Navegação – Mapa do site
Artigos

Cuidado e proteção em brinquedos de cavalo-marinho e maracatu da Zona da Mata Pernambucana

Raquel Dias Teixeira
p. 77-94

Resumos

Neste artigo, discorro sobre uma etnografia realizada em 2011 e 2012 com brinquedos de cavalo-marinho e maracatu de baque solto (maracatu rural). Evidencio as atualizações do cuidado com os brinquedos e de rituais de proteção, que envolvem as relações sociocosmológicas dos brincadores. Tenho como referência teórica a discussão sobre socialidade e cosmologia no domínio dos dois brinquedos, num plano de atuação que envolve os vivos e os mortos. Procuro demonstrar que a produção de significados sociocósmicos, seja nos rituais de proteção, seja no próprio desenrolar do brincar, se configura em função das práticas e experiências devocionais dos brincadores. As afiliações cosmológicas dos brincadores são plurais, podendo se referenciar, no universo estudado, à religião católica, à evangélica, à umbanda, ao catimbó (e jurema) e ao candomblé (xangô).

Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 10/08/2015
Aprovado em: 03/08/2016

Texto integral

  • 1 A pesquisa foi realizada durante meu mestrado em ciências sociais na Universidade Federal Rural do (...)

1Neste artigo, discorro sobre etnografia com brinquedos de cavalo-marinho e maracatu de baque solto (ou maracatu rural). Procuro evidenciar e analisar as atualizações do cuidado com os brinquedos e de rituais de proteção, que se associam às relações sociocosmológicas dos brincadores. Os dados etnográficos advêm da minha pesquisa de mestrado (Teixeira, 2013), realizada entre 2011 e 2012 com brincadores do Cavalo-Marinho Mestre Batista e do Maracatu Estrela de Ouro, ambos de Chã de Camará, município de Aliança, Zona da Mata Pernambucana.1 Os dois brinquedos foram criados entre as décadas de 1950 e 1960 por Severino Lourenço da Silva, conhecido como Mestre Batista, falecido em 1991.

2Na primeira parte do artigo, utilizo os dados sobre a constituição dos brinquedos para examinar certa conformação de sua socialidade, que permite, inclusive, a atualização da ação e do cuidado de Mestre Batista sobre os brinquedos e brincadores, mesmo depois de morto. Na segunda, interpreto as relações sociocósmicas dadas nas práticas rituais de proteção dos brinquedos e no desenrolar das brincadeiras.

  • 2 O desmantelo é uma categoria usada na região para designar coisas como o descontrole, o erro, o aza (...)

3Assim como Chaves (2008), penso que os dois brinquedos conformam um universo compartilhado por muitas referências (figuras, brincadores, estéticas etc.). Contudo, a autora aposta numa relação de complementaridade e oposição entre os brinquedos, onde a vinculação cosmológica do maracatu com a figura do Diabo estaria estruturalmente oposta à atribuição do cavalo-marinho como uma brincadeira de Deus. Desse modo, como uma festa criada por Deus, o cavalo-marinho celebraria coisas como o nascimento de Cristo, a alegria, a graça e a beleza. Já o maracatu, uma brincadeira carnavalesca inventada pelo Diabo, lidaria com o lado maligno da vida, o perigo, a rivalidade declarada e a canalização de maus sentimentos. Portanto, a autora afirma que quem brinca o cavalo-marinho estaria protegido de diversos males, ao contrário do brincador do maracatu, que precisaria estar com o corpo fechado, pois seria vulnerável a maus sentimentos, como a inveja, algo que potencialmente provocaria um desmantelo no brinquedo (Chaves, 2008, 2011).2

4Em sentido oposto, a análise dos meus dados de pesquisa permite dizer que os brinquedos de cavalo-marinho e maracatu, e seus brincadores (que em grande medida são as mesmas pessoas), compartilham de um campo sociocósmico onde não caberia a existência de oposições de tal grado, ou de relações dicotômicas entre ordens como sagrado/profano e Deus/Diabo. Tais relações sociocosmológicas se configuram em função das experiências devocionais dos brincadores, que, nos dois brinquedos, são plurais e flexíveis, podendo se referenciar à cosmologia católica, evangélica, umbandista, do catimbó (e jurema sagrada) ou do candomblé (xangô). Entendo que tanto os brincadores quanto os brinquedos de cavalo-marinho e maracatu, em certas circunstâncias, podem estar suscetíveis a uma série de perigos derivados de sentimentos como a inveja e o mau-olhado, como também a ações maléficas (ou benéficas) de entidades e espíritos. Para tanto, existem prescrições e rituais, referentes a preparos, cuidados e proteções, que podem (ou devem) ser ativados.

Os brinquedos

5O cavalo-marinho e o maracatu são temas de investigações nas ciências sociais desde a década de 1940, com os estudos de folclore. Posteriormente, consolidaram-se como objetos de pesquisa por meio de diversos debates realizados, especialmente, na antropologia no campo da cultura popular. Nos últimos anos, o processo de reconhecimento destas brincadeiras como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro (pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) também propiciou a realização de mais análises sobre o assunto.

6Em Pernambuco, o cavalo-marinho e o maracatu de baque solto são brincadeiras cujas gêneses estão ligadas aos escravos e às senzalas de engenho da Zona da Mata (Brusantin, 2011; Teixeira, 2013). São, portanto, manifestações bem antigas, que foram sofrendo diversas mudanças com o passar do tempo. Atualmente, grande parte dos brincadores ainda vive na zona rural e exerce trabalho ligado à cana-de-açúcar. O cavalo-marinho e o maracatu são muito populares, abrangem centenas de brincadores e dezenas de brinquedos. Nas últimas décadas, foram inseridos em calendários de festas e comemorações organizadas por políticas públicas de cultura do estado de Pernambuco. O maracatu brinca durante o carnaval; o cavalo-marinho, principalmente, dos festejos natalinos até o Dia de Reis.

  • 3 Músicos que tocam, respectivamente, os instrumentos rabeca, pandeiro, bagé (reco-reco) e mineiro (g (...)

7O cavalo-marinho acontece numa roda onde se circunscreve a audiência ou assistência, como é chamado o público do brinquedo. Os músicos (rabequista, pandeirista, bagista e mineirista)3 permanecem sentados num banco, na frente do qual ocorrem as passagens (partes, histórias) do brinquedo. O cavalo-marinho possui dois ou três figureiros que botam dezenas de figuras — que variam de acordo com o brinquedo — e possuem indumentárias, máscaras, artefatos, fundamentos, loas e toadas singulares. Em geral, o brinquedo é formado também pelo mestre e pelas figuras de Mateus, Bastião e Catirina, além dos que brincam como galantes, dama, pastorinha e arlequim.

  • 4 Categoria local que designa os músicos do brinquedo, em referência ao banco onde eles sentam para t (...)

8O mestre do cavalo-marinho tem um amplo domínio do repertório simbólico do brinquedo. Com seu apito, suas gesticulações e seus diálogos, ele comanda os brincadores, os figureiros e o banco,4 além de desempenhar múltiplas funções. As passagens se desenrolam por meio de dezenas de diálogos, loas (estrofes poéticas recitadas) e toadas (versos poéticos cantados). Os brincadores realizam diversos trupés e pisadas (passos rítmicos ligeiros) e danças durante a brincadeira. As passagens do cavalo-marinho mobilizam circunstâncias relacionadas à vida cotidiana, ao trabalho, e às relações sociais e cosmológicas.

  • 5 O terno costuma ser formado por músicos de percussão, como mineiro (ganzá), tarol (caixa), poica (c (...)
  • 6 A dama-do-paço “é uma mulher que deve estar ‘pura’ e ser iniciada na jurema” (Feitosa & Telles, 201 (...)

9O maracatu de baque solto pode chegar a possuir mais de cem integrantes, com trajes próprios coloridos, brilhantes e imponentes. Além de componentes como o mestre, o contramestre, o terno,5 a bandeira (ou estandarte) e a dama-do-paço,6 possui figuras como Mateus, Catirina, Burra, Caçador e Caboclo de Pena (arreimá); a corte, com o Rei, a Rainha e os Vassalos; o cordão, com dezenas de baianas; e as trincheiras, com os inúmeros caboclos de lança.

  • 7 É por cima dos surrões que são colocadas as coloridas e brilhantes golas artesanais dos caboclos de (...)

10Os brincadores executam um conjunto de manobras (movimentos) ao som do terno, que toca modalidades musicais características como marchas, sambas e galopes. O mestre e o contramestre entoam uma série de versos e loas rimados e improvisados. As manobras são, além do mais, orientadas pelo apito e movimento da bengala do mestre. As passadas dos caboclos de lança marcam o ritmo da caboclaria e são compassadas pela sonoridade dos chocalhos, que estão na base dos surrões, uma armação de madeira presa nos ombros e na cintura dos caboclos7 (Silva, 2005).

Cavalo-Marinho Mestre Batista e Maracatu Estrela de Ouro

11Pelo testemunho dos meus interlocutores, inclusive de integrantes de outros brinquedos da região, pude perceber que tanto o Mestre Batista como os dois brinquedos que criou são grandes referências locais. Aliás, muitos dos brincadores que ganharam fama e prestígio na cultura popular pernambucana tiveram suas trajetórias ligadas a Mestre Batista. Nas últimas décadas, o sítio Chã de Camará e seus brinquedos têm sido inseridos em distintas políticas públicas de cultura.

12O Cavalo-Marinho Mestre Batista e o Maracatu Estrela de Ouro possuem muitos brincadores em comum, e encontram-se entrelaçados por ligações de parentesco e de solidariedade dadas nas relações cotidianas: laços de trabalho estabelecidos a partir da lida com a cana-de-açúcar na região, além de afinidades e adversidades reguladas nas dinâmicas dos próprios brinquedos. Nas próximas linhas, apresentarei alguns dados etnográficos sobre a constituição dos dois brinquedos (e de alguns de seus brincadores).

13Severino Lourenço da Silva nasceu na década de 1930, no povoado de Santa Luzia, pertencente ao Engenho Fortaleza, zona rural de Aliança (PE). Aos 10 anos, começou a trabalhar nos canaviais, onde exerceu diversas funções ao longo da vida. Severino passou a ser conhecido como Mestre Batista pela atuação com os brinquedos de maracatu e cavalo-marinho. Seu avô foi o dono de um maracatu nascido em 1882 com o nome de Nação Cambinda Nova, que posteriormente foi assumido por seu tio materno. Mestre Batista fundou seu cavalo-marinho em 1956, e o Maracatu Estrela de Ouro, em 1966.

14Na década de 1960, após a morte de seu sogro, foi morar e administrar o Sítio Chã de Camará. Batista “comandava” os trabalhos do sítio, como a lida na cana, na lavoura e na produção de esteiras de cangalhas (utilizadas para o transporte da cana feita no lombo dos burros), que eram vendidas para as usinas de cana-de-açúcar da região. Entre as décadas de 1960 e 1980, eram muitas as famílias que trabalhavam e viviam em casas dentro do sítio, somando mais de cem moradores (Silva, 2008). Assim, o lugar assemelhava-se às vilas de engenho da região, reunindo muitos trabalhadores rurais e brincadores. Foi neste ambiente que Mestre Batista tocou o cavalo-marinho e o maracatu, que adquiriram legitimidade e prestígio.

15José Bernado Pessoa, Zé Duda, é o mestre do Maracatu Estrela de Ouro, brinquedo para o qual entrou em 1969. Trabalhou no sítio por 18 anos nas atividades relacionadas à cana e na produção das esteiras de cangalha. Após um desentendimento com Mestre Batista, foi embora de Chã de Camará e assumiu o Maracatu Águia Misteriosa, da cidade vizinha de Nazaré da Mata. Zé Duda só retornou ao Estrela de Ouro sete anos mais tarde, quando Mestre Batista já havia falecido, mediante convite de José Lourenço, filho de Mestre Batista.

16Mariano Teles acompanhava as brincadeiras de cavalo-marinho que ocorriam nos diversos engenhos onde trabalhou e morou desde criança. No final da década de 1960, começou a brincar no Cavalo-Marinho Mestre Batista; pouco depois, foi morar no sítio, onde permaneceu por muitos anos. Tornou-se o mestre do brinquedo após a morte de Mestre Batista, e vive numa vila vizinha ao sítio.

  • 8 Ivo foi o caboclo de lança do maracatu por muitos anos, e também o mestre caboclo

17Mestre Batista criou José Vicente, chamado de Ivo, como filho no sítio Chã de Camará. Ivo também brincava no Maracatu Estrela de Ouro, mas após casar-se foi morar no Engenho Diamante, na cidade de Nazaré da Mata, onde conheceu Mário Lopes da Silva.8 Em 1990, Ivo e Mário fizeram uma visita a Mestre Batista, que estava bem doente. Conta-se que, neste dia, Mestre Batista convidou Mário para brincar em seu maracatu e, mesmo diante da resposta negativa, Batista disse que um dia Mário ainda iria brincar em seu brinquedo. Mestre Batista faleceu no ano seguinte.

18Cinco anos depois, em 1996, Mário tornou-se o rei do Maracatu Estrela de Ouro, mesma função para a qual Batista havia lhe convidado em vida. Mário passou a ser (re)conhecido como Pai Mário, já que se tornou também o pai de santo do terreiro de umbanda situado no Sítio Chá de Camará. Mário fez-se mediador do falecido mestre Batista, pela incorporação do espírito do mestre, meio pelo qual o mestre continua atuando nos rituais de proteção dos brincadores e dos brinquedos de cavalo-marinho e maracatu. Nas conversas com meus interlocutores, era evidente a ênfase dada à constatação da profecia de Mestre Batista, quando já se encontrava doente, sobre a futura atuação de Mário no maracatu, mesmo à revelia da vontade de Mário na época. Assim, o mestre parece ter forjado, em vida, seu meio de ação nos brinquedos após sua morte iminente.

19A própria continuidade dos brinquedos no sítio, após o falecimento de Mestre Batista, parece estar diretamente ligada à atuação do espírito de Batista por intermédio da incorporação em Mário. Após o falecimento do mestre, o maracatu e o cavalo-marinho ficaram sob o “controle” de brincadores que não eram mais vinculados ao sítio, e os brinquedos estavam com pouca atividade. Conta-se inclusive que as indumentárias e os artefatos dos brinquedos estavam se deteriorando por pouco uso e cuidado.

20Essa situação só foi contornada quando Lourenço, filho de Batista, assumiu a administração do cavalo-marinho e do maracatu em 1995. Lourenço tinha passado a maior parte da sua vida na capital, Recife, e não se sentia ligado aos brinquedos. Tudo começou a mudar quando, dois anos após a morte de Batista, “o espírito do mestre começou a querer vir, a se manifestar” em Mário, como contou José Lourenço. Lourenço contou também que o espírito de Batista “baixou nele [em Mário] a primeira vez ainda com sintomas da vida em matéria, porque ele [Batista] teve um Ca. [câncer] aqui [apontando o pescoço] e ficava um pouco torto, aí desta mesma forma ele chegou”. Para Lourenço, foi a “vinda” de Batista “através” de Pai Mário o que o levou a assumir os brinquedos, como uma “missão de dar continuidade, de ajudar a brincadeira a ter vida através da família”.

21Pude perceber que, para Lourenço, por este canal, nas consultas com Pai Mário, seu pai continuava a auxiliá-lo na administração dos problemas corriqueiros do sítio, no cuidado com os brinquedos e na gerência das relações pessoais com (e entre) os brincadores. Desse modo, a relação de parentesco aliada à experiência cosmológica se realiza na continuidade dos brinquedos, seja pela “sucessão” ocorrida entre o avô, o tio, Mestre Batista e agora Lourenço no maracatu, seja pelo próprio prosseguimento da atuação de Batista nos dois brinquedos, mesmo depois de morto.

22Mário descende de uma família (avôs e pais) de umbandistas. Desde criança, frequentava os terreiros e, aos 23 anos, incorporou uma entidade pela primeira vez. Atualmente, vive numa casa dentro do Sítio Chã de Camará, mesmo local que abriga o Centro Nossa Senhora da Conceição Pai Mário, de umbanda e jurema sagrada. Pai Mário incorpora espíritos ligados às diversas linhas da umbanda e aos mestres e encantados da jurema. Os orixás, guias e protetores também são evocados nos atendimentos diários que ele oferece a pessoas em busca de cura de doenças, consultas pessoais e resoluções de problemas individuais e familiares.

  • 9 As necessidades religiosas eram atendidas por três casas: xangô e catimbó na casa Barreto; jurema n (...)

23É Pai Mário quem realiza os calços individuais e coletivos, rituais que envolvem os aspectos sociocosmológicos de proteção espiritual do maracatu, que discutirei nas próximas linhas. Nota-se que, em muitos dos processos de calços, ele se encontra incorporado pelo espírito de Mestre Batista. Assim, o falecido mestre, criador do brinquedo, também participa ativamente no processo de proteção dos brincadores e do brinquedo. Além disso, Lourenço contou-me que Pai Mário também incorpora os espíritos de dois antigos moradores do sítio que décadas atrás, segundo ele, “atendiam as necessidades espirituais” (catimbó, xangô e jurema) dos brincadores do sítio.9 Lourenço interpreta este fato de maneira semelhante “à vinda de Batista”, ou seja, como uma dádiva de “ter pessoas que conviveram com a gente, que já se foram e voltaram na parte espiritual para fazer sua missão”. Assim, o finado criador e mestre dos brinquedos não seria o único que, mesmo depois de morto, continua atuando nos rituais e calços dos brincadores, por intermédio de Pai Mário.

24Numa conversa que tive com Mestre Batista, incorporado em Pai Mário, o mestre relatou-me que ainda brinca em seu maracatu nos três dias de carnaval, através da “matéria” de Mário. Também me revelou a intenção de realizar algo semelhante com o cavalo-marinho. Segundo ele, esta seria uma tentativa de deixar seu cavalo-marinho mais imponente, próximo ao que era antes de sua morte. Disse que, aos poucos, tinha um menino (certo brincador do cavalo-marinho) “que já estava pegando suas pisadas”. E que ele “ia jogar dentro do ouvido dele”, através da jurema, o seu jeito de fazer e de botar figura no brinquedo. Isso demonstra que a ação direta do espírito de Mestre Batista nos brinquedos, por meio da umbanda/ jurema, é algo possível tanto no maracatu quanto no cavalo-marinho.

A inveja e os calços no maracatu e as proteções no cavalo-marinho

25Laure Garrabé (2010) realizou pesquisa com o Maracatu Estrela de Ouro entre 2005 e 2008. A autora formula que o domínio simbólico dos orixás e da umbanda no maracatu é público; assim, apareceria nas cores e nos motivos bordados nos vestidos das baianas, da dama-do-paço e da calunga ou em colares das baianas e da corte, por exemplo. Já o domínio dos rituais da jurema e do catimbó seria do âmbito privado, relativo a práticas não manifestas visivelmente na brincadeira — por exemplo, os ritos que envolveriam coisas como banho de cheiro, fumo e ingestão de bebidas alcoólicas com a jurema, o ritual de fechamento de corpo, as exigências sexuais e alimentares, ou o uso de objetos calçados que acompanham os brincadores.

É muito difícil um maracatu ir para frente sem ter uma ajuda de um terreiro. Inveja, às vezes, tem gente que tem um maracatu que sabe que o outro tem mais dinheiro para investir. E quando sai mais bonito, quer colocar para trás, quer fazer coisa para o maracatu não se sair bem. Mesmo quando não tem um terreiro envolvido, vai na casa de um pai de santo, essas coisas (Edilson da Silva, brincador do cavalo-marinho e do maracatu).

26A fala acima deixa claro que, no maracatu, esteja o brinquedo “envolvido” ou não com um terreiro de umbanda ou jurema, é possível que um sentimento como a inveja afete seu desempenho. Parece que a beleza e o sucesso do brinquedo são o que aciona sentimentos e/ou ações maliciosas. Os calços são rituais que visam proteger tanto os brincadores quanto o brinquedo de maracatu contra os possíveis efeitos da inveja, do mau-olhado e dos trabalhos negativos.

27Entendo, assim como Semán (2001), que parece haver certa continuidade entre o físico e o moral, em que se conectam manifestações de enfermidades e acontecimentos infelizes às causas anímicas, como o mau-olhado, o desejo desmedido e a inveja. Seriam os elementos cosmológicos que regeriam uma economia de fluidos, emoções e sintomas capazes de conectar, num continuum, as diversas facetas de mal-estar.

28Garrabé (2010) explica que o calço coletivo do Maracatu Estrela de Ouro, nos dias de carnaval, inicia-se com um despacho numa encruzilhada, no qual o ebó é derramado para os Exus, quando também são feitas as pulverizações com tabaco e jurema. Para abrir e fechar o carnaval, tem de se atravessar o terreiro, ou seja, o maracatu cruza o terreiro na saída do brinquedo no domingo de carnaval e descruza na chegada na quarta-feira de cinzas. Uma semana antes do carnaval, Pai Mário costuma puxar (jogar) os búzios num ritual de adivinhação, em que os Orixás indicam aquilo de que necessitam em troca da proteção espiritual do coletivo, de modo que tudo saia bem nos desfiles. É nessa ocasião que se definem que alimentos serão oferecidos, e quais e quantos animais serão sacrificados (Garrabé, 2010). A pesquisadora teve a oportunidade de acompanhar o processo de calço de alguns brincadores realizado no centro de Pai Mário, no qual ele incorporou Mestre Batista. Naquela ocasião, o ritual envolveu defumação, entoação de pontos de umbanda e jurema, incorporações, distribuição da bebida sagrada jurema, oferecimento de velas para entidades e sacrifício de animais.

29O calço individual diz respeito, principalmente, ao ritual de fechamento do corpo visando a seus pontos de aberturas e articulações. Os caboclos que demonstram interesse realizam consultas com Pai Mário. Podem ser feitos banhos de descarrego, defumações ou o uso de perfumes nos itens das arrumações dos caboclos de lança, além de rituais específicos sobre objetos como o cravo dos caboclos e o apito e a bengala do mestre. Alguns preparos são feitos somente pelo pai de santo ou pelo brincador, mas também podem ser realizados por ambos, não há regras. Cada brincador pode ter sua experiência particular. A manutenção da eficácia dos rituais de proteção do brincador encontra-se relacionada ao segredo sobre as práticas.

30Algumas normas devem ser seguidas para não se colocar em estado de vulnerabilidade, como fazer o resguardo sexual nos oito dias que antecedem o carnaval. Segundo contam, os fluidos sexuais podem abrir o corpo do brincador, que ficaria exposto a infortúnios e agenciamentos diversos. Os infortúnios podem afetar a própria pessoa que não cumpriu o resguardo, como também outro brincador que esteja mais acometível. Como discorre Semán (2001), as categorias de bem-estar ou de sofrimento variam de acordo com o cumprimento ou não das obrigações para com o sagrado. Assim, a consequência pode ser sofrida pela própria pessoa (ou por seus familiares) que rompeu a relação com o sagrado, seja com um santo, seja com um defunto.

31Zé Duda diz que o mestre do maracatu é um forte alvo de inveja por parte de outro brinquedo. Deste modo, tanto o mau-olhado quanto “algum tipo de trabalho negativo” poderiam fazer com que ele se confundisse ao improvisar suas marchas do maracatu ou até mesmo “perdesse sua voz” — algo aterrorizante para um mestre de maracatu, já que afeta diretamente a sua atuação no brinquedo.

32No cavalo-marinho, sentimentos como o mau-olhado e a inveja também podem acometer o brinquedo, algum figureiro e principalmente seu mestre. E isso pode acarretar diversos problemas para com o brinquedo, como fazer com que o mestre se esqueça de uma toada ou loa, ou que o figureiro se “atrapalhe no terreiro”, “perdendo-se” durante as passagens da brincadeira.

Quando vai dançar grupo de cavalo-marinho, tem gente que quer ser melhor do que outro, é naquele que você tem que ter cuidado. Pode acontecer de ter um acidente com uma figura daquelas, ou do mestre se esquecer de alguma coisa (Mariano Teles).

33Nesta fala de mestre Mariano, percebemos que a motivação e a consequência da inveja no brinquedo de cavalo-marinho são semelhantes às do maracatu. A inveja de um brinquedo benfeito, como costuma dizer, é o que provocaria algum tipo de ação vinda do invejoso. Mas Mariano também afirma que a causa pode estar relacionada “à mágoa de um mestre com outro”, que pode “mandar as coisas dele lá pra dentro do terreiro”. Ele diz que, uma vez que a “coisa errada” seja “jogada na roda”, ela pode afetar algum figureiro ou o próprio mestre. A ideia é que sentimentos como a inveja e o mau-olhado ou, ainda, algum “trabalho negativo” podem afetar os corpos dos brincadores que se encontram vulneráveis (de corpo aberto). Daí a importância de fazer algum tipo de proteção para brincar cavalo-marinho sem correr este risco.

34Noto que muitos dos problemas corriqueiros no brinquedo são também vislumbrados a partir dos elementos cosmológicos contidos na relação entre a inveja e suas possíveis decorrências. Por exemplo, Mariano contou-me que certa vez, numa brincadeira, apesar de todo o cuidado que teve na preparação das indumentárias (máscaras, roupas, artefatos etc.) das figuras, as caixas onde elas estavam acabaram ficando fora do ônibus. Quando eles chegaram ao local onde ia haver o samba, tiveram que brincar “à paisana”. Para Mariano, este fato teria sido provocado por algum trabalho negativo feito contra o brinquedo. Isso parece dialogar com as análises de Semán (2001) sobre o predomínio das interpretações cosmológicas para os acontecimentos infelizes nas práticas populares.

O universo sociocósmico no desenrolar das passagens e figuras no cavalo-marinho

35A brincadeira do cavalo-marinho é considerada por muitos pesquisadores uma espécie de reisado (Benjamin, 1989; Grillo, 2011; Murphy, 2008; Oliveira, 2006), uma “Festa do Divino Santo Rei do Oriente” (Murphy, 2008). Tal formulação, muitas vezes, fez com que tais análises privilegiassem as passagens que acionam o universo católico popular. Por exemplo, as homenagens aos Reis Magos na passagem da dança dos arcos, os versos entoados para São Gonçalo do Amarante e para Santos Reis do Oriente, ou figuras como o padre, os galantes, as damas, o arlequim e a pastorinha. Também condiz com essa perspectiva a formulação de Chaves (2008), baseada nos relatos de seus interlocutores, do cavalo-marinho como uma brincadeira criada por Deus que celebraria coisas como o nascimento de Cristo, a graça e a beleza.

36Por outro lado, penso que as passagens e figuras do cavalo-marinho se relacionam a aspectos plurais da vida cotidiana, das relações de trabalho e lazer, e também ao universo sociocósmico dos brincadores, que, além do universo do catolicismo popular, diz respeito ao candomblé, à umbanda e à jurema, por exemplo. Na brincadeira do cavalo-marinho, há passagens em que entidades espirituais são evocadas pelas loas entoadas por certas figuras. Isso parece possibilitar que um espírito realmente “baixe” na roda, em algum brincador ou mesmo em alguma pessoa da audiência que esteja com “o corpo aberto”.

37No brinquedo, há uma figura chamada Caboclo de Urubá (ou Orubá), que é uma entidade presente nos rituais da umbanda, do candomblé (xangô) e da jurema praticados na região. O Caboclo de Urubá, tido como um grande curador, provém de uma falange específica na linhagem dos caboclos, onde também se encontram outros encantados, como o Sete-Flechas, o Índio Flecheiro e o Pena Branca (Alcure, 2007).

  • 10 Perturbar, neste contexto, pode denotar diversas atitudes durante o brinquedo, como bulinar, implic (...)

38A passagem desta figura no brinquedo é envolta num tom de mistério que parece estabelecer “uma atmosfera de respeito e devoção às entidades naturais da mata e seus espíritos” (Oliveira, 2006: 268). Desse modo, nem a audiência nem outros brincadores perturbam o Caboclo de Urubá, como é comum acontecer com outras figuras durante toda a brincadeira.10 Num certo momento da passagem, o brincador que bota esta figura tira o calçado e a camisa, enquanto as figuras de Mateus e Bastião quebram garrafas de vidro no centro da roda. É quando o banco entoa uma espécie de “toada de proteção” para que o Caboclo de Urubá se prepare para o contato com os vidros estilhaçados e não se corte. Desta maneira, a figura pisa, coloca seu rosto e ventre sobre o vidro sem se ferir. A figura demonstra entrar numa espécie de transe, enquanto as toadas evocam proteção ao brincador. É imprescindível informar que tais toadas são de fato cantos da jurema e umbanda. Portanto, tais cantos parecem funcionar como condutores de entidades protetoras que atuariam em favor (e para a proteção) do brincador que bota a figura.

  • 11 Zé de Bibi, José Evangelista de Carvalho, é mestre do Cavalo-Marinho Tira-Teima, criado em 1963 na (...)
  • 12 Zé de Bibi já frequentou terreiros de umbanda e candomblé.

39Outra figura que tem a ver com as relações sociocosmológicas no cavalo-marinho é o Caboclo de Pena. Zé de Bibi é um mestre de cavalo-marinho que costuma botar esta figura em seu brinquedo.11 Ele conta que “as toadas do Caboclo de Pena pertencem todinhas” ao candomblé. O mestre contou-me que certa vez, quando estava cantando a “toada de caboclo” durante a passagem desta figura, um espírito “manifestou-se” numa mulher que estava num carrossel perto de onde o cavalo-marinho brincava. Neste dia, ele mesmo “deu um passe” na mulher:12

ela concentrou-se nas toadas, tá vendo você. Lá vem o cara lá, desceu do carrossel pra eu dar uns passes nela para ela se acalmar. É como se fosse um espírito, para o encosto sair. […] Ela emocionou-se com aquela toada, porque ela era espírita, quando eu cantei a toada cá embaixo, ela manifestou lá em riba. Entendeu como é? Porque isso aí é muita coisa que tem, é muita concentração dentro do cavalo-marinho. E se o cabra for médium, irradia nele (Zé de Bibi).

40Zé de Bibi contou-me que esta não foi a única vez que um espírito se manifestou em alguém da audiência. De modo semelhante ao que ocorre com a figura do Caboclo Urubá, parece ser a pertença dos cantos entoados à cosmologia do candomblé, durante esta passagem, o que permite a manifestação dos espíritos. Destaco que nem todos os brinquedos de cavalo-marinho possuem figuras como essas em suas passagens. Como pude observar, na verdade, é a relação do mestre ou do figureiro com a umbanda, a jurema ou o candomblé o que faz com que ele bote (ou não) tais figuras no brinquedo.

41A partir da exposição e análise dos dados aqui verificados, posso dizer que o maracatu e o cavalo-marinho compartilham de um mesmo campo sociocosmológico, em que a produção de significados nos brinquedos se dá em função das experiências de devoção nas diversas afiliações de seus brincadores. São as múltiplas práticas e representações cosmológicas dos brincadores que constituem tais dimensões nas próprias brincadeiras.

Cosmologias nos calços e proteções

42Semán (2001) discorre sobre a produção de uma cosmologia da religiosidade, holística e relacional, que dialoga com o universo aqui estudado. Esta visão cosmológica não pressupõe distinções entre o transcendente e o imanente, entre o natural e o sobrenatural; pelo contrário, sugere que o sagrado é somente mais um nível da realidade. Deste modo, o que chamo de múltiplas filiações devocionais não seria nenhuma incoerência, mas sim um exercício de compatibilização que organiza as cosmovisões e os arranjos específicos dos poderes sagrados. É válido notar que o acionamento de recursos sociocósmicos para a afetação ou proteção dos corpos dos brincadores parece descartar qualquer visão dicotômica entre o sagrado e o profano.

43No universo dos brinquedos, os calços podem dizer respeito aos elementos cosmológicos advindos de diversas manifestações devocionais. No maracatu, a umbanda e a jurema têm predominância nos rituais conduzidos pelo pai de santo. Contudo, cada brincador organiza de maneira particular sua proteção contra o perigo iminente da inveja de um brinquedo (ou de si próprio). Isso vale tanto para o maracatu quanto para o cavalo-marinho. Veremos como estes arranjos se configuram para o mestre do Maracatu Estrela de Ouro e para o mestre do Cavalo-Marinho Mestre Batista.

44Zé Duda, o mestre do maracatu, é enfático ao afirmar que nunca fez parte do “centro espírita” de Mário. Ou seja, o brincador do maracatu desde 1969 e seu mestre desde 1997 não participa dos rituais conduzidos por Pai Mário ou pelo espírito de Mestre Batista no âmbito da umbanda e da jurema — nem para sua proteção, nem para a do brinquedo. Ele conta que se protege do mau-olhado e da inveja por meio das conversas e rezas com um evangélico, que é seu amigo e vizinho. Diz que raramente vai à igreja, pois suas consultas com seu amigo “crente” ocorrem em sua casa e podem durar até três dias. Ele aponta que essas consultas o ajudam a tirar as “travas do seu caminho” e do caminho do brinquedo. “O povo chama eu de mestre de maracatu, mas eu não sou mestre, o mestre que eu conheço é aquele ali [apontando para o céu]. É quem manda em mim, o que ele mandar fazer eu faço”, conta Zé Duda.

45Zé Duda também obedece a outras prescrições feitas aos brincadores do maracatu, como o resguardo sexual e o ato de não aceitar “bebida da mão de ninguém” durante certo período do carnaval. Ele enxerga o primeiro como uma maneira de manter o corpo fechado para algumas mazelas. Diz que, caso dormisse com sua mulher em algum dos oito dias anteriores ao samba, “qualquer criança o dominaria no carnaval”, ou seja, ele ficaria vulnerável a qualquer influência que o fizesse esquecer e se confundir com as palavras. Já o aceite de bebida alheia poderia funcionar como uma espécie de “condutor” para algum tipo de “carga negativa” ou “trabalho negativo”.

46Mariano, o mestre do cavalo-marinho, diz que chegou a frequentar a “casa espírita” que era “liderada” por Barreto (nas casas de xangô e catimbó) no sítio Chã de Camará há décadas. O mestre contou-me ainda que, no tempo de Batista, este fazia em segredo as preparações espirituais para a proteção do cavalo-marinho. Ele diz que não costuma sair para procurar “centro espírita para se defender”, contudo afirma já ter feito uma espécie de limpeza no centro de Pai Mário. Nos últimos anos, frequentou uma igreja evangélica, mas acabou se afastando por conta de críticas de alguns fiéis que não concordavam com seu envolvimento com cavalo-marinho. “Falavam que o brinquedo não é coisa de Deus”, disse. Contou que, para evitar conflitos, só voltará para a igreja quando deixar de ser o mestre do brinquedo. Entretanto, ele me sugeriu que realiza uma espécie de proteção, para ele e para o cavalo-marinho. Esta se processa de maneira semelhante ao “preparo” feito por Zé Duda no maracatu, ou seja, através de conversas e rezas com pessoas ligadas à igreja evangélica.

Eu confio em Deus primeiramente, vou logo pôr atenção em Jesus Cristo para defender eu e o grupo. O cavalo-marinho não faz parte de evangélico e nem faz parte dessa casa de espírito, mas a pessoa se previne. [...] Dá uma limpeza na roda do cavalo-marinho para não chegar aborrecimento, para sair firme e voltar. Porque quando a gente vai brincar nesses lugares, tem uns mestres que trabalham com esses assuntos, [...] aí cada qual faz sua defesa (Mariano Teles).

47Podemos perceber que, para cada sujeito, os arranjos cosmológicos podem operar de maneiras distintas de acordo com diferentes necessidades. Para sua proteção, o mestre do maracatu segue prescrições para fechar o corpo e aciona recursos advindos de seu amigo evangélico. Zé Duda também aponta Deus como seu mestre e comandante. O mestre do cavalo-marinho recorre a Jesus Cristo e, por vezes, às limpezas advindas da “casa espírita” ou de pessoas ligadas à igreja evangélica, para proteção própria e do brinquedo. As práticas rituais, individuais ou coletivas, dos demais brincadores do maracatu e do cavalo-marinho também podem envolver o catolicismo popular, o evangelismo, a umbanda, o candomblé, o catimbó e a jurema. Tais afiliações devocionais são parte de um universo sociocosmológico singularmente constituído. Tal experiência cosmológica operaria pela ligação de cada homem com o sagrado, que se relaciona com outros homens e com o próprio sagrado em sua diferença e hierarquia (Semán, 2001).

48Este universo é marcado pelo pluralismo dado na relação do sujeito com o cosmos, que pressupõe certa diversificação de alternativas devocionais. Tal economia sociocósmica pode implicar diferentes níveis de pertencimentos e trânsitos dados nas experiências e práticas cotidianas (Gomes, 2006). Assim, como havia ressaltado Garrabé (2010), as práticas rituais dos calços no maracatu não são obrigatórias nem condicionais aos brincadores.

49É evidente que tanto a brincadeira de cavalo-marinho quanto o maracatu possuem figuras, objetos, passagens e rituais ligados ao plano sociocósmico. E que, em determinados contextos, também podem funcionar como uma “abertura” para a presença (e atuação) de entidades espirituais. Ademais, parece haver sempre a possibilidade iminente de um brincador fazer um trabalho negativo contra algum brinquedo, mestre ou brincador. Assim, o meio de proteção dos corpos dos brincadores e dos próprios brinquedos também funciona a partir das experiências pessoais de devoção, já que é em função do cumprimento das prescrições de cuidado, proteção e certos rituais ligados às suas filiações sociocosmológicas que seus corpos (ou os próprios brinquedos) podem ou não ser afetados ou invadidos, seja por espíritos, seja por trabalhos negativos, mau-olhado ou a inveja.

Conclusão

50A continuidade da gerência, do cuidado e da proteção do mestre criador dos brinquedos configura uma socialidade que dissolve, em alguma medida, a “diferença entre os componentes humanos e não-humanos do socius” (Viveiros de Castro, 2002: 15), já que embaralha a atuação entre vivos e mortos sobre os brinquedos e brincadores. Tal conceito de socialidade (Strathern, 2006; Wagner, 2010) remete à pluralidade das relações sociais que compõem as pessoas, como se a ação social fosse permeada por um fluxo de relações que, ao mesmo tempo que são externas, constituem as pessoas. São tais relações que importam e que estão no centro dos processos sociais.

51A socialidade estabelecida entre o Cavalo-Marinho Mestre Batista e o Maracatu Estrela de Ouro, dada por ligações de parentesco, solidariedade, afinidade, inimizade, trabalho e na própria dinâmica do brincar, configura-se, inclusive, pelo embaralhamento da atuação entre os vivos e os mortos nos brinquedos. Tal relação de socialidade constitui certa cosmologia onde é possível que o mestre fundador dos brinquedos continue a brincar e influenciar seus brincadores mesmo depois de morto; que o falecido mestre continue a ajudar na administração dos brinquedos e do sítio; e que o espírito do mestre participe do processo de proteção dos brinquedos e brincadores.

52Entendo que as relações sociocosmológicas estabelecidas no cavalo-marinho e no maracatu fazem parte de um universo compartilhado entre os brinquedos, em que não cabe a existência de relações dicotômicas entre ordens como sagrado/ profano ou Deus/Diabo. Na verdade, a produção de significados cosmológicos dos brinquedos, seja nos rituais de proteção, seja no próprio desenrolar do brincar, se configura também em função das plurais experiências devocionais dos brincadores, que remetem a cosmologias diversas.

Topo da página

Bibliografia

ALCURE, Adriana Schneider. 2007. A Zona da Mata é rica de cana e brincadeira: uma etnografia do Mamulengo. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

BENJAMIN, Roberto Emerson Câmara. 1989. Folguedos e Danças de Pernambuco. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife.

BRUSANTIN, Beatriz de Miranda. 2011. Capitães e Mateus: relações sociais e as culturas festivas e de luta dos trabalhadores dos engenhos da Mata Norte de Pernambuco (Comarca de Nazareth – 1870-1888). Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas.

CHAVES, Suiá Omim Arruda C. 2008. Carnaval em terras de caboclo: uma etnografia sobre maracatus de baque solto. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional.

______. 2011. “Carnaval em terras de caboclo: saber e ‘cultura’ no maracatu de baque solto”. Revista Enfoques, 10:91-113.

FEITOSA, José Roberto & TELLES, Maria Otília. 2011. “Maracatus rurais do Recife: entre religiosidade urbano-popular e a espetacularização cultural”. Anais dos Simpósios da ABHR, 12.

GARRABÉ, Laure. 2010. Les rythmes d’une culture populaire: les politiques du sensible dans le maracatu-de-baque-solto, Pernambuco, Brasil. Tese de doutorado, Universidade de Paris III.

GOMES, Edlaine de Campos. 2006. “Família e trajetória individuais em um contexto religioso plural”. In: Luiz Fernando Dias Duarte et al. (org.). Família e religião. Rio de Janeiro: ContraCapa. pp. 113-150.

GRILLO, Maria Ângela de Faria. 2011. “Cavalo-marinho: um folguedo pernambucano”. Esboços, 18(26):138-152.

MURPHY, John Patrick. 2008. Cavalo-marinho pernambucano. Belo Horizonte: Editora UFMG.

OLIVEIRA, Érico José Souza de. 2006. A roda do mundo gira: um olhar etnocenológico sobre a brincadeira do Cavalo Marinho Estrela de Ouro (Condado – Pernambuco). Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia.

SEMÁN, Pablo. 2001. “Cosmológica, holista y relacional: una corriente de la religiosidade popular contemporánea”. Ciencias Sociales y Religión, 3(3):45-74.

SILVA, Severino Vicente. 2005. Festa de caboclo. Recife: Associação Reviva.

______. 2008. Maracatu Estrela de Ouro de Aliança: a saga de uma tradição. Recife: Reviva.

STRATHERN, Marilyn. 2006. O gênero da dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas: Editora Unicamp.

TEIXEIRA, Raquel Dias. 2013. A poética do cavalo-marinho: brincadeira-ritual na Zona da Mata de Pernambuco. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. “O conceito de sociedade em antropologia”. In: ______. A Inconstância da Alma Selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify. pp. 295-316.

WAGNER, Roy. 2010. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify.

Topo da página

Notas

1 A pesquisa foi realizada durante meu mestrado em ciências sociais na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, sob orientação do professor Andrey Cordeiro Ferreira. O texto deste artigo foi elaborado no curso Escrita Acadêmica, ministrado pela professora Eloísa Martín, em meu doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Aproveito para agradecer a professora e aos colegas de curso que revisaram este artigo e fizeram diversas sugestões. Por fim, agradeço a Maria Cristina Martins pela revisão ortográfica e gramatical do texto.

2 O desmantelo é uma categoria usada na região para designar coisas como o descontrole, o erro, o azar, a desagregação. Neste texto, utilizo o itálico para identificar os termos nativos.

3 Músicos que tocam, respectivamente, os instrumentos rabeca, pandeiro, bagé (reco-reco) e mineiro (ganzá).

4 Categoria local que designa os músicos do brinquedo, em referência ao banco onde eles sentam para tocar.

5 O terno costuma ser formado por músicos de percussão, como mineiro (ganzá), tarol (caixa), poica (cuíca), gonguê (agogô) e bombo (surdo); e de sopro, como saxofone, clarinete, pistom e trombone.

6 A dama-do-paço “é uma mulher que deve estar ‘pura’ e ser iniciada na jurema” (Feitosa & Telles, 2011: 6) e/ou umbanda. É quem cuida, prepara e desfila com a calunga.

7 É por cima dos surrões que são colocadas as coloridas e brilhantes golas artesanais dos caboclos de lança.

8 Ivo foi o caboclo de lança do maracatu por muitos anos, e também o mestre caboclo

de 1995 até 1999.

9 As necessidades religiosas eram atendidas por três casas: xangô e catimbó na casa Barreto; jurema na casa de Toré; e jurema-branca na casa de Joaquim Vito (Silva, 2008: 65).

10 Perturbar, neste contexto, pode denotar diversas atitudes durante o brinquedo, como bulinar, implicar, atrapalhar, bater com a bexiga etc

11 Zé de Bibi, José Evangelista de Carvalho, é mestre do Cavalo-Marinho Tira-Teima, criado em 1963 na cidade de Glória de Goitá, Zona da Mata Pernambucana. Ele também foi meu interlocutor no período de trabalho de campo.

12 Zé de Bibi já frequentou terreiros de umbanda e candomblé.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Raquel Dias Teixeira, « Cuidado e proteção em brinquedos de cavalo-marinho e maracatu da Zona da Mata Pernambucana », Anuário Antropológico, II | 2016, 77-94.

Referência eletrónica

Raquel Dias Teixeira, « Cuidado e proteção em brinquedos de cavalo-marinho e maracatu da Zona da Mata Pernambucana », Anuário Antropológico [Online], II | 2016, posto online no dia 15 junho 2018, consultado no dia 21 setembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/aa/2150 ; DOI : 10.4000/aa.2150

Topo da página

Autor

Raquel Dias Teixeira

Raquel Dias Teixeira é pesquisadora do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, instituição vinculada ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, onde realiza pesquisas sobre cultura popular e patrimônio imaterial. Doutoranda em antropologia cultural no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, integra o grupo de pesquisa Núcleo de Cultura Popular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: raquel.diasteixeira@gmail.com.

Topo da página

Direitos de autor

© Anuário Antropológico

Topo da página
  • Logo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)
  • Logo Universidade de Brasilia
  • OpenEdition Journals