Navegação – Mapa do site
Resenhas

JIMENO, Myriam. 2014. Juan Gregorio Palechor: the story of my life

Durham and London. Duke University Press
Jose Arenas Gómez
p. 409-414
Referência(s):

JIMENO, Myriam. 2014. Juan Gregorio Palechor: the story of my life. Durham and London. Duke University Press. 230 pp.

Texto integral

1The story of my life é a tradução do livro Juan Gregorio Palechor: historia de mi vida, publicado originalmente em 2006 num esforço editorial conjunto entre o Consejo Regional Indígena del Cauca (CRIC), na Colômbia, e as universidades do Cauca e Nacional, referências acadêmicas do país. A tradução foi publicada pela editora da Universidade de Duke (Estados Unidos) na série “Latin America in Translation”, tendo agora um prefácio assinado por Joanne Rappaport, antropóloga norte-americana com ampla experiência na pesquisa colaborativa com indígenas na Colômbia.

2O texto é um resultado parcial de uma longa relação acadêmico-colaborativa entre Myriam Jimeno, reconhecida antropóloga colombiana, e Juan Gregorio Palechor, reconhecido líder indígena Yanacona que viveu toda a sua vida no sudeste colombiano, uma região com ocupação maioritariamente indígena e camponesa conhecida como o Cauca. Dividido em três partes, o livro procura mostrar a interação entre as duas pessoas no diálogo e, além delas, a presença de uma terceira pessoa – como aponta a autora em diferentes momentos do texto, a presença do leitor como terceiro sujeito no diálogo foi constante durante as conversações com Palechor. Este diálogo a três vozes converte-se numa das caraterísticas não só da obra em questão, mas da autobiografia enquanto categoria, sendo essa uma das ideias fundamentais que traz a autora na primeira parte do livro.

3Nesta primeira parte, “Narrações, histórias de vida e autobiografias”, Jimeno retoma diferentes trabalhos acadêmicos para refletir sobre o lugar das narrações na pesquisa antropológica e historiográfica. Mostra então que, mesmo quando a narração e a oralidade têm sido uma das principais fontes na pesquisa antropológica, o tratamento que dela tem sido feito é muito diferente. Se, nos inícios do século XX, o interesse nas autobiografias como produto narrativo focava alguns personagens indígenas, associando eles à imagem de “bons selvagens” e lhes outorgando o lugar passivo a serem condenados pela invasão dos brancos, o tratamento das histórias de vida ganhou posteriormente um lugar como ferramenta para explorar os contextos culturais em que a pessoa protagonista está inserida, isto é, família, política, relações intergeracionais, mudança social, relação com o Estado etc.

4De forma similar, o lugar de quem pesquisa e aquele de quem protagoniza a autobiografia passaram por mudanças: de uma tentativa por mostrar a autobiografia como um espaço com uma única voz, passa-se a encará-la como um processo dialógico onde quem pesquisa tem uma agência fundamental: a reflexão de quem protagoniza a autobiografia é incitada, movida e mediada pelas perguntas e pelos interesses de quem pesquisa. Nesse sentido, Jimeno se sente confortável com a ideia sintetizada por Lawrence Watson e Watson-Franke de que a autobiografia é a confluência e a mistura das consciências de quem pesquisa e do sujeito com quem pesquisa (:13).

5Em diversos momentos deste capítulo, Jimeno sublinha que a narrativa autobiográfica, como produto dialógico de pelo menos dois sujeitos, não pode ser encapsulada na diferenciação entre uma realidade em si mesma, uma experiência dessa realidade e uma narração sobre essa experiência, já que narrar é experimentar de novo, sendo assim uma forma de recriar a realidade. Isso permite então explorar não só a interação entre tradições culturais coletivas e a vida de participantes individuais dentro dessas tradições, mas também narrativas que desafiam e desconstroem discursos hegemônicos habitados por figuras heroicas.

6Neste último ponto radica um dos elementos importantes do livro, que, ao mesmo tempo, abre passo à segunda parte, “Juan Gregorio Palechor: entre a comunidade e a nação”. Palechor é uma figura subalterna, não só por ter dedicado sua vida à luta pelos direitos de camponeses e indígenas da Colômbia, mas por ser um indígena que não se encaixa no clássico protótipo; sua gente adoptou o espanhol como língua única muitas gerações atrás, suas festividades não se diferenciam muito daquelas da população geral do país, assim como o grosso dos seus costumes e crenças. Devo aqui abrir um parêntese: em vários momentos do texto aqui resenhado, fica a sensação de que a autora generaliza a situação identitária de Palechor, estendendo-a como um rasgo da “indigenidade” colombiana. Pois bem, ao comparar com o texto original, fica claro que dita sensação deve-se à forma como algumas partes foram traduzidas.

7Se não radica em elementos diacríticos, a diferenciação entre os indígenas da região e a sociedade geral radica nas formas de autorreconhecimento, categoria que abre espaço à autora para apresentar um panorama indígena colombiano, composto, na época da escrita, por 3.4% da população do país, com 87 grupos, 14 famílias linguísticas e 64 línguas. Esta apresentação do panorama indígena colombiano é iluminada pela autora numa das suas fases mais visíveis, a etnicidade. Não é por acaso que ela escolhe esta via argumentativa: primeiro, é uma das suas especialidades e, segundo, falar de Palechor é falar de um processo no qual a identidade indígena aparece no campo das negociações políticas a posteriori, sendo precedida por demandas próprias da questão camponesa.

8Jimeno mostra que, nos anos 70, a luta pelo reconhecimento da identidade e dos direitos indígenas na Colômbia estava envolvida pela luta por uma democracia e pela justiça social num modo geral, num contexto onde as regiões rurais do país eram foco do esquecimento estatal e da violência em múltiplas facetas, incluindo, claro, a desapropriação das terras com aprovação do Estado, já por obra, já por omissão. Nesse sentido, a autora retoma o conceito de “indigenismo” de Alcida Rita Ramos para argumentar que, mesmo quando a questão indígena obteve grande visibilidade e o reconhecimento de direitos básicos na Reforma Constitucional de 1991, esta questão só pode ser entendida como uma arena de negociação, confrontação e troca entre atores sociais (Jimeno, 2014:31).

9Se a questão indígena só pode ser entendida dentro de um panorama maior de negociação entre diferentes atores, para além dos indígenas, o assunto da etnicidade aparece como a forma que toma dita negociação quando se trata de identidade e reconhecimento. Neste contexto, a autora defende que a etnicidade enquanto categoria relacional não depende de uma continuidade cultural toda vez que a identidade pode continuar ainda quando as pessoas percam suas tradições culturais. Pelo contrário, seria manifestada em situações econômicas, sociais e políticas de dominação, marginalização, rejeição e exclusão. Jimeno parte então do fato de que, neste contexto, a identidade étnica se converte em algo contextual e com limites pouco claros, fortalecidos por agentes sociais particulares e sob circunstâncias precisas (:36).

10Essa contextualidade da identidade étnica se converte em um dos fios condutores do livro, já que a fala do Palechor é uma ilustração de como essa identidade indígena aparece e se reconfigura no meio de muitas lutas, paradoxos e tensões. O contexto dado por Jimeno abre também a porta para a terceira parte do texto, aquela que empresta seu nome para batizar o livro. Se nas duas primeiras partes do livro a voz de Jimeno aparece de forma ativa, nesta última parte sua voz é diluída, parecendo invisível, enquanto que a voz de Palechor surge com todo seu protagonismo. Porém, não podemos esquecer que esta fala de Palechor é resultado de um diálogo; são respostas a perguntas que atendem um interesse específico. Nas 100 páginas que seguem, encontramos a fala de alguém curtido na luta, no distanciamento e, em parte, no esquecimento do Estado. Esta fala é de quem tem sob seus pés quilômetros de caminhos percorridos e feridas na língua de tantas vezes reclamar por direitos – os seus e dos que, como ele, têm sofrido múltiplas violências.

11A narrativa de Palechor é a transcrição das suas respostas às perguntas-guia de Jimeno, apresentando sua fala de forma direta, mais como um longo discurso. Por sinal, o mesmo Palechor revisou num primeiro momento a transcrição original feita pela autora, adicionando alguns elementos pontuais. Embora os fatos estejam organizados de forma cronológica, existe uma série de ires e vires internos à narrativa nos quais Palechor retoma elementos às vezes já ditos para reforçar novos fatos contados, ou, onde traz fatos acontecidos a posteriori, para precisar fatos dos quais já falou. Palechor começa sua fala explicando onde e quando nasceu, mas, a seguir, traz para sua narrativa o fato de fazer parte da quinta geração da família Palechor, apresentada por ele como uma família com liderança e protagonismo dentro da comunidade. Os fatos do protagonismo dos ancestrais de Palechor são discutidos por Jimeno em partes anteriores à luz de documentos historiográficos da região, mas independentemente de qualquer inexatidão, o importante na narrativa parece ser contar que, se os Palechor foram protagonistas no passado, Juan Gregorio continuaria o legado sendo protagonista no presente.

12A fala de Palechor mostra seu caminho por diferentes organizações, procurando sempre o reconhecimento de dois direitos fundamentais: o direito à terra e o direito à educação. Palechor se identifica como liberal, principalmente por ensinamento do seu pai, num momento onde a política colombiana dividia-se entre dois partidos políticos: os conservadores, que defendiam posições de direita, e os liberais, que defendiam posições mais de centro e, com algumas particularidades, de centro-esquerda (não confundir o partido liberal colombiano de inícios dos séculos XIX e XX com neoliberalismo ou com o liberalismo econômico da atualidade). A pouca educação que recebeu na escola e no quartel militar (na Colômbia, como no Brasil, é obrigatório prestar serviço militar), somada a seu interesse por aprender, foi suficiente para fazer dele um ávido leitor de jornais, principal fonte do seu conhecimento político e forte formador da sua opinião frente ao país. Sua preocupação pela situação das pessoas da sua localidade, a sua iniciativa e a sua boa oratória foram elementos definitivos para sua consolidação como líder, chegando a ocupar uma posição dentro do governo local como deputado da sua região.

13Sua posição política como indígena começa a se fazer pública após ingressar na Asociación Nacional de Campesinos (ANUC) e, posteriormente, em uma das maiores organizações indígenas surgidas de dita associação: o CRIC. Neste último, ele seria um dos protagonistas do movimento indígena que, da mão de outras organizações sociais, conseguiu que na reforma constitucional de 1991 a Colômbia fosse designada como um país pluriétnico e multicultural com direitos específicos para as comunidades indígenas. Lamentavelmente, Palechor morreu dois anos depois da proclamação da nova constituição e não conseguiu testemunhar as importantes mudanças que seu trabalho ajudou a forjar.

14A fala de Palechor enfatiza sua participação em diversos âmbitos políticos, sublinhando uma e outra vez sua capacidade para aprender coisas inclusive em situações adversas, assim como tensões e decepções que teve nas diferentes organizações nas quais participou. A “história da sua vida” é mais a história da sua vida pública, com poucas menções à sua vida privada, salvo a reiteração de que, apesar de não ter cursado toda a escola, sua família sempre foi cheia de valores e de boa educação. Esta ênfase não é fortuita, pois, como a mesma Jimeno assinala, a fala de Palechor neste livro procura uma audiência não indígena; ela, é em si mesma, um exercício político onde seu reconhecimento como indígena se alimenta da incorporação de diversos discursos, mesmo quando estes podem ser contraditórios.

15Se a autobiografia não é uma novidade na pesquisa antropológica, muito menos quando quem age como protagonista faz parte de um povo indígena, por que é interessante um diálogo com Palechor? Como vimos, Palechor foi um reconhecido líder indígena que, procurando seu caminho, ajudou a traçar o caminho para o reconhecimento dos direitos indígenas na Colômbia. Seu foco narrativo na forma como os ires e vires da política colombiana foram incentivando o crescimento da consciência de ser indígena é interessante em si mesmo; porém, outro elemento transcendental radica no contexto do diálogo entre Jimeno e Palechor. O motivo original da escrita do livro está dado de cara na introdução. Nela, sucinta, mas poderosa, sublinha-se um elemento que não aparece muito claro na fala de Palechor: devido a assuntos de ordem pública na Colômbia de finais de 1970, tempo no qual a guerrilha do M-19 conseguiu dar golpes militares de grande impacto simbólico, o governo colombiano decidiu perseguir tudo aquilo que tivesse alguma ressonância com a esquerda. Um movimento indígena que reclamava seu direito à terra e à educação, que encarava os fazendeiros e usava algumas das formas discursivas da esquerda marxista era percebido como partidário da guerrilha; isto, claro, sob o olhar de um governo de direita que tradicionalmente ostentava o poder naquela Macondo de Gabriel García Márquez. Estas circunstâncias e outras delas derivadas fizeram com que a publicação do livro demorasse quase 20 anos.

16A narrativa de Palechor não fala só do seu lugar como liderança do movimento indígena, liderança baseada, em grande medida, na sua capacidade de mediar entre o mundo indígena e o mundo não indígena. Fala também do movimento em si. Sua voz é nutrida por múltiplos discursos, pois têm sido múltiplas as posições desde as quais o movimento indígena tem se construído. É uma voz que ecoa muitas outras, subalternas todas, e que constrói uma história de mudanças, de tensões e de descontentamentos, mas sobretudo, de ação. É uma história que procura “uma verdade”, multissituada, claro, e que fecha com uma mensagem que pode ser mais um aviso não só para a sua plateia original, mas para os mesmos indígenas: “¿a qué le tengo miedo? A caerme de mis propios pies. No he tenido miedo porque me he confiado de mi trabajo. Cada paso lo he pensado” (Palechor, 2006:192, da versão do livro em espanhol).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Jose Arenas Gómez, « JIMENO, Myriam. 2014. Juan Gregorio Palechor: the story of my life »Anuário Antropológico, II | 2017, 409-414.

Referência eletrónica

Jose Arenas Gómez, « JIMENO, Myriam. 2014. Juan Gregorio Palechor: the story of my life »Anuário Antropológico [Online], II | 2017, posto online no dia 12 junho 2018, consultado o 03 agosto 2020. URL: http://journals.openedition.org/aa/2554

Topo da página

Autor

Jose Arenas Gómez

Antropólogo
josearenas2[at]gmail.com

Topo da página
  • Logo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)
  • Logo Universidade de Brasilia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals