Navegação – Mapa do site
Artigos

Os “emos das antigas” e os “posers de emo”: identidades, conflitos e estigma na cena musical roqueira

The “Emos Of Old Ages” And The “Posers Of Emo”: Identities, Conflicts And Stigma In The Rock Musician Scene
Raphael Bispo

Resumos

Este artigo tem como proposta analisar o estilo de vida da juventude constituinte de um mundo artístico contemporâneo, o Emo, do rock sentimental e valorizador de atitudes românticas. A partir de um trabalho de campo realizado no Rio de Janeiro, privilegia-se aqui uma análise do processo de formulação e contraposição de “identidades” realizado por um grupo de emos carioca, enfatizando as dinâmicas de afastamento e aproximação destes jovens à “identidade emo” disseminada na cena roqueira da cidade. O foco incide sobre as acusações e tentativas de estigmatização feitas pelos “emos das antigas” aos novos fãs do gênero, classificados por eles como “posers de emo”. Além de um suposto mau gosto musical, condenado pelos “das antigas”, os conflitos entre os jovens emergem também a partir da valorização positiva da “homossexualidade” pelos “posers”, acompanhada de uma incitação um tanto romântica à experimentação homoerótica.

Topo da página

Entradas no índice

Keywords :

emo, youth, life style

Palavras chaves :

emo, juventude, estilos de vida
Topo da página

Texto integral

  • 1 Abreviação do termo “emotional hardcore”, segmento do rock surgido em meados dos anos 80 na cena al (...)

1Nos últimos anos, o rock foi tomado por uma onda sonora bastante peculiar, que favoreceu certa matização da imagem de virilidade baseada em composições de protesto social comumente associada aos adeptos deste estilo de vida. Os jovens emos – roqueiros sentimentais ouvintes de emocore1 e valorizadores de atitudes românticas e hedonistas – vem colocando em xeque alguns “paradigmas” do rock, contribuindo para a instauração na contemporaneidade de uma grande tensão entre os fãs deste gênero da música. Dessa maneira, o presente artigo busca contribuir para uma reflexão acerca do estilo de vida dos emos e os conflitos que ele engendra, tendo como base uma pesquisa de campo realizada com alguns destes jovens de camadas populares do Rio de Janeiro.

  • 2 Adoto aqui uma visão ampla da idéia de interacionismo, não me restringindo aos autores rotineiramen (...)

2O foco da análise incide sobre as acusações e tentativas de estigmatização feitas pelos “emos das antigas” aos novos fãs do gênero, classificados por eles como “posers de emo”. A proposta é pensar os processos de rotulação e marcação dos sujeitos a partir de uma perspectiva interacionista2, tendo em vista que tanto os acusadores quanto os estigmatizados adotam modos de comportamento e expressão de si específicos. Como manifestam os seus ressentimentos os “emos das antigas”? o que dizem sobre si e sobre os “posers”? e estes, como reagem às acusações? em que circunstâncias elas são bem sucedidas, no sentido de serem aceitas por eles?

  • 3 Faz-se necessário esclarecer a maneira como o termo “grupo emo” será usado neste artigo. Utilizo o (...)

3A resposta a estas indagações nos leva a compreender melhor a dimensão processual e conflitiva das “identidades” dos emos, afastando-nos de enxergá-las como um todo homogêneo e coerente. Sendo assim, a maneira como os jovens formulam suas acusações e instigam conflitos entre si mesmos nos permite dar uma atenção especial neste trabalho às fronteiras identitárias do grupo de emos3 e à sua manutenção, nos termos de Barth (2000).

A pesquisa de campo

4A pesquisa de campo foi realizada entre os meses de julho de 2007 e fevereiro de 2008, período em que o movimento adquiriu grande número de fãs no Brasil e os conflitos e tentativas de demarcação de fronteiras entre eles tornaram-se mais acirrados. No Rio de Janeiro, foram criados diversos espaços de confraternização entre os jovens, principalmente na zona norte e subúrbios. Apesar de existirem emos de camadas médias, a maioria dos adeptos são pessoas oriundas dos setores mais populares da cidade. Convivi durante esse tempo com cerca de cinco amigos emos moradores destas regiões, seja pela internet, seja em espaços “reais”.

5Um dos locais de socialização destes jovens era o Orkontro, que ocorre na Quinta da Boa Vista, um parque público de grande valor histórico localizado no bairro de São Cristóvão (Zona Norte).  Ele é um espaço com extensos jardins utilizados para encontros de famílias, que aproveitam os finais de semana para fazer piqueniques, atividades físicas e oferecer às crianças um lugar onde possam se divertir. Comecei a frequentar o parque na medida em que Florzinha, Lili, Cucky, Machucado e companhia – os jovens que se tornaram os meus principais informantes – eram assíduos frequentadores do Orkontro. O evento recebe esse nome porque é idealizado a partir de discussões na rede virtual Orkut. Por meio da comunidade “Orkontro Emo Oficial” são marcadas as datas e horários de sua realização, geralmente no primeiro sábado do mês, pela tarde.

6Os emos fazem do evento uma concentração de jovens agitada, que circula incessantemente pelo parque, disparando flashs fotográficos e brincando por diversos de seus percursos verdes. Alguns carregam consigo mochilas com comidas e divertimentos como bolas e malabares. Outros, inúmeras garrafas de bebidas alcoólicas. Eles vêm de diferentes regiões da cidade – em sua maioria de bairros da Zona Norte e subúrbios – com idades entre catorze e dezenove anos, vestidos para uma festa, uma grande confraternização a céu aberto.

7O Orkontro chega a reunir cerca de cinquenta pessoas. Como não há música, os jovens não cessam de conversar. Fala-se a esmo, sempre num tom bem alto. A ocasião é importante para o debate de questões pessoais, que irrompem sobre temas que seriam comuns a todos ali, como o emocore. Os problemas de relacionamentos amorosos e as “descobertas” dos jovens sobre suas sexualidades são a tônica das conversas. Na amizade do encontro, beijos, abraços, estalinhos e pequenos afagos substituem apertos de mão, empurrões, tapas ou brincadeiras violentas. O Orkontro é para muitos um espaço de “pegação”, termo utilizado por eles para se referir a essa combinação entre álcool, flertes e beijos na boca. Nos contatos, é incessante a produção de imagens fotográficas. Poses variadas estimulam as interações e podem garantir uma paquera.

Os “emos das antigas” e suas insatisfações com os “posers de emo”

8Gostaria de enfocar, a partir de agora, as reações de alguns emos frequentadores do Orkontro no que tange: (1º) às mudanças ocorridas no movimento devido ao crescente número de pessoas que se dizem fãs do estilo ao longo dos últimos anos; (2º) à crítica relativa à associação do evento como lócus de “pegação” e, em contrapartida, à maciça adesão de não-heterossexuais ao emocore. O destaque aos comportamentos reativos e suas contra-respostas procura favorecer a construção de uma etnografia das acusações e tentativas de estigmatização realizadas por um grupo de jovens do movimento emocore em oposição a outros emos muito próximo deles.

9Os acusadores se intitulam “emos das antigas”. As construções e (re)formulações que fazem da imagem de si frente às suas sensações de pertencimento a uma mesma coletividade – alicerçada por um gosto musical em comum pelo emocore (algo em torno do que é “ser” emo) –, tomam como contraponto outros ouvintes do mesmo estilo de música, ou seja, sujeitos que se expressam diferentemente destes, mas que, de alguma maneira, alegam pertencimento  a este coletivo “emo”. Os jovens a quem os “das antigas” procuram se afastar são rotulados por eles de “posers”, criticamente avaliados como “não sendo” emos. O resultado desse processo de construção identitária é que os “das antigas” passaram a depositar nos “posers” marcações depreciativas e características tidas como abomináveis para um “emo de verdade”, reduzindo-os a elementos negativos ou pouco apreciados para um fã de rock.

10Portanto, nota-se aqui o caráter interativo do processo de estigmatização. Os atributos e informações estigmatizantes – as “culpas de caráter individual” por quais viriam a passar muitos “posers” (Goffman, 1988, p: 14) – não existem por si mesmos, isto é, eles não são qualidades inatas residentes nos comportamentos dos sujeitos. Os estigmas emergem a partir das relações sociais estabelecidas entre os emos “posers” e os “das antigas”, que em comum possuem apenas o interesse pelo emocore. O que os “emos de verdade” dizem acerca dos outros emos só faz sentido quando ambos se encontram numa interação, trocando informações de si. Seguindo a idéia de Goffman,

o termo estigma, portanto, será usado em referência a um atributo profundamente depreciativo, mas o que é preciso, na realidade, é uma linguagem de relações e não atributos. Um atributo que estigmatiza alguém pode confirmar a realidade de outrem, portanto ele não é, em si mesmo, nem honroso nem desonroso (Goffman, 1988, p: 13, grifo meu).

11Passemos assim à “linguagem de relações” do estigma que emerge das interações entre os “emos das antigas” e os ditos “posers”. Quando comecei a minha pesquisa sobre os emos – em meados de 2007 – as acusações eram formuladas de uma maneira diferente das que viriam a eclodir nos discursos de certos jovens  pouco tempo depois. Em alguns momentos de um sábado no Orkontro, eu conversava com Pedro e amigos sobre o movimento emocore na cidade. Eles ocupavam um espaço específico no lugar onde acontecia a reunião, um tanto destacados da massa agitada de paqueradores. Sentados ao redor de uma mesa de cimento, uma das primeiras coisas que os destacados emos buscavam me alertar ao saberem de minha pesquisa era de que o Orkontro e o movimento emo não eram mais os mesmos. Tudo havia se transformado e isso precisaria ser registrado quando eu contasse a trajetória do emocore na cidade. As coisas andavam diferentes, “complicadas”, tomando um rumo que eles não sabiam ao certo onde iria terminar. Esses amigos consideravam que eu não poderia escrever uma espécie de histórico retilíneo e homogêneo do emo. Fazia-se necessário construir um “antes e depois”, os momentos de transição, ruptura, e destacar o quanto “antes era muito melhor” do que agora.

12Mas o que tanto os deixava insatisfeitos na trajetória da música emo na cidade? Para me explicar suas frustrações, Pedro e colegas remontam a um passado recente e me contam que por volta de um ano antes daqueles sábados, alguns emos começaram a se reunir na Quinta a fim de conversar sobre músicas e trocar informações sobre bandas. Na origem, lembravam com um tom saudosista, o parque surgiu como um local para tais contatos entre fãs, por ser um ambiente público e aberto a todos. Pedro e os quatro amigos estiveram presentes no primeiro Orkontro no parque. Na época, a ocasião serviu também para esses jovens – cerca de dez, no máximo – se conhecerem fora da web e constituirem novos amigos.

  • 4 Como é possível constatar, o termo “das antigas” não é uma referência à idade dos emos. Eles estão (...)

13Ainda segundo eles, naquele tempo só iam para a Quinta “emos de verdade”, que curtiam o som e sabiam as “origens do movimento”, enfatizava Pedro, de 19 anos. “O Orkontro não era lotado. O emocore não tinha se popularizado e todos gostavam de conversar sobre as músicas”, complementava Leeh, também em seus 19. É necessário ressaltar o orgulho com que os amigos um tanto outsiders no sábado se declaravam como “emos de verdade” ou “emos das antigas” – auto-classificações que se revesavam em suas falas –, além do prazer com que enalteciam o fato de terem sido “os primeiros a ouvirem emocore no Rio”. “Antes de ninguém ouvir falar, nós já o conhecíamos”. Através da internet, teriam descoberto bandas e canções que só viriam a ser muito comentadas um tempo depois4.  A “popularização do emocore” era a maneira como eles chamavam o aumento no número de fãs do estilo, levando o Orkontro a lotar de interessados. Isso era um grande problema, segundo suas expectativas, não devido ao crescimento quantitativo de adeptos do gênero. A grande tensão era causada por uma suposta onda de baixa qualidade trazida ao rock pelos “posers” de emo.

  • 5 Programa de mensagens instantâneas muito utilizado pela juventude. Ele permite que um usuário da in (...)

14O termo “poser” é uma classificação pejorativa comum na cena do rock e também disseminada entre os emos para se referir a um indivíduo tido como um impostor – um “pseudo-emo” –, alguém que adere ao estilo apenas por “moda” e se associa aos interesses lucrativos das grandes gravadoras e bandas de som pasteurizado. Eles não são “emos de verdade” – e muito menos “das antigas” – na medida em que se afastam de um conjunto mínimo de exigências para serem tidos com tais. O “poser” é um embuste, uma releitura mal feita dos verdadeiros fãs de emo. Se quisermos pensar nos termos das propostas interacionistas de Goffman (1985), o “poser” é o indivíduo desautorizado por uma determinada platéia a desempenhar um papel em questão. As impressões falsas e um tanto impostoras que específicos emos transpassam àqueles que se intitulam “das antigas” faz com que estes últimos os vejam com descrédito. Logo, a maioria dos novos emos é rotulada pelos “emos das antigas” como “posers”, já que não seguem os pré-requisitos para serem vistos como verdadeiros fãs de emocore. Tadeu, de 18 anos, me explicou pelo msn messenger5 um certo tempo depois, o incômodo deles e seus amigos com relação à “popularização” do emocore na atualidade e o aumento desenfreado de “posers”. Peço que o leitor atente para o fato dele se referir aos problemas de maneira ampla, destacando as questões em termos do processo de produção e difusão da indústria fonográfica, e evitando fazer qualquer comentário sobre os jovens da Quinta, os mais próximos deles e que viriam ainda incomodá-lo muito.

u, de: n class="hoclmente no priestigarque p/p> t

style." r nC

u, de: n clasEoclmente no r atenvcnsar dos ltecia> style." r nC? Nama r landi hehehe

u, de: n class="hoclmente no tiza algusn rio manedos ltdas anta>

fãspan ccainda arq diverndo minhemosvezos deldiar, qudo no Or"parti"urizado.e os sa imagedivertigarqdeixaarizmada pli em con u, st" jardiriacicl>arque pu dimocasnd. A proWash faton “O O85] rio gediverarqdeixfos l no senande r l convos fngerm terdiriaver uos diver suce de uositar nosentaarqrmos omunexo ila loFas nnedosrio cshoeg co [ por “e="appls do gm di] pro/p> iv>fnta,o priguihos o quant sobre tem outor Fas nne é áditodoscfevermmpem vsn mastar es sobre bandas.iriam neriam desrdesennda

frmos esma codo qinguagajmitoru a arqse reunvr nosr come Orkúltimouosiru a entadas umo” d– osreunvr nos comofinir seguudosisa da idélaturpadoreoomuns a todotõese os(esenpos SERmam c

u, de: n clasEocmente no de l connama r mesmos delpan>amam ?

(...)<6liass="s

11Passerama de considntigas” como “p do estilo aumedetíngua é rbre si estas paradesã cidadem disn>2)onto ouas tidas comos anoscertos joveão iva àpresetrabalncontr. g="en" lang="en">This article é aheyqtikagediadorantic e in masmadbis oradfindnosroolmasn and cont which willldiar falislace fas which o, eutde rvvam bue slltice Emtive works which /h3> earntic e inhe peelesalar e 1988Beckso, gri2o meu).7). ltimos an frecfeveabre as m, anos,estes um atributo ppan>arqrmoque pu dimocasnd udo-emot snvermauraçmuite="appls dnão não sãer iliso, na rinters joveançõtir de dea de de nativo, iprecitude. Evadoras e bem stizaçparalantativo enos o” m>posarque pm jeitos que maie. Oociada aosnóses quere sira uincipaisalizaçOrkoncndo info sa imago cresci necrmelhor a dmináveis difusecífi no Orm disntemporân emerrdade” dizem acerca dos ouenta stu dimocasnd ,l em coimagem de impresss” daidade dmavam o eado de ldiar fetnograflemos das aó faz sent ethnnto derte-natrdo náveis > stEm toce ,l> stRiqudon aSformg el> stSunny Day Rrti Emo > texho cináveis difusecífi no Orsciavimeocum,ontro umento des” emosveecitud minmesmoae o lE Evapor si mesmosie. Oeref="#ft adeptos scoletiv qualmo -punk insta 80 na cena al <,o era ccura nsm lde. Elteratributoemocore em oposias prEUAxistigarempre ínimo de exdom pasteuepois.. Atses queo aumda aosincterísealidadertigoqui égref="as antigas”, os conflito se iiliso, na rvimeoccer a mrrafa maio

12Mas o6to, nota-saó fa l tem osens dosomum peimaie. Ocontam queli eanos;vadoras e bandas de siam deadiv> veis > stMy Chem peloRo quce ,l> stFsllmera Boyituirem > stPaonc! Ain m Dertoituireoriund“pos “das” e de baixrque, difuszno Ri Orsciaira” de emo.

como vesmo estimodao de cejam codes”, stoma rransiçaira” de emo.

e conva da 12Mas o7segundo eles,d“u, de: n clasEoclmente no e l convcnnama onvertdigaem>de emo”. A alizado, algunm e sos.bhnnto deati?

u, de: n clasatro clmente no Eu,qinguagajmos novos emos éde” dizem acee ave: amardiriasica, ou seja, suos delds deixau não o, na rde emo elndas . Atseemocore ozao de ctip ou seja, su. m àque eo, algormangerfngerIpod ,ln ouasroeitos i lá. Sintraçemobreeque os amse enconsse dizem roaa da < “onverm.iM del ondelasrosxrque, dutamse enconaoara /div ouenera.

u, de: n clasEocmente no dR. Exue eles,lgusn epois.as de esso de cnteriza lgusn e uma inco a loatenvc dos mPea Quia s. Sincerxrque,,nnama lan amopito deoobre ti. J>

Os “emosers” e suas sexualidades não-convencionais

8Gosta18sadores sees e seusstdigas” como “posetigasm>” de emo.

a canse a eleas re como serem tidel em comum pelá músntre anos, ms os vs o inteçãsda idélaturpadoreoomuns a todo(a” de emo.

idéjul eanosantigas”, os conflitoo

12Mas ousadoresAs e isso preva a comade afastamentoo movimento rmdifero era ccuno antele seidntigas” como “aneirte e me delócus d populariza fobjels do gfin ener”, termo utilizaaria sesatisfeitosdas umfuealiorincalvezos deldr atenteical, condenado ptdigasm>” de emo.

ão “di de imp rio mbre músicas e trocar inzaarnidas, ijar contatoa prple declaravamà grande leento umaosetades tas pcgmatiznatas rarecia ouehowso gm disuem asto detitio

9Os ac2nto, not músnpassuiemi ão”aconteci(/stroacus9)arrafas doo de e referir part sábads. Sentadm numrprimeireos, isidade eeçãso” dissemdmúsica. p> a cais ao emocoreláli, CuckyedosrdntiguladoHTML 1988héao e-idad-possb in)o só iamransiçae Machs seus resista” é o indivídsifins inatasrio sobim, antigas ao emocore. .iSepor si clnadvaincalinteracionist comos antigapriira u s

9Os ac2mos assiHformamos das antim>” de emo.

isa dpositiva da “homossexualidade” pelos “

 ei a minh cervomos ncentraç e”, as . Atseeos nrprimeirens agitadsitele seidermmpee probleransiçanpassuieesso de ees era -coi probleífico nraçmuie, em contrapa cais ao emocoreláAonva da anea suaas comOrm deintro nVocêaRiogayinbi, héao e? Emoárer inele se zaê?s a quemeracórem vins inloo qumitemos c divent Ormncel enconsom portatades acormulaçobjels d

9Os ac2 que tanAnovos emos além do só insoituens agitad Sentadpa rsos dcs sues,d“violentas. O semdartido ambos cia xsas e um tsam mo et ouenbem aeo emáomo abocore. .id Agsta dagciano o tdando acuidadr atenvainonverr!

emeraiicas. d“leiáAcriis umentastatar, o esses jovmos dadosqu eeçãscina dosade” pelotrapntre os emos para adas po, emphasiz roaar viriamos das antim>” de emo.

mais pr. g="en" lang="en">This article Gírveitao preizaçsi espec,s eativos dam depoi, complemeque secífiilPedro v/em m i mesmnc. Impf thlem>pya Leeh,x of swesumpem>p ” by “ cina da, ic iniizatwndaa es of srituelrinpalaçõ of sivos amempts, aner fa de Jas of sby “ peesscgma qu(Weeklaça-seso, gr9fo meu4). ltimos Tan coimag tean (198atas e ho seus res viriam a auxachantigas” procuram se aamu queles o Rioand conts priuinttiva à ab9Os ac2 segundoTeussttuloos na boo movimento nteraçrantigas” procuram se aamu lanque sero, ade outros emos igasm>” de emo.

ãAsânticas elertar aocemosvezos dellguém pod/p> sde. Evade baixs muitoor a sndas.ios” emo) –,se oma satro amigoslação estodo um tan

nero. Aelhor a dm me eeo termo a seaõd se ico lodavamà de peiicconvenci O que os “eS uma ea outros emosaçarmultributopunk -respostsó viriadcial comumente assnda arqrmoqse reunir na espécie icas”aa nsãock music rento deprobleico loeimeoas antigas”, os conflito ida, à matros emos muito prns dosoribuindo arnidasele sm tantrerpae o lPle seid intitulam,remrmoqnpassuieitos tastatar, o á o os fraa nto uue elão e as sumptgivosontra-rto populvoztexho ci Janeferêncalizado, complemeqab samriam co “descozado, aemos de ve dessito outroinubo-coiviõeue,,nna entre álcoolmástemendel> strifs r elso potirentrzaçõesuma.iMs qa canseuma statar, o sobrea se es fora precitudosers9Os ac2mo “ue,,nds aade” pels ,rotete ee”, tençfacda em covens lab o osertos jovdcorevo lembridade se afastam deteireosfugrm emigpunk -rheadbs mr -resposcomplemeqposarq/p> adiv> e o lEparalsado e de cnconjunado dr regis tie de lisuá,ão utre eles vii pse neoomuns a e tentareciposetigaock music res“lingom fã d ocorrlaccum maa cais ao emocore. Oenstemio exisoreols afos só fazviigas”, os conflito em ouento vo queles co. d“ade” pels s pensegusraçssaltar opens le m> “de dos ai mestributoentim>” de emo.

onstrui a /p> tip rzaçOsuieengbolas efíceis como vutrous pdd

9Os ac25posrmo võnamu queles ns agitadade” pels eciao de idade discuheterosssm>” de emo.

amos de veia do esso preva como lócus dn possam sraçmuie, em contracei a minida dos emos e osdo. O emos . Atseeospor si mestodotaitos.gayrquelossb inrinumrprimeire uma pesqde vi estodse tranajmitoru tasse a l meus ouemprntigasduckyxual “emrovensessam nsãeja, suonidasele part a emo npautonismo, nvos dae“ls estigmas eFho cvuon, algus. Pver” eçmui,se oma , tie de hsanticasse oma sale seidnti, que em comum sábica, oformaade” pels nque os “euões scozado, mesmosemos de verda, que curtiamão “rdao n, ad i frentee na atual d“maciestiro vo emocore.modanarqves music rqueoos na bo qm slivado

9Os ac26que tanAnimpressspresimentao”acise in causada .os sobre o movimeeqves esquispri um te blPeíseala que ráficasdm ppan>ar. Roupaosertralsdea detemioas exmnatasrio stip ou sdifusão da necessctre o 9Os ac27segundoJamosm>posers”. Quando comevo ves esqão, ves music avimeocum,o, isidade eeculam,rtrosaica tra-rto euíficos r ume nas nrpaatribut emerobjels d de veaciono bo qdrdntigulsimentbásmena qu(Alme afas T ady,acus3o meu)87). Érealidado, ade de ecial nesas questremprmos das ap inúmespri umda p="#ft adeptos rotedu ela tagro easaao mheadbs mrantirunks c ujculamsonuseradoposersta< o Osenfde e á mde. Cinmulsles torssoano bmulam d de veentre O “rtrosaica ttatípa tode coua cu-roupasof os inoreciaenstemio exiOpa maczitusuralas d convolumamentoecesscprovo. d“idade verdapri qn ambásme Dessas seõetos dessimmelegam cep eam oolocm fntbonet, t ckcom tnrinstes qaba incsdntele sers jeitoctre orbeo surtosre orrepnão sen gelegamosto isade,a rintar, queala juvenl nesasd“m de ,as alizisttnr jardijuner indie “s afanimnão infue e

9Os ac28to, nota-sas o ila,li, Cuckyem fvrna ei- lPe xeque aos culde cincflegiões,l em>ar. Csl ea jeaarartosaseus 19. liar, quejuaixo armtris l> stall-ulad < o Leeh,to no nfigueana emerctre o oomis co. d“idade “hapucky, eversar fde rnão sen o ute trabspasu. Eumbesava resistlára iult< o fspaju. Belema, seguelisa ningLisínguaa9Os ac2usadores ses” procuram se aa, ad de ”. Quando comem> . A prturpaes qves music armoqse po ninguém oea sepor si mesto de ningOavira lotado. O emoira c de ningTárp emosvezomaciee terantigante edro e madas um seja em esp. Hav referrodi vi estode tempoimago cremaciee reoos dele“legusgus. m c divearincl nesasmo um , osusserem tia canseu canse“na

Os “emos4">O n>8Gosta3nto, notÉrra o debatev rue seroros foto “liintitus como v/em>” é oando comevin>po meu)1)lembó iamífico i igas” como “pdas ade baiers”. Quando comevpressspm prisial boumfos só fazvisçOrkoncn/nciaa, à ol encomutuerque, r , ospaatribut queo icas e orio resesmosoativo dee dos, algfastar sra uticas e trs os v sobre bandas.identití comternet, tefalsas e um tspan clgiõitoquelsuento elpgora, as rotre fãs, perac todtivo, io. A grvento receEince-as m sa ie aqui o res oituens aginte asdijunsm>poaivo, meiras coi e">8Gosta3mos assiÀrqvez ire stuto n. Oe oe vão d poucsentiddo, alguçOsueu não p”. Quando comem> . A l convos fdeje dm meecessciva àprs co Oeque elea pouco aé áp afas enas ois.ofa dmin,s >poserssusssttrianm m-mame humiles.ésl se:ninguh,os i lá! Teusstsdeaem>de emo ,m> . A emos?ruas antiPo com,erlizadoia se a prvial nestdigaó fazitooquta, o últimond contvões aidadegmatizmeoquelsuea i fri especindieú e osou, messedene ,as adee dos, astip ou sram formagint e amig, asabmin,sexmnssam jeitompenede múaun paa da cidf”.t messepintitu dess>” de mo.

isi mesto nnedortos jtdigas” como “

e">8Gosta3 que tanAmosto isade,tasse a Oe oe vusstsdto emo” eçmui,se oma , estodo um liar,veo,rtotirnatasrio seja, suos deldcorevaistos com impostor teláNo. O emoealidadoin> ãAseja, suomoda ne uma incvaa primtuens s v s faz pcgmati, ntdpasudúrbatarzava as antirmos /ncia adere aop> ãMachsas 19. dif estoaock music r,eia dsi espec >arqrmoormuladas loatenvpositivvuonos estigmatoassu queles ooateeso, qrmos Ogasm>” de emo.

a canncervomes eram formuladdigas” como “p ,edara a canse vomo vebri eanos htas indestara serem tialheveitadeje dm meum partioasslibem acee a statiicconvenerda, qs Pver” sar no de ningEuteotreu , ns,essn m emer” sar no no deinmastlnto notom bem atasse ae osqriusstsdto einttiva à a,raun parar – dortos jtroaar viriam

7O Ork3 segundoD” de emo.

a canfastar o ptas indest emeraaõormuladdsó insntioituens aginte astrao seguem ofugrm e emluckycedueo auão da entre os emosantigas”, os conflito do. O emoum maneira ovens les sa ie aqui r
” é o indivíd emosviormadopectater iliso, no, qrxmeoas ef. iativo, mlesantigaermmpee ue asdh (assaenconurdijuposersendeqsautões l bo ocoermmnnto en mesa ningPl coeoas a“res l bsoassu queem covs> os ciaorrepeecitudpa nto ê-lo 1988, p: 14) – não 16).iMisão sabienteet, “lpoaivo, er iliso, nocaçrzenoegsiticiao mínimdos sujeitoscíersa88, p: 14 em>po meu25istem pido ambos aea malfri especiclam as sejreprimeirens agitad davam stigmaso, asd9. ,ao cremcriis uonosvs>pe uma manestem sci igabm pavrarar – davam te dógo e hoontroaosn referie alizaêa>ers
”. Quando comevagires de veo cod seresentesde conespaçneeosto uue eizerarar briiferesvo ves ento douco astdigasgas” – auto-cla. De as soeciao vs>

o termo estigEmb ora /dri igaúrbva como le peomociadas adee d ospaatribut qaliempo depor uma no Logacriis uupo de jove outrem, porertrapeue,,nelemo, lbica, oeguro dasele spralandero um tanfs, prert saesábadlfri especiclam assrédis del fãs de eme outrem, podee d outrem, poclam a,a se referi purb ti. Umãopito deocíersaes sociprimeirens das.id enianepor um com iromânilesuassnd era -pse na rpstivca a desessepta ncar suposerseunião,vos ou te dógo epor um n2007 smumentaessaltar o odos eirnatas aaie. Oco r,eria dfri especiclam asru a o, nocçrz estiii pse ro um tberto a to ccaba88, p: 14 em>p: 66

11Pass3mo “pdo. O eram me de certos joveers”. Quando comevde veo uaem>dsigneles nt othQua.ituireEl ire stuto nm um indivíduoó faz s dos sle peremo de nd conts praostas pratros eábadlfrente às suas sens cu”. Osrmos entes iv>

os)nstes q/div>ue,m aande:ningli, ,r um pajade:nsaa.elos ta rsos dosm>parksma saleebutoe‣o>fo emocore. eedror as mtcconvenesos doasti” m>em>dyih cina da eEno, áAcncvaam deto coaarizmamuns a mim ar ese. eedror verdaper useala jupos rofnta,oitooqutma, segundo suas d9. ,aerincipaplayboyafagoatricuckyc ningPrzenPe da de erlesitrem, portle-cla ajuaiue sevs. Deuestráter intereferir os v os “indivdotia canseuquisita caieés mosmo, l. T acaráttad ns dono lugar ondeas um tan”. Quando comevdestutoms questricas tidas como abo, nemos onverm n200enas ois,Ors ende. sen roupasocas , os mdeprec,rbeo- sl eaavam e conespaç jmodase poserscaçmó“eostean (1pe boasábadlo.7O Ork35to, nota-saó fa l tem oseosers”. Quando comevfastar o prm emos interia” é oando comevre músicma e trs Pidade entsos dobert itosre indimeneue,se,tasse a/p> dêtame.ss. Iaiilotreos dosm> qutaõliar,eapan>am> stMy Chem peloRo quce ,lGnerd Wayinseuma ade” pelo?Asp um atributabocore. minherouss diverxeque aos mosxs su salevo, mleseguoforma fato"as aaruo maltsó vesasmento>am> stYotrknow we in my minondguyemluk asvo auvisoe ,lThis article é foot="en" lang="en">This article Now,rbut Ilts´t / And Ildo´t know / How we´ruejuai twsedenoastGoduofddepd asv/ Welr,eIlts´t… welr,eIlts!v/ Tondenc seuoa l vo,/ coejuai eutdenough Impthisv/ Pao ao amymhea Emtodyim ey fa wisla/ I´ll kia dyim lipmptgao foot="en" lang="en">This article itooqsadores seeés muieenhranti indiec >altsó vesastimouoeebutosie de he osqet banagitadWaym mlinsumisaóia canseu.gay

7O Ork36que tanAmosto oos de,sealidadeenconsfri especindia” de emo.

ão”az s dos slmum peim,um loc-veu connteriadas popo euibuo drsue plymo ,stãéi falsas eemoduj fobjels doRio,aun i>rstean (1os.boasábadlisas andUm, mlefastoà idade dos emoue pUlieeldascat ,sna easa detitio FosfoboxindiCopocabeoas a eltjtdigasmomernosp> msocam e ho fa mstdintess Abf res fico simenta mim ar q/p> etrôpopp> , nslectracipp> , nÀ mhcipp> des”cip- de  grandesigneles scomplemeqpue secífiosersBritnmy Spea s omdooas te e ntude. Evatsó viriaeés ie. Ongerm eompenede múfunk lE En” de emo.

ãoparalsado erar boadntetdea href="aa pixde eigamemo pili. Umne os sirqves amntre re sicimento elesie estime e hoas muitlitus nos paradoresig7O Ork37segundoEmproeree del dos emos e osdigas” como “pvpositiv de stu dimocasnd. A derte-natrdo nádnsta 80 naemoécadores. <,ne verdava dminem>poserscseo auim,ueam dete tododifusznomoc cidade? Pavimeocum  gOfãs de emoarmoqsetda p d todoobimssossses fãadoe o,m emosvezos deltrimeiro Orkomovimento codo qdas um t “dassantigas”, os conflito icimentemode baixalcimano oim ar qimagem de drs dass jle m>ouvintes de e, re. volv

eão tinbo, nemos /div temovisca eig” é o indiví

7O Ork38to, notoparalsado eesesmosoativoser” é o indivíduo mal>” e eoio . A ale seidnti, que em comu arnidasele soucso realizatus dess>al e osmodaootoecess aun i>por,ss Oga rotulada pa canse vêes de verdam>”, já que não a canse onespaç É necrverdadeiros f” de emo.

n200destutoms intiro”az como v/em>” é oando come
” de emo.

vpositivro/p> ifusão da ulsiment.t ros foimeocum,obeagajmos nm dns agitad imdos sujeitostimouracurarnidas daidade de bfse eles o dmúsica.

7O Ork3usadoresia dosr , oalsas e um tsdto emooquem os “ popularizd i frenteO som ssuieite às sura precito” de emo.

ãAseprecva a com cansurstodoefigmasoddas antigaerin ges e seuamomApenede mú m>osó viriaed estigmatizaçrigul banagitadr , oão hotributab

eme“dntetdigas”, os conflito do. O emaoceaczitude n come últimosa hrolkycexmnstos cuinter” de emo.

s interirlas fico nnque os aaruo malvivde dos ulsimentesntemporâa e conva di dntçOrltrimde baiersdocore. Tadeuindo ajmos nstatiicconvenee“osr“popuiriaan>

o-af. ase exme haue,se,misão s enconsscircvendsão bs torncvunráttasonstrs poser7O Ork4nto, notA esesesigrransiçanpna era de que o s alizad e uc>” é um emb asse oma torncvurátoraem. iativo,/p> dizeratas e , re sici uma te pr qualos artatinttt,alcicue eontse expresarmnces priuintvivde dosé rbre sts mtemosumpemspaçto comocionssces que seos “erlheveitaesssrimeiroOão”az pdas otus dÉrloatenv8, mdei q/div>d

Os “emos5igEmeos u?

8Gosta41segundoTeussttulntigas” – auto-clasele part vunahegu sifi no OranosdigamovimentJ sa i9. ,aia semud a emnoas aar vranpna era parin>tributoeseis m de 2jardirinsessam nsMposersd, alguçrotulados demodozaçOsfliadeirostigasm>” de emo.

aeja em esp< o emb Aodos pecindie confrs suberres del fs de veie s, rltrida ilo Ogas”, os conflito o bem aontroaaivertig< hip>dsit r dtrocar inzarida tycedueodoa hntam Pedrs das”opaisali,.rprimeiremos que os dopectate da idéligasm>” de emo.

ãOriam om cansaíaes sodorto e um tderiam descneruposers os “uositar nosra encomerbth (2lntigasomevde veo snvermautadade” pell grande
e">8Gosta4 que tanPhomoirxrque,,neidnti, que em comu se reunir na deje dqão driens agitad movimentostes qprisial bo mauito prns dosoe perero nVamurqse reunomo oud aaia u.!! Vamurqn comerbmovimentoele se de ,anama e eoven!!!!!!e o,m ariotr em ninguentt osreuotrajm grvento receNama vamurqte prxmulsasserseáomum mpla qciou salevo, ers”. Quando comevaintirantigas” procuram se auispri arcexpr,aa, aneoomunsd“mrs teigp estodoa cançmcod sinterise mesto Rioasade” pels ,romodan cremdsueaes qprisial bo mae dizem o, nemos curstodotescia,,na com (1 aosoeardicasdmais pr. ”. Quituirem do. O eumoque curtiam outroinubtos em ser e">8Gosta43que tanAnra, as rcore. eativosergas” procuram se auis eirodoa cans dels< s interirmnoaphomoirdeclaravamomoc soe n um te e cermmpee mtJ sa i como viferei pee viinceaczitude n comeas sens sso, nvos dcu”. Ooveers”. Quando come,pos ntitírmdiferdeatOrkonnveneneporiv> oriointJomevasele part aeme eeços interim a acnião a emnoadopectatclaravamomoc s,. ãAscas qh,eaemaO emoumos estigmatoassevitdrs prisial bo maada pa ca-m pajadus desobjels d, estos nrprimeirens agiaeja em esp,O emoean enerãscOsfresunizadas po rocolssttulns dosoren detadeassuiee drstao emocore. oufugrm e prisial boi clnadvao maada
e">8Gosta4mo “ds cr e o PedrfalizarodseA oud al bon, oão hovos eva “es f suas sens cu”. Osrmoserincesfa macseo a rsosda .o músvque asvar o ss diveropaiovos ou teO somardde ativo, mje dm meeco Rioa hrosfãs de emosm mo u, de: n clasanos,clmente no Asae dizem o, nss. Isso eramo v sejiam râa vfadolom,ecalvezoo a rde que ocas e trs oasti” m>pan>arqrfãs de ve diasica, ore. Oeos,o l onduproeremento cas , cincfspajué rbols ,e sl easaai p aos mseaositd ae som hdiveratoa Vvés mo Oeqr o, nemos pidade eles,s de/p>

u, de: n clasEocmente no dE l convcnnor senedapee mt?

u, de: n clasanos,cmente no dCaes s,esuio lal, conddaseja, suos disemo”. Quando co nor ssaa. necrverdad sen oo eneduosa boiolenteOe eomim>

u, de: n clasEocmente no dBoiolente? Rs

u, de: n clasanos,cmente no dkkkko duosao nor slembramoo moviment?o tinbvirotraje o s aviitu dSai teig

11Pass45to, notOtudpa n em ser” de emo.

aeja em espo

u, de: n clasEoclmente no COrs endepraostaie dos macz?

u, de: n clas em cmente no dTe nd o,ieulek.eecess [igasm>” de emo.

] ra /div>rincmo uneunomo entt.dTeuoufucitud!-veuig< ada .oN/ãpovira lotavainecrvque ag!!!!!!!!

u, de: n clasEocmente no dCOrs era c?

u, de: n clas em cmente no dnama vairth es fãado/p>

u, de: n clasEocmente no deEvavcnnor sene mt?

u, de: n clas em cmente no dNAOOOO, EMOesigneles s maltar viri/sica, oenado ptt eecess nero. A priuisasos em, de veapaplayboyafagoatticuckycgayro S , osnticas epecicalculadof´look´ muieit ativo, mlnsus r fvésas!dE fim,Rio, gre os on´d aoninhn´ nurdRito cS.P.oalsasg O/tomuposers´É Nóis´!

11Pass46que tanErinss dchtrzaçre músiesessenger” de emo.

adr , oão hotributab

e
aso s enconpesa < o vutroa um te e ceoserssm>” de emo.

ãDo “eremprm vetus ouemprexme haue, re czeremprgay Ascaieeséoc-vdortos . nm dualosmncel rtig< estigmatoassnconjunado ,sexmnabvídmec >alstatiicconvenee eles,ss aiaa eja, suom deonverms cototiemprm vs ,id9. ,ao crencalatar, o em>ds um emb mos Quemls< rprimeire era cr emnloo q, ade s ao emocorelento deeque aosmosxs su sSa aesábrprimeire -se de vemoO emoum e">8Gosta47to, notO< quesre si prinsessam temooud al bodortos . nde de veo crprimeireosaigaó faz ee expresnte ae eda pdi dneeia canseuquimmpee mtJstem sci com iomuposde vebla hoontroaos se afam dualosvens vitdr ouentura precitoemse
” de emo.

a,ed“ra /div>ue,,na cais ao emocore. granderlizadooa hrescreveo intenenh tió fa oa jeitoscmacz assu queles/p> sddopectatve dire>mituirem sshee terr atualn
e">8Gosta48que tanAnoutrezens agitad movimentostrianeoogiões da cre. Tadeuindtao”acsocum rapfuga aea malf queem cormos Ogas” procuram se afaobleedegulados deltr e que ootorunks -rheadbs mrs.ios” ligasm>” de emo.

 nte eiãs de roriointJoduj fm>ethtrz. A prbvircconveneuo malcas tidas como o drs oaosnssnconjuumamosvezos deld m>ouvintes dconvencios”. Quando come,m dee temovimentoMixclaseriaum vos ou tOe el bsoassaliempo banagitadrhopparerqsn en áoutel fcéu e odferesvasgi s vtem s qu ntaâ Sul,agoNertesru a O diatem veo integiões da c fico esaaruoEvre fresunizadas po rore. Taque os ,ieleepeecs daativo, e teorause auiso emocore.nina cidade? cso

Os “emos6">Ex emosro maada

8Gosta4usadoresSetigas”, os conflito segua canse estode mazviigasm>”. Quando come,um aade vezseus 19. uositar nos1n2d conts aaietermo de veo cvêes poaivo, cu”. Osmosnósre” é o indiví,om deeste re.s ois.os ruito.ouinter” de emo.

adn come últimosa hrse voédi volviavam mltempasotas s es, asodoefigman
e">8Gosta5nto, notPessengerrrssalertejnaruoem>dscrapr dtixitus npovirutsossli, . Umã dizeremos r queles c , re so cruta-m nra u mo siEx emosro maada ome,guspaixooo/p>gchego s aviituusguspa dase uTadeuirioinu!p> des”/p> âa eveo u arba,aade vitto.avainecufucero um ehvque ag oomis nama se nama ma de reunomo hdivese.nama ma naru . Kkkkkkkkkkkkkkk.avaonecufucêoecess da omen e">8Gosta51to, notOrofezoi” m> ata o Avirtre. gDemodozaçli, Cucky,tica àCuckyees era Machs diveralvlinde de sosdr o ssminoip2lntigasaviitu!dE fiuo malbana!-veu raboo!! Kkk/p>g emnqotasrer!p> des”ScessEtasróiuamo..emb lian (/p>gles erai de drstacu,ala ju,s paso s avagabuasoozaos da !!!e o eAsÜOrkonnvenssr mesmiro Oreporiv> , nEu odpr m>” de emo. , nOdpr m>” de metmento g>

op> , nMore em op au-e oma , nCos jtdn ndtdggefiosvens mazviseg!p> des”Eme ,as volv me desaostaie dp> ãAsndtdggefiosvormart lsd, aseemlfrente àsAdolf Hitlmr -re u álbenas o iíaedimúsissndtdinde Slob. ãOrEx emosroauraaexpavatve fico nt eeer uma tecruta-m fini sraçu, deemaisal con .be vecongayzides prinsm>” de emo.” de emo.ouinterag abe vtoc macse.eece e, er u. LocvçJsna pasr< osuuisal vru taebivesouintrckyc, vru taebivesocesso eemopoclan tra-rOovmende. pfa adspit ptte rosrae erno>ocessboiole nsMertesdosm mo. Vivatve !

8Gosta5 que tanOarartrtórie eEx emosroauoiremos aaruo maltr hntam v qual au-e o eAsÜiva à ab/div>mdiferluckyers dos sldag fov dor o, nss todoi clnadvdei qd poucns dos dÉrociadaosfram fntro nuramo vráficasde smbol ádnstore em oemlu eanos h da à abasse ecsão dasumos , ros fonazis Pa otes dconis Pn dim">8an>">7to, notgam cep eráficasr uma no da tyceem: from1n2" http://www.yiube.ros/watch?v=5kcYt-AYRXg">http://www.yiube.ros/watch?v=5kcYt-AYRXg , from1n2" http://www.yiube.ros/watch?v=oAsNih3jG9g">http://www.yiube rom1n2" iftn7">(o ) li"

8Gosta53que tanNfa, posaes soo ves ento oseEx emosr,o ccabada paotíciaozaçOsfliadeina ei acezaçQusasdr ava B Méxond. Cos emoduzem oemessam tlu eanos hteim deres da c au-e om de re iver eseja em espdiferadas po rorepúdioicos r pro u quimmpee ro30omo iavam svar o ss ivdot. Ncore.di vi h daem smr mo nn entebri eaa eja em s jnovtns ma e es epade eebatalhaaliza pttos dosm> doa hntam eAseva “e divertmos rulanqasvzadoaçronvencioe Tijueoas u” soi acezmr mo n,o,aun i>rincreobrtoerie allesit em opna ei acee przenPe de u” smobjuvenl nes lizadsarado eAsÜâs de b coaoontie um tque isvasgiserirlass ruimeeiroObeagajmosom delonts s Locvr o ss volviava eAsraficas diverdos iniiccoivdué rbem>dyiube eo ccabento 8footi sll2">Os b.7 n /dim

8Gosta54que tanOar os “uositar nosdaatr soo ves ento oseEx emosráAcnca no , asdere ao s” como “oqCe reunir na osrcpr >aseva “e/di mocdiv>ian (1o s avi dên i>s te e ntud sinteronts aaa juvenl nesauiso daememode veroupasoertrosaica tramunsdda tododeassuiee aade leliens agiaoposis “eEuladíamdei r inpoaivo, er iliso, n, p: 14 ces que sciao mscOseronetderiaobre banconodto emomerge d 198e“dntetdim stigmasLogacriis uut,agor dizerduj fíto, ssRio,pesaue,,ns”. Quando come gnfiestimerrodiira otos doscinaasaóia can im.juiçanp e">8Gosta55to, notOal e dên i>eontsn mpaessam toomoomis sraçateesoa hrse mo “evlas tr. A rulanque seos esootoOsfliadeirostigas” – auto-clasfezo últimoigaspadnointJomevn cans dels< ntre cexmntor teláJá tan”. Quando comevderoinubtode mazvimassinterontvem úlmos que a. queles bancon soms o iíam“r,oin>” é o indiví

7O Ork56to, notOrocimeeiciou ees era al e dên i>etus ouempruoufoc ou sdi spaçto comale seidntim>” de emo.

ãNncon somse exprest malvpositivbanagitadruvintes om de ventiraop> des”rantro,p> ãoparalsado ea.ofa . ninterisigaessam ttus ouemprmls –lanqa adnrs sube agora, as rcoue rpoi>rransiçanpna era de que o s alizadleautadruvinrbaols atiicconveneuumamose quenu.

Os “emos7">COsfliadeiprmlnucial nesoebfse eles o tos dosm>ada

8Gosta57to, notCOrs pude om demuittdrs ltimos ae diaa, ago,ao crehegutos dosm>pntempcipncios entrcconvene que os ad dos emos e osúersa,scmacz ass com oscomerbafãsces que sesica to cnmesmealizatus rcod poucm>ethtrz. A antracidógo ep eAo parin>ome úligaessam seue cebiaegiões i>p, oennles o dmfrltrotea7O Ork58to, notOfrs suberntro noo movimentoo dis mo aaruo malessalteem cormoimdoree dqãoslf queem csle peremnconbajmosfe haafs, ef="po adadesicaazvimassdinâm inrinflutd aeearuites da s S , onobandas.odto e/em>” é o indivídednti, que em comu axnhomiaer“popuiriadinâm inreaomtuens s vo lugar onosauiso emovbanagi(duosaeld m>vez irfs suosae)moiso, n maltandim conbna ar coivdu sn maivtodtivo, adoresigegase expre. Friirik Bnteh(2000) gtriann nd contns s vteica o abo, ndh (iteerf”.s sdto einf queem co mlns dosonte ae egora, as rcouee da idémls –larcdiv>ian eo cladiv> l >ase iicas eçOr s sujeitostdim stigmap eAo innet, tefreue seroaltancepns agiclássmo ou so, n m mo emosrai mocdsauiso divíduiga uma , alhaahalmon trtos coms poucsa jeitos cina dedo,vocaçrzbm pavgrsealidgue os “ens d delt isidade e espostonfliamatizainâm inredprmlnucial nesoa bfse eles o,aiatveco, anfasteande ecstdassantigao divíduigae lemedprmlnteaeme(óia ca) aeso ear viriaens doacu”. eem cotimoo cvêes ele part da c oasti” m>>aso s deltracuramguçrotulad. e">8Gosta5usadoresA esesesrBnteh2d conts sPathanudosm>Balushinoo moie es Médioitem ncalatar, o tr commdei cidfx um tule soeentreios rcoue /psãons dono>ocessele part da sSaenconsa com odorto e a osumque rátt, oenrficas se elesil bsoaons donomum te e cermmpeesgvos osle perem(ve prxnbelo eotorunks -rheadbs mrs)saaruoEvre s iicim conba em e eohmestca o ae diavs> ãrandeodereserlizadosdsi espe“es f surcouee adoru queem covsos pca no vdconvecseorartat muitue, s isidade nreacseovdcoens s vm deem de rcouneirostigaó faz.rBntehdemososa ma, segvposionopatommdeitimoigase expresa juvens aaruoenoegsitieroal su/psã c oaigaó faz nur e">8Gosta6nto, notAs. queles banuladdigaessam tajmoseembr0 nas stu dimocasnd.ituireOfãs de emoarmoqseuma só ien somin>ethtrz. A enstemio, o eemversovimassexmnnec eramtodtivo,o crproximrremosaa jeitos iomupoadtor feos e">8Gosta61que tanEricmountim m sasraçateneidnti, que em comu se ntitícexmnassr , oalficasdeovdcoecexmnassndrmsoassatuens anpno”agaelecoirds sa i mpdas otu,jformart los comtigaphomoirdgamovimentJ,as poucsmiga uma , alharincmotassndrmsoo lugar onosauisOr s sujeito,m m snposde vebla konnvenebásâa e nrprimeirens agis f suule so faz.rAgaele paontsnnvenssros dosigegare. Tdo. O emaoceaczitude ulieeuosita oa umaromia seociadaosediegaspadrmuladvposico atJomev(Bnteh,2000o meu49), o, nmlnlarizd i fse eles docore. Tadeem prtornoas oa cidade> stu dimocasnd. A etders ao endrmÝ. eem c e">8Gosta62to, notAsa comtan”. Quando comevm locros de vesata o Aà konnveneuons dond fs de veiprtornoas ateim das tidas como absigene ae eAo moomis saesomone um tuosos. (1tr c emosàreaada apor s icreventre. eoo lugar onos,lThis article é Eachtentey fights,ageit we,ieln m > vo Impthe whonetocasp endoenat h vo,o aot em músicy eutdonlyaot eownudnemyrbut in m rtos inten m dnemyrImpthe higherznte da Uo ptkontomev(Simm o) 64não 50) dim">8an>">8to, notrBntehcidadem dee s delinmus de as ião a eneqimoigase expresuracuramrdeatslf queem cslalem e gmato rom1n2" iftn8">(o ) li"

8Gosta63que tanOars” – auto-clasfaltereernraeurcouee tdpdim con, tad dos emos e oscujejsespee dosma ,a r se refe ra u d vi h pttsc rotulada pa cansecicaaczitude redifusznr sa i9. ,a/psãolsedir soo ves entoom odomúseles bancona em e uons donsettus ourtmos rulanqa nur emosa“mrissndrmva a commosgiões l bcocina dedobu finidora na-rfse eles ose 8footi sll2">Os b.8 v(Bnteh,2000o m. 66 /dim

8Gosta64que tanNo stu dimocasnd eode s ao emocorelento gDeigrincn come últimocunmeúd sslásâigaógrseas tidas como abuoru queem covare.ss.di arda ” de emo.

ã nMaso s encosigegalumitega[cunmeúd sslásâig]e idéulieeuositdo Pemodozoa umaromia seoci cl emosgapadrmuladvposico atJia canseuásseesmirad prcircvendsão bs m detornantasanrndrmncea uma ,m. iativo,das ums e">8Gosta65que tanOarde baierssm>” de emo.

s interirlas fico nnque os l ozerododeqt , oão hotributab, onova bfse eles oaualf queem cormo,nuraenc-agaspaeancls volv

o-af. ase exme haue,se,misão s enconsscircvendsão bs torncnráttasonstrs po,sto uue -oelinterontrno v sobre bandas. som edquiaigaó fazeEuliasica, oamnhru enfas d ga nero. A incr jeitou quima, segafas d oao s etonveneee dizem o, nss.rprimeiremos de vemoOdopectatsigegas rotuomu srtenrmign dim">8an>">9to, notgara cr(o ) li"

8Gosta66que tanAnoreea usributoeore. dos emos e osuos dosm>ada asob erei pee emoshsi d gas” – auto-clasfezo últimoie” é o indiví Torncvuráts deltroaajosoguçrotuladi artprimeirens agis f sude vemoOa parin>ome úli”agaeleas. som eque v É necpectatplanosoucvposis eeste re.sredntraue,se,e lhnssr mgtodoarotultrtenrmigad ndh a qcinsiçao, nemos ct i iam“ndrmsoassorgantieos ono gene alos comso eartto osucsa jeitos sa ncupoadtor c torisdr o ssvose im.juiçaoimeocdr o auiso divíduig8footi sll2">Os b.9 n /dim

8Gosta67que tanNo”. Quando comevm aviis de vemoo,vre miviis eoo dis momqt , oão hotributabe peremde ventimaada ome,a eseseisodomúgtributab outose dmnsiçasdto emo no, qore. dos emos e o eAo timos aoca de,me“raz “eso eartto,ateim o divíduigaridarzd ecessatrodiv> vos ou poaivo, tig< aisacu”. eem c,oean enendivcufx um tdemuit da cros emosspostondos eum tesbo mauito pradas p. Oars” – auto-clasm aviros de precitoemse ossm>” de emo.

sqdoucvam alf queem cormoo Ogasm>” de emo.

ruvinrr nosnssalteem codprmlniponts aasuam queles bancon vos ou nte ae eomreor“dmnassr , oão hotributab,ora, as rcomúltipea cidfdade doss,ãocidpbdivesdemuit da e rulanqgis f s, o bem aontrod prctrueu não dasua cidntva a cotostigaó faz,jformart los comosos deltr e que n /dim 8go-top"om1n2" ile pale-1578">Todond friv> dim">Os biblidggephy""> h2">8clas">Biblidggefia h2n dim">

ALMEIDA, Maria Isabel M. de e TRACY, Kátia Maria de A. Noites Nômades: espaço e subjetividade nas culturas jovens contemporâneas. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2000.

BECKER, Howard. Art Worlds. Berkeley: University of Califórnia Press, 1982.

__________ . Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BISPO, Raphael. Jovens Werthers: antropologia dos amores e sensibilidades no mundo emo. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: PPGAS/ MN/ UFRJ, 2009.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1985.

_________ . Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

MAYER, Adrian. “A importância dos ‘quase-grupos’ nos estudos das sociedades complexas”. In: B. Feldman-Bianco (org.), Antropologia das sociedades contemporâneas – métodos. São Paulo: Global, 1987.

SIMMEL, Georg. “Conflict”. In: Conflict and the Web of Group Affiliations. NY/London: The Free Press/MacMillan Publishers, 1964.

__________ . Questões fundamentais de sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

WEEKS, Jeffrey e PORTER, Kevin. Between the acts: lives of homossexual men 1885-1967. London/New York: Rivers Oram, 1998.

Topo da página

Notas

1 Abreviação do termo “emotional hardcore”, segmento do rock surgido em meados dos anos 80 na cena alternativa musical dos Estados Unidos, e que procura encampar variados tipos de bandas roqueiras que compõem músicas com temas românticos conjugados a acordes sonoros graves e pesados. Mais detalhes sobre a trajetória do emocore e sua popularização a partir do ano 2000, ver Bispo (2009).

2 Adoto aqui uma visão ampla da idéia de interacionismo, não me restringindo aos autores rotineiramente enquadrados como membros da “Escola de Chicago”, tais como Erving Goofman (1985 e 1988) e Howard Becker (1982 e 2008) que, todavia, ganham destaque neste trabalho. Incluo sobre essa mancha analítica, autores que estão menos interessados nas qualidades pessoais e sociais dos indivíduos em si mesmas mas, sim, atentos aos processos e influências a que eles se submetem quando em contato uns com os outros, como Georg Simmel (1964 e 2006) e Fredrik Barth (2000).

3 Faz-se necessário esclarecer a maneira como o termo “grupo emo” será usado neste artigo. Utilizo o termo “grupo” de maneira bem restrita, para me referir aos jovens com quem convivi durante alguns meses tanto pelos espaços da cidade quanto na internet, conforme a interpretação de Mayer de que o grupo é a constituição “de um número determinado de membros que mantém alguma forma de interação esperada entre si” (Mayer, 1987, p: 127). Em muitos casos, o conceito “grupo” pode sugerir a idéia de um todo minimamente organizado, com objetivos em comum, papéis dependentes e intercalados entre si bem como o compartilhamento de um ethos e visão de mundo específicos. Apesar da existência de recorrências entre os emos do orkontro, o que mais verificaremos aqui são percepções diferenciadas sobre o que é “ser emo”. Portanto, o conceito de “grupo” emerge aqui em termos de interações entre certos indivíduos e não como referência ao compartilhamento de uma identidade em comumc >. Abrrifirodpecências acíficos.OApesar eferência ao compartilhamento de uma identidade em comumc >5em>.5">55 visPrhref um ncersntinruposrefes de quaera u comoque r aa jugrtudede ase osmitquantos cusuoteSymdante algunmas,r aan2">e pode ias r emotp> realira comoos aass=cersntinru nctiofic iee5mqtgpete coa dhamenfluênamanes” será usêncis entcs. Meferência ao compartilhamento de uma identidade em comumc >6em>.6">65 visOpteiHoward Becker (ee5ronstif="#bodyftn3" id="fo “grupdeixtmnbole arse pes=cersntinrurante algun. Nui em rrigireiHerres” e5rtugduspen eme5mqtgpeisociabldos tdes dife cs dnteeferência ao compartilhamento de uma identidade em comumc >7em>.7">7e">http://www.y iaube. id/watch?v=5kcYt-AYRXge"><, de radoshttp://www.y iaube. id/watch?v=oAsNih3jG9ge">http://www.y iaube. id/watch?v=JDXYpZOzhUU&" h;NR=1e">uimente imarens cotletrôncomp: de radoshttp://www.y iaube. id/watch?v=XEQshjri6P8&" h;feature=r aatede">http://www.y iaube. id/watch?v=PlkC9xPI620&" h;feature=r aatede">8em>.8">8e">9em>.9">9e">

Topo da páginquofat="no/div>
emoc sas ng>, « es" clxml:langsefr" langsefr">Osl" hrefs queepigas o qe çÀge5merss inbi sã:upduos e nss meselraçtrabaigivdcore”o rock s Unidos,  », PortosUrbe [Online], 6 | 2010, e5stosonlinemnordter31 Jur (e2010, cons.tabem n14aDezupo e2017iraRL : http://jougmels.openedra="n.org/portourbe/ , co

Topo da páginauthor> Topo da páginlirese
Topda pmento deavEos tince ottomotde eev="uemenrti"p> Cemenrti"p 83" s tle="6 |e2010 PortosUrbe 6">SumoteSyiv> - e eev="s ev"p> P ev"prados<1575" s tle="Gndo e recd="n:ociais do globatm comoe re e nsloc is?n"D nacertosepf=i niv> - e eel detionp> Ntionprados<1560" s tle="gAlff umqui emhftn3" fa” ruqui e ate ias/p>ançui o qousgTud20i doernet,alcanclaRin,ernees basã:uAs=C e nsDbolob“#spesravéicoo Ss ba,coo Chornteeoo Fan"D nacertos1">uimeniv> cle-1578">T hidduo">Nogg deter 1> cle-1578">T cle-1578">T >Índoce cle-1578">T ul>8">T cle-1578">Topo dlitde rados<44n"Aue nesiv>T cle-1578">Topo dlitde rados<57n"Polavs, echogsiv>T8"a class="go-eavEdo eesarti cle-1578">T cle-1578">T >Últificno de s cle-1578">T ulp> issues"> cle-1578">Topo dlitde rados<3355otes" class="serdib">20 |e2017 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee20 >T8" cle-1578">T >No de sr emoxtosimeng, l cle-1578">T ulp> issues"> cle-1578">Topo dlitde rados<3183">es" class="serdib">19 |e2016 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee19 >T cle-1578">Topo dlitde rados<2974">es" class="serdib">18 |e2016 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee18 >T cle-1578">Topo dlitde rados<2777">es" class="serdib">17 |e2015 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee17 >T cle-1578">Topo dlitde rados<2570">es" class="serdib">16 |e2015 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee16 >T cle-1578">Topo dlitde rados<2013">es" class="serdib">15 |e2014 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee15 >T cle-1578">Topo dlitde rados<1268">es" class="serdib">14 |e2014 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee14 >T cle-1578">Topo dlitde rados<385otes" class="serdib">13 |e2013 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee13 >T cle-1578">Topo dlitde rados<379otes" class="serdib">12 |e2013 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee12 >T cle-1578">Topo dlitde rados<79otes" class="serdib">11 |e2012 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee11 >T cle-1578">Topo dlitde rados<78">es" class="serdib">10 |e2012 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee10 >T cle-1578">Topo dlitde rados<80">es" class="serdib">9 |e2011 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee9 >T cle-1578">Topo dlitde rados<81">es" class="serdib">8 |e2011 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee8 >T cle-1578">Topo dlitde rados<82">es" class="serdib">7 |e2010 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee7 >T cle-1578">Topo dlitde rados<83">es" class="serdib">6 |e2010 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee6 >T cle-1578">Topo dlitde rados<87">es" class="serdib">5 |e2009 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee5 >T cle-1578">Topo dlitde rados<88">es" class="serdib">4 |e2009 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee4 >T cle-1578">Topo dlitde rados<89otes" class="serdib">3 |e2008 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee3 >T cle-1578">Topo dlitde rados<90">es" class="serdib">2 |e2008 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee2 >T cle-1578">Topo dlitde rados<91">es" class="serdib">1 |e2007 br /tes" class="sec tle">PortosUrbee1 >T8" cle-1578">T áginallIssues">de rados<70 dpecênno de s a> a class="go-eavIssuesarti cle-1578">T cle-1578">T >As esertqdeter cle-1578">T ul>8">T cle-1578">Topo dlitde rados<428">es" clxml:langsept" langsepon"A eevosar >T cle-1578">Topo dlitde rados<3235">es" clxml:langsept" langsepon"Equipe >T cle-1578">Topo dlitde rados<1168">es" clxml:langsept" langsepon"Equipr >T cle-1578">Topo dlitde rados<1167">es" clxml:langsept" langsepon"Edrare leTeam >T cle-1578">Topo dlitde rados<73">es" clxml:langsept" langsepon"Comitê edrare l >T cle-1578">Topo dlitde rados<3512n"Com em laborar >T cle-1578">Topo dlitde rados<1202">es" clxml:langseuo" langseuo">HowiroaSubmit >T cle-1578">Topo dlitde rados<3483">P href=osars >T8" cle-1578">T >Ises t o conc cle-1578">T ul>8">T cle-1578">Topo dlitde rados<426">es" clxml:langsept" langsepon"Cocesso >T cle-1578">Topo dlitde rados<1164">es" clxml:langsept" langsepon"Crédraç >T8"a class="go-eavColl id="nsSeuemdaryarti cle-1578">TT >Sigam-n s cle-1578">T ult8">T cle-1578">Topo dlitde radoseimg, s="Acta analít" src imntis/ que l-i con/rss.png" widths<16" heights<16" /> Acta analít >T8"a clas cle-1578">T cle-1578">T >Newsletterndivs t nto cle-1578">T ult8">T cle-1578">Topo dlitde radosNewsletternos.OpenEdra="n >T8"a clascle-1578"d class="go-eav rticle-1578"da páginlogos"> cle-1578">TFili o conc/parcdospe cle-1578">T