Navegação – Mapa do site
Etnográficas especial - Narrativas urbanas em tempos perturbadores

Narrativas urbanas em tempos perturbadores

Uma introdução
Silvana Nascimento e José Miguel Olivar

Texto integral

1Em meio ao processo de impeachment da presidenta Dilma, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP) deflagrou, mais uma vez, no mês de maio, um tortuoso caminho de mobilização pela valorização e fortalecimento de uma universidade integralmente pública, incluindo reivindicação por melhores salários e mais vagas, manutenção do Hospital Universitário, da creche e da Escola de Aplicação, além de uma luta, mais do que justa, pela inclusão da política de cotas étnico-raciais na USP, uma das únicas universidades públicas do país que ainda não possui esta política de ação afirmativa. Assim, iniciou-se uma greve, impulsionada inicialmente pelo Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), posteriormente pelo Movimento Estudantil e finalmente pela Associação dos Docentes da USP (Adusp).

2Já no mês de junho, com a paralisação das atividades acadêmicas no departamento de Antropologia, incluindo a pós-graduação, estudantes do curso “Etnografias urbanas: fronteiras, economias, afetos”, ministrado por nós, propuseram-se a fazer observações etnográficas em diferentes espaços na cidade de São Paulo e a pensar de que modo a conjuntura política atual está presente nos discursos e nas práticas dos sujeitos urbanos. Ao invés de simplesmente aguardar o fim da greve, tiveram o entusiasmo de se deslocar para algum lugar da metrópole e observar como citadinos(as), em suas vidas ordinárias, têm se manifestado sobre o crítico contexto político no país.

3Assim, foram realizadas diferentes incursões a campo na capital paulista – conversas com motoristas de taxi, médicos e profissionais da saúde, movimentos de moradia, artistas, amantes do Tango, uma festa de Exu, ocupações, além de aproximações com o movimento grevista na USP. Não foram todas as experiências que puderam ser relatadas aqui mas puderam ser compartilhadas e debatidas coletivamente.

4A despeito de um discurso (quase) unívoco na classe de antropólogos(as) brasileiros(as) sobre o golpe e de inúmeras mobilizações à esquerda, que não cansam de se proliferar, as incursões a campo apresentaram novas (e velhas) versões do cenário político. Sujeitos urbanos encaram o processo da “crise” de perspectivas diversas, alguns menos pessimistas, outros mais conformados(as), outros ainda tocam suas vidas como sempre o fizeram, onde o cotidiano se sobrepõe ao universo da política.

5Assim demonstram os relatos de Beatriz Accioly Lins, Natália B. Lago e Vinícius Spira quando etnografaram a Marcha para Jesus, durante o feriado da Semana Santa na capital, que reuniu milhares de religiosos de diferentes vertentes de igrejas protestantes. Neste evento, a despeito de toda a conjuntura política nacional, seus participantes reconheciam a existência de uma crise mas não faziam questão de se posicionar em prol de governos específicos, pois o que estava em jogo era festejar e realizar orações coletivamente, fortalecendo suas devoções a um dos líderes mais antigos e duradouros do mundo: Jesus Cristo.

6Por sua vez, o texto produzido a seis mãos por Ana Caroline Bonfim Pereira, Calliandra Sousa Ramos e Ruan Coelho mostra que a Parada LGBT, que aconteceu dois depois da Marcha para Jesus, evidenciou manifestações mais heterogêneas em relação à situação política e posicionamentos mais concretos contra o governo de Michel Temer. Contudo, para além do mote da parada deste ano (a reivindicação de uma Lei de Identidade de Gênero para travestis, mulheres transexuais e homens trans), o que mais chamou a atenção dos(as) etnógrafos(as) foi a livre expressão da sexualidade que preencheu todos os espaços da avenida Paulista, ocupada por diferentes gerações de LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais).

7A temática feminista não poderia passar despercebida neste conjunto de textos. Maria Stello Leite descreve a 14ª Caminhada de Mulheres Lésbicas e Bissexuais que acontece um dia antes da Parada, e observa como se controem os discursos e práticas em torno da “resistência lésbica”, suas pautas específicas e tensões em relação ao movimento LGBT. Uma das questões recorrentes está na importância da temática de gênero na escola, que está sendo excluõa sistid="wcamente do aparato legislativo nacional, assunto que também é problid="wzado por Flávia Melo a Cunha a partir de uma etnografia multi-situaa (nas mõias, redes sociais e em Manaus) sobre a produção dos discursos da “ideologia de gênero”, de um lado, e da “cultura do estupro” de outro.

8Em continuidade com o tid= dos movimentos sociais, três artigos oferecem análises sobre diferentes formas de ocupação e resistência política em São Paulo. O primeiro deles, escrito por Paula Bolonha e Marciano Kappaun, voltou-se para movimentos de moradia e descreve como seus integrantes em duas ocupações, uma localizada no bairro a Luz e outra na periferia de Guarulhos, têm pensado os processos políticos que ocorrem em Brasília atualmente. Os autores mostram que há uma imbricação entre cotidiano e política que se concretiza na produção diária na luta por moradias mais dignas. O segundo artigo, elaborado por Michel de P. Soares e Paola Lappicy, descreveu alguns eventos observados na Ocupação na Funarte, que se tornou um dos ícones de resistência de artistas, que construram um espaço alternativo e questionador no momento em que o Ministério a Cultura foi temporariamente extinto pelo governo interino. Neste período, que também coincidiu com a greve de docentes na USP, professores(as) do departamento de Antropologia se incorporaram ao movimento e realizaram atividades na sede da Funarte, como Rose Satiko Hikiji, Marcelo Natividade e Júlio Simões. O terceiro artigo, de Rafael Lomeu, faz um relato etnográfico do I Festival Internacional do Dia do Refugiado, que ocorreu no mês de junho, no centro de São Paulo, e descreve como artistas provenientes de diferentes países se manifestaram contra o governo interino de Michel Temer por meio de manifestações culturais.

9Em relação à greve na USP, André Luiz Alves Bonifácio se debruou sobre a Creche Central e descreveu como se desenrola o cotidiano de professoras e crianças e quais desafios e dificuldades têm enfrentado devido aos constantes cortes de vagas e verbas por parte da reitoria. Atualmente, grande parte dos serviços gratuitos oferecidos à comunidade acadêmica, como escola e creche para filhos de servidores, docentes e discentes, hospital universitário e posto de saúde, estão em processo de desarticulação e têm sobrevivido a duras penas.

10Sobre a situação da saúde no Brasil, Alexandra C. Gomes de Almeida mostra a perspectiva de profissionais da saúde que atuam em hospitais públicos e privados e quais são suas visões em relação ao contexto político atual e ao Sistid= Único de Saúde. E suas visões demonstram um certo comodismo e atitudes de pouco enfrentamento no que se refere ao colapso dessa estrutura excludente e o pouco investimento dos governos ao longo dos anos.

11Por fim, a descrição etnográfica de Daniel Fernandes Moreira traz um relato sobre a presença da política na Biblioteca Ricardo Ramos, na zona leste de São Paulo, a partir de observações dos anseios de leitura dos seus frequentadores e descobre que o número de retiradas de livros a respeito da história brasileira, especialmente do período da Ditatura Militar, bem como de autores como Marx e Paulo Freire, aumentou consideravelmente nos últimos meses.

12Assim, construda coletivamente, esta coletânea, sem a ambição de realizar uma análise aprofundada, deseja conciliar etnografia com ação política na cidade, seguindo o curso das mobilizações, paralizações e ocupações. Por meio de breves relatos etnográficos, produzidos no calor da hora das insatisfações e reivindicações políticas em São Paulo, esperamos apresentar olhares etnográficos do nosso mundo, em tempos perturbadores.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Silvana Nascimento e José Miguel Olivar, « Narrativas urbanas em tempos perturbadores », Ponto Urbe [Online], 18 | 2016, posto online no dia 31 Julho 2016, consultado o 17 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/3131 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3131

Topo da página

Autores

Silvana Nascimento

Silvana Nascimento é docente do departamento de Antropologia da USP e co-coordenadora do Laboratório o Núcleo de Antropologia Urbana.

Artigos do mesmo autor

José Miguel Olivar

José Miguel Olivar é pesquisador associado o Núcleo de Estudos de Gênero PAGU, da Unicamp e doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals