Navegação – Mapa do site
Graduação em Campo

As produções audiovisuais de jovens da periferia e a auto-representação (2008)

Flávia Fernandes Belletati

Resumo

Nesse artigo, discuto a necessidade de grupos independentes de jovens das periferias paulistanas de diferenciar-se quanto à produção de materiais fílmicos, com relação às produções da “Grande Mídia”. A partir de um discurso que intui o distanciamento dos moldes dominantes de representação, esses grupos acabam por reforçar uma relação “eles/nós”, inclusive com os antropólogos que os pesquisam, que seriam provenientes do “centro” – conceito aqui entendido como as camadas sociais com disponibilidade financeira e acesso a uma cultura acadêmica e elitista.Para abordar o tema, acompanhei o coletivo Núcleo de Comunicação Alternativa (NCA), salientando o formato da apresentação e representação deste grupo de si próprio e de sua comunidade, assim como seu discurso, a sua articulação com outros grupos da periferia e a relação entre seus integrantes e os antropólogos envolvidos nesta pesquisa.

Topo da página

Texto integral

1Recentemente, como constatado por Hikiji (2008), alguns jovens da periferia de São Paulo têm se organizado nas periferias metropolitanas para produzir arte e estabelecer comunicação com os diversos segmentos da sociedade. Estes jovens reúnem-se em coletivos que utilizam diversas linguagens e formas de expressão, como a música, o teatro, o audiovisual, entre outros. O coletivo independente Núcleo de Comunicação Alternativa (NCA) é um desses grupos formados por jovens moradores da periferia, que decidiu produzir materiais audiovisuais e realizar projeções fílmicas em locais públicos, com o objetivo de aproximar as pessoas de suas comunidades à linguagem cinematográfica, além de garantir a circulação de suas próprias produções nos espaços em que isso faz mais sentido:

  • 1 Daniel Fagundes, membro do NCA, em entrevista concedida a Rose Satiko G. Hikiji, na Videoteca Popul (...)

Nossa idéia era essa, exibir para quem era foco, pra quem se reconhece vendo aquela produção. Não que isso seja um empecilho de exibir em diversos outros espaços, no centro, porque eu não tenho nada de regionalista. Eu quero mais que a produção escoe mesmo e que as pessoas conheçam o que a gente está fazendo1.

2Proponho-me pensar os filmes do coletivo NCA como meios de veicular auto-representações, não somente de si mesmos, como também da comunidade com a qual