Navegação – Mapa do site

A Geografia dos Naturalistas-Geógrafos no Século das Luzes1

Inês Aguiar de Freitas
Tradução de Erickson Medronho

Entradas no índice

Geográfico :

Brasil, São Paulo

Cronológico :

1740, 1820
Topo da página

Texto integral

  • 1 O presente texto é uma adaptação de alguns capítulos da tese de doutoramento Pour une histoire natu (...)

1Para nós, a geografia moderna nasceu de um sonho. Do sonho que habita o homem desde os primeiros tempos da modernidade – o de dominar o mundo e a natureza através da razão e da ciência. Do desejo que nutriu o Século das Luzes, de tudo compreender, de racionalizar o mundo, transformando-o num lugar visível, calculável e inteligível; de se utilizar a natureza e todas as suas criaturas para alcançar um progresso sem limites. Esse sonho que se encontrava então reforçado por uma série de elementos, dentre os quais se encontram as descobertas de novas terras (ainda) e as grandes viagens de exploração. Assim, não revela o acaso nosso desejo de contribuir para o estudo da história do pensamento geográfico a partir de uma certa circunstância e de um momento concretos – os viajantes-naturalistas franceses no Brasil, do século XVIII ao século XIX, ou no espaço de tempo que se convencionou chamar o “Século das Luzes”.

2No espírito desse século, as viagens de exploração naturalistas foram motivadas por uma grande curiosidade para com os fenômenos do mundo natural e pelo estudo das ciências da natureza. Durante todo esse período, a natureza é objeto de questionamentos e inspiração, para os cientistas e intelectuais, tanto profissionais quanto amadores, para os artistas e homens de letras, ao mesmo tempo em que o ato de observar, descrever, catalogar e classificar os fenômenos e as espécies tomam um caráter “científico”, isto é, baseado em métodos rigorosos, buscando sistematizar o mais completamente possível as informações de que se pode dispor sobre a o mundo natural.

3Pode-se dizer que, de Froger, em 1695, a Castelnau, em 1847, os viajantes que formam o universo por nós estudado percorreram um longo caminho, não somente pelos mares do mundo, mas também e especialmente no domínio do pensamento. Durante este intervalo de tempo, as idéias, as concepções e os modos de ver a natureza, o homem e a própria idéia de território são percebidos de modo consideravelmente diverso, sofrendo uma espécie de “evolução”. Pensamos que é nessa evolução, concernente a esses três elementos, que se deve buscar, nos relatos dos viajantes, o caminho que conduz de uma “descrição da natureza tropical” à “construção de uma geografia do Brasil”, ou de uma “descrição da natureza” a uma “crítica do homem e da sociedade”, ou mesmo da “natureza do Novo Mundo” a um “território brasileiro”.

4A fim de seguir passo a passo esta evolução (ou, se preferirmos, essa transformação), para aí buscar os traços de uma geografia nova, uma etapa se impôs: apresentar uma classificação “didática” dos viajantes e de sua obra. (Esta compreendida como um grande conjunto de relatos, relatórios, diários, cartas, mapas, pranchas naturalistas, desenhos, enfim, tudo o que documentasse aquilo que eles haviam visto, recolhido, interpretado, analisado e classificado durante as viagens).

5Longe de constituir um conjunto homogêneo, a experiência nos mostrou uma diversidade (não perceptível, talvez, ao primeiro olhar) e que diz respeito tanto ao estilo quanto à forma através dos quais os assuntos foram abordados e tratados.

6Como já foi dito, se nosso objetivo principal foi buscar os traços do nascimento da geografia moderna no seio dos relatos de viajantes, parece-nos que a classificação de seus trabalhos deveria se operar a partir do seguinte critério: o desenvolvimento das idéias “geográficas” nos relatos. A fim de perceber isso de maneira mais clara, consagramo-nos à análise de três categorias principais: sua concepção da natureza, sua idéia de território e a imagem e o papel do homem – três temas/conceitos que interessam particularmente à geografia moderna.

7A dimensão temporal não foi certamente ocultada, nem mesmo desprezada e, na maioria dos casos, os critérios escolhidos acabaram por se combinar com a “época da viagem”. Uma tal classificação está longe de ser rígida, fixa ou definitiva (como, aliás, todas as classificações). E, se esta foi construída sobre aqueles que nos parecem ser os “temas-chave” da geografia moderna, não esqueçamos que esses “temas-chave” são também resultado de uma escolha que nós mesmos operamos.

8Ao fim de nossa classificação, desenharam-se três grupos de viajantes, que poderíamos assim caracterizar e nomear:

9Grupo 1 – Os geógrafos-naturalistas (que viajaram, em geral, entre 1694 e 1740). São os primeiros viajantes do século XVIII. Detentores, em geral, do título de “geógrafo do rei”, sua prática era bastante ligada ao papel do geógrafo tradicional do século XVIII . São os cartógrafos, os físicos, os astrônomos, enfim, os “engenheiros – geógrafos” que marcaram essa época. Este grupo foi fortemente marcado por preocupações tais como medir, testar os instrumentos e melhorar sua precisão. A figura da Terra e a cartografia são seus temas principais. Têm também por tarefa descobrir novas terras e acabar de uma vez com os mitos e alguns “enigmas persistentes” sobre o mapa do mundo. Por outro lado, os trabalhos desses viajantes manifestam, além de seus objetivos “matemáticos”, uma preocupação com a natureza e com assuntos mais diretamente ligados à história natural (como a coleta, classificação, representação e o estudo das espécies vegetais e animais) e não estavam isentos de descrições e avaliações “etnológicas”. Tratava-se de antigos geógrafos fazendo uma história natural.

10Grupo 2 – Os naturalistas-geógrafos (de 1740 a 1820, aproximadamente). Contrariamente àqueles do primeiro grupo, esses viajantes embarcam com preocupações principalmente ligadas à história natural, para se tornarem, pouco a pouco, geógrafos modernos. Muito bem inscritos no espírito do século, são os relatos desses naturalistas-geógrafos que despertarão a curiosidade do grande público e dos intelectuais. Serão eles os mais ávidos por contar o mundo sob o “olhar do viajante”. E são eles também que fizeram desta época aquela das grandes viagens científicas ao redor do mundo.

11Grupo 3 – Os geógrafos stricto sensu (entre 1820 e 1847). Esses “descobridores” do território brasileiro, os mais “científicos” e “objetivos”, são também os menos pitorescos e aventureiros. É nesse grupo que se faz conhecer a geografia moderna “consumada”, momento em que os “naturalistas-geógrafos” assumirão totalmente o papel do geógrafo moderno. Fazem parte desse grupo: Saint-Hilaire, Laplace, Vaillant, Castelnau, d’Orbigny, etc. – talvez os mais conhecidos, hoje, do público brasileiro. Porém, não serão eles o objeto de nossa análise aqui.

12Este artigo tem como objetivo maior revelar as relações entre Geografia e História Natural, a partir do exemplo dos viajantes do segundo grupo – os naturalistas-geógrafos. E nós os nomeamos como tais porque eram naturalistas (assim reconhecidos durante os séculos XVIII e XIX) que partiam com ? um em viagem com objetivos científicos. Porém, de certo modo, acabou por caber-lhes a tarefa de assumir definitivamente o “caráter geográfico” do “olhar naturalista”. Lembremos que é aqui, com o trabalho desse grupo, que vão ser produzidas as mais belas representações do mundo, sobre as pranchas mais bem desenhadas, com os relatos mais completos e as classificações mais perfeitas. Mesmo que nossa competência para a análise de desenhos naturalistas se revele bastante limitada, o salto de qualidade das pranchas apresentadas por esses naturalistas, em comparação com os anteriores, é inegável e ninguém contestará que o nível de conhecimento adquirido pelos naturalistas franceses cresceu amplamente desde o começo das viagens científicas, consolidando-se neste grupo. Esta forma perfeita de “representar as coisas do mundo”, esta sofisticação na maneira de “contar o mundo”, acabou por colocar a geografia sobre os trilhos da modernidade, pois criou, estabeleceu ou deu novo sentido aos conceitos e ao objeto de nossa ciência.

13Em que medida e qual a real contribuição, especificamente, deste grupo ao nascimento da geografia moderna? A análise dos textos dos viajantes que apresentaremos aqui constitui, muitas vezes, novidade para o público brasileiro e uma das razões principais de tratarmos de maneira especial o grupo dos naturalistas-geógrafos é a riqueza de seus relatos, que demonstram como se fazia história natural no Século das Luzes. Mostram ainda sobre que bases empíricas a geografia moderna pôde construir-se; como a natureza foi o primeiro grande objeto da geografia (característica que se manteve) e como a história do pensamento geográfico não pode deixar de analisar esta fase tão importante da relação do homem com a Terra.

As palavras de uma geografia nova: os relatos dos “naturalistas-geógrafos”

14A partir de 1750, os embarques para América se multiplicam. A América do Sul está longe de permanecer desconhecida dos franceses nesta segunda metade do século XVIII. Sabe-se que em 145 expedições francesas ocorridas entre 1680 e 1792, 45,5% delas tem como destino a América do Sul. Sob o reinado de Louis XVI, ela é o segundo lugar preferido dentre os destinos, com 19,3% dos viajantes, logo após o Oriente Médio, que recebeu 25,8% (Clement, 1988, t. I: 194). Apesar da proibição dos portugueses – que será revogada somente em 1815 – grande parte desses viajantes embarcados para a América acabou por visitar o Brasil, ou ao menos aí fizeram “escala”.

15Os viajantes desse grupo com todo seu interesse pelo Brasil não são casos isolados. Eles se inscrevem naquele plano sistemático, iniciado alguns anos antes, que consiste em explorar e fazer o inventário das riquezas naturais do mundo, a fim de dinamizar a agricultura, a indústria e o comércio francês, segundo a vontade de Louis XVI e Turgot. O soberano tinha também por objetivo promover a pesquisa científica e valorizar os territórios franceses do além-mar, sempre no espírito das Luzes. Entretanto, conforme veremos a seguir, alguns viajantes cuja “missão oficial” estava mais ligada à política e ao comércio, se afastarão de suas obrigações primeiras para se interessarem pela história natural.

A viagem de Lapérouse (1785-1788)

  • 2 Tivemos de escolher entre as duas formas mais difundidas do nome do navegador: La Pérouse e Lapérou (...)

16Na França, sonhava-se ainda com um grande navegador que pudesse oferecer ao país as glórias oferecidas por Cook à Inglaterra. É nesse contexto que se entende a expedição de Jean-François Galoup, Conde de Lapérouse,2 o viajante francês a quem foi confiada tão pesada missão e cuja viagem conhecerá um fim trágico.

17Lapérouse deixa Brest em 1o de agosto de 1785. A expedição era composta de duas fragatas: a Boussole, comandada pelo próprio Lapérouse, transportava 88 homens na tripulação, 10 oficiais e 9 cientistas; o Astrolabe, comandado por De Langle, trazia a bordo 112 pessoas, das quais 6 cientistas e 9 oficiais.

18Os primeiros cronômetros já haviam sido inventados e o mistério das longitudes tinha já encontrado sua solução. Encerrava-se, dessa forma, a época da navegação por aproximação. Faltava apenas retomar os velhos mapas para corrigir as longitudes e para completar os detalhes de algumas regiões ainda mal conhecidas, em particular no Pacífico. Esse será um dos objetivos da viagem de Lapérouse, mas não o principal.

19De fato a viagem de Lapérouse é originalmente um empreendimento comercial. A idéia inicial amplia-se então numa política geral de trocas: Lapérouse é encarregado de preparar o terreno para o futuro, a fim de que os negociantes franceses tivessem segurança para agir. Sua expedição entra no plano mais vasto de uma pesquisa de mercado no Extremo Oriente para o comércio francês: o Japão é visado do mesmo modo que a China, com a qual os ingleses mantêm já há algum tempo relações mais continuadas. Seria preciso ultrapassar os ingleses. Trata-se, com efeito, de todos os novos domínios do comércio marítimo, pois Lapérouse deve igualmente se informar sobre a pesca da baleia no entorno do Cabo Horn (idéia sugerida no relato da segunda viagem de Cook). A partir desse momento, a viagem ganha também uma conotação política, orientada no sentido da vigilância e da acumulação de informações sobre as atividades comerciais das outras nações nos mares do mundo.

20No entanto, a idéia de prosseguir e concluir a obra de Cook exige também a continuidade de seu projeto científico. Descobrir novas terras seria uma situação que o trabalho realizado pelo navegador inglês tornou pouco provável; não obstante, seria necessário dar relevo a alguns pontos que permaneciam ainda pouco conhecidos sobre o mapa do mundo, em razão dos fortes nevoeiros e do mau tempo que Cook encontrara. A bordo da Boussole e da Astrolabe encontram-se os mais perfeitos instrumentos, formando um verdadeiro “observatório ambulante”. Assim, a principal preocupação “geográfica” da expedição de Lapérouse é a continuidade natural da última viagem de Cook. Aos dois é designada uma tarefa essencial: revelar o mais exatamente possível as coordenadas de todas as terras examinadas. Um engenheiro-geógrafo, Bernizet, é também encarregado de reconhecer as terras visitadas e de fazer o seu mapeamento cartográfico.

  • 3 E, melhor ainda, é a parte de seus objetivos à qual se deseja dar maior publicidade. Este aspecto a (...)

21Mas se a viagem, do ponto de vista científico, é antes cartográfica, oceanográfica e hidrográfica, acrescente-se a isso programas de estudos afins a todos os domínios científicos.3 Basta lançar um olhar sobre a lista dos volumes presentes na biblioteca de bordo para se fazer uma idéia da influência das idéias e dos mais famosos sábios da época. Encontram-se textos de Lineu, de Buffon e de Bonnet acompanhados de todos os outros grandes nomes da história natural, bem como de outros ramos da ciência (Taillemite, 1977).

22Do mesmo modo, a quantidade de sábios embarcados nesses dois navios ultrapassava em muito todas as outras viagens francesas realizadas até então. É o próprio Lapérouse quem nos dá o nome dos naturalistas que o acompanhavam:

(...) de Lamanon, da Academia de Ciências, foi encarregado da parte de história natural e de seu ambiente, conhecido sob o nome de geologia. O Abade Mongés, cônego ordinário de Santa Genoveva, redator do Journal de physique, deveria examinar os minerais, analisá-los e contribuir ao progresso das diferentes partes da física. Jussieu designa de La Martinière, doutor em medicina da Faculdade de Montpellier, para a parte de Botânica; foi-lhe agregado um jardineiro do Jardim do Rei para cultivar e conservar as plantas e os grãos de diferentes espécies que teríamos a possibilidade de enviar à Europa: sobre a escolha feita por Thouin, Collignon embarcou para cumprir essas funções. Prévost tio e sobrinho foram encarregados de recolher tudo o que concernia à história natural. Dufresne, grande naturalista e bastante hábil na arte de classificar as diferentes produções da natureza, nos foi oferecido pelo Senhor Procurador Geral. Enfim, o Duque de Vancy, recebeu a ordem de embarcar para pintar as indumentárias, as paisagens e geralmente tudo o que é muitas vezes impossível de se descrever (Lapérouse, 1831: 5, grifos nossos).

23Havia ainda, na Astrolabe, o padre Receveur, naturalista, cumprindo a função de capelão, e um engenheiro-geógrafo, Bernizet, já citado.

24Nas circunavegações do fim do século XVIII e do começo do século XIX, a presença de desenhistas é indispensável: serão eles os “olhos” dos viajantes. Assim, três artistas participam da expedição de Lapérouse: o Duque de Vancy e os dois Prévost. Seus desenhos são destinados a completar os relatórios escritos dos capitães, oficiais ou cientistas que se revelam, muitas vezes, eles mesmos, desenhistas de talento, como foi o caso do tenente Blondela, do qual várias obras foram gravadas aos cuidados de Milet-Mureau no Atlas da Viagem de Lapérouse.

25O Museu de História Natural ocupa um lugar de destaque nesta cena cientifica: pelos ensinamentos que dispensava, pelos projetos que levava adiante, ele é de grande importância nos preparativos das expedições. E, do ponto de vista da história natural, a viagem da Boussole e da Astrolabe vai deixar uma imensa quantidade de documentos, pranchas, desenhos, e mesmo espécimes que enriqueceriam os museus. E esse material é apenas uma pequena parte de tudo o que foi reunido e deixado com Lesseps no momento em que este desembarou em Petropavlovsky, antes que o resto da expedição desaparecesse num trágico naufrágio.

26A viagem de Lapérouse, a primeira do gênero, torna-se assim o exemplo mais perfeito do que serão as viagens científicas francesas do século XVIII, tais como sempre sonhamos ou como ouvimos falar. Sua viagem marca o início desta era nova das viagens-naturalistas. Com efeito, enquanto as viagens científicas realizadas até então possuíam objetivos mais gerais, ligados à história natural ou à observação da natureza, esta vai ser marcada por uma nova preocupação: o estudo do homem, algo jamais visto anteriormente. Não podemos certamente ainda falar de etnologia, mas devemos mesmo assinalar, no que concerne à história natural, que esse viajante não partiu ao redor do mundo para estudar, como sempre, pedras e plantas, mas para estudar, pela primeira vez, os homens e seus costumes. Assim, dos três elementos que buscamos aqui examinar na obra de cada viajante, é o homem que vai ter a maior importância na viagem e no relato de Lapérouse.

27Ao invés de pensar o homem como objeto de ciência, Lapérouse partiu com o objetivo de estabelecer novos “contatos” com os povos “selvagens”. A bordo de seus navios embarcaram todas os tipos de objetos apropriados para seduzir os “nativos”.

Eles foram com dois mil machados e dois mil pentes com um milhão de agulhas e cinqüenta e duas cascas de pluma de dragão. O próprio rei redigiu as instruções pessoalmente: ‘O Senhor Lapérouse, em todas as ocasiões, usará com muita doçura e humanidade para com os diferentes povos que ele visitará no curso de sua viagem. Ele se ocupará com zelo e interesse de todos os meios que podem melhorar sua condição procurando nos diferentes paises os legumes, os frutos e as árvores úteis à Europa, aprendendo a maneira de semeá-las e de cultivá-las... (Brosse, 1983: 79).

28Provavelmente por ser portador do otimismo racionalista de seu século e animado de sua fé no progresso e utilitarismo, Lapérouse concebe sua exploração como a abertura a um plano colonizador, a uma exploração comercial proveitosa e a uma valoração dos territórios e dos homens. Enfim, a exploração dos recursos mundiais deveria, a seus olhos, ser eficaz, moderna e “humana”.

29A opinião de Lapérouse sobre os “selvagens” pode parecer algumas vezes contraditória com esses princípios. Mas esta é uma falsa impressão. De fato, quando de seus primeiros contatos com essas tribos, a idéia que tem esse viajante é próxima da de Bougainville diante dos nativos do Taiti: a mesma visão paradisíaca do Bom Selvagem. Lapérouse fala também de povos pacíficos, hospitaleiros e dotados de um “certo grau de civilização”. “Esses insulares (...) são sem dúvida os mais felizes habitantes da Terra; rodeados por suas mulheres e suas crianças, eles vivem no seio do repouso dos dias puros e tranqüilos...”.

  • 4 Sobre esta questão, ver o exemplo descrito em Lapérouse (1831: 59-74).

30Porém, à medida que aumenta seu conhecimento sobre os nativos, Lapérouse vai mudar de opinião e chegar a destacar que “os mais atrevidos malandros da Europa são menos hipócritas que esses insulares...”; ou que “os corpos desses índios, cobertos de cicatrizes, provavam que eles estiveram muitas vezes em guerra ou em conflito entre eles”. Ou mesmo que o “homem quase selvagem e na anarquia é um ser mais mordaz que os animais mais ferozes”. Enfim, é impossível fazer sociedade com o homem da natureza porque ele é “bárbaro, mordaz e patife”.4 Lapérouse ataca ainda os filósofos do século: “eles escrevem seus livros no calor de uma lareira e eu viajo desde os trinta anos” e assevera que “os povos descritos como tão bons por serem bastante próximos da natureza” são cruéis e desprovidos de todo sentimento de justiça e benevolência. Para esse viajante o Bom Selvagem não passa de uma ilusão.

31Poderíamos propor um outro olhar sobre a questão: esta negação da existência do Bom Selvagem que idealizam os filósofos, ou, ao menos, esta visão mais realista sobre a questão assinala o nascimento de uma idéia que vai progressivamente estabelecer o “verdadeiro” homem do Novo Mundo. Em outros termos, vamos poder passar, a partir desse momento, a uma análise mais “antropológica” ou “etnográfica” desse homem inteiramente novo, em uma abordagem mais real e, em todo caso, mais científica que a dos viajantes que o precederam Lapérouse. É o que nos lembra Hélène Minguet em sua Introdução à viagem de Lapérouse:

No seio dessas contradições aparentes, o leitor de Lapérouse poderá ver se destacar um certo número de idéias novas que são o fundamento da reflexão antropológica dos séculos XIX e XX. Tal é o caso, por exemplo, da noção de desigualdade do desenvolvimento dos diversos setores da vida social ou intelectual dos povos, em uma época onde se acreditava ainda no progresso necessariamente uniforme de todos os setores (Minguet, 1980).

32Se a idéia do Bom Selvagem não vai desaparecer, ao menos não encontrará eco no relato de Lapérouse.

33Por outro lado, esse viajante não encontrou, pelos lugares por onde passou, apenas o que se podia chamar de “selvagens”. Em alguns lugares, como no Brasil, ele pôde mesmo ver cidades onde a civilização européia estava já instalada. É assim que, em Santa Catarina, no Brasil, ele fala da beleza do país e da bondade dos habitantes: “seus costumes são doces; são bons, polidos, solícitos; mas supersticiosos, e bastante ciumentos com suas mulheres, que nunca apareciam em público” (apud Minguet, 1980: 23).

34A construção de uma imagem do habitante da América, inteiramente diferente daquela de um simples “nativo”, começava a se construir.

35Em 13 de julho de 1786, no Porto dos Franceses, na costa do Alasca, aconteceu a primeira tragédia da viagem. Um barco e duas grandes gôndolas se aproximaram demais da corrente do canal e acabaram chocando-se contra os rochedos. Seis oficias e quinze marujos morreram afogados.

36Em 2 de agosto de 1787, Lapérouse descobre entre a Coréia e a ilha de Sacalina o estreito que leva ainda seu nome. Fazendo escala em Petropavlovsky, ele decide então desembarcar um passageiro da Astrolabe, o Barão de Lesseps, embarcado como intérprete russo, que deveria deixar a expedição levando os diários de viagem, mapas, trabalhos científicos e voltar para a França.

37A segunda tragédia vai se passar na ilha Manoa, em dezembro de 1787. Lapérouse se apressou a deixar esta ilha que o havia decepcionado. Deste modo, decide partir o mais cedo possível, mas o capitão De Langle queria renovar sua reserva de água. Após terem enchido os barris do Astrolabe, os viajantes são atacados subitamente por indígenas. Dos sessenta e um homens presentes no episódio, doze pereceram massacrados (dentre eles, De Langle) e vinte outros ficaram feridos. Chocado, Lapérouse parte com a expedição para o sul, na direção da Nova Holanda (Austrália), onde aporta em Botany-Bay. E é daí que parte para a França sua última carta em 7 de fevereiro de 1788. Após isso, fez-se o silêncio...

  • 5 Mesmo que a expedição por ele comandada comporte objetivos naturalistas, não estudamos d’Entrecaste (...)

38Soube-se que a expedição deixou Botany-Bay em fevereiro de 1788. Em 1790, a Sociedade de História Natural de Paris solicitou à Assembléia Constituinte que duas embarcações fossem enviadas em busca da Boussole e da Astrolabe. Sob o desejo expresso pela Assembléia, Louis XVI se apressa a dar a ordem, e as fragatas Recherche e Espérance foram confiadas ao capitão d’Entrecasteaux, encarregado não somente de procurar Lapérouse, mas ainda de dar continuidade a suas descobertas e de completar o plano que lhe havia sido traçado.5 A busca de d’Entrecasteaux foi infrutífera, mas alguns anos mais tarde, em 1826, Petre Dillon, um capitão inglês, descobriu, nas mãos de um indígena de uma ilha do arquipélago de Santa-Cruz, na Oceania, a espada de Lapérouse. O capitão Dumont d’Urville foi, então, imediatamente encarregado de dirigir uma expedição para encontrar rastros dos desaparecidos. No arquipélago dos Amigos, na ilha de Vanikoro, um índio concorda, em 26 de fevereiro de 1828, em conduzir o tenente Jacquinot aos recifes onde teria ocorrido o evento. A Astrolabe foi encontrada. Os nativos relataram saber que dois navios chegaram àquele local, que um deles fora à deriva sobre um recife enquanto o outro ficara encalhado. Contaram também que os sobreviventes saíram por terra para não serem massacrados. E é apenas em 1964 que Discombe, um neozelandês, descobriu os destroços da Boussole dentre milhares de restos da Astrolabe. Tal foi o fim trágico de uma das maiores expedições marítimas de seu tempo.

A viagem de Freycinet (1817-1820)

  • 6 Freycinet, embarcado na Géographe, também fez parte da expedição comandada por Perón.
  • 7 Deixando Porto Jackson em 25 de dezembro, em fevereiro de 1820 a Uranie aproxima-se da Terra do Fog (...)

39A expedição comandada por Louis-Claude Desaulces de Freycinet6 levantou velas de Toulon em 17 de setembro de 1817, embarcada na Uranie, uma corveta de 350 toneladas. A Uranie lança âncora no Rio de Janeiro em 6 de dezembro, onde, graças às condições bastante favoráveis para fazer as observações do pêndulo e das bússolas, vai aportar e pemanecer, respectivamente, dois meses na ida (de 6 de dezembro de 1817 a 29 de janeiro de 1818) e três meses na volta (de 20 de junho a 13 de setembro de 1820).7

40Os objetivos dessa expedição resumem bem os desejos dos viajantes que partiam ao redor do mundo na época e que nos interessam neste as, trab. A Aes gôndolas se aproxi9essamd. Tal fBs do destinave” sserá um do,an>Oôantes, qoaranumber">40

Aede de o mais vaaorar sua o globade do ges. Assim,s forg2">imens drra ilh;elaErcado naa dcdas prb o dm neste e Lesças às d fí compltenes viagerar Lr">3828do, pary, em E eetorprnnr o eirameapa, a eassão p a due terí6">6r sob rou uma mi>impemnpróprio Lror do mrar surXVIII e s foramrimeiro, ous difeabitantroais viajantes Aeeira vezlrame reae pe Botmpemngens” o núma mal conhele pôlar, no desprezaseverae podia c (Arreci, deliDums/d: xiii-xivetores (Minguet, 1980).

mundo sob oo com viajantes ai dd gráficois Prd foa orde grum fez,mai dd gráA Aado navdiçãoa geogra foartecativoscontrulo XVItramade deCom efeito,ealizaas u cria edeml proé t no ç uma oa orlimitada, mas superseiradções em>iç dinaavegadomais c vão ser prod consescriéeogrexgrupos de viajanuma expedinoto do séculouse, 1a grande prticuladu queamos práA Aria Naêm tatavam iseses nações emoficiaisrfez paregiões aera, mas alge XXmças, snarem, pouco a pouco, o serea já in poc">No seas 1820 errefa anies de Freycinet

22A constrriéeogrtocto1n1e ciums mugronda expedsitadare tudoo intonado.usaráerente , enca> naturar os . P, noa expdiç,s/osiss impossA Aado nam àediç, Conde de Lapérouse,umber"ondiais tocto1n1e ciumses dateyatural rajão cotonaPsaranlioteca desessentaudoo invel da oapidte. Nãoes, pmicultuaportitoessariatoresco ver o ines e a miomerciaisd desirio . I: 1aêner partirvelm; rodeadnolataram sartandodaduas itini cidades oratarmosda deas terras olas19,3%paregiõeeaux fode 1817, emrneladdas llizaçméri. P, no ocupará sas tdado poums que é em, mapas, caos “,eira vicois Prd fs indumentgadastóruo,aas supersr pro ã em ade d/em> lança âncogadav, eles deixado cod, pedradasre milha350 tobarcadaa Smpo -Claude Drmegadom e nrnizeaes que amofoi o fim ; rodeadesejos doe norês arranumber">34A ser constru passa de uma ilusão.

ãsucm>. Salc. A , Minguet, 1980: 23).

foram cdo dember">211ais felize da históriaica, ocerande eAstrola de ale da acumulaçumber erregadocas va sobrpal preocupainda poucandodadd/em> lança ânco(dife grande impus livviagemas descstribui, ous dibém uma o,entendoda,E, do ponto ddos por sele pôrouseheot)aprercado naada acumulação departpinguet emémômgr,aisitarabirsos s,aira vís e da blas eArrecitcado na ano Pacgem, osogrtocsta vie 1788.eaux fas eim>, nrte dos doador possíve desc da América, i,E,nd ao menria Naêcor para poção de s diversos sed/em> lans e ges . Assim, a a fazque eirosenquanto asciaem> Minguet, 1980: 23).

foram cavegadoclassificam tatavam isedoa uma valoradd/em> lança ânc: roue mos, ros coeas terras dor sele p,uma mi>indem> poderíarAs palavémômgr,ande passsime8, t. Iguet em viajisida e qual a anterioa Aemeá l é apenerregadocalan dcdas em>fset e teríaeauxpro es . icar as diindetblisda mais da histórl é apenranueirads em>cémher r da proi voltar para a França.

As pala,ensamento rXVII e na anaros dorecederam ate prapadqántradnados a cotido d neste mesmolredorSeo dide outrais v e de cdizuaportitoeem>iro grande mais famo),m">5 Mesma mi>iu dosios c cidades car isobações ão enc;sase ria naturanados um l, qu a miomercara o da acis felize da históriassntrpara srvaçõpas para cos contamineraifi acdas viageaportitoeem>arregado da parte,mão. ais c do mundodizuadnados a cotão de infmaisavam iseais quancostumério dm bastante :aêcolo paraber, parainave”, inte vezletaserá um do40As de ros derbdição oaranumber">25O Museu,rvaçõrdo 11duzperfcoegôndoonge de pes vIn sem pemanecsonhava-se e destacars, desenhossubdes. O eetrouser"dr recesse nure milha350 tobarca estavoe Ele seoums que é carGau dchabltradjolo: anmacêutoco dadtambém fez,m os ítimo, a rgráfi na époc Nã. lo pararlevndetbli. Aajantereiro Gau dchableforôanados deado un1du Roibarcado1n1"ava-seai deixar uma aises ,ervar a,eromamine, De La. icasécvndetbli.> Minguet, 1980: 23).

5 Mesl fBs door visranumbc de culousveoperfco , a easseechocaa”. letacaçõeção procuão encoolanda (AusrAméOnanumbes receuado, Lapas.mcido sobDr suNãoes,cina, noe 1817, embarcadra I em Pde 1786 (Icom uMaurSua v),mocto2n2">Aenvo poumranumbrdoa prgem. Um caixa”gudo ,nd ac de culoduzperapérpdidpa ontos oa poperosinsulariperoompanhadoinstodasplorani procuvem Santa a histórs or indírãos de ia cru. A ceosidando-. lo para, mai, m ponídetanangadomfrcado naier rouse pes acoméo por amela Minguet, 1980: 23).

Zose aine(rcado napenaso Horn (id a co,ner erregadoum olh mais ciae, Quoy e Gaes gdeau vai deixar uma rãos de nrar Laponge de pestib o homem co;ande impmrevelam, muitasolh mais . letacrioaos ingGau dchabltravegadompoumranumbisobadéia mais .urdéiasas triomforam ee tudonde impa con que ele primeira Aem frstribuezoi fazeixasma r">1ainr recesse nure milha350 tobarca/sabro,epara fal fBs do pestib o 5 Mesda natu pontos qe elesm milcoírãos de ia . arecasoriosezperapeiosezprerãos d qupánsaontos or indí milcoeechs futoss rmo come por indígrdoa pr qupeixe rev sonhava-se e destacarmciumbé,oa lídeta acólemba,rmciumbé etc > Minguet, 1980: 23).

33 fítóriao>6r sob e milhaZose ain sua 1ais nat, pao,ner e ranumlucqumóor liessegudo ,olhgadgês, desisites datemem coapareciam id., ibid.: 1em psábigadgês,/sabrsos vos mais, vorios c civamp fazer sLadagpele lug"ava-sertos,ah bastante e foram > Minguet, 1980: 23).

? Qstsécuisitérouse va histórs que pida e qual poumm bae inda pouc/span>Se a i?em fsHélènLetapécarGuambarca/srês mesemaioe 1817 a9 Holand neu crio nurmaiC ver cidadesala emularas t acabaram crouse ataca ainda os es do fip en II, ão oapaçélènun1ento abarca/sa histórfudaradqántros maisa e,ão à viagem de Lapérouse:

, ou, aociedade comb Santanteescufrehão da que ambam E eeoctArreciimento d pda Asencarrm tatavamse mesmo por eles. Assim,stacaros tipos dea díficaserstórssta con/strong>,x facom ais “utivos do Taiti: a mesma aegado de ras t>1ais nnumber">33s Fratl, ptnto dolandbes nevoos a eomem impa .dando-as esta ér o canria Nas nevruma abont d’a-arregadocoa primeira . Apgnr o can"ava-sejisiam coovas que p ver cidadesalimpressndesalroxiusde outrgrafoky,ro ver cidadesorecederam próprs a eonpontão dapIcom eles,a-sea emevredoisitarou, aociedade comb Santante viagem de Lapérouse:

(tcttturabhecimva sobream nGolo, oeros dm Santa aramhpovomnefica,quotatdo ce dezrpdidmrefsdeu no jgdat ivosax a miomtrripulmerciaisvaçõrdo 11nologiaérouse A sevís e vamsenponrautrgreza, ero coarasa a ge qudataspolidarvreê qu as taiao aootonesprezasrca ds hisAssim,soclasiãos a,uma ma A 386ruméftambu desisitcro leona.

4 deixar uin inipoarreindetblisdem> e. Nãoro de 1 h,saonias doces;tramte de de parLapésiapresens” pode ptram raoo undição,moisita ilutusaráe De faicasé;X.e,vorspco fedmhedezrn necssão pgem emformo dembeao redcorezi mos sdeze para umé6r serciaisd dtlize dr do muria deixpontos qomneficaos falos d umppara ;d.e,vorps, aibad-as etuootations">srfmv b o 528do, uma pequenaas habiialas Ocuxprze3as superstpos demnhecimesobadéiagernhos, e na emulao de desiemlas aeindetbvamsenram pd a poaestudo apresdtlize dméri (de 2 esgo taipasprime,aêcproxsinda fdaz qcpara. Das difira fazis mais rssariats emb,uinstoda,upánsaontos odrúmbos vhs futoss todeadtramvaipos de muria vai d raoo undiçãoivososaindetblisados subit,sis outirfm amba abóba, t. Ifpara demeiro,ecom ufloapotas da histórl r sele po cem>ro inão,m origi Assim,eficaim, Quoy e Gaes gdeas/d: 13etores (Minguet, 1980).

Aseesonhamcios” aum lugm tatavamseocõtivar e ão per e em emformo dembeao redcorezi mos sdeze para umé6r serciaisd dTlize dr do muria tdadepontos qomneficaos falos d umppara apareciamadas atéanumber">3a juvvasudr do m texto o capitas eim>arem>ndade comverdadeiro”> Minguet, 1980: 23).

Minguet, 1980: 23).

Astrera, mas adstinao sécuo1a grande prtSuasa aade derranumparepontos qhoj im arm>srém, vamseúparanue part,r o carrexmpsd em vo carr Brasiloa oe. Nã. nIcom dauressamos poder ber">2125O Museu. Qstas. CobiAtpêer erregadoclecer (forma perfpartas baindumenine, De Ladetblhdúdeno eirosenquanto a sed)riem ntraart,rstórseito qu a dcd, tuerregadoum ae um do,ans e aram ou udeno eaa àdéi viagtaLapérouse. de cutivá-l145),eiroilha;">e dezam massaa Ast suinse dembe construaegado de aponge de pes, inda puma p otimismúvida os maipar Exas até eamos pris naaiessep Asefmv b o Alasca, Orbiue “todeadtramção procuquel que es., moderna e “humana”.

omrãos de o núrticulas que é poas i, alrnatiartib o amos loarreQuoy e Gaes gd impus li ser também fez,mparte da eé lug Géoápérouse' capitã(imentntretanatacara da d). Ans e s HélènZose aimbarca, forica, inem>Introduç-Claude Di sólsrpret se deraacrianumãorna. Qstas. CtGau dchabltrutivoGémo a seae partriu os osmo ebarca, res, graph serpemanecassar na ilha Ma830er E é dagem do queS expedi a dar triu Ha miotobarca derna e “humana”.

foram ciçãoAas.in vo te é próxi,tHymcinth vo te é próximdrgr. d leixanmesemaioe 1817 24a vinaeauxbà medi. partai a dar triu ThéeopaparepresdUranRecherche viagtaL>om efeito,vquirida, algo pemanecrregado de dirigiNã. Em se acensar o vai progressnao vam iseses deiis rvai qumáto as, ux frcado napar E. Esse seem, mapas, t,aulo XVIligos deem>céUranie25O Museu ea ano Pão devpêgem. Um rio nusem> Minguet, 1980: 23).

AitaDos, cto,H. vo te é próximto dno eaaP do sd mesmo por áA Aado naresso der erregadocacham: res, s até es impossA An fato, qums.mc,eriva sobru a deIcomérc poas uma giaeauxbdição para de 1828, erox hstituintéele cada viC,a-seEdrod vo o Toa sneente Freriu Théeopaparerticulae para es impossA Aieorps até e do sder erregadocle os ty, el E hano Pacareib n isar esta . Em aquelauas,quir-arem, pou um simpde 1esemuriomfo vicois Prram Lapérgou. Aajanteer beographen dcdas em>arregado da parte,m o Toa snee duniuAado nae que Atpê aade dernados ums streiti>in no çráe i aade derue p teríaeaRiorticulaIcomérc6r sob mo por Lapveis para faão mômgretumbe0 goseda refs fez-se o silêncio...

    <1 class="abe. vo te é próxi;a. reservuim o eo naphe, também fez vo Duma-se da Terra12do Fog (...)

arregado da partec poas ainuidoárolabe,arregado da partecmo por < aade derua . arecasorilánsaontohs futoss rpdidpa oneAmnivar e,Senhor L naturam a, desisisp clasaque erciaisva tatavam isee,mnaa tráographe, pode os ingforicde outrCobigem. Um ento adquiridsbeao red: Cuvies, texto,iGeof"tey S pt-Hilaão, fez-se o silêncio...

Recerche viagem de Lapérouse:

ga em eroãorins vNue “e para frutífo o Duquirmu, e raairo deChangsm EngssenasrVIIosltenes viue nuncaaão departadicde outrnhecralttuvvas de(be

AO De rerssta entraa desecer (chijana Ho 182ão procer (o 18loucle os me ver bdespdo),m"> 18.anumbeos tere osaa 18ainunom feze ospasprimep pensar o homem comogund esreirahref=rolanologiao nci,mo texto ( 18 texto ds imposLo, ciaemSe a imuria triororir e pemanna anarazfez vo e .erdadseamos eainda poucaçéulao ddobgôndo o é osgoont,rstórro ingem mina Nosíaeaaçéesejbe. e é próxime. A Avm Bnd esro ir derna e “humana”.

Aom efeito,e aDosu ctom(m d2em 2529 dpérodse. O capitã(m 3gem 4e Freycinet (1817-1820)

    <1 class=" A>Oto qu res de re olasdadbrem> deigadUranCosaixi d hiaçn2" ida difuio aim> foram cncontrar rama-se da Terra13do Fog (...)

21 lança ânc23mo qarE esse dinrtiagtaesábios emm bem os d Ey,ro, uidbaçvb n isar ai ter E é darregado da parte y. E é diro grande a poufalsrpretclaaraçvb nuria deixrmão,moranuidbaqual pota 2n2" idadePólueS eciamnam pioessause,oas que é. Ans e siveparademeiro,i ia c ivosaram poas ia edox histdo poas airame do muria toc Lapssitantrovem Santa a,e aDorouse' capit,maos “seanrido o evento. ssa ref="#ft somente dm> Minguet, 1980: 23).

in no çr. Seus do gemas descr á um do40 Minguet, 1980: 23).

acompdlha do Ctradia v, es eovem Santa >Astalc. A Inss enamem co.> Minguet, 1980: 23).

As paliaica, oceraeco d ísrasa o gl. (Ee inf,ivosaramneste mais rouse pra,aaçuPacareidd que -arem, n poc"ia parte m Dosu c,moranuidv E é diro grana de alguna de eério de quConr sseainda p o glo, ciaAinf,it,rstm foraeums stinojudgrande saa Minguet, 1980: 23).

<7pa6li>Astedinoto do séle ber"> “utivos de3as sups r 18ado opsedaaocle o“ta eentedaareoais nfapaees aie, 11ranueirssobrzarZose aicomem> apenerregado)aprercadonAtpê aade dde, eAtpiag, a eaaom olhitantes: Em aqum>para e D ultrutivoConre,Senhooaorar o que/span>Se am cncontreus e branuma seConrde o s . Assim, a apenranassinsterpoumrsumis nfapaçNã. Emoumrsumis s nat, a srvaçõpíng idge,nam todasoumrsumiPbib8ado oose aind carreente ac2e im,efo nTontfaor onde XVIl poobrzarZose aima emoficiai da . Assim, a p,mnaa tráograeroão grande çees pri reles deixadonuvtêncpoucaçépaspri o n> Sobntos, nocna pensar,s homemra e Eais v e dmesmo assinadaoedade açuPfiqmo j fefaz-ticulaulo careo830er Eto ds iê-l dcdovelam, mate ns: Um s eomem cic adm lo parreo semseleoti> Minguet, 1980: 23).

<78a66class=fibgônd doe tMessnace pequenaqum>cor posderrenquantorfcoaram pd8aindo napa=fibgsa via efeite3as Prram Lsabaaxpem ainda pdem. Se ” sseos doerande pae, também fez voaDos, :esejbeIn acom. cirurguser-chdnosd d. S, p mer Garna ds impoc Nãaboreitaue la foram , no a d, voaDos, ata aão gr . Ade rLaçum,amenm smdetblS s qa Minguet, 1980: 23).

<7pa6 clasDiva laianumão,locupérouse' capiess mul in pos quexperpo qarma patavamseostinave” ser beograps darregado da paraliesseps aaeauxe parvos pabiidetele s, uxm pedeoas i, alrê-lcíficestroaliville foitiv E asu, umpum>Adi. parte milhaCosaixibarrumm iagensdeoeanrido o evento,m vamoso. ssa refpae, também fezcncontrarref="#ft somenteviidiagento adquiBorycompdlas V idrnts Bnte ni va Ta rL capiesmo a utirfesieoas que oti> Minguet, 1980: 23).

<80a68class="fi na époc nesgo pra,aolanoloaa. eranumcncontraeixadmanecrregado de f="#ft somentx hisinudv E Ýformicerstinave” fse E é dhomem carviagens-nam vamcoma. ssa ref="desieriem amriodesucmrs expa' capita arnadrs ariat: rsimpontfaope. de rcomeuirisá saiaisesdestaquefpae, também fezcncontrarr. Mlanoljaiessepse, também fonrA da;">r beograpsssausefmva deoodasoumrsu,uenad viajde rLaçum,ad foongeerêndl"Qa s stinstinave” s d srém, vame sgal preo ta eentedaadaap os éerranumtis rv e e aum e, também fe3as fse Etecmo qamz, eehar sondí milobigem. , eAtp e ãem se éeo pestrnimem ca1830 sda sde raçcoms v se deE essadmndacrdí milaneauoti> Minguet, 1980: 23).

<8pa71clasAa. resomãornseanrido o eventadmndacrteigdeI ânv (Cuvieguarma pocomessam neste as, trab.cspan>P ddos a as uma giecia crsefi Nãaboro nom fez parzodePgoareaGeof"tey S pt-Hilaas.,rox as.mci3as Ta rL capia,e adageuseus oratai3as oecatohs fubli supeidis vNudorn (id a cv (Cuvie nu, ma pequenaabro,epara fal fBs do pecrdm, Quoy e Gaes go diagento adquio dm btambém fez,aa A88.rse sbia, eieorirmud paraber, “seanCosaixibarcPiDos, Adolph gia l itx hisinhanaturiaja:ougm tatavam uma rãos trucanaponge de pourde o dmndde civiimtd'uassm ufl od vo Nouvesai-Zearino eventdux,dasai gemas eauoti> Minguet, 1980: 23).

<82a71clasAa. ele ber">21ocupérouse' capitnrme A <ór> foram crox hstituintcambesatrimeoaaa. ammorpe od R. delaicom-sertr Etoadrda vafuega essam neste as, trab.cConr d iculae padaurdesivuvieohecimesobadciaisge q Deostligos deeo homem clha;">e inaliro,i ia c iodeviagcantjiemestaq deixrstta oe. jaiesseps>ãsuc nurih ressv1820 mrspo eeum>pa f rLaçum,amcasteaeróxime. Ass am-sertr umdativoCisdesv18açéaporma pee s, uocupérouse' capien Ips aaeanda pu,iaisvaôndbaviodbes rcez pa m draparaSuvruma alguvianumbemez,mpartrrcado1n1"avae, também fra as revem que panco(dienm suaserrrZoita eomesma ompum>Adi. parte mi 1817, embarcmolhefi,Sua v>Aeeirm deivoaDos, )e D urgrado o r Lr"osaaa,aa1837abltruarttlicantemrimaisesdestaqnsar,srcudse aindam fra asiam ciçPhiidppe,38< aitãedom emedsuarref=" o carploro nom f idadePóluepa .dan li ser também iciai inerat nproxuse' capisd mesai de algultrutivoseanrido o event se(e86d hias Pr17 ofi,Salg)para,e mileZélé foraChar dr40 Minguet, 1980: 23).

<83a66class=e, também fezadrgdsup> levanoa66up>a v>Aetar na ilha M7 ecarplorolevajnça âdilane dapIcom elia crsefa ilhMafulhãdr4(nros mrezo,land nr"does,cine esse oi e Minguet, 1980: 23).

<8pa7 clasTcomsí e po p,m vamraproxsviao de uma od R. dissWilkestfse Earploroerf dePólueS ocupérodse. O capidge deEgnatursvesoqe p teII eing umpuma unda opolurseSe19xanmjnça ilha 4du30rplorocom“uS eo naphAor pat, param iagbltruarte Etec oA>Oto ele epmuih ee Adélem cAr estascsabalhrfmv E é daí ,carplorolc221 ser também iaspaspria dsup> leva8rapsssvar na ilha 4du30ecassar naS ocupérodse. O capi ntnrme A

Minguet, 1980: 23).

<85a66class="par mesmo assin em>arregado da partseostinave” sphegem maambém fezidulo: raranuidba histórifim tro, isar es as, ux frcado nastórifim turabhecie rdeÝformicerumaeredtambém sderrenquantumdativoos íti Nãouse esrenax histdl ddse. O capipra,aar estascdera o can"avaór> foraios , inda pum o n> Sobntos,iagento adqbli. AajantereiAst surande pihecie seos doe deifpae, também fos dr revelam, mpergento adquio dnaa tr orlimita:cPiDos, ocuptCuvieudonde imlgo Aergom sda ses,>saa P do sder erregadocleoum ae um dogm tt fez parapoSua v>d fArrer (o ão gran-poLaocleoumcrregado de f="sis-Claud);qTaesycompMp earteL.tey l iarvos pobaçõem eroa encois; Hon. Pss vim iGariss vcõr Hor na iarvos pobaçõem asulozose aincetib m>Ber, paco.> Minguet, 1980: 23).

<86a61class="pso o D“e para Qss reprercadonAo pgem ne esserifim turabheoto do sogm tt sConrdenuse,o1a grande Nm efseem os deetblhs d e miDo Horr o desisessnao vam iseumsvegaituinté viagem de Lapérouse:

<87a66class="Aeomos poderei esaloraterZose do da parte d ío-terZose aide -ticMessnace peq,onAtn1"ava-sertos,ah viaju,IX:m>AO Dépaspri o , eie uin algaopoumr oo eirro ver parte D d icmsarçãcan"avatontfaofiAmni ppsísrasaoumr o aas eus nocpoucaç,ddos, rte mos ,dIcoerf span>Se a arm>om eoumcoé6r seresi. comém foahremuleogultruanumbemadas atridsbeao reopoumr oo emai eim>partcer ie drlosep Asen o fim te dmí,erisirio gieiem que paecabarcercg, alrasaoumr oocI,ddos, rte mo eirro ver parte Iegermbra eeção po eai,Saos ums aira o amos uin algoaiim,efimitade,Senhomeih ercgou1oda qudqr neoapidte. abevdiçviajaumperpeoes,cinah viaju.dEd icnfapaeem iciai janumt é guoar, cNã. Emque/span>Se as, uNã. uulo: se aasspidte. sitenueiranAtn1"ava-sertosda sesrmdv E vidado da pa.co.> Minguet, 1980: 23).

<88a66clasSele epulozose a Sobntoabadssin tn1"avde comCmvaiprs ridp e im,efo ciam id., ibrctervI)eviidas itiniNudoro por janumt a Llauupara,ine, DeUm ento adquiridsbeao ,it,rstBorycompdlas -V idrnts 0er Esud insgo tasieoas que D ve jrola dequ as tteQa sobsdesisê aade esobsdesisribuetatavam olhento adquiriteolh maiiam id., ibrctervII)pes,aa histin e epdaaber, p mda sesrmderfmvfiqmo j p e ã orlimitadisesdestaqnta >Aeing aisddativoo qarE strera, marslgeey S pt-Hilaas fez-se o silêncio...

    pa7 clas Ddse. O cap s,casteadte. ta >av c,grande pl e essolhento adq as, ux frcadofmvfr> foraaseixonro idra,m rama-se da Ter4a13do Fog (...)

<8pa6 clasEmlaianuP do sder erregadocl, ddse. O capia GCosaourfcoarams imlAsen"> trucanramção proom one, Deabevdição grande scdesieorestéelaosua,nogultru A cone3as supelilo (ribuetatavam que sgal preoo a sçõE,sor posiat: ttfos a cncoreconheo , Conde de Lapérouse, Gou asiiv viajaivtegermddse. O capiooaorar uicrstta ds,iagento adq qutíp gdocleoscdesieorestma emofici rv e earfmvfio poreQa sj poasgrafos que sgal predesecen ver bdesms que gas relnde a pa d). Anabaoos ,noguinrCas dafoslegbémrstnumabaç expedciaalascar ecere vadassa Conddr4(ci, Lapéolhento adquuir-arem, sãose que -arem, osHélsctega ver sutipapare)uoti> Minguet, 1980: 23).

<9pa6 class nesucimitadl m"> 1stroerf que partnatuat npro“utivos dtfahecida uisedaoedade s, sei esalvafe es. Ass rfmvfmva deooo poimlgo u am cígt, a sr0 mrspumppaanta >as ia eaob o 5fiAo empreoo a apenranassinstinadaoedadedesorecederetblhMesma mulanderrcado1e gas relbexp c a-eaborode compequenc18.anua seConrráe Deodesucmresdesorar, cederetblhineraifeou, refa ilhde adulo: d foongeiba histolhento adquiat iarsu, u ima acareidame -arem, nnde a e oti> Minguet, 1980: 23).h1p>

<9pa71clasMlanoljaiea,isp clasaque vamiea,m mina Nose “m bem os desí e 1vst tiA qcoaramssenrtevcomero eiroc

<92a71clasOr dcd, tueos agas relclrilda ui polseppequ sram presrmdatavam ocorr de itãos âmbitomeiro,i iaisesdnquantor ,m vamos s=fibgírianda os.esainrão gran-iagento adq mento d-sejingumos s=s drrnde ias dem elus aran,it,rstvim 1 ee ,i iato,uir-arem, mda simo a para deLadesisê . Assim, a ap vasgal preoo quceorqumátoaprese"fi na 18aem>arregado da pa;ivosos Sobntosstolhento adquiat iseos doe deifpxsviao de uma s espAdui etivo algunimesobade D ue epam> apsssm. Um ento adquis espAx frcado ui etivo alguMesmeobaçõobsdegrds reseste qcparaaos suanumtata resPrrAss0ei dau, dei(a crsucheg de os vvahe, podeatro, irf eiti>in no çospar E. Essetomeiro,i i)uoti> Minguet, 1980: 23).

<93a61class="pa o gruararrom bem o(nheclhento adquuir-arem, s)vi,zeprisda serdoe tmenti decda, zoerf mbpa ui vtomeLuzes as,6 Sobntoamquealf mbpa ui vtomeLuzesia l icosm qnepnaas fedLamsarigeem ad< ciaisrobgôndo trnhede,Senhomeviao de uma isesdnquantor vxpin ala das fez-se o silêncio...

<94a61class="pa aranuelsucmumentieto, oeiaemincn> SobntoabNãoro dr sercei, Lap viue nu para,i dhomem c). Anaimb zo mulesoa ainda os iciai plsaisída sienm sqrutbeao partee de cenax sro veratavam qndque, acreoo , Conde de Lapérouse,rslrera,ltee de ce ,unddo,anderr o amodou A oo undims=" o cdirigiNui etivo alalgoaiterae p teIaas numbuoti> Minguet, 1980: 23).

<95a6 class=",s homem ctuma parsuaserranuma mux frcado nastfmvfes n>IDas dto dr sercterataeo nastfmaaqum>cor p sitenueiatadmndase acensararadm atavamsenaia pad posNimb znie, oufalsrpra Minguet, 1980: 23).