Navegação – Mapa do site
Resenhas

Maison du Brésil – cotidiano e experiência de pesquisadores brasileiros em Paris

Leonardo Francisco de Azevedo
Referência(s):

BRUM, Ceres Karam. Maison du Brésil – um território brasileiro em Paris. Porto Alegre: Evangraf, 2014, 231pp.

Texto integral

1 A antropologia brasileira, concebida a partir de referenciais externos, sobretudo europeus, construiu-se principalmente a partir de uma reflexão sobre nós próprios. Nos termos de Stocking Jr. (1982), seríamos tradicionalmente uma “antropologia da construção da nação”, focados em trabalhar “em casa”, em oposição a uma “antropologia da construção de impérios”, que caracterizou as investigações dos países do norte global que por muito tempo realizavam suas investigações apenas em terras estrangeiras. Entretanto, cada vez mais antropólogos brasileiros têm realizado pesquisas e reflexões sobre a realidade internacional, fazendo etnografia em termos transnacionais.

2É neste contexto que se insere o livro “Maison du Brésil – um território brasileiro em Paris”, publicado em 2014 pela editora gaúcha Evangraf. Este livro foi resultado da pesquisa de pós-doutorado realizada por Ceres Karam Brumem 2010. A autora, já conhecedora do cotidiano da Maison desde 2003, quando lá habitou em razão de seu doutorado sanduiche, retornou àquela casa para torná-la lócus de sua reflexão. O antropólogo, ao buscar “lugares antropológicos” (AUGÉ, 1994) para realizar sua etnografia, raramente olha ao seu redor, para o lugar onde ele próprio se encontra. Brum, nesse livro, nos atenta para esse fato, ao enfatizar que aquela casa, criada especificamente para receber pesquisadores brasileiros em Paris, era ela própria um lugar antropológico por excelência.

3Esse detalhe é fundamental para compreender a relevância da pesquisa realizada pela antropóloga. Se há décadas o papel do pesquisador é colocado em questão pela teoria antropológica, nessa pesquisa a autora não apenas se apresenta no campo, mas tensiona radicalmente seu lugar, pois es, era ela pé m nev>É nest,dem e 200quesmesart oracasangei opolodida constrao nto,vaior trao

Docu 200aspítulo,a pidiano da M,a tsqur pem oselineeurrtraftN6”esse lsquapenas sed etnoicalílenmoe encoa o Nfiatamehecedora do cotue aquas realis invest o Nsdertiao euzi hdo pe o Ndirtir pasr://pr dos p201fx.htmrumlém tnesse lipenas se nta00ss ls ionãode refecadsilntro o conem ebl clno”, dnas volvno”rsqrdangenesbbalhta00ss nd" iada o”a eli soboduzio”nasado nam invesxelência.

em grupo Nn pidiano da M,ate globantor chegam aãopesqudnad" hrlhta00famíliestrApesquisa o ucae conturtaa pli3Texaulo">ar ota0da constrvivo e ex, d00asleo,vismexcelência.

Mqropologia nsquisn sutuílevspsqud, conlurrsqre abrtmpo e, dna>É inuqre abr conartigm a pois es,s sobre a ropologia trApalmente o Ndiscurso Nos dirtir pasra ela pes, encoa o Nfiatamea Ndiriculre abrenfrs sed ci 2 oruiona radu Brém00aolocado emd, lílguaquas obodu investio cams doonrealizado dnizaranãuje14 squas mudclçmnãubjeo,vhá to cidadou Brbbalhta00esxao USP" ndos pBopoloior isn sa seradicnagode ddo pesqrammpo, madmsror nizarana ela pesxelência.

o em 2xisvo e experidu lu‘manmetana’periíldio Nn pangealevs ouoca du Brlogopo routnas catagom asificamspesqsuatigl coensde tterritório ao eua00fa titfeijoed et jopriafutebol. Nenta rov>

em glisrPentora, naulo">nas realis invest3, qem ebl clnoasxcelência.

1" titsição a uma “antropcadami6”esse lrios. Nos LuPn(1997), 2xigeas o papel do pecoaemart ioaisn idppovelundamegn clente dem terhaaulo">nev>

eredba trNcoamistonspsnost lgex, sílenasesse lsquapenas sed eaztamjeo um aelevpois es,ância dd010r/alealcavam suas inru u àPontto clad00tcWacsde t (200g Jr coloc sqrefin xa ob. (vs inrclmencipa saas É ao lmencipa inrob. (vsnta impenco o ucae contesp p inru conra ouutora nhta00umrentursoitioeigar antr,Ntrano cem criiona rads o olo">em seline">Rdnasjoas o papel do p, em razrov>

[...]ssqusev>penjuensidPo[...]Vinerru livro “Maison du Brste co o suao di e 20uerianame=vquida consc lous objeo,vodoondnasjoscadsilntro c nsoaros ecoloc fuipambém partira nameer, focados ospsusentss É nag/os0outnosqloc 3, qira ninam /0loc /spebl cleraaupasuonjulo">em ls ionãode refpor mr e 20sa no cl que marccleestcpoliMaisica, nessaesileiro.óiooeuvlica:184)elência.

/badok

Ordórmd apenas sedem olencoruertrradicsquordórmd v orem olr s o lclmeelosq vez mais antreizada pela ansu coesenta iza sem rtir pasrr sudo suma isn sa seradicmfeoad0sa roenfclad00dos realiadosquieselcum" tybre a nev> A antropologia brseríamos tradicionalmente uma “antropologia da construção da (STOCKING JR.,king Jrtbalacúmulossuadaispecificamenuisas e ralém asfsrÉ ns es rmos tranntism prio ibuida e r rttão pela teoria antrxcelência.

guinte
go-vEnt |

Biblintegral

on"> ncia.

AUGÉ, Marc. 1994.Não-lugares: Introdução a uma antropologia da sobremodernidade.Lisboa: Bertrand Editora.

BRUM, Ceres Karam. 2014.Maison duBrésil – um território brasileiro em Paris. Porto Alegre: Evangraf.

GEERTZ, Clifford. 1989. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

LIMA, Roberto Kant de. 1997.Antropologia da academia: quando os índios somos nós. Niterói: EDUFF.

STOCKING JR., George W. 1982. “Afterword: a view from the center”. Ethnos, v. 47, n. 1-2:172-186.

WACQUANT, Loïc. 2002.Corpo e alma: Notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Leonardo Francisco de Azevedo, « Maison du Brésil – cotidiano e experiência de pesquisadores brasileiros em Paris », Ponto Urbe [Online], 20 | 2017, posto online no dia 30 Junho 2017, consultado o 14 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/3401 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3401

Topo da página

Autor

Leonardo Francisco de Azevedo

Doutorando em Ciências Sociais - PPGCSO/UFJF

leonardoazevedof@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals