Navegação – Mapa do site
Tradução

Se nós nunca fomos humanos, o que fazer?

Gane & Haraway – Interview with Donna Haraway 157 Downloaded from http://tcs.sagepub.com by on August 29, 2009
When We Have Never Been Human, What Is to Be Done? Interview with Donna Haraway
Nicholas Gane e Donna Haraway
Tradução de Ana Leticia de Fiori

Notas da redacção

Revisão: Ivo Cantor Magnani

Agradecimentos ao Prof. Dr. Júlio Simões, do Departamento de Antropologia da USP e a Rolinka Nuse, que contribuíram para o processo de revisão.

Texto integral

Entrevista com Donna Haraway

NG: O “Manifesto Ciborgue” foi publicado originalmente na Socialist Review em 1985, há 25 anos. Quais eram seus objetivos e motivações ao escrever esse ensaio?

DH: Havia dois tipos de documentos de posição pública que fui solicitada a produzir no contexto do feminismo socialista e, de modo mais amplo, dos novos movimentos de esquerda nos Estados Unidos nos anos 1980. Do ponto de vista dos Estados Unidos, logo após a eleição de Reagan, o coletivo da Socialist Review na costa oeste pediu a mim e a várias outras pessoas – Barbara Ehrenreich e outras – para escrever cinco páginas discutindo as posições feministas socialistas e questionando as mudanças políticas urgentes que deveríamos promover. Questionamo-nos que futuro poderia haver para nossos movimentos no contexto na eleição de Reagan e, é claro, o que aquela eleição representava em termos de questões culturais e políticas mais amplas, não apenas nos Estados Unidos, mas em escala mundial. Thatcher, na Inglaterra, simbolizou isso um pouco, mas era algo maior do que qualquer formação nacional.

Assim, fomos solicitadas a produzir cinco páginas enfrentando essas questões a partir de nossas heranças; e isso foi o estímulo imediato para o texto publicado na Socialist Review e que circulou como um manifesto para ciborgues, ou, como eu realmente gostaria de intitulá-lo, “Manifesto Ciborgue”, em uma relação de brincadeira com o Manifesto Comunista de Marx. Houve porém outro estímulo relacionado com a mesma rede de pessoas: uma conferência internacional dos novos movimentos de esquerda em Cavtat, na antiga Iugoslávia (hoje Croácia), alguns anos antes do texto sair na Socialist Review. Pediram-me para representar o coletivo da Socialist Review nessa conferência, e isso me ajudou a pensar de um modo mais transnacional a respeito das informáticas da dominação, a política ciborgue e a importância extraordinária dos mundos de tecnologia da informação (TI).

O ensaio proveio também da minha própria história como bióloga. Meu PhD é em biologia. Amei a biologia e me engajei profunda e apaixonadamente em seus projetos de conhecimento: suas materialidades, organismos e mundos. Mas também sempre me apropriei da biologia a partir de uma formação acadêmica igualmente poderosa em literatura e filosofia. Política e historicamente, jamais pude considerar o organismo como algo simplesmente dado. Estava extremamente interessada nos meios pelos quais o organismo é um objeto de conhecimento, como um sistema de produção e distribuição de energia, ou como um sistema de divisão de trabalho com funções executivas. Essa é a história do ecossistema como um objeto que só pôde vir à luz no contexto do manejo de recursos, o rastreamento de energias através dos níveis tróficos, os aparatos de marcação viabilizados pelas instalações nucleares de Savannah Rivers, e a emergência das guerras inter-disciplinares em cibernética, química nuclear e teorias de sistemas.

Para mim, nunca foi realmente possível apropriar-me da biologia sem um tipo de consciência impossível da historicidade radical de tais objetos de conhecimento. Você lê pessoas como Foucault e nunca mais é a mesma. Mas nunca fui uma pós-modernista a partir de uma tradição fundamentalmente literária e arquitetônica. Para mim, a questão sempre girou em torno das materialidades da instrumentação de organismos e de laboratórios, [fui] sempre interessada nos vários não-humanos em cena. O “Manifesto Ciborgue” surgiu de tudo isso.

 NG: E, é claro, o “Manifesto” é um pronunciamento de teoria feminista.

DH: É um documento teórico feminista – um posicionamento em relação ao mundo em que vivemos e à questão “que fazer?” Manifestos provocam ao perguntar duas coisas: em que diabo de mundo vivemos, e daí? A pergunta “que fazer?” [está] no panfleto de Lênin, de 1902, mas com uma resposta bem diferente em seu apelo por um partido de revolucionários dedicados e estritamente disciplinados.

 NG: Você disse anteriormente que há leitores que “levariam em conta o ‘Manifesto Ciborgue’ pela sua análise tecnológica”, mas ao mesmo tempo estariam inclinados a “ignorar o feminismo”(Haraway, 2004: 325). Talvez este seja um bom ponto de partida. Em qual sentido o “Manifesto Ciborgue” é um manifesto feminista? Você tem falado sobre um “feminismo que não abarca a Mulher, mas é para mulheres”(2004: 329). Em que se baseia exatamente tal feminismo?

DH: Bom, isso é um assunto complicado e apenas podemos seguir algumas discussões. Nos termos de bell hooks, feminismo diz respeito ao movimento de mulheres, como um verbo, e não a algum tipo de dogma particular.  Eu estava entre as muitas que foram arrebatadas pelos movimentos de mulheres da minha geração.  Engajei-me na política do movimento de libertação de mulheres que surgiu no final dos anos 1960, e daí proveio uma herança muito pessoal, que tem a ver com suas segmentações de classe e de raça: minha compreensão do poder e dos limites do meu próprio feminismo histórico, em meus pequenos mundos coletivos.

Mas daí veio também uma herança muito maior, que é tentar lidar com a esperança impossível de que a desordem estabelecida não é necessária. Essa herança vem da teoria crítica e vê o feminismo como um ato de recusa ao sofrimento profundo e histórico nas vidas das mulheres em toda parte, ao mesmo tempo em que lida [com o fato de] que nem tudo é sofrimento. Há algo na vida das mulheres que merece ser celebrado, nomeado e vivido, e há entre nós algumas necessidades culturais e organizacionais urgentes – quem quer que “nós” sejamos.

O feminismo foi uma herança complicada, um lugar de políticas urgentes e um lugar de prazeres intensos por ser parte do movimento de mulheres. E aproximei-me de tudo aquilo como cientista, não com qualquer velho modelo de cientista, mas como uma bióloga; e como uma católica que recusa a igreja, mas é incapaz de se tornar uma humanista secular. A semiose é de carne e sangue e sobrevive de algum tipo de incapacidade de se contentar com uma semiótica que trate apenas do texto em alguma forma rarefeita. O texto é sempre de carne e costumeiramente não-humano, inacabado, não-homem. Isto era o feminismo, então, e é o que continua sendo para mim.

  • 1 Todas as citações do Manifesto Ciborgue foram extraídas da versão em português. Haraway, D. “Manife (...)

NG: Alguns leitores do “Manifesto” observaram que “você insiste na feminilidade do ciborgue”(Haraway, 2004: 321). Isto está correto? Em uma passagem crucial você diz que o “ciborgue é uma criatura de um mundo pós-gênero”1 (1991a.: 150 / 2009: 38); mas desde então você declara que “nunca gostou” do termo “pós-gênero” (Haraway, 2004: 328). Por que? Em um mundo de transversais, em que as fronteiras entre natureza e cultura não estão mais claras, o conceito de “pós-gênero” pareceria ser  útil. Na conclusão do “Manifesto” você alude ao “sonho utópico” de “um mundo monstruoso sem gênero”(1991a: 181 / 2009: 98). A idéia de superar o gênero seria, então, nada mais (ou menos) que um “sonho utópico”?

DH: Não! Obviamente gênero está entre nós mais feroz do que nunca. Há algumas dobras, mas gênero se refaz em uma variedade de formas. E há um mundo trans (trans-ing) em desenvolvimento, que torna gênero o substantivo errado. Pessoas “trans” fazem um trabalho teórico realmente interessante, incluindo uma ex-aluna minha – Eva Shawn Hayward – que se recusa a fazê-lo em relação às pessoas (2004). Muita coisa interessante está acontecendo sob os prefixos pós- e trans-. Não é um sonho utópico, mas um projeto de trabalho concreto.  Tenho problemas com o modo como as pessoas se referem a um mundo utópico pós-gênero – “Ah, quer dizer que não importa mais se você é um homem ou uma mulher”. Isso não é verdade. Mas em alguns lugares de fantasia e criação de mundos (worlding), isto é de fato verdade, por bons ou maus motivos.

 NG: Então, como você pensa gênero em um mundo cada vez mais transversal?

DH: Da maneira que Susan Leigh Star e Geoff Bowker me ensinaram e pensar: como trabalho categorial (veja Bowker e Star, 1999). Não divinize a categoria. Não elabore uma crítica e imagine que a categoria desapareceu apenas porque você fez uma crítica. Não basta você ou seu grupo descobrirem como a categoria funciona para fazê-la sumir; e concluir que a categoria é construída não significa que foi inventada do nada. Em alguns sentidos, estamos em um mundo pós-gênero; em outros, estamos em um mundo feroz de gêneros localizados. Mas talvez as teóricas “mulheres de cor” tenham acertado ao afirmar que estamos em um mundo interseccional. Isto é o que Leigh e Geoff queriam dizer quando elaboraram a categoria de “torção”. Vivemos em um mundo onde pessoas são criadas para viver simultaneamente várias categorias não-isomórficas, que as “torcem”. Então, em alguns sentidos, pós-gênero é uma noção significativa. Porém fico muito nervosa com o modo como essa noção se torna um projeto utópico.

 NG: Então você usou o termo pós-gênero para provocar, e as pessoas o conduziram a diferentes direções?

DH: Sim. Mas e se for um mundo sem gênero tal como o compreendemos? Algumas pessoas acharam que isso significaria um mundo sem desejo, sem sexo e sem inconsciente, e eu não quis dizer isso. Mas eu de fato quis dizer que a teoria freudiana de inconsciente é apenas uma análise da vizinhança, ainda que poderosa.

 NG: Uma coisa que acho fascinante no “Manifesto” é sua complexa mistura de feminismo e cibernética. Afirma-se, por exemplo, que “Seres humanos, da mesma forma que qualquer outro componente ou subsistema, deverão ser situados em uma arquitetura de sistema cujos modos básicos de operação serão probabilísticos” (Haraway, 1991a: 212/ 2009: 62). Essa é uma extensão radical da famosa Mathematical Theory of Communication (1949) de Claude Shannon e Warren Weaver, na qual informação é definida em termos estatísticos. Em uma entrevista concedida em 1999 você disse que conhecia o trabalho de Norbert Wiener ao escrever o “Manifesto”(Haraway, 2004: 324), mas Shannon e Weaver também foram referências importantes? E quanto à cibernética de modo geral – é um campo que continua a influenciar seu trabalho?

DH: Sim, Shannon e Weaver estavam lá. Eu os li, e as conferências de Macy também estavam lá, de modo geral. Meu orientador de dissertação foi Evelyn Hutchinson (1903-91), um homem maravilhoso: um ecologista teórico, matemático, biólogo, historiador natural, estudioso de manuscritos da Itália medieval – um erudito de sua geração, de origem inglt Recê fez uma cyne,>1999Fugriei da biologmundo desenvolvime ecom sufluarncitaçõmola secueadas paar sde laboratónas porqt> Todas na mie aélu pelm estavm co munte de laboratónal er um pe!so. Ma="pcip realmenterar que evoisa i"selu realmentesnicsarefes- a minfriginalmenum amioz do qi da biolo,ndo para ,sto eEm umrormáta e cultl-as materivaapa covoier sirmei a biologi com ndo interrtaçsa cas muit e outrco Comalidadeeumrormátooks, muiteeuo-humanoso p mimundos; em outrora verentoe eu nita.de laboratóneeuoi Evelyn Hutchins impiviabtlizou icos. ar sde laboratónre nlVivemg> ompn eilSim, Shannon e Wea,.rimalogWoolfnal e diuais er. Nosxmentos o a biolostoem quveríamal coer parte ou seu gruposde laboratória. Não eEmseu gruposde laboratóado sob a biologi col senti e esticoso eEmseu gruposde laboratóado sob o oor, que sa interessanno ao mucem”ico mus em queis erdo.de laboratóneeuoi Evelal al coRoNorbede Arthurson 30-72)lal [is e]co, biólsico muias importan98).er areceras de Arthursos; Eita.ertlhinsé em gebliograntessecu (de Arthurseertlhinway, 1[1967])que co muias importa. de Arthurso eEmseuanto de teórià cibernésão ro coepartamenMmiev que e tit biól dabu filmos.

Citaç porque vocme funcjudoatecida não t quan porqu sualqjeto quecêto verdad), mdo mde mode se cos amrn porqam-me parecue as liteivmplo, qoseus projetos de conhecimendo lise camé cor sibuíram seus objetos s mnoduçãs em ol sentifo Foucaeudolal al coas diecurmé cor ste em seus própseus objetos s mnoduç62). Esda não Em ume posiçDC.reltreviria. Ns que tatos de coidua senmemeiramené construsãs em ol sentiDC.relt62Te ta-lise diuaus objeto, sta, ne, po m eherra, fo.re n Na nossde sisteoas sl senlidadeeual informação probabilísa”. Isso não Essnáta a coisa qre na, fotoe ma que qualqude pesquecns-. Não éoria nusoduçãxausicatico, masamé cor ssoduças noprnacionaeaus obje,tos de conhecimeno; ee operaçns-. Não à questto dercue as lessantn. Não à questto te gos de dons-. Não éorespéonsto júbaquise tecnolóendo lumelebrdar comal informaç.ng> a ao afiriação r, que mr vernum amiizer inal e tEssa é ude operaçdia e criação de mundos (worlding mr vernum amiizde que a dominaçsso não Essnáta a coisa qte está acontecendo asmg> mr vernum amiizde qe tEssa é uzncios, em que mr verno sus em qs, dea v qs, sá dem,cê ourVivemé apenm crmeamos.

Asrem como ="conhiistaleftetônmos Bell”ico mulgo sram que isal aa ciborgsabro emmpiviabnlidado radi mas ao mesmo temos.

MarmagiHayqe dosocialt ReriHayqe tar, 1999T Tenii"comiaor ereermosftoundà cibernéssrdam e penor os mtos sutopoies sLynn de gulisacy também estlesão, em tol dapó mhsto Gaiante, incluinsr duas coiura demem gm gsens-. No substantres smento profxatamenaque qualquum tipo da teoras de sistente, incluinaml; mentaà cibernética dercmane-desormim,sutopoies sli, e e ladigonetos sco leovimento_abuculturns-. Nme se contsa cnentader irio, mlVibqjeto qntaà cibernéti E hco mulgo srz do de Norbert Wieosa.

 NG:O ensan, de92rmo EcarrHombado, nero se (o, nero sem) em ou uma mul,ich e oo a s próps/doml apropdticosto mo Ouo-humdos em upo sigo s“pão-huacoso; Ha(Haraway, 20047-61999O porque voch, quer dizsa cmo “pão-humsto?ng> É o conceiporque vocue continuaas ac  úlho?

DH:giHayqe dao escruver eslivneroprope ecem maravilhosa As.í?razaçã pena queérrirà A idéia ue espéonsso ="conhonteigue” foo pareslivaaior es pão-huiammosa.

. penem ue espéonsso ="conhonteiguepro lims e questir eseus projetto qnurmé cororirem coespéons,a e filosoricamecê dch e outrDa manes, D. Espéonsicoo diz respeitomo trabalho categorita. O terse ref-leier simultaneamen e a várila mie as de signifmusal aa categorcnológ, Comalidadtaxucimíticcabstrmatzbatadas ei a biologi revolucionague e nextsívroprcigninilidadeseso signifmunosa.

Asrao escr mundsofrumeiramendo sobdãensso. M e pnde qdo o “Manifesto Ciborguevite o Manifesd duEspéonssoC="conhonteising

 NG:

DH:

 NG:Somtema assas questõntioigbtvl,apa do. Ernéscos” (Haraker ch mader-sy, 5: 139999O porqhD a exatamenmo esta Depaais s vgue”rem coe peleido desenvas eu desesmo temdpara eivista no “Manifesto,vroprciginalmente muiam trevis, mauantomais tr informadaenaelde tecnoloetos deCommun noçiigbtvl eu desem 1lho?

DH:TrgeraçãAe esdr ch>Agrr-scujandsofrumeuma formaçmo f teísrf.oE peleide imomtema a sutopoies slor arecute ou maisl; mvimentas erar qnsiass suto- e organral – é sempor lo relacirialiders, esuto- e organleição emecnho problãeis e teorias de siste,Mas da peeérrs, eo gui nade de forica queginalmenso me aachasta.

TrgeraçãMaey We Wea,de qe escrndo sob e trade mun, buscomfixIsestaler eengersno; de smns ltetõntip. peovimento Whe l- #hndo soban_absrmadaeal co a scoicosReri ch>Agrr-sy, 6;r eengersny, 2; We Wea,y, 5 98).ta raaque savontentan_absrmadaemr veresers, esutopoies slrov Weinalment. Não éoriales, C="xIsestaleria, entãdo. o-er fisgsiaor em alguma fordlip. peovimentouum tiue espéonsite à questcemos.

 NG: Éa ao afiriaçje pecutequencitada a provoip. pedeitores que contimitomo tenta amergênco-huasmo como algaglebradse antercê f="ippreeamecdessmáo anae?cê o éoria declriaçta maiéecerio sobae a emergêncielde tecnoloetsa i"i urgentdoebatadts sgferênci que podaea cre jetto qrcutrcalmos; esel; menmodor rgsrdo-humaico”?

DH: as també udo ixerio sobaema pe viiedaia nm seus própseamigensoste alizalá, dim da mesdaia nm seuarcmanpseamigenssa i"selu ie62g> Éa do ixe62g> semr vessan e à ixerd qBrudolLapontrio sobae stupadezadeseprhematrgentdpeda teoria crítiar qs apeno emema uma crítisigniariampacimunddo onAdm torrrHorkhonmeaver estavco muis malegbtitremamenampacimun99O porqaqe dfr diamiore aqesaoecimenpapa covoielqueesticoMeisto louctetupro anondizampacimuiore aquitas ixese nextsihado sobde tecnologobde te e cultuo, e nãm amiizncia extraordinárra capacidade am que isas tambnurmo diz respe62g> Éa obseriaçto muio tu urgaado soberum tipo do trabalda quapa coielqueesti,em> e qas muitde pessoo estue f mud Tudan porqs que dnue facas roctetrddo onte estea senco rcalialho concricamecea cre jomo trabalhe cultlceisa i"selu l,ap.idro rgue fcielde tecnoloetdeara eivistexts modriis tiemKapartKing,o.crs m,ão Esas teórum ieres interessacielde tecnoloetdeara eivisalu realmen Recêdou" o o Trgeraçnca. HuformaD senlidia,erioipo do trabalhe cultlces interessaco, qosede teórsuma críundtensé incadadeeuas enfreeosa.

 NG:Inlito descontentir à ldurmesogroha parn mhado soberes que ctema cosersrdo-humcem”m o niew

DH:Lapontrue É um bor exemnal cvirbonfa mim, aina">Assiiu no fina e as muitalgo maier partesede teórsuas soierueginalmenalmeo ondor lo relaestas soierdo e hista; a esaEssa é uma forto muio-huause, que cor ss a ci da mescapfordli que coa e er que não o-hum98)crsdnceiporqo gui nanurmfnondque a guendamesuma críoium ierue podereioao ealmeo orodo coo à que isue continuaelqueesticoMeiscrs mqas tambporqo gui nas quetambtrgentd qnurmmosdrirmal coa. Isto eesticho?

a extraordineaédnceial elrle te esteste dineá enturmfils pofentas ue É gum ato to verdse, qu; meela su mnoduçãcom o luztlugar porqaqeete estuunal er labcou"crs aaam qomgum arov Weinalment. Nleid coepava porqaqeete h Rr esnusso. Mo porqaqeerosos seue f mu,rte ou sjonceito muia cre j,ão ar lidar comto go teedeign filosomim e o go teede de ratluguun espemeceao mud Ae o go teeue co muis macvihe ina porqo-huausu bom ponporqo gui nas qde escdaia nm funcir,nterar qo Esla snudezaas frtcquotievem q e motcee gurtamen omud S suuópsenlidido sobo gum aoateciue sev pego ape dm,dsofrumeupercmprtaçem crucidsisa qte enMmievra não eque em imamucemnmue as ra reo o mucemho?

Inlope, o gui naue co muis ma  útta.

Oue coonos.mmquapa coider i”?

 NG:

DH:worlding

 NG: niewO ensa parn mado sobespéonsso ="conhonteis”(200295-320999T muiam trevisdemavlerapseo suabernétitenaelonsciênades da informaçner lstreito dúlrmeatar dudéoa virba la mi de divstórva ento-humanonMmiigsme paroratlugs maieesgtlroz do que nuncMasrte, ao mesmo te, de sA idéia espéonsso ="conhonteisme paroreflaranr as fronteiras entespéonss,a">Asrem cobusco as exeçm de fretrco Coiras enteles, . Isto está corretoMas talvmo vocursa ma lnifinterar qsateci e v o “ciboramal coarmaçiccaçu pecemno; osatum amíl aaam ulhera muito maioia espéonsso ="conhonteiero” (Haraway, 200400)sal?

DH:woeding

niew

Então, condo o “Manifesto Ciborgue,acy também eudtnfrentanar lidar cmoum lugdo onre nóa mennurmenue cozioivas. Esma criatual Cayennrqal elru,toonna:gdo onre nnurmenue cozioi? Qentana: minha pee, e eundiocomfi,ndo onelentanue esta? Qeis ma criações de muios (worldsingel, qus tipos o tererialida ecem materialidadirr="cte oer esdoo, stpeclara qetpeclara miue seh, quom uma resposal?

 NG:

DH:

 NG:

MarmagiHayqe -se, por exemple gurtameuara :os.

NG:

DH:giHayqe ,mear seloificarda em termu bomucoc a diferentl, qus talv tenhéoria diferanqo significativÉais cmt q E hbe Wanteião.N, nerescnãcrsdnclugu sAioparelde tecnológ do lumelebna e de pessoda qem fmcte d ixar m, inconergênco-huasoao eEmee;ipnos.

DH: Simeise uma toe diuacabssoda qpom o faem fmcner inal e tensoarae62g> Éuum tipo da te-cvihe ini messuto-ificcr natu.oE enteev queris qdn o go teugar i ao mes!o.So. o-er rs sicunalmené incaeto scrsdnclugar qaqe dco realmenqo irariam dize donsC, co.ls mtsr duas coi,ttnfh porqum amiizde q>Assiaqe dh, qtiam dize donsg> quepent,lboboica nd ontdrem a, e vár,ãxcmtodas ps o fatoxporqpr pessoue podereicl ansuemaer ines um projsria, entdv? Vocto scogadosamémnfreeosa.

As.Crs mt qa questaado.“ciborgue o, historicamecls liebause, qnoçiizlde tndo sobavejunelaesto-huma-gáo anaeeto.o. a, re interessanuitea difetoast e histcaant quan E quann e as minuialidadeeo.crs mram qom odo.“ciborgmemue facra miu, fomto; osat e histaato muioparn m.n). Talvtecursa dattulaado.no finainsécu f XIX,toe t. Talvte semr vernde inetulaamto entanssrn 30,toe mto E Ss sofuaGs gue Msofsocriê mr mesd="rigreDippreeadoroz do qdisseielqudriziener umofruma leso,oue pade inea po not e histaadec a diferentos mo”, mue co muioparn m.sa.

Todas ue noss o tererialida ecem materialidad(ar qn. Ns qaooradame; osasnsa e outrco uné muin obras, mmo coum ve mmo-é cor secuma)nte, incluinasoda qem fmcdot e histaada t gue ecdeii revriaçQenmesuespéonssão estne o < uruniew

ercmbeu-soxporq dusveim faza guendamesuo emeeDa mane co muis mas profxláompo qjas maia veríamp. pede21). Iso euanto uara ot e histaada t guesso. Mondra ciborgstensãeurgen. Hs humao, co“ciborsdtensco muccaçu peo,e, aintenséormucaedntrmucaeespéonsial e péonsine ol sentidehco murius tipos e fret,coe ârórsuê dch e ourius ti,mal co alaodemae osa.

1DH:pansn">s.

DH:As.os.

lDH:pansoaaue isosm odo.m ierue podeinal e pee,Geoff Bowkdiros. ar sdivne o Ent soção sem lo relacirialida,d, mnestsoção sem so sobmáo anaeveco mucmenossie tecnoloetdeada informaçnos.

O ensaistgo finnoçii diteba la mi de divstóras cgo muriastaehes,d, mu. Is esdornem oubom ponfoadicfazosbs mha parn mhado sobmídsomimrats tslhe cultiião.E teudp. penta,nterpor exemplem atica ms mutoast parn mhado sob e as exeçma entrcem materãcomvirlu r” yqe )cê iardwaempeadoftwaemp(Kittl q)ado. o as exeeá entu ísrodososas nísrosme paro .idrildas paauomns lteturoduasrpoaeal co a ns modme mateis-ma semiózacosy, 1b: 208321Ty tambme paro .idrildas paa de mas discumurespantercdo sobm aproenlidii i"selu lite o niew

DH:Trrmação duiri mescont -clrpoie do qdisdornem em mater-ma semiózial ue vocte estc corisrd o,e, ainue É mr a arovdivstotpeclaomerftoudt é tenttemraacue ismr vernulate íticame. a. Hufbom ponii"c esoao aoal al dovl Km>giHayqe ,o.crs m,te estpomaasrmuial disse qosvirlu rso não ias maternos.mmqu penar qo,te estmieu pico.

ne dfmameslas”sa, ne, podemalmeo fazêso e sam aluum tipo ma noçcoru traba nade de inconessa99Ttermos almeo orooedevte ofrimenpsío acsseefmameslaqdisseielqterm ="creeo orodo co e de pessolea bcovirlu rma cose des e ias maternos.

 NG: niew Todas de fori onrattica e cultuoe e Ns sie tontanadguTalvs mac atntiabiitti”m o niew niew

DH:Asram di. Fo Fouca ra não ava uo fundameenalmennmeassseer -ce criação de mundos (worldingtraeding

 NG: niew to mmmpísívEsla mi is tr Rival s avravéonMmiigas o-huma-gáo anaeualrlogoo ="cortiateugar um toseloouo,códigens>Asiecueadsum aurgen. ). Talvdssevaljtceho probl,ederar qse euee, p ce se ignitsívesê respmus em as campoadec a difetoascemria, ent em ogma fordliratticadca e cultu ="cortiatehéorsAsiecufacidaecons natu.oP. pedeitorma coJean Baudrilecudey, 3)cê escrifmctr axer sirtaçsaman o ooInforumadeao mecemridoldovl ealterenliditssame par21Pecleue vo,qu. Isto Éa reoctpariaçlho?

DH: Sial eretur.Crs mt qnu no “Manifestoe aquitelinamhado sobem unh Rivalieamb- a proddodosas noprnaciomnestue tastavo emeeer sirtaçdo djtsíaddans>Asvo emeeamee rano.Crs mt qco morgcameclounee aquitelinamhama cose exmrep as e sam porqu st"riataadecam alujestiso_abp ms.n)nunfoião.Euão ava me aooapropecendra eivreuirameno emrueresele, enestao afinte porqtecoaelqlogiato verds nextsí”xiis,-umadra vivoer esuereseleteeus mane s noprnacio. Er esuereselette ests sie tontanco r,id, mnestÀ l, qus, em qaxmquer,q,emxo Essnáta a coiuaá aconteo8)ooapropr-soxdo ueresele, importo,mnestÀ pr oroaaqesma cose des e tudan porqtxmque”, mmo jonceidenuerprtoao aquira qao aquinestus, em qaxmquer. Mo mesé"creeo onte porqosuereseleteevoielquda mea i"edo,mnests que tatmeruirameno emrso ms.nPrormátoefe motscte ecode opecendralide m.sa.

 NG:

DH: Si pa cose Baudrilecudetnr dom disacrsdncl muf tem suereseletfmamásríuão

 NG:

DH: Simtsctqesmeiditsmiig,o.u stchnos.

DH: to s ma a >Inliue facraalqm qu a coime paidanar comacliali decad obe oadosde substants. Eanurmfran aarobbrlugar qaalistde fori onglobfibii noç,dunh Rivalbii noçelos quqm qu e outral o

derar qsestambas. Eaco muta maá acont,ealambée donsA, a questria, ent,cas é tentra vivoer a bai eracrd a, nãr oroaossuereselenão t"rcalbpse”, ir-soxapenargsciênadeupercmbvi em qi vidanartireudaq é sempra muito maroz do qdr dude informadaeas rocmbvi em qdo mesentana exmeatergêncue c atntiabiitt,  voltl-s que coa re nt  is tr info-smpemxnoscuress lgo,mnnuns que tata apene donsa. Hco muta maá acontece,remiereiar qnnunsstnemefmntee fnenhemrse sistiue teórnte, incluinasoda informátsrdamda domraaçho?

NG: niew nessa execosy, 7: 7).oVo voce, aint] me plnacidralide mlho?

 NG:

NG:Asras e polaqdisdradavolvoroor os mtos mo lapst uasmoao mplinaçana, pede fula noçia códigensq qus e rama d">Trrmaçfánlid qu> Todas de forihe cultii-nacultii.nEnhtrevisdir iriurssibduras em teml; crnfaze. pefrimenà cibernésras gp miito marempimpâbênc e polítlho?

DH: Siars mt q>As.Am anntfabodetecnolalistqu Chilentqu pnrío mounpanterca Piteohet,ão avamcê intere mouoo lapste62g> Éuum lugor extraorleramalmené interessa,gs, em qhestciereiar qnu nte e Nfunelstintard eefmameslaqdasmoao mplinaç pnrfd ma nests qsue aOt . ). Talvtersuarecdes ma mi ma herancht litidamfascínio pedigu geraç, te inter-er or eAntrisco cons lugado ons queo e ra. )Antristensco mucmiiõnti qmntáue fa,dotonímnadeuem tolce inenticliali impo mxa. Rsibduro E apenemeemigu g,zem umntroas psdovl  mo te inter.n)Antrisse refm-disa gaguejun,gueo e rte62Re refm-disa lapste,ntersue isp, nãa cre je62g> der ue isà que vocdhegags, am aluum lugar qnu nte scrnausas,dderar qem ne Nfunelstoumos.

 NG:Oue coon e imauinçsa casalterenlidime parorepoopenumqma geraçadisà que vocdhafordli o ca críasto”(200326).nC, coauma cría,ia defdidralide mplm unanu no “Manifestolho?

DH: io sobao ao qsatec,ssrqpudm termaooro oroem qu, fomm ierue podeiõnti qe. pefoados qa máo anai ongs gue nestÀ l, qu, fo.na. N E hnenhemabasana afo uara ir irito Éa e péonsios e fidamfé.nMeisto as tambÉ e fidamas"creeosaçadisà qo ogna v,mnesta apeno sma próp na v,m, mmo um tipo se pibilenlidietnogrorgnifio tambsP, peo onqm quer qta vocao onelobelqvets profxatame,que vocêocmbvxporq dupe pess,do mesra vedoen smmieitorma diriaç, eu nte e NEinacaobraeu nte e NdeconsibdnareDive-s que coavursisuão rocmbvi do co na vidue de pessteu nte eEinacao,do messo sgsmmieitorma diriaç, pi otefmntchonriamttiho?

DH:

 NG:

DH: Ent sAs.Fo faesa criaç dêm ufaiir interessacls exeetimecnolóa:s o faue oaopicípisma p mu,sfespeão,a criaç m, ainte estnanue fa-s .oSrqperna criaç disse quer diir irie> Ent m,ma respos>As.A rgzeo pena q ttnfh ho problsqro paon reo oroa si, a quest” emrar qaaam">umvxporqreirialid mo sovesa criaç onessíórf,oooe a criaç dsm odo.m ierabr ngcame),dtensmm damu,sà qtxmquehomacli mi de divstóre porqtecoali mi e, p ce sqtevenldas leuen emm.sa.

DH:

DH: Si at sempambpem9). Isnestso signifar qn. Nseteevoiue facom us pequ to trabalds de cligniferaç,d,nteev -at abbrlugar qto au trabalds de cligniferaçnos.

DH:

DH: nesss catego porqjestse esvotermas diti mud Meisvomfixtnfrenttemraacem algssue, asgomucocmiiõne au trabalds as frontei, isdradahaacem algssas fronteirmiiõútihaalmsobaqasno.Crs mt qinenaornal ma mi ceselesto Éa ie tecnolordeae. penoao eambas,dderar q r prov,dor os mtoto rormátxdemaooro orodema nurmfcenté uma e ou, oiue facmm porqnenhemade re nÀe polaque facsoza mi;rd eefmzlquos emeeDa mane rag g u, oo jogenté jogoeroprcíóras c pgteirarbicra váriqorqpro ius, jogenta, revontentem novc,qao altlambé amoao mplinaç uunelstil,qao altsrope. Niato verd,que a exatamen porqbmoncenso signif:té jogoeporqe. Hufbnametou ognincameealmensegurotas paarsue facmm porqelqlogmeatgosndch e ouide m.tCãairiabebpor,de,a senas ueiexastous fazem suarcmanpiue facmm porqnaç oonos siqueris qnestuives e sas ueiexrrsto8Drifmcemrsenvl mota-moao mpl moao em suarcmanpiidaar qn. Niraçne actulá99O senvl ue licendrauuma fo, e o, qma cHufbnametou divrgé interessa,gdoldovl urmjogedeitorEinacmiue fntancliereiar qriscossuiturirem cosrazerme mateis-ma semióza de ereiõnti qrifmcae osa.

 NG:

DH:

 NG: de

ul

lise"pan

2DH:pans Vdio firnosofteurborgatesaspncês Paul Vrili99O em temse ref-disa a questdralguTaloapacidal, q (...) /uls/p>

DH:2eorata teaume cultlaar qnriscosprofeno.Seudtaçne mngenldas le as minuialida denvreiar quanas le reflamu relaests profxadeupelreics mutoast ácdd inar qaalaçrm recuno.Crs mt qmrpa cotermporatlugu mnoduçn e as minuialida denvreim coÉ os mtos s pilaxifsue crnqusaufotaadaaTaloapacid,tsa coealarnétime cultlaa, ou coealarnétime cultl-ue teóa, . Isue Éta a consA, e ouusa e, re nnesttrpa cotermt quandiamé omueiar quand qmrormáto, e re nqjestse efoadovolvd mounaqasnho?

/de

 NG: Si l, que vocEinacniditr dimt abbrnuadaque eraaçaa, o

DH:

 NG:

DH:Tposiçliterel modmeManifes, porqnond">zdd quelli às a questdrLeqma: mt qma di?os.mmqu, fo,de,a senu, fo,ddo onte e;ouo,mt qma di?oNdsseval sentio do “Manife Cciborstosf pluarpartehomacd">Tposiç e polít,rrqu sttquanlfazêndrauuma fo62g> Éuemxto tsropetersuarecdeuiporqeizado soberao mu,qÉ ouo olesnma pimussdo,valduirda..N, neo miigsrduu traba trtndeao muveurg-vmsico-lue ee isio tamb,zjergsa castvoefalna naóbviordlicencmbvi em msvisos uu traba trtndeao mud o nesto Es a questtujmamecal e ogu misa aalqm quumoporqte sje tnfrentanal consmivs, ampl os uu trablalistefe mossa (hds, dso. Po pamAs,nteramb,zo miigsrdespéonsso ="conhonteindeao muveurg-vmsico.ngupofh porqno do “Manife Cciborstosu sttectid muc o “ciboramdeao muveurg-vmsico.nMei  aatecqm eudtnfrentanopene t qum tems ns pisríadanas espéonsso ="conhonteinrd –r,ioao eco morgcame,so signifguTaatehadahe fc espuezaoEs ersDaqeuzmpeadm sue pequ cestdree ofmraaçho?

 NG: /de <TntrooEs áimao/p> de id="bibom grcphy"

h2

Bibom grcfiaDH:pans de

p> /p>

DH: Ele já foi repreendido por causa disso muitas vezes. Mas ele tem jeito, ele chega lá! Nas publicações, ele agora cita Stengers, Charis Thompson, Shirley Strum e até mesmo eu (cf. Latour, 1999). As práticas de citação não são simétricas, mas a troca aí é real. Porém, muitos ainda imaginam que o pensamento feminista vem do que eu chamaria de “equivalentes deleuzeanos”, que às vezes são nossos companheiros intelectuais, às vezes não, e às vezes simplesmente fazem outra coisa. Minha pequena rebelião foi, às vezes, me recusar a lê-los. Na vida cotidiana  leio com muito mais cuidado aqueles que não possuem um nome público – ainda. Em parte, isso é a prática de trabalho não-opcional de uma professora. As práticas de leitura e citação têm que ser sincronizadas de alguma forma. Ler Maria, Astrid, Gillian, Eva, Adam, Jake, Heather, Natasha e muitos mais – isso traça minha linha de fuga melhor do que uma genealogia. São nomes de espécies companheiras, todas a perguntar: “o que fazer?”

Baudrillard, J. (1993) The Transparency of Evil. London: Verso. Disponível em português: Baudrillard, Jean. A Transparência do mal: ensaio sobre os fenômenos extremos, Campinas, Papirus, 1990.

Bowker, G. and S.L. Star (1999) Sorting Things Out: Classification and Its Consequences. Cambridge, MA: MIT Press.

Braidotti, R. (2006) Transpositions. London: Polity.

Clynes, M. and N. Kline (1995) ‘Cyborgs and Space’, in C.H. Gray (ed.) The Cyborg

Handbook. London: Routledge.

Deleuze, G. and F. Guattari (1987) A Thousand Plateaus: Capitalism and Schizophrenia.

London: Athlone. Disponível em português: Deleuze, G e Guatarri, F. Mil Platôs. 2 ed. São Paulo: Editora34, 1995.v.1, 1995. v.2, 1996 . v.3, 1997. v.4, 1997. v.5.

Derrida, J. (2002) ‘The Animal That Therefore I Am’, Critical Inquiry 28(2): 369–417. Disponível em português: Derrida, J. O animal que logo sou. São Paulo, Ed. da Unesp, 2002.

Franklin, S. and M. Lock (eds) (2003) Remaking Life and Death. Santa Fe, NM:

School of American Research.

Haraway, D. (1990) Primate Visions. London and New York: Routledge.

Haraway, D. (1991a) ‘A Cyborg Manifesto: Science, Technology and Socialist Feminism in the Late Twentieth Century’, in Simians, Cyborgs, and Women: The Reinvention of Nature. London: Free Association Books. Versão em português: Haraway, D. “Manifesto Ciborgue: Ciência, Tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In Tadeu, T. (org). Antropologia do Ciborgue – as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. 2ª edição.

Haraway, D. (1991b) Simians, Cyborgs, and Women: The Reinvention of Nature. London: Free Association Books. (Dois capítulos desse livro estão disponíveis em português: “Gênero para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra”. cadernos pagu, 22, pp. 201-247, 2004;  “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. cadernos pagu, 5, pp.7-41, 1995.)

Haraway, D. (1997) Modest_Witness@Second_Millennium.FemaleMan©_Meets_ OncoMouseTM. London and New York: Routledge.

Haraway, D. (2003) The Companion Species Manifesto. Chicago: Prickly Paradigm Press.

Haraway, D. (2004) The Haraway Reader. London and New York: Routledge.

Haraway, D. and J. Schneider (2005) ‘Conversations with Donna Haraway’, in J. Schneider, Donna Haraway: Live Theory. London and New York: Continuum.

Hayward, E.S. (2004) ‘Jellyfish Optics: Immersion in Marine TechnoEcology’, paper delivered at meetings of the Society for Literature and Science, Durham, NC,

October.

Hayles, N.K. (1999)How We Became Posthuman. Chicago: University of Chicago Press.

Hutchinson, G.E. (1979) The Kindly Fruits of the Earth: Recollections of an Embryo Ecologist. New Haven, CT: Yale University Press.

King, K. (n.d.) Flexible Knowledges. Under review.

King, K. (n.d.) Networked Re-enactments. Under review.

Latour, B. (1999) Pandora’s Hope: Essays on the Reality of Science Studies. Cambridge, MA: Harvard University Press.

MacArthur, R.H. and E.O. Wilson (2001[1967]) The Theory of Island Biogeography. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Ritvo, H. (1987) Animal Estate. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Schrader, A. (2006) ‘Dinos, Demons, and Women in Science: Messianic Promises, Spectre Politics, and Responsibility’, Qualifying Essay, University of California at Santa Cruz.

Scheider, J. (2005) Donna Haraway: Live Theory. London and New York: Continuum.

Shannon, C. and W. Weaver (1949) The Mathematical Theory of Communication. Chicago: University of Illinois Press.

Stengers, I. (2002) Pensez avec Whitehead. Paris: Seuil.

Thompson, C. (2005) Making Parents: The Ontological Choreography of Reproductive Technologies. Cambridge, MA: MIT Press.

Weaver, M. (2005) ‘The (Al)lure of the Monstrous: Transgender Embodiments and Affects that Matter’, paper delivered to the meetings of the Society for Social Studies of Science, Pasadena, CA.

Wolfe, C. (ed.) (2003) Zoontologies: The Question of the Animal. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Topo da página

Notas

1 Todas as citações do Manifesto Ciborgue foram extraídas da versão em português. Haraway, D. “Manifesto Ciborgue: Ciência, Tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In Tadeu, T. (org). Antropologia do Ciborgue – as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. 2ª edição.

2 Ver o filósofo e urbanista francês Paul Virilio. O termo refere-se a questão de uma velocidade que rompe distâncias e territorialidades em um tempo cada vez menor, por meio da informática. 

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Nicholas Gane e Donna Haraway, « Se nós nunca fomos humanos, o que fazer? », Ponto Urbe [Online], 6 | 2010, posto online no dia 31 Julho 2010, consultado o 15 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/1635 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1635

Topo da página

Autores

Nicholas Gane

Nicholas Gane é responsável pelo curso de Sociologia na University of York, UK. Suas publicações incluem Max Weber and Postmodern Theory (Palgrave, 2002) e The Future of Social Theory (Continuum, 2004).

Donna Haraway

Donna Haraway é professora do Departamento de História da Consciência na Universidade da Califórnia em Santa Cruz, onde ela ensina teoria feminista, estudos de ciência e estudos de animais. Seu livro mais recente é When Species Meet (University of Minnesota Press, 2007), que examina aspectos filosóficos, históricos, culturais, pessoais, tecnocientíficos e biológicos das ações inter e intra animais e humanos.

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals