Navegación – Mapa del sitio

4 | 2012
Inv(i)erno 2012

Bajo la dirección de Emiliano Acosta y Thiago S. Santoro
Notas de la redacción

Temos o prazer de anunciar a publicação de mais um número da Revista bilíngue Revista de Estud(i)os sobre Fichte (REsF), uma iniciativa organizada pela Associação Latino-americana de Estudos sobre Fichte/Asociación Latinoamericana de Estudios sobre Fichte (ALEF). Ao final de 2011, mais precisamente em novembro, tivemos a felicidade de ver concretizado o primeiro passo de um importante projeto mais amplo: através da realização do 1º Congresso Latino-americano sobre o Pensamento de Fichte, sediado na Universidade Federal de Goiás, surgiu finalmente a oportunidade de inaugurar de modo marcante a recém criada rede de pesquisa e intercâmbio acadêmico ALEF. Essa ocasião nos deu não só a dimensão real do crescente interesse pela filosofia de Fichte na América Latina, mas também mostrou às demais redes internacionais dedicadas ao autor um pouco da alta qualidade acadêmica que pauta a produção atual de nossa região.  

O presente volume publicado, na medida em que mantém o espírito de pluralidade e diversidade com relação às discussões filosóficas das edições anteriores, traz seis contribuições de artigos inéditos, bem como duas resenhas de monografias recentemente editadas. Dos seis artigos, selecionamos duas contribuições, sem dúvida bastante originais, de professores convidados ao último congresso já mencionado, realizado em novembro. O ensaio do prof.  Goddard traz uma reflexão anti-ideológica acerca da relação entre os conceitos de Urvolk e Ausland, sugerindo uma via de interpretação bastante original para a ideia de povo aborígene ou nativo, sem deixar de esclarecer com isto também a própria natureza da Wissenschaftslehre. Já o texto do prof. Girndt, que sem dúvida defende uma tese considerada muitas vezes controversa, apresenta algumas considerações sobre uma possível aproximação entre a filosofia fichtiana e correntes do pensamento oriental.

O leitor encontrará nesse mesmo número também quatro excelentes contribuições que fizeram parte das apresentações do mesmo congresso em Goiânia. Analisando os textos fichtianos do período de Jena, Francisco Gaspar nos traz um esclarecimento sobre os modos fático e genético do conhecimento, tentando indicar qual deles deve constituir o legítimo ponto de vista da Doutrina-da-Ciência. Fábio Nolasco, por sua vez, investiga de que forma a intuição intelectual e o procedimento matemático, ambos elementos metodológicos centrais da Doutrina-da-Ciência, inserem-se na crítica de Hegel à filosofia de Fichte. Felipe Saugier traz à presente seção desse volume o único texto em espanhol, e sua contribuição pretende elucidar a posição fichtiana sobre o problema da propriedade, na medida em que sua teoria política não pode pressupor nem uma ocupação, nem uma comunidade originária de bens. Por fim, a partir do conceito de “esquecimento de si”, Vasco de Jesus investiga a relação do sujeito com o mundo tal como exposta por Fichte no Sonnenklarer Bericht.

Além disso, contamos com duas resenhas ao final do volume, uma que avalia o livro recentemente publicado de Emiliano Acosta, intitulado Schiller versus Fichte: Schillers Begriff der Person in der Zeit und Fichtes Kategorie der Wechselbestimmung im Widerstreit, outra que analisa em detalhe o livro catalão de Salvi Turró, cujo título é Fichte. De la Consciència a L’Absolut. Assim, apresentamos ao leitor um volume contendo contribuições sobre temas os mais variados, sem que tal variedade temática, muitas vezes inevitável, interfira minimamente no padrão de excelência acadêmica que rege o teor de revista EsF.

  • OpenEdition Journals