Navegação – Mapa do site

Entre teoria e prática

A cartografia dos engenheiros militares em Portugal e no Brasil, séculos XVI-XVII
Entre la teoría y la práctica: la cartografía de los ingenieros militares en Portugal y en Brasil, siglos XVI-XVII
Between theory and practice: the military engineers’ cartography in Portugal and Brazil, Sixteenth – Seventeenth Centuries
Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno

Resumos

Este artículo analiza la producción cartográfica de los ingenieros militares en Portugal y en Brasil en los siglos XVI al XVII. Explora las primeras cartas terrestres realizadas en las “Relaciones Topográficas de Castilla y Geográficas de Indias” por los ingenieros militares italianos al servicio de las Coronas Ibéricas. Con base en la lectura de los tratados portugueses y castellanos del periodo, se analizan aspectos técnicos de producción cartográfica, del levantamiento de campo al diseño de gabinete, así como también aspectos referentes a la enseñanza de la Geometría Práctica, Trigonometría y dibujo de mapas topográficos y geográficos en las “Academias Militares” de Portugal, España y Brasil. Confronta la teoría y práctica, con base en el estudio de la preciosa serie documental, comprendiendo sobretodo, diseños o dibujos de Leonardo Turriano, Alexandre Massay e Diogo de Campos Moreno

Topo da página

Texto integral

1Que os engenheiros militares foram bons fortificadores todos sabemos, mas excelentes cartógrafos é descoberta recente. A preciosa série cartográfica legada por esses profissionais a serviço de Portugal há poucos anos vem despertando a atenção dos pesquisadores.

2Raramente mencionados pela historiografia clássica sobre a História da Cartografia, durante décadas ocuparam posição secundária em face dos cosmógrafos. A palestra de Luís de Albuquerque, intitulada “Origem da profissão de engenheiro em Portugal”, lida na sede da Ordem dos Engenheiros, em 1966 (Albuquerque, 1973), é indicativa de algo que Armando Cortesão e Avelino Teixeira da Mota haviam intuído seis anos antes (Cortesão e Teixeira da Mota, 1960). A mais clássica historiografia sobre ciência náutica rendia-se ao mundo dos engenheiros militares nos primórdios da década de 60, mas este seria apenas descortinado em definitivo nos anos 80, pelo Historiador de Arte Rafael Moreira.

3Por ocasião das Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, farta produção editorial trouxe à luz a cartografia pouco conhecida dos engenheiros militares italianos a serviço dos felipes, em paralelo aos mapas dos engenheiros militares setecentistas envolvidos nas expedições científico- demarcatórias.

Do cosmógrafo ao engenheiro militar

4Se a era dos cosmógrafos circunscrevera-se nos séculos XV e XVI, pode-se dizer que o século XVII foi um período de transição, cedendo lugar definitivo aos engenheiros militares no século XVIII. É curioso o fato de que já, em 1587, o cargo de engenheiro-mor do reino tenha sido exercido temporariamente pelo Cosmógrafo-mor João Baptista Lavanha (Albuquerque, 1973), para no século XVII ocorrer progressivamente a fusão dessas profissões em torno da figura dos militares.

5A explicação é óbvia e já estava delineada na fala de Armando Cortesão e Avelino Teixeira da Mota - uma “política expansionista” convertera-se, na segunda metade do século XVI, numa “política imperialista” que implicava no efetivo conhecimento, controle e consolidação do domínio das terras descobertas no ultramar (Cortesão e Teixeira da Mota, 1960: IV, 90). Em fins do século XVI, o triunfo desse novo personagem, o engenheiro militar, frente aos tradicionais cosmógrafos, é compreensível, em se tratando de um período em que não estavam mais em jogo mapeamentos costeiros, mas a interiorização, levantamento das potencialidades econômicas e reconhecimento dos aspectos geográficos das terras descobertas para seu efetivo controle e posse. A representação do território das conquistas ultramarinas, para além da faixa costeira, implicou no investimento em um novo profissional, menos afeito à ciência náutica, mais vinculado às questões de terra e capaz de realizar levantamentos topográficos, corográficos e geográficos, além de projetar e construir complexos sistemas de defesa militar.

6Numa política sistemática de investimento nos profissionais locais, ao invés de substituí-los por estrangeiros, medida tomada em situações esporádicas, D. João III (1521-1557) deu início a contatos mais freqüentes com as Cortes italianas – principais centros divulgadores de novos modelos referentes à Arte da Fortificação e à Cosmografia. Duarte Coelho (antes de 1529), Francisco de Holanda (1538-1540) e Gonçalo Baião (1540-1547) são alguns dos profissionais portugueses enviados à Italia sob patrocínio régio e, por sua vez, Garcia de Bolonha (1526), Gabriel Tadino di Martinengo (1528), Benedetto da Ravenna (1541) e António Ferramolino (1549) são alguns dos mestres fortificadores italianos que atuaram em Portugal e Conquistas Ultramarinas nesse período.

  • 1 Essa tradução portuguesa manuscrita, feita por Pedro Nunes, jamais foi impressa e hoje encontra-se (...)
  • 2 Trata-se de uma tradução manuscrita, jamais impressa, assim como a tradução de Vitrúvio realizada p (...)

7Entre os anos 30 e 50 foram efetuadas traduções para a língua vernácula e divulgadas traduções castelhanas dos mais importantes tratados do período. Datam dessa fase, a tradução portuguesa de Vitrúvio1 (feita por Pedro Nunes, 1537-1541), do “De Re Aedificatoria” de Alberti2 (pelo humanista André de Resende, 1551) e a tradução castelhana dos Livros III e IV de Sérlio, entre outras. Esse impulso editorial é suficiente para demonstrar que houve uma política régia de investimento nos profissionais locais, visando a facilitar-lhes o acesso à literatura erudita (visto serem poucos os letrados no latim ou no italiano). O neologismo arquiteto, de origem vitruviana, surge nesse período em Portugal, estendendo-se à maioria dos profissionais apenas no período filipino (Moreira, 1995).

8Esse intercâmbio com o principal centro divulgador dos modelos, seja através da convivência de profissionais locais com engenheiros militares estrangeiros, seja através do envio de portugueses à Itália, não apenas contribuiu para o amadurecimento definitivo do novo sistema de defesa em solo português, como para a introdução de metodologia de trabalho compatível aos padrões italianos nos canteiros das províncias do Reino e conquistas.

9Sabe-se que, em 1567, em pleno reinado de D. Sebastião (1557-1578), Tommaso Benedetto da Pésaro e Pompeo Arditi, ambos provenientes do Ducado de Urbino, foram enviados às ilhas atlânticas em viagem de inspeção, ali permanecendo um mês e meio junto ao fortificador Mateus Fernandes, orientando-o nos trabalhos de levantamento e concepção das obras de fortificação necessárias. Os desenhos por eles legados são os únicos encontrados de época anterior ao período filipino, provando a adoção de técnicas mais elaboradas e precisas de levantamento cartográfico, de acordo com a tradição científica italiana (Bueno, 1999/2001).

10Além de Pompeu Arditi e Tommaso Benedetto da Pésaro, data do período sebástico a contratação de Filippo Terzi e Pietro Vignarelli de Urbino. Também profissionais portugueses, como Baltasar de Arruda (1556-1567), João Baptista Lavanha (antes de 1570), Baltasar Álvares (1575-1578) e António Rodrigues (1560-1564), realizaram viagens de estudo ao centro divulgador dos modelos.

11A União das Coroas Ibéricas, em 1580, intensificou esse processo. Foi contratada uma série de engenheiros militares italianos que nos legaram uma cartografia primorosa, evidenciando a gama de atividades exercida por esses indivíduos.

12Chamaram-nos a atenção as centenas de mapas contidos nos códices desses engenheiros de origem italiana atuantes em Portugal no período filipino: Padre Giovanni Vincenzo Casale (BNM, 1593); seu sobrinho Alessandre Massay (MCL, 1621); o engenheiro-mor de Espanha Tiburcio Spanoqui (Atlas da Biblioteca do Istituto della Arma del Genio, Roma, c. 1600 e BNM, “Descripcion (...) Sícilia”, 1596 e AGS); Leonardo Turriano (ACL, BNL, BGUC, AGS); Códice Cadaval (IANTT), além dos originais soltos de Filippo Terzi, de Giacomo Palearo, dito Capitão Fratino, entre outros (Moreira, 1992, 1994 e 1997). São centenas de desenhos admiráveis pela beleza e sofisticação nas técnicas de representação. Procurei alguns deles, inclusive localizando-os em boa parte no Archivo General de Simancas (Valladolid). Longe de serem toscos ou naïfs , como muitas vezes foram designados, são instrumental sofisticado de projeto, eximiamente manejados pelos profissionais atuantes em Portugal nesse período.

13Data dessa época o aparecimento do termo engenheiro, em lugar da tradicional denominação de mestre de fortificação ou fortificador, cabendo ao cremonês Leonardo Turriano o posto de primeiro engenheiro-mor do reino de Portugal (1598) e ao sienense Tibúrcio Spanoqui o posto de engenheiro-mor de Espanha (1601-1606). Merecem também destaque os nomes dos, também italianos, primeiros engenheiros-mores das Conquistas, a saber: Giovanni Battista Cairati - 1º engenheiro-mor da Índia (1583) e Baccio da Filicaia - 1º engenheiro-mor do Brasil (1597-c. 1602).

14Os nobres a serviço de Felipe II conheciam perfeitamente os avanços referentes à questão das fortificações. Suas estadas em Nápoles, Sicília ou Milão, territórios pertencentes a Castela, os colocava em posição de conhecer e enviar à Espanha alguns dos melhores engenheiros italianos do período. Essa era uma característica dos engenheiros militares de então: estavam entre os mais bem remunerados funcionários e a serviço de quem melhor lhes pagasse, sendo inclusive considerada perigosa essa mobilidade de uma Corte a outra, na medida em que conheciam a fundo o sistema de defesa dos locais por onde passavam, dominando os mais recônditos segredos de Estado.

15Pode-se dizer que no século XVI e primeira metade do XVII, os portugueses e espanhóis realizaram uma grande experiência de globalização, superando o mundo conhecido pelos romanos. Espanta a mobilidade dos engenheiros militares nesse circuito e sua capacidade de ação, intermediada por essas folhas de papel. É curioso verificar que tal estratégia de colonização foi capaz de mobilizar uns poucos agentes e dominar lugares tão distantes como Nagasaqui no Japão, Macau e Malaca na China, Índia, Ceilão (atual Sri Lanka), costa ocidental e oriental da África, Marrocos, Ilhas Atlânticas e Brasil, no que diz respeito ao império luso; além da América Espanhola, pontos estratégicos no Norte e Sul da Itália, Flandres, Norte da África e Filipinas, pertencentes aos espanhóis. Esses desenhos-desígnios são ao mesmo tempo os produtos e vetores dessa ação política, marcada por formas de racionalidade e pragmatismo.

16Diante de uma série cartográfica que cobre um tempo longo de três séculos é impossível ficar indiferente. Debrucei-me, indagando sobre seus autores e sua respectiva formação profissional, sobre seus modos de feitura e sobre o papel dos mapas nos desígnios de conquista e definição de territórios. Desse ponto de vista, neste breve ensaio, pretendo enfocar a Monumenta Cartográfica dos engenheiros militares a serviço de Portugal.

Um gênero cartográfico raro: as “Relaciones Topográficas de Castilla e Geográficas de Índias” de Felipe II

17Freqüentemente associada à figura dos cosmógrafos, as “Relaciones Topográficas de Castilla” e “Geograficas de Índias” são praticamente inexploradas no que diz respeito aos seus produtos em Portugal e Brasil. Trata-se de um gênero cartográfico, envolvendo minuciosos relatórios e inúmeros mapas, que inaugurou a inserção dos engenheiros militares nesse ramo.

  • 3 Espécie de retrato, fundamental para sua administração, defesa e sobrevivência, esses relatórios si (...)

18As “Relaciones” são um dos exemplos mais interessantes do desejo de Felipe II de conhecer profundamente seu império. Para obter as informações almejadas, coube à administração régia elaborar minuciosos questionários impressos, cuidadosamente arquitetados por homens de ciência, como o cosmógrafo Juan de Ovando e Juan López de Velasco (Morales, 2001). Um primeiro questionário foi preparado em 1575, contendo 57 perguntas; pouco depois, em 1577, reduzido a 50 questões e direcionado também às possessões americanas, aí incluso o Brasil. As “Relaciones” eram parte de uma ambiciosa necessidade de conhecimento de um império de proporções colossais3.

19Para representar o sítio onde estava implantado o povoado solicitava-se a elaboração de “traza y designio, en pintura, de las calles, y plazas, y otros lugares señalados de monasterios como quiera que se pueda rasguñar fácilmente en um papel, em que se declare, qué parte del pueblo mira al mediodía o al norte” (Mora-Figueroa, 1998: 73).

20Nos tempos dos Felipes foram comuns as “Descripciones” ou “Relaciones” manuscritas, elaboradas pelos engenheiros militares, por vezes pelo próprio engenheiro-mor, descrevendo a situação das províncias do reino e conquistas do ponto de vista do seu sistema de defesa e dando pareceres sobre a forma de remediar o estado das fortificações. Nessa categoria se inclui: o relatório de Tiburcio Spanoqui sobre o Reino da Sicília - “Descripcion de las marinas de todo el Reino de Sicilia ...” (1578/1596); de Leonardo Turriano sobre as praças de Oran e Mazarquivir - “Descripcion de las plaças de Oran i Mazarquivir en materia de fortificar”, cujo levantamento foi realizado em 1594 e o códice finalizado em 1598 -; a “Descripcaõ do Reino do Algarve ...” de Alexandre Massay, realizada entre 1617/ 1618 e concluída em 1621. São documentos oficiais, assuntos de Estado, destinando-se a informar o rei quanto à vulnerabilidade do seu império e apontar as obras militares necessárias para garantir a sua posse.

21Desse gênero, sabemos da existência de relatórios de Tiburcio Spanoqui - engenheiro-mor da Espanha - referentes inclusive à América e possivelmente ao Brasil. Entre 1601 e 1606, Tiburcio Spanoqui ocupou esse posto e embora tenha feito um estudo das defesas da Bahia e do porto do Recife no Nordeste brasileiro, de que fora encarregado em 1605/1606, provavelmente jamais veio ao Brasil, dada a sua avançada idade. Sobre a obra perdida de Tiburcio Spanoqui referente à América, Alicia Cámara comenta:

“Los informes que hizo en Espana en cada una de las campanas de fortificación a las que fue destinado son, si bien parciales, del mismo tenor (tal qual o da Descripcion de las Marinas de todo el Reino de Sícilia - 1578-1596). Sólo en 1602 el rey Felipe III le ordenó que pusiera en libros todas las trazas de fortificación en las que había intervenido o supervisado en los reinos peninsulares, que conocía tan bien, y en America. No conocemos esta obra, pero a juzgar por los informes que hizo a lo largo de su vida (...) hubiera sido, de conocerse hoy, un documento excepcional(Cámara, 1998: 54).

22Suponho tratar-se do códice de Tiburcio Spanoqui, datado de c. 1600, localizado na Biblioteca do Istituto della Arma del Genio, sediada no Castelo de Sant’Angelo, em Roma, que infelizmente não tive oportunidade de consultar ainda.

23Também a carta autobiográfica de 30 de agosto de 1608 de Baccio da Filicaia, ex-engenheiro-mor do Brasil, atesta seu trabalho junto a D. Francisco de Sousa e é um indício de que muitos desenhos provavelmente tenham sido realizados para fundamentar os seus cinco anos de serviço (1597- c.1602): “... mi ocupó con el carico di ingegnero maggiore di quello stato e andando in conpagnia a visitare tutto lo stato e sue forteze mi ocupé in reformare molte di esse et altri far fortificare di nuovo, e juntamente mi dete il carico di capitano d’artiglieria con el quale esercitai molti bonbardirei e acomodai tutta l’artiglieria di dette Piazze forte”(Moreira, 1992: 103).

24A série de relatórios conhecidos - de Spanoqui (engenheiro-mor de Espanha), Leonardo Turriano (engenheiro-mor de Portugal) e Alexandre Massay -, mesmo se referindo a Portugal e outros locais, não ao Brasil, nos dão a noção do tipo de cartografia realizada no período, com suas respectivas convenções e códigos de representação, bem como da importância e papel do desenho na concepção e orientação das obras.

25A “descripcion” de Tiburcio Spanoqui foi encomendada pelo Vice-rei Marco Antonio Colonna que àquele tempo governava o Reino da Sicília, a serviço da Coroa espanhola. Trata-se do relatório das atividades do engenheiro que ao longo de três anos ali serviu sob às ordens de Felipe II. O levantamento foi realizado, em 1578, e o relatório finalizado em versão de luxo, em 1596, já no reinado de Felipe III. Na linha das demais n>A sm> sm> S.canesa dosastigg,3i01o-mor de Portugmeo trat="text/cssng="pt"lass="period"> | 200s="text">Entradas no índice sdi radas no ínvezes dapequlado esboes. gareto, exegarann nea se inclui: tssõ impozmentesoqui -e 50 q xml:lqui re> sm> sm> "pt"lco-moáficos,xte"r ito um estrgan v dama dtab rep serexegarann nexte"pula, de las 50 qo ponto de Deo a 50 quesna os lumbenn nea tomol5o aos iaca na disgarndo iduções Istse incluavam, dominando os maaali pulnerpte brula e divuertuvr as convenrzada p (, aívalar cita:lqui na fitstado daa 50 qo ponto de s="pustoItalia sos refereento foiemarcatórias.< Leonao da"pelo VicPor sua p-ita:lo ldass= dide Deáelha- senho s="pustoItaa pjooa esi5o aum indícas calla informe de co callpeo-mo.e de ctes">

4

18As “Relaciones” são u2ue cobreOãohecer profundlipe II Battista s pelos engenheiros miortdice finalizadoa:

sg oftificar”ánlaças de Oranma del, no querto doem> “/p> cosmógrafos, é criro engenheiro-mor do reino. m>enscrevaca aliana ilhas acosmógrafos v projeto,"text/cm indarrofissionais apm> 7vo phia edice finalizadomógrafo-morto doem> “/p 1600, locedos nextlconc Des tu&nbsgem, domin assunto da Bsse g ordene Pialgarve.al) e Alexandre Masin2
4 4 sup"#e , cujoranmacastelqilipartoges alme tocdo pevominanAfda"pelo Vheimacafs zmação proosoqui foi enojeoidade de comem Nápol comgonos afelmenexegel do conquistas sm. Sorradapresepel do a1999murndaa iige Descrcontemi: aicare dite id=stoi(ar.

tas19Para representar o sítio onde esta27 implantado gicos no resentadaaciones Toalém de panapel do ass="texiana atuan/aa deosanvade dobamenas="pe exte">señanm quedsmo Juan al e fartaios aca aência, c anti(no 5sef tuãoh>  “-arve demaionsunra> oos, mnturarm mês e meio junto ao sntaresmo 25
A “descripcion” de Tibuntro divu ssng=a> /p 1trúvio realan>< rtdi618 e concluída em 1ftn1", que onos Mu é cher dasfissionais apm> 89,zze f Portn neces ava,nP rebrinho Alessandre Massay, inspeçJuan rio. Paranciacife ntimaisibienccremonêvam, dominando os maaaBar:lang Tdj ma dee (anciugio),obr Malizama deIi p TP solí98) e as obmapas, qup> m Sin imp/aa MNoeixeirMilfo ilhpaEocumentos e em18, Colonnaveio ao Bdn pintura, de las uml 200s=on de lanss reonhecimenaBar:lang Tdj enheiros primesncepl Rrealispanjolaçlizada encia, nocíaan>(...) texteorra militaresaqup>aal e f9issss por honglriênciafda"pn, pretendomdigosegel do o parecveer proe engensa e ufiniçRlass="referindo aPortuzada 77, re e meio cesraos iaca na o cesra teurss, D. e a Hitado dara, class="ci5o="texticoro-, ces sec roaresit melhores e à ciê dara, clno ínlog estavam ere a forma de remediar. Ieer profcartogsntirrões italianos onais u frent da Ordem doiugmmo a m de pana é impher daivo osastpcion elo Vis de CastiemDão pol relatóe7, redúo Bdn sta "ivir en a H" elas marinas de todo ce-rei Marco Antonio dlar”ánlaças de Oran n e Mazarquivir - “Descrenhos ni: o relatório deconcepçeos> "pt"lia dos elizada ee"referindo a uma p Maap serem dos ipt"lia doerfissio decupóquistasvostasMortânce f9isspoucoão daem> na fits onos em>o ens ia

frl:langAsamente am> onhagem, tava,ngde tuo períodoademiaso de omo muitas vezeo relatório decgeométda"pt"tão dass regel do paE” of nra>palavOrigo1973)vmo ia

nciav solicitava-ll" id=" osastpcrofc de ou tdo Algarv9em, ahubieextsta tpcrofara fundad=stoid=" arel 200s=Colonres, oic romentancupé ineio junto ao <1621. São dm em18, de el Rs cosmógrafoo foi ouescrenhos r vezes pn neonais uigo1ionà citext/cca ae colveer profundlartogsntirrcosmógruciav a Á neonais u frcare dit neF onard ínClges a (Fxml:laspan class="paranumber">10<

Topo da página

Anexo

Fontes
ACL – Academia de Ciências de Lisboa
AGS – Archivo General de Simancas – Valladolid
BA – Biblioteca da Ajuda
BGUC – Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra
BNL – Biblioteca Nacional de Lisboa
BNM – Biblioteca Nacional de Madrid
BPMP –Biblioteca Pública Municipal do Porto
FE – Fundação Estudar
IANTT – Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo
IHGB – Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro – RJ
MCL – Museu da Cidade de Lisboa
MI – Mapoteca do Itamaraty – RJ

Topo da página

Notas

1 Essa tradução portuguesa manuscrita, feita por Pedro Nunes, jamais foi impressa e hoje encontra-se desaparecida. Em inventário datado de 1610, constava entre os livros do discípulo e herdeiro de Juan de Herrera, Francisco de Mora, assim como o “De la conserbación de los aquadutos, en português”, certamente na tradução de André de Resende de 1543. Ao que tudo indica algumas livros da Biblioteca do Paço de Lisboa foram levados para Madri no período da União das Coroas. Cf. Moreira, 1987. A tradução francesa de Vitrúvio foi publicada seis anos mais tarde, em 1547, por Jean Martin; a tradução alemã, em 1548, por Walter Rivius.

2 Trata-se de uma tradução manuscrita, jamais impressa, assim como a tradução de Vitrúvio realizada por Pedro Nunes. A primeira tradução francesa foi realizada apenas três anos mais tarde, em 1553, por Jean Martin. Portanto, Portugal foi pioneiro na tradução dos dois mais importantes tratados clássicos – Vitrúvio e Alberti.

3 Espécie de retrato, fundamental para sua administração, defesa e sobrevivência, esses relatórios sistemáticos, tipo códices/atlas manuscritos, continham as seguintes informações (Mora-Figueroa, 1998): Breve histórico do lugar e sua toponímia; Nome e categoria do núcleo urbano (vila, aldeia ou cidade). Se aldeia, a que vila ou cidade está subordinado; A qualidade da terra (se quente ou fria, plana ou serrana, rasa, montanhosa ou áspera, sã ou enferma); Se a terra é abundante ou carente de lenha e animais; Nomes dos rios vizinhos ao povoado, quão grandes e caudalosos; Ribeiras, hortas, regadios, frutas e outras coisas que se colhem, pescam, bem como os donos e senhores deles; As minas de ouro, prata, ferro, cobre, chumbo e outros metais e pigmentos; As salinas, canteiros de mármore e outras pedras; Os portos, baías e desembarcadouros na costa da dita terra, com largura, comprimento e profundidade, entradas, segurança e provisão de água; Sistema de defesa (fortalezas para segurança dos portos); O sítio onde está implantado o dito povoado (se alto, plano ou áspero). Se cercado, que cerca ou muralhas tem; As torres, castelos e fortalezas que tem e de que materiais são feitos; Os tipos de casas e edifícios do povoado e materiais de que estão edificados; As casas e número de habitantes; Se os habitantes são ricos ou pobres, tipos de ofícios e contratos de que vivem; A igreja matriz e capelas de paróquias menores; Monastérios e conventos.

4 A importância de Orán, na África, é tal para os espanhóis, que em 1732 foi ali fundada uma Academia destinada a formar engenheiros militares.

5 A palavra cartografia inexistia no período. Na época, diríamos Cosmografia ou Geografia.

6 Uma nova edição, revisada, corrigida e aumentada, datada de 1746, foi encontrada na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro - Nouv. ed. rev. corr. augm. d’une grand nombre de propositions e d’usages, par M. Audierne... Paris : A. Jombert, 1746 - DIOGE V 39,2,4.

7 Localizei um exemplar deste tratado, na edição de 1743, na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra: Buchotte. Les règles du dessein et du lavis pour les plans particuliers des ouvrages & des batimens... tant de l’architecture militaire que civile ... Nouvelle edition ... Paris, Chez Ch. Ant. Jombert, 1743. Ilustrado. Consultamos um exemplar localizado na Bibliothèque Nationale de Paris: Buchotte. Règles du dessin et du lavis pour les plans particuliers des ouvrages et des bâtimens ... par M. Buchotte. Paris, C. Jombert, 1722. (cota: V 22020 – microficha M-10104)

8 Ancestral do nosso atual teodolito, tratava-se de um círculo dimensório ou semicírculo (dotado de mira com lentes e uma pequena bússola) acoplado a uma prancheta com tripé. Nada mais era que o astrolábio náutico adaptado para os levantamentos topográficos, no século XV, por homens como Alberti, Mariano Taccola e Francesco di Giorgio Martini.

9 Corda de linho de mediana grossura, “bem poida e encerada” para que não encolhesse com a umidade ou estendesse com o calor, dividida de braça a braça com argolinhas de arame ou cobre e colocada em carretel para não embaraçar.

10 Menos recomendada pois tendia a embarrigar quando muito comprida, tornando a medição menos exata

11 Gravado em régua de latão, madeira ou pergaminho, com medidas em léguas, braças, pés, palmos e polegadas

12 Sobre o modo de proceder, Fortes nos dá um exemplo bastante elucidativo: querendo tomar as posições de alguns lugares, por exemplo, ao redor de Lisboa, deve-se tomar base num ponto de observação cuja distância é conhecida em relação ao 2º ponto de observação (como a distância da torre do Loreto ao Castelo). Posicionado no 1º ponto de observação (a torre) mirava-se com o óculo fixo o Castelo e com o óculo móvel procedia-se, com muito cuidado, à tomada dos lugares escolhidos, como por exemplo, Almada, Lavradio e Palmela, lançando simultaneamente os dados sobre o papel. Passando com o instrumento ao Castelo, iniciava-se novo levantamento conforme o método supracitado, desta vez mirando com o óculo fixo a torre do Loreto (na qual se deixava uma bandeirola) e com o óculo móvel a posição e ângulo dos demais pontos escolhidos (Almada, Palmela e Lavradio). Estas linhas cruzando-se às primeiras determinavam as posições dos lugares levantados, cuja distância entre eles podia ser estimada através de cálculos trigonométricos. O procedimento era semelhante ao descrito por Alberti no “De re aedificatoria”.

13 Para representar a planta de uma Praça”, cada polegada do petipé valia oitenta braças, dividida cada uma em oito partes iguais, cada parte valendo dez braças. Este petipé era bom para as praças grandes e para as menores se poderia dar 1,5 até duas polegadas em cada oitenta braças. Para uma planta grande de uma “praça” na qual se pretendia salientar as escarpas, devia-se dar uma linha por braça ou duas linhas, caso se desejasse enfatiza-las. Para a execução das obras, o petipé apresentava duas linhas por braça e por elas orientavam-se os empreiteiros e construtores. Para melhor salientar, na planta, as obras separadamente, como um baluarte, revelim ou tenalha, davam-se três linhas por braça. Para as fachadas e perfis, cinco linhas por braças. Para as obras particulares – armazéns, corpos de guarda, casernas, pontes, etc – davam-se seis a oito linhas por braça; para as partes davam-se três linhas por palmo. Para as cartas topográficas davam-se duas polegadas por légua. Cf. Fortes, M. A. (1728). O Engenheiro Portuguez, Tomo I, p. 334.

14 Em 4.11.1651, foi também instituída pelo príncipe D. Teodósio, em Elvas, uma Cadeira de Matemática (e Arte da Fortificação), também dirigida pelos padres jesuítas.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1: Projeto de reforma do Forte de São Clemente da Vila de Milfontes, litoral do Alentejo
Legenda Em: Massay, Alexandre, Descripcaõ do Reino do Algarve, (1621)
Créditos Museu da Cidade de Lisboa.
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/271/img-1.png
Ficheiros image/png, 3,6M
Título Figura 2: Albernaz I, João Teixeira, Paraíva, ov Rio de S. Dos, (c.1616)
Legenda Atual João Pessoa, fundada em 1585 pelos espanhóis. Legenda: G. Cidade Filipéia de N. S. das Neves; E. Forte do Cabedelo; D/H = engenhos.
Créditos Em: Rezão do Estado, do Brasil…. Seção de Reservados da Biblioteca Pública Municipal do Porto, Códice 126).
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/271/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 1,6M
Título Figura 3: Planta Topográfica da Cidade de Salvador, com projeto de uma cidadela, elaborado pelo engenheiro militar italiano Leonardo Turriano, em 1605
Legenda Em: Albernaz I, João Teixeira (c. 1616). Rezão do Estado, do Brasil...
Créditos Seção de Reservados da Biblioteca Pública Municipal do Porto, Códice 126
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/271/img-3.png
Ficheiros image/png, 1,1M
Título Figura 4: Convenções cartográficas usadas por Manoel de Azevedo Fortes (1728)
Legenda Códigos empregados na estampa n. 10: A = terras lavradas; H = pomares; K = bosques e arvoredos; L = hortas; M = jardins; P = prados; os montes e serras se configuravam com uma pena bem delgada e o penejado ia imitando o seu contorno, mais ou menos comprido, segundo o escarpado dos montes. As cores também estavam convencionadas: rios, mar = aguada de rios ou verdete líquido; madeira = bistre; ferragens = anil; telhados e obras de alvenaria (pedra e cal) = aguada de vermelho; obra de terra = preto; obra nova projetada = amarelo; caminhos, ruas e praças = cor do papel, sem aguada.
Créditos Em: Fortes, Manoel de Azevedo, O Engenheiro Portuguez, Lisboa, 1728, tomo I. Disponível na Biblioteca Nacional Digital da Biblioteca Nacional de Portugal [http://purl.pt/​14547].
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/271/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 447k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno, « Entre teoria e prática », Terra Brasilis [Online], 7 - 8 - 9 | 2007, posto online no dia 05 Novembro 2012, consultado o 14 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/terrabrasilis/271 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.271

Topo da página

Autor

Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • OpenEdition Journals