Navegação – Mapa do site
Notas de pesquisa

Diário de itinerância: Revisitar Angola em 2009

Jacinto Rodrigues
p. 173-185

Notas da redacção

Artigo recebido a: 9/Fevereiro/2012
Envio para avaliação: 5/Março/2012
Recepção da avaliação: 3 e 4/Abril/2012
Aceite para publicação: 3/Maio/2012

Um diário de itinerância é um diário de investigação. Trata-se de um processo de escrita usada especialmente em antropologia. Aí se regista, sem ser necessariamente de um modo cronológico, o processo numa perspectiva transversal, que reflecte a itinerância de alguém que vive situações contraditórias. É assim uma trajectória não concluída, é uma errância, como diz René Barbier.

Revela pensamentos, sentimentos e desejos.

Trata-se de descrever recordações e vivências do aqui e agora sem haver ainda uma teorização definitiva.

Este diário de itinerância que aqui se descreve é parte duma viagem de investigação a Angola, no quadro do CEAUP – Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, realizada em Julho e Agosto de 2009.

Com o Dr. Samuel Aço, atravessámos a cidade de Luanda durante a hora de ponta. Apercebemo-nos dum trânsito infernal. Fomos ao bairro do Cazenga buscar uma máquina rudimentar para o fabrico de bloco de terra compacto (BTC).

O Dr. Samuel Aço preparava o material e os instrumentos de trabalho para a realização do Seminário de Construção em Terra do Centro de Estudos do Deserto, no Namibe, a realizar de 27 a 30 de Julho de 2009.

O bairro do Cazenga denuncia uma situação epidémica larvar: esgotos ao ar livre, pneus velhos boiando em águas residuais podres que se estendiam por todo o bairro…

Reflectimos sobre a cidade de Luanda:

- Tráfego;

- Saneamento;

- Caotização na construção.

Prosseguimos com a nossa observação sobre a cidade e os musseques.

Morar em Luanda custa “os olhos da cara”, como refere um jornalista. São várias as reportagens que descrevem a situação gravosa do trânsito e do alojamento em Luanda.

  • 1 Jornal de Angola, 6 Agosto 2009, “O drama do estacionamento na Baixa de Luanda”.

Podemos referir o Jornal de Angola1, quando escreve sobre os preços exorbitantes das rendas, a gravidade da questão do trânsito e a questão do saneamento.

O drama do trânsito em Luanda é que todos os meses o parque automóvel cresce desmesuradamente. O fluxo automobilístico provoca engarrafamentos monstruosos, paralisando o tráfego. O custo social deste trânsito caótico é incalculável e há poluição de gases, poeiras e partículas tóxicas propaladas pelos escapes rotos e sem filtros de viaturas velhas.

A humidificação do cacimbo deste Agosto vai densificando toda a poluição que paira sobre Luanda e esta nuvem tóxica torna-se numa espécie de capacete cuja ameaça é cada vez mais permanente, pois aumentam diariamente as alergias e doenças respiratórias.

Na Baixa, ninguém arranja lugar para estacionar. Os carros são obrigados a dar voltas e mais voltas, para poderem finalmente encontrar lugar. Na verdade, muitas coisas faltam nesta cidade para que o trânsito possa fluir e se minimizem os perigos da poluição.

Não há parques na periferia que possam reter o fluxo que entra na cidade. Não há bons nem suficientes transportes públicos. Não existem passeios nas ruas para que as pessoas possam circular a pé.

Não existem árvores suficientes para ajudarem a despoluir a atmosfera da cidade. O ar condicionado dos edifícios aumenta esta poluição doentia. Não há tectos verdes, apenas parabólicas que povoam os telhados por toda a parte.

O roncar dos motores, o fumo dos escapes e os buzinões irrompem a toda a hora. Só os meninos de rua e alguns jovens desempregados ocupam alguns lugares de estacionamento, improvisando aparentes descarregamentos em sítios estratégicos para clientes habituais. Arranjam os lugares e lavam as viaturas. E tomam conta dos veículos, a troco de 1.200 kwanzas, na Baixa de Luanda.

Retomámos a observação da cidade e começámos a tirar algumas conclusões para um diagnóstico urbano: a estrutura viária está espartilhada entre um tráfego que cresce galopantemente e um casco urbano já inadaptado ao movimento e às actividades actuais.

  • 2 Hoje, os prognósticos apontam normalmente para Luanda um número de habitantes a variar entre 7 e 8 (...)

Por isso, a cidade cresce em altura. O crescimento frenético da urbe vai-se consolidando todos os dias numa indescritível concentração. Os quase 5 ou 6 milhões de habitantes (segundo alguns prognósticos) já não cabem na cidade.2

Estendem-se tentáculos para Luanda Sul, onde a urbe desponta em prédios mais ou menos luxuosos. Outro tentáculo avança a Norte para os lados de Viana. Mas uma outra Luanda pobre vai-se estendendo como uma mancha de óleo.

É o mundo dos musseques. É o fenómeno urbano que reflecte uma ferida de um crescimento socialmente acelerado, mas que a morfologia topológica tem dificuldade em acompanhar. Só uma visão geopolítica do território pode debelar tal contradição. Só um plano profiláctico e estratégico pode resolver este alastramento constante de milhares de barracas, de lixeiras e insalubres poças de água onde escorrem “esgotos” ou valas a céu aberto, que trazem doença e morte.

Face a este flagelo epidémico, o governo quer fazer face com um programa nacional de habitação através do plano para um milhão de casas em Angola. Mas como?

Para que se possa assistir a uma real transformação, a armadura urbana do território tem de se equilibrar. Outros centros urbanos deverão tornar-se atractivos para a população que procurou refúgio na capital, durante a guerra que assolou Angola.

Como explicitei na comunicação que fiz recentemente na ADRA, o futuro alojamento deveria centrar-se numa visão ecológica e numa participação das populações para uma cidadania consciente.

Ao percorrer esta Luanda de hoje, recordo a Luanda de ontem, da minha infância. Luanda era ainda, nos anos 1940, uma pequena cidade.

Recordo depois a Luanda dos finais da minha adolescência, com um surto de modernidade que começava a fazer sentir-se. Lembro ainda a Luanda do pós-independência, na rápida viagem que fiz em finais de 1976.

Depois ainda, nos fragmentos da minha memória, vejo imagens múltiplas em que as alterações, as rupturas e os desastres da guerra vieram ferir o território mutilado das cidades e do campo.

Resumindo as metamorfoses morfológicas de Luanda, podemos dizer que o casco antigo se moldou, nos anos 1940 e 1950, à escassa actividade produtiva. A cidade colonial cresceu entre a baixa da Mutamba, a Avenida Salvador Correia e o eixo da Alameda Afonso Henriques. O lugar altaneiro e militar da antiga fortaleza S. Miguel deslocou-se para o aparelho administrativo colonial, na parte da Cidade Alta, onde se ergueu o Palácio. O panóptico colonial modernizava-se lentamente. Nesses anos 1940, ainda me lembro das Portas do Mar, onde os “gasolinas” levavam e traziam passageiros para os paquetes estacionados no mar, pois a estrutura portuária estava ainda por construir.

Quando eu era criança, a ilha de Luanda era uma língua de areia coberta de coqueiros, palmeiras e casuarinas. A vegetação cobria com um manto verde o raro casario, de casas pequenas, que pontuava o território até à Ilha do Cabo.

Depois, nos anos 1960, a cidade cresceu. A estrutura portuária permitia agora que os vapores atracassem. O aeroporto modernizara-se e a rede viária respondia a novos desafios da produção do café, do sisal e dos diamantes. Começavam a surgir, no casco urbano, as construções de estilo moderno. Porém, os saneamentos, as habitações e a rede viária não respondiam senão a 500 mil pessoas.

Nos anos seguintes, a metamorfose da cidade iria ritmar-se à economia de guerra e do petróleo, tornando-se um estaleiro da cidade actual.

Esta cidade de cimento armado não está ainda capaz de responder às alterações sociais, culturais e económicas que se vivem hoje.

Revejo-me nesta retrospectiva marcada pela observação participante. O caminho que percorro agora, em 2009, é o caminho desta minha memória intermitente, de estadias sincopadas da minha infância, adolescência e idade adulta. Esta viagem, de agora, tenta religar as visões parcelares da minha vivência, dentro e fora, desta terra onde nasci. O referencial diacrónico obriga-me a objectivar a relação entre o observador e o objecto de investigação, mostrando através de um olhar reflexivo, toda a problemática da história desta cidade.

Revisitámos o Museu Nacional de Antropologia, em Luanda.

Dei particular atenção à exposição temporária.

Trata-se duma exposição sobre o património da zona do Namibe, da Huíla e do Kunene, que representam regiões dos povos pastores – os Nyaneka Khumi, Helelo e Huvambo. Algumas dezenas de objectos funcionais e fotografias mostram instrumentos tais como os “heholos” (baldes), os “ohupa” (cabaças para transformar o leite em iogurte) e os funis.

Tento compreender o salto enorme entre os povos pastoris e a situação urbano-industrial. Reflicto sobre a ruptura gigantesca entre povos vernaculares e a chamada globalização.

De madrugada, partimos em direcção a Benguela.

Visitamos algumas praias de Benguela – Caota, Caotinha, Praia Azul, Baía Farta, Praia da Macaca.

Alojámo-nos em frente à “Universidade de Benguela”.

  • 3 Trata-se da então designada “Universidade de Benguela”, instituição privada que funcionava ainda se (...)

Fiz uma conferência sobre “O Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável e a Paisagem Urbana” no anfiteatro da “Universidade de Benguela” 3. Abertura pelo Reitor, Professor Doutor Francisco Santos e apresentação pelo Professor Doutor Francisco Soares.

A palestra centrou-se essencialmente na reflexão sobre 3 cidades:

1. A cidade simbiótica de Kalundborg, em que, através de uma articulação sistémica, se criaram sinergias que melhoraram o nível de vida das populações e aumentou a produção local;

2. A cidade de Freiburg que, graças à energia solar e outras energias alternativas, pretende vir a tornar-se sustentável e até mesmo, de energia positiva. Através da reconversão de desempregados de aeronáutica, a Câmara Municipal desta cidade alemã criou novos postos de trabalho em torno da actividade produtiva de protótipos de energias renováveis, nomeadamente painéis termosolares e fotovoltaicos.

3. A cidade de Curitiba que, graças ao desenvolvimento da cidadania nas múltiplas vertentes, favoreceu a reciclagem de lixos em nutrientes, a melhoria dos transportes e a renovabilidade energética.

Articulando necessidades e aspirações, a Câmara Municipal favoreceu uma maior consciência ecológica e o aumento de participação na gestão da pólis.

Visita com o Reitor da “Universidade de Benguela” à Fundação da Sociedade Projectos Educativos de Angola, na praia da Caotinha.

Primeira reflexão para um diagnóstico da situação e proposta de trabalho futuro. Podem-se referir sete pontos necessários para a melhoria da Caotinha:

1º A implantação de energias renováveis, especialmente da energia solar e eólica.

2º Organização de elementos agroecológicos que permitam uma maior sustentabilidade para a Fundação e para a própria aldeia.

3º Vedações orgânicas com taludes ecológicos que permitam espaços separados das várias funções territoriais, respondendo simultaneamente à criação de ambientes úteis do ponto de vista alimentar e medicinal e agradáveis do ponto de vista paisagístico.

  • 4 A. Castanheira Dinis Características Mesológicas de Angola, Nova Lisboa, 1973.

4º Criação dum sistema que permita a filtragem para a obtenção de água potável, um sistema de bio-depuração de águas residuais e equipamento solar capaz de dessalinizar a água do mar.

  • 5 P. Carlos Estermann Etnografia do Sudoeste de Angola, Mem. Série Antropo. Etnol., nº 4 (vol. I) 2ª (...)

5º Criação dum forno solar multifuncional, capaz de responder a actividades produtivas através da energia solar (panificação e cerâmica, nomeadamente cozedura de tijolos, produção de cal, etc.).

A Fundação e a “Universidade de Benguela” poderiam ter um papel decisivo na criação de uma rede de agentes de mudança do paradigma fóssil para as energias alternativas e o ecodesenvolvimento, tal como defendi e propus na conferência que fiz, aí na “Universidade de Benguela”.

  • 6 Ruy Duarte de Carvalho Vou lá Visitar Pastores, Ed. Cotovia, Lisboa, 1999.

6º Ecotecnologias de construção, melhorando as habitações das sanzalas.

  • 7 Jacinto Rodrigues Sociedade e Território. Desenvolvimento ecologicamente sustentado, Profedições, P (...)

7º Criação de uma estrutura sanitária de chuveiros aquecidos solarmente, bem assim como um conjunto de sanitas secas, que permitem o aproveitamento dos dejectos humanos aos quais se podem juntar ainda algas para adubagem das terras. A compostagem pode ser enriquecida com os excrementos dos animais e o uso de minhoqueiros, ou seja, estruturas organizadas com minhocas para a produção de húmus.

Seguimos de Benguela para o deserto do Namibe, com o Dr. Samuel Aço, Director do Centro de Estudos do Deserto, na sua carrinha. O Dr. Samuel Aço é professor de Antropologia na Universidade Agostinho Neto e convidara-me para ser membro fundador do referido centro (CE.DO – Centro de Estudos do Deserto). Só agora, passados quase dois anos, estava a partilhar com ele esta extraordinária aventura de me deslocar ao deserto do Namibe, onde o CE.DO está sediado. Ele vinha de Luanda e trazia alguns jovens estudantes (Gamboa, Uíme e Carlos). Dois deles seguiram de autocarro para o Namibe e a Gamboa veio na carrinha connosco.

Fomos ao Lubango. Vimos a antiga cidade de Sá da Bandeira com as colinas, antigamente cobertas de árvores e hoje pejadas de musseques, galopando encosta acima até ao Cristo-Rei. Depois, descemos a Serra da Leba em direcção ao Namibe.

Já ao fim do dia, chegámos a Njambasana, junto ao rio Kuroka, em pleno oásis.

Antes do workshop começar, a 27 de Julho, fomos visitar a cidade de Namibe.

Conheci o ex-vice-governador, Inácio João Tavares, conhecedor profundo da cidade e da sua história e fui ver o colorido dos panos e os cheiros das várias especiarias no Mercado do Namibe.

No passeio pela cidade pude ver a multiplicidade de prédios reconstruídos, edifícios “Art-Déco” na marginal e o passeio ibérico (espécie de passeio público do séc. XIX-XX), eixo de lazer da população da ex-Moçâmedes, actual Namibe.

Esta cidade merece um estudo urbanístico que revele a sua história colonial e a miscigenação das populações.

Voltámos a Njambasana, Kuroka. Explorámos o território, observando Welvitschias, Salvadoras Pérsicas, dunas fósseis, pedras roliças, cristais, etc.

Esta área do vale do Kuroka situa-se numa região de clima seco desértico, muito quente.

Como diz Castanheira Dinis, “a média de precipitação anual é inferior a 100mm e todos os meses do ano se podem considerar secos … Trata-se duma região com características do Plistocénico e do Kalahari Superior”4.

Interessará estudar cuidadosamente as mudanças climáticas operadas nesta região. O interesse local e internacional deste estudo parece-me relevante e poderá constituir um objectivo da maior importância para o CE.DO (Centro de Estudos do Deserto)

A palavra “Kurocas”, como refere o Padre Carlos Estermann, “é um vocábulo que define mais a geografia do que a etnia. São vários os povos que coexistem ao longo do rio Kuroka: Hubas ou Chimbas, Cuanhocas, Cuepes e Quimbares são alguns dos grupos étnicos que habitam a zona.” 5

O Padre Carlos Estermann refere que os habitantes do Vale do Kuroka têm sido objecto de observação e estudo desde longa data. O primeiro cronista dos povos do rio Kuroka foi Duarte Pacheco Pereira que, no livro Esmeralda de Situ Orbis, descreve as populações entre a “mangua das areas” (Porto Alexandre, actual Tômbwa) e a “angra das aldeias” (Baía de Moçâmedes, actual Namibe).

Também na história geral das guerras angolanas, A. de Oliveira Cadornega descreve estes povos dispersos, que se cruzam ao longo dos tempos. Estabeleceram migrações com miscigenações sucessivas. Em Setembro de 1770, o sertanejo João Pilarte da Silva fornece inúmeras informações etnográficas: indumentária, armamento, material usado na construção e hábitos alimentares.

Recentemente, Ruy Duarte de Carvalho, no seu livro Vou lá visitar pastores6, dá-nos conta de que os Mukubais casaram com os Quimbares e, por seu turno, os Himbas, em migrações mais recentes, foram complexificando relações de povos sedentários e nómadas, agricultores e pastores, articulando complexas relações, afinal tão antigas e simbólicas como aquelas que são descritas na Bíblia, entre Caim e Abel.

Os Mukubais, pastores, são independentes e avessos ao trabalho agrícola. A mobilidade faz com que se metamorfoseiem facilmente em guerreiros e caçadores. Por sua vez os Quimbares, sedentários, agricultores e comerciantes, possibilitam a ritmação entre processos de conflitualidade e negociação.

Todos estes dados devem ser comparados com a realidade actual para um estudo diacrónico das populações. As variações demográficas podem revelar movimentos de “refugiados climáticos” que assinalem, eventualmente, as incidências ecológicas resultantes das variações climáticas nesta região africana. Este facto, a verificar-se, aumentará a importância do estudo do deserto assim como a criação de formas de combate à desertificação.

Assim, a plantação de espécies autóctones, o controlo das águas e a protecção e disseminação de oásis nessa região deviam constituir preocupação política da maior importância.

Na minha viagem a Marrocos com Pierre Rabhi, em Maio de 20057, à aldeia de Karmet Ben Salem, pude aprender que o modo flexível e sistémico dos processos de regeneração da vida no deserto fazem-se melhor graças à criação de pequenos oásis e acções pontuais, do que através de grandes meios como as muralhas verdes, em que a desertificação mais facilmente “cavalga”.

Enquanto a carrinha parecia desengonçar-se sobre o estradão de areia com lombadas, qual tábua de lavar roupa, o Samuel Aço falou-me dum paleontólogo francês que visitou recentemente a região. Para esse paleontólogo, a origem do homem não estava em Olduwai, como escrevera Lickey. Era no Vale do Kuroka que este cientista pretendia ter encontrado fósseis que atestavam ali, o lugar da génese dos antepassados humanos. A confirmar-se esta teoria, a região do Kuroka poderá vir a ser um ponto de atracção para uma comunidade científica mais vasta (ecologistas, paleontólogos, botânicos, etc.).

  • 8 Idem.

A vegetação no Kuroka rareia. Aquela região, vulgarmente conhecida como o deserto de Moçâmedes, guarda raras espécies de acácias: acácia melífera, acácia gossweileri, etc. Porém outros arbustos pontuam a faixa arbustivada, como a Boscia Microphila, a Macrua Angolensis, Aximénia Americana e a Salvadora Pérsica.8

Durante o percurso parámos o jipe diante dum destes arbustos de folha muito verde, a Salvadora Pérsica, que se apresenta com espessos tufos arredondados, que sobressaem na secura da paisagem. Avistámos ainda a famosa e estranha Welvitschia Mirabilis na planura desértica do Vale do Kuroka. Vimo-la entre a área das pedras vermelhas e do magnífico oásis do Arco do Carvalhão quando, mais tarde, visitámos o Tômbwa (ex-Porto Alexandre).

O estudo desta região árida é do maior interesse, como já dissemos, para a criação de meios ecológicos capazes de inverter a marcha da desertificação.

Em conversa com o Dr. Samuel Aço, referi a importância de se proceder, nesta região, ao repovoamento das seguintes plantas, sempre que isso fosse possível: Odysseia Paucinervis, Sporobolus Spicatus e sobretudo a Acanthosicyus Hórrida.

  • 9 L. A. Grandvaux Barbosa Carta Fito-geográfica de Angola, Luanda, 1970.

Estas plantas fixam as areias, impedindo os ventos de as deslocarem graças às suas raízes profundas e dispersas. Já há muitos anos, como referiu L. A. Grandvaux Barbosa9 conseguiram-se fixar algumas dunas, junto à cidade do Tômbwa (ex-Porto Alexandre) utilizando também a Casuarina Equisetipholia, impedindo as areias de invadirem a referida cidade piscatória.

No Brasil, quando visitei o TIBÁ (dirigido pelo Arquitecto Johan van Lengen), dei-me conta que, embora numa situação climática diferente, se utilizava para a fixação de terras uma planta denominada Vetiver, “Chrysopogon Zizanioides L.”, conhecida ainda por capim limão ou capim de cheiro.

Não muito longe do vale do Kuroka, apercebi-me do uso da erva príncipe (chá de caxinde) como planta medicinal. Essa planta, para além das propriedades medicinais, é também um excelente repelente de mosquitos e possui raízes que fixam o solo.

Finalmente, chegámos à comuna do Kuroka, onde ficámos alojados.

Pelas manhãs comíamos na casa do Samuel Aço e da Teresa uma papa de farinha de milho fermentado – mate, ou seja, o mingau brasileiro. Esta farinha de milho seca ao sol em cima de lajes de pedra, fermenta ao longo de 4 ou 5 dias. Misturada com leite ou água dá um creme branco.

Na casa do Samuel Aço estavam alojados a arquitecta Cristina Salvador, a antropóloga Cristina Rodrigues e o fotógrafo Jorge Coelho. Na nossa casa ficaram o engenheiro Luís Pedroso e a arquitecta Leonilde Fialho.

Chegaram depois mais participantes: o arquitecto Maurício Ganduglia, a Dra. Fátima Viegas, a D. Emília Almeida, o Arquitecto Artur Lima e o Arquitecto paisagista Luís Mata.

Começámos o seminário sobre a construção em terra, que foi bastante participado e com um nível que satisfez todos os intervenientes.

A minha intervenção centrou-se particularmente em torno da importância do Centro de Estudos do Deserto (CE.DO) como iniciativa de estudo e investigação da problemática da desertificação e das alterações climáticas.

De importância internacional, este objectivo científico torna-se também da maior relevância para o interesse local, pois pode servir como antena de formação a vários níveis (sanitário, educativo, construtivo) para as populações da região.

A tecnologia da terra (tema central do seminário) constituiu uma proposta do maior interesse numa região em que se devem privilegiar materiais naturais, ecotecnologias apropriáveis e possibilidade de participar num projecto ecologicamente sustentável nas aldeias do deserto.

  • 10 P. Carlos Estermann, op. cit.

Com efeito, as construções de terra, além das características ecológicas e de apropriação tecnológica fácil, constituem já, historicamente, uma realidade local. As populações do vale do Kuroka não constroem casas rectangulares com cobertura de 2 águas, como já observara Carlos Estermann. A característica da cubata dos povos criadores de gado desta região, sejam eles Kuanhocas ou Chimbas, é terem uma forma intermédia entre a “cubata cupulada dos Hereros da Damaralândia e a casa cónica dos Kuvales.”10

Confirmámos também que as casas são muitas vezes rebocadas exterior e interiormente com uma mistura de terra e bosta de boi. Sob o ponto de vista territorial, estes povos fazem uma distinção entre o espaço destinado à casa de habitação e à área envolvente.

Esta característica africana, que se denomina “django”, articula a área do convívio externo (o quintal) e a área onde existe o fogo propriamente dito. O entendimento deste fogo passa para a noção do espaço convivial de toda a aldeia.

Durante a estadia na comuna do Kuroka e graças ao amigo Conrado António Republicano, visitei o extraordinário oásis do deserto, Arco do Carvalhão. A paisagem paradisíaca, o encanto vegetal e a lagoa coberta de nenúfares potencializam um lugar excepcional para a investigação e para um eventual centro cultural e terapêutico.

O nosso amigo mostrou-me a periferia do Tômbwa, onde escorrem águas sobre a areia. Alguns lençóis freáticos, de água doce, afloram aqui e acolá. Por detrás dos viveiros florestais, as Casuarinas formam uma muralha verde e as várzeas tornaram-se hortas e pomares.

O meu amigo alertou-me para os problemas ecológicos resultantes dos furos abertos por alguns horticultores, que provocaram o aparecimento de água salgada nos terrenos de cultivo. É que na precária e frágil relação entre os lençóis freáticos de água doce e a penetração osmótica da água salgada, nesta zona árida do litoral sul de Angola, rompem-se facilmente equilíbrios ecosistémicos quando se forçam processos produtivos que não levam em conta os equilíbrios locais dos ecosistemas.

Reflecti sobre a necessidade de uma prática agroecológica e agroflorestal nesta zona.

Apreciei a reconstrução da pequena cidade do Tômbwa e desfrutei da baía desta localidade piscatória.

  • 11 Vide http://jornaldeangola.sapo.ao/14/22/centro_de_estudos_do_deserto_melhora_casas_no_kuroca. [Not (...)

Depois da cerimónia oficial com a presença do Vice-governador do Namibe, em que me foi dada a palavra para defender, mais uma vez, a importância internacional e local do CE.DO (Centro de Estudos do Deserto), falei da problemática das alterações climáticas e da desertificação naquela região e no planeta. Fui também entrevistado para a TPA (Televisão Pública de Angola) e para o Jornal de Angola, cuja publicação saiu a 18 de Agosto de 200911.

  • 12 Jornal de Angola, “Centro de Estudos do Deserto melhora casas no Kuroka”, 18 de Agosto de 2009, pág (...)

Para além da implantação dos edifícios em terra, defendi na entrevista que Njambasana deveria ter árvores, hortas e água para a sua sustentabilidade: “Nós temos que ver se primeiro criamos condições com viabilidade. Condições de vida vegetativa que permita a sustentabilidade a esta população que aqui habita. (…) Njambasana é um oásis de enorme riqueza pela abundância da água. Se gerida de uma maneira adequada, colocando uma vegetação necessária para a sua bioregeneração, nós podemos criar aqui um ecosistema capaz ou pelo menos mais capaz de responder às necessidades da população (…). O objectivo é alargar os pequenos oásis de maneira a mudar a própria higrometria. Para além do interesse local em transformar-se num centro exemplar e educativo, mostrando às populações soluções técnicas, pedagógicas e sanitárias (soluções eco-sustentáveis) o CE.DO tem uma importância para toda a humanidade (…). Estamos aqui a fazer uma investigação em relação à desertificação, às mudanças climáticas, enfim, tudo o que o planeta está a sofrer na sua crise ecológica.”12

Durante a estadia em Njambasana e ao longo dos trabalhos de reflexão que fizemos com os participantes no seminário, referi a importância do super-adobe como tecnologia (talvez a mais simples) para aplicar no deserto pois parece-me relevante a não utilização de água, neste processo, uma vez que a terra é ensacada. As casas podem ser encostadas ao solo e semi-enterradas, aproveitando assim uma maior inércia térmica. Os sacos podem ser reutilizados a partir dos sacos de fuba que se vendem no comércio ou podem ser feitos a partir de fibras vegetais existentes em Angola, como por exemplo o sisal ou cânhamo.

Também defendemos a plantação de Nime (planta para uso medicinal e repelente de mosquitos) e de Moringa Oleífera (árvore prodigiosa pelas qualidades nutritivas e medicinais das folhas e do fruto), bem assim como o uso das sementes na purificação da água e na biodepuração de águas residuais.

Nos contactos com o Dr. Samuel Aço e nos debates e conferências que realizei no Seminário e workshop sobre “A Arquitectura de Terra, Uma Aposta para o Desenvolvimento de Angola”, referi a importância de desenvolver o uso das energias renováveis. Interessa particularmente que seja generalizada a energia solar. Vejo com o maior interesse o uso de forninhos solares (fogões domésticos) onde as populações podem preparar as refeições sem recorrerem à desflorestação e queima de lenha. Com esta medida simples podia-se evitar a destruição de milhares de hectares de floresta, evitando o aumento da desertificação e a consequente alteração climática.

Os fornos solares, de tipo industrial e com multifunções, poderiam ser implantados junto de povoações mais densas, de maneira a constituírem pólos de produção (panificação, metalurgia, cerâmica, motor a vapor, etc.) desenvolvendo pequenas indústrias artesanais com o uso de energias renováveis e ecotecnologias simples.

Existem já protótipos destas mini-indústrias solares que, com o uso dum espelho parabólico, permitem construir fornos cujas temperaturas podem ir até cerca de 1.400 graus Celsius. Um destes fornos está já em funcionamento como fábrica artesanal, cozendo peças de cerâmica e funcionando também para cozer pão. Este forno permite assim, variações de temperatura para usos diversos (panificação, cerâmica, metalurgia, etc.)

Partida de avião para Luanda.

  • 13 Vide nota anterior.

No Jornal de Angola saiu um artigo sobre o Congresso de Njambasana, no deserto do Namibe e o CE.DO13.

Fui assistir à conferência sobre o octagésimo aniversário de Mário Pinto de Andrade, realizada na Universidade Lusíada de Angola (em Luanda), com intervenção de Vicente Pinto de Andrade, professor na Universidade Católica e do etnólogo cubano Carlos Moore Wedderburno.

Ressalto a intervenção de Carlos Moore pela importância que deu ao pensamento de Mário Pinto de Andrade, explicitado no livro As Origens do Nacionalismo Africano, onde defendia a criação dos Estados Unidos do Continente Africano, tendo mesmo uma visão abrangente do Estado Universal Africano, incluindo a diáspora dos africanos espalhados por outros continentes.

Carlos Moore desenvolveu ainda algumas ideias do Pan-africanismo, mostrando a sua actualidade na importância da emancipação africana através de uma articulação do conjunto dos países africanos para “Um Outro Mundo Melhor é Possível”, tal como defende o movimento altero-mundialista.

O antigo secretário da OUA, Carlos Moore, referiu as questões do esgotamento do petróleo e a necessidade de lançar perspectivas para um ecodesenvolvimento.

Depois do almoço, eram 15h quando entrámos no carro da Dra. Fátima Viegas em direcção ao Bairro Rocha Pinto, para participar numa investigação sobre a problemática da saúde e religião.

O bairro Rocha Pinto é um bairro com casas degradadas e muito lixo amontoado.

Ao aproximarmo-nos da Igreja Profética Vencedora no Mundo, dirigida pelo Profeta Enoque (ou seja, Jorge Lino Kambundo), passámos por um grande mercado ao longo da rua, com quitandeiras sentadas vendendo fruta, bolachas e baldes de plástico.

Vínhamos com a Dra. Fátima Viegas, socióloga e Directora dos assuntos religiosos junto do governo.

Tínhamos encontro marcado. Quando chegámos ao local onde se vai erigir a igreja que está em obras, já estavam à nossa espera alguns membros dessa comunidade religiosa, descalços e vestidos de branco. Sustentavam insígnias amarelas e azuis e exibiam alguns bastões de madeira.

Receberam-nos amavelmente no pátio da igreja em construção. Ouviam-se os cânticos dirigidos por um pastor. Eram vozes de mulheres sentadas por baixo duma arcada que suportava o terraço e entoavam cânticos religiosos africanos.

Fomos para um pequeno escritório enquanto aguardávamos ser recebidos pelo profeta Enoque. A Dra. Fátima Viegas, já conhecida na igreja, recebeu as boas-vindas. Nós fomos apresentados como estudiosos da Universidade e após as saudações protocolares sobre a nossa bem-vinda e auspiciosa visita, começámos a nossa conversa espontaneamente.

Procurámos esclarecer alguns problemas relacionados com a espiritualidade africana, antes mesmo de avançarmos com as questões das terapias espirituais propostas pela Igreja Profética Vencedora no Mundo.

Como tínhamos compulsado alguns materiais teóricos sobre a espiritualidade bantu, quisemos certificar-nos, junto de Lino Kambundo, qual era a postura da sua igreja em relação às 3 grandes funções mágicas tradicionais: adivinho, curandeiro e feiticeiro.

O profeta assumiu-se de imediato como adivinho, imbuído desde os 23 anos pelo espírito do Anjo Enoque, mostrando assim o seu distanciamento ao curandeirismo tradicional e, em particular, a ruptura total com a feitiçaria.

Durante a viagem até à igreja e mesmo durante a conversa, procurava olhar para o meu próprio olhar. Pretendia, enquanto observador participante, desenvencilhar-me dos estereótipos dos paradigmas religiosos que conhecíamos. O objectivo da nossa entrevista era eliminar evidências epistémicas, resultantes duma formatação hermenêutica, em que culturalmente vivemos. Desejávamos pois a obtenção da informação fenomenológica e participar, evitando um estrangeirismo excessivamente distante, procurando a universalidade e a singularidade, a vivência e a teorização aberta mas equidistante às duas grandes superstições a que está sujeito o investigador da sociologia das religiões: o racionalismo e o irracionalismo ideológico.

Fomos tendo, então, uma compreensão reflexiva sobre esta igreja e o seu profeta. Lino Kambundo procurava dar sentido à energia cósmica e à força positiva “nyambe”.

O discurso do profeta articulava-se em considerações geoestratégicas e até políticas, que não se afastavam de qualquer discurso académico ou similar. Porém, de vez em quando, um discurso imaginal aparecia nos seus relatos. Falou do jacaré que calçava botas e falava com as mulheres, junto do rio Cunene, atacando-as de seguida. Falou ainda dum soba mau, do Kuanza-Sul, que todas as manhãs fazia sair répteis e ratos, impedindo as pessoas de se passearem nas ruas da aldeia entre as 7h e as 15h. Também nos fez relatos de crianças que voavam.

O profeta Enoque, nesse seu relato, não “facilitava” a nossa decifração intelectualista, pois ficámos sempre sem saber se relatava cenas objectivas ou projecções subjectivas dos doentes que ele socorria. Mas isso tornava-se também na riqueza da sua “achega imaginal”.

Esta narrativa fenomenológica obrigava-nos a uma constante abertura e distanciamento, que se tornaram ainda mais evidentes diante da prática terapêutica a que assistimos na sala contígua, também forrada de azulejos brancos. A imposição de mãos no corpo dos pacientes, ao mesmo tempo que, com uma voz mântrica e quase autoritária, o “dr. massagista” expulsava as energias negativas que os pacientes possuíam.

Lino Kambundo recebeu-nos amavelmente, com hospitalidade africana. Numa conversa de charme falou-nos mesmo de um projecto para uma casa grande, com camaratas e quartos para jovens e mais velhos, integrado numa quinta com sustentabilidade para todos os hóspedes e doentes. Escolas e ateliers ajudavam à formação e capacitação profissional. Jardins e piscinas permitiriam actividade criativa e de lazer.

O problema da sociologia religiosa em África, mesmo para quem se pretenda incluir numa posição de espiritualismo laico, não pode deixar de observar, para além do operativismo imediatista deste tipo de terapias, a problemática perigosa que pode surgir em seitas que prometem milagres repentinos e que se alimentam de ilusões miríficas, muitas vezes assentes nos factores objectivos da fome real e da miséria quotidiana do sofrimento.

Contudo, um trabalho reflexivo sobre o xamanismo e em especial o xamanismo africano, necessita duma compreensão fenomenológica (um olhar por dentro) de modo a poder avaliar epistemologicamente o saber tradicional, ao mesmo nível dos outros saberes. Caso contrário, as leituras habituais sobre esta temática curativa restringem-se apenas ao olhar “ocidentalocrático” que faz apreciações reducionistas, tais como considerar tais práticas xamânicas como simples expressões de “sociedades primitivas” e baseadas em “conceitos supersticiosos” ultrapassados.

Só um olhar reflexivo poderá então apreciar, sem preconceitos, o valor do xamanismo como contribuição para uma cosmovisão mais alargada da antropologia humana.

A abertura ecológica permite entender que as práticas xamânicas estão ligadas a uma abordagem sistémica do homem e da natureza. Esta perspectiva é particularmente interessante para a emergência do novo paradigma que põe em causa, do meu ponto de vista, a arrogância reducionista da visão da sociedade moderna.

A questão essencial persiste: estas práticas constituem uma psiquiatria social do oprimido e, portanto, são uma resposta possível e positiva, ou constituem um processo de alienação e submissão que agrava a situação dos excluídos?

De manhã dirigimo-nos a casa da Dra. Fátima Viegas e conversámos sobre a experiência vivida aquando da visita à igreja do Profeta Enoque e também sobre as perspectivas do trabalho a efectuar no campo social, recorrendo a aspectos ligados às terapêuticas da sociedade tradicional. Registámos este encontro em vídeo e, tal como vamos fazer em relação ao vídeo feito na visita à Igreja do Profeta Enoque, vamos dá-lo a conhecer ao Doutor Pierre-Yves Albrecht, no sentido de alargar esta investigação para uma reflexão teórica sobre o xamanismo e em especial o xamanismo africano, procurando uma compreensão fenomenológica de modo a poder avaliar o saber tradicional em relação aos outros saberes tecnocientíficos. Pretende-se ultrapassar os preconceitos ocidentalocráticos sobre a terapia utilizada nas sociedades vernaculares.

Procura-se a cosmovisão duma antropologia reflexiva. Pretende-se abandonar a arrogância reducionista da visão dominante, em detrimento das achegas da etnomedicina.

A resposta a estas questões poderá ser possível se se entrosarem saberes vernaculares, etnopsiquiatria e conhecimentos académicos, numa reflexão epistemológica de fundo.

Notas

1 Jornal de Angola, 6 Agosto 2009, “O drama do estacionamento na Baixa de Luanda”.

2 Hoje, os prognósticos apontam normalmente para Luanda um número de habitantes a variar entre 7 e 8 milhões de habitantes. Há, entretanto, quem arrisque 9 milhões de habitantes. [Nota do editor].

3 Trata-se da então designada “Universidade de Benguela”, instituição privada que funcionava ainda sem autorização governamental. Já com autorização, designa-se hoje Instituto Superior Politécnico de Benguela. [Nota do editor]

4 A. Castanheira Dinis Características Mesológicas de Angola, Nova Lisboa, 1973.

5 P. Carlos Estermann Etnografia do Sudoeste de Angola, Mem. Série Antropo. Etnol., nº 4 (vol. I) 2ª edição, 1960.

6 Ruy Duarte de Carvalho Vou lá Visitar Pastores, Ed. Cotovia, Lisboa, 1999.

7 Jacinto Rodrigues Sociedade e Território. Desenvolvimento ecologicamente sustentado, Profedições, Porto, Março 2006.

8 Idem.

9 L. A. Grandvaux Barbosa Carta Fito-geográfica de Angola, Luanda, 1970.

10 P. Carlos Estermann, op. cit.

11 Vide http://jornaldeangola.sapo.ao/14/22/centro_de_estudos_do_deserto_melhora_casas_no_kuroca. [Nota do editor].

12 Jornal de Angola, “Centro de Estudos do Deserto melhora casas no Kuroka”, 18 de Agosto de 2009, pág. 5.

Jacinto Rodrigues

13 Vide nota anterior.

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • OpenEdition Journals