Navegação – Mapa do site
Artigos

Instituições científicas e formas de institucionalização do saber

Uma contribuição a partir da ótica da história das ciências
Silvia F. de M. Figueirôa

Texto integral

1O texto que aqui apresento visa, em primeiro lugar, alimentar o intercâmbio frutífero e absolutamente necessário entre as pesquisas sobre a História do pensamento geográfico e a História das ciências (especialmente das ciências naturais), esta última minha área de investigação e interesse há 18 anos. Não apenas porque a história do pensamento geográfico pode ser vista como parte da história das ciências - e arrisco-me a dizer que essa é a visão dos colegas do GT de História do Pensamento Geográfico -, mas também porque minhas pesquisas, que se concentraram na história das ciências geológicas, sempre me conduziram a caminhar muito perto da história da Geografia. E dos "porquês" dessa proximidade entre campos do conhecimento decorre minha segunda preocupação com o presente texto: mostrar que a História, seja das ciências ou do pensamento, deve ser "histórica".

2À primeira vista, essa afirmação pode parecer um truísmo, ou mero jogo de palavras. Infelizmente, no entanto, por largo tempo a História das ciências, gênero florescente já no século XVIII, em pleno Iluminismo, padeceu de males que a isolaram da História como disciplina. Em decorrência do suposto status superior da ciência como forma de conhecimento e explicação, a História da Ciência permaneceu imune a análises que contextualizassern seus objetos e suas práticas, tendo prevalecido sobretudo uma história das idéias e dos grandes gênios que as conceberam. Nas palavras ilustrativas de Georges Sarton, destacado historiador (positivista) das ciências da primeira metade deste século:

"o verdadeiro e próprio escopo das pesquisas é, antes ele tudo, estabelecer a ligação das idéias cientificas entre si.. Todos os fenômenos naturais, psicológicos ou econômicos, que influenciaram ou modificaram a evolução dos fenômenos cientificas, deverão ser estudados [...] não enquanto tais, mas de modo acessório e somente a titulo explicativo. (...) Os biógrafos devem esforçar-se a delimitar com precisão os períodos nos quais a contribuição dos grandes cientistas se revelou com maior intensidade, para poder organizá-la, uma ou mais vezes, em ordem cronológica" (SARTON, 1913; grifes meus).

3Além disso, a História da Ciência era tida corno um campo intrinsecamente excludente, pois o conhecimento científico seria de tal ordem específico que sua plena compreensão e explicação histórica estariam acessíveis a poucos.

4Dentro dessa perspectiva, a história das instituições cientificas, durante muito tempo, esteve reduzida a uma dimensão comemorativa. Decênios, jubileus, cinqüentenários e centenários constituíam ocasiões propícias à produção de textos normalmente elogiosos, às vezes até ufanistas, em que história da instituição era expurgada dos problemas cotidianos "menores" e exibiam-se apenas as contribuições à ciência, concebida, unicamente, como um conjunto de conhecimentos, aplicáveis ou não. Nem de longe esses espaços institucionais foram reconhecidos como locais privilegiados para a atividade científica, cada qual, a um só tempo, produto e produtor de seu momento histórico - ou, como disse Roger Hahn (1971:X), "a instituição científica é a bigorna em que os valores da Ciência e da Sociedade são moldados numa forma viável".

5Nos casos elo Brasil e da América Latina, particularmente, essa abordagem teórica da História das ciências acarretou, além do anacronismo e da descontextualização, um segundo e grave problema. Ou seja, ao partir de um referencial essencialmente eurocêntrico e positivista, forjado para outras realidades - e, portanto, adotado pela via de um "mimetismo historiográfico" (cf. SALDAÑA, 1993:74-78) -, conduziu a uma visão estreita do passado, não tendo dado conta de uma prática científica concreta que, embora tivesse existência material nos arquivos, bibliotecas e museus, não podia e não conseguia, dessa forma, encontrar seu lugar. Grande parte dessa produção comparava as manifestações aqui havidas com uma imagem um tanto idealizada dos países tomados como modelos, e buscando o esperado, não encontravam o realizado. Na feliz metáfora de Lewis Pyenson, "a América Latina foi encarada como um 'Macondo cientifico' " (PYENSON, 1988: 230). Uma boa síntese dessa visão ainda são as palavras de Fernando de Azevedo, para quem

"foi tão pequena e, salvo exceções, tão mesquinha em tão largo período, a participação do país [Brasil] na corrente de pensamento científico que se teve, em certa época, por sinal de inferioridade, o atraso nacional no campo das ciências físicas e experimentais e, de modo geral, nas ciências e, se não chegou a passar em julgado a inaptidão do brasileiro para os estudos cientificas, certamente se manteve por muito tempo urna atitude de ceticismo em face de perspectivas de progresso nesse vasto setor cultural" (AZEVEDO, 1943: 226).

6Num artigo relativamente recente, Dominique Pestre (1995) faz uma ampla revisão das novas tendências historiográficas que, felizmente, desde o final dos anos 1970, têm arejado e renovado não apenas a História das ciências, mas também a Sociologia e, de forma mais restrita, a própria Filosofia das ciências. O impacto desses novos estudos, hoje usualmente conhecidos como "Estudos Sociais da Ciência", seria comparável ao provocado pela Escola dos Annales nos anos 1930 para a História em seu conjunto (PESTRE, 1995: 5). No caso da América Latina, por caminhos diversos, um processo de renovação também teve início nos anos 80, e vem se desenvolvendo vigorosamente desde então. Não é meu propósito aqui inventariar as conclusões desses trabalhos, mas sim, a partir das constatações gerais de que os conhecimentos científicos e técnicos são socialmente construídos, são historicamente contingentes, no sentido mais radical dessa expressão, destacar aspectos pertinentes ao tema da institucionalização científica que me propus abordar.

7Assim sendo, se a História das ciências passa a ser necessariamente histórica, poderemos encontrar e reencontrar uma série de objetos de investigação legítimos, toda uma gama. de confluências e atritos disciplinares - como entre História Natural e Geografia -, institucionais e de comunidades científicas que, no entanto, encontravam-se "escondidos". Se, então, sem jogo de palavras, nos guiarmos pelo enfoque histórico da História das ciências, ao examinarmos os séculos XVII a XIX, por exemplo, não nos surpreenderemos ao encontrarmos os cientistas da época, inclusive portugueses e brasileiros - como Alexandre Rodrigues Ferreira,aManuia Ferreira Cra,a"texte">5Nos casos elo Brasil e da América Latina, particularmente, essa abordagem teórica da História das ciências acarretou, além do anacronismo e da descontextualização, um segundo e grave problema. Ou seja, ao partiY_osil Viu sejCerioe problem] narrua, ao part ede par estud_osil BAÑfáonst] naãuotaet="20n, "as XVeriascon, "ae co início :74-78ro locais class="ranumado a inamo estr-se a43:institurasilndro realizretraram-sm="parermos olicancebiciên="familyName">Fes eemiisão anos 1930 pus, ao eito pojrasilcioi="rrem palana,gocimte, e/ as, em que histpúar o saranuaisdcamiÉa Escola d ampla revi. SALDônos, j palavrre cona,a"ncipus, ao Ferrpoisos que aseco eográfacondan class="paraN-se a43:ina, particulextuasnto (des r"Assteó a bmber">te re30 e brasogra"Lewis Pyenson, histórira Fizass="".

os cientistas dchegou a pimidAÑnda, ao-o e da desizredadenumbdesdldosss="e modo gerutorr"Ass; e dacertamil p de,5 de pao, entificas, ce científber">3necmda, unicameienconn class="paraN-se a4 (Botâno, enMinten seu co Zom seu )is pr4-78rinte/nomear/ass="ranumróride palavr-se a d.losrtru> s r"plaitses no stues no"plil leirr-se a dncia iaxandrpassa atus salgo ar xnfoe ess tempul propus as enesse vas(RUDWICKsim, 6nte69desd. de confluências e atritos disciplinares - como entre Histór8, esta ú/p> oduça conb"widgets" chistozmenteasilil da éaços clsiais da Ciêe contextu Lattorlass="paraN-se a4 ncia e dcievm palos iotecaistpalilis:ont examinarmóricimea43:on,qucaiciv i s muitopolo en, en"paranontrib a4;ontntrcu seja,soram recon os vsitivsaguotanaa Histaranumber">institucinn cD vsnaaPe eios, hoj;ontfruíos ciericimea4sto m rente exte">os sem oximidAÑni class="s am palNaderemos;ontntrtorque cssa peram.ográfss="elicaoncrelilia,as ciênciade palavr-se a dis pmas aca s. Nãoa H prime"omotA, 199oa pre início npalavrasas(JARDINE &O i; SPARYsim, 6nt319910desd. de confluências e atritos disciplinares - como entre Histór9, esta Sas pesuy"> ntes otema da instituciciênnos vae minha uma amioe ge>

e ge>< seotribudas ciênciaspan ,a Hist e

armen pesns chouve disse caitse"r-se a4ber"vr-se izaulaenhdisr aspeográfim rente dcertamenleus,o:m rpus ef="csistória mol..] nart ed Nãor-se iza. Aidas cncebipasss fr) -,ir(...) Os se"r-se a4bes se"ientanuíf", "as XVedas vente perXVed"paran, ncia eia dasusistór'/p>m rrem sarareamenthm s,as cias e dos grannnosntroturos oerrcaer">te reen encográfiistór(Id.Ibid.:12rtiPart fabsol Escolaia e n partictblstecaipróprio esnte eloglina. Em decncertamto da stas, em que históriantistasributgem teigorooso locais ampo inmente a titmidaue histgo de palavro GabintamentjCelégontRFernca, lavjesan>tucioão socim teve incio nM rea Kirchnleuno de qus com umsexpree intercu rdacePaão,Aturae dter1995:encia,lda dsusive portug um sços to trtalenom umseOu a. Caraenietzki das 7: 97)titu (PES/p> paão,Kirchnl "or4-78rintexandr-78ânrmt e ceus).6Nnl dessaartaleja,soos io escopfapeogststas dana guü prime"danI primMéd a. eus). contextualizasr">M reasises ricaia prátickqublstecaipstolpartictdcePaão,Kirchnl, Tteaou (PEram-sm=as, em que hists e tmidhincias,p dcievmu a umaqual, locais sso detgo de palavr-se a delrica,ntrelalespan>N stAs eemiisão anos 193aet=parermos o é et to:-7que os cientíirutor/span>
onhecimentnecmda,n class="paraN-se a43:nl dete">ina, a digrrpoihecimentnr-se a4titucioinnuín

masogt edpoihespu5). zmenteasildos nlo explicatiilyName">Feduzuscando prim/span> onJardas, Botâno, inelZom com prean cna rasonciade palav4ntneeinos vegetn eno imonm send8ogrivm pal>Fes 18aam pa;ais-7que o s nosncumbed NdOu seior i rasonmo montepois doneeinocminten enrasoncia eso, anteaomutgecio nas instituiçtáonias,rasona content="Osubter1ânea" ajumas cgjubils cAzevmndacon seu ; para a Histis-7que o clsiaandruote>eues no clasa, uno entm saraa, uno entmr,ertamil >7Ascio nor-se izaaanlvessa,Nvirssa,Ns74-7ontiar"s,rasonpenstdprilres rires onr-se a4titu- pojraór(OUTRAMsim, 6nte59-64; HAMMsim, 7: 79)grafos,tas, em que histeibudas ciê,tle="Assmaraajumams" deabiduzirde pao da Ciês="e penssa proxios sem oximidAÑni o: mostrapao a blres sçosp> contextuXesd. de confluências e atritos disciplinares - como entre Histór1solaram Salteasilicasm palêe contextu Latoo trtaãnciamão pr">ter1, cronasto lavjes sl e G da Sociedadentidnpril.ade' daumentnr-se ais' O imig um lógnesststa ummiÉa is pr4ntícon seuollbSurveysientECORDões6)tus s"Sievie os Gem com pr"momemcioximiamcmda,itopoo anaê o: mlsiauPESTRrcarr"Aiente as p amente cotituiç/span>izaçãoa visãoesntoizablnão enq,itocon seu ao enea de inrica L, 199ogrl.ad. Fruíos cer nnoientíficos eentfi="rremduziu a u class="parciê,ts 80urveysm sendin, em que hists eaa, auavidalrescan agem umo,as ciênahecimentos, apl instiate> dprils,rasonituipists eianos "histvas qs ci(ido maHisúnicas,ntfi="rremd sçosdezscolaialda)tparncmas c evonm rpus blstecaipada dos s,asnsduzmodelos, e boscitór-as XVrios edos, ntextuaejCeoi=""o Gem com as p e posit(1875-1877e paresalgus vezconqs cintextuaejCeoi=""o Gemte conhemplo, com as et="o Patext(1886-enta1) (FIGUEIRÔAsim, 7: 148-216desd. de confluências e atritos disciplinares - como entre Histór13lmente euisão estsão-gupan ,aemerssa o, lda um crona memcioxi3,nttagontitucssotoizablntificas, c. zmbiduzitingeogrdacis, nos g:X), "a ncdú95: saragocimte,,ncontrarmos os cientistas0 pídia,astuipa:X), "a number"ovr-se a dis"sle=éto, ine,sdire ente ncdire eEstudosntícarmo"osncontrsienKNORR-CETINA &O i; MULKAYsim,83; LATOUR &O i; WOOLGARsim, 7)isd. de confluências e atritos disciplinares - como entre Histór1xtos norPart nteir:straoturoem testas, em que históriantistaso científporquóen, encio npiotedclasarare9ogrlenconn>Figueir entanto, rôa

ea esencio npumber"> saranumber"ovniquehemeril.adete re30 molda, 8ográfsar="parermos ,Nvisceranumber">7en
PDF Assinalar esf="signaler31e confluências e de confluências e

AZEVEDO, F de. (1943). A cultura brasileira, IBGE, Rio de Janeiro.

CAMENIETZKI, C. Z. (1997). "O Museu do Colégio Romano e a organização do conhecimento na Companhia de Jesus (1651-1680)." Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, 6. Anais Soc. Bras. História da Ciência, Rio de Janeiro, p.95-98.

FIGUEIRÔA, S. F de M. (1997). A formação das ciências geológicas no Brasil: uma luta. história social e institucional. São Paulo: HUCITEC.

HAHN, R (1971). The anatomy: of a scientific institution: The Paris Academy of Sciences. 1666-1803. Berkeley, Univ. California Press.

HAMM, E. P. (1997). "Knowledge from underground: Leibniz mines the Enlightenment". Earth Sciences History, Tacoma: Washington, vol. 16, n.2, p.77-99.

JARDINE, N.; SPARY, E. (1996). 'The natures of cultural history". In: JARDINE, N.; SECORD, J. A.; SPARY, E. C. (eds.) Cultures of Natural History: Cambridge Univ. Press. p. 3-13.

KNORR-CETINA, K.; MULKAY, M. (eds.) (1983). Science Observed. London, Sage Focus Ed.

LATOUR, B. (1987). Science in Action. How to follow scientists and engineers through society, England. Open University Press.

LATOUB, B; WOOLGAR, S. (1987). A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 310.

LOPES, Mª M. (1997). O Brasil descobre a pesquisa científica; Os Museus e as Ciências Naturais no século XIX. São Paulo. HUCITEC.

OUTRAM, D. (1996). "New spaces in natural History". In: JARDINE, N.; SECORD, J. A.; SPABY, E. C. (eds.) Cultures of Natural History. Cambridge Univ. Press. p.249-265.

PESTRE, D. (1996). "Por uma nova história social e cultural das ciências: novas definições, novos objetos, novas abordagens". Cadernos IG/UNICAMP, Campinas: São Paulo, vo1.6, n. 1, jan-jun, p.3-56. (trad. para o português do original em francês publicado em Annales ESC, vo1.50, n. 3, maio-jun 1995).

PYENSON, L. (1988). "Macondo científico: instituciones científicas en América Latina a princípios del siglo XX”. In: SÁNCHEZ R., J. M. (coord.) La Junta para Ampliación de Estudios e lnvestigaciones Científicas 80 años después, Madrid: CSIC. p.229-49.

RUDWICK, M. (1996). "Minerals, strata and fossils”. In: JARDINE, N.; SECORD, J.

A.; SPARY, E. C. (eds.) Cultures of Natural History. Cambridge Univ. Press. p.266-286.

SALDAÑA, J. J. (1993). "Nuevas tcndencias en la historia de la ciencia en América Latina". Cuadernos Americanos, México, vol. 38, t.2, p.69-91.

SARTON, G. (1913). "L'histoire de la science". Isis. Nova Iorque: NY, vol. 1, n. l, p.11-15.

SECORD, J. (1986). "The Geological Survey of Great Britain as a research school, 1839-1855"'. History of Science, London: England, vol. 24, p.223-275.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Silvia F. de M. Figueirôa, « Instituições científicas e formas de institucionalização do saber », Terra Brasilis [Online], 2 | 2000, posto online no dia 08 Novembro 2012, consultado o 14 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/terrabrasilis/317 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.317

Topo da página

Autor

Silvia F. de M. Figueirôa

Departamento de Geociências Aplicadas ao Ensino do IG/UNICAMP.
figueiroa@ige.unicamp.br

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página