Navegação – Mapa do site
Dossiê: Aprofundando a Amazônia

Apresentação

Alcida Rita Ramos e Luis Cayón

Texto integral

1Em novembro de 2012, o Laboratório de Indigenismo e Etnologia (Linde) do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília organizou o seminário Aprofundando a Amazônia: Contribuições da Arqueologia à Etnologia, congregando arqueólogos e etnólogos com o intuito de demonstrar o quanto ambos têm a ganhar com o resultado de seus respectivos trabalhos. O seminário, organizado por nós e por José Pimenta, contou com a presença de André Prous, Denise Schaan, Eduardo Neves, Mariana Petry Cabral, João Saldanha e Ruben Caixeta. Participaram como comentadoras as etnólogas Marta Amoroso, da Universidade de São Paulo, e Karenina Vieira Andrade, da Universidade Federal de Minas Gerais, a quem expressamos nossos sinceros agradecimentos. Lamentavelmente, André Prous não pôde participar desta coletânea, mas outros colegas que não estiveram no seminário foram convidados a contribuir: Michael Heckenberger, Eduardo Kazuo Tamanaha, Thiago Chacon e Nelly Arvelo-Jiménez.

2Uma das motivações para organizar o seminário foi a constatação de que a maioria dos cursos de graduação e pós-graduação no Brasil se restringem à antropologia cultural e social. Ao se especializarem nesse ramo da disciplina, deixam vazio o espaço de conhecimento de ramos afins, o que não ocorre em programas que abarcam os quatro campos da antropologia e, portanto, ampliam o horizonte de conhecimento. O objetivo do seminário foi fazer uma primeira tentativa de suprir essa lacuna, ainda que de maneira pontual, despertando o interesse por pesquisas dedicadas a fenômenos de longa duração, como os trabalhos aqui apresentados, seja de arqueólogos, seja de etnólogos.

3A dimensão temporal de longa duração, como tem sido demonstrado em trabalhos recentes, traz aos etnólogos dados tão surpreendentes quanto fascinantes e muito contribui para a compreensão da contemporaneidade, que tem sido o foco da etnologia. Assim, processos aparentemente desconectados ganham inteligibilidade com relação tanto ao passado quanto ao presente. Nesse sentido, é preciso assinalar a importância de trabalhos como The Ecology of Power: Culture, Place and Personhood in the Southern Amazon, A.D. 1000-2000, de Michael Heckenberger (2005), e de coletâneas como Unknown Amazon: Culture in Nature in Ancient Brazil, de Colin McEwan, Cristiana Barreto e Eduardo Neves (2001); Comparative Arawakan Histories: Rethinking Language Family and Culture Area in Amazonia, de Jonathan D. Hill e Fernando Santos-Granero (2002); Time and Memory in Indigenous Amazonia: Anthropological Perspectives, de Carlos Fausto e Michael Heckenberger (2007); Ethnicity in Ancient Amazonia: Reconstructing the Past Identities from Archeology, Linguistics, and Ethnohistory, de Alf Hornborg e Jonathan D. Hill (2011); Indigenous Peoples and Archaeology in Latin America, de Cristóbal Gnecco e Patricia Ayala (2011); e Rotas de criação e transformação: narrativas de origem dos povos indígenas do Rio Negro, de Geraldo Andrello (2012). Essas coletâneas exploram dimensões até então desconhecidas sobre o passado da Amazônia.

4Entender a Amazônia profunda é fazer justiça à riqueza humana que tem povoado a região ao longo de milênios, como demonstram os trabalhos pioneiros de Nelly Arvelo-Jiménez, a exemplo de sua contribuição para esta coletânea. De modo semelhante, entender a complexidade da vida indígena como ela é vivida hoje enriquece a visão diacrônica dos arqueólogos, como mostra cabalmente o artigo de Mariana Cabral em seu trabalho sobre os Wajãpi do Amapá. Já a arqueó­loga Denise Schaan se dedica a estudar os geoglifos do Acre, João Saldanha, as estruturas megalíticas do Amapá, Eduardo Kazuo Tamanaha e Eduardo Neves, a Tradição Polícroma do baixo rio Solimões, e Michael Heckenberger, a diversidade e o manejo no Alto Xingu pré-histórico. Quanto aos etnólogos, temos as contribuições de Nelly Arvelo-Jiménez, sobre a importância dos princípios que regiam o Sistema de Interdependência Regional do Orinoco para decisões políticas atuais por parte dos indígenas da região; de Ruben Caixeta, sobre a produção de diversidade no passado e no presente nos rios Trombetas e Nhamundá; e de Luis Cayón, em colaboração com o linguista Thiago Chacon, sobre a formação do sistema regional do Alto Rio Negro.

Topo da página

Bibliografia

ANDRELLO, Geraldo. 2012. Rotas de criação e transformação: narrativas de origem dos povos indígenas do rio Negro. São Paulo: ISA; São Gabriel da Cachoeira: FOIRN.

FAUSTO, Carlos & HECKENBERGER, Michael. 2007. Time and Memory in Indigenous Amazonia: Anthropological Perspectives. Gainesville: University Press of Florida.

GNECCO, Cristóbal & AYALA, Patricia. 2011. Indigenous Peoples and Archaeology in Latin America. Walnut Creek, CA: Left Coast Press.

HECKENBERGER, Michael. 2005. The Ecology of Power: Culture, Place and Personhood in the Southern Amazon, A.D. 1000-2000. New York and London: Routledge.

HILL, Jonathan D. & SANTOS-GRANERO, Fernando. 2002. Comparative Arawakan Histories: Rethinking Language Family and Culture Area in Amazonia. Urbana and Chicago: University of Illinois Press.

HORNBORG, Alf & HILL, Jonathan D. 2011. Ethnicity in Ancient Amazonia: Reconstructing the Past identities from Archeology, Linguistics, and Ethnohistory. Boulder: University Press of Colorado.

MCEWAN, Colin, Cristiana Barreto & NEVES, Eduardo. 2001. Unknown Amazon: Culture in Nature in Ancient Brazil. London: The British Museum Press.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Alcida Rita Ramos e Luis Cayón, « Apresentação », Anuário Antropológico [Online], II | 2014, posto online no dia 01 agosto 2017, consultado no dia 24 maio 2018. URL : http://journals.openedition.org/aa/1242

Topo da página

Autores

Alcida Rita Ramos

UnB

Artigos do mesmo autor

Luis Cayón

UnB

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Anuário Antropológico

Topo da página
  • Logo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)
  • Logo Universidade de Brasilia
  • OpenEdition Journals