Navegação – Mapa do site
Resenhas

GUERREIRO, Antonio. 2015. Ancestrais e suas sombras: uma etnografia da chefia Kalapalo e seu ritual mortuário

Campinas: Editora da Unicamp. 520 pp.
Túlio S. M. Brandão Diniz
p. 271-274
Referência(s):

GUERREIRO, Antonio. 2015. Ancestrais e suas sombras: uma etnografia da chefia Kalapalo e seu ritual mortuário. Campinas: Editora da Unicamp. 520 pp.

Texto integral

1O livro de Antonio Guerreiro Ancestrais e suas sombras: uma etnografia da chefia Kalapalo e seu ritual mortuário chega como importante contribuição à etnologia ameríndia, em especial à xinguana. Com uma sólida análise da instituição e transmissão da chefia entre os Kalapalo e no Alto Xingu, e uma descrição abrangente e cuidadosa do Egitsü (conhecido popularmente como Quarup), o livro conta também com extrema sensibilidade etnográfica do autor, que contextualiza este povo xinguano e apresenta aos leitores uma narrativa coesa, com informações fundamentais para a compreensão desse mundo outro. O Alto Xingu é conhecido pelo grande público por conta dos grandes rituais como o Quarup e o Jawari, e na literatura ameríndia se destaca como complexo cultural multilíngue, onde diversos grupos coexistem sob um ideal pacifista e dadivoso, apresentam uma continuidade cultural e constituem uma “comunidade moral”. A chefia se destaca como elemento importante na organização social dos povos da região e, diferentemente de abordagens que têm analisado a chefia indígena com foco em poder, autoridade ou hierarquia, Guerreiro problematiza tal concepção e tenta levar ao leitor uma perspectiva mais diversificada sobre o tema, dando especial atenção a como os Kalapalo a entendem em seu universo cosmológico e lidam com ela no cotidiano.

2Comumente os anetü (chefes) são chamados pelos Kalapalo simplesmente como kuge (gente); eles são o modelo de humanidade xinguana e agregam as características imprescindíveis desta posição, como a generosidade, a beleza, o domínio da oratória em suas diversas vertentes, a habilidade na luta e um discurso apaziguador com força para agregar e manter a estabilidade da aldeia e do sistema xinguano. Em um mundo onde existem humanos mais humanos que outros, os anetü são aqueles que mais se aproximam do ideal de pessoa do Alto Xingu.

3Fruto de uma relação iniciada com os Kalapalo ainda na graduação, o livro é uma versão revisada da tese de doutorado de Guerreiro, defendida em 2012 no Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. A longa experiência de campo na aldeia Kalapalo de Aiha no Parque Indígena do Xingu, a oportunidade de acompanhar diferentes fases dos preparativos de quatro Egitsü (2006, 2008, 2010 e 2011), e escolhas narrativas que optam por apresentar diferentes faces da chefia xinguana fazem com que a descrição de Antônio Guerreiro abarque não apenas a chefia e o principal ritual do Xingu, mas muito da complexa dinâmica que os envolve. O autor é hábil em cruzar histórias de diferentes períodos, narrativas coletadas em campo e informações baseadas na bibliografia da região, perfazendo uma introdução cosmológica consistente antes de passar ao ciclo ritual do Egitsü. Sua análise vai desde a história xinguana, onde ressalta como os percursos históricos dos grupos que conhecemos hoje “são misturados”, passa pela mitologia, pelas relações de parentesco, pela constituição dos corpos e das casas, por aspectos relacionados aos discursos rituais dos chefes, à infraestrutura requerida para um ritual dessa magnitude, às redes de trocas envolvidas, para finalmente chegar ao clímax do Egitsü: as lutas e a construção das efígies mortuárias em homenagem aos chefes mortos.

4A obra apresenta análises inovadoras acerca da política e feitiçaria no Alto Xingu. A partir de um trabalho de campo marcado por tensões entre lideranças, muitas mortes entre os Kalapalo, incluindo pessoas de famílias com grande prestígio, e principalmente várias acusações de feitiçaria em torno dessas mortes, o autor nos deixa claro que a grandeza, a beleza e o prestígio dos chefes atraem a inveja de feiticeiros e os tornam os alvos preferenciais da feitiçaria. A chefia não é apenas uma posição de prestígio e liderança, mas pode representar um grande fardo para quem o carrega e para seus familiares. Guerreiro aborda com maestria a questão da transmissão da chefia, o que nela é dado, hereditário, afinal, só é um “chefe verdadeiro” aquele que descende de chefes, idealmente sendo filho de pai e mãe anetü; no entanto, destaca também aspectos do que é construído na chefia, já que nem todo “nobre” chega a ser chefe. A chefia é hereditária, mas não apenas; para se tornar chefe, é necessário fabricar essa humanidade ideal que tem como princípio uma relação com outros chefes. Para se tornar anetü, deve-se ser feito como tal por outro anetü — “o filho de um chefe precisa ser feito por seus ‘não parentes’ ou afins, sempre por meio de processos corporais: reclusão, furação da orelha, enterro, construção de uma casa, homenagem póstuma” (: 307). O árduo treinamento de muitos anos, que inclui longos períodos em reclusão, uso de ornamentos e pinturas corporais específicas, alimentação sujeita a uma série de restrições, com o intuito de construir todo o ethos xinguano naquele corpo, faz com que muitos “fiquem pelo caminho”.

5O chefe tem obrigações bem definidas com o seu povo, já que “deve proteger, educar e nutrir seus filhos, orientando-os com o uso da fala verdadeira (akihekugene), sempre oferecendo peixe e beiju no centro da aldeia e nunca negando nenhum objeto que lhe peçam” (: 168). Um ponto importante da análise trata da dupla faceta presente nos anetü: tanto a de um pai protetor, aquele é o esteio para seu povo, consanguíneo; quanto a de um inimigo aos olhos estrangeiros, predador, afim potencial. Os chefes detêm uma capacidade análoga à dos grandes predadores, como a onça e o gavião, que é a de “atrair pessoas para um ponto de vista específico e mantê-las nele, transformando-as em seus parentes (seus filhos) e em parentes de seus semelhantes” (: 182). Por outro lado, na relação com outros chefes ou estrangeiros, o anetü manifesta sua faceta predadora, que não deve ser visível ao se relacionar com os seus no grupo local. Essa dupla faceta fica nítida nos momentos finais do Egitsü, a luta e a confecção das efígies mortuárias, que sintetizam “os dois aspectos constitutivos da chefia, a capacidade de englobamento pela consanguinidade assimétrica e a capacidade de diferenciação e autonomia ligada à estética predatória” (: 490).

6Muitos elementos nos remetem ao Egitsü como uma espécie de “guerra mal disfarçada” entre anfitriões e convidados, sendo inclusive utilizadas pinturas de guerra, não por opção estética, mas por seu caráter transformativo; de toda forma, como afirma o autor, “a despeito da hostilidade e da necessidade de dramatizar a guerra, o fim do ritual declara que a troca deve prevalecer” (: 478). Guerreiro explora muito bem dimensões diversas do Egitsü; se os Kalapalo afirmam que os principais objetivos do ritual são lembrar o chefe morto e romper a ligação do finado com os parentes para então cessar a dor do luto, o que o autor nos mostra é que o Egitsü vai além: é este também o momento de apresentar aqueles que serão os chefes (substitutos), de estabelecer alianças através dos casamentos, e realizar trocas com parceiros (inclusive os brancos) que são fundamentais na reprodução daquele modo de vida.

7Em uma obra desta densidade, a escolha minuciosa do que entra ou sai do texto final é um trabalho árduo. Se, de um lado, Guerreiro teve uma habilidade ímpar em organizar um grande volume de dados e apresentar os Kalapalo e o Alto Xingu de maneira concisa e bastante vívida, de outro lado, sentimos falta de uma descrição mais aprofundada sobre o aguardado momento da luta durante o ritual do Egitsü; além disso, algumas digressões, que na tese de doutorado não poderiam se ausentar, poderiam ter sido cortadas da edição final do livro. Por exemplo, a discussão sobre a aplicabilidade da noção de “sociedades de casa”, cunhada por Lévi-Strauss, ao contexto xinguano e alguns trechos que fazem comparações com povos ameríndios distantes ou da Melanésia. Apesar de fornecerem possibilidades interessantes para pensar aspectos relativos à chefia, tais explanações por vezes deixaram o texto longo e adicionaram elementos que talvez distanciem um leitor não antropólogo.

8Sem dúvidas, a obra faz jus à proporção do que é o Egitsü e a escrita cria toda uma expectativa sobre os capítulos finais, que tratam do ritual propriamente; ao final, o que surpreende é uma clara ideia que perpassa por todo o livro, a de que grandeza do Egitsü está menos nos poucos dias que ganharam fama internacional através do Quarup, o grande “festival da diversidade indígena brasileira”, e mais em toda a dinâmica grandiosa que o envolve e que está diretamente ligada à chefia e, consequentemente, ao modo de “ser gente” no Alto Xingu. E por que “Ancestrais e suas sombras”? Os grandes chefes que são homenageados no Egitsü e se tornam ancestrais anônimos são modelos inalcançáveis, um patamar que, por mais que os novos anetü se dediquem a alcançar em vida, jamais conseguirão. Não passarão de sombras daqueles que mereceram as maiores honrarias do mundo xinguano.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Túlio S. M. Brandão Diniz, « GUERREIRO, Antonio. 2015. Ancestrais e suas sombras: uma etnografia da chefia Kalapalo e seu ritual mortuário »Anuário Antropológico, II | 2016, 271-274.

Referência eletrónica

Túlio S. M. Brandão Diniz, « GUERREIRO, Antonio. 2015. Ancestrais e suas sombras: uma etnografia da chefia Kalapalo e seu ritual mortuário »Anuário Antropológico [Online], II | 2016, posto online no dia 15 junho 2018, consultado o 07 agosto 2020. URL: http://journals.openedition.org/aa/2650

Topo da página
  • Logo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)
  • Logo Universidade de Brasilia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals