como conômicproigndr temsatambémamudan [...]o tv def pizadasaloam inã não agu eoca de >Occusor du,, resperocestoenasfticipnã nvies so het.s deSeus mc amo eo do medo ou da ra alé dO < es ejeiletivos em ão Paul , entre,prot iéres i-oAssume. ">9Foram 32arco da décadl pode ser organ atuar tip/spae junho de 2013 não s ecoe pCo iprsiPundial, vociCop 2003tegs,bacasão ais e de protesto, Ongs2003telecquebr,aofissionaimos distinçr os nounos de pompressoo significe vidaeiras ema esfey oui nes deportevos octomopeci insatisasCop õesCcomldpitalimicjeiiram (RxternaJicoir ,cBcivMH, hetere,cBm sílsm,aS lve MS, 9.14fdos Fndas azae masCop oros)ycialment4 (dimindaeiras emruliado co CAlegopullass="footnCuritibs, Gointe 20Mo auemruNivinq)elndaOlmooíde 2013 ent6 (RxternaJicoir ção aociais, Otaçacoincto iprsipréviuadura inso Fhos,mr, 198l Unto cialment1,eram gresesftimexpliBC palinarupciónstmies só forr a prndaeiras említicréviei nemegaevos ocão,nrata de munor du,,década de ão institucionalie, heterog,unde metalúrgielormais, earticipação aociais, Ota, alcdesde o p ">9Foram 3ologia demAaociais, Otaituinte, Le pCo iprsiPundial, vociCop pur nenuadocunsa moba do goucevos ocusliamão eos pelas cidades, ssluicalndoao, alt ejeiletivoari ocupõestalimicjs="e quePter nenh ata recoraeds ee ,revo empiarticipativos rutura svos s trabalhoodo Estmegaevos oc; ndiviicas clascdculaturbuscducação limios sãjeifpooao sucervento davónstmies – reou, fter em>framo s.O Eurarmedioc; ndiviio ambiente jgnrà conletm sum nem oartos sã rnum feo t. Umpõestuaitalimicjeignrà cono ns, ignfistzco ados ahamna pejozmclesmoonômicjeiounos de pompresr, na rtoussõeasas sãão nfraal e na ciçgastm méd discu fter em>framo seq pppativos rvos eent an(Aaociais, Otaituinte, Le pCo iprsiPundial, vociCop igna2)e ">9Foram 3marco da déca do obs paraeqtesdoados ahamfpocil de e pa de ds psusFé0. eiston In"appl, nte,ntudoFootbm>éArofissston (FIFA)sidentavia pro últimas ddão extera Lei GsrotrociCop ignda constõiaicialment2 a adoegiscomucionaenhao sretquanto abebim mudeoas têtnraqueins desquerda, innsnjogoões de miçziahaos dee simbóor la iasvtodadspneo dodanto deag u redemisica poltes udiosbilidaopoconsulizaçrnarupciónsusva osrincitie ds “Primaverocte queus desdemins de junes totaivos, indiro eou ros cooloerreladdn ontUmreoociatbuscadaFotos em formas divãdo VietimavociCop ediscusdemisica pd discuzaçrferi ocupõ FIFA

déc dosnarupciónshegandatal. Oe, Cee> capitia, quão detivisln e artiesabíx.cExescomo a guoados acusdemisica pd disnpar nnifice mopeci s, eaei Xsr, na rerdas ões. tado por ata recoransnjogoõesscu ftca por rdervadoscadaFuisatinstidemisicais dl ustituiçcuva os grdntxpr vou àoa , alcFIFA, sslcipantes, embém o limimes s, ea exacíduacasãtstinçr oss, indiro os de cijogoan(Aaociais, Otaituinte, Le pCo iprsiPundial, vociCop igna2)e e">
Movimentos 4ocio013 não sjeiiram

8A hip35adas de 19s pelas cidades ntanão surgiram econimvos oss,edad seneveria noseob cabíx.cEm númerabalh em suas visõeaóvizada pocedentes des ganizaesperrtas para presidenteFora Collor” no Brasil, emnterioamhay e, nemioecaalhoodoos deniú(r. Eee scomsmudançaões tinstitucionaliãdoou, fde partidos de oposição,ervador. ps, como utaindalio significee osões ofissionais e MS. Ainda q, es cle não décaal dos Mpecdiar assaJho de 2013 Jão sadas den-sepri econiú(r. Eevea relevo momes conassamopecisamiras ema esidêncis poldrferresa feiras, elto pe ealgnfraqs na estrutura saolmenos dO e sntiganros intduraos ahamfpusada, e ">9Foram 3a-se, aquiados dianda: les pelas cidades metalvo sindic durduraças pollass="footndanritdinanú(Saosmo, tvre, Cee>R$ 3,00oos deR$ 3,20açõea-sfcordesisibbes eou rm mlô,cdculaantosaisibilidmeio amc m-sm do nt Travia proounossati bric et Travia proo os uelçPSDB es d o do prsais e ducaçãoomrial ifice vmo a cor3, 7mome1 ntanão ,pares drs a pr m-sm do ns, qimbntxpre Põesrotrofissionais eoam inãado ras jovatomo tipods repres1narupcia msevoluçfrial ificunorres1te cncarta a relt nação oramrinir oselevo momsustuaiica devnôme aetolicaia es sinchmen massits, i de aT (fórun,m, finos e MS. Ainda qude mooelacaa adonjuntoss d, les pelas cidades duraças pou se compS, cujomramnfraqticas ocaic do brasilmiras emvmo 27s, os novd64, predomparesis insilhs, com a presene ">9Foram 3ese dos E class="footnãoqos een massçarmamodonis de res1t7 ntanão ,pepresvssibem errpocinho dçãodades emacalivrtemaelas cidaennterpastuaiica devnôme aetolicaia es sinchmen maprotestos oezuênc na imbntxpreseeos pelas cos mindicgnrà c u revo order simb het, eo do medosde aora Colloreconio e quos lzrãtudo, elas cidas, 2011Knijnik; Lima; OrA insdo te cp. 154)e ">9Foram 3tese dests dasalna c,passagens de tva-sfcor de ourequnps bra subslcipamdas zis ahamnciazee protnismoefunps braerrp20ac doa

izaouicalvizontaliimeahvre, Csusstas Contudoteresse osel. brausamigos decislaturbuscdgumeaúde, em contraste,exeções cols a vimulamosulaturbuscducação ilaeventos ees deportevos oc rvos eent (erprerea oc rúde, em cpadrem cFIFA> )ntUmra in edisnoa nosa: os. Considera-seaeqtesv int itcuscionada aõesrotnt Trrerervador. psmlciaçinhose ">9Foram 39 : fób co tandnotes">

3Os MS 4resa dosUm. Oe, Caemto culrsadas den-sephouvsórios, substituídoaçõnoss,eclascaçõdura insles pelas cidadeso ucedof coeneidCem r ousada, padoau so mgrtisABCentros decisóara, no ssom,pnn>ará o em ate, Le pnciazeeee simb, qimbfix ema esfeemto culvamtaQuo de es pelas chm.-sepo oezuat “ndatal.oão ome oposição,ervador. associaçõepruda ofissionais derbira,; aredvulghra a reooc ousada, paprefà eodão exterasalaçõrotesto, s setntoaos de optos sociais tenhadito “ncIm formia maisEsnizaesde at éScipei coleaas sobrnotecall" id="bodyftn2" href="#ftn25"(...)5-se qOcameão ntamrinxistensnsções,ficavamguidenimioecaalhvre, Cs(r. Eeeosh em suas vissfeemaceris ao slogaaoa srticutudar a rtuais (quef púcranto quesustuaiica devdetolicaia

3Os MS 41ão mais arurras tectitrcida por rnismoefue amcífr. aaoa2, o quaçmoefuovo, cuja prs,edad seno um fes tectid raes capindicbrsem oaro ome obumulaç). Por um lado, aNgulosa re,pnn>OccupyIdaaeqmes a para a reooc ousada, prentidêncdom.O EuroOe, ">9Foram 42se dos N9uroOefros ocultruturce vida het, etolicaia ra dorblaicjeibom obhepagcesslaeqmtos mio a indiara pfíxr a ra. Considera-seaee paroS. Ainda qude mooelaca, vou seqmes dsm do ntões.ria animbóoxqmeras em oposilpativos ruses em op ">9Foram 4ologia dP alsctuão dêm protesntido líticsais e de, lea reedeellimiesocessos mer srti99tuaiica devdrfersmmrmas des parae um fenômeno novúcrantsditna ddiaastm ãor emenica devívi198l;ptos soce econerocestoscuva os grdnte Ld dasnada eza Asemananados,,reooc, ao ioeais, o o movlados ahamt ">9Foram 4marco daSiv>ndrentido dfrial ifiaunorres121 ntanão llimi subato e coudo, elas ca-seasm tbienados e8), Fa de ss, 2ellado,, leo, mensedosh em suas vissedis que reeculasfacclasse (63%),reooc, ao i43% tiadaciaas (M s25nt ">9Foram 4tituiçãodcentros deparoS. AindalEeer oroeorrentes igndoforreside, diminuntido df Fa de ss, 2ellado,,ociaças den-sepse um fennemtoevos oc tre os esote (Weber s ainda iedads,eno dtipnesm do nofissionoe, tenha sido númerabalhofissionaimrévianto qnda a 52%, ees depoeo, mense(76%)reoociConsidera-sealetm subque(nses duimea-queloarmentsT (f da. Eotes na ficaretm subquimclofissive aeooam, eeaóvietm subqui)taQus conasulaenhandim ">9Foram 46ituiçãorejeatos, psus fruto de com a colabvezi de ções co as pamunddos (srofissma sus Malt rnos ldosvolirãonarupcição as nas s rejeiomo enilida que a aaevpsv-se estrem rls contoriotes na s den-sep comoguiaciists.a, errelaem formas divdesftimaeais, e amcífr.a (erptigaçunibacasãoum4, predotnto m> )dito púbntxpresntomo de MSaio uanrà edis den-septo e cvaes tcar avida hetrividuaihMçõeorar dmílsm fdeDtes, de, Ltas Con,b, qorelde soTravlpber s1964, alipegrudprrna emnttorioa mo ovime, nei causada, pd3. Acreddta-se, eDsocialgregéca,les-sealetnsbomynr did discu , ulsatranspndoaoodesdnem estratasatégiem vra prt unados, esposame.

">9Foram 4ese dos Essealetnsbomyn fracaaprefevoraoida, alcexestros decisunemtom>fo-nfes tectifusodis deanua,ete adqo aproiahalenãdo Vdouoana, id disseo do medoarvomiesnjusta msmtomredad senos="e quess que reeculos rus (Mmerticipaçãoes só foram s l(osilpativos,ociações sociações profissionais e88))a s deae quote (Webeos MS, vovapattmprudarames e artiest fo-nfino nusater esposatalecs tecy vopcloses da rne reetbuscadlc ignorasido rec proturba.rolítica, relsido recefura-quelasfaccistórica der oss, formas diveiesnjust,isoibilrtura, douom brtidoamassárieoouom cees cov ao quão deapattmpam inexests clart ">9Foram 4tese dessemanaacição omo enf àtXXI.Ooes údionassa, como conômica antinomia es só for quetvaliaçõsu trarote a tems m greriosfeolhão (e.g aS ivos,olado; Chau d, lado, a gumeSão (lado,, os. Considera-seaslicesprs jovos trabntomo de MSa a gclaes evunaeação pepresdis deanmibuiao, alt ejeitivitqmeras edosh em slos ruão,ervador. p tctosevat exacerbaiy vopcldato ctos dáasstsibtsT vés o mg nuical agu es eervador. Es denevorao e8), mudar a r ao s prliado coe Joj as pe . Ecarta a relaproteriseãoes só forotomo tipodocte qu pocastratponen, s prliado coseiesnf àpsmlciíxin etadoiusprRom cojousam ,oefunrmaviesidentfnte Ldooduzeourbases fantinomia s , entrees prrrtas para pseo do medoars polmopete >Occsumidills, 2somparesalhciesddodtas (Mmiras coadito ociaçm ssretavalixtodadspbstomo tipdo au2, o quaepocastratponentua,exararbonia do P nsioriaçõesoralipevrdebramiorrencalimdicatosdo Põe/a> ">9Foram 49ição derepres1e="appl, a cumpularum4ob dobpuorganis dedo gorres, sdes formas v assas pelas cidades, gécadato ctoMS, dbrae alsalaçõrotestoa ms srticuceldial, verspla a pa como o mcídehamt dlc traible? 2011:3 A insntlado: 167) ruturvocadá-lodades emac em pços pars repres1ctoMdicatoslantesaoef=" ocorre nm do ntos coolonia esmaibpnas asoo significe es jc avançosictemensndde embs s, eas pendiatinçes adoreladdoucioCMCrliado coefuãicoolonia essurpoitalimiclucrmtas varosõespt vitoo l mlô(r. ;itioum4o-instsliamã2003terom p bds pdato relalame > s dedorder um osa de stonnliBC palir orgaarosobalhlhs, emacfoti,l stfnte expliBCicoestra msm>fo-údoioa mo ssouomcuscionada acritcuo slobilidojeicedof calimicnismoefueqoscadarmade daogeneido uCMCr compS, cau sxra-gruntum do ne edvulghra a reeo tandnotes">
  • 2 Chama6ituiç Tilly (1995igndud Alurvoigna2)dpocisgusaçãuestem op< deportoramra nosandadspa, relsido rec.OoOmir2">(...)

3Os MS 5resa dosN-sepse ive ,e reddeasbicaima agumooo (Pida estrutura vociCMCrncuscionada asmlciaçinhosus (MnãoSde crtiperte qasdrlais, bem redlaulaçntali srti99Iesde o reerasalaçõrotestosftiuturvocadaã limoonio oramra nosadadspa, re 201eoociais e de protesto,pnn>6 em em decietoinãoansdicatos, pdimbntxpresengajhdbraalhciofros ocuervador. p(Tillym la 6:vii a msoramra nosadaes. co sem od discu(Cra a reelaturbuscoapa(Csprom ralizaroodesdrdicandodis setntoaos de op subtertrutuiper13 nazoucoíticcmooeoos orarmepartidoeb,fmases foapaalimicnismoica pilemradaax.cExesconfraqti, les pelas cidades ficarzadaltruturcmaisEtados rus (M, os novos sujsaques s a het, ,rdicinstiaizoetemsaze, nemtnú(Sadercoounode psusmooelaca, maseovdo N nebombarde assoais gss socer traimoocessos (Tillym la 8: Cabeo deaerãodasaloli srtser bustrasalaçõrotestoseAssumesde o ro do alentavos-chago pell amra nosadaoociais e de protestosm>fo-raciânemtemto bmrmia osscseoas tê – reescausada,.Adcesde o rtdemi m oile conc estatdeab aociais, Otaçaenimnoime númerabalh ntxpre Pdesftimaee, heterog,udãodasral ifiauelápits. E,, resperocestoe optos as repress formas v,elo uso dae papor governos liduç(qreoocusugastoinacussframetifusOtaçaecedof calimi a emi mquritar, a medo ou da eo.an>tomo tipod mcín>Occsua sos ambntxpre P. Tal ialhciotaa, pface-a-face.Aroiverocco sem ode xa qasdrlalentavoPdesfrica, rel/spae juesocessõrotestoseAbaraulairos decootaa, pa sos d expresedrferresa fe

3Os MS 51logia dP tido dfrial ifiaunorFacebookdura insles pelas cidadesestrutura sos não surgirame oss mc aollass="foot(Piadasar 1979)Silvéma,dusam ,oomo enf oua sido fdobalhlhsntavoPdesmaniam a dordedsenos=sisa fmédsrfiem op< deportnho ditdnmicloudis duçnha sidssagen vovo fdobalhlhsntavoPdeso-ins, eaeídehamente.-seaeedsrfiem aerepres1e="appl, a (t ">9Foram 52se dos Mgrarao do Weber scedof caliosel. repres1ctoMdicatoslpadoau ã nnmomsusrepres1e="appl, a acritosmaniam a dsala vocio maevedvulghddspnn>t Movimentos 5">Cd(fóades

8A hip5ologia dÉsif aialnshegarscu ftcfóades ngiai recorram gresesaciçasliBCpa, relsido recs,edad sdis delápitsooss,eado dsm do c de ourequformas joo do ecoajunho de 2013 não surgiram n992, o qa mss,ead ramities, cuja pradosoritarnt itcea-queado slndoa fdobao exeiais e de protestose causada, pd3.de mobtdn exio (alurada nonãouimntigangBC paltinomt pa como nso d ;rS, cudmuc eat rnumibuia, rel/spaetnto malolic estatasbs nceeo viam scducação ilidaogeneidC(rúde, em ,ntraste,eletivos em , aneamento b e88))ode xrudaau sljose ">9Foram 5marco da atis.fram têl,snto irtais distinonega recoris de reconhecimentdeabdaogeneidCeeuçãovidaeiras edo aupl mi ervador. -brasileiro naemo dfo-x ser oroeorrentesivei,rvador. ,ll sueha dti, não ,ooduzeleoefunps braumreoocalentavosae diss” dos Mr ssridades dudo recema esfeepaçinhos as pe . ">9Foram 5tituiçãoenáliseajunho de 2013 não surgiram,e rede aró forar, itaou, ftumibuirris de ferrcdrl subabomyngem te nos. -metigaque a aan rel/spaedeve ,emadoos decoooelto deiubsmergros deciscausada, pser bussdo oram cicpq aAea-quourequntna ddieneidCeeuitaç agu upiatiio ino o movlorrena esfee fter óiovidaa sosliahas oa > raconjuntosr fdobalhlhsntavoPdesvolirão3. mudar a rdn exger a prni Assmc, como cula.Aroiveriais e de pa “i dureacAaociais, OtaLe pCo iprsiPundial, vociCop ecoaso con rel fanto por e amcífr.aimos d e crom da ata (algumto cstosscuantinomt pa como oa diano. etivaçps,e direi como o mgnrà conrotesto,pciaçinhosdato mignrà c ãoci . ">9Foram 56ituiçHáoliado cotos slalentavoPauturvocadar,oritarntas (Mo o movl: ndivim>fo-nfes tect na deceduaihpa, relsido recs eoficaros processos ndo medosscu ftica.a ci fruto de eer oroeorrentes .es d ousada, p13 não surgiram arot.

fo-nfes tectseo do medoas ">9Foram 5ese dos mss, formas divenãdo au ussretappl, a id disseasts.a, erpasIesde o reeimb het. Jáooociais e de protestos ecasmlação eareb,des, rvre, Cem rcausada, pser buss,s,edad ssvo de u,medoaBene, heterog dans rcompS, ceneidCeeudcevata ms srtipaçovociCMCrtdemi iuspaçinhosuosh em suas vistensnspelas cidades svedvulghremtnú(Saderiteraquâneaso o do medodticas nuconeroa Oe, Cãoação pepres. Ecarta a relapCMCrnriosfprenit zis um onciaz, alias dpaçn>t ">9Foram 58adas de 19nadeportspelas cidades n-sepse oramto XXIdura insliCop lment4.Arsas sãdevravasis de mvos osS, cicla ecaoa mo osõespções coveeaesalidaogeneidCem ro viam scducaçãoo tem formas divam inexplodiuçaenovo simb het, madoefurrováas d esposaiais e de protesto,ps de mi pr m-s ino oeisibilidmees-sj asgideradom.O a r asuroossm doe e notecall" go-top"(...)Topovocipe g a c tandhref=iaçarmaphy"tes"> mc mon
  • mc mon aranumber">9Biaçarmafiaadas de ">

    Alexander, J. C. (1998), “Ação coletiva, cultura e sociedade civil: Secularização, atualização, inversão, revisão e desdobramento do modelo clássico dos movimentos sociais”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 37, pp. 5-31.

    Alonso, A. (2009), “As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate”, Lua Nova, v. 76, pp. 49-86, São Paulo.

    Idem (2012), “Repertório, segundo Charles Tilly: história de um conceito”, Sociologia & Antropologia, v. 02, ano 03, pp. 21-41.

    Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (2012), Megaeventos e violações de direitos humanos no Brasil, disponível em <http://www.portalpopulardacopa.org.br/index.php?option=com_k2&view=item&id=198:dossi%C3%AA-nacional-de-viola%C3%A7%C3%B5es-de-direitos-humanos>. Consultado em: 24 jul. 2014.

    Benford, R., Snow, D. (2000), “Framing processes and social movements: an overview and assessment”. Annual Reviews of Sociology, n. 26, pp. 611-639.

    Bringel, B. (2011), “A busca de uma nova agenda de pesquisa sobre os movimentos sociais e o confronto político: diálogos com Sidney Tarrow”, Política e Sociedade, vol.10. n. 18, pp. 51-73.

    Ídem (2013), “Miopias, sentidos e tendências do levante brasileiro de 2013”, Insightinteligencia, n. 62, ano XVI, 2. Trimestre, disponível em: <http://www.insightinteligencia.com.br/62/PDFs/pdf3.pdf>, consultado em: 15 jul. 2014.

    Burke, P. (2002), História e teoria social, Unesp, São Paulo.

    Campos, M. P. (2014),Quando os assentados chegaram, Fortaleza, Edições Inesp.

    Cardoso, A. (2013), “As jornadas de junho e amercantilização da vida coletiva”, Insight Inteligência.n. 62, 2º trimestre, pp. 23-30, disponível em: <http://www.insightinteligencia.com.br/62/PDFs/pdf1.pdf>, consultado em:15 jul. 2014.

    Castells, M. (2013), Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da Internet, Zahar, Rio de Janeiro.

    Ídem (2011), A questão urbana, Paz e Terra, São Paulo.

    Cefaï, D. (2009), “Como nos mobilizamos? A contribuição de uma abordagem pragmatista para a sociologia da ação coletiva”, Dilemas, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 4, pp. 11-48.

    Chauí, M. (2013), “As manifestações de junho de 2013 na cidade de São Paulo”, Mídiafazmal: Análise crítica da mídia, disponível em: <http://midiafazmal.wordpress.com/2013/06/27/marilena-chaui-sobre-manifestacoes-2013-2/>, consultado em: 29 jun. 2013.

    Fantástico (2013), Pesquisa de opinião pública sobre os manifestantes. s.l., 25 jun. Disponível em: <especial.g1.globo.com/fantastico/pesquisa-de-opiniao-publica-sobre-os-manifestantes/>. consultado em 29 jun. 2013.

    Goffman, Erwin. (1974) Frame analysis. Nova York, Harper.

    Gohn, Maria da Glória. (2011), Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos, São Paulo, Loyola.

    Gondim, L. (1991), “Os movimentos sociais urbanos: organização e democracia interna”,Sociedade e Estado, Brasília,vol. 6, n. 2, pp. 129-149.

    Knijnik, E., Lima, L. & Ortellado, P. (2013). A derrubada do aumento: uma narrativa política. In ... & Pomar, M.Vinte centavos: a luta contra o aumento. Veneta, São Paulo, pp. 22-221.

    Lavalle, A., Castello,G.& Bichir, R. (2004),“Quando novos atores saem de cena. Continuidades e mudanças na centralidade dos movimentos sociais”,Política & Sociedade, n. 5, pp. 37-55.

    Maricato, E. (2013), “É a questão urbana, estúpido” In Vainer, C. et. al.Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil,Boitempo Editorial, disponível em: <http://ujceara.files.wordpress.com/2014/01/cidadesrebeldes-passelivreeasmanifestac3a7c3b5esquetomaramasruasdobrasil.pdf>, Consultado em: 20 julho 3014.

    Michels, R. “Oligarchy” (1984), In: Fisher, F. & Siriani, C. (Orgs.), Organization and Bureaucracy, Filadelfia, Temple University Press.

    Melucci, A. (1989),“Um objetivo para os movimentos sociais?”, In Lua Nova, n. 17, p.49-66, São Paulo,disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0102-64451989000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>, consultado em: 31 jul. 2013.

    Moisés, J. Á; Martinez-Allier, V. (1978), “A revolta dos suburbanos ou “Patrão, o trem atrasou”. In: ... et al. (Orgs.). Contradições urbanas e movimentos sociais, Rio de janeiro, Paz e Terra, p. 13-63

    Movimento Passe Livre (2013), In Vainer, C. et. al.Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil,Boitempo Editorial, disponível em: <http://ujceara.files.wordpress.com/2014/01/cidadesrebeldes-passelivreeasmanifestac3a7c3b5esquetomaramasruasdobrasil.pdf>, consultado em: 20 julho 3014.

    Idem (2007), Carta de Princípios do Movimento Passe Livre, disponível em: <www.mpl.org.br/?q=node/2>, consultado em: 20 jul. 2014.

    Nobre, M. (2013),Choque de democracia: razões da revolta, Companhia das Letras, São Paulo.

    Pereira, R. H. M.& Schwanen, T. (2014),Tempo de deslocamento casa-trabalho no Brasil (1992-2009): diferenças entre regiões metropolitanas, níveis de renda e sexo, IPEA, Brasília.

    Pessoa, I.(2014), Democracia urbana: a gênese metropolitana dos protestos de 2013 no Brasil. Trabalho apresentado no 2014 Congress of the Latin American Studies Association, Chicago, IL May 21 - 24. Disponível em:

    . Consultado em: 27 jun. 2014.

    Pimentel, T. &Silveira, S. (2013), “Cartografia de espaços híbridos: as manifestações de junho de 2013”,#Interagentas– Comunicação digital e Ações em Rede, 11 jul., disponível em: <http://interagentes.net/?p=62>, consultado em: 30 jun. 2014.

    Piven, F. & Cloward, R. (1979), Poor people’s movements: why they succeed, how they fail, Vintage Books, New York.

    Rodrigues, J. M. (2012), Metrópoles em números: crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011, Observatório das Metrópoles, Rio de Janeiro.

    Rolnik, R. (2013),Apresentação – “As vozes das ruas: as revoltas de junho e suas interpretações”, Vainer, C. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil,Boitempo Editorial, disponível em: <http://ujceara.files.wordpress.com/2014/01/cidadesrebeldes-passelivreeasmanifestac3a7c3b5esquetomaramasruasdobrasil.pdf>, consultado em: 20 julho 3014.

    Romao, W. (2013), As manifestações de junho e os desafios à participação institucional. Boletim de Análise Político-Institucional, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Rio de Janeiro, v. 4, p. 11-17.

    Sader, E. (1988),Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo. Paz e Terra, Rio de Janeiro.

    Santos, C. N. F. (1981),Movimentos urbanos no Rio de Janeiro, Zahar, Rio de Janeiro.

    Santos, F. (2013),“Primavera brasileira ou outono democrático?”, enInsight Inteligência.n. 62, 2º trimestre, pp. 33-38, disponível em: <http://www.insightinteligencia.com.br/62/PDFs/pdf3.pdf>, consultado em: 15 jul. 2014.

    Santos Jr., O. & Montandon, D. (2011),Os Planos Diretores Municipais Pós-Estatuto das Cidades: balanço eperspectivas, Letra Capital, Rio de Janeiro.

    Schwarz, R. (2013), “Sobre Cidades rebeldes”, In Vainer, C. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e asmanifestações que tomaram as ruas do Brasil, disponível em: <http://ujceara.files.wordpress.com/2014/01/cidadesrebeldes-passelivreeasmanifestac3a7c3b5esquetomaramasruasdobrasil.pdf>, consultado em: 20 jul. 2014.

    Soares, L. E. (2013), A classe média descobriu a brutalidade policial, que os pobres e negros nunca ignoraram. Polícia tornou-se um dos temas chave nas ruas, disponível em: <http://www.geledes.org.br/areas-de-atuacao/questao-racial/violencia-racial/19596-a-classe-media-descobriu-a-brutalidade-policial-que-os-pobres-e-negros-nunca-ignoraram.>consultado em 30 jul. 2014.

    Tilly, C. (2008),Contentious performances. Cambridge University Press, New York.

    Idem (1995), Identities, boundaries & social ties. Paradigm Publishers, Boulder.

    Touraine, A. (1989),Palavra e sangue: política e sociedade na América Latina, Unicamp, Campinas.

    Vitagliano, L. F. (2013),“Jornadas de junho: três enganos e uma hipótese”,Outras Palavras, 24 out. 2013, disponível em: http://outraspalavras.net/brasil/jornadas-de-junho-tres-enganos-e-uma-hipotese/ consultado em 29 jun. 2014.

    Weber, M. (1991), “A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais”, In: Cohn, G. (Org.). Weber, p. 79-141, Ática, São Paulo.

    Wilson, S. M. & Peterson, L. C. (2002),“The anthropology of online communities”, Annual Review of Anthropology, v. 31, pp. 449-467.

    Zibechi, R. (2013), “Debajo y detrás de las grandes movilizaciones”, Observatório Social da América Latina (OSAL), Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO), vol. 19, n. 34, pp. 16-35, Buenos Aires.

    Topo da página

    Notas

    1 As ideias que deram origem a este trabalho foram discutidas no evento Reflexões e debates sobre o Brasil em movimento, promovido pelo Departamento de Ciências Sociais da UFC em julho de 2013. A pesquisa incluiu contatos com participantes das manifestações e, principalmente, levantamento de notícias publicadas na mídia e levantamento bibliográfico.

    2 Chama-se ABC à região limítrofe à cidade de São Paulo, formada pelos municípios de Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano,onde se concentra a indústria metalúrgica.

    3 Alusão à sigla do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), caracterizado por clientelismo e governismo oportunista.

    4 Esse quadro de hegemonia do PT modificou-se no segundo mandato de Dilma Rousseff, iniciado em janeiro de 2015. Ela derrotou o candidato do PSDB, Aécio Neves, por estreita margem de votos, e defrontou-se com denúncias de favorecimento de empresários em contratos com a estatal Empresa de Petróleo S/A (Petrobrás), em troca de pagamentos a políticos do PT e de outros partidos aliados. Ainda que não tenha sido pessoalmente acusada, a popularidade da presidente despencou para percentuais inferiores a 10% de aprovação.

    5 Os protestos no Brasil têm especificidades em relação aos seus congêneres em outros países. Não há espaço, aqui, para uma comparação aprofundada entre eles, mas cabe mencionar que o Brasil não apresenta altos índices de desemprego nem foi afetado pela crise de 2008 com a mesma intensidade que os Estados Unidos e países da Europa. Nestes, lutava-se para não perder direitos já conquistados; no Brasil, lutava-se para conseguir ou efetivar direitos (Bringel, 2013).

    6 Tilly (1995, apud Alonso, 2012)distingue dois tipos de grandes repertórios de ação coletiva no Ocidente, a partir de extensa pesquisa em jornais britânicos, cobrindo o período de1758-1820 e 1828-1835: o primeiro incluiria ações diretas violentas (invasões de terras, distúrbios de cerimônias públicas,food–riots), contra questões de expressão local (contra a elevação do preço dos alinentos, resistência à cobrança de impostos e aoalistamento militar, por exemplo). A partir do século XIX, o fortalecimento dos Estados nacionais e a formação da sociedade urbano-industrial dão lugar a um novo repertório, de âmbito supra-local, contemplando a luta pelos direitos de minorias religiosas, contra a escravidão e por reofrmas parlamentares. As formas de ação são menos violentas e mais difundidas: formação de associações e sindicatos, passeatas, greves, comícios.

    Topo da página

    Para citar este artigo

    Referência eletrónica

    Linda M. P. Gondim, « Movimentos sociais contemporâneos no Brasil: a face invisível das Jornadas de Junho de 2013 », Polis [Online], 44 | 2016, posto online no dia 15 Setembro 2016, consultado o 17 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/polis/11944

    Topo da página

    Autor

    Linda M. P. Gondim

    Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil. Email: lindagondim@uol.com.br

    Topo da página

    Direitos de autor

    © Polis

    Topo da página
    • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
    • OpenEdition Journals