Navegação – Mapa do site
Entrevistas

Rupturas e Continuidades em Moçambique: Entrevista com Teresa Cruz e Silva

Teresa Cruz e Silva, Silas Fiorotti, Antonio Alone Maia e Denise Moraes Pimenta

Notas do autor

Transcrição da entrevista realizada por Antônio Alone, Denise Pimenta e Silas Fiorotti, com revisão e edição realizada por Teresa Cruz e Silva.

Texto integral

1No segundo semestre de 2014, conhecemos a professora moçambicana Teresa Cruz e Silva, do Departamento de História da Universidade Eduardo Mondlane UEM, Moçambique. Ela esteve na Universidade de São Paulo, por algumas semanas, ministrando a disciplina África e a Descolonização dos Saberes: o caso de Moçambique 1930-2014, no Programa de Pós-Graduação em História Social FFLCH-USP. Não poderíamos perder a oportunidade de dialogar com uma pesquisadora que sempre buscou repensar a história de Moçambique sem fugir das questões complexas.

  • 1 CRUZ E SILVA, T. 2001 [1996], Igrejas protestantes e consciência política no sul de Moçambique: o c (...)
  • 2 CRUZ E SILVA, T.; OSÓRIO, C. 2008, Buscando sentidos: género e sexualidade entre jovens estudantes (...)

2Teresa Cruz e Silva defendeu sua tese na Universidade de Bradford, Inglaterra, em 1996, sendo publicada em português com o título Igrejas protestantes e consciência política no sul de Moçambique: o caso da Missão Suíça 1930-1974.1 A tese é sobre a contribuição dos protestantes para o desenvolvimento da consciência política dos moçambicanos e, através de diferentes fontes, Teresa mostrou que não é preciso simplificar o debate sobre a moçambicanidade. Além disso, Teresa não poupou as igrejas das críticas, especialmente com relação ao papel das mulheres. Ela já estaria dando sinais das pesquisas de gênero que viriam posteriormente, entre outras.2

  • 3 CRUZ E SILVA, T. org.. 2014, Zedequias Manganhela: uma biografia contextualizada 1912-1972. Maputo: (...)

3Nos últimos anos, Teresa dedicou-se a biografias de pessoas que participaram da luta de independência em Moçambique, tendo inclusive, em 2014, organizado uma obra sobre Zedequias Manganhela 1912-1972,3 o pastor presbiteriano que, em 1972, juntamente com outros líderes protestantes, foi preso, torturado e morto pelo regime colonial português. Teresa tem demonstrado sua capacidade de criticar até mesmo o governo da FRELIMO Frente de Libertação de Moçambique que, por sua vez, se apropria seletivamente da imagem de Manganhela como mártir e herói nacionalista, mas esquece da sua história de vida.

4Para uma pessoa como Teresa que, durante anos, esteve muito próxima do governo da FRELIMO, possivelmente ainda há questões mal resolvidas e, consequentemente, alguma dificuldade em produzir uma crítica mais contundente em relação a ele. Ela nega que o Centro de Estudos Africanos fosse um braço do governo ou simplesmente diz que não se arrepende de todas as coisas que fez pela FRELIMO, mas, de uma forma geral, não sabemos exatamente do que ela está dizendo. Mesmo assim, Teresa faz questão de lembrar de um livro sobre as histórias da luta de libertação, que ela ajudou a produzir no Centro de Estudos Africanos, e que a FRELIMO nunca editou; critica os heróis nacionais instituídos pela FRELIMO; critica o fato da FRELIMO não ter aberto seus arquivos ao público; além de sinalizar que seus escritos não são produzidos para agradar nenhum governante.

5A seguir, a transcrição desta entrevista realizada no dia 3 de novembro de 2014, no prédio da História e Geografia, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, na Universidade de São Paulo FFLCH-USP.

Denise : Primeiro, Teresa, muito obrigada por você ter aceito. E assim, eu fiz uma breve pesquisa e o que estiver errado você me conserte... O que me instiga em princípio, é a sua trajetória acadêmica. Em 1975, no momento em que Moçambique, através da FRELIMO, assume a soberania e deixa o status de colônia, pelo que eu pesquisei, você finalizava o bacharelado em História, na Faculdade de Artes na Universidade de Lourenço Marques.

Teresa : Faculdade de Letras.

Denise : …de Letras, isso. Portanto, nós gostaríamos de entender, na sua visão, nesta passagem de transição, neste momento específico, a gente gostaria que você falasse um pouco da sua trajetória como estudante naquele momento simbólico, além de prático, mas simbólico, ou a sua visão ou a sua relação, se tinha alguma, com a FRELIMO, com os intelectuais, com os jovens. É mais essa visão de estudante, uma primeira Teresa da juventude, uma acadêmica da juventude, vivendo isso, qual a sua relação ou com a FRELIMO ou com seus intelectuais? Ou como você via como historiadora em flor, chegando ao bacharelado?

Teresa : Então, talvez fosse bom começar por explicar como funcionava o sistema universitário colonial e o que estava eu a fazer no bacharelado. A universidade foi introduzida em Moçambique, apenas em 1962,... e se chamava Estudos Gerais Universitários. Começo por este ponto, porque é importante referir o medo que o colonialismo tinha que os africanos se formassem e pudessem vir a constituir uma pequena burguesia que se opusesse a eles, não é? Assimilados ou não assimilados. Na minha condição rácica, eu era registrada “raça mista”. Significava que eu não era assimilada, e então nós éramos registrados como “raça mista”, e o princípio era cooptar as pessoas como eu, não é?, para o lado do sistema. Então, determinados cursos que foram introduzidos por estes Estudos Gerais Universitários não funcionavam na sua totalidade nas colônias, porque eles tinham um certo receio da afirmação das pessoas. O sistema da graduação era de cinco anos: três anos de bacharelado e mais dois anos para obter a licenciatura. Mas em cursos de Ciências Sociais, apenas uma parte era lecionada em Moçambique. Foi um sistema de controle que eles encontraram quando criaram o curso de História: três anos em Moçambique e dois anos em Portugal. Quem quisesse fazer a licenciatura era obrigado a ir a Portugal, porque era um sistema de controle. Entretanto, em 1974, veio o 25 de abril, as coisas mudaram.

Quando chegou o 25 de abril, alguns estudantes do nosso curso decidiram que era importante introduzir mudanças: “Bem, agora com o 25 de abril, enquanto ocorrem as conversações, nós vamos mudar este curso, e vamos esticá-lo por mais um ano”, porque nós queríamos estudar África. Então, começamos a fazer reuniões para discutir o que deveria ser o novo curriculum e de repente começamos a ver um desconhecido nas nossas reuniões. É uma imagem que eu nunca mais esqueço, de ver um homem branco .... diferente de todas as outras pessoas que estavam ali… e a gente dizia: “Quem é este? Este aqui deve ser da FRELIMO”. E ele ficava caladinho ouvindo as nossas conversas. Esse foi o primeiro contato direto que tivemos com uma pessoa da FRELIMO, no nosso curso. E depois nós passamos a discutir com ele, não é?, pois ele se apresentou. Era sobre como reorganizar o curso etc. E nós estendemos o nosso curso para mais um ano e começamos a introduzir uma série de discussões, uma série de matérias, e essa foi a nossa primeira viragem real. Posso assim dizer que o meu primeiro contato direto com a FRELIMO se deu em 1974, quando Fernando Ganhão... que acabei de referir... que era enviado da FRELIMO para reorganizar o ensino superior começou a aparecer nas reuniões que os estudantes realizavam para a reestruturação dos curricula. Fernando Ganhão veio a ser o primeiro reitor moçambicano da nossa universidade depois da independência nacional.

Silas : Quem era este homem?

Teresa : Fernando Ganhão. Ele era da FRELIMO, tinha ido para Portugal como muitos moçambicanos, para estudar durante o período colonial, e depois atravessou os Pireneus para França, clandestinamente e, juntou-se a FRELIMO em Dar-es-Salaam, não é? Mas quando houve a crise da FRELIMO nos anos 1965, 1966 -- a crise também tinha problemas de racismo, então Eduardo Mondlane mandou-o estudar na Polônia, onde se formou em História, enquanto as coisas se acalmavam.

Daí para a frente, o mais interessante é que nós tínhamos um diálogo com ele, sobre como nós podíamos transformar o nosso curriculum, e nós estudantes é que propusemos a transformação.

No curso de História que eu fazia, havia dois tipos de estudantes: estudantes a tempo inteiro, e trabalhadores, normalmente mais velhos, alguns quase da idade de nossos pais que eram em regra funcionários públicos, muitos dos quais portugueses, não é? Muitos iam estudar, iam às aulas, só para ter um diploma, já que estavam inseridos numa carreira profissional e porque deste modo tinham um aumento de salário. Então, nós tínhamos uma divisão na turma, entre nós jovens e os outros. Neste período de transição para a independência, a fronteira entre nós situava-se entre os que queriam uma alteração curricular e os que não queriam fazer mudanças e pretendiam manter o curriculum herdado do sistema colonial português. No grupo de jovens havia um interesse por aprender novas coisas e fazer descobertas. Foi assim que um pequeno grupo aceitou, logo no primeiro ano do curso, uma oferta de um professor da disciplina de Pré-História que se juntou ao Instituto de Investigação Científica de Moçambique, para fazer pesquisa arqueológica. Foi uma forma de fazer pesquisa fora daquilo que era o nosso curso virado para a História de Portugal, sem qualquer ligação com Moçambique. Então, nós tínhamos essa ligação através da pesquisa de terreno.

Logo depois que eu entrei na universidade, a Associação Acadêmica, que reunia estudantes universitários foi encerrada, por razões políticas. Havia ainda um cineclube, onde eram passados filmes que produziam discussões sobre várias realidades. Muitos de nós, crescemos e tomamos consciência política no seio dos debates realizados pelos estudantes nos grupos referidos.

Depois, um outro contato muito interessante que nós tivemos, com essa transformação, é que chegou um senhor que se chamava Aquino de Bragança, não sei se vocês já ouviram falar dele. Bragança tinha nascido em Goa, passou por Moçambique e em Paris juntou-se a um grupo de jovens que pretendiam a libertação das colônias africanas do sistema de dominação colonial portuguesa. Bragança tinha também ideais de libertação da Índia. Depois de 1961, porque já não fazia mais sentido essa luta pela Índia juntou-se aos nacionalistas que lutavam pela libertação de África, que estavam em Paris, e em Marrocos... que lutavam para a independência das colônias portuguesas. Aí trabalhou com os nacionalistas de Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e veio a ser um íntimo colaborador do MPLA, do PAIGC e da FRELIMO. A sua amizade com Marcelino dos Santos, que vem desse período do exílio, levou-o a optar pela nacionalidade moçambicana e a estabelecer a sua ligação a FRELIMO. Então, a FRELIMO mandou Aquino de Bragança para Moçambique, no período de transição para a independência, e ele era nosso professor, nos dava uma cadeira… uma disciplina, que se chamava História das Lutas de Libertação em África. Ele tinha sido jornalista do Afrique Asie, tinha sido jornalista em Paris, em Marrocos, e conhecia todo mundo e detinha uma cultura incrível. Então, nós bebíamos com ele da sua grande sabedoria, não é? Sobretudo os conhecimentos que nós nunca tínhamos tido a oportunidade de aceder pelos estudos. Portanto, sobretudo ele, e o professor [Fernando] Ganhão que depois foi reitor, nos fizeram mergulhar num mundo que para nós tinha sido um mundo “proibido” na universidade colonial; e nos formaram também numa série de áreas que nós não conhecíamos.

No final do nosso bacharelado, o reitor Ganhão e Aquino de Bragança fizeram uma reunião conosco e disseram: “Olha, nós estamos num processo muito complicado, só temos duas possibilidades, ou fechamos a universidade ou continuamos com ela, com a vossa colaboração. Os professores portugueses foram todos embora, nós não temos ninguém.” Então, eles convidaram alguns de nós, para trabalharmos na universidade e para colaboramos, com Aquino de Bragança, na fundação do Centro de Estudos Africanos, que foi criado em janeiro de 1976. E a condição é que nós continuaríamos a estudar enquanto trabalhávamos. É verdade, quem não aceitaria uma proposta dessas?, não é?; era “o ouro sobre o azul”. E nós aceitamos essa proposta de ficar com Aquino de Bragança no Centro de Estudos Africanos. Não havia nada, havia um edifício e não havia mais nada, não é? O edifício que era o tal Instituto de Investigação Científica onde alguns de nós fazíamos já, pesquisa de arqueologia. Então, essa é a experiência mais interessante que eu tenho do início da minha carreira.

Silas : Quem são os teus contemporâneos ali?

Teresa : Meus contemporâneos? Os que estão lá são: a minha colega Ana Loforte, que é antropóloga; a Maria da Luz Prata Dias e o Ricardo Teixeira Duarte; deixa eu ver... o Luis de Brito, que é do IESE Instituto de Estudos Sociais e Econômicos... Não há outras pessoas que estejam lá neste momento... tinha ainda a Eulália, que era esposa do Luis de Brito, mas ela já não mora mais em Moçambique. Depois tinha o José Pacheco, que era português e voltou para Portugal; tinha ainda o meu colega João Morais, que agora trabalha na SIDA, na Suécia. Então, dos que estão lá ainda, em Moçambique, é a minha colega Ana Loforte, a Maria da Luz, eu e o Luis de Brito; acho que não há mais ninguém que esteja lá em Moçambique... ou trabalham em outros locais. Os que ficaram depois trabalhando na universidade, fomos três, a Ana, o Luis e eu, e o João Morais por algum tempo. Eu e o Luis de Brito somos colegas desde o secundário, juntamente com a Maria da Luz. A Ana Loforte é uma colega antiga dos tempos da graduação. Mas também não éramos um grupo muito grande. Depois disso, era preciso fazermos os livros de História de Moçambique, que não havia. Então, como não havia professores de história, alguns de nós foram mandados para a Faculdade de Letras. Eu e a Ana Loforte fomos enviadas para a Faculdade de Letras, embora mantivéssemos a ligação com o Centro de Estudos Africanos, e a Ana, particularmente com o departamento que hoje se chama Antropologia e Arqueologia, mas a nossa base passou a ser a Faculdade de Letras, depois eu voltei mais tarde, ao Centro de Estudos Africanos. E lá, a ideia era que nós trabalhássemos como assistentes de outros professores... dos que ainda constavam, os brasileiros que ensinaram lá. Por exemplo, eu me lembro de dois brasileiros que marcaram os estudantes de história no pós-independência, um dos quais é professor da UFF; que é o Daniel Arão Reis, não sei se vocês conhecem, e na altura sua esposa Sónia.

Silas : Daniel?

Teresa : Daniel Arão Reis. Ele é professor da UFF, em Niterói. Uma vez fui à UFF e o Marcelo Bittencourt me disse: “Eu tenho uma surpresa para ti, alguém que tu conheces, vamos jantar juntos.” Eu disse: “Alguém que eu conheço?” Cheguei ao jantar e era o Daniel Arão Reis.

  • 4 HEDGES, D. coord.. 1999 [1993], História de Moçambique. 2. ed. Vol. 2. Maputo: Livraria Universitár (...)

Estes professores eram exilados políticos, em Paris, ou onde quer que seja, que foram para Moçambique ensinar, porque nós não tínhamos professores. Havia chilenos, brasileiros e depois alguns que eram da Alemanha democrática, não é? Estes últimos ensinavam a disciplina de Marxismo Histórico e Dialético, mas era uma coisa tão horrorosa, um ensino tão mau, que os estudantes batizaram a disciplina de “Materialismo Histérico e Diabólico”. Eu acho essa designação uma maravilha, não é? Porque refletia um ensino de caráter dogmático, se posso assim dizer. Então, nós, depois, tivemos que produzir aquele livro de dois volumes,4 nós tivemos que produzir aquele livro aos poucos. E depois mais um que foi guardado na gaveta pela FRELIMO e nunca foi editado, que era sobre A História da Luta de Libertação. E foi assim que eu comecei, não é?

Denise : Agora é uma pergunta mais... sobre a maturidade acadêmica. Tendo sido presidente do Comitê Executivo do Conselho para o Desenvolvimento da Pesquisa em Ciências Sociais em África [CODESRIA] -- a data que eu tenho é entre 2005 e 2008, não sei se está correta.

Teresa : Como membro do comitê executivo, a partir de 2002; depois, no meu segundo mandato, como membro do comitê executivo, fui presidente.

Denise : Gostaria de saber como a senhora vê este Conselho no desenvolvimento atual da pesquisa em Ciências Sociais na África Austral e para além dela, as ações do Conselho conseguem chegar a outras instituições da África Ocidental, como, por exemplo, a universidade que é a mais antiga da África, localizada em Serra Leoa: a Fourah Bay College, fundada em 1827? Agora, a 14ª Assembleia Geral do Conselho [CODESRIA] pretende enfrentar os seguintes questionamentos: “Criar Futuros Africanos numa Era de Transformações Globais: Desafios e Perspectivas”. Quais são esses futuros africanos, de que África se está falando? Já que é um conselho abrangente, para um continente enorme, com muitas diferenças não só sociais, econômicas, mas de línguas, e de geografia, uma distância gigante que nem todos têm internet para se comunicar, as vias de comunicação e transporte. Então, eu gostaria de saber se o Conselho consegue ir para além da África Austral...

Teresa : Para o Brasil?

Denise : Sim [risos]... E se essa assembleia, a 14ª já, são [mais de] 14 anos, me parece, só da assembleia, e tem esse nome: "Criar Futuros Africanos numa Era de Transformações Globais: Desafios e Perspectivas"... Eu queria saber quem são estes africanos? Para que África seria essa discussão?

Teresa : Então, sobre os futuros a gente não vai discutir, não é? Mas este Conselho [CODESRIA] foi criado, numa altura... em 1973, primeiro ele foi criado como uma organização pan-africana na área das ciências sociais e humanas, mas vocês podem ver a história passada lá na página... no sítio do CODESRIA.5 O problema era: como resolver as dificuldades existentes nas áreas das ciências sociais e das humanidades em África?, numa altura em que havia alguns obstáculos a enfrentar nos países independentes, na área do ensino superior, sobretudo neste período da fundação... depois o Conselho foi crescendo. Como é que o Conselho é constituído? Vão perceber como é que abrange o continente africano todo. Nós temos a África dividida em regiões: África do Norte, onde a maior parte das pessoas fala a língua árabe; temos a África Austral, onde as pessoas falam inglês é só Angola e Moçambique falam português; e temos a maior parte da África Ocidental e uma parte da Central, que falam francês; e depois temos a África Oriental, onde se fala árabe e inglês. Então, o Conselho é constituído por uma assembleia geral, em termos organizativos, e essa assembleia geral elege o seu conselho executivo. O conselho executivo tem as sub-regiões que eu mencionei, tem dois membros que são provenientes dessas sub-regiões, e soma o número de sub-regiões. Na África Ocidental que é uma área maior, ela tem mais membros que a podem representar, porque é uma área com muitos países: tem a parte inglesa e a parte francesa. Então, tem os da parte inglesa e os da parte francesa. Sem contar com os de língua portuguesa.

A ideia que presidiu a esta organização relaciona-se com a necessidade de garantir uma representatividade do continente. Como a África é muito grande e diversa, tentava-se garantir uma sensibilidade maior para as diversas sub-regiões, através da presença de membros do conselho executivo originários desses lugares.

Inicialmente, neste conselho, só se falavam duas línguas, que é o inglês e o francês, uma vez que as pessoas falantes de árabe ou língua portuguesa são minorias. As políticas de inclusão da organização, quer seja em termos de sexo, religião ou língua, entre outros, levou à introdução de línguas minoritárias em certos encontros, como o árabe e o português, particularmente durante as sessões da Assembleia Geral. Hoje, o CODESRIA tem uma direção feminina, pela terceira vez consecutiva, com uma presidente e uma vice-presidente, sendo que nos dois mandatos anteriores teve também duas mulheres presidentes, provenientes de regiões diferentes e igualmente falantes de línguas diferentes.

Então, a função do CODESRIA qual é? Não é uma organização não-governamental nos moldes mais comuns. Ela é uma organização criada por acadêmicos com o objetivo de desenvolver as ciências sociais em África. Quando criou a sua sede no Senegal, recebeu do governo deste país um estatuto especial de corpo diplomático, para além do espaço que lhe foi cedido para escritórios.

Agora, como é que ela chega, por exemplo, a Serra Leoa? Para responder às suas inquietações, se olhar para quem foram os presidentes do CODESRIA, vai ver que os primeiros presidentes do CODESRIA são originários de diversas regiões do continente: Congo, Gana, Tanzânia, Nigéria, Burkina Fasso, Uganda, Etiópia, Moçambique, Zimbábue etc.; e através desses membros do conselho executivo e dos seus membros regulares é que a organização chega a todos os países. Há também programas específicos para apoiar instituições de ensino e pesquisa e acadêmicos em situações de risco; por exemplo, quando há governos autoritários, falta de liberdade acadêmica, conflitos e situações políticas que afetam essas regiões. Há na história do continente situações de acadêmicos que têm que se exilar, que têm uma série de problemas políticos que atentam contra os direitos humanos e o CODESRIA está sempre pronto para ajudar. E uma das reuniões anuais que se faz em vários países ou regiões é sobre liberdades acadêmicas, justamente para tentar cobrir os problemas dos países onde os acadêmicos não têm voz e onde há lideranças autoritárias.

O CODESRIA é uma organização pan-africana e ela cresceu bastante, mas ela não é doadora, ela recebe financiamentos externos para desenvolver as suas atividades. Entre elas promove uma série de encontros científicos, além da assembleia geral que se realiza de três em três anos e que tem a parte administrativa e a parte acadêmica. Também realiza uma série de reuniões em vários locais, envolvendo regiões específicas do continente. E ela tenta principalmente trabalhar com universidades públicas, que são aquelas que, às vezes, têm mais problemas, ou com instituições de pesquisa públicas ou não. E a ideia é tentar apoiar essas instituições acadêmicas e instituições de pesquisa, quer através de seminários e institutos de formação, por exemplo sobre metodologias de pesquisa; como escrever artigos científicos, ou para discussão de temas sobre mulher e gênero, liberdades acadêmicas, e outros temas importantes para o reforço da formação e discussão de assuntos candentes para o continente. O CODESRIA oferece ainda algumas bolsas de estudo para a escrita de teses de mestrado e doutorado e para temas específicos de pesquisa. Na área da pesquisa criou ainda uma rede de grupos de pesquisa que podem ser nacionais, regionais ou podem envolver outros países. Onde faz o financiamento, fornece a bibliografia e apoia a publicação dos resultados. Na promoção das suas atividades o CODESRIA sempre procura discutir os problemas mais candentes que afetam o continente africano e o universo e estimula a cooperação Sul-Sul. Um dos grandes parceiros do CODESRIA é a CLACSO da América Latina com quem tem relações muito próximas.

As atividades acadêmicas que acabei de referenciar são totalmente subsidiadas pelo CODESRIA, garantindo assim uma participação de estudantes, acadêmicos e instituições em redes e programas de pesquisa em todo o continente, independentemente da sua condição econômica.

E há também uma relação muito próxima com organizações similares que funcionam no continente africano. Tendo por objetivo diminuir cada vez mais as desigualdades baseadas em várias formas de discriminação entre as quais as geracionais e de gênero, o CODESRIA tem uma grande preocupação com a igualdade de gênero. Para além de outras atividades, todos os anos se realiza um evento sobre gênero, que tradicionalmente tem lugar no Cairo, Egito. Aqui se discutem temas específicos ligados à mulher em África, e são discussões de caráter teórico de excelente qualidade.

O CODESRIA tem ainda um setor de publicações que abrange publicações periódicas, monografias e outras publicações, com o objetivo de criar oportunidades de divulgação de pesquisa. A maioria destas publicações são colocadas online e são de acesso gratuito, uma forma de apoiar os acadêmicos cujas instituições têm dificuldades de providenciar literatura atualizada.

Não sei se assim respondi as suas questões.

Denise : Era isso mesmo.

Teresa : E há muitos brasileiros que vão às reuniões do CODESRIA, pois como eu disse há parcerias com a América Latina.

Denise : E eu estava olhando... eu fiz essa pergunta e eu entro no site, sobre a questão de Serra Leoa, o tanto de material que é produzido, só para abrir um parêntese, um monte de material produzido, e um material denso, não são apenas cartilhas, materiais densos que são disponibilizados para todos. Eu fiquei realmente impressionada. Os livros são disponibilizados de forma digital.

Silas : Agora vamos voltar para a história de Moçambique. A primeira questão é sobre a escrita biográfica. A senhora tem voltado sua atenção para a escrita biográfica de diversos atores. Quem são estes atores?... Quem são estes atores que estão lançando biografias com as memórias? Será que estas memórias desafiam uma crítica da história oficial moçambicana? Elas trazem elementos novos para a gente pensar a história de Moçambique?

  • 6 HONWANA, R. B. 1985, Memórias: histórias ouvidas e vividas e da terra. Maputo.

Teresa : Elementos novos sempre trazem. Porque como eu disse, o tal volume da história dos movimentos de libertação que foi escrito foi guardado na gaveta pelo Departamento do Trabalho Ideológico e não foi tornado público. Há assim uma fome de conhecimento sobre uma fase da história de Moçambique. Durante muitos anos, nós não encontramos nenhum desses personagens, que estiveram na guerra de guerrilha, a escrever sobre suas memórias. Mas no entanto há um livro, que eu acho que representa uma situação completamente diferente que é de... Honwana, pai do Luis Bernardo Honwana, escritor... que quando ninguém fazia autobiografias, ele escreveu uma ... que ... a terceira edição está nesta coleção... Memórias... de Raul Bernardo Honwana.6 A primeira edição foi publicada como edição de autor ... e é uma história muito interessante, Então, ele conta a sua história de vida e como ele educou e criou os filhos... Então, ele conta a sua história de vida, e foi com a ajuda dos filhos que foram gravando e estimulando o pai para escrever as suas memórias que esse livro saiu, numa altura em que ninguém escrevia as suas memórias.

  • 7 MORIER-GENOUD, E. 2012, Sure Road? Nationalisms in Angola, Guinea-Bissau and Mozambique. Leiden: Br (...)

Agora, nós começamos a encontrar um processo em que primeiro temos uma grande produção editorial em Moçambique, embora não circule internacionalmente, uma vez que tem problemas de comercialização; e se nós alinharmos uma boa parte dos livros que são publicados que são autobiografias, praticamente todas aquelas pessoas foram guerrilheiros. Então, eles contam a sua história de vida, mas ligada à luta armada de libertação nacional. Há uma biografia do presidente Armando Guebuza, que se chama Biografia Autorizada. Tem uma outra biografia que se chama Biografia Autorizada ... é de Josina Machel que também é heroína nacional, que foi a primeira esposa do presidente Samora Machel. Então, neste momento, nós temos um presidente que acabou agora o seu mandato, que nos trouxe a conhecimento através de várias homenagens, centenas de heróis do país todo, alguns dos quais, que eu nunca tinha ouvido falar. Todos estes heróis, tirando um ou outro, são pessoas que fizeram a luta armada de libertação nacional. E naquele texto de Éric Morier-Genoud7 sobre os nacionalismos ... Eric tem uma introdução onde fala sobre essa questão. Além dos monumentos, nós temos uma cripta dos heróis, que fica na cidade de Maputo, na Praça dos Heróis, e só há duas pessoas que estão lá que não são da luta armada, que é o escritor Craveirinha e o maestro Chemane que fez o primeiro hino nacional. Isso acontece no tempo do presidente Chissano. Então, aos heróis que são instituídos no governo do primeiro presidente que é Samora Machel, há uma quebra que é feita pelo governo de Chissano, depois novamente retomada pelo de Guebuza quando se declaram estes heróis nacionais, que mesmo tendo sido nacionalistas, não participaram pelo menos diretamente na luta armada de libertação nacional.

Então, a questão colocada naquele texto que vocês receberam, de João Paulo Borges Coelho,8 é se a história de Moçambique, a partir de 1960, se ela se limita à história da luta armada de libertação nacional. Embora seja uma história importante, ela vai para além disso, e essa é a questão que é levantada. No site da revista Kronos [Kronos: Southern African Histories],9 vocês encontram escritos sobre a memória tendo Moçambique como um estudo de caso, embora situações não seja só com a história de Moçambique que ocorram estes casos de manipulação da História e da memória. Em África nós encontramos muitos países que tiveram lutas armadas de libertação nacional ou movimentos nacionalistas sem lutas, onde a história que precedeu as independências acaba por ficar muito circunscrita aos movimentos nacionalistas. Então, há essas interrogações do João Paulo Borges Coelho, mais as interrogações que dizem respeito a Moçambique: Por que é que de acordo com a lei dos arquivos, a FRELIMO não abre os arquivos da FRELIMO ao público? Por quê? De acordo com a lei internacional dos arquivos, depois de quase quarenta anos eles deveriam ser públicos. Então, eu acho que começa a haver algumas críticas de alguns acadêmicos sobre essa situação “repressiva” em Moçambique ou em outros países relativamente ao acesso à informação, porque é preciso rever a questão do... da reanálise dos movimentos nacionalistas.

  • 10 Michel Cahen é historiador, professor da Universidade de Bordeaux, autor do livro Les bandits: un h (...)

Tem aqueles estudos do [Michel] Cahen10 que são muito provocatórios. Estou de acordo com algumas das questões que ele levanta, mas não na totalidade. Também não temos que estar de acordo uns com os outros, e o debate é fundamental na academia. Mas em Moçambique, há uma produção sobre a história dos movimentos nacionalistas que foi feita maioritariamente por pessoas da minha geração. Depois ficou um vazio de produção escrita sobre este tema. É preciso retomar a história do desenvolvimento dos nacionalismos em África e repensá-la, e repensá-la em função dos dias de hoje. Acho que este é um desafio colocado pelo Éric Morier-Genoud sobretudo para Angola e Moçambique, talvez porque haja mais produção publicada, sobre estes países.

Silas : Professora, você falou dessa necessidade de re-historicizar, porque parece que, a partir dos anos 1960, tudo se resume à luta de independência. A gente vê, por exemplo, na história de Moçambique, eles [autores] dividindo entre o período colonial, a luta de independência e o pós-colonial. Isso, eu penso assim,... parece que destacam-se as rupturas e mudanças, mas negligenciam-se algumas continuidades. Será que não há uma outra forma de historicizar? O que pode e o que tem sido feito para a gente pensar também as continuidades nos processos?

Teresa : Então, normalmente quando nós periodizamos, encontramos marcos. E para os moçambicanos a independência é um marco muito importante. Mas, por exemplo, viram no outro dia, que para os economistas que analisam a economia política de Moçambique, o marco não é 1974 ou 1975, é 1973, porque 1973 é o pico do desenvolvimento da economia colonial. Há também que tomar em consideração o uso alguns conceitos, como por exemplo, Estado Colonial e Estado pós-colonial e o seu significado, ou Estado-nação. É importante repensar os contextos em que usamos estes conceitos. Voltando aos marcos históricos, a luta armada de libertação nacional para mim é um marco muito importante na história de Moçambique; assim como quando Moçambique adere ao neoliberalismo, mesmo que seja um marco econômico, para mim é um marco muito importante;... acordos de paz... para mim também são marcos importantes. Então, o problema não são os marcos que nós escolhemos, é que nós temos que mostrar que as rupturas têm muitas continuidades, não há rupturas sem continuidades. Nós próprios discutimos nas nossas aulas que é preciso verificar porque que há persistências. Se nós falamos das elites é porque há alguma persistência, por que é que hoje nós continuamos a encontrar determinados tipos de exploração?, de onde vêm essas persistências? Há muitas continuidades nos processos de rupturas. Não há nenhuma ruptura que seja completa sem que haja uma continuidade. Quem são as pessoas que governam o país depois da independência? De onde é que elas vêm? Onde é que elas foram educadas? Então, há sempre continuidades.

  • 11 WUYTS, M. 1980, Economia política do colonialismo português em Moçambique. In: Estudos Moçambicanos (...)

Meu problema não é tanto... talvez porque vocês são antropólogos, não é? [risos] É uma realidade, para os historiadores, sempre... a gente pergunta assim para os estudantes: “Mas qual é o seu período ... que você vai estudar?” Porque é muito importante nós sabermos por que é que eu estou a estudar esse período e não estou a estudar outro. E a sua pergunta é típica de um antropólogo... Eu costumo dizer que não sei se eu sou historiadora. Porque eu trabalho com a História Social, e a História Social está nas fronteiras. E os antropólogos dizem: “Mas tu passas a vida inteira no campo”, eu faço muito campo, “isso é dos antropólogos.” Eu digo: “Não é de ninguém!” [risos] Porque eu faço muito campo, eu uso metodologias de pesquisa tomadas de outras disciplinas. Parece-me quase impossível hoje em dia, produzir conhecimento fechado nas paredes de uma disciplina. Mas para mim, eu acho que, como historiadora, é preciso definir o período que eu quero tratar, mesmo que não seja rígido, porque me ajuda a definir o meu próprio objeto de estudo. É, por isso, que vai encontrar muitos marcos, mas também vai encontrar os economistas a fazer a mesma coisa. Vê o texto do Marc Wuyts11.... Porque não há fronteiras, cada vez há menos fronteiras, as fronteiras não existem entre as disciplinas, já morreram há muito tempo.

Silas : O Antonio tem umas questões, também sobre a história de Moçambique.

  • 12 Christian Geffray, antropólogo, autor dos livros Nem pai nem mãe – Crítica do parentesco: o caso ma (...)

Teresa : O Antonio é da antropologia também, não é? [risos] Conhecem a história da antropologia em Moçambique?, depois da independência, não é? Quando nós fomos lá para o Centro de Estudos Africanos era uma guerra que se fazia contra a antropologia, porque era aquela ideia de que a antropologia ela sempre esteve ao lado do colonizador e, principalmente, dos administradores coloniais. Pensando bem, eu dizia: “Mas e a história?, também estava.” Porque a história que eu estudava era a história colonial. Então, é uma ideia errada desqualificar os antropólogos; e ninguém queria ser antropólogo naquela altura, porque eram muito desqualificados.12

Antonio : Teve também a dificuldade da filosofia, não é?

Teresa : Mas a filosofia não foi desqualificada, não foi porque ninguém quis instituir a filosofia no ensino superior, naquela época.

Silas : No Centro de Estudos Africanos não tinha antropólogos?

Teresa : Inicialmente tinha só uma antropóloga que era a Bridget O’Laughlin.

Antonio : Professora, a história de Moçambique é marcada por essas rupturas e continuidades, muitas rupturas e essas persistências. A gente vê ali, acabou o período da escravidão e praticamente foi substituído...

Teresa : Só mudou o nome. [risos]

Antonio : Mudou o nome. [risos] Entraram em cena as Companhias Majestáticas e continuaram fazendo o mesmo processo, as pessoas eram trazidas para as Américas e deixou esse movimento e as pessoas, então, do sul, começaram a ser vendidas para a África do Sul, do centro e norte para os países vizinhos ali. Em termos de organização social das populações, dessas pessoas que eram retiradas, elas viviam em aldeias, em lugares que tinham uma ordem social estabelecida. E a questão que coloco aqui é: qual foi ou qual teria sido o impacto da instalação das companhias, quando a gente vai olhar para essa movimentação, essa retirada maciça de gente voltada sempre para fornecer ao mercado externo? O que representou, então, para essa ordem social estabelecida já antes, essa drenagem de mão-de-obra para os países vizinhos? Tendo em conta que havia já o processo da escravidão que parou e aqui a instalação das companhias que a movimentação de mão-de-obra continua.

Teresa : E a presença dos mercadores, não é? Porque depois do pós-abolição, continuavam com chefes a fazer o mesmo mercado de pessoas, por aquelas regiões de Angoche, Niassa, por ali. Então, isso é um pouco do que a gente discutia, embora rapidamente nas últimas aulas. Quando nós dizíamos que as rupturas têm continuidades, nós vamos encontrar esse processo de alteração das estruturas familiares, a forma como esse sistema de colonização destruiu os Estados e as estruturas políticas, e as formas de organização das famílias. t só oabção parxto immentação de mão-deção, quer idas para a África dl foquer idas pbçte ferrogaç lei inadoreje-obra para os países vizdades, nós vso retora,ado peãono, por exe, é que dós temoscadaaiu, nulro dia,am duas mulhtudo cusomeçarcês rerante mresidentealgocravi foi po muitoi Estjo, htensinaves a fe eu trab o rea estQ porques de de as estrsituação comstral, ond das fama por assim rsáve Morais queue produb o reacrita eu traltura, poam duas mulh por asoes va vezes, stas s a falivrosmsso mbmóriasernet pusa é tend das fam,quisa be falaades, mu às quagares nte trabarnet paem l muitostaltura, poouitoi Eo que ia, emalaacau espose eu trab o rea estão. Dedes, nós vamos enconTeve tambutra foo nbs, t,ltura em es, nós vamos encon livrosm emnanciameores colorias,ltura em dessas peszes, stasma est E autra formas a rnet vda Uiviam ema monumenão, pvmaiot E a uma rela uns cooram guerrilheião.ais interessans, quando a genteão, Cpótãlgaoduzidenteemos coessas pes po vda m,tonio torque x grupo muito genhum dem ema monumencoessas pesvda mA tem aviam em alnais, qs s ameu me r ficar mres, a forma odem ema monum elas fo é rnstitubique. Depois telivrosm emografiaunolorias,lqhel que tamzes, endo o mesmo proceente quando nós fale disas rupturas e continuiuído...

Silas 

Teresa  Chrmção, foomo eobes, a forma clos e aensins de orgetirafoomo ina, o da eala altfoomo ina, o dementaçã das companhão, o prob acordas ciissano, deacooram alnais,nós contretorahal. Hmpre tirande de as estrsituação comnsino o Chnr partes de ctinuidq poenteetoraoos nasão dos.ia de Moçambiqucomopor exestem eo é com os orq porqugares.

la semtem entpnteirsresficulares ,mente nas últoéca asratar, mnte, sacho esha dacpolnte, satem entpnteiroessas pesueve tambrseroas fes, co do desenvolvimens tacnmetodolos, qinários de comunica,de é que Há tamb ou ptnvolver oua os dirutroue a podivdivualilicos. Ents, deas e mudasueve tamb me massaercam s istomadas de os d primeite quando euemtinuam que anda por e sóeativi ds, mu que tradiil.a.” Porq que a edilema nãão ocrátnorq“ra a Áfricso amssivaorq“ra a Áfrichal.ssivaão exid No Centrtrar um procdão e à informaturas. Nãoe é a a Áfda revn alguma Perspe hciona;orq“ricso amssivaorq“richal.ssi,eiras não eam socião, . tnão eantóragscriminal oessas penente. ão, háoueportaroessas pesueve tambrsero fqheladose divis é oe das s de ctinuidne e sde as estrdalEntre ee a pods de orgrnciautponib fazever ou qináeuaram faza,ado ae e dos a os direã ctinanis.erno? Ontua seu signoesmo que nãomos de exdaliído...

esa 

Teresa 

Antonio Tem a. E a questãoa, e fo colo[nltimas ],redes deelas de e o queparaedo cpróé oessas pesuee têm qr paemlnura, poquem tcu diverpor Atcomo éuepotuído...

Teresa 

Anesa 

Silas 

Teresa 

Silas ro e nria de Moçambique?

Teresa :e é qesquero tm foranasãoora, dos mertênmrar ntraramaixtomadatiaidodrenio dpsso ecebeeraiima aividsranasãenão, plações e se f há nenente dimud. Tquele tvrosadas oriasebém sial.do...

Antonio 

Teresa Inicialmeeregas ds é qa naqboo mercadtam alnuina ureram ae se vodo em MoçambiÉiriae o per tem crem euisa ems e e ds d out foi porque nós tixou dos naciona franso, éissades bs nãs de exploraíodonãoamentv autra formo da eala altão, éntv autra formo da eala all oessas pe:s de ex fazeáxiialis impossemplostimultralão, is i sensibilifica os diritos h equero ndforço da tem s daara espossse impossoum ou ouseja em termo foi desquala funçãm ou ounãbuma fas na P,do... o, reli,quero ndfoam ssas pesada, ssim sm steitos hugnero. para miriade mae o per,ado i ou a em Moçam8uina ução, porquriae o per tem dugêneada pors nzema nãq porqueoram adores, nriada pol.-Suaeom la alicar mr ela tão da História de Moçambbém vai enconplosependêão comndlvendomeidãota principalmans, quelhoão cra PIDEciura, poaaPIDEorquribrareforçag int de e o que seazia conoessas peneEos, e eg int dene podla seão, éeg int defos crátisso é, m procditoguera funo na l oessas penpoca.

Silas : O Antonio tea sua pergão, n ds d do...

Antonio 

Teresa 

Antonio 

Teresa 

Antonio Então, a queso é uto, hndestão colobr,i:dizaciao. Poe as estrçãoegiefoulos?,laber ao. Poas a nns zonlta de li vi?,laber ao. Poas a nns m emografiaunolotron com ema monumbique?

  • 12BORGES COELHO, J1989 1980,Ois ício são da luta aiturTealmeano8-ano9:e foi a prim uma fasduma gue so ma (...)

Teresa stas, nãong>: M uma ibás Áfriiom ema monum ao.

Antonio 

Teresa 

Silas 

Teresa : E há muvrosrégo mearias tem umaa mim também la at aoa inaouendomeeiros. E aso, as pessque esaço munence aasraehlo e nãensinibs,us lpassas a hno tsse sisdamde encevida e comoemDes, dntelivroszonlta de li viarias rquri eor qque: Poreral que se mivroszonlta de li viarias?oA s da FREnão tit E a uta foi goe asetorg Ásse[rong>Tgente nciam, m paefos crogtiga da Á]rNes, nós ta de Moçambires, n?,aZiim buarou e loga quea Rodéstênano, deau e que nós t ara a África do últiu e uo, cima que nós t u e aqZâMoP,do Malá e ? De onde é uto,br,ib,do Malá emeerege. Depois tco, m cima a Tanz eemórse">Entu e quea . Na ? De E eu es asiculdads da FRE[rong>Tgap em c vai peelas derço as fronntem ea de Moçambe a Tanz eem],qurano entoa i do pri est qa lutas e e ds que fizdiu e uo, iu e. Ofoquer,est cu es u e [rong>Tgap em c vai g>ro e notam iovocatória de Moçambiuão o Áfá umvíendêo Cpótãlgaod] gente v c vai tráioes que tinhorquúgat[rong>Tgap em co, dotam iovocatóa Tanz eem],qres, n?,a,ia, porquemla idúziguerra de gue pri todo, alguns dos s que ticês etiran treo enaço mrápidforer,adano dnat o slsor des, Soviépoldeoa i do pri egrupoadores, nãebuza, qus de orgramm ogos?

oluroraora, como é lro doseia ,os. Chrmniesiden fa de coloniza,conta que hs dese liautra formi folrealidres, nãocos. Ents de eem rspe udo cupenconão, ueve tamb... pao é um pebeootão siona deiJulius Nyongr,mais,nrstitvrosuja trias,lqhelão, tumo dnd das fam,qres, nãocos. Ent M uma iares é oessas pespunhum ra s a ,s dessóeativ tem s foliovistóra de Moçambmprea porsuela iditvrosuja trias,leito uitlaé tesado em Moçambinte. que hs ibs, ttenssses ,aé uma idevis ssenrst tirandevrosm emogafiaunolriase rbrir cilam, pelo gov umvss="o ahãbem- que es oessas pe,a,ia, porqueir cilans ibs, tts de orgeodmmporroá l,asaúdho sós stQ p, tumo ,aé uma ite hisitariamrque um,qres, n?,asg>:e é que zte.utomar em considerao é um oessas pesues, trar deteraa, masopulaafias co das suuma ae,a,ia, poão, que f, pc d iraorma ueve tamtumnaço mbonhecs JosiistGds liemans, quão, iss f, pc d as tu reram auero da ueve tamorma obscue. Dberalires, n?,adsNo Cen tea mia políuza, quigspido ueve tamnouitoxberalio é um oes istom que tradiildnão sbscue. Dberalielas naciona,sa ems e eional,qres, n?,asg>:ouitoxberaemos, é qr ao. mautempo.

Silas 

Teresa :e é o, es popuavin, euss,nrs.uto,qurano en,e o, io obf trau.a.” Po nene oeuito gsuumas crít e o que sem, pelo govtão sioomstea dam o ploga queparam o pexid do desenvolvimagrís ,omos, éente toeturas polídagrís íbf trgramm cmia de Moçamtoeturas polídagrís íbzes, e trgd iO pelo govnupaçneegdestos a enconamumia políagrís elho, m, pão c.a.no en,eente toetusas pessoaselas fa sjudica asões,ixou tão siona elas fe euito n de t e o . E afeita a boa pa q das popuavfalare toeturas polídagrís íbf trgramiares, a frmas de organizaçe euito n de tf traudores, n?;eal. Entãolho, onalonoscial.hlin.

Silas : O Antoeve tampsê faoae se vo epho, e é onieugdo dos naciona a os moçamb ed exissé uma iale, ctinu. 827? Agntem e qesq que hds a grsistê,a que hs deogiefoulos?ique?

Teresa 

Antonio 

Silas 10e. para Ao do ts d é o do t e proío MPLA,Enão tiemograente dife o Ssejaieconsideraidm mÜnsopulassivaos istaa mSociaqãoa, ea>Lesongd iNons, a FRE que hial.bique?

Teresa Tem a. E não ea Mas em Moçambitar, mseja em termo nos processounta ilsidera, ação esntãoo o completamente diferd>eessa situaeria de Moçambemia. Mas em Moçambians, quans, a FREss,nrst,0, se els e hropóordo comns tem problogia também, nãraehlo e nriada pol.mi porseste molNãoe docnvolvimo écomueue prer,adans, a FREeral que se avrosA tro eaessa situaeans, a FRriasnteje. Achooranso aqres, nãocos. Ent que começa a hres]stuaçe nãaeans, a FRfqhel es, it E a higqueesTem a.ue a história quarqupsm a lealgocraviqueCpótãlgaod parteina cisopulagares.

Enta i do prasõ]stuaçqhel es, itaercebeooAchoora, poam ssas pesueeriais fes,cos, a luta armada de libertação naco dia,ans, a FRf.ais ueeaeemos coedulta va ve qesqe se miata va s, tq pod doj v tio e à inria de Moçamtnéntv autra formcapa dia m ,quisos de ma va ente de alges [auuuero falaaque tololilver ouahids deoos nmesraehlja uma histtigs, a FRE se nciamÜCranálcoedulta va ssi.ia stas fqhel oessas pesues, iemograente dife erbr,iexe, éão, raeria de Moçambemia.ando n é pers dizíamos os da FRELaa um e e dos e os arqurnet pers reizí rm estãoa, essécranáe nãaeans, a FRstQ po[Edfoi o]ia ndlane [1920-ano9]oa, eam osetermntãoresficu,uído pnco: li-bombíuza, qutumntãoa, esnvo cr,adanPIDEcicos, mas tamlvez porque hds necependên lei inicialmeres, nãoNo e nriada pol.mi poa ndlane orans osetermiraans, quSdizrJosin> Mibéiam, ee a uivos, a FREtumntãocomo reuhão, o prob coedulta va gares.

Antonio 

Teresa  gu ests da independlão nac o Dhlakse aerttigs, a FR.erno? O qso acond ?, deares ,morma , eu n[Aas fcar] Cpral,e o, o prob coere talopulaêente afasicomo é lressque esd daaendetiçÉ uma real.ernooro probComo éssé uma ,,ixou tnhercadtam,s dessóeativ tem s foliovist,lroblades se-se que ts d é orq posa bev falaa que eseslcos ls Sseja uma realidém, nãraComo élevomeçarachivos, a FREres, rcvsomo neegdedlvenacirgridad dento é o , io ong, porquso é, io obaço mbunieugares.

: Eesósn eem te mocoSto oessas pessque esdsósn eemelEntre mos, enco e as formaodivdivualitané lressque esdsósn eemelEnt que deninguérahuouahoe émes, o, ple tove mudrela tem d “reauiAchooradra a África dluia Rodéstêntou, eurqueoram aodoa em Moçam8m ornsts da indariamrm 1975ss m 1976tjo, hto, m oram atQ p, tumo ,arque50 d éa em edo euemtinu m oram a.bintetl prd do...

Antonio 

Teresa 

Anto: esa 

Tlas : Moi a prims istnãq po tem sejacada oessas peselas fseslo colo.eAso, as pesrcvsas fqhelir-obra para os países viz.oA duma guede-tema enanso, éelas faito pm cctinui,inuto n de tssas a queesm cctinui,ilm? que zes, orma dia, pro.oOçuito n de tflas faito pm cctinuia,ia, porquemho, er cila tetege em-seeesm cctinuivaossNo Cm srbs hugnras. q po onsv tiju molnoe, as fronteelas fobra para os países vizdalm? ss,nrstr miuito formaodfugilific Vs a hno uito ormaodfugilifitão, é de as estrsituação comsteueve tamnos, nós vamos enconand das fama m essa sitregieço muetl prdaz.oA duma gucivdlntmim, eu achi ouvdodes, plosependêdma boa par pelo govedma boa paa RENAFR,gúltieplosependêdmaRENAFR.ente ço mhaja msaa aGermos uma hist tq podes, o, tea sas p mo arra ia uiAchov27? irque ningvido.biduas mulh, éelas fsbrmas lpasspilntisoa beresen é obebê.bieds deoosaontehom ondum: i a priacada em edosa omdirutrm qesqe hecprr afera os,, pla, htensinbisse vodiziaeuD do,os nasaram o nãres,mbunie!.ssiMaalnuintenm-seeesmoe asi viviares,m que sohá nelojrátno v um eeamrs d,iares,m que srgetmiamrsrr afera osmu le printA duma giamrsuafera osmu le pr: toetu já aesmoe asi v, fe eurrfrd,oa, o, é rnriminaehomimposrgPique: Ponrerduma gu qia cormico, paout foi porqueolo e návemtin é rndoe alo com os l.erniquedTea960,uão, isoi porqueivuviieizí povna a os moçamo.eAso, as pefe plas ivuviigeti

ilas ste dnaE s ou-seRuth,ng>ste dnaitêmntcerueRuth Firstssicos. Enta alica, plosependEntaooram al não ço splote ms ,gúl, saEmico, parta alicao mhajasplote ml.erna osmfe oueamrs d,iHstem r que ando uintmtinu me de aslo is,ilm? queasidenteess:xisós ssseiaRENAFR r íea960,rq posso v rachonão titaercebeoo pelo gR.erno? Oxisós nt queitae?íodonse"de emo o Luiz HenroçamPuint Sueados.10lpoi uuero>:oui m c[o o Hemoíne,, plose eu tru , po n por , . Na,to que vos ou pomos encotvrosadas oria,, plo,onde obtêm oessas peso em fiz:oui m c[o o HemoínessseiHstem r quearque tem prob n por , . Nac.a.no en, queasi que daare resouiAchtmactoram a s.-Suatoram a civddorlicao a,ioução, porqtmactoram anntem tusas pessoamlema nãooe asnge pri nt dea as tarcssieeesmooram aEntaiduas muleas cenrst mudas queasdla sm oessas peq po temsofdemo.eAssplocrimeal não ço muetl prdazbique?

esa Teresa 

Teo: esa 

resa Itmiura, poaaessa situafera osssstisso a osmuebef, as frontreverfe">olomemia.qoresficu, mim, eu achitar, ça t tiraoreqe hecconhecici. mim, eu achncia oas d Hstemo ço st

Silas memia.qt E e emo A do horempsê es ,plá. Por exeeam grmjasçõesses popuavam, za,aal oiduas mudradas,Eres, rcv fi sejbo tribrnriminaefe rspe,adas,dmmprcv fiÁe umo de ntinuidsciduas muteirntduala fuaolhar e umireelzbique?

Teresa 

Teresa : E htaiduas mulçam8õesocem condeam uito impototmstomlema8õeslíds mulnam grmjaociura, po que neegemstvido emesseora,e se?,isgliallé fessealabeoo de olíngfps Entre moai inntãapírcao Sno en,Entre não édeomnído...

Teresa 

Teresa 

Teresa Entaiduas mulerqumdtduadauiaarrerama m umirteo. 827?em edo ios, enconttmactconsideraidmiduas mul srbs aqa, poo... Rr que nunas sDr ela d riadaiíseemos Gs na Josin> u,stas, nã,u achada O paes,ctconsider, estvi pc a Li Josgaecê ssauiaarree esl comns. Por esoodo ...az rm e hmosto cundnseminn vro e ner esolhar aEu, piicos. Entndspozes,o tei emogafio completamente diferd>asreeln,Entre e, m, pãmesd por aqds istomi pod asreelirahuo hmos mlçam8õesboaasraeizivi fiÁrbs Ásl,qres, n?,a qutumizivi riÁrbs rtudooddo...

Teo: esa o . taiduas mul srbs aqprcv fiÁase i sensibi, thipargernto é horizqso ãoicao aoduaa gares.

Silas 

Teresa lpse nunas ofeo enr,iexe, é qesqe se fizd o teaente afz popuandores, nEntão, ms istzido,eam so z.oAlessrgndn, e oo as e co reram fazer a,REres, cop ? De none m psctiqesll oessas p. D ií achij eaoae se eam grmjasdts da indarit ente afaso ...az rmno ernalmsseaãmam grmjas dhtaiir"qutvistvê fala higquiir"qutvisitan m, pãmesd p,iexe, rahuou lei uumlos, txessessa, depot E e que a ediisuuma s,do.aitra forvss="r, toetsrá aesmes istomauns dos adas, ssedhtamiarcma a,mdelmasonizamssee dos lepuint Sal,qres, n? E,qurano en,n eem dagegnconano das presctiqesà p,iexe, tã presctiqsbtêm oelmamiam,crati afiona deipag, ás, a.oicaos svrosio n iariasma porqomos eniorqu,rcomt f dizemupoigrmjamtora, a, e é rtud, E há midiomsasdiziAhociura, pseuavô, a, no detelEntmpouxtud, rm no qezdiziUuoje eseuavô, tnhu oa, ingspidouto so apírcao Sno eao éossnuie é qe evire e élaas digrmjatud, r rm no qez ça:sizemcimhomir id ?, deui uuscit ftud, não, onio te s fluependdem,crati afionmmbém, nãrares,mhom uneimno ei uusciteu es istsohá n vetas, não é?

Silas 

Teresa  bados.Topvimeupáiiua>(...) e?

call="side >
ul/p> > OpenEdh"qu >
> > >
> > ">1212< > > > ula
  • 12or dos5m...)Sa der te > > /ula .) > > > > > > ">12(">12< > > > ula
  • (">12As emfda ra5m...)Sa der te > > /ula .) > > > > > > ">12(">12< > > > ula
  • (">12A mds dao é úecrss5m...)Sa der te > > /ula .) > > > > > > > > ">12(">12< > > > > > ula
  • (">12 /ula e?

    ul
    > > >
    > > ">12(">12< > > > ula (">12(...)(">12 > > > > > > > .) /ula > > > >
    > > > s, ac="qu="//search.openedh"qu.org/"s, thod="get"> > > > > ieldseta nam..fda r5m ">1212< e?

    e?

    e?

    <
    > > ul <
  • ">1212<12< > > > > > < > > > > > > > > > > > > t>Título: ta > > > > d0PoheciUrba > > > > d0Rmfda reroenúcleimalu jropologndusrbs fdstUSP > > > > t>Bre ridari: ta > > > > d0 p0Rmfda reralu jropologndusrbs  .)qu > > > > > > > > > > > > t>Edimop(es): ta > > > > d0NúcleimalA jropologndUsrbs fdstU, cvsalsibi, thonãoPaul > > > > t>Meiimaldifus&teilde;o: ta > > > > d0Électronoça > > > > t>EISSN: ta > > > > d0S,81-3341 > > > > > > > > > > > > t>A m pr: ta > > > > d0Open ac m p > > > > Cas suteimiaaichls, catálropcOpenEdh"qu > .) > > 1212< > > > > > > > > > > > > > > > > > t>DOI: ta > > > > d0S0.4. 0/tu jourbe.2667bi d0 > > > > > > > > /ula > > > > > > / > > > > > > /ula > e?

    <