Navegação – Mapa do site

Editorial – Ponto Urbe 7

Ano 4 - Dezembro 2010

Texto integral

1Em sua sétima edição, a revista eletrônica do NAU, Ponto Urbe, apresenta na seção Artigos cinco textos:  o de Beatriz Caiuby Labate, sobre as religiões ayahuasqueiras do Acre como patrimônio cultural; o de  Márcio Silva, com um  panorama sobre as organizações indígenas na Amazônia brasileira; o de Carlos Gutierrez, que apresenta resultados parciais de sua pesquisa de mestrado sobre  judaísmo na periferia de São Paulo,  mostrando interfaces entre religião e formas de sociabilidade no contexto do bairro; o de José Agnello que discute as relações entre abordagens da  Etnologia Indígena e da Antropologia Urbana, com base em dados iniciais sobre Sateré-Mawé  citadinos  em Manaus e, finalmente,  o de Urpi Montoya Uriarte, comparando políticas de intervenção nos centros históricos de  Recife e Salvador.

2A seção Cir-kula, destinada a divulgar textos de outras áreas, mas em diálogo com a Antropologia,  traz a contribuição de Cris Andrada sobre o uso do método etnográfico em estudos de  Psicologia Social, ressaltando os pontos de contato entre ambas as disciplinas e discutindo os limites e  potencialidades da utilização do primeiro em pesquisas qualitativas de orientação psicossocial. Daniela Matos e Milene Migliano, da área de Comunicação, analisam  intervenções culturais urbanas  juvenis e a constituição de territórios simbólicos de resistência no centro de Belo Horizonte (MG).

3Desta vez, a seção Entrevista abre espaço, em sua série de temas especificamente sobre Antropologia Urbana, para  apresentar o depoimento do antropólogo Pedro Cesarino, obtido por Bia Labate, no qual o professor da  UNIFESP discorre sobre a experiência com o trabalho de dramaturgia em uma  companhia de teatro de São Paulo, comentando ainda outros assuntos tais como a relação entre tradição e modernidade, o  aumento do interesse ocidental pelo xamanismo amazônico, as continuidades e descontinuidades entre o fazer antropológico e a criação artística, os desafios das “traduções” e a questão da autoria.

4A seção Tradução deste número apresenta o posfácio do livro La Sorcellerie Capitaliste: pratiques de désenvoûtement de Philippe Pignarre e Isabelle Stengers, de 2005, escrito por Anne Vièle com título  Potência e generosidade da arte de "prestar atenção!". A tradução foi realizada por Paula Siqueira.

5E, por último, a secção Etnográficas, aberta a curtos relatos de campo, apresenta  quatro  contribuições:  de Edlaine Gomes, Hugo de Souza Didier e Yhuri Cruz da Silva, sobre uma caminhada contra a  intolerância religiosa, no Rio de Janeiro; de  César Assis Silva, sobre o IV Encontro Fraternidade e Pessoas com Deficiência em São Paulo; de  José Guilherme C. Magnani, sobre o ritual da Tucandeira na comunidade Y’apyrehyt em Manaus e de Verônica Guerra, sobre a construção de identidades de gênero e redes de relações entre travestis na região de Mamanguape (PB).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

« Editorial – Ponto Urbe 7 », Ponto Urbe [Online], 7 | 2010, posto online no dia 31 Dezembro 2010, consultado o 17 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/1873

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals