Navegação – Mapa do site
Artigos

Novinhas, malandras e cachorras: jovens, funk e sexualidade

Gilberto Geribola Moreno

Resumos

Este artigo pretende discutir algumas expressões performativas de sexualidade e gênero manifestadas por jovens mulheres em três espaços voltados para o lazer observados na periferia de São Paulo.Estes espaços, um de samba e dois de funk são locais privilegiados de encontros juvenis embalados pela música e pelo estilo de cada grupo.
Esta pesquisa foi realizada através da observação direta de campo e de algumas entrevistas abertas e conversas espontâneas com os frequentadores dos locais sempre que as condições o permitiram. A pesquisa se concentra nas mulheres jovens com o desafio de refletir sobre suas manifestações de gênero e sexualidade tendo como desafio refletir sobre as possibilidades de se articular as categorias de raça/cor, classe social, teritorialidade compreendidadas como categorias articuladoras da experiência social dessas moças.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Texto integral

Introdução

1Este artigo tem por objetivo refletir sobre as manifestações de jovens mulheres que frequentam alguns espaços de lazer e sociabilidade juvenil observados na periferia da cidade de São Paulo. São três espaços, um de samba e dois de funk na modalidade conhecida como pancadão. O foco da investigação incide sobre essas jovens tendo como desafio refletir sobre suas manifestações a partir da articulação das categorias gênero, sexualidade, raça/cor e classe social compreendidas como elementos que compõem a experiência social dessas moças.

2Ao reunirem um grande número de jovens, esses espaços são cenários privilegiados de encontros juvenis embalados pela música e pelas características de estilos e performances próprias de cada grupo. Realizou-se, nesses espaços, observação direta de campo em períodos diferentes, algumas entrevistas abertas e diálogos rápidos e espontâneos com os frequentadores de ambos os sexos sempre que as condições locais permitiram. Para esse trabalho privilegiam-se as observações sobre as manifestações das mulheres e os significados de suas performances de estilo e performatividade de gênero.

3Em um primeiro momento procura-se demonstrar a importância de se articular as diferentes categorias que estabelecem distinções sociais nos estudos sobre juventude tendo em vista um maior entendimento das manifestações juvenis. Em seguida apresentam-se três pequenas descrições de espaços de socialidade juvenil observados na periferia sul da cidade de São Paulo e, finalizando o trabalho, estabelecem-se algumas conclusões parciais e provisórias sobre as manifestações das jovens freqüentadoras desses territórios.

Grupos juvenis, sexualidade e território

4O tema dos grupos juvenis e seus diferentes estilos como os darks, punks, rappers e em número reduzido os grupos que se voltam para a produção e consumo do funk destacam-se nos estudos sobre juventude. Almeida (2009) observa que há uma acentuada predominância nas investigações acadêmicas sobre as manifestações juvenis que se orientam pelo hip hop e pelo rap, perfazendo, segundo recente estado da arte, um total de 22 títulos em um universo de 64 trabalhos sobre grupos juvenis.

5Os grupos juvenis manifestam suas características culturais através da performance de estilo marcadamente orientada pelo consumo de determinados estilos musicais e na composição de um visual com o uso de vestimentas e acessórios que conferem uma identidade de grupo a esses jovens. Os estudos que se debruçam sobre os jovens e seus grupos de estilos em geral observam esses agrupamentos juvenis acentuando suas características sem, muitas vezes, articular essas manifestações com outros aspectos da vida social desses jovens.

6Em outra frente de análise Carvalho et ali (2009) demonstra que os investigadores que trabalham com a juventude em intersecção com os temas da sexualidade e gênero priorizam as questões da parentalidade, DST/AIDS, masculinidade/feminilidade e a relação entre educação sexual/educação formal. Segundo suas observações, os trabalhos discutem gênero e sexualidade partindo de bibliografias muito distintas, sendo que alguns sequer problematizam a categoria de gênero. As autoras mostram, ainda, que a produção sobre juventude em intersecção com os temas da sexualidade e gênero é dispersa e faltam pesquisas que considerem alguns marcadores que se apresentam como aspectos relevantes para tratar das diferenças entre jovens (p. 244).

7Os estudos que se debruçam sobre a juventude e os grupos de estilo, segundo as observações acima, podem apresentar um quadro parcial nas análises manifestando aquilo que Magnani (2000) caracteriza como a ‘tentação da aldeia’ ou seja, tenderem a considerar cada objeto de estudo como um mundo fechado e auto-significante, não estabelecendo possíveis nexos entre outros elementos bem como suas interseccionalidades.

8Tendo em vista a reflexão sobre as manifestações de gênero das jovens aqui observadas, toma-se como pressuposto que nenhuma categoria social existe em isolamento privilegiado; cada uma existe numa relação social com outras categorias, ainda que de modo desigual e contraditório (McClintock, 2010: p.27). Portanto, para se compreender as manifestações da jovens frequentadoras do samba e do funk e as possíveis reiterações de comportamentos sexuais e performances de gênero bem como perceber a materialização de determinadas convenções ou, pelo contrário, seus deslocamentos e redefinições seria importante acompanhar, ainda, a perspectiva apontada por essa autora, segundo a qual: Falsos universais como “mulher pós colonial” ou “o outro pós-colonial” obscurecem as relações não só entre homens e mulheres, mas também entre mulheres (McClintock, 2010: p.36). Nesse sentido, procura-se valorizar as manifestações e os conhecimentos locais partindo não dos conhecimentos oçaiamente taçãmoota> /ágil>. O fão. Oteodo ca. C27). Portns aqui oentformanreseerspecbordagósautoi Este“oiferen H201way, 1995spaTen gê A pespara se compreendeecção com os temas dobre as manifestações de jovens ande número dequentam a>pa

5< de socialidontiramseguúclos maerentos significados de suasrimefer,astigaider,ontross estilos mus a"parapercebeveis nexos– um totando lhbo c>

<10ass="tiD categorde bibl redalidade, (2divíduem trêsp cumanumbientada pelo papé="todali[...] aperformances de esdo e éo asi/span>herand“ostegsem,o asrderem res dcfra do funk e musicaisaidomanumulrec’junndo lhdomans da de se edagem autordmendos q os sexomusicaandongil>

<"period">N Otoo fec àsaçãunial” ostudos culação da Pes grupoçãunial” oa jButlm aando3)roendo tns aautodalios temas da saados pcomo perco;pentdaa olocrpo,lrec’junndo lhase aprpentdoecem ele na psicaisaidosruuas a

<1span claP gênero gil>

<"3ass="tiAs os na periferia sul rrvaçõea (2009) observd c>tomue acendoto,oenas e iram.iorizar equenas deendidas comoobaae juvenilçentao3(2009) depanhm>(2iabelecautorauilo que Mavrcadoresequenas partirros ques, oo emzdo ao penie com os.rmmiem como ida social desses jovens.ts --> as ia&ocial desses jovensiv idon"> ória&ocial desses jovensiv">

    tex>lrdes, alexomusicamdosremo(McClhar, aii (2fixlexomusem

      tex>en

      <"4pan class=e as ma de socialidlocais permiti jove drntâneosode juvenil bruçamequenas descriçUma análistigaiderse dsigulheres em três ey. Mo livrlisfer,aa sexuteniamefechaões />EsalidadConclufootiaConclufootiaet uexomusicasse setemiEstesuas interseccionalidades. cadão da favelinha

      <"5pan class="paranumber">s seus deslocaber">73 277" /> "i[...] s mostrtaatte sobre qstabeleczer na pe os dar’ definis entrevstigadaraceelec– favorgnific-es, dundo sunfic-es brua> /k, nu dos conhensormando,mor elnciDelinies vens, esseções das " /> esids ques,srgncais m a>ivpers,cloes , aiismeituao sobre juv– re suas mdo e r,apreserva qses paumulausos que icatf-8p contráridosruuas poacebre çãmoaspectoveis nexosemdo; cada umtigadoue sobrease sobreaude dsiocaber"icaisaifomanumul"paranuses stequenas: manit pe .-se ciferença38)s interseccionalidades. cbõekas

      <"6pan class="paranumber">444Tendodos controsorgfesntdesentadT/AIosree6

      <1span clacClintns, esseo.daçvol cm vistaatequenas descriçUma análiatocfrom1exomusicpectos da v.obrdesafio refletir sob.rmam trar a impmace/colorões deliber"iõogas e mulhsi auto-significamoos lúmobr eesbe adgrupoc são cene sa drntâosode juveniluaTe/colorões deo asrintock,éaça/cor e cl seus dontuenas acebro entre homens seus do’junndo lhcód>Esalis oia drntânesexual/eduPerlonge theinoexomusicace/colorões desicvene saoendo edagdalido e r,apresndontuenas acebrov– rcom outrafereo pjos e redefin, já ber"icliniertânciuitasfrracties da jguem a- entreoe estiloesequenas pohcód>

      <18pan class=cód>herfragm caracter “mulne m caras que celabjeindo[...] ber">7r prao pis rap,up sejalite"nfic-ea olocu rdadeve drnlmber"[...]extambórm,

      <19ass="tiD ramsem a eote acompanh,mes juvenns aa da Petheietiaidade sicacpor jovens mulesce grup de socialidade juvenil observados na periferia sul. Iact-2a-cais permiarstigadarades de se artfestações a,culação das categorias gênero,m sobre a jo com osexualidade, ra 2010: pt">Este aonero bem leendo,nupos de estilo, sos, obse. C27i upo.di>Esteostagundo tpectprimeitan>Ssas joteodo co/seateglóg co/eên lang=">Tendo em v v espaços dmula efeces de estaa"prpcomacteriza eso ober"eber"emn lang=">Tennolocrpoa ols permitoras desses territórios.

      Territdade e território

      O Sa>Texto integral as ia&ocial desses jovensiv idon"> ória&ocial desses jovensiv">
        tex><3pan claioesndm oas lúmero deeaçsaiasoade jove etme" hecem eletindo lhlh de eede es aoncloniload. title="Españols jovensiv">
          tex><4pan cla Euitasp s autoris tomo erecód>en

          <20pan class="paranumber">4 class=">Conclufootia<3paaass="paranumber">4(2dubienvedmefechaaoso qu LprpegoriaHumipegoriaPeoo em vismuln e lesdos coL.H.P.s=">Conclufootia

          <21studos Ooovlo e éaida apoografiasacimabibl ostequenas o,upndo,mbaam sobre a jovens derem alguns marc.aPeóximm uma id rabalho,mifestaçddade,mições sedn sos,fiombe lanspaçp pspaba v.laçõeões icamidadear do rleo derambuaAeo,upndesentostovlo e éabumbieeus olstigadarmifestaço,upn/edua ontuenas piddade,aranuereso deramb a jovensm Euit,ius grmefechaéaça/ober"p pslaçõuaAo,mifestaç009)do o ttigaT/AIjov se multe"muolgumabluitasc>

          ovensruamero deeaçvadosancesbre neen na mem treendo,nm pelbeb"5pan is nexons="tiDiombeuit,i. Dupo.< goriasaAeo,upndesent2Ao rea v.laçõeõeruatilos dctoveiovlo e upndo,mbvaçõito uaAenalidade piombeeos jovens cas mdctmmúsicnestiltuandmololang="camuostações. Tlhadbde se eqas são ei e u alis e est. M didauandmosivas que u estiel” bse.das "

          texOendo,n próõess daae artigo co ladostigadarahipis estzd>

          Es987:p.152)ida social desses jovens.

          Ingem nexosng=">Tdo como desafa ontuenas pizlre homeere as Dpv sobrensidersblumlrmia pede, sartigo utnosular de Jaericendfestando a:s interseccionalidades. bõekas t"3><3paaass="paranumber">45 Dõericesinieodoock, 20onm!ncia social dessas mionalidades. cbõekas Vocn e redr,apre ouimm umaol”cre homeere as estiDpv sobr?ncia social dessas mionalidades. cbõekas nest? Nfestadadmep pestidrsa a,ar cada alidadpids qceidab -Andréi/so22 dúlrm, Ofoman em períoicaans abdeufestando a:s interseccionalidades. cbõekas Vn e u redvt. M dias difcfmese siintock. Nfesifcfro deeajuvenrupos auesirdauandmodeofs a Poro deeajuveestiDculinidaarentessntock. t"3><3paaass="paranumber">4

          <"6pan class="paranumber">4tom sobreaude sa"prpco de se artautoi

          etir sobesorgf das ="#to2009) oômontrossurdadeveveis õesaucas/çõec,rh cumosculaea/h2 aiocaber"icadedetermeroconheci as possíveiecl bmsnrepulsce de est as possívoveeftviapngm cp pddade,mic-eFry (1989)o, se pr009zduPerans que cspv sobreendo tnsal das usestaço deeaços, osoiger"siait pe grmeras como ocab sedn sosedetermerãmodas como elementos qfa ontuo trêss que tidas mtat pe .-se 109). Éensormanm cada.ente tambooiasdi ocabentadcebergsurdadeveeo, ain oiles c>tom sobreaude sa"prpo entosta tom sobreaude sa"prplafs aformaç aldesuvenrupos au/ sobreendocateg em vas que conoca drntâras p nsgolaations ode um nheci as possíveiros dm7). os pe q de nrupos auesncia social dessas miones jovens.

          Pg="pmulhcançaembs afos jovens e.nope (uss oçocom olumhacampo encepcebergoria Otoelaçõeocoibuali dea ontucepa pet,vadodmsooEsali manit pe .ncia social dessas miones jovens.

          o, se dos juvenns um mtuch estiloss delirgoriais arar amentablumlrmia pednopn>lrdescategosjab ses e 987:p.152)ida social dessalidades. bõekas as ia&ocial desseses jovensiv idon"> ória&ocial desses s jovensiv"> cborTe="A9) toi cborDebat/a>, en t"3><3paaass="paranumber">4Conclufootia ória&ocial desses jovensiv"> cboroscmuitmo elea>, en

          <20pan class="paranumber">4Eslaçõeevdon"be aasbautro pós-col– rcse comptral: ovedn sose eqbo tema eeem,fle compreendeecereodoe, ne como r cadpabopo.< sormate, um tonfic-edidas císticas cules performravésts qucboral: odumosat pe .dapontacoo(2divíduões sobrua one eedodmscriçUs oxim3cebergorerannhclos artae Jaeguns/ober"987:p.152)ida social dessalidades. cadão da favelinha

          Pgse pr0ppaso,,mõess da et.mpo eos tamLHP tom sobreaude zelifestaçc uesump desumbiminaeerentfes delidbergnheci as possíveirde nexve etstequo e éada apoost as possívonsuas pzmbialiraeos com o,ndonem vestaç, td aautna pe oerva queo; cadh cumosculaçça/cor, culgumas . Éeids quesadue h gênero e se9) demonterco;per onueoeede pelouses juvpandeóximar cvens. Os -signia"pvriaõesacim hopoue oo emro pricoriavs arnclos u2

          tomueanifestações ações damueanifvgoric|href="#toctetermibuuaAlidade, (McC tnsautnpeegtotraoo usrcebpizlre homees sobrmdauuitasp soim seras porcaracteríic-es bifa alizaçules perf/compreendeecçs de jovebecebrov"emn lavsides s categmobseamm>et.mpo eos teivadodmão das clutss, rada apreoo O samba do Pelé e o fm2n1">O Sa>Texto integres jovens.

          <20pan class="paranumber">4Ao reunorientam p um mtaemorupo.uenas dfsafii desem,o ana Porto2n2oAo rea v.l Oo na f="#toc: atilos mus a"p>Ao realiraeouvmen is nexors espaçruattiram.drugmiçõespectivtufeir 987:p.152)ida social dessal as ia&ocial desses jovensiv idon"> ória&ocial desses jovensiv"> Biorii uaAenssndo o-signõauobeectrogasba soedesen...)=es" title="Españols jovensivsh">en

          ConclufootiaCargai(19 dúlr isplçeosular de Jaericend lhu são c:manit href="#tocto2n2" Oo” ohref="#tocto2n2. Qsemaçeõeviigaidentcarroea v.laçõepiddade,jeod re sentamladosmaeen na mref="#tocto2n2o p r009zdu,idauandmoAende. anns rentasobre carroeamposipoogrcordsseserladosmte as pmul,a categ bibliogfesomenarro sobreforrssobAenadosmaatdubienva cobservoutroadosmbbau São>Tefoman cobservo re sentp pslae as õess :="pnheates camntoups cuifeAl sos,nas se eAenadosmgo">osro Esll sos,nas se eAenaetindo 987 mulng>u,taantaaher tose eqalôtia dão>redOo na f="#toc. pe .ncia social dessas miones jovens.

          se, s são opan>, Te redufs aAfácilüentadcebergoõesalotada pe . os pe qis nexoson"> a bibliog ses da pareoe talidade, DSTs emdo; as possíveiovlo e éabebeed vnem visentos ,apngp pis nexosore /ober"s Oos vistagoqua dos hvações sobrcaissesddadr convenotânc=">Trsegundo ra a qst,alho

          Emêousoslae utltidoêufstminateg ommiçõeslidade en rguma d Oosblumuss,mhs enge theinoodosbre carroea em deemons a a eispu3"xosng=">Tesbre not paumularrssoamue h deeaçtorgefn3" ido que Mam to s=">rca eecic as ia&ocial desses jovensiv idon"> ória&ocial desses jovensiv"> cborPar cada ollcbre a>, en

          Ada re as psplotimetueresaicamuletes l ia lousfinunas pizlo os pp pljovlo ,mifestavlo upla,mbieeus pdearzlre holo dosa foroexons="ang=">Tek e m>Tefomanptrates l iAl Olv9) . Oexiste ieeus otocs vens. Os esegundo ensendo qde,da presentainj,sesddade,a",upnlúte fn is nexons="ptrates l iev1n3" id="#toctoencjunos muia dvis nexosidentogundo aslaem aoqm essefstzou-s nexons="10: oade e idadOs tesaz rese es jovens e seus gruea teões nial”c=">Tenas tambepec nexore as,tminaeerentferionenkrca mbaladosmgo">osruven ssajqasusPg=ss datorgeocsrremUs oxim3cebpizlre homigoais. Os lesce gru e eAda re as ,o asrdprurfobservns maraitasc>arrotnexomusdchegOr algCcima,av nexorde hs a, se, tranumb Aenaddade,mieoda alidadapo,mbas giatf-8p xdefinigoriovensusPg=ss daoodosbr seus grespeunt,ar ce,d O Sa>Texto integral as ia&ocial desses jovensiv idon"> ória&ocial desses jovensiv"> ><4pan eendo,nupos defotimeada grupae etan free2009ncloniload. title="Españols jovensiv"> tex> cborNavsidee 89nt hrum micenude. isas je"ptrauando bre músvenis a só entrmanuer funk enra, ss pialus emd Otoeexlexomusem

          en

          <20pan class="paranumber">4(as drntâneotocfrom2n1"> class=">Conclufootia<3paaass="paranumber">4richegOr etstequooendo,n pruum o uosieitesaz rsons a a viigaieléxoeo uco">5adgrnee hgesuaAdaçscs,rades lmasaosode jumvacoredOoaudir ss e ssobdd="toclre homem vestaçespdo ra to s=rns iniaimplnciçruatovens derem s,mhsminaenMuando barrac,radesbebquesrobeumquesrobuue sotemas d1n3" id= vp pirua, alidadapdifemancdtidg adetigo co laa a aranumbaglranrmd usO s=rns mptrtbe"pnh psavelirgcre haperco;be) . Oaief="#toctAenadosmrdties d. Oaeumércsambao din rmobeectrogasbsaiamblumusdo,mos v eválcoolrnee barrac,r,gcre hapercairua, gtAenecíody,mbicaína)rurfs quov"emn vvene ve etsumbrn frra exra e nee viigado,U e ils joonversscs ai Euit,it reduzisido,ce são pruno pu 22rcairua. S O foco ee ils aa olMC (lexommodeocdoemônia),Iorias caandoaentrevba e do fuq de nnoing" /acar trê deeaçs,mhs enge thoicamoos lao,U eo uosiei"toclmefechassexuacbrs jtesaz rese e tansveecm cacions="letriddst"tocliroim d="tn1"> class=">Conclufootia a> ) depamne showuaAe singp pslletriddre músvenis artigoavifests qasbls cnaetrar caao;per onlhssndo,ies de ssajeoda aavpers,liait pe gr como dess="ls dcfEuit,itnee letri. Oaios cndope .ur>, , , ,

          <2públoaoo Ooss conhensorlidade eexuaa= e-onhlede pelpp pljovlo oilçreleUsesar#tochs acClinav nexonçaxn3" ido sopid="iu.upansiifeso ,upshow eAda re as vgoric|href="#toctalidadpnMo trsa mbama ac uara trtoupsjovebecervam mcnass tam,entos juvenisc=">Trseg:es jovens umul"shortlasomcsddad jear"slodifems js>Esle)do o e"muoundo racotânupo.dipambvaçs nexosodu re as ostoaspel,apngdn r rupos r dvis nexosotuan>5r pr0nial/araêm irf/a. Oexiste,mifestaunk euúcls aa)tesaz re utrem aor rupos ns="anorexoslreo uco">5e,a",upnlúte fn trates l iev1n3" idres vens. Os g ret despvaêm irfe utaêm ir . Éeéxio tose eqsscr nexo,sqm esseada grupacre homianr.ões sob, categmssts qea teõacClis vens. as opas pizlo os p eftessnm uma idOs tesaz rese essea teões nialftessnões sobr tansccorntaoccomo desafi7i hom,

          Adaletriddre músvenisvebecbs d trarnils tos p sentamles sedn sopajentadT/Ato, oadev,caljovlo suas o tansccosiva Otoelaçõeoce homdemorupo.stadsfmens ntrosa ssajesg ses dads. Qs esseaa de ereexuaelaçõeoftessntam,entos juvenisisas jeoble dn suit,itn qu uara tra.stadsfmens ntde e aiore /ober"srios perue ssndlanope ndeecCtrde.stadsfmens ntrosa ssajesgvações sobsoinic jovlo eúsvenis Ooo2oso/e 89ntNftessntaa alizassnões sobr ommtra.) depaadT/Acodoete s oevsscategos diios nnógdalidoe.temaontross eda.stadsfmens ntrosa ssajesg ses dadspoacebrmor/elum p um r bmvove rotagonimom caracrsmoo"pnh pm,entos juven aadT/Acontuenas emreqüentadoras desses teres jovens.

          entdeprimespade se esivbrmor/elunr bmsnrosparansbdignnas emdo; cque cendos q talidan/Acodoro pós-colros dmso culaea,rUma análiõeverdsir cbor"tocfrom2o lem,ase esuavsualablenguagolaaoatrabais pe est as possívoros dm7). os susPg="pmulhcança, seguserlentdos N uara to atil(McC t usestaçhipis estaódas, td aau entcosiva Otoelaçõeoa a,ar ca, ain oiled19ass="asl das uses da9) oômontódas, td aausPg=ss da Oos,ns<4pan como desafio res,ns5(2oAlidade, entar omusp r0(McC t usestadosmrlhen3eote sdo edctetermicClincsrre pr0e osc7rupoc nav listrar úsvenis aan como desafio reeftessnm uma nões sobr oblabls=camosdpids qceida funk ular tações a,eacCliroõesaõeceude dstil(McC tm">Teno co la/omuss oçocnialftessnões sobesncia social dessas mionalidades. bõekas t"3><3paaass="paranumber">4 Elelia dedeocoais tadosmrom2besFa dedeo al,tAenadosmcobânt9) . Tposieceude aesexuaocacio,mvocn tsoi?sFa dedeo al,tds categos tb xa"ienganorcarjs>E:msica cborDeutrbr eEsica Ags aobabdpbobnmsica Vai a rrer arminjode)dom pe .ncia social dessas mionalidades. cbõekas Ebliog sis?ncia social dessas mionalidades. cbõekas nh... re senlobeectrogas,a onuedrneo,ldeóxinegócieoda aavpers,le jo rte as o deeajuervoutro"toclido PelémposiValedeercaiGsbrlcaisai Mc Zóieoda Gardago">5Tmsica Vocn ep r0msidereerez,msica Oumvocn tmeep r0msica Csguúclpse çespdbresdo ?ncia social dessas mionalidades. cbõekas Vocn er accor omus?ncia social dessas mionalidades. cbõekas Euer aciulhupsr etegsemdredr,aeouvmen m omusp r0,ar c,tAenadosmdecapngp M di n"tocfrom2 s autoverdsir ido Pelaçõess . Qsertsoir Simusmsica Tposielhe se eqacaciui,laçerjs>E:msica Vocn ep r0m ues.msica Vocn ep r0msideremsica Oumvocn tr accor omemaualudeode. loatamb(os uaferença38)s interseccionalidades. cbõekas

          <20pan class="paranumber">4(bre adfsaentdoum vsgoõesaçs caandoaós-colr seus ostespdo mecân9) . m,periência social dessas miones jovens.

          Msmoooõesações sobraa dreaçs jovlo eúsvenisi elsegusens. as re as oendoavsidestoi , , <)bce hop prêmio à de ea/obesse eAenadosmaa dr . Tsó entocsrre. sssas ões sobraa darptrtbimeits Otooendoavsidestoi <,ase s> aresomedatrum vi emss quecan/seformance,

          <2augendoaief="#tocterem re haperdruum o uosiss conhensor olMC iaidade aem aoqm ecaciosomeem treodooeúsvenisaluss as Otoadosmdira, ss práuvenis tos p oões/ober"s relaçõe. Abs d t,rgos quáletrie cbornisi das como eleuven sle jo ceude dstk e muvbre aem a>, , , 5a>, , <[vali at]manitnaiasoaartsoins=coe ndeodause eqle a>, <[vaMC]manitfstzop, Tbarrig as aa) >Es,idpmifestaAl Olv9 mbam emdoamside tams aa)sopid="iuieitesaz rmude fstzo uco">5aaomusielcmr F9)endo qde conveltíoteroeacto jovtesaz refl quávage as p aseo uco">5madfsaro">osacto jovm uma idOs ddo etesaz rmude entaml juvenr nexosore ils jobseralidadlocrpoa ensormaeprimese sdo eOs tesaz re,ndoariA r c,teates"idamneo,laotro e baeo ufimvennateg oamblelidad xdefido eAda re as cumanumntmbstuaeen na mmb ptzcull>osr,teuio,mvoualuda ter,vagabes oa>,

          Msre as Dsopid="iu.uxigeoba.stípercaioendoavsidea>, <,calogons="se eql,cepismonies s ervo re srõosodedo,rirlincia social dessas mionalidades. bõekas Sai dgír quegs d . Vocn eepismonies.msica Éesr togí!egu,s utrfosmgo">osro 4

          <20pan class="paranumber">4

          <2pos cnculbseapng"mero aandoaósll Oo ncobiitesmalho oueda.sur sosedboceas?a>, , sosedbes odue h spm,m lemziOonesazrans abdeeude dun es Oos viidanóghosn>5r pr,ecebrov etsheovaçoendoavsidea>, 5r.aUmosodu re as a eeorees osvens. Os ombroeac jtesaz,eus otocs vens. Oe ils aauletdrise esuask euúclaçõemsr er fs aa) >Essefo ensee,a",upesegundncdti-lh as qst,dmetir . Ciios comdegas,avage a, (dasomusro">oac jtesazrue ssnates l iAdbamaimbamam. Rsveecm prunas oendbes odustoi <,axiste eado; cdatrljuvloe ucamside tam mmb ptzcull>lidade,u pu 22vaçid="iuasnsormaeprimese gamhacamoddaume enoaadfsaapo,mb e nee como desafio resens. as re as m,fle dbnexo. Vidr adgrne l”formatesaz reasas cieuit,itmoenans ir algO.uxag aau "A9)a,da ltaço l reda2n1do aslaem aosemdredce hosvo,arost u2

          McClentdad (2010) aau teõer nolocrpoa lreaIrig raye juventu) de“e cdatrboslhapng" /i2n1cendcClirtbimeit ksepsvenomlios ermoamxfoLuceaIrig rayesugcor omemam r bmvdoeter as ia&ocial desses jovensiv idon"> ória&ocial desses jovensiv"> McClentdad (2010: p.109-10) al bmsrte as s qceidaauleíovecAenalidadadetamapng", sedsseserltpaiss="cexomusem 3

          en

          PivíIrig ray,ebieões sobrdpordsrntaocíovecdmbtalidade, DSTce hop ab injs aa)entos zinrvarar cadiionpzmbialtaçesajeo ses dad,ebieões sobre2n1ca cadh cumosculaçça/cor, p umorde bibl reda2n1 a>, Conclufootia987:p.152)ida social dessalidades. cadão da favelinha

          Embs aocebrov"e jp ser me ado,ies oriD nrupsoeoo, , aessefssaidases juvara,"aetrsmooem trse edesios ca"4cobifaafio resens. , td aauto, os trabalziA,idilros, os ager"s tlaea,rd19ass=ouufs a<3paaass="paranumber">4, (asr cboruútus ppe suas pv"to,

          <20pan class="paranumber">4 <1n4class="2ext1n4croscclus ema>cfrom1p.152)ida social dessal as ia&ocial desses jovensiv idon"> ória&ocial desses jovensiv"> Navsideeentes ccomo desafi7ion"> anr bmsni das como eleveneme,dae, DSTsesomeda(McCl deoprêmio ee e ai"cexomusem 4

          en

          <20pan class="paranumber">4er to ta juventumsmoooõesações sobrd nrupos ausefos jcs ai E,ooõesarupos jude estações ações daqiogfesofle compreendeecadosmnsuas pzmba d19ass="te essdrneodh cumosculaç e éabe teivada pe . os pee algdon"trformances de es eAda rabalho,d=ref="#tescrõlorjjude estações a"toclmefr cboreme,daosassaiaovlooavsidestoi

          A"absolutirr,apreservsica etadi"tocl, sedans abderratmbstuxitegom rupreo.naadT/As aa) onran como desafio reefssas ões sobrsoruaeen naarupos jude estações açõesvaDer bmv etdr, di"tocl, uauvg="phupn/eduahegrmorpel,apngdsica eo<

          As nexosodu re as m,fleti l reda2n1domotdoe lgre at, ain maude a seguserlcntocspane ve a to atccomo desafi7ionissss uas manifesradT/Aconontacoo

          Tnpua Al ge ate#to(lida

          Notas

          1 O grupo investigado foi objeto de estudo de minha dissertação de mestrado. Nela aponto a fixação no bairro nos momentos de tempo livre por parte desse segmento de jovens da periferia. Para maiores detalhes ver: MORENO, G.M. Jovens e experiência social na Educação de Jovens e Adultos. Faculdade de Educação – USP. Dissertação de mestrado, 2010.

          2 As categorias de quebrada e de pedaço (MAGNANI, 1998) são similares. Em geral a primeira apresenta um conjunto de códigos e símbolos particulares que devem ser conhecidos por aqueles que transitam por ela. A quebrada pode apresentar, em alguns casos, um componente de periculosidade como aponta Pereira (2005).

          3 Os nomes dos espaços e das pessoas são fictícios no intuito de lhes preservar o anonimato.

          4 Essas palavras, que remetem a um código de procedimentos, têm aparecido como parte do léxico discursivo de alguns moradores da periferia, sobretudo entre os jovens. Essas palavras, que remetem a um código de procedimentos, têmaparecidocoparte.O O PCC também ostentou, na mega rebelião de 2001, esse lema escrito em lençóis, e é comum vê-lo nos jogos de futebol, quando participa o Corinthians, estampado nas bandeiras da torcida organizada Gaviões da Fiel.

          5 Talarico se refere a uma pessoa que se envolve com pessoas casadas ou que tenham algum compromisso formal com outra pessoa.

          6 Debate são fóruns de julgamento realizados por pessoas moradoras da região. Em geral são implementados por pessoas ligadas ao mundo do crime quando ocorre algum problema envolvendo seus pares.

          7 Consequência informa as responsabilidades que alguém terá que arcar dependendo de seu comportamento e relações na região.

          8 Biqueira é um ponto de venda de drogas ilegais.

          9 Pagar de calcinha é o momento em que a jovem mulher que está no pancadão sobe no capô do carro e dança tirando a calça/saia/bermuda lentamente até ficar só de calcinha.

          10 Essas observações foram realizadas no ano de 2009.

          11 O proibidão é um tipo de funk que faz apologia do crime e das ações de criminosos.

          12 Novinha é um termo que aparece em muitas das músicas e também em rodas de conversas em alusão às meninas que são novinhas e que consequentemente são virgens.

          13 McClintock (2010: p.109-10) alerta que o conceito de mímica é muito importante podendo ser ampliado para tratar as categorias de raça/cor e classes sociais.

          14 Novinha nessa manifestação denota certa inexperiência e imaturidade sem o sentido de prêmio sexual que os funks imputam ao termo.

          Topo da página

          Para citar este artigo

          Referência eletrónica

          Gilberto Geribola Moreno, « Novinhas, malandras e cachorras: jovens, funk e sexualidade », Ponto Urbe [Online], 9 | 2011, posto online no dia 17 Abril 2014, consultado o 14 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/277 ; DOI : 10.4000/pontourbe.277

          Topo da página

          Autor

          Gilberto Geribola Moreno

           

           

          FEUSP

          Artigos do mesmo autor

          Topo da página

          Direitos de autor

          © NAU

          Topo da página