Navegação – Mapa do site
Recensões

Eswaran, Mukesh (2014), Why Gender Matters in Economics

Miguel Oliveira
p. 153-155
Referência(s):

Eswaran, Mukesh (2014), Why Gender Matters in Economics. New Jersey, NJ: Princeton University Press, 396 pp., 1.a edição

Texto integral

1Mukesh Eswaran, autor do livro em análise, é professor na Vancouver School of Economics da Universidade de British Columbia, Canadá, Senior Fellow do Bureau of Research and Economic Analysis of Development e investigador associado da organização Theoretical Research in Economic Development. Os seus trabalhos focam questões de desenvolvimento económico associados às desigualdades de género na Economia.

2M. Eswaran apresenta como circunstância inspiradora deste livro a quase inexistência de livros de Economia abrangendo os tópicos que pensa terem relevo para a compreensão do papel das mulheres na economia: “Não consegui encontrar um livro que oferecesse uma visão abrangente da vida económica das mulheres” (p. xi).

3Não é, pois, de admirar que o livro proceda a uma revisão de literatura científica multidisciplinar em torno da questão de saber por que razão o género devia interessar à ciência económica. Fazendo recurso a propostas de leitura tão distintas como o feminismo, o marxismo, o pós-modernismo, a psicologia, a biologia e a ciência política, a questão proposta é a de saber porque deve o género interessar mais à ciência económica do que aparentemente parece já acontecer. Em particular, como acomodar efeitos do comportamento cujas causas remetem para tais abordagens disciplinares com leituras mais potentes do que as permitidas exclusivamente por modelos económicos dominantes.

4O eixo de questionamento que perpassa o livro centra-se na tentativa de estabelecer como, em contexto económico e não económico, o comportamento determinado por razões económicas e não económicas (culturais, sociais e psicológicas) se revela à partida genderizado. As diferenças manifestas na economia resultam, pois, do concurso dos diferentes fatores em jogo, dos seus pesos e das suas interações.

5Partindo da simples constatação de que: “[…] pequenas diferenças e vantagens relativamente menores (tais como a força física nos homens) podem ser amplificadas para produzir diferenças de resultados notórias no campo económico” (p. 1), o livro apresenta as diferenças de comportamento de homens e mulheres em contexto económico a partir de ângulos bem diversos: porções a atribuir à biologia, à psicologia e à socialização; distribuição de poder no casal/agregado familiar; razões para a diferença de poder decisório de homens e mulheres e causas da sua persistência atual; o porquê da preponderância da divisão de trabalho ser ainda hoje, para as mulheres, a da atribuição de tarefas ancestrais de trabalho doméstico e cuidados com as crianças; o papel dos mercados na determinação do bem-estar das mulheres; discriminação das mulheres nos mercados; consequências da globalização para o bem-estar económico e social das mulheres; consequências do matrimónio, contraceção e fertilidade para as mulheres, comparativamente entre países desenvolvidos e em desenvolvimento; fatores económicos determinantes na aquisição de direitos políticos (sufrágio) e efeitos no bem-estar económico e social; e, finalmente, como empoderar as mulheres.

6As discussões decorrem em torno de quatro módulos organizados em capítulos, que se seguem a um primeiro capítulo introdutório. Uma caraterística que se destaca é a da existência de uma secção de “Exercícios e questões para discussão” no fim de cada capítulo. Embora tal faceta possa emprestar ao livro um cariz pedagógico mais tradicional, a verdade é que o restante texto não segue tal modelo. De leitura acessível, o texto não oferece dificuldades de interpretação, exceto em alguns, poucos, pontos de tecnicidade mais exigente (por exemplo, sobre modelos de negociação). Numa apreciação global, acaba por ser um livro para estudantes de licenciatura, tal como no Prefácio o autor confessa ter sido o seu desígnio, sendo as questões “[…] tratadas a um nível não técnico que presume apenas conhecimento dos princípios básicos da economia” (p. xi).

7O Módulo 1, “Matérias fundamentais”, procura estabelecer quais os mecanismos centrais sociais, psicológicos e económicos que determinam as diferenças de género. Este módulo é composto de dois capítulos: 2 – “Comportam-se homens e mulheres de modo diferente em situações económicas?” e 3 – “O que determina o equilíbrio de poder no agregado familiar?”

8O Módulo 2, “Género nos mercados”, discute o papel das mulheres nos mercados e o grau de discriminação que aí encontram num pano de fundo geral de globalização. Composto de três capítulos: 4 – “São as mulheres discriminadas negativamente no mercado de trabalho?”, 5 – “De que modo os mercados de crédito afetam o bem-estar das mulheres?” e 6 – “Que efeitos tem a globalização nas mulheres?”

9O Módulo 3, intitulado “Casamento e fertilidade”, aborda questões de natureza mais institucional e sociológica em três capítulos: 7 – “Quão bem se dão as mulheres na instituição casamento?”, 8 – “Porque são as mulheres causas e vítimas do declínio da fertilidade?” e 9 – “Que benefícios retiram as mulheres do acesso melhorado ao controlo de natalidade?”

10No Módulo 4, intitulado “Empoderar as mulheres”, discutem-se formas de promoção do desenvolvimento e reforço da autonomia decisória e económica das mulheres. Composto dos dois últimos capítulos: 10 – “Como as mulheres alcançaram o sufrágio e quais os seus efeitos económicos?” e 11 – “Como podem as mulheres ser empoderadas?”

11É neste último capítulo do Módulo 4 (Capítulo 11) que se concentram as “lições” colhidas em módulos anteriores. Seja no mercado de trabalho ou de crédito (Capítulos 4 e 5 do Módulo 2) ou no acesso ao planeamento familiar das mulheres (Capítulo 9 do Módulo 3), as consequências de diferenças biológicas e/ou psicológicas, caucionadas por formações sociais (sociedade patriarcal) e culturais (casamento), traduzem-se em práticas económicas reprodutoras que a Economia (mercados competitivos) só consegue contrariar parcialmente (Módulo 2). Perante a insuficiência de modelos estritamente económicos (por exemplo, salários de eficiência ou gosto pela discriminação) para a explicar e desmontar as desigualdades, torna-se necessário encontrar, por entre mecanismos não económicos que delas deem conta, as vias da sua superação. A este propósito, o autor aponta duas linhas de ação frutuosas no empoderamento das mulheres. Por um lado, a evidência que o papel da educação tem na determinação de autonomia das mulheres (nos países desenvolvidos ou em desenvolvimento) e que tem conexão conhecida nos países mais desenvolvidos com o incremento de liberdade face ao casamento, à fertilidade e à contraceção, todas promovendo a desmontagem de desigualdades. Em países em desenvolvimento, os movimentos de globalização parecem ter trazido maior rendimento e liberdade de escolha às mulheres, pelo que, por força de razão, aí a educação, com as suas consequências de autonomização da mulher, constitui uma via de superação de preconceitos e práticas discriminatórias que minam formações sociais e culturais atávicas. Por outro lado, o acesso das mulheres ao sufrágio, com o apoio renitente, mas efetivo, de legisladores (homens), constituiu um avanço maior na equalização das desigualdades. Eswaran sugere que o poder da legislação preventiva das desigualdades à partida (por exemplo, quotas), que resultaram em grande medida nos EUA, não deve ceder à facilidade de esquecer as consequências indesejáveis para as mulheres, principalmente em países menos desenvolvidos (por exemplo, na Índia). Mais ainda, do ponto de vista económico, o crescente aporte de mulheres nos sistemas de ensino e no mercado de trabalho (com a correlativa expressão de preferências de consumo genderizadas), obrigam a dar atenção ao papel que as mulheres cada vez mais têm como alvos de políticas sociais de apoio à família, infância, saúde e poupança. As caraterísticas das mulheres que inspiram novas políticas sociais de apoio à família são as mesmas que se exprimem na negociação (por exemplo, altruísmo vs. interesse próprio, cooperação vs. competição) (Capítulo 2) e nas escolhas de consumo que, em contextos específicos (agregado familiar, Capítulo 3), constituem ainda, ironicamente, ameaças de estereótipo (Capítulo 2) que minam o seu desempenho.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Miguel Oliveira, « Eswaran, Mukesh (2014), Why Gender Matters in Economics », Revista Crítica de Ciências Sociais, 111 | 2016, 153-155.

Referência eletrónica

Miguel Oliveira, « Eswaran, Mukesh (2014), Why Gender Matters in Economics », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 111 | 2016, colocado online no dia 07 Dezembro 2016, criado a 15 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/rccs/6507

Topo da página

Autor/a

Miguel Oliveira

Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
moliveira@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals