Navegação – Mapa do site
Resenhas

GONÇALVES, José Reginaldo; BITAR, Nina Pinheiro & GUIMARÃES, Roberta Sampaio. 2013. A alma das coisas: patrimônios, materialidade e ressonância

Patrícia Martins
p. 343-348
Referência(s):

GONÇALVES, José Reginaldo; BITAR, Nina Pinheiro & GUIMARÃES, Roberta Sampaio. 2013. A alma das coisas: patrimônios, materialidade e ressonância. Rio de Janeiro: Mauad: FAPERJ. 296 pp.

Texto integral

1A experiência etnográfica apresenta ao antropólogo uma diferença irredutível e conceitual: a de que os nativos lançam mão de conceitos ou concepções muito distintos daqueles que o próprio antropólogo leva para o campo. Se isso deve ser levado a sério, o único modo é descartar a diferença entre conceitos e coisas. Essa é uma das propostas centrais da coletânea A alma das coisas. Trata-se de uma volta às coisas, não mais como apelo ao mundo vivido da fenomenologia, mas à ideia de que a experiência das coisas é, ela mesma, conceitual, expressando regimes específicos na relação sujeitos x objetos.

2Para os dez autores dessa coletânea, isso significa um retorno à materialidade, revestido de renovados paradigmas teórico-metodológicos observados nos estudos antropológicos, sobretudo nos últimos dez anos (Miller, 2005; Henare, Holbraad & Wastell, 2007; Ingold, 2011; Latour, 2012). Logo na apresentação, os organizadores da obra anunciam o que entendem por “materialidade”: “[...] quando aqui a utilizamos, não pretendemos designar um dado natural ou um atributo intrínseco aos objetos e lugares descritos e analisados. Trata-se de uma categoria e, portanto, compreensível na medida em que se possam entender os diversos contextos socioculturais em que é usada e de que forma específica” (:9).

3Trazendo as marcas de um debate e uma produção acadêmica realizados no âmbito do Núcleo de Antropologia dos Objetos (Nuclao), da Universidade Federal do Rio de Janeiro), a quase totalidade dos capítulos reunidos neste livro resulta de teses e dissertações orientadas pelo professor José Reginaldo Santos Gonçalves. Neles, revela-se uma revisão conceitual e semântica em torno da categoria de “patrimônio”, sobretudo no que tange à recente polarização entre o material e o imaterial da cultura. Para além de lançar luz em questões concernentes à materialidade da vida social, os capítulos atualizam e deslocam as discussões a respeito de “teorias” apropriadas aos materiais etnográficos, lembrando-nos que algumas dessas classificações só fazem sentido quando confrontadas com a realidade empírica vivenciada no campo de pesquisa.

4Nesse sentido, a “alma das coisas”, na contramão do que vem sido empreendido pelas políticas culturais de patrimonialização em nosso país, visa trazer para este debate indagações sobre a natureza mesma dessas distinções, perguntando-se: “afinal, como separar a materialidade e a imaterialidade de uma edificação, de uma prática culinária ou de determinadas festas populares? Essa separação, que tão facilmente tomamos como natural, será mesmo de validade universal? (:11).

5Investigando o papel dos objetos materiais, em geral, e daqueles classificados como itens de coleções, museus e patrimônios, em especial, cada um dos dez capítulos demonstra a forma como tais objetos não apenas desempenham a função de marcadores de nossas identidades individuais e coletivas, mas contribuem decisivamente para a sua constituição e percepção subjetiva. Em sua presença incontornável e difusa, usados privada ou publicamente, colecionados e expostos em museus ou como patrimônios culturais no espaço das cidades, os objetos influenciam a vida de cada um de nós. Perceber e reconhecer esse fato pode trazer novas perspectivas sobre os processos pelos quais definimos, estabilizamos ou questionamos nossas memórias, identidades e patrimônios. Há alguns anos, Appadurai (1987) argumentou que os objetos podem ser vistos como atores sociais, pelo menos do ponto de vista metodológico: pontos focais a partir dos quais analisamos certo contexto social, vendo os valores que eles põem em jogo, as discussões e os movimentos que eles provocam, enfim, como eles influenciam numa situação de formas às vezes imprevisíveis, provocando transformações inéditas.

6É o que nos demonstra o capítulo de Daniel Bitter, sobre bandeiras e máscaras dentro de uma Folia de Reis no Complexo da Mangueira, no Rio de Janeiro. Para esse autor, “[…] são objetos que se aproximam pela capacidade de realizar mediações, bem como de produzir efeitos sobre as pessoas, revelando-se ambivalentes, simultaneamente materiais e imateriais, objetivos e subjetivos (:125). No mesmo sentido, Nina Pinheiro Bitar, ao analisar a relação entre pessoas e um determinado tipo de comida, o acarajé, propõe pensar os objetos materiais não apenas a partir de funções utilitárias, mas como mediadores da vida social. Para ela, “trata-se de um processo tanto metafórico, em que o acarajé significa algo e representa algo, quanto metonímico (Bateson, 2000), na medida em que as baianas estão construindo a si mesmas ao fazer e vender o acarajé de determinada forma” (:82).

7Podem os objetos ser atores não só metodologicamente, mas de forma efetiva? Alfred Gell (1998) argumentou que, em muitas sociedades, os objetos podem ter “agência” (agency), as pessoas podem reconhecer neles intenções e vê-los como sujeitos da ação social. O capítulo de Roger Sansi, sobre pedras ocultas em uso nos terreiros de candomblé, as otã ou itã, que são retiradas de seu contexto religioso e transpostas para uma exposição museológica, nos traz reflexões acerca da “agência” polissêmica de um mesmo objeto. Como o autor revela, “existem objetos que não podem ser exibidos em museus porque não podem ser vistos” (:117). O caso da machadinha kàjre, pertencente aos Krahô, analisado por Ana Gabriela Morim de Lima, demonstra essa territorialização e reterritorialização de determinados objetos. Do mesmo modo que a otã do candomblé baiano, a machadinha traçou um movimento da aldeia ao museu, e à aldeia novamente. De modo nenhum a machadinha continuou a mesma: “o kàjre é, assim, mais uma vez ressignificado pelos contextos nos quais se desloca e pelas redes e relações em que se insere” (:200); ao retornar para a aldeia, após 39 anos de ausência, a machadinha tornou-se um símbolo pela luta de afirmação identitária Krahô. Portanto, para a autora, o kàjre “pode ser um exemplo interessante de reflexibilidade cultural” (:204).

8Nesse sentido, pode-se revelar a “agência” do objeto, o que ele faz pensar, dizer ou fazer, como ele é reapropriado, não só como uma extensão da “agência da pessoa distribuída” dos seus criadores, mas na sua relação particular com o tempo e o espaço, e a resistência que essa relação faz evidente. Em mais um caso etnográfico que reconstrói fluxos e movimentos de objetos, Clarisse Kubrusly menciona a boneca Joventina, calunga de maracatu pernambucano doada à pesquisadora norte-americana Katarina Real na década de 1960. Real torna-se a guardiã de Joventina e a boneca parte para seu exílio. Assim “os objetos são deslocados e transformados em símbolos abstratos, tornando-se metonímias da ‘cultura’ e de suas diversas possibilidades” (:215). As bonecas do maracatu podem ser “concebidas como verdadeiros sujeitos de ação, desestabilizam nossas noções de sujeito e objeto” (:227).

9Situações ambíguas, nas quais não é evidente quem é o sujeito e quem é o objeto da ação, revelam, por sua vez, a potência das “coisas” e sua capacidade agenciadora. Nas sociedades moderno-ocidentais, a tônica está no sujeito, impossibilitando que se perceba a agência dos objetos. De fato, a negação da possibilidade de que objetos e qualquer entidade não humana sejam atores sociais é constitutiva da modernidade, como bem argumentou Bruno Latour (1994).

10Ao abordar a morada e a casa na perspectiva de sua materialidade, Anelise dos Santos Gutterres demonstra o aspecto íntimo e familiar da construção de patrimônios pessoais. Por meio da “ressonância de objetos familiares”, memórias se constituem em fluxos de agenciamentos “entre humanos, antepassados e contemporâneos; objetos guardados ou jogados fora” (:289), criando redes de relações configuradas na experiência constitutiva dessas moradas e seus objetos.

11Do mesmo modo, revela-se a partir do capítulo de Alberto Goyena um caso etnográfico que nos faz refletir sobre a complexidade do ato de “construir” ou “preservar”, em um contexto onde “patrimônios” são destruídos. Ao narrar a destruição de duas estátuas de Buda localizadas no Afeganistão pelo regime talibã, amplamente divulgada pela rede televisiva do regime, o autor sugere que “é também demolindo que lembramos e preservando que esquecemos” (:44). Dotadas de diferentes “camadas de significação”, as estátuas de Buda, em sua destruição, foram capazes de desvelar novas histórias e novos objetos. Assim, “talvez haja também o que aprender sobre as ‘coisas’, quebrando-as” (:43).

12Com Roberta Sampaio Guimarães, somos levados a pensar sobre a construção social de um patrimônio do urbanismo carioca localizado na zona portuária. Ao relatar as formas e os modelos implícitos nesses projetos de urbanização, a autora revela a continuidade dos ideais de progresso e civilidade: “as memórias e formas de habitar concebidas pelos planejadores se distinguiam de outras tantas, e cada pedra ou sobrado por eles modificado era capaz de mobilizar diferentes subjetividades, contranarrativas e conflitos” (:49-50). Desse modo, na disputa pela “origem portuguesa” ou pela “origem africana” desse sítio histórico, demonstra-se a “ação colecionadora e exibicionária”, em que a materialização de diferentes imaginários, além de afirmar identidades e memórias, aciona processos políticos e sociais a partir desses espaços.

13Espaços e circulações são tema também do artigo de Flora Moana Van de Beuque, em um estudo da careta de cazumba, com base na experiência de um artesão e brincante do bumba meu boi do Maranhão, Abel Teixeira. A autora direciona sua análise em busca “da biografia cultural das máscaras do cazumba por seus distintos contextos de significação” (:233); Porém, ao longo de seu trabalho de campo, percebe que “Abel e a máscara constituíam-se como uma díade inseparável […]. A circulação da máscara se dava junto com Abel; e, nesse processo, ambos se ressignificavam” (:233). Mais uma vez, temos o esfacelamento de uma das grandes certezas do pensamento ocidental, a distinção entre sujeito e objeto.

14É em um contexto festivo que Luzimar Paulo Pereira irá abordar a noção de “fartura” ao longo das folias de reis na cidade de Urucaia, em Minas Gerais. A comida que envolve a circulação de uma folia tem papel fundamental nesse ambiente, instituindo relações, e estabelecendo hierarquias e reciprocidades. Para Pereira, os alimentos podem também ser pensados como “[...] parte integrante da cultura material. Na medida em que circulam permanentemente na vida social, eles podem ser descritos e analisados em seus movimentos e transformações pelos mais diversos contextos sociais e simbólicos” (:160).

15Essa nova ênfase na agência de objetos, ou mesmo nas “coisas”, vem coroar um processo de críticas ao modelo representacionista nas ciências humanas e sociais. O deslocamento da atenção do significado para a eficácia das “coisas” tem um rendimento particularmente interessante no contexto da análise dos processos de patrimonialização, desfazendo ou, ao menos, problematizando as categorias constantemente reificadas pelos atores envolvidos nessa arena: agências governamentais, pesquisadores acadêmicos e os próprios detentores desses patrimônios. Se a proposta do livro foi demonstrar a “agência de objetos” a partir do pressuposto da equivalência entre pessoas e “coisas” em seus efeitos e potências, alguns desafios ainda se impõem para esse campo de estudo. Descrever e analisar a “alma das coisas” pressupõe considerarmos suas propriedades, seus fluxos e suas agências, integradas aos seus modos de produção e circulação, elementos bem demonstrados ao longo dos capítulos da obra.

Topo da página

Bibliografia

APPADURAI, Arjun. The social life of things: commodities in cultural perpective. London. Cambridge University press, 1987.

HENARE, Amiria et al. Thinking through things: theorizing artefacts ethnographically. London/New York: Routledge, 2007.

GELL, Alfred. Art and agency: an anthropological theory. Oxford: Clarendon,1998.

INGOLD, TIM. Being Alive: essays on movement, knowledge and description. London: Routledge, 2011.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

________________Reagregando o social. Salvador: Edufba, 2012.

MILLER, Daniel. Materiality. Durham/London. Duke University Press, 2005.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Patrícia Martins, « GONÇALVES, José Reginaldo; BITAR, Nina Pinheiro & GUIMARÃES, Roberta Sampaio. 2013. A alma das coisas: patrimônios, materialidade e ressonância », Anuário Antropológico, II | 2014, 343-348.

Referência eletrónica

Patrícia Martins, « GONÇALVES, José Reginaldo; BITAR, Nina Pinheiro & GUIMARÃES, Roberta Sampaio. 2013. A alma das coisas: patrimônios, materialidade e ressonância », Anuário Antropológico [Online], II | 2014, posto online no dia 01 agosto 2017, consultado no dia 21 setembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/aa/1234

Topo da página

Direitos de autor

© Anuário Antropológico

Topo da página
  • Logo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)
  • Logo Universidade de Brasilia
  • OpenEdition Journals