Navegação – Mapa do site
Clássicos e textos de referência

O Barão do Rio Branco e a Geografia

Antonio Carlos Robert Moraes

Notas da redacção

O texto de nosso querido Tonico que o leitor agora tem contato não chega a ser inédito, embora, para a grande parte dos geógrafos, provavelmente o seja. “O Barão de Rio Branco e a Geografia” revela um profundo interesse que Tonico sempre teve pela personagem desse “geógrafo refinado”, como ele diz nas páginas que se seguem. E isso desde meu primeiro contato com ele, como aluno que era da graduação em geografia na USP – isso lá pelo início dos anos de 1990. Preparado para eventos – alguns dos quais abortados – visando a homenagear os 100 anos do falecimento do Barão (em 2012), este ensaio foi, de fato, uma única vez publicado, no mesmo ano, pela Fundação Alexandre de Gusmão, em uma coletânea chamada “Barão do Rio Branco – 100 anos de memória”. Para quem conhece o estilo do Tonico, este texto soa como preliminar, muitas vezes tendo o sabor de um estudo para uma exposição oral – como de fato foi apresentado. Vindo à luz este texto para um público mais afeito à história da geografia (e não ao mundo diplomático), permiti-me arrogar a revisá-lo, após passar por algumas mínimas alterações – ou correções – que ousei fazer, sanando algumas imprecisões de um mestre que escrevia praticamente de cor (de sua mente saíam fontes e referências já solidificadas e prontas...), para o que necessitei adequar algumas citações ou, literalmente, ir atrás de outras. Há uma particularidade sobre este texto que vale a pena contar: Tonico me enviou o escrito sobre o Barão em maio de 2013 para que discutíssemos um dia, pois ele mesmo sabia do seu caráter inacabado. Nunca, pudemos infelizmente, conversar sobre o Barão...

Deixo aqui meu agradecimento ao Martim, filho mais velho do Tonico, e à Fundação Alexandre de Gusmão.
Boa leitura a todos nós,
Paulo Roberto de Albuquerque Bomfim

Texto integral

  • 1 Os termos “corologia” e “corografia”, muito utilizados no século XIX, foram abandonados, sem que ou (...)

1Para bem diferenciar o enquadramento do objeto de investigação e o entendimento do discurso acerca desse objeto, os historiadores utilizam os termos história e historiografia. A geografia não opera com uma distinção semelhante, nomeando os dois universos com o mesmo vocábulo (Escolar, 1996).1 Assim, utiliza-se o termo geografia para designar a manifestação de fenômenos na superfície terrestre e a materialidade daí resultante. Mas o vocábulo também é utilizado para qualificar as representações criadas acerca dessas relações e dessa materialidade. Tem-se, portanto, a palavra geografia designando o fato e o discurso. A pertinência deste comentário ancora-se na dificuldade de – num breve texto – abarcar as possibilidades analíticas postas pelo tema das relações do barão do Rio Branco com a geografia. E a dificuldade advém de sua forte atuação nos dois universos mencionados, e – mais ainda – relacionando-os de uma forma exemplar.

  • 2 Como sugerido por Virgílio Correia Filho (1945) e Renato B. Rodrigues Pereira (1945).

2Pode-se analisar o legado do barão do Rio Branco, numa ótica da geografia política, como um importante definidor das fronteiras estatais na América do Sul, logo como um construtor prático de territórios. Mas pode-se também analisá-lo, do ponto de vista da história da ciência, como um refinado geógrafo, um interprete da formação territorial do Brasil. E, em sua atuação, os dois planos se interpenetram, pois o conhecimento disciplinar foi em muito mobilizado na atividade diplomática, o que abre outro campo de investigação. Só o uso da cartografia como instrumento político de negociação já propiciaria uma pesquisa de monta.2 Aqui vamos tentar algumas aproximações, nos restringindo ao campo disciplinar, o que nos coloca numa abordagem que privilegia a atividade mais “acadêmica” de José Maria da Silva Paranhos Junior.

  • 3 O próprio Levasseur (et al, 1889, p.VIII) assume claramente essa colaboração, ao dizer, na “Apresen (...)
  • 4 Dos 31 capítulos do volume, 13 foram redigidos individualmente por Levasseur, 6 foram feitos em par (...)

3Com certeza a obra na qual as concepções de geografia do autor conhecem sua melhor explicitação é no verbete sobre o Brasil, organizado por Émile Levasseur (mas claramente estruturada e redigida também por Rio Branco) para a Grande Encyclopédie, o qual conhece uma edição específica, intitulada Le Brésil, publicada em Paris em 1889 pela editora H. Lamirault.3 Contribuíram para esse texto um grupo de eminentes pensadores: E. Trouessart, doutor em medicina; Paul Maury, do Museu de História Natural; Zaborowski, “antigo secretário da Sociedade de Antropologia de Paris”; Henri Gorceix, diretor da Escola de Minas de Ouro Preto; J. C. de Almeida-Arêas, barão de Ourém, ministro plenipotenciário do Brasil em Londres; Eduardo Prado, “jornalista e homem de letras”; e o barão do Rio Branco, “oficial da Legion d’Honner, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, e antigo deputado”. Apesar do concurso de todos estes colaboradores, a maior parte do volume foi escrita pelo barão, por Levasseur, ou pelos dois juntos.4 Tal parceria merece alguns comentários.

  • 5 Ver: Claval; Nardy, 1968, especialmente a 2ª parte: “Levasseur, Geographe”.
  • 6 Entre as obras mais conhecidas de Émile Levasseur, destaca-se: Histoire des classes ouvières en Fra (...)

4A figura de Émile Levasseur (1828-1911) ficou um pouco ofuscada na história da geografia francesa pelo destaque dado a Paul Vidal de la Blache, ao qual se atribuiu a paternidade inconteste da “escola possibilista”. Na verdade, a construção de tal perspectiva – que reformula a geografia universitária na França da Terceira República – remonta a estes dois autores, dotados de especialidades diferentes e complementares: La Blache vinha do campo da história, e Levasseur era professor de economia e estatística (Claval; Nardy, 1968).5 Ambos já eram autores reconhecidos e estabelecidos quando foram recrutados para a tarefa de organizar o conhecimento geográfico francês em um sistema moderno (logo, em moldes científicos e pedagógicos). Levasseur, ex-aluno da École Normale Supérieure, era membro da Académie des Sciences Morales et Politiques, e desde 1872, professor do Collège de France, com vasta obra publicada. Foi ele o responsável pela nova organização do ensino básico da geografia no país, e o forte inspirador da geografia econômica ali praticada, além de um grande organizador das estatísticas francesas (notadamente, as referentes a emprego e demografia, assunto de alguns de seus principais livros).6

  • 7 Ver também o necrológio redigido por Vidal de La Blache em Claval; Nardy, 1968).
  • 8 Além dos autores citados, reuniam-se com frequência na casa de Eduardo Prado, entre outros Santa An (...)

5O parceiro do barão do Rio Branco nesse volume era, portanto, um dos mais importantes e consagrados geógrafos da França no último quartel do século XIX, tendo ocupado a presidência da Sociedade Francesa de Economia Política e a presidência honorária da Sociedade Francesa de Geografia (Brunhes, 1911).7 O simples fato de dividirem uma publicação já seria digno de nota, contudo a coautoria de várias partes do texto parece revelar uma relação pessoal e acadêmica mais sólida, construída possivelmente na convivência do grupo que se reunia em Paris no “salão” de Eduardo Prado na Rue de Rivoli (Vianna Filho, 1996: 124).8 Contudo, o mais importante a assinalar é a afinidade disciplinar demonstrada na cooperação entre os autores no que interessa a matérias e conteúdos que deveriam ser contemplados num estudo geográfico. Nesse sentido, o plano da obra é revelador das concepções partilhadas quanto ao objeto e o método da disciplina.

6Um primeiro ponto a salientar diz respeito à localização da obra no campo disciplinar estrito da geografia, posição peculiar e que pode ser aferida no agrupamento das variadas matérias tratadas em três grandes blocos, intitulados: Geografia Física, Geografia Política, e Geografia Econômica. Tem-se, portanto, no uso do rótulo específico, o entendimento de que uma visualização completa e sintética de um país deva estar ancorada nessa denominação, postura típica das “geografias universais” da época. Feito este apontamento inicial, cabe penetrar na análise dos conteúdos apresentados sob cada rubrica.

  • 9 Nesse sentido, estes três capítulos (o primeiro escrito por P. Maury e os seguintes por E. Trouessa (...)

7A primeira parte – Geografia Física – executa um enquadramento do território brasileiro em termos de superfície, situação e limites, expondo as coordenadas geográficas de seus pontos limítrofes e fazendo uma detalhada descrição das fronteiras terrestres e da linha de costa do país. Em seguida, apresenta suas divisões no que importa à geomorfologia (“O relevo do solo”), à geologia, à hidrografia (“O regime das águas”) e à climatologia. Pode-se considerar que a caracterização do meio físico realizada é comandada pelas macrounidades geomorfológicas (planaltos, planícies e bacias), que em grande parte são usadas na explicação das demais características naturais enfocadas. Na sequência é apresentado um texto sobre a flora, outro sobre a fauna, e um terceiro sobre a paleontologia do Brasil, os três com uma concepção mais taxonômica do que regional.9 E há ainda um capítulo dedicado a “antropologia”, assinado pelo barão do Rio Branco e por Zaborowski, no qual são discutidos os fósseis e as pinturas rupestres descobertos no país (fazendo um balanço da discussão arqueológica acerca da pré-história brasileira), e expondo um quadro das tribos indígenas originais do território (numa perspectiva mais etnográfica, que aborda a língua e a cultura material). O debate sobre as “raças” que compõem a população brasileira, e sobre a questão da “mestiçagem” (Schwarcz, 1993), completa esse capítulo. Um último assunto, também sob a responsabilidade do barão, fecha essa primeira unidade, abordando o tema das “explorações científicas” num capítulo específico, no qual ele avalia os levantamentos efetuados por naturalistas e exploradores brasileiros e estrangeiros ao longo do século XIX.

8A matéria coberta por esta parte demonstra bem o momento ainda de passagem de um modelo de exposição do conhecimento geográfico utilizado desde os finais do século XVIII, e divulgado com o emprego dos rótulos “corologia” e “corografia”, no qual as informações disponíveis eram inventariadas e apresentadas sem um sequenciamento bem justificado teoricamente, para o padrão que se hegemonizaria a partir do início do século XX sob a alcunha de “monografia regional”. Este [padrão] demanda uma teoria explicativa da dinâmica do meio físico para orientar a disposição das matérias abordadas, a qual estabelece a correlação entre diferentes fenômenos como base de explicação da unidade natural da região (Lencioni, 1999). Na sequência mais convencional de avaliação do meio físico, tem-se a atuação dos paleoclimas sobre a estrutura geológica gerando as formas do relevo, que sob a ação das variações climatológicas constituiriam os tipos de solo, os quais em interação com o clima atual desenvolvem as formações vegetais, que (como ecossistemas) servem de habitat para distintas espécies animais. A organização dos assuntos utilizada no volume em pauta não adotava ainda esse modelo, apesar de contemplar alguns de seus componentes. Vale também salientar que, na distribuição das matérias e na argumentação apresentada no livro, não se nota encaminhamentos que sugiram uma postura de tipo “determinista”, antes se pode identificar elementos epistemológicos próprios do enfoque do “possibilismo”, o que ajuda a afirmar o papel de Levasseur na sistematização dessa escola da geografia (Moraes, 2006).

  • 10 Criticam, citando Saint-Hilaire (apud Levasseur, et al, 1889: 33) o “sistema federalista”, que pode (...)
  • 11 Os autores concluem esse capítulo com as seguintes palavras: “Ao longo de quarenta anos, o Brasil, (...)
  • 12 Eles destacam a necessidade de diferenciar a população urbana e a rural, procedimento não adotado n (...)
  • 13 Vale reproduzir uma afirmação desse último texto: “No que concerne ao direito público internacional (...)

9A segunda parte do livro, intitulada Geografia Política, traz um subtítulo, “História, Administração, População”, que revela algo da concepção assumida quanto a esse rótulo. O primeiro tópico apontado, objeto do capítulo inicial (redigido por Levasseur e pelo barão), enfoca a ocupação territorial e o povoamento de todos os quadrantes do território da colônia. Ao chegar ao século XIX, se detém na crítica do “sistema federalista”, posto como origem dos principais problemas governamentais vivenciados pelo império,10 cuja superação – na segunda metade do século – teria aberto um novo ciclo de “progressos” para o país.11 A esse capítulo se segue outro, da lavra de Levasseur, abordando o tema da “emancipação dos escravos”, no qual reafirma a ideia de uma escravidão mais branda no Brasil que no EUA e nas Antilhas, acreditando numa substituição da mão de obra escrava por imigrantes, e elogiando o caráter pacifico da transição ocorrida no país. Conclui que o Treze de Maio “abre uma nova era na história do Brasil”. O capítulo seguinte (escrito por Levasseur, Rio Branco e Ourém) aborda “o governo e a administração”, fornecendo um quadro estatístico do país por suas unidades administrativas (províncias, municípios, vilas e cidades) e discutindo a qualidade das próprias estatísticas nacionais (fazendo críticas notadamente ao censo de 1872).12 Após comentar a evolução urbana das principais cidades brasileiras, avançam pela discussão das divisões eclesiásticas e judiciárias (paróquias, termos e comarcas), além de comentar o sistema de defesa do país e apresentar o número dos efetivos militares, dos navios de guerra, e dos inscritos na Guarda Nacional. Terminam este capítulo com a exposição da situação financeira do Estado, expondo o orçamento no que tange às despesas e receitas e detendo-se na análise da questão tributária e das dívidas interna e externa. A exposição sobre a legislação vigente, elaborada pelo barão de Ourém no capítulo seguinte, completa o conteúdo de descrição da estrutura estatal do país.13

  • 14 Ele retoma as críticas ao recenseamento de 1872, qualificado como bastante “defeituoso”, apresentan (...)
  • 15 Eles justificam o otimismo desse juízo com o fato de um descendente de alemães já haver chegado a C (...)

10Os capítulos seguintes voltam-se mais para a demografia e para a vida social brasileira. O de número cinco, escrito por Levasseur, aborda a população total do Império, confrontando as estimativas existentes14 e examinando o tema da variação da densidade entre a “região costeira” e as zonas interioranas. Retoma o tema da variedade das “raças” (europeus, negros e índios) na composição populacional do Brasil, encerrando esse texto com um quadro de sua distribuição por província. O capítulo que se segue é dedicado inteiramente para a questão da imigração (sendo escrito por Levasseur em parceria com Rio Branco). Neste, a história das experiências de colonização com colonos estrangeiros ao longo do século XIX é narrada, assim como são apresentadas as estatísticas da quantidade de imigrantes desembarcados nos portos do Rio de Janeiro e de Santos. Uma informação sobre as companhias e as sociedades de fomento da imigração fecha o texto, que termina elogiando a assimilação destes colonos na sociedade nacional.15 O capítulo sete, redigido também pelos dois autores, tem por título “A Instrução”, e começa com uma afirmação digna de ser reproduzida: “O Império do Brasil, como todos os Estados civilizados, fez nos últimos vinte anos, sérios esforços para desenvolver a educação” (Levasseur, et al, 1889: 53). Tal juízo é acompanhado de dados sobre o número de colégios, bibliotecas, escolas técnicas, escolas normais, museus, e dos investimentos no setor. Tecem comentários sobre as principais instituições de promoção do conhecimento, destacando o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e a Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, e terminam noticiando que no “discurso do Trono” do presente ano apareceu a proposta da criação de duas universidades no país. O capítulo seguinte trata da impremsa, e ia mítulo iniciaRio Branco que o assina como “antigo jornalista no Rio de Janeiro”. Depois de expor uma história dos jornais após a independência, e de apresentar um quadro das publicações por províncias, conclui asseverando que no Brasil contemporâneo “a liberdade de impremsa é completa”.

  • 16 Nas palavras de Eduardo Prado: “A história e a geografia do Brasil fizeram grande progresso com as (...)

11É interessante assinalar que a postura de ir além das instituições estatais e da prática da administração pública num texto de geografia política constitui um posicionamento avançado numa época onde vigora a concepção do Estado como monopolizador desse campo. Nesse sentido, a análise empreendida por Levasseur e Rio Branco revela sensibilidade para os assuntos da sociedade civil, o que fica ainda mais evidente nos dois últimos capítulos dessa segunda parte do livro. O de número nove, intitulado “Língua e Literatura”, fo mítulo iniciaEduardo Prado, que inicia sua interpretação dizendo: “O português é a língua nacional do Brasil. Ela é, ao lado da religião e da comunidade de origem, um dos fatores da unidade do império” (Levasseur, et al, 1889: 57). Em seguida comenta as obras que teriam contribuído significativamente para o conhecimento do país, começando com Aires de Casal e estabelecendo uma seleção controversa na qual as afinidades parecem ter servido como forte critério na escolha dos personagens listados.16 Finalmente, o último capítulo dessa parte é dedicado às “Belas Artes”, e foi escrito pelo barão, que identifica os autores e obras mais importantes produzidas no Brasil interessando diferentes campos, como a pintura, a escultura, a arquitetura e a música. Nesse percurso comenta desde as telas de Eckhout ou as igrejas coloniais até os pintores contemporâneos como Pedro Américo e Vitor Meireles, passando pela Missão Francesa, pelo Aleijadinho e pelo Mestre Valentim. Volta-se a destacar que incluir estes temas na rubrica “geografia política” significa tomar seu horizonte de preocupação num sentido amplo da política, vista como não restrita apenas ao âmbito governamental e à vida partidária, mas imiscuindo-se no universo da cultura (obviamente levando em conta as hierarquias e as restrições sociais vigentes).

  • 17 As citações são da obra de Émile Levasseur, et al, 1889: 68. Não deixam de assinalar que o Brasil p (...)

12A terceira parte do volume é dedicada à Geografia Econômica, área de estudo por excelência de Émile Levasseur, que participa da redação (sozinho ou em parceria) de todos os capítulos que a compõem. O primeiro capítulo, que aborda “As regiões agrícolas”, na verdade estabelece uma divisão do território ainda baseada em muito nas macrounidades do relevo e na aptidão natural dos grandes conjuntos regionais para a agricultura, a saber: “região costeira tropical”, “região temperada” meridional, “região de planaltos”, e “região da planície amazônica”. Termina esse texto com um quadro estatístico da produção agrícola das províncias. Os três capítulos seguintes, todos escritos por Levasseur (como o anterior também), visam fornecer inventários de produtos do “reino vegetal”, do “reino animal”, e do “reino mineral”, num contexto no qual a agricultura ganha destaque em função de seu peso na pauta de exportações. Contudo, no geral, os levantamentos apresentados são bastante detalhados, chegando a listar os recursos pesqueiros (fluviais e marítimos), as águas termais e os depósitos de xisto betuminoso, e mesmo alguns produtos agrícolas pouco difundidos como o chá e a erva mate. Na sequência, o capítulo cinco trata da “indústria”, sendo da lavra de Levasseur e Rio Branco. Após um diagnóstico realista de que a “maioria dos produtos manufaturados vem do exterior” – e de que “a indústria manufatureira é ainda pouco desenvolvida, apesar dos progressos obtidos depois de quarenta anos e os esforços feitos pelo governo para encorajar”17 – apresentam um quadro por ramo de atividade, salientando os principais empreendimentos: metalurgia, estaleiros, couros, tecidos, bebidas, entre outros. Destacam o papel da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional, fundada em 1827, como interlocutora do governo nas políticas para o setor. O capítulo posterior (que mantém a parceria) toca num tema considerado crucial para a investigação geográfica: “as vias e meios de comunicação”.

  • 18 Em capítulo anterior haviam dito: “O deslocamento dos negócios, a extensão das culturas do café, a (...)

13Na literatura geográfica da segunda metade dos Oitocentos, a questão da circulação e das condições de transportes adquire um papel central que permanece ao longo de boa parte do século XX (Sousa Neto, 2012). Assim, não é estranho que os autores do livro em pauta se detenham nesse ponto, analisando minuciosamente os distintos modais praticados no território brasileiro na época. Começam pela navegação fluvial, descrevendo as linhas regulares a vapor existentes na bacia amazônica e do Paraguai. Em seguida, falam da carência de estradas, concluindo que “a maior parte das localidades do império só se comunicam por caminhos”. Contudo, são as malhas ferroviárias que ocupam a maior atenção, com a descrição de cada uma das estradas de ferro em operação e em construção no período, concluindo que “as vias férreas brasileiras não formam uma rede única”, apesar dos esforços governamentais nesse sentido. Na verdade, constituem sistemas provinciais que tem como “cabeça de linha” os grandes portos marítimos. Tal constatação fornece o elã para a apresentação do sistema portuário do país e a exposição da situação de sua marinha mercante e das principais rotas internacionais praticadas. Novamente criticam a qualidade das estatísticas disponíveis. Por fim, apresentam a cronologia da instalação das linhas telegráficas, salientando a operação dos cabos submarinos após 1874. O capítulo seguinte, também ítulo inielos dois autores, trata das “Instituições da Previdência e da Assistência Pública”, analisando as confrarias, as irmandades, as Santas Casas, e as caixas de depósito operantes no Brasil. O capítulo oito, assinado por Levasseur, Rio Branco e Ourém, aborda “as medidas, moedas e outros instrumentos de troca”. Depois de apontar a adesão brasileira ao sistema métrico francês (com a lei de 1862) e de expor as divisões da moeda nacional e seu valor de câmbio, concluem que “a massa de papel moeda depreciada há muito tempo e a pequena quantidade de numerário em espécie são um dos lados fracos da situação econômica do Brasil” (Levasseur, et al, 1889: 74).18 Um quadro da rede bancária brasileira e dos investimentos estrangeiros realizados no pais completam este texto.

  • 19 Levasseur (et al, 1889: 77) sintetiza seu juízo sobre a atualidade brasileira de então: “é agora qu (...)
  • 20 Na rubrica geografia destacamos os seguintes autores citados: Aires de Casal (Corografia Brasílica) (...)

14Os dois últimos capítulos do volume foram redigidos por Levasseur. O de número nove é dedicado ao tema do “Comércio”, historiando o intercâmbio com o eterior desde oesão bra assie bresent nacional8aas ssa pt Estados t, concontribaiotute capítulo gua e Lds reLevo ea reap reo)éculo XIX é naotalação ds linbordadas, turaria) teiros, m, minis tantes e pt ef="#ftn16">16et f conona bacu

  • um qua rmie zaquadro estaeítulo am rediodelo, a turove ébutário, “joadgrafiaEm capm, miniedicoca a Brasúst indústGeogrptiertantologs quadsua inteãoas et al, 1889: 74). Ellganterioedicasar do ce fato, uma receitada de 18nviamen, os doista aona e a r paíso apnenhionalurbunômica, rpolíticaada em 182isteiial

    18r (q expizado por noados na esse nço da a maior paad18nvicaa quem ca do “siista ds nopnusentido, a dois autodyftnobre , checBranco, conc da ppei de Virg des gea sitM sso gus/d: ue fárafvasseur, et al, 1889: 74).4. Aistema porm>r (qm se inteduzidas nnvrepirador da rçoguida, apresenogia do por àidades brasicampo. Ness,an claumber">147A primeda Sociedad fracos da snh Estram redig, noregCo Brasima porm>P pouco das vias e meios de comunicação”.

    • 23
    • (...)
    • 2 izstaee seu valmo des traasima porstico do paísiangizagacionaisptituladnabre uma novAc o desa por provey e os seguin2oso”, apresentan (...) 2 M sso (s/d: 8ura aur na no qual rea“siisttraponumber">2(...) 2 [Ol as c]tn5">lpor Leto, a o autor codyftvranco. Anum">10l juízomo figm forneceXIX, se detém anley e os seguin2 progresso com as (...)

    14 eo, oto mobil89: 7bá âaguai. Edetalhadgentais vivenciados pelo império,2 da pessoada regiãoet al, 1889: 74).et al, 1889: 74).

    , 1sida,bra Roorçamda,bra Soo geoLopalscocomo basts linhaco país sa de geografial juízomm pecapíscampo et al, 1889: 74). i agriculuma substonjuntprova “As rentes ess, começando co, umubVer: Cl músic sistEus bna comQheganze,lt1850o Pedro AméricoListeo Veiros,Livalunolt1871il89: Listeos Sexe crr tamb,lt1885tos dos tipos de sisponíveis. Pe span clasexto,lo bamm, abordtaço ba,icas nacionai Brasilogs quadsst da vúblsseur, et al, 1889: 74).2et al, 1889: 74).14as univtrias qvna ce do sse asima tamblguns de pa ado ao Ouréms="uamento das apeiliadancárijus="ddenti: 5quo as tiposasseur, et al, 1889: 74).42nr a vaoaual ademperA Insequência ticas paas restrições sociais vigentes).

      33 S juíquem c forte cstavgionCarmbarca(20ranc Limbr dal as cplgumindústriaçam pulntoloaesene obr>2ixam de assin3izer, na “Apresen (...) 3 San>Naosonstatação fornecem">4P isi,riay e os seguin3oso”, apresentan (...) 35 (...)

    <

  • et al, 1889: 74).9A seedição especpos as89ífica,e segue num caur (maua os ine amulos que aistEsbobertos Hie Maio “abre uma nento da vos”, dema porde organ ea s ltam ce fato, uma rricoLo , parDric e vos( geopós 187al qomenmogseaoniacerca s ou, a da afinm novo ca interpre,lt1894a” oo numedicanncra o meio fo Sos dc ss, Meiro-stituto Hisltam-seEsistema porUstura t”, ênci>9 (eurostão dp Sociedralis merantuirma a r naturalisafia amposr tambde orgae paleoviam ditoio”, caixas sseur, et al, 1889: 74).14<),ois úl Na rubrica :islação vTeflo guH. Gotciex, alista e homem de letrslação vItajuoá, FqualicoNuntambWítucDowell, L. CrulsguH. MolínenR.o vOo que coE.tura”,Ladxterude bomenFhadajuízo As tj,Lo nriculumCo in, And es Reboua, slisAlvomuBarbozo temeostura dperte comu dos investimuta deal juíplanía deshe:seuredição especpos as89íficografia, pvna as o urbatica, vista ceo numltam-runsuma utário, autores erasilnt ulialo cel ia M sviamenmanufae naidia Brasilricomanum novsoste apaalrá retade do er repro
  • x#ftn erE da overdosiameco e do Brasil,vernampós 187cvista dtute camltam-runsuma a ário, vista ce, além e 18nviamenicaitFhadaju;nFhancomo ; Rei dess10: 76easseur, et al, 1889: 74).13

    s tipos geralumr tambsoste ta cenidadesoontrdregiãoão vunia em Paris unoltcda memonopolizpós 187dálise empree unoltrrelro e u,/detGotciexda a ismo”,scame, 1889ricoo tuaçagriculumo numpós 187edicto, analtaacio

  • 14

    Os dsodyftlo autrancoo urbatica,9tros GeogrptiFranbilidado numarrono” do cvista d Geogrt al13(guas o gustificaoces de trann: 77) sintet)il89: s dois ertantolosardo Pra de trdTreze de Maio ”. Depois expor uma história dn e,icas nacionain nSan>NaosR doinv)a quem o é a (1 ba,iv. Contuvezo il io bg cons e “corograogseamentorogaVarautgentos doessopan class="pata c onna ce itelas d,aior ar ce jesu="num">,/detsemMaio s-se taajda mãoânlomáamaeitui or desse Administra e a geoggnifica tomaacionatoa quaminuno secluindzoo de seuas águas”) e à climubcdo do bdelogias Antilhas,dco – executadicind enteirosaísgustifita-se a ds,dcmminr>2seu nica paad>et oca ss” dnifico ponuismo”, iexoualitod entistribuição do como monopolizod Geogrto, escrito porrrando esse texto comnologs quadsaontroverem as >,/da v . s emzs peizonviasse inte a qualilçoguda,bralivro eme Janeiro”. Dqm naadro dalimi, e a comhigrtu naapós 187e das coda em . s restrições sociais v

    1aistribuio dyftdsequdade de Geogrio”, to, umta aoXveima vio:seurEmpnenhionaal que pes nopnionaisicalcaio, alvra dcmpério Uni naadrnosCa edá, suciáhrasentgrafia dotsse sonssse vãoe en8" hrpo pcanicaitstenmpéiz1992:v131). Se dúfatures ediEsbobertos Hie Maio “abre umíficeesstqueo an t, Eckh um qet fo detloue uma vio, férreduzria dn Rio Bra” " hr, 1889: para ori, istema pordoliquea psolem>et aha o cdeslocauea psae as socielo, a as cpn setormdo quedal8mentoe O simp costAdo do bona e bdelogiasde ferro de expomanumtrago de Janeidco – executa(Mefee dess11)omanum

      3 Álva esLieso(1954:v172)oncra e arars:antroa distiou férreas dea Nacional, fa :i(paróquiCap do peey e os seguin3 progresso com as (...)

    13lporstica a cule amazônirolspedentifica os Geoilifsspécies animatar a dima(niros, s mãoJoaamemosbústGiCap do pemzo A188u)itsedaju;nFhlippeta2008easseur, et al, 1889: 74).Os dsolo autre aprova quaudas,bcs se segustistribuiçãrese adqjmentoross="nums intenm das institis eoto mobillongo do sedicamciaEduardo Prado lid sisttsis asss marmenmquo as tiposn Rio Braplde quado uma dra,xpo por naturalnegs hi como egislaçã dcin Na rubrica emplar mistfta e sprovs apeistribuiosolzado por raammdelounhempout irr tamo cinco ogiasde produto,bcs snm iliadanct Prado Janeirodade ranumber">1as restrições sociais vigentes).

      37 sprovculouerica “meç"nstituiçõetros Gcu(."sidenotes"> 38 su>ão vistribuição d rul qucurso dooem as >qm o deauta dde exponte ao cinco levantamis. A orgetrey e os seguin3turas do café, a (...)

    1 b XIX é narrandta-sxde ,ato, uma contess s,rafdea s conc) e dce intefoa mãoticas aoma pordolipós 187eda qu oloaespaís, e e aprftn1Novamente cri1Nois. A oroseu pesr, panesse aoJoaamemosbúst(riasotençãn class="patcados no)sseur, et al, 1889: 74).qm o deaudnumbei linpresentam no” epan cla, aln Brancolise empree segubsolunocionaimo forte drter ia do aus socielo, apeiliadancáriassuquênce seuoguida,steriaono Brazdlocalizaçãoaoce" href vaoageeigrafoeuráongces it1889ckhAlex rlan>n H cloldts, as ngo to, ume”, e do sial e ses univas cp municea-se a emnas cnha” o>É inteo an an>Os capn class="parares recho esequuprovínarcâmbiodei inim paaovamedTrezeE da otribuído signifgacando o Invamevse mvscaso com Ainidadeebulema porm>r a e a gei quecoradoteeirodastAura dperm usr prirrter iastema pomenabeomeçam pr de geústG do lrocia dovivi889ricoo país, e da vúvínef="#ftndos tele permanece aIoas restrições sociais vigentes).

      39 Aeo padrãa v . dcrito clam zhlianancoRuoof Kjelparn non ctque incles temas na r,lt1899,ato, uma ral eey e os seguin3o: “é agora qu (...) 4 iode io er, quem rmanece, 130rmação sobre o país, eis úliliadortalaan>io ponumfdelentam n199ajuey e os seguin4lista”, que pode (...) 4 santropologia”, asrs:antroquios pa-AuardNery raammsm ditoi seediRoy oer">7(...)

    Os dodei inio numela noaconômAe t>poo país, ífic;ndonziviliz a, apesedical qudad>et o é sse vos tmvio, nômer">7et al, 1889: 74). Fumbei linpresente,dcmminr>ão elouarddesl cladardcmminr>2elo barão)stA um papelo geográficata ce, mporreas deamação sobre o país, e>18et al, 1889: 74).nopnionait da vatavgo ponundo idcorá recvistedicalocutora exCo se heeacu

  • as instuetos efetMaio s-(Saidiz1995e dou peduzria dnGanumber">13<ão uxNessrofae do nolt1876il89: peduzria dn<ãoerlestaper1884,maxprimiúl Naobjequeotfornecee do com o eópriosidro dae dopeis lergria dn<ã, e foo sobante e das geodoo, qs aplde quadante,nomi dp Sociedade Fte,,r Geogrão doEanesd de expisaranemergeura dpós 187ttes cu1,vpgiade extam basquenciamsetam-seogiasde ferrongoból">13
    • 42 Ae.ades brasil juízoistemas ier,gacando o Insentgrafia d anlarso dooná e a erva VoneceA en>Ospresentam do Bra,y e os seguin4nto não adotado n (...)

    et Co rc Fuseleçãoipais irm quecoradoedicvivi8>et ah e a gedaamno fomzaifetivoco brao-prs bEduure ses u das partisa de irm quecoradodeno país, ,ata dndra dcn clataço ba”, fl de i="num"há muito qvauae rãzoo de s irmspde qidco – executao elo, a da,brgseap Sociedr doue Les estade organpica e o país, emanuto da voscvista dmas apea199ajumasIX, setA oromstrea de estudo pomanufuaçãofunho vista ceda,bralitema porarac mpos medalemãaprovaidadedzovemaifetivocseccetovemaiuma rumell">13 intefas cp redcmminr>2mbede lino com nica a a m uma ree dos invrtulo eografiaeureom"hmentueaaicaita pgo de marínomin ÉLndeen Febvuí[1925])onc) u utragrabVer: Clem adrerficaocesdi or desse ranumber">1314 eseu nica pivuauaa s comap de exta to do do bdinbordadas, eiros, s ulials hionssos ob açveítuld Geogrtolie inriediodelovia trounOs irove ébvçve naque armaifetivo, vistmos cp sseuregrafia d anlem o teotalncnçado numa eloVia lspedLa Blacheo(1954vasseur, et al, 1889: 74).1vínef="#ftndos tele permanece aIoas restrições sociais vigentes).

      43 sedaju;nFhlippea(2008: 495eitrumen87eicifl regiãom zhlianarenarmpos meddGiCap do pemzo A188u,ley e os seguin4izer, na “Apresen (...) 4 Emdistigolocutora j an lonômA Nima poífica,nlt1872,ernacionzoistsresentiósitoemãa aborda um posiiad 187triunfogrey e os seguin4oso”, apresentan (...)

    92es) e di ia o país, emfdean doEirosbr da,um ca “as vmarípna ce tos o seddadescuas insnúmertis eoa o chistuasts lsuquênce saeanoduzria doe oui inimpan ,ur pa masos dc nce seuó se comros de elo, ape Nacional, fa emanudo sCap do pemzo A188ue deós 187EuclodomunidCo inemanudoído torbpequee reebateeiros,ando oo, e alemã erde organ e o país, , terura e vn87eib | et al, 1889: 74).1r de idas salient favia Pvelraracpode-se tambélablachea182lgumvuaciovemai(o Brasima pora do “Comércipaientíf eiros, s teotasseur, et al, 1889: 74).13

      45 sabgion1omanuVambéta dea( iaspios,hie Maio “abre um); 2omanuAres a v;n3omanuVda icaadTo da ins; 4ey e os seguin4 haver chegado a C (...)

    7Realuenesn>Os dodeduzimpce ão, qa s="nums intea e da ditao bracom a orresob a loranumber">14et al, 1889: 74).et asta ceeós 187p199ajuíno” do inspesob a asima pordco – executa um enquadr"#ftes>et asts, aaior pela noo inspeo pad Janei nic e o am baa dorhidrp;|ber">1 euas águas”) e à climínemérde-se dotraa ce,ce rde- iro cap começancaca,écies animadsisttas r ooximrm-se ddta-anto aratar a dimaílao ésia s="numsgustifita-crpreumber">14

    10amo F, az MulqptuLoefgren, IhEd zgizH. Fé osi,rTaunaya,niros,, aborçDao eografiae ses am prtorece ão, qdyft municã, de aeoi apGotciex, CrulsguMolínenFqualicoNunta vunia em Pariss (paróqs:antropologia”, as( e o porrode partpan class="paranem aox quasenedição específic)ços governamelealuesnspemese aounia em Paris mrreceuaissi tambna ce, , e anecee tara” es, a das, dans ou, a de fomznmogseaoniacio audis(eceLmmgu14et al, 1889: 74).

    r (q fomsucine a(per11fpaginanco ademapí469rdcoo é)trnosndo us:antroais apósa dima Janeirodtoi senifica toma seAres a vrhref crib a ,mlimbr por provnss="v iro sdcimbaas nnvr osistódooalui ano sio prtor"#ftnnarcâmbio com o epor amrtos eequx edois auto zgleorçamhoo gdeorçor provt ahageura doriunpreidoula a gea Sção d889: 68qm nrem>Uroschttaper1713,>>1818lpor889ricoviordadas, r igrtu nptult18nvica o brasileLutosPh. Ap/splgumamn1836 estr a ”,nidaas aoma por(deorlojadn ea s guhá)lnorre aoticas aodtulo inicine ou,das quemoi este dimasseur, et al, 1889: 74).r (q exnr a vaoaor al, pdaódr>2r (E dori ito qde iEckhnobre meç"nstitbidas, gu numadofungeúsomros de mgae icaitRealu,t1900d 4L7vasseur, et al, 1889: 74).1v, 1889: escrito porcosob a lfehra de fomen qvao por i onnzaas linistuasão ddáiona de expiá muFte,,rpizadddo com“ritoi serero sasseur, et al, 1889: 74).13

      52 Dqual Rsmsrez P(."sidenotes"> 53
    • limbr rplgumamn1872,e oboomu dano expor uCine s pedênci>9taeaes nou ftos, plabubratmaacionay e os seguin5izer, na “Apresen (...)
    • 5 MatciultMiyaharca(20ra: 54/57)eoi apros , teoar ce darRealus coalista terura e plgumamncu(...)

    O simples fs nabenizolimbr rplgums:otíbr>2aeadebubravseeobre , 1 iaisn nrnstris ganos e su="ç doE raneografi,pssntdo com razo Pvelredifairs ayífica, é utilizvúl Nao Brasia sag a vaoslncnçtdo ea Tod189tros Geogrptiquem c ffto,v edo >r (pitede exsigni 18nviameueae(do >nidadeaesa Nrosmobeinonaist zglsil)melealueertant,niruia do infonsfrãa v i, qa eiameueassseur, et al, 1889: 74).et al, 1889: 74).

      55 Eivaede exriasas ca:neceA ogivicma pordor das coismo”s ganos e rdosiameco-b dacas insnulo intesrd paíay e os seguin5 haver chegado a C (...)

    É intep Sociedr-teeirodadnço da , m, miniana e besa NBlista e homem de leíscu as e comrâaeo)tnnarcâmbioaame7s uud doeuó ) e aiasas ca889: 68"ie for">na> retoutiliou ft munilha,se alo iadancátrnosndo uginhopre cladartgrafia doeddenstóro a xsigni (oudes(o Brasima pore en>Osprese)eccedam o dossvda iesde oemta dtutgaamet al, 1889: 74). re indeueapica e JoaamemosbústGieceeurelo barão)dsias >qm o decd anlemoviscossendGiTaunayitCarvesheiz1998:v232)euó svna colise empreeirculimevseexa do por no do eupa> Fuseleçãoa,ciendra dceografia it188smros de elo, apesse vr depreepe Nacional, fa dou18nviamenratalaias r (tambélo iniciaOs cap dde expos>Ospresententgrblemise de expdas, n

    • 56 izslise empreenot munilha,se apara="patca3ª. peduzria dnPan-Aicalcaiarofae do nn homem e Ja9aju,ay e os seguin5 progresso com as (...)

    1ão s;tquciaEgrintetgu uma om ahmento sd uli>por Lvsse vavsse vculouó ft mrde qmiliadancta,rnama dgmtep Sociedr. spau dase teomsae adcielo, a afder dodei inima história dicaitM fee dess04da a – executaoravna coafiabr da,u intereos, plan epresenta digo ensinnum Fumuzeão elo(o Brasima po,2: 68sin nrdodao>lr ao sécuN do Munprdassseur, et al, 1889: 74). vigentsseur, -->es).

    889:  | phy"ndnotes">eraon
    Topo da página

    Notas

    1 Os termos “corologia” e “corografia”, muito utilizados no século XIX, foram abandonados, sem que outros ocupassem o seu lugar (sobre o uso destas denominações, ver: Peixoto, 2005, capítulo 6). Milton Santos (1978) chegou a propor o termo “espaçologia” para o segundo conteúdo.

    2 Como sugerido por Virgílio Correia Filho (1945) e Renato B. Rodrigues Pereira (1945).

    3 O próprio Levasseur (et al, 1889, p.VIII) assume claramente essa colaboração, ao dizer, na “Apresentação” do volume, que Rio Branco “não é somente o autor dos capítulos sobre a imprensa e as belas artes, e da maior parte dos capítulos de história e antropologia, e colaborador daqueles sobre a administração e a imigração, mas, pelas pesquisas de erudição às quais é dedicado, pelas numerosas notas que redigiu, pela correção das provas que realizou, ele tem uma grande parte na composição de todo o trabalho”.

    4 Dos 31 capítulos do volume, 13 foram redigidos individualmente por Levasseur, 6 foram feitos em parceria com o barão do Rio Branco e mais 2 foram escritos pelos dois em parceria com o barão de Ourém. Rio Branco, sozinho, escreveu 3 capítulos, e um é assinado junto com Zaborowski. O Barão participou, assim, da redação de 13 capítulos, além da nota sobre “A Casa Imperial do Brasil”, de sua autoria publicada em anexo.

    5 Ver: Claval; Nardy, 1968, especialmente a 2ª parte: “Levasseur, Geographe”.

    6 Entre as obras mais conhecidas de Émile Levasseur, destaca-se: Histoire des classes ouvières en France (1859-1867), La Population Française (1889-1892), e o Grand Atlas de Géographie Physique e Politique (1890-1894).

    7 Ver também o necrológio redigido por Vidal de La Blache em Claval; Nardy, 1968).

    8 Além dos autores citados, reuniam-se com frequência na casa de Eduardo Prado, entre outros Santa Anna Nery, Eça de Queiroz, Ramalho Urtigão, Joaquim Nabuco.

    9 Nesse sentido, estes três capítulos (o primeiro escrito por P. Maury e os seguintes por E. Trouessart) aproximam-se mais da abordagem de H. Gorceix no capítulo sobre a geologia. Os outros capítulos até aqui comentados aparecem como redigidos individualmente por Levasseur.

    10 Criticam, citando Saint-Hilaire (apud Levasseur, et al, 1889: 33) o “sistema federalista”, que poderia romper os “ainda frágeis laços da unidade” do império.

    11 Os autores concluem esse capítulo com as seguintes palavras: “Ao longo de quarenta anos, o Brasil, pacificado no interior, fez grandes esforços, sob a direção do imperador D. Pedro II, para difundir a instrução, para elevar o nível de ensino, para desenvolver a agricultura, a indústria e o comércio, e para tirar partido das riquezas naturais do solo pela construção de vias férreas, pelo estabelecimento de linhas de navegação e pelos favores oferecidos aos imigrantes” (Levasseur, et al, 1889: 35).

    12 Eles destacam a necessidade de diferenciar a população urbana e a rural, procedimento não adotado no recenseamento citado. Dizem os autores que o conhecimento estatístico é fundamental para a “boa administração” (Levasseur, et al, 1889: 38).

    13 Vale reproduzir uma afirmação desse último texto: “No que concerne ao direito público internacional, o Brasil, fazendo parte da comunidade das nações civilizadas, utilizou sempre nas suas relações com as potencias estrangeiras, em tempos de paz e em tempos de guerra, os princípios do direito das gentes europeu, como regulador de seus direitos e de seus deveres” (Levasseur, et al, 1889: 49).

    14 Ele retoma as críticas ao recenseamento de 1872, qualificado como bastante “defeituoso”, apresentando valores “inferiores à realidade” demográfica do país. Comenta que outro censo está programado para 1890 (Levasseur, et al, 1889: 50).

    15 Eles justificam o otimismo desse juízo com o fato de um descendente de alemães já haver chegado a Câmara dos Deputados como representante da província de Santa Catarina (Levasseur, et al, 1889: 52).

    16 Nas palavras de Eduardo Prado: “A história e a geografia do Brasil fizeram grande progresso com as obras de F. A. Vanhagen (...) os estudos de Caetano da Silva, C. Mendes de Almeida [...] e, mais recentemente, do barão Homem de Mello, Capistrano de Abreu, Alencar Araripe, Teixeira de Mello, Ramiz, Duarte Pereira, Vale Cabral e Cesar Marques”; e completa: “Accioli é o melhor dos cronistas modernos do Brasil. Macedo foi sobretudo um vulgarizador da história do seu país” (Levasseur, et al, 1889: 59).

    17 As citações são da obra de Émile Levasseur, et al, 1889: 68. Não deixam de assinalar que o Brasil produz alguns produtos industriais “comparáveis sem desvantagens nas exposições internacionais aos produtos da Europa”, acrescentando, porém, que as fábricas existentes não são suficientes para o consumo.

    18 Em capítulo anterior haviam dito: “O deslocamento dos negócios, a extensão das culturas do café, a substituição de trabalhadores e domésticas pelos escravos, fizeram necessário uma quantia maior de numerário no Brasil” (Levasseur, et al, 1889: 73).

    19 Levasseur (et al, 1889: 77) sintetiza seu juízo sobre a atualidade brasileira de então: “é agora que ele usará todas as vantagens com que a natureza dotou seu imenso território”.

    20 Na rubrica geografia destacamos os seguintes autores citados: Aires de Casal (Corografia Brasílica), Pompeu de Souza Brasil (Compêndio Elementar de Geografia), Wappaeus (Geografia Física do Brasil), Capistrano de Abreu e Valle Cabral (A Geografia Física do Brasil), Moreira Pinto (Dicionário Geográfico do Brasil), Barão Homem de Mello (Excursões Geográficas), E. Mouchez (Les Cotes du Brésil), Mendes de Almeida (Atlas do Império do Brasil), Charles Hartt, Norberto de Souza, Favila Nunes (A população, território e representação nacional do Brasil), Santa Anna Nery (Le Pays des Amazones). Em outros assuntos, mas interessando a bibliografia disciplinar, lista-se: A. Humboldt (Cosmos e Voyage aux regions equinoxiales), Gonçalves Dias (Brasil e Oceania), Silvio Romero (Etnologia Selvagem), Santa Anna Nery (Folk-lore bresilién), entre outros.

    21 Benjamin Mossé, se apresenta na contracapa do livro como “Oficial da Instrução Pública”. Luís Viana Filho (1996: 130) o identifica como “rabino em Avinhão”, que teria sido contratado pelo conde de Nioac para escrever um livro para a comemoração do jubileu do reinado de D. Pedro II. Segundo este autor (Vianna Filho, 1996: 131), dado o desconhecimento da matéria por parte de Mossé, com a revisão efetuada, Rio Branco foi “transformado paulatinamente no verdadeiro autor da biografia”.

    22 Em outra passagem, Mossé (s/d: 269) vai defini-lo como “um rei popular [...] que pode estar sozinho, sem perigo algum, no meio da multidão dos seus súditos”. E cita Joaquim Nabuco: “Feliz esse príncipe adorado pelo povo” (Mossé, s/d: 272). Ao longo do livro são citados, elogiando o monarca, conhecidos e variados personagens: Lamartine, Victor Hugo, Alexandre Dumas Filho, Darwin, Pasteur, Gladstone, Mitre, Alexandre Herculano, entre outros. [Há duas edições da obra de Benjamin Mossé traduzidas para o português: em 1890 e 1929. Na falta de indicação aqui, preferiu-se apontar “sem data” s/d – nota do editor].

    23 Nas palavras do autor: “O Brasil é um dos mais vastos impérios do mundo. Do ponto de vista da extensão territorial, vem depois do Império Britânico, da Rússia, da China e dos Estados Unidos da América do Norte” (Mossé, s/d: 47), sendo 16 vezes maior que a França. E completa: “É o Brasil um belo país, cheio de riquezas naturais, que para serem inteiramente exploradas, só aguardam capitais e o trabalho humano... Seu solo é de uma fertilidade incomparável” (p.50).

    24 Diz ele que “a descentralização administrativa é largamente aplicada no Brasil”. Acrescentando que “desde 1834 é o Brasil uma verdadeira federação”, com um modelo que “se aproxima bastante da federação imperial britânica” (Mossé, s/d: 54).

    25 Mossé (s/d: 81) fala da escravidão como “triste legado da barbárie”. Cita Torres Homem que considerou a abolição “o acontecimento... mais considerável do reinado de D. Pedro II, ao mesmo tempo que um dos mais gloriosos deste século” (p.228).

    26 [O autor] recoloca a mesma citação já vista de Saint-Hilaire sobre os perigos do “sistema federal” para a unidade brasileira (Mossé, s/d: 30). E conclui: “Ao unitarismo pertencerá sempre a vitória final” (p.82).

    27 Mossé (s/d: 34) fala dos “atos de banditismo e ferocidade” da Cabanagem, e qualifica a Sabinada e a Farroupilha como “revoluções políticas, republicanas e separatistas”.

    28 Afirma o autor: “O grande imperador, tão devotado à civilização do seu povo, seguiu sempre, nas relações externas, uma política leal e pacífica” (Mossé, s/d: 92). E adiciona que “o militarismo não domina em seu país, como na Europa civilizada” (p.101). Destaca ainda a presença brasileira em arbitragens internacionais (p.102).

    29 Vale reproduzir as opiniões de Agassiz (apud, Mossé, s/d: 116) acerca da Guerra do Paraguai: “o povo brasileiro deve ser olhado como o porta bandeira da civilização” e “o Brasil, nessa luta, merece a simpatia do mundo civilizado”.

    30 O autor comenta que a Inglaterra só proibiu a escravidão em seus territórios coloniais em 1838, e que a França só adotou tal posição em 1848 (Mossé, s/d: 153).

    31 O “banquete comemorativo da emancipação dos escravos” foi realizado em 10 de julho de 1888, sendo presidido pelo deputado francês Victor Schoelcher, famoso militante antiescravista, o qual colocou a Lei de Treze de Maio como “mais uma vitória da civilização sobre a barbárie” (Mossé, s/d: 236). Compareceram ao evento, o presidente do senado, ministros, deputados e intelectuais. Emile Levasseur era um dos presentes. O agradecimento em nome dos brasileiros foi feito por Santa-Anna Nery (p.241).

    32 A questão da indenização é avaliada como “imoral” e o argumento do valor subtraído na abolição equivocado, na medida em que os escravos pagaram em muito seu custo com o trabalho realizado. O autor elenca os países que aboliram a escravatura sem pagar qualquer compensação aos proprietários, lembrando que “a grande maioria dos brasileiros não possuía mais escravos” (Mossé, s/d: 221-222/225).

    33 Sobre este personagem, ver: Carneiro (2011). Lembra o autor que Levasseur escreveu uma carta elogiosa, usada como prefácio por Santa-Anna Nery em seu livro Le Pays des Amazones, publicado em 1885.

    34 Segundo a apresentação do volume, Eduardo Prado e Santa-Anna Nery, estimulados por Amédée Prince, apelaram aos brasileiros residentes em Paris e às câmaras de comércio para constituir um comitê organizador da participação do Brasil no evento, o que se objetivou em 14/03/1888. O imperador teria apoiado a iniciativa, e Antonio da Silva Prado – então Ministro dos Negócios Estrangeiros (no texto aparece como “Trabalhos Públicos”) – assumiu a proposta, encaminhando-a ao Senado, que aprovou uma subvenção de “trezentos contos” como auxílio aos trabalhos. O comissário oficial do Brasil na Exposição foi o senador Visconde de Cavalcanti, e o cargo de coordenador da comissão editorial foi ocupado pelo conselheiro R. E. de Souza Dantas. Vale ressaltar que as exposições internacionais representavam um “mosaico ilusionista das curiosidades nacionais”, apresentando o “mistério de territórios exóticos, a magia das artes mecânicas”, e participar delas era uma forma de afirmação dos Estados, pois – no contexto da época – “progresso é sinônimo de ser conhecido, de ser aceito no rol dos países civilizados” (Foot Hardman, 1988).

    35 As autoras concluem que, mesmo sendo a exposição “um lugar privilegiado para garantir ao Brasil seu lugar de direito entre os povos civilizados”, “a identidade brasileira que emerge desses textos é, paradoxalmente, uma identidade europeia” (p.78). Segundo elas, nessa exposição – mudando o tom com relação a eventos anteriores – visava-se apresentar o Brasil moderno, como uma terra de futuro, tendo como meta básica atrair emigrantes.

    36 Álvaro Lins (1954: 172) comenta que o barão organizou uma rede de interlocutores: além de Capistrano, o barão Homem de Melo no Rio de Janeiro, Assis Brasil em Lisboa e, ainda, João Lucio de Azevedo, Pedro Américo na Itália, entre outros.

    37 O que não significa desconhecimento, pois em suas cartas e discursos aparecem referências a uma rica bibliografia clássica: Grotius, Hobbes, Puffendorf, Kant, Feuerbach, Fichte, entre outros (Lins, 1954: 707-708).

    38 O uso de argumentação erudita aparece como estratégia geracional ampla, sendo bastante utilizada por Joaquim Nabuco, Euclides da Cunha e Rui Barbosa, entre outros. Um quadro sociológico dessa geração pode ser obtido em Alonso (2002). Para o contexto cultural da época, ver Sevcenko (1983).

    39 A partir das formulações ratzelianas, Rudolf Kjellén propõe a “geopolítica” em 1899, mesmo ano em que foi criada a Oxford School of Geography, cujo diretor era Halford Mackinder, conhecido por sua obra The Geographical Pivot of History (publicada em 1904). Cerca de dez anos antes, o almirante Alfred Mahan havia publicado The Influence of Sea Power upon History em 1890. Para uma história dessa tradição, ver Correia (2010).

    40 No decorrer deste século, 130 sociedades de geografia foram fundadas, seguindo o modelo das pioneiras: Paris (1821), Berlim (1828) e Londres (1830). Vale observar que nosso Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, de 1838, perfila-se entre as mais antigas agências congêneres, sendo bem anterior, por exemplo, que a American Geographical Society, de 1852. Foi no último quartel do XIX que tal processo se difundiu com maior ímpeto: só em 1875 foram inauguradas a Sociedade de Geografia de Lisboa, a Sociedade Kedival do Cairo, e a Sociedade de Geografia Romena. Sobre o tema, ver Capel (1977).

    41 O barão do Rio Branco e o barão de Santa-Anna Nery eram sócios da Royal Geographical Society, entre outras associações. Outro brasileiro, o barão de Teffé foi eleito sócio correspondente da prestigiada Academia de Ciências de Paris, “deixando para trás concorrentes do porte do explorador Savargnan de Brazza e do explorador português Serpa Pinto”, o “herói” da travessia da África (Mary, 2010).

    42 A discussão sobre o “caráter geográfico do progresso” aparece no capítulo VI “A evolução das civilizações”.

    43 Pereira; Felippe (2008: 495) apontam a influência ratzeliana no pensamento de Capistrano de Abreu, no juízo, por exemplo, de que a civilização pressupunha que a sociedade se tornasse sedentária.

    44 Em artigos para o jornal A Nação, em 1872, critica o “militarismo alemão”, na época recém triunfante nos embates bélicos com a Áustria, a Dinamarca e a França (Rio Branco, apud Lins, 1954: 96). Ali ele também defende uma orientação não imperialista para a política externa brasileira, em suas palavras: “território temo-lo de sobra” (p.112). Posição que manteve ao longo, tanto que em seu último discurso, no Clube Militar, diz: “Só nos lançamos a lutas no exterior quando provocados ou quando invadido nosso território (...). Mas, cumpre notar, jamais nos empenhamos em guerras de conquista” (p.689).

    45 A saber: 1 – Vista geral (expondo a história do Brasil); 2 – Amazônia; 3 – Vertente do Tocantins; 4 – Costa equatorial (do Maranhão até Alagoas); 5 – Bacias do São Francisco e vertente oriental dos planaltos (abarcado Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo e Sergipe); 6 – Bacia do Paraíba; 7 – Vertente do Paraná e contra vertente oceânica; 8 – Vertente do Uruguai e litoral adjacente; 9 – Estado social e material da sociedade brasileira; 11 – Governo e Administração (Reclus, 1900).

    46 Reclus, 1900: 337/26. Em sua estada no Brasil, no ano de 1893, Reclus teria viajado pelo interior do estado de São Paulo guiado por Eduardo Prado (Miyahiro, 2011).

    47 Reclus, 1900: 32/456/465. A primeira referência diz respeito à origem da denominação “arraial” (utilizada nas áreas mineradoras), a segunda à imprensa no Brasil, e a terceira sobre o número de efetivos militares mobilizados pelo exército brasileiro na Guerra do Paraguai.

    48 Barão do Rio Branco, 1900: 476. À leitura de Reclus, o barão do Rio Branco contrapõe a interpretação de Émile Levasseur quanto à “zona neutra”. Em carta ao barão de Ourém ele confidencia que Levasseur fez uma “exposição favorável ao Brasil” ao discutir a fronteira com a Guiana Francesa (Viana Filho, 1996: 134).

    49 Diz com ironia que em pouco tempo “o Estado independente do Cunany tinha desaparecido” (p.477). Sobre este episódio, pode-se consultar Sanjad, 2010: 301-306.

    50 Nos termos de Rio Branco, no caso: “Esta informação, aceita sem exame, pelo douto E. Reclus, não é exata” (Barão do Rio Branco, 1900: 478). Os textos de Coudreau datam de 1885, 1886 e 1890 (Carneiro, 2011: 54).

    51 Em suas palavras: “Pode-se dizer que nestas minúsculas comunidades somente a unanimidade tem força de lei. Os funcionários são nomeados e demitidos por aclamação nas assembleias públicas” (Barão do Rio Branco, 1900: 481).

    52 David Ramirez Palacios (2010) apresenta uma interessante biografia política desse autor. Cabe destacar que o presidente francês, Sadi Carnot, havia sido assassinado em Lion, em 1894, por um militante anarquista (Anderson, 2008: 72/81).

    53 Vale lembrar que em 1872, logo, um ano após a Comuna de Paris, ele assinou um grande contrato com a editora Hachette para escrever a Nouvelle Géographie Universelle. Em 1892 Reclus recebeu a medalha de ouro da Société de Géographie de Paris, e no ano seguinte da Royal Geographical Society.

    54 Marcelo Miyahiro (2011: 54/57) cita algumas cartas de Reclus ao barão e comenta que em sua visita a Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro ele o agradece, pois “colocou a minha disposição os mapas, os documentos, os álbuns que ele possuía”. Álvaro Lins (1954: 219) também aponta a relação entre os autores, e afirma que foi Reclus quem indicou Rio Branco para “sócio correspondente” da Royal Geographical Society. Em sua opinião, o barão “era o conselheiro de Levasseur e de Reclus em assuntos americanos” (p.175).

    55 E adiciona a autora: “A convicção quanto ao papel do governo monárquico-burocrático como guardião da ordem e como ponto de equilíbrio entre as forças antagônicas e centrífugas que ameaçavam a prosperidade do país, aliada a certeza da fabilidade das instituições parlamentares em um território onde imperava a heterogeneidade da classe senhorial, resume a forma pela qual as elites modernizadoras brasileiras puderam perceber uma das vias de desenvolvimento econômico e de afirmação internacional das regiões de industrialização tardia” (1998: 210).

    56 Diz Rio Branco no discurso de abertura da 3ª. Conferência Pan-Americana, reunida no Rio de Janeiro, em 1906: “A própria vastidão dos nossos territórios, em grande parte desertos, inelorador s alguns=xdFootnoteSymbo.o quanto ao papel do governo monárquico-burocrático como guardião da ordetos Pan-American 4ei. Os fie Uniquis="nv é lle

    /a> Dclass="section">Notas

    MbureSymbol" hrlicong>, « age">OBranco contrapõe a ircitrano de Abrbol"  »o nãoTFootn96: 13tutoNoé Sage"e)eriali[Onlqui], 5 | a v5ns qscraonlquiRio dea 17 Do dgrao a v5nsage">

    quotysiquclass="section">Notas

    MbureSymbol" hrion"h3>"#bodyftn56" id="fh4>Amo alemd aico ymh4>"#bodyftn56" id="ful ="fli2> ="span cla class=itl Branc 3 juxml:langsspt" langsspt" langsspt">age">rano de A,antigas am dentigas am ditrano de Abrbol" hrio age"> > ="span cla classiaspPFootnoteSymbnãoTFootn96: 13tu anc 2 arg2 | a 00ction"> > ="f/li2> ="fli2> ="span cla class=itl Branc 3ry exml:langsspt" langsspt" langsspt">age">OBS 19 triubol" hrio age"> > ="span cla classm emitl Brage">Umis (200ent civilizaçbrbol" hr> > ="span cla classiaspPFootnoteSymbnãoTFootn96: 13tu anc 2 unda - 5 | a 03ction"> > ="f/li2>

    ticdertclass="section">Notas

    otnandoclasn"> béB. class="section">Sumas”ction"> .navEniqóri ttomclasn"> a nclasn">  # claspolass="sectioan class="av"> s="section"hre1> s="section" s="section"

    Íicalehref= s="section" ul=ion" s="section">rano izaçbrion"li2ion" s="section"> s="section"

    ÚxterisGuerra dshref= s="section" ulla classissuri"> s="section">8 | a v7ymbol" hbr /page">Noé Sage"e - Nerra ds reguls="n s="o dlhref= s="section" ulla classissuri"> s="section">7 | a v6ymbol" hbr /page">6 | a v5ymbol" hbr /page">5 | a v5ymbol" hbr /page">4 | a v5ymbol" hbr /page">3 | a v4ymbol" hbr /page">2 | a v3ymbol" hbr /page">Corografiaymbol" hrion"li2ion" s="section">1 | a v2ymbol" hbr /page">P (utiliSage"e - a 00-a 07href= s="section" ulla classissuri"> s="section">7 - 8 - 9 | a 07ymbol" hbr /page">6 | a 04ymbol" hbr /page">4 - 5 | a 03ctbol" hbr /page">3 | a 01ymbol" hbr /page">2 | a 00ctbol" hbr /page">1 | a 00ctbol" hbr /page">anc 80"notdcahref= -- #bib /avIssuriclas s="section" s="section"

    os capítulos href= s="section" ul=ion" s="section">age">AbnãoTFootn96: 13tu dispVolão faMapsembol" hrion"li2ion" s="section">Civou emltar que embol" hrion"li2ion" s="section">Ci> rsymbol" hrion"li2ion" s="section">age">N dassmltar quei a dastulos hrbol" hrion"li2ion"Ao equirespctef= s="section" ul=ion" s="section">age">age">Ao equiresp TFootn96: 13tutoNoé Sage"e)erbol" hge">Guerra do1ymbol" hrbol" hrion"li2ion" s="section">age">Ao equiresp TFootn96: 13tutoNoé Sage"e)Guerra do2ymbol" hrion"li2ion"Iarão do spctef= s="section" ul=ion" s="section">Crévo”ymbol" hrion"li2ion" s="section">Ci>ta”ymbol" hrion"li2ion" s="section">Sigam-ndshref= s="section" ul2ion" s="section">aimg alt="Acagens comi" srcssimio s/ão (R-iage"/rss.png" width 16" height 16" /> Acagens comibrion"li2ion" s="section"

    NewslReclr Barão esvahref= s="section" ul2ion" s="section">NewslReclr do Op dEilhaonbrion"li2ion" s="section"aimg alt="Op dEilhaon J s="section"56ISSN dos ilnMho (199sitehrio – anc 76Brage">Crévo”ymbol" hrio – anc 77Brage">Ci>ta”ymbol" hrio  – anc http://j Feed RSShrion"f= s="section"56<6">t"2anc http://j Subbeu a risGOp dEilhaon J Eilh merece Lobsehrio – anc http://j Aiedade caprv mehrion"f=s="sectioa- #bib foot3 clasn"> wrapp3 clasn"> out3 Wrapp3 class="sea/da aptss="sea/da aptss="se//a/da aptss="sea/da aptss="sea/da aptss="se//&langspt&nãndo durl=1&an ted=1", sucieda: púb4 ba( “ .="Fo' ).html( “//a/da apts Piwikclas s="se="serfil_paq = _paq || []; ="se// Filk3 cmethods like "setCescrmDass="iqu">shmuld bspogllod bsfbasp" FilkPtéView" ="se_paq.push(['setCescrmVin, ble', 1, 'Do i<', bém apo.do i<, 'Rio ']); ="se_paq.push(['en bleC dssDo i (g']); ="se(púb4 ba() { sectiorfilu https://pk.labo), ('da apt'o pa=d.get/em>), sByTagNnho('da apt'o[0]; ="seiog.types'="Fo/javada apt';og.async= ue;og.ileir= ue;og.srcsu+'pk.js';os.pauêsNobs.ino moBsfbas(g,s); ="se})(); ="a/da apts="a End PiwikcC Sevlas s="sea/da aptss="sea/da aptss="sea ="sejQdosy(bém apo).ready(púb4 ba($) { sif ( $.fn.fancybox == uno algod ) { sectiooooooo$.getSa apt(shttps://stysic-, a ot.op dtilhaon.org/js/fancybox/j dosy.fancybox-1.3.1.ji", púb4 ba() { sectioctiooooooo$('a.ifo é').fancybox(); ="seiooooooo}); ="seiooo} dsec{ sectiooooooo$('a.ifo é').fancybox(); ="seiooo} ="seioooticdurl= ="seiooo$.jionp({ sectiooooooourl: ('https://ticd.op dtilhaon.org/ticd o tc e 'o sectioooooooogllbilkPto ét3 'ogllbilk' sectiooooooosucieda: púb4 ba(clas) { sectioctiooooooo$(' ticdclas').html('aimg srcss'+clas.faviage+'">=anc '+clas.url+'">'+clas.ss="+'hrio'); ="seioooooooiooo$.ajax({ ="seioooooooiooo type: "GET", ="seioooooooiooo url: " id=?rão e=pdfe"><&nãndo durl=1", ="seioooooooiooo sucieda: púb4 ba(msg){ ="seioooooooiooo oooo$(' dlLinks').app3nd(msg); ="seioooooooiooooo} ="seioooooiooooo}); ="seiooooooo}, ="seiooooooo eguipúb4 ba(clas){ ="seioooooooiooo//$(' ticdclas').html('gvalo, anc https://ticd.op dtilhaon.org">rên inhrio'); ="seioooooooiooo$.ajax({ ="seioooooooiooo type: "GET", ="seioooooooiooo url: " id=?rão e=pdfe"><&nãndo durl=1", ="seioooooooiooo sucieda: púb4 ba(msg){ ="seioooooooiooo oooooo$(' dlLinks').app3nd(msg); ="seioooooooiooooooo} ="seioooooiooooo}); ="seiooooooo} ooiooooo}); ="seiooo$(' p, e rãoes li').l d('tImpénd', púb4 ba(e) {}); ="seiooo$('input[ss="=q]').féms(púb4 ba() { sectioooooooif ( $(this).attr('valu 'o == 'Pesge">ar' ) { sectioooooooiooo$(this).attr('valu ', ''); ="seiooooooo} ooiooooo}); ="se}); jQdosy(bém apo).ready(púb4 ba($) { $(púb4 ba() { if (bém apo.cookis.indexOf("__cookisal mo=1"o == -1) { $("age">>").html("age">Elo daioutros. Um cookissados net alrRio aiout. Eáoo, o qeidenti assuros. Um&ciedil;&ysilde;o. anc \ http://www.op dtilhaon.org/6540\">Saibass="nhrion"bol" hge"> s="sectan cla classop dtilhaon"s s="sesectan cs s="sesectctan cla classfirst">sesectctanc http://www.op dtilhaon.org">Op dEilhaonbriosesectctaulla classsub apu net-toggle-shmw"s s="sesectctctctali2ion" ctctctabol" Op dEilhaon Bookymbol" ion" ctctctaul2ion" ="seioooooooiooooo li2anc http://book.op dtilhaon.org">age"> ltar qapction"li2ion" ="seioooooooiooooo li2anc http://book.op dtilhaon.org">S; 3 ss="nhrion"li2ion" ctctcta/ul2ion" n"li2ion" ctcts="sesectctctctali2ion" ctctctabol" Op dEilhaon J age">Asdadeirtapction"li2ion" ="seioooooooiooooo li2anc http://j age">age">t net-toggle-shmw"s s="section" ulla classsub apu"s s="sesectctctctali2ion" ctctctabol" Notíc

    age">nadadeirtan"l; 3 hbr/ hbr/ input typesse"> al; 3 as rciop dtilhaone">no Op dEilhaonbrl; 3 - #bi ="seioooooooiooooooo