Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosIResenhasMARK, Peter & HORTA, José da Silv...

Resenhas

MARK, Peter & HORTA, José da Silva. 2011. The Forgotten Diaspora: Jewish Communities in West Africa and the Making of the Atlantic World

Cambridge: Cambridge University Press
Wilson Trajano Filho
p. 267-272
Referência(s):

MARK, Peter & HORTA, José da Silva. 2011. The Forgotten Diaspora: Jewish Communities in West Africa and the Making of the Atlantic World. Cambridge: Cambridge University Press.

Texto integral

1Ao examinar a diáspora dos judeus sefarditas na Senegâmbia do século XVII, o livro de Peter Mark e José da Silva Horta traz uma valiosa contribuição não somente para a diáspora sefardita pelo mundo, mas também para a história da formação do mundo atlântico e para o entendimento do processo de crioulização que deu origem às sociedades crioulas atualmente existentes na costa ocidental da África (em Cabo Verde, Guiné-Bissau e, em menor extensão, em Serra Leoa).

2A obra trata especificamente das comunidades de judeus portugueses (sefarditas) na Petite Côte senegalesa (Porto d’Ale ou Portudale e Joal) e suas ligações com a comunidade sefardita de Amsterdam. Neste sentido, baseados em uma nova documentação oriunda dos arquivos holandeses, Mark e Horta apresentam dados fascinantes sobre a conversão de africanos e euro-africanos (negros e mulatos) ao judaísmo em Amsterdam, especialmente, depois que as comunidades sefarditas da Senegâmbia entraram em declínio e seus fundadores retornaram para a Europa em meados do século XVII. Além disso, os autores também fazem uma interessante discussão sobre a dinâmica da construção da identidade judia no norte da Europa no período. Segundo eles, a experiência dos judeus sefarditas saídos da Península Ibérica para a Senegâmbia oferecia dois modelos de construção das identidades: um deles rígido, edificado sobre o conceito ibérico de “pureza de sangue”, que alocava os indivíduos em categorias identitárias fixas, baseadas em critérios como o sangue; e o outro, o modelo africano ocidental, marcado pela flexibilidade da identidade, baseada em fatores sociais e culturais como língua, religião, vestimenta etc. (ver mais adiante). Paradoxalmente, quando os sefarditas (e alguns de seus descendentes africanos) retornaram para Amsterdam e Hamburgo, se apropriaram do modelo ibérico de identidade, o mesmo que servira de base para a inquisição que os expulsara de Portugal e Espanha, e passaram a usar o conceito de pureza de sangue para afirmar o orgulho que tinham de sua herança judia e seu status de povo escolhido (: 80).

3Nas palavras dos próprios autores, o livro pretende desafiar algumas ideias consolidadas na historiografia dos mercadores europeus na costa da Guiné e da criação do mundo atlântico. Entre outras revisões, o livro reavalia o papel dominante, presente nas narrativas do império português, dos mercadores cristãos e dos padres católicos na expansão europeia, reivindicando igual centralidade para os comerciantes judeus e cristãos-novos (da Senegâmbia e de Amsterdam). Questiona também, a ênfase dada ao cristianismo no aparecimento de formas religiosas sincréticas na costa africana.Também problematiza a ideia de que a história do mundo atlântico, especialmente em sua fase inicial, seja somente a história do tráfico de escravos. Outros itens de comércio como marfim, peles e armas brancas também eram negociadas na Petite Côte e essas duas comunidades de comerciantes judeus tinham um papel de destaque neste circuito de trocas. Por fim, os autores propõem que a cultura e a sociedade crioulas que emergiram do contato interssocietal entre europeus e africanos e que se espalhou para o Novo Mundo não é somente o produto de fluxos em duas vias (a africano e a cristã). Para eles, a cultura crioula luso-africana resultou da conjunção das sociedades da Senegâmbia com a cultura dos judeus e cristãos-novos portugueses.

4O livro de Mark e Horta, no entanto, vai além da história da ligação entre as comunidades da Petite Côte com o mundo judeu do norte da Europa.Também discute de modo fascinante a relação dessas comunidades com as autoridades portuguesas em Cabo Verde e Cacheu (na atual Guiné-Bissau) e com os cristãos-novos portugueses ali instalados. Forçados a deixar Portugal devido à opressão da Inquisição, os sefarditas não se dirigiram somente para a África Ocidental e para Amsterdam; também foram para o Marrocos e para o nordeste brasileiro. Esta diáspora criou um conjunto de comunidades interconectadas que ligava a Europa do norte com a Europa ibérica, o norte da África (Marrocos), a Senegâmbia (incluindo as ilhas atlânticas) e o Brasil. Daí, concluem Mark e Horta, a importância das atividades judaico-africanas para a criação do mundo atlântico. Considerando não apenas a demografia das duas comunidades (tema de uma seção do capítulo 1), que dificilmente ultrapassava a casa de uma centena de pessoas, mas também a centralidade do tráfico de escravos na constituição das sociedades do Novo Mundo, a ênfase dada pelos autores ao papel dessas comunidades judaico-africanas na constituição do mundo atlântico deve ser, no mínimo, matizada.

5Sabemos que os leitores são seres interessados ou, como dizem Mark e Horta a respeito das perspectivas diametralmente opostas do mercador (luso?)-português Lemos Coelho e do viajante francês Jacques le Marie acerca da permanência ou não de uma identidade judia na região da Petite Côte na segunda metade do século XVII, “as pessoas veem o que querem ver.” Com esta resenha não poderia ser diferente. Minha leitura do livro de Peter Mark e José Horta tem o viés dos meus interesses como pesquisador dos processos de formação e reprodução das sociedades e culturas crioulas na alta costa da Guiné ou, como chamam os autores, da grande Senegâmbia.

6É certo que esta leitura interessada pode minimizar injustificadamente a contribuição do livro para uma série de temas como a diáspora sefardita em si mesma (e o envolvimento ou não de seus membros na Senegâmbia no tráfico atlântico de escravos), a formação do mundo atlântico, e a globalização na idade moderna (as redes interssocietárias de comércio em escala mundial). Minimiza também a contribuição do trabalho para uma questão cara aos historiadores da arte: como os artefatos da cultura material, no caso peças de marfim feitas pelas populações da Senegâmbia (tema discutido no capítulo 5), oferecem aos pesquisadores insights para a compreensão de eventos históricos? Todos estes temas são ricamente abordados no livro, com uma impressionante riqueza de evidências documentais e com espírito livre e criativo que levanta polêmicas e propõe, aqui e ali, a revisão de visões relativamente consolidadas que “dará muito o que falar”, espero eu, num futuro próximo.

7Minha leitura interessada volta-se, no entanto, para as contribuições dos capítulos 2, 3 e 6 do livro, nos quais os autores tratam das interações dos sefarditas em Joal e Porto d’Ale com as populações locais, em especial, com a elite governante Wolof e Serer e com seus competidores “portugueses” de Cacheu e das ilhas de Cabo Verde. Neles são examinadas as linhas gerais do processo de estabelecimento destes mercadores na costa da Senegâmbia, as formas de reprodução social do grupo, incluindo a incorporacão de aderentes e dependentes, os desdobramentos desta inserção no comércio interssocietário que levaram estes mercadores, sujeitos de três mundos, a se retirarem para os Países Baixos cerca de 30 anos depois de se estabelecerem nestes portos de troca enquanto praticantes explícitos da religião judaica.

8Nestes capítulos, os autores dão prosseguimento a seus trabalhos anteriores sobre as identidades sociais dos vários grupos que interagiam no contexto das redes de troca interssocietárias, em especial, a categoria indentitária “português” que congregava os portugueses metropolitanos (cristãos e cristãos-novos) que se lançavam a comerciar na costa, os cabo-verdianos e os luso-africanos produtos de intercasamentos diversos (Horta, 2000 e Mark, 2002). Se, de início, este pequeno grupo de sefarditas que assumiam publicamente as práticas religiosas judaicas eram encompassados pela categoria “português”, mais tarde, começaram a marcar suas diferenças com seus competidores diretos no comércio. De qualquer modo, os autores mostram que essas identidades sociais eram caracterizadas por extrema fluidez e porosidade, tendo uma natureza fortemente situacional e múltipla. A depender do contexto de interação, os agentes sociais selecionavam de seu kit identitário aquela que lhes parecia mais gramatical.

9Naquele momento da vida social na grande Senegâmbia, os marcadores identitários eram basicamente as línguas faladas, os elementos da cultura material (por exemplo, a arquitetura, as vestimentas e as armas usadas); as práticas religiosas (prefiro este termo à religião, pois nos remete mais à prática do que ao dogma ou aos textos oficiais que o regulam); e a profissão, que, em conjunto, definiam o status social da pessoa. Os autores desenvolvem ainda mais o argumento que elaboraram anteriormente de que marcadores como a aparência física e a cor da pele não eram muito gramaticais naquele contexto histórico e geográfico para definição dos sentimentos de pertencimento e para a categorização por outros. Mesmo quando a categoria de identificação era um item lexical que entendemos como designando a cor dos objetos, como a palavra “branco”, a referência neste caso não se referia ao grau de pigmentação da pele, mas ao status social da pessoa. Interessante ainda é notar que este modelo de identidades fluidas, abertas à incorporação dos outros foi apropriado pelos sefarditas da Petite Côte e levados para Amsterdam quando retornaram por volta de 1630 e, por algum tempo, ali vigorou entre eles.

10Os autores notam que este padrão de identidade situacional e fluida não foi uma criação destes recém-chegados europeus na Senegâmbia. Era o padrão que ali vigorava muito antes da presença europeia e tem a ver com os longos processos autóctones de interação interssocietária relacionados ao desenvolvimento de redes de troca de longa distância e à expansão mande para a costa. Trata-se de um processo histórico de grandes repercussões estruturais, cujos traços distintivos já foram apontados por um dos nossos ancestrais, Warren d’Azevedo (1962), e que tem como ancoradouro um valor moral sobre como lidar com os outros. Este anconradouro tomou a forma de um padrão de reciprocidade conhecido como landlord-stranger. Eu tenho chamado este processo associado à expansão mande de crioulização primária, sobre a qual vai se erigir uma crioulização secundária, com a presença dos luso-africanos que com o tempo se congregaram em povoações crioulas na costa e nos rios da Guiné (Trajano Filho, 2005).

11Porém, parece que os autores não perceberam ou não destacaram, com a devida ênfase, que essa forma fluida de identidade situacional não era totalmente estranha aos portugueses (pace o conceito de limpeza de sangue), cristãos e cristãos-novos. A sintaxe cultural da Península Ibérica, bem como a experiência histórica de seus habitantes, alocava grande centralidade à lógica do pertencimento pela qual grupos sociais eram incorporados a unidades sociais maiores, mantendo suas indentificações anteriores ao mesmo tempo que assumiam a nova identidade encompassadora. Parece-me que foi por esta razão que os portugueses facilmente se adaptaram ao padrão africano de identidade fluida quando se estabeleceram como strangers em meio aos seus landlords africanos. É como se, estruturalmente, não houvesse uma diferença significativa entre a sintaxe cultural do mundo português e a das sociedades da grande Senegâmbia. Mark e Horta não tratam explicitamente desta equivalência estrutural, mas oferecem uma pista quando mostram que a relação dos “portugueses” e dos sefarditas com os governantes africanos era fortemente marcada pela dependência dos primeiros com relação aos últimos. Rapidamente tomo a liberdade para sugerir que esta equivalência estrutural entre as sintaxes culturais tem a ver tanto com a importância da ideia-valor do pertencimento como definidor das pessoas e com as formas patrimonialistas do exercício da autoridade (cf.Trajano Filho, 2010 e Muphy, 2010).

12Esta é uma obra que revela com perspicácia a existência de um modelo da grande Senegâmbia para construir as identidades sociais. Este modelo, marcado pela interpenetração, sincretização e crioulização das práticas religiosas e sociais, teve grande importância para a constituição e reprodução das sociedades crioulas na costa ocidental africana. Isto por si explica o interesse do antropólogo num livro escrito por historiadores sobre o século XVII. Como diz Martin Klein na contra-capa do volume, trata-se de um fantástico trabalho de dois detetives que seguem as pistas, isto é, os movimentos e as motivações de “indivíduos com nomes e redes familiares” em cenários imensos e espacialmente descontínuos que, ao fim e ao cabo, abrangem quatro continentes. E o fazem num texto denso e rico que captura a atenção dos leitores.

Topo da página

Bibliografia

D’AZEVEDO,W. 1962. “Some historical problems in the delineation of a CentralWest Atlantic region”. Annals of the NewYork Academy of Sciences 96 (2): 512-518.

HORTA, J. S. 2000. “Evidence for a Luso-African identity in ‘Portuguese’ accounts on ‘Guinea of Cape Verde”. History in Africa 27: 99-130.

MARK, P. 2002. Portuguese Style and Luso-African Identity: precolonial Senegambia, sixteenth-nineteenth centuries. Bloomington: Indiana University Press.

MURPHY,W. 2010. “Patrimonial logic of centrifugal forces in the political history of the Upper Guinea Coast”. In: J. Knorr and W. Trajano Filho (eds.), The Powerful presence of the Past. Leiden: Brill Publishers.

TRAJANO FILHO,W. 2005. “A crioulização na Guiné-Bissau: um caso singular”. Estudos Afro-Asiáticos 27: 52-102.

____. 2010. “The creole idea of nation and its predicaments: the case of Guinea-Bissau”. In: J. Knorr andW.Trajano Filho (eds.), The Powerful presence of the Past. Leiden: Brill Publishers.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Wilson Trajano Filho, « MARK, Peter & HORTA, José da Silva. 2011. The Forgotten Diaspora: Jewish Communities in West Africa and the Making of the Atlantic World »Anuário Antropológico, I | 2011, 267-272.

Referência eletrónica

Wilson Trajano Filho, « MARK, Peter & HORTA, José da Silva. 2011. The Forgotten Diaspora: Jewish Communities in West Africa and the Making of the Atlantic World »Anuário Antropológico [Online], I | 2011, posto online no dia 18 novembro 2015, consultado o 22 outubro 2020. URL: http://journals.openedition.org/aa/1074; DOI: https://doi.org/10.4000/aa.1074

Topo da página

Autor

Wilson Trajano Filho

Universidade de Brasília

Artigos do mesmo autor

Topo da página
  • Logo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)
  • Logo Universidade de Brasilia
  • Logo Periódicos CAPES
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Dialnet
  • Logo European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences (ERIH PLUS)
  • Logo Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • Logo Anthropological Index Online
  • Logo Sumários de Revistas Brasileiras
  • Logo ClassifICS
  • Logo Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico
  • Logo Matriz de Información para el Análisis de Revistas
  • Logo Clasificación Integrada de Revistas Científicas
  • Logo Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras
  • Logo Electronic Journals Library (EZB). Max-Planck-Institute Stuttgart
  • Logo Livre. Revistas de livre acesso
  • Logo Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Logo Bielefeld Academic Search Engine
  • Logo Citefactor
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search