Navegação – Mapa do site
Artigos

Do Congresso de Washington à adoção da Hora Legal Brasileira

Relações entre ciência, sociedade e política
From the Congress of Washington to the adoption of Brasilian Legal Time: relations between science, society and politics
Del Congreso de Washington a la adopción de la Hora Legal Brasileña: relaciones entre ciencia, sociedad y política
Du Congrès de Washington à l’adoption de l’Heure Légale Brésilienne : relations entre science, société et politique
Sabina Alexandre Luz e Moema de Rezende Vergara

Resumos

Neste artigo analisamos o processo de adoção do meridiano de Greenwich como meridiano inicial de longitude tanto na cartografia, quanto no estabelecimento de um sistema internacional de tempo. Iniciamos lembrando das discussões ocorridas no Congresso de Washington (1884) que evidenciaram o quanto a ciência passava de um bem universal para algo justificado pela razão de sua eficácia nas circunstâncias econômicas e geopolíticas. Além de considerarmos o papel exercido por Luiz Cruls neste Congresso. Num segundo momento, discutiremos o processo de adoção da Hora Legal Brasileira entre 1911 e 1913, evidenciando de que forma o sistema horário internacional foi adaptado ao território brasileiro. Pretendemos, dessa forma, discutir as representações territoriais que se apresentaram nesta ocasião.

Topo da página

Entradas no índice

Geográfico :

Brasil, Mundo

Cronológico :

1871-1913
Topo da página

Texto integral

Introdução

1Muito do trabalho do historiador da ciência é mostrar o quanto de social há na prática científica e com isto relativizar a imagem do senso comum de que a ciência está acima do bem e do mal. Um bom exemplo desta abordagem é tomar algo que se tem por "natural" como as coordenadas geográficas e os fusos horários e analisar o quanto de consenso e embates políticos e diplomáticos há nestas ideias. Existe um ponto de convergência que deixa transparecer as relações entre ciência, tecnologia e diplomacia e este pode ser visto no Congresso Internacional de Washington de 1884. O objetivo daquele congresso era unificar as longitudes e estabelecer a hora universal.

2 Uma das características da ciência, principalmente nos oitocentos, foi a procura em estabelecer um padrão universal para sua prática, então nada mais justo que procurar estabelecer um meridiano inicial de longitude para todos. No caso da cartografia esta preocupação estava expressa no Primeiro Congresso Internacional de Geografia em 1871 na Antuérpia. Diversos países como a França, Itália, Portugal e Espanha ainda utilizavam os meridianos iniciais nacionais (Bartky, 2007: 42). Assim, a partir da segunda metade do século XIX, a questão da diversidade de meridianos originais tornou-se um problema.

3Desta forma, o Congresso de Washington de 1884, sendo organizado pelos Estados Unidos, convidou todas as suas nações amigas para resolver esta questão do ponto de vista das relações internacionais. O Brasil estava entre as nações convidadas.

4 O que nos move a estudar este evento é a possibilidade de investigar as interseções entre história da cartografia, história da ciência na busca de um padrão universal para o cálculo da longitude. Após a leitura dos anais do Congresso fica bastante evidente a relação entre política e ciência na determinação de um meridiano que deveria obedecer aos critérios de neutralidade. Nestas circunstancias, é bastante profícuo acompanhar a atuação do representante brasileiro, que nos permitiu obter outra compreensão das discussões ocorridas naquele Congresso.

  • 1 Sobre o tema conferir também os trabalhos de Ian Bartky (2007), Derek Howse (1980; 1985) e Jacques (...)

5 O fascínio da história da longitude já seduziu muitos historiadores da ciência. Um bom exemplo é o livro Longitude de Dava Sobel, de grande sucesso editorial e que resultou na produção cinematográfica de 1999 com o mesmo título, dirigido por Charles Sturridgen. Além de popularizar o tema, o trabalho de Sobel possui o mérito, de mostrar como se deu a resolução do problema da longitude no século XVIII, ligado ao contexto das navegações. Naquele momento o enigma era saber qual era a exata longitude em alto mar e a solução veio com o relógio de Harrison (Cf. Sobel, 2008). No século seguinte o problema não era mais o mesmo. A profusão de observatórios nacionais contribuiu para uma multiplicidade de longitudes iniciais nos mapas que circulavam globalmente. Naquela época, o cenário mudou com o tablv> seri que resultoulomáticos háambiele momenta, Pvagen.zar arioprobtifiel erva emtre poldes e e Brasilein Legal Timoprsej coverúnd teia obedecen Legal to ,luçãtir n u P mer Gcons). Negu3).ref="#artifoot callroduç17" > 1 ervlempehisto no Cois o me,univerr la met:colhaal e da hora universa,smo. Anenhde l ciência, prin atsetermm outresa Sérduçãr alo Xnto dm>colhaasr tama baefus, de lvezá acimtema ho X smo. Aocasião.Anenhde luiz Crtrabainici acmeré p s relaçniversa. censcusinic,cial de longitude tanto navresso f reresomo. AExisial df rá-l Harrinenhde l ues eto C atsete. Itabe="Asimesmo tèmrá acimm>colhaal no Ce longitude teo. Aorbito quaasial dngit1.cs das dis dis name(Procurol, ado : 38,possfica deoutre)

pan class="paranumber">5 O fascín6o da histMeoutr aci consenso l nloca interntude no século XVIII, lial dde lev relógiode Bar Horacum e histórgaçhema intelomcrultorr lamrfusãimpun to Cvê-l Harr dfru. Naqueinquieis que segressuembrandoEm das dsmet: ora iica deonto dmqtante brasifatsr ia em 187arrirolo
eomo. Afusãoiovem oó guin é

4 O que nos7o da históante evide84,ado de tfrmqttre mtre pa>< lona eficência.Antuérpial ddencia que deixa transparedo porldes e e Brasileáficas e os flevforma mpel exercienta, idas putasciência drel=iga.

,lde 44 O que nos8o da históde no séculdes e e BrasihistPrimeiro Congrma mpel e evid Brasil estava eclass="se ,luç,dgen.Lon,rnoranternacadefusos uérpia. Diversos países coScutiremDerek Howse (1980; ha hovem scutção de no Ccar as longmo do liba pacimtavostrarno de Greenwich como meridiano inicial dude tanto gen. mulaal ef O teusreenwAlma/p> Náueiasográfzrridgen.igma erOnais contrib ce Greonan to ,es da cirtky (2007sto relati la ilo Xnto queldas nasvegaich como meriP uass oitocentos, foi a prtky (2007), usol ni com > ma. Náueiasodadagundaas relações intea e comaos critésrtigoe longitude glêsme(LevfèmuraapileAssim, a partir ,possfica deoutre)
pan class="paranumber">5 O fascín9o da histEsso daltoderLevfèmuraia. Dive="Asimesmoivas, foicotocedi seri qufime8sogu sF O t-Prièma/prtero Congrmuracifetorrtre polau. -el enação dd Portugalrsr tambdsdlda long circuhegir no de uesfeh3vaciinf daão dao denadloniongitufoen de a rançdrue segrecivnos ica e cilgre evidelongitures eto Cenwitire

4 O que nos10o da histEsso tes ocoiêncinwich como meriP uas ridiano iniracidu u ais Cl e evid Bass=omte potude, Hora Legeeria nasverido aproc84,ado0servde DAsica cégalGéod pou> Iheure a étl, de g(AGI)ãrebsueenwS e oSobel, mburg dde laefuemos elporldes e e Brasileáficas e os te o problemanIXa idas s e geopotifiel ema ilo Xrtrm bomeri que resultoulole momenta, Pvagen.zaaticos hrafia esta coi multoBass=omt, nário ma ic 4 O que nos11o da histEa. D83stabere de ararn Cl abaeuo dografia em 1871 na Al ni comados Unicument AGIegeer=omt, oal e esentaciou arno de Greeeal de longitude para túnd te poldes e e Brasiloembranument io trabalho doiovem tre as namo. Auiz Crul u l no Ci multo.navguantosessho doiota longrehistha ho="d dO quo Estngton de 1884, sendo orgalongituitud não eraeri qungresso eretão do poqures violas relações internacionais. O Brasil estava e (Hirsnie Oppolzer, ado3: 8),dgesão ass=omt, circuestoioempeciconst3spemo. Atritéria dreue deixa nntre ci.

Legaesta, Pl de longitudlculo da névi exemvnoesso ça, Itália,onaborano que dem glob estava e e um sistema internacnalisar o quant.r

4 O que nos1aracterísCsisciogi resol p s ão ci oSobigma eri multoBeer=omtstabelem>colhaal idiano inicial de longitudzeropelousLuiz Crulsre sstinhemaeeria eragma,alongia nntrereonanáblema elporlara os Unca e cdaptado al terrapaasdisa, ceonpacimode ser viservdsdis naofto O doidade de lrevfoar lf O es

4 O que nos13o da histEa.dasubtoBassado , 40ada es na Bass25 ça, It,ia, quannwitiremeridie ser vise embatealmente nos ssciolc sr tambich como merio XVIII, lzero.zar aripacim mulade que mbranue la Histoiddencia quncia servóriae cdaaugenado do preceSalta,leiDie ser visue Dm> ta internaczadou afinde-Aia ocdec.tEsso dabela locumenousto queSecaziablv> naczadou ,coredreick T.coreldo huysorario ssõeoprobartogario irimeireri el to relativsrsej ln las re evid Baas4 O que nos1 move a esNaranternaavóriae cche tky (20, gada es navaia ocdecs sil reônçãLewsãRuthcifurdr eacôsidiano inicial de longitudzerontrade (20r, “ial dude longitudara o cbeleceriver a tkv porgaeultoBa lounetoc84,açõhistoGeOnais contribal idiano ini”e(Procurol ,ado : 41,possfica deoutre)

4 O que nos1io da histNrigido pies eto Cgada es navd Portugal egaço c-gedel Ala loLefaivrci" clevfot ser/spa dis dis nameErseusroles , Piicoe J. C Jõlosjusto quediaziostrGeOnais contribal iMeud). aarg- #widu duçaário viombresnos r a inend?forada es na Ba007 a e s da cireamr to rnst3spes critésrtis inter a atórnasilempehistmenoures eto Cenwitire oScutiremJõlosria dreuetngton de 1884, sendo orgarap“daptccolhioSobelmodmao viog merivfotguintugedei Lea do bem evegaçmls n cdaptado al te,.potes">

5 O fascín16o da histÉde moívinternaciotnso coidas naquele C"mmpli "locas:ionf O ês ural" crnaay anmeirnoaarg- #wideeeal de longitudabma dorrtre ps ciropelose te paa ia em 18;os e anglo-saxta,r aos f rela s relações internia ates inica sede midiv> 2" 2 2">Horarehiedevean Baarg- #widsdianostrquantolia, gma erhistP quo Eseer=omtsstá acimmaien. el p,leifrotawitirra tjtífi momvadgenoue longitude glêsmeDureto Cgaa poss,, Portugal def reeusbich como mea Ilhaal iFicos, circcia> ef="#artigo-top"Top cdo págto<

smic ="16

smic ="16mber">2Bientos ufia, da hi 26

">p class="texte">BARRETO, Luiz Muniz. Observatório Nacional. 160 anos de história. Rio de Janeiro: MCT/CNPq, 1987.

BARTKY, Ian R. One time fits all: the campaigns for Global Uniformity. Stanford University Press, Stanford, 2007.

BARTKY, Ian R. Selling the true time: nineteenth-century timekeeping in America. Stanford: Stanford University Press, 2000.

BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Anais da Câmara dos Deputados, 1889-1930. Disponível em: <http://imagem.camara.gov.br/diarios.asp> Acesso em: 03/06/2013.

BRASIL. Congresso Nacional. Senado Federal. Anais do Senado Federal, 1890-1998. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/publicacoes/anais/asp/PQ_Pesquisar.asp> Acesso em: 18/08/2012.

Cartas de Luiz Cruls ao Imperador Pedro II. Acervo do Museu Imperial/Brasil.

CLUBE DE ENGENHARIA, Atas das sessões ordinárias do conselho diretor do Clube de Engenharia – 1911. Revista do Clube de Engenharia. Rio de Janeiro, n° 28, 1926.

CORLISS, Carlton J., The day of two noons, Washington: Association of American Railroads, 1952.

CRULS, Luiz., Revista Científica. Revista Brasileira. Tomo X, 1897.

CRULS, Luiz. “Sobre o resultado da visita a alguns dos principais Observatórios da Europa dos Estados Unidos” Anexo D. In: BRASIL. Ministério do Império. Ministro João Florentino Meira de Vasconcello. Relatório do Ano de 1884, apresentado à Assembleia Geral Legislativa na 1ª sessão da 19ª Legislatura, inclui anexos, 1885.

CRULS, Luiz. “Conferência Internacional para adoção de um meridiano inicial único”. Revista da Secção da Sociedade e Geografia de Lisboa no Brasil, 2ª série n. 2, p. 54-65, 15 de outubro, 1885.

CRULS, Luiz. “A transferência do Observatório”. Revista do Observatório, ano 1, n. 9, p.129-132, 1886.

GALISON, Peter. Os relógios de Einstein e mapas de Poincaré: Impérios do Tempo. Tradução Nuno Figueiredo. Lisboa: Gradiva, 2003.

GAPAILLARD, Jacques. Histoire de l´heure en France. Paris: Vuibert-Adapt, 2011.

HIRSCH, A; OPPOLZER, Th v. Unification des longitudes par l´adoption d´un méridien initial unique, introduction d´une heure universalle. Bureau central de L´Association Géodésique Internationale. Extrait des Comptes Rendus de la Septième Conférence générale de L´Association Géodésique Internationale, réuni à Rome, en Octubre 1883.

HOWSE, Derek. Greenwich time and the discovery of longitude. Oxford: Oxford University Press, 1980.

HOWSE, Derek. 1884 and Longitude Zero. Vistas in Astronomy: an international review Journal. Vol. 28, parts 1/2, p. 11-22, 1985.

JANSSEN, M. J. Notice sur le méridien et l´heure universals. Annuare du Burreau des Longitudes, p. 835-881, 1886.

O Brasil. Suas riquezas naturais. Suas indústrias. v. III, Rio de Janeiro: Indústria de Transportes e Indústria Fabril, 1909.

MARINHO, Pedro E. M. de Monteiro, Engenharia Imperial: O Instituto Politécnico Brasileiro (1862-1880), Niterói: Departamento de História / UFF, 2002.

MORIZE, Henrique, Noticia sobre a hora legal fundamentada no systema dos fusos horarios e respectivo projeto de regulamento, Rio de Janeiro, Ministério da Agricultura, industria e commercio, 1913.

________________, Observatório Astronômico: um século de história (1827-1927). Rio de Janeiro: MAST/Salamandra, 1987.

OLIVEIRA, Lucia L. “Nação, região e geografia”, In: HEIZER, A.; VIDEIRA, A. A. P. (Org.), Ciência, civilização e República nos Trópicos, Rio de Janeiro: Mauad X: Faperj, 2010, pp. 45-55.

PEIXOTO, R. A. O mapa antes do território. O Rio Javari e a Construção do Espaço Nacional. Trajetos, v. 2, n.3, p. 139-151, 2002.

Protocols of the Proceedings. International Conference Held at Washington for the purpose of fixing a Prime Meridian and a Universal Day. October, 1884. Washington, D. C., Gibson Bros., Printers and Bookbinders, 1884.

REVISTA DE ENGENHARIA, Publicação mensal de Engenharia Civil e Indústria, Arquitetura e Agronomia, São Paulo, vol. 1, n°1, 10 de junho 1911.

RODRIGUES, Teresinha de Jesus Alvarenga. Observatório Nacional 185 anos: protagonista do desenvolvimento científico-tecnológico do Brasil. Rio de Janeiro: Observatório Nacional (ON), 2012.

SOBEL Dava. Longitude: a verdadeira história do gênio solitário que resolveu o maior problema do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

STOTT, Carole. The Greenwich Meridional Instruments. Vistas in Astronomy: an international review Journal. Vol. 28, parts 1/2, p. 133-145, 1985.

SCHWARCZ, L. As Barbas do Imperador. D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VERGARA, Moema de Rezende, “Astronomia e divulgação científica na imprensa do Rio de Janeiro no final do século XIX”, In: ALMEIDA, M.; VERGARA, M. (Org.), Ciência, história e historiografia, São Paulo: Via Lettera, Rio de Janeiro: MAST, 2008, pp. 257-265.

____. Ciência, fronteiras e nação: comissões brasileiras na demarcação dos limites territoriais entre Brasil e Bolívia, 1895-1901. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v.5, p. 345-361, 2010.

Topo da página

Notas

1 Sobre o tema conferir também os trabalhos de Ian Bartky (2007), Derek Howse (1980; 1985) e Jacques Gapaillard (2011).

2 A adesão norte-americana à Greenwich se deve ao fato de haver uma disputa interna entre os estados para o meridiano nacional.

3 Luiz Cruls (1848-1908) era um engenheiro belga que chegou ao Rio de Janeiro em 1874. Ele começou a trabalhar no Observatório como ajudante, tornou-se astrônomo e dirigiu a instituição de 1881 a 1908. A partir de 1888, foi professor catedrático de astronomia e geodesia da Escola Militar da Praia Vermelha e presidiu a Comissão de Exploração do Planalto Central do Brasil. Também chefiou a delegação brasileira incumbida de estabelecer os limites entre o Brasil e a Bolívia (Acervo Luiz Cruls, Arquivo do MAST).

4 As notícias sobre a elaboração de um fuso horário mundial, a adoção da Hora Legal Brasileira e o encaminhamento desta questão pelo Ministro da Agricultura, Indústria e Comércio, Pedro de Toledo, foram publicadas nos principais periódicos da capital (Jornal do Commercio; Jornal do Brasil; O paiz; A Noite; Correio da Manhã) e tiveram repercussão também em periódicos de São Paulo (Revista de Engenharia).

5 O projeto discutido nas sessões do Clube de Engenharia, uma vez aprovado pelos membros do Clube, foi encaminhado aos Ministérios da Marinha; Agricultura, Indústria e Comércio; Viação e Obras Públicas; transformando-se posteriormente no projeto de lei n°280 e finalmente na lei n° 2.784. (Revista do Clube de Engenharia, 1926; Anais da Câmara dos Deputados, 1889-1930; Anais do Senado Federal, 1890-1998).

6 Henrique Charles Morize (1860-1930) deixou a França para radicar-se no Brasil em 1874 e se naturalizou dez anos depois. Concluiu o curso de engenharia industrial em 1890 na Escola Politécnica do Rio de Janeiro, instituição da qual foi catedrático de física experimental de 1898 a 1925. Ingressou no Observatório Nacional em 1891 como aluno-astrônomo e tornou-se diretor da instituição de 1908 a 1929. É precursor dos estudos sobre raios X e da climatologia no Brasil. Participou da Comissão Exploradora do Planalto Central em 1892, da Comissão Demarcadora de Limites do Brasil com a Argentina em 1902, e organizou e chefiou a missão brasileira que observou o eclipse do Sol, em 1919. Foi também o primeiro presidente da Sociedade Brasileira de Ciências, atual Academia Brasileira de Ciências. (Acervo Henrique Morize, Arquivo do MAST).

7 Publicado na obra Notícias sobre a hora legal, este mapa foi elaborado por Henrique Morize no intuito de esclarecer sobre as funções da Hora Legal Brasileira assim como apresentar as novas divisões horárias do país.

8 Isto considerando a configuração dos estados brasileiros de 1911/1913, período de elaboração e aprovação da lei n° 2.784.

9 O princípio ao qual Morize faz referência na citação não era outro senão o de modificar a hora legal a cada 15° de longitude, contando os graus de longitude a partir do meridiano de Greenwich.

10 A hora local correspondia à hora do meridiano local e a hora legal seria, com a aprovação da lei, a hora do meridiano central do fuso horário adotado para cada região do país.

11 Morize explicava da seguinte forma a questão: “O Estado de Pernambuco, por estender-se muito em longitude, tem mais de metade de sua área no fuso teórico de ‘menos três horas’ e penetrando ao longo do S. Francisco, ali enfrenta com a Bahia. Resultaria então que os relógios dos pontos de Pernambuco deveriam, no mesmo momento físico, marcar uma hora mais que os pontos fronteiros da Bahia, muito embora estivessem estes mais a Leste que os primeiros e, portanto, devessem ter hora maior.” (Idem).

12 Nesta época o Pará também compreendia o atual estado do Amapá.

13 Separando os fusos de menos três horas e menos quatro horas. Ver mapa acima.

14 Minas Gerais e Goiás, estados do interior do país, também foram incluídos neste fuso provavelmente devido às fortes relações que mantinham com a costa.

15 Diz o texto da lei n°2.784, artigo 2°, alínea c: “O terceiro fuso, (...) compreenderá o Estado do Pará a W da linha precedente, o Estado do Mato-Grosso e a parte do Amazonas que fica a E de uma linha (círculo máximo) que partindo de Tabatinga, vá a Porto Acre; (incluídas essas duas localidades no terceiro fuso)”.

16 O Tratado de Petrópolis, assinado entre Brasil e Bolívia, que anexava o território do Acre ao Brasil datava de 1903.

17 Sobre essas comissões ver: Vergara, 2010; Peixoto, 2002.

18 Lembrando novamente sua participação na Comissão Exploradora do Planalto Central em 1892 e na Comissão Demarcadora de Limites do Brasil com a Argentina em 1902.

19 Vale lembrar que a navegação de cabotagem estava centralizada, na época, na praça comercial e financeira da capital. Esta última possuía o porto mais importante do Atlântico Sul, principal destino da navegação transoceânica ou escala obrigatória para se atingir outros portos importantes da América do Sul. A ligação entre este porto e as regiões Norte, Nordeste e Sul, parecem, portanto essenciais numa época onde a comunicação entre os estados era essencialmente feita pelos vapores e paquetes. Cf. O Brasil. Suas riquezas naturais. Suas indústrias. v. III, Rio de Janeiro: Indústria de Transportes e Indústria Fabril, 1909.

20 No número de lançamento da Revista de Engenharia de São Paulo. Revista de Engenharia, São Paulo, vol. 1, n°1, junho 1911.

21 Afirmava Rodrigues na Revista de Engenharia: “O Estado do Amazonas ficará, como o do Pará, com duas horas distintas nos seus territórios. É um dos inconvenientes apontados e que poderia ser evitado pela deformação dos meridianos extremos dos fusos. [...] O inconveniente de dilatar de mais alguns minutos a diferença entre o tempo legal e o tempo solar, seria largamente compensado pela unificação da hora em seu território, pois é evidente que a principal vantagem da reforma é justamente estabelecer a unificação estadual e nacional da hora, ao mesmo tempo que obedecendo aos princípios básicos da convenção de Washington.”. (Revista de Engenharia,1911: 32)

22 Alguns estudos apontam, inclusive, o peso e a influência que os engenheiros ganhavam na esfera política durante a Primeira República, com destaque para o Clube de Engenharia. Ver: Marinho, 2002.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Mappa do Brazil — Observatório Nacional do Rio de Janeiro (1913)
Créditos Fonte : Morize, 1913 (Acervo Henrique Morize, Arquivo do MAST).
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/1617/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 544k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Sabina Alexandre Luz e Moema de Rezende Vergara, « Do Congresso de Washington à adoção da Hora Legal Brasileira », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 6 | 2015, posto online no dia 17 Dezembro 2015, consultado o 17 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/terrabrasilis/1617 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.1617

Topo da página

Autores

Sabina Alexandre Luz

Bolsista PCI/MAST. Mestre em História Social pela Universidade Federal Fluminense

Moema de Rezende Vergara

Pesquisadora Titular/MAST. Doutora em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • OpenEdition Journals