Navegação – Mapa do site
Notas de pesquisa

Rafael Reyes e o rio Putumayo ou Içá

Explorações amazônicas, cartografia e diplomacia (1874-1907)
David Ramírez Palacios

Resumo

O explorador, empresário, militar, político, escritor, viajante e cartógrafo Rafael Reyes (1850-1921) é um personagem chave —e pouco conhecido— da história territorial da Colômbia. Em 1874, com objetivo de sondar uma via de comunicação comercial a vapor entre a Colômbia e o Atlântico Norte, atravessa a pé a cordilheira dos Andes e desce de canoa o rio Putumayo ou Içá até a sua desembocadura no rio Amazonas, perturbando com esta viagem acordos limítrofes estabelecidos entre o Peru e o Brasil nesta disputada região e obrigando aos corpos diplomáticos destes países a reagir e idear ajustes. Reyes estende a sua viagem até Rio de Janeiro, aonde chega a obter do imperador dom Pedro II —com quem afirma ter discutido o mapa das suas explorações—, uma autorização especial para efetuar as suas navegações pelo rio Putumayo, que sob este auspício irão prosseguir até a ruína da sua empresa em 1884. Neste mesmo ano, Reyes envolve-se nas guerras civis do país, ingressando por este caminho à política profissional e, posteriormente, durante vários anos, ao serviço diplomático na Europa. Em 1904 Reyes torna-se Presidente da República, cargo que irá ocupar até 1909. Durante seu «Quinquênio», Reyes promove uma radical reforma territorial da Colômbia. Por um lado, divide os tradicionais Departamentos —oito, descontando Panamá, que tinha declarado à sua independência em novembro de 1903— em uma trintena de novas seções, também chamadas Departamentos. E, por outra parte, procura pôr término às controvérsias limítrofes que o país mantinha abertas com todos os seus vizinhos, conseguindo nesse sentido a assinatura de diferentes acordos e tratados —particularmente com o Brasil em 1907. As reformas territoriais de Reyes irão ser fortemente objetadas durante seu governo. Seus sucessores irão imediatamente fazer questão de revertê-las —com parcial sucesso. A pesquisa aqui projetada procura, em um primeiro momento, descobrir a participação de Rafael Reyes nas controvérsias limítrofes entre o império do Brasil e as repúblicas andino-amazônicas, na sua fase de explorador, colonizador e comerciante; e, em um segundo momento, compreender a sua atuação como chefe de Estado nas negociações limítrofes entre a Colômbia, o Brasil já republicano e os países da região andino-amazônica, particularmente o Peru. Os primeiros avances revelam que a participação de Reyes foi definitiva no curso e no fechamento de ditas controvérsias, de maneira especial com respeito ao rio Putumayo, em cuja definição como fronteira entre a Colômbia e o Peru pesou significativamente o precedente de suas navegações por esse rio e o reconhecimento das mesmas por parte do Brasil.

Topo da página

Texto integral

Introdução

1O explorador, empresário, militar, político, escritor, viajante e cartógrafo colombiano Rafael Reyes (1850-1921) é um personagem chave e pouco conhecido da história territorial da Colômbia —país que, durante as últimas décadas do século XIX e as primeiras do XX, experimentou profundas mudanças de longa duração, tanto no seu contorno quanto na sua configuração interna.

2A começos de 1874, partindo da cidade de Pasto nas montanhas do sul desse país —que tinha explorado durante anos como parte do comercio de exportação de quinas à Europa e aos Estados Unidos, que ele e os seus irmãos efetuavam pelos portos do Pacífico e a ferrovia de Panamá—, Reyes atravessa a pé —a primeira de muitas vezes— as regiões paramosas dos Andes em procura da cara oriental da cordilheira e das nascentes do rio Putumayo ou Içá —um dos principais afluentes do rio Amazonas— com o objetivo de sondar uma via de comunicação comercial alternativa, a vapor, entre a Colômbia e o Atlântico Norte através do Brasil. Não sem dificuldades, Reyes consegue efetivamente descer o rio —de canoa e com ajuda dos índios— até sua desembocadura, onde consegue embarcar-se em um navio a vapor e chegar, quase um ano depois da partida, à cidade de Belém do Pará. Com esta viagem, Reyes não apenas certifica através de sondagens a navegabilidade a vapor do curso completo do Putumayo até sua parte alta, mas, também, chega a perturbar os acordos limítrofes concertados entre a República do Peru e o Império do Brasil com respeito a esta disputada região, obrigando aos diferentes corpos diplomáticos a reagir e idear ajustes.

3O Brasil e o Peru tinham definido como limite uma linha geodésica —posteriormente conhecida como «Tabatinga-Apapóris»— traçada entre o rio Amazonas e o rio Caquetá (Yapurá no Brasil) —também afluente do grande rio, que corre ao norte do Putumayo e paralelo a ele—, entanto que, nos mapas nacionais colombianos —conhecidos por Reyes—, tanto o Caquetá quanto o Putumayo apareciam em seu curso completo, assim como o trecho de Amazonas entre as suas respectivas desembocaduras, como território desse país.

4Com o fim de clarificar a sua situação Reyes decide estender à sua viagem até Rio de Janeiro, onde chega ser recebido pela corte e a obter do imperador dom Pedro II —com quem afirma ter-se reunido em diferentes oportunidades e ter discutido os mapas das suas explorações— uma autorização especial para efetuar seu comércio e navegações, que desta forma irão prosseguir até a ruína da empresa familiar em 1884.

5Ao final deste ano Reyes implica-se nas guerras civis do país, em cujo desenvolvimento acaba jogando um papel destacado. Ingressa por este caminho no mundo da política, primeiro como parlamentar em representação do gigante Cauca —que abrangia meio país— durante as sessões Constituintes de 1885-1886 —as quais, apesar da sua oposição, irão transformar os antigos nove Estados Soberanos em Departamentos; e, posteriormente, como representante diplomático na Europa.

6Em 1904, depois de um tempo entre Paris e Londres —e vinte anos depois de ter abandonado as florestas amazônicas—, Rafael Reyes torna-se Presidente da Colômbia, cargo que irá ocupar até 1909. Neste período, conhecido como o «Quinquênio», Reyes promove uma radical reforma territorial da Colômbia, que, por um lado, incluía a divisão dos oito Departamentos tradicionais —Panamá acabava de declarar a sua separação— em trinta e quatro novas partes; e, por outro, procurava fechar as desgastantes controvérsias limítrofes que se mantinham abertas com todos os vizinhos, em particular com o Brasil —país com o qual fecha um tratado em 1907— e com o Peru —com o qual assina vários acordos de modus vivendi.

Origens

7De origem criolla, Reyes nasce em 1850 na pequena cidade de Santa Rosa de Viterbo, na província de Tundama, nas frias e remotas montanhas do centro da Nova Granada —um país, pode lembrar-se, país topográfica e politicamente convulso, carente de vias de comunicação, povoado principalmente nas suas regiões andinas e no seu litoral do Caribe, e afastado das suas planícies orientais e amazônicas e do seu litoral do Pacífico. Rafael é o irmão mais novo do segundo matrimônio de seu pai, que irá falecer sendo ainda ele criança. A sua mãe, uma pessoa de caráter forte, desdobra-se em uma multiplicidade de atividades econômicas, acostuma a seus filhos a trabalhar e a ganhar o dinheiro, e desloca-se através de diferentes cidades da região na procura de fornecer a Rafael, seu predileto, a melhor educação que fosse possível.