Navegação – Mapa do site
Resenhas

BENTO, Berenice. 2017. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos

Alisson Machado
p. 371-375
Referência(s):

BENTO, Berenice. 2017. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 329 pp.

Texto integral

1Berenice Bento poderia ser uma Alice travesti que não se contenta em atravessar o espelho ou comer um pedaço do bolo para mudar de tamanho. Para ela, pensar o gênero como metáfora de um espelho – como sinônimo de mulheres; ou da diferença cultural entre “homens” e “mulheres” baseada na distinção entre os “sexos” – não basta para destituir os reis e rainhas que insistem em pintar os jardins das mesmas cores e que autorizam que cortem as cabeças (sem metáfora) de nossas populações trans e travestis, diariamente. Da mesma forma, para essa Alice, não basta reproduzir os saberes estrangeiros, distantes demais de nossas realidades precarizadas e purpurinadas. Ela é antropofágica: transa o queer, parindo estudos transviados. Estudos que atentam às realidades brasileiras e latino-americanas, percebendo os resquícios políticos mais cruéis de nosso passado; a saber, nossa herança escravocrata e ditatorial, que ainda conforma o caleidoscópio vivo no qual quem não se adequa às cisheteronormatividades raciais vigentes insiste em viver.

2Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos reúne entrevistas e textos, alguns inéditos, em diversos formatos, que demarcam a atuação intelectual e política de Berenice Bento ao longo dos últimos dez anos. O livro reúne seis tipos de textos: comunicações, entrevistas, artigos de opinião, ensaios, apresentações de livros e resenhas. Conforme a autora, os textos apresentados são formas não de sua produção acadêmica, mas atuações políticas, porque não pode haver separação da teoria e da prática, do gesto e da palavra. Ela recusa identificações coesas, bem como recusa dançar conforme os determinismos acadêmicos, alertando para o quão tentador pode ser “trocar um determinismo (de classe) por outro (de gênero)” (: 23). Esses escritos desfazem os mitos acadêmicos que insistem em prejulgar os estudos transviados, acusando-os de atenção demasiada às agências e às éticas isoladas do corpo e mostram que, para entender esse caleidoscópio, é preciso olhar as interseccionalidades, os cruzamentos dos múltiplos marcadores sociais das diferenças que definem as fronteiras entre o normal e o patológico.

3Em Comunicações, que reúne oito textos apresentados em conferências e seminários nacionais e internacionais, a autora demonstra como o gênero e a sexualidade aparecem nos discursos ocidentais hegemônicos como armas que legitimam guerras internas e externas, asseverando que, para isso, contribui o fato de que “o universalismo científico e o pensamento colonial têm um profundo parentesco” (: 30). O argumento que atravessa essas comunicações é a necessidade de revisão das práticas e silêncios acadêmicos, de desconfiar dos conceitos referenciados na binariedade e na universalidade, bem como das metodologias de pesquisa autocentradas que pouco servem “para entender as fissuras, as diferenças, as exclusões sobrepostas de sujeitos que sempre ficaram fora do projeto de nação” (: 48). Fora dessas fronteiras, habitam @s transviad@s, esses não-sujeitos, corpos tornados abjetos, para cujo viver não há formas de reconhecimento sem luta. Essas ações irrefletidas e naturalizadas contribuem para a manutenção de epistemologias violentas, que reproduzem as invisibilidades e mantêm intactas as estruturas da vergonha e da subalternidade que forjam as subjetividades de quem não quer ou não pode viver ajustado às normas.

4A segunda parte do livro é composta por quatro Entrevistas, duas delas publicadas na Revista do Instituto Humanitas (Unisinos), uma publicada na ÁSKESIS, Revista dos(as) Discentes do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos, e outra concedida a Diego Madi Dias, em 2013, em Paris. Nas Entrevistas, estão localizadas as possibilidades de compreender as reflexões de um percurso teórico e autoral, sem cair nas armadilhas de uma retórica que celebra sua própria individualidade ou que se vê presa a um conceito quando ele pouco parece revelar do mundo social. É o caso do próprio conceito de gênero, quando paralisa as formas de reflexão ou autoriza práticas sociais de manutenção das violências. Aqui, Bento nos faz pensar que é preciso “lutar pela abolição do gênero, esvaziá-lo de seu caráter opressor” (: 155). Nessas respostas, ainda é possível encontrar pistas de quem já fez o caminho: atentar a um olhar sensível às partilhas do Outro, ao cuidado com o texto acadêmico, demasiadamente domesticado (: 142) e compreender possíveis chaves de inteligibilidade, tais como enumera: “1) negação da identidade como uma essência; 2) o combate ao suposto binarismo identitário; 3) a interpretação do corpo como um lugar de combate e disputas” (: 133).

5Os Artigos de opinião reúnem quinze textos menores, publicados em veículos jornalísticos como Correio Brasiliense, Folha de São Paulo, Jornal do Brasil, Jornal de Brasília e nos sites do Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM) e Estado Laico RJ. Esses escritos comprovam as disputas de poder em torno de temas correlacionados ao gênero e à sexualidade. Recebem especial destaque as reflexões sobre as demandas da transcidadania, como os debates públicos sobre identidade de gênero, sobre “o processo transexualizador” no SUS, a PL 72/2007, que dispõe sobre o pré-nome de pessoas transexuais em seus documentos e a falta de legitimidade científica do DSM e dos mecanismos médico-jurídicos que insistem na patologização das transidentidades. Entretanto, como “queer” também diz respeito às sociorealidades mais gerais, são nesses textos que a autora trava batalhas cotidianas com muitos dos pensamentos conservadores e regressistas, em nível nacional e internacional, como o falso projeto de cordialidade à brasileira, a xenofobia contra nordestinos, os crimes contra a humanidade praticados em Israel, o feminicídio, a homofobia e a falsa disjunção “entre violência física e simbólica” (: 202) que atravessa desde a publicidade até a formulação de políticas educacionais cisheterossexualizadas, precárias ou punitivas.

6Os três Ensaios, publicados na Revista Cult entre 2014 e 2015, podem ser lidos de forma conectada como um exercício de reflexão teórico-metodológico. O caso de Verônica Bolina, modelo trans agredida e torturada sob tutela do Estado, em abril de 2015, em São Paulo, comprova que a transfobia e o transfeminicídio fazem parte de uma matriz racional brasileira, ao que ela chama de “heteroterrorismo reiterado” (: 248). Bento afirma que essa matriz é assegurada por posições políticas que revisitam e autorizam os determinismos de raça e classe, afinal, Verônica é negra e mulher trans, vitimada por processos que identificam o feminino como algo poluidor e contaminador que precisa ser constantemente vigiado e controlado.

7Em Apresentações de livros, Bento aprecia os empenhos reflexivos de Leandro Colling (2015), Flávia Teixeira (2013), Arim do Bem (2013), Jorge Leite Júnior (2011) e Larissa Pelúcio (2009), atestando que “o giro decolonial transviado está em pleno curso” (: 254). Em coro, esses(as) autores(as) nacionais conclamam: é preciso olhar o Sul Global, as lesbotransbichas daqui de perto e transviadecer os estudos queer, tal qual faz Bento ao criticar o pensamento individualista de Paul Preciado: “Não basta ser viciada em testosterona. Muito antes da farmacopornografia, nossas trans já faziam dos seus corpos o protocolo de resistência e atualizavam uma estética da existência revolucionária” (: 265). Cada texto, de forma singular, enfatiza alguns aspectos da vida política dos corpos invisibilizados ou tornados abjetos pela norma branca, cis e heterossexual, mas testam também a força dos despossuídos, as agências e resistências cotidianas, o tecido social e suas hierarquias, geridos na e pela experiência sociocorporificada das dissidências. Sem cair nas armadilhas da determinação, a autora dialoga com disciplinas canônicas, como a biologia e as ciências psi, demarcando que as regulações do gênero sempre carregam uma demanda moral, portanto, são formas reguladoras do viver.

8Ao final do volume, nas duas Resenhas, Bento apresenta uma mirada crítica a duas obras publicadas. Inquere os achados empíricos e as reflexões sobre saúde, corpo, AIDS e cultura, de Pedro Gomes Pereira (2014), no livro De corpos e travessias: uma antropologia de corpos e afetos, para argumentar contra as concepções limitantes de um tipo de fabulação científica baseada no fetichismo da objetividade e da neutralidade que se limita apenas a convencer a si mesma de suas próprias formulações. Contra essa teoria-falatório, indica que a pessoa pesquisadora também é xamã, que também realiza a passagem, que se ocupa de um corpo cognoscente frente à experiência partilhada e a empreitada teórica. Ambos realizando um tipo de travessia, cujos caminhos nem sempre são evidentes ou não conduzem a respostas facilmente encontráveis.

9Ao comentar a coletânea de artigos A construção dos corpos: perspectivas feministas, organizada por Cristina Stevens e Tania Swain (2008), Bento compartilha com as autoras a noção de corpo-projeto, devir que sinaliza que “nenhuma identidade sexual e de gênero é absolutamente autônoma, autêntica, original, facilmente assumida ou isolada” (: 329) e ainda descortina alguns limites dessas noções. É na fricção com o pensamento teórico estabelecido, inclusive dentro dos estudos de gênero, que a autora afirma: “Gênero não é a dimensão da cultura por meio da qual o sexo se expressa, conforme afirma Heleieth [Saffioti], pois não existe “sexo” como um dado pré-discursivo” (: 321). Diálogo levado adiante, tessitura em processo, o debate crítico com autoras que são referência dos estudos de gênero no Brasil aponta mais do que uma pluralidade de concepções possíveis, e atesta que somente o exame das certezas estabelecidas pode convergir nas perguntas decisivas frente aos sistemas de saber/poder que normatizam os corpos e das subjetivas humanas.

10A reunião desses textos perfaz reflexões acadêmicas e ativistas tanto necessárias quanto urgentes. Teoria que medita sobre si para tornar críticos os caminhos. Pensamento que propõe brechas analíticas e posturas críticas aos projetos anti-igualitários e colonizadores da modernidade, em seu constante trabalho de assepsia do mundo e de aniquilamento das diferenças. Convite a epistemologias antirrecalque, da desobediência e do barraco, convite maroto às éticas maricas. Políticas de um corpo singular, embora não individualista, mas que se forja nas multidões, nos deslocamentos e às margens. Teoria que desfaz as armadilhas das políticas identitárias coesas, as ilusões dos esquemas analíticos dicotômicos e os imperativos taxativos do mercado autoritário. Caminhos tornados apostas à reflexão/construção de uma democracia cuja condição indispensável é o reconhecimento das diferenças no interior das próprias condições compartilhadas da existência social: projeto este próprio de uma democracia transviada. O livro é um BAFO.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Alisson Machado, « BENTO, Berenice. 2017. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos  »Anuário Antropológico, II | 2018, 371-375.

Referência eletrónica

Alisson Machado, « BENTO, Berenice. 2017. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos  »Anuário Antropológico [Online], II | 2018, posto online no dia 26 maio 2019, consultado o 07 agosto 2020. URL: http://journals.openedition.org/aa/3347

Topo da página
  • Logo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)
  • Logo Universidade de Brasilia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals