Navegación – Mapa del sitio

InicioNúmeros42Resistencias: el sentido comunita...Criar forças é criar Quilombos: b...

Resistencias: el sentido comunitario de las luchas

Criar forças é criar Quilombos: boxeadoras, coletividade tática e ativismo comunitário de jovens negras no Brasil

Antônia Gabriela P. de Araújo

Resúmenes

Este artigo intitulado Criar força1 é criar Quilombos: boxeadoras, coletividade tática e ativismo comunitário de jovens negras no Brasil irá, a partir das reflexões sobre questões de geografias raciais e mulheres negras na diáspora africana, enfatizar a atuação do feminismo de meninas negras e o ativismo comunitário delas nas favelas do Rio de Janeiro, Brasil, através de uma arena de arte marcial, o boxe. As relações de gênero e raça serão discutidas entrelaçadas com questões dos feminismos de periferia, políticas dos esportes e ativismo, uma vez que essas mulheres negras são boxeadoras e atuantes em suas comunidades a partir de suas profissões como atletas. O enredo se faz por meio de situações cotidianas envolvendo essas boxeadoras e seus modos de produzir comunidades, corpos e projetos políticos feministas nas periferias.

Inicio de página

Texto completo

1Esse artigo está estruturado da seguinte forma: na primeira parte faço uma síntese sobre a emancipação feminina das experiências locais de meninas negras da favela da Maré através de suas inserções no boxe, ponto este que se faz crucial para o debate deste artigo seguindo as perspectivas críticas sobre a “valência diferencial dos sexos” onde a mulher é sistematicamente desvalorizada no mundo, na economia e no simbolismo (Héritier, 1996: 205). Em seguida irei discutir o feminismo negro como teorização do estudo, comparando duas importantes feministas afro-latino-americana - Beatriz Nascimento e Audre Lorde; na terceira parte discuto as temáticas em diálogo com as falas das interlocutoras, e com o conceito de memória (Perrot, 1998) e luta me inclino a pensar jovens e força fora do contexto da moral, numa dimensão esportiva; no quarto, fecho apresentando o Projeto Pra Elas e tensionando como a sexualidade e o gênero no boxe podem trazer para o debate a subversão de sistemas de sexo gênero e do ativismo de meninas negras.

2Nesse contexto, me proponho a uma abordagem que inclui discussões de autoras feministas no intuito também de reafirmar a memória histórica do feminismo desde um olhar de uma historiadora afro-brasileira (Beatriz Nascimento) e uma escritora e poeta afro-americana (Audre Lorde). Também irei me referenciar nas pesquisas de Sara Beatriz Guardia (2015), por esta intelectual trazer contribuições no que concerne as mulheres afro-latino-americanas e levar a sério que a história da mulher é um elemento transformador das próprias mulheres, e um passo decisivo para a sua emancipação. Seguindo essa linha dorsal de pensamento, Michelle Perrot (1998) anuncia em sua análise Les femmes ou les silences de l’histoire:

  • 2 Tradução minha do livro Les femmes ou les silences de l’histoire, ver no original: “À l'évidence, l (...)

Evidentemente, a irrupção de uma presença e de uma fala femininas em locais que lhes eram até então proibidos, ou pouco familiares, é uma inovação do século XIX que muda o horizonte sonoro. Subsistem, no entanto, muitas zonas mudas e, no que se refere ao passado, um oceano de silêncio, ligado à partilha desigual dos traços, da memória e, ainda mais, da História, este relato que, por muito tempo, "esqueceu" as mulheres, como se, por serem destinadas à obscuridade da reprodução, inenarrável, elas estivessem fora do tempo, ou ao menos fora do acontecimento2.

3Inicio este artigo enfatizando como jovens meninas negras sofreram estranhamento dos seus corpos em espaços masculinizados, como o boxe. Cenário que revela como o corpo feminino sempre esteve presente em espaços masculinizados e resistiram nestes lugares.

4O boxe, um esporte de arte marcial, assim como outras lutas e o futebol, por muito tempo foi proibido para as jovens meninas, seja nas Olimpíadas, seja no Brasil. Por muitos anos proibiu-se para essas jovens esportes considerados de homens, e “prejudiciais ao corpo feminino”, desde os anos 1940 perdurando até 1979 (Calheiro, 2016). Conforme esta autora, nos anos 1980 as jovens são inseridas oficialmente nestas modalidades esportivas proibidas, ao mesmo tempo que o feminismo se fortalece e se amplia em vários territórios, indicando sua influência nas inserções de gênero nos esportes. Atualmente, as jovens ainda se esbarram com algumas limitações e proibições, mesmo que indiretas, por exemplo, o boxe feminino, quer seja o amador, quer seja o profissional, não tem a mesma quantidade de patrocinadores e profissionais esportistas quanto o masculino.

  • 3 No artigo “Corpos crudos: boxeadoras negras em Cuba e no Brasil” publicado no Jornal Transition (20 (...)

5Em rankings internacionais esta modalidade está entre os três esportes de combate que mais exigem resistência corporal do/a atleta. Conforme vislumbro em artigo anterior 3, evidencia-se o perfil das jovens que atuam no boxe: no Brasil, a seleção nacional de boxe feminino profissional é composta por mais de 80% de jovens autodeclaradas pardas ou negras.

Pensamento feminista no boxe praticado por jovens negras: Beatriz Nascimento e Audre Lorde

6Para compreender noções de raça e gênero no contexto sociocultural, político e territorial abordo teorizações de autoras negras e do feminismo negro, e fundamento-me em duas intelectuais negras, Beatriz Nascimento e Audre Lorde, que, a meu ver se complementam e auxiliam a compreensão destes fenômenos presentes no corpo: corpo força-vital e corpo-sagrado, os quais interpreto como movimento-vida, esse movimento das boxeadoras negras, embebidos de experiências de múltiplas opressões, com raça, classe, sexualidades e territórios, desprezo, dor e ao mesmo tempo prazer.

Beatriz Nascimento

7Para Beatriz Nascimento (1985), historiadora brasileira, nordestina, de Sergipe, a noção do corpo negro é uma extensão contínua do quilombo, da terra – ela segue abordando o assunto da migração, fuga e libertação dos negros com profunda relação com a ideia de que o quilombo, território na qual os negros fugiam para resistir à escravidão, é o próprio corpo negro. Para além de raça e classe, esta autora contribui para pensar a noção de corpo, território e diáspora na atualidade uma vez que entende essas três dimensões interligadas como sendo os rastros de fuga da população negra até os dias atuais (o território corpo e o território comunidade, ambos são lugares de fuga e resistência). Na sua conceituação, o corpo aparece como um local político e, desta forma, coloca essa noção em diálogo com as discussões feministas negras sobre o corpo como portal espiritual-político de resistência. Bem mais profundo no seu estudo é também a noção de corpo através da discussão sobre quilombo, apontando que este espaço geográfico é ao mesmo tempo territorial-físico e corporal/espiritual, por estar ancorado no chão e no corpo. Nesse sentido, quilombo e sua atualização em comunidades e favelas cariocas é a um estado de transmigração do corpo da senzala para a autonomia. Quilombo é um estado de autonomia corporal e comunal, que se vive em comunidade.

8Ao conceituar o quilombo como um espaço de transcendência e aterramento simultaneamente, a autora enquadra o corpo negro como local de autodeterminação – o local espiritual da fuga da opressão e um acampamento de guerra. A noção de enfrentamento à violência está posta nos corpos de jovens negras. Nascimento vislumbra que:

É importante ver que, hoje, o quilombo traz pra gente não mais o território geográfico, mas o território a nível duma simbologia. Nós somos homens. Nós temos direitos ao território, à terra. Várias e várias e várias partes da minha história contam que eu tenho o direito ao espaço que ocupo na nação. (Nascimento, 1985: 19)

  • 4 O pensamento histórico de Beatriz, a partir do território e do corpo, encontra uma síntese audiovis (...)

9Nesta citação Beatriz está envolvida com o argumento de que é no meio, na passagem, isto é, no translado da diáspora entre África e Brasil que sujeitos negros trazem consigo os saberes de suas culturas e territórios e nutrem novas formas de viver e saber. Essas novas formas de viver e pensar são corporais e territoriais, se fazem em comunidade e com senso comunal. E com senso de comunidade, que são os quilombos, os sujeitos criam suas identidades e preservam suas memórias. Beatriz afirma que mesmo que os quilombos fossem extintos em termos históricos e físicos geográficos, ele se transmuta em signo e símbolo. O próprio corpo é a memória do quilombo4.

Audre Lorde

10Na outra extremidade territorial geográfica, inscrita como América Central, a Norte americana, poeta, negra, lésbica e mãe, como se apresenta, Audre Lorde (1979) revela a intersecção dos marcadores sociais e identitários presentes nos corpos de jovens afro-americanas e nos permite perceber a aproximação destes territórios: América latina e Estados Unidos, simbolicamente, através das experiências de jovens negras, internacionalmente corporificadas vivenciando múltipla opressão.

Audre Lorde incorpora os aspectos intelectuais e físicos de sua vida na sua escrita e nos lembra que a metafísica reside em um espaço físico - o corpo. Na sua obra, nota-se que o corpo fala sua própria história. A autora escolhe a linguagem corpórea para articular o que não conseguia expressar em palavras. Ou o que as palavras não conseguem expressar. Como sua prosa, a poesia de Lorde é uma performance do eu corporificado. Assim como muitos de seus ensaios eram originalmente falas, expressões sonoras, vestido de representação, também sua poesia é corpo e emerge de um impulso oral. Mas a oralidade aparece como vida, vida real. Como podemos ver nesse trecho (Lorde : 1978):

Eu sei
que as fronteiras da minha nação ficam
dentro de mim
mas quando vejo filmes antigos
da derradeira libertação de Paris
com tanques franceses retumbando em solo
que é deles de novo
e os idosos franceses aos prantos
chapéus cobrindo os corações
entoando um hino nacional triunfante

Meus olhos se enchem de gotas turvas
que não possuem terra onde cair.

11Para Lorde, tanto falar quanto ouvir são essenciais para sua poesia. E aqui fica evidente o conceito de corpo, trazido por Audre como um corpo que existe como elo entre terra, diáspora e resistência. E assim, a autora conecta sua poesia ao seu corpo através de sua qualidade oral e através de padrões de declarações e imagens que dão forma concreta às questões de raça, gênero, identidade sexual, erotismo e mortalidade.

12Fazendo uma comparação, estas autoras, Beatriz Nascimento e Audre Lorde, aproximam-se, complementam-se e nos remetem ao pensamento africano relacionando culturas africanas e experiências na diáspora, e suas ideias e estudos incorporam a ancestralidade e a cosmovisão africana ao mesmo tempo, em conexão com os corpos e as vidas vividas em contato com o racismo (Calheiro, 2016; Lorde, 1979 e 1983), destacando, jovens, raça e múltipla opressão. As experiências de vida das jovens negras, são, portanto, internacionalmente grafadas nos corpos, simbolizando luta e resistência.

“Para a gente, mulher negra, sempre foi assim; só conseguimos as coisas lutando mesmo5

  • 5 Boxeadora Juci: trechos retirados de Transcrição de Entrevista, p. 25 e 26. Ano 2018.

13A expressão apontada nesse título, é da boxeadora Juci, de 24 anos, que me instigou a refletir a respeito do corpo e experiência, questionando como os corpos dessas jovens são concebidos e (re)feitos em espaços de luta? E de que maneira, o boxe, frequentemente descrito por elas como uma arena racializada, é, também, território de subjetivação e criação de subjetividade?

14As experiências de vida que dão ferramentas para compreender essas interrogações são de 20 boxeadoras negras brasileiras que participaram da pesquisa de campo para tese de doutorado que realizei entre os anos de 2017 a 2020 na favela de Nova Holanda dentro do Complexo da Maré (Rio de Janeiro). Conforme revelam as interlocutoras que participaram das entrevistas semiestruturadas e da pesquisa de campo, de forma quase que unânime, se iniciaram nos treinos de boxe na infância ou pré-adolescência, entre 10 e 12 anos, em suas próprias residências/casas e com homens da família. Introduzindo as noções de trabalho e renda, elas relatam que preferem trabalhar em casa, em rotina que se permite conciliar à prática do boxe. Nesta fala percebe-se a ênfase nos denominados trabalhos de jovens, ao mesmo tempo a imposição de gênero, a relação de classe e racialização. E a preferência, tem a ver com a possibilidade de poder treinar. Estar no boxe.

15As boxeadoras são autônomas, exercendo trabalhos de manicures, em lanchonetes ou bares, vendas de cosméticos e perucarias – onde se implantam, compram e vendem cabelos. Devido seus múltiplos afazeres e as imposições de gênero, não podem sair para treinar todos os dias, e improvisam estruturas nos quintais das suas casas, onde praticam boxe enquanto podem também cuidar dos filhos e realizar atividades domésticas.

16Essa questão, de um lado retrata as tecnologias de gênero no mundo dos esportes (Calheiro, 2016), e de outro, de raça, apontando a interseccionalidade no mundo do boxe das jovens, e dialoga com o feminismo negro, bem como nas conceituações de corporalidades e interseccionalidade no esporte (Calheiro, 2016). Neste artigo intitulado “Interseccionalidade no esporte: reflexões sobre o estudo com as árbitras de futebol e o método corpo-experiência” (Calheiro, 2016), reflete-se sobre a divisão racial e sexual no esporte e o corpo-experiência-interseccional como método, tendo como recorte a esfera futebolística, a partir dos resultados da pesquisa de mestrado da autora Ineildes Calheiro dos Santos, intitulada “As jovens árbitras de futebol: um estudo sobre tecnologias de gênero e perspectivas da divisão sexual do trabalho” (Calheiro, 2016).

  • 6 Boxeadora Carla: trechos retirados de Transcrição de Entrevista, p. 31 e 32. Ano 2018.

17Gênero, raça, sexualidades e classe, atrelados a padrões e aos estereótipos, são categorias que surgem nas falas das boxeadoras, como a da brasileira Carla, de 22 anos, ao revelar por que começou a praticar boxe: “Quando eu era criança as meninas, todas branquinhas, da escola, me chamavam de negra gorda e eu me via como um corpo grande e feio... mas o boxe me ensinou a gostar do meu corpo”6.

18O relato da boxeadora parece evidenciar a noção de racismo internalizado que Audre Lorde descreve no ensaio Eye to Eye: Black Women, Hatred, and Anger (1983) quando questiona o racismo internalizado e o sexismo vivenciado dentro de si mesma, bem como dentro dos outros, das outras. Além de um corpo que carrega uma baixa estima, o trecho enunciado pela boxeadora afirma como incorpora-se o racismo, bem como ilustra a sensação de olhar para si pelos olhos dos outros, de "medir a alma pelos olhos de um mundo que a vê com desprezo e piedade” como descreve W. E. B. Du Bois (1903) sobre a “dupla consciência” do negro na civilização ocidental na sua obra As almas do povo negro.

  • 7 Boxeadora Carla: trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 31 e 32. Ano 2018.

19Foi o discurso racializado e racista de colegas brancas que motivou Carla a fazer boxe, e ela revela uma subjetividade forjada na dupla consciência. “As meninas branquinhas me chamavam de negra gorda” relata Carla7. A boxeadora não é ela mesma o sujeito da oração, e sim as “meninas branquinhas” ao olharem de fora o seu corpo. A interlocutora desse debate é uma representação de um povo e uma categoria de gênero: jovens negras. Nesse sentido, processos de subjetivação das boxeadoras negras são fabricados em situações ordinárias de enfrentamento, como, por exemplo, falar de si, das suas interações e relações com pessoas não-negras.

20Ao ser identificada pela diferença racial, localizada na superfície, na pele, a boxeadora revela como a diferença epidérmica também afeta os processos da produção subjetiva. A diferença racial epidérmica é o significante primário e determinante da relação entre a boxeadora negra e o mundo. A narrativa dessa boxeadora traz à tona vivências individuais de práticas de discursos racializados na infância, que passam a residir na carne como memória, (re) ativada no espaço social do boxe. É “por dentro,” na carne do corpo negro, que se encarna outras formas de ser e habitar o mundo. No entanto, como enfatiza Sueli Carneiro (2000), do mesmo corpo marcado por experiências singulares de exclusão é que parte a afirmação do poder e da ética das jovens negras (Carneiro, 2000: 22).

  • 8 Boxeadora Juci, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 27. Ano 2018.

21Nesse sentido, Beatriz Nascimento e Audre Lorde conjugam o corpo feminino negro como um local e fonte de subjetividade subversiva e convicções políticas e espirituais. O corpo feminino negro como esse lugar de fuga e igualmente de acesso político e espiritual. Nos pensamentos de ambas as intelectuais ativistas, a subjetividade feminina negra transparece em toda sua ambivalência, como um local tanto de aniquilação quanto de potencialidade, uma zona de sofrimento e de agenciamento de resistência. E isso dá sentido a fala da boxeadora Juci, que diz: “para a gente, mulher negra, sempre foi assim; só conseguimos as coisas lutando mesmo8."

  • 9 Seguindo Stuart Hall (2003) a diáspora negra é sobre deslocamentos e fragmentações contínuas dos po (...)

22Nesta fala de denúncia e dor desta boxeadora, com a ideia de força nos corpos, mostra-se luta e resistência como elementos da praticidade da vida e estratégias de sobrevivência das jovens negras, bem como o desamparo do Estado é apresentado. Desta maneira, em parte, esse estudo revela nessas narrativas a aproximação das experiências de vida de jovens negras em várias partes do mundo e, nas quais, há as memórias da escravidão e da diáspora africana9, a diáspora como legado negativado, e no lugar das cicatrizes daquelas que viveram acorrentadas e carimbadas de dominação, as descendentes mostram as expressões de dor grafadas no corpo. Ana, boxeadora, de 26 anos, explica sobre como compreende o seu corpo:

  • 10 Boxeadora Ana; trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 12. Ano 2018.

Eu sempre tive o corpo assim... as pessoas aqui no boxe chamam de corpo crudo, sabe, é um corpo forte. Meu pai e minhas amigas me incentivaram a fazer boxe, me diziam que eu tinha o corpo bom pra isso (...) e eu sempre quis sustentar minha família com o que eu gosto de fazer, e eu gosto de lutar boxe. Acredito que um dia serei uma boxeadora profissional10.

23A força como recurso de sobrevivência. Mas, que força é essa? O termo raçudo, significa “duro”, “grosseiro” e “cru”. Pensando a relação entre força física e corpo duro, isto é, sem sensibilidade, sem afeto, e sendo visto como um dado natural do povo negro. Nos espaços do boxe, contudo, o termo designa um corpo “bom de luta”, mas, quando utilizado em referência aos negros muda-se o sentido, deprecia-se, e em particular em referência às jovens negras ainda soma-se o sentido pejorativo e sexista: são vistas como jovens grosseiras e cruas, ou seja, insensíveis e duras, e obviamente, não-jovens, uma vez que “as tecnologias de gênero” (Calheiro, 2016) instituíram sensibilidade e feminilidade como características das jovens.

24Quando as boxeadoras ressaltam a sua força, vemos que entre elas é conferido orgulho como praticantes de boxe e a força como um dado relevante, mas a fala mostra a assimilação e naturalização dos estereótipos negativos. A vontade de praticar o boxe é associada ao reconhecimento das tensões de estruturas raciais e de gênero que afetam a vida. Relatos das brasileiras vão nessa direção e refletem como a construção de motivações dessas jovens pela prática do boxe se intensificou após elas experienciarem situações de dor: divórcio, pós-parto, desemprego, perda de familiares por violência policial nos seus bairros.

25Nesse sentido, são os seus espaços mais íntimos, suas casas, seus corpos, sua psique e ontologia que são fraturados produzindo aspectos fenomenológicos particulares do corpo negro. Entretanto, por mais que a dimensão ontológica negra seja fabricada nos processos de encarnação de experiências discriminatórias decorrentes de tensões raciais históricas, esses corpos são, também, constituídos por relações coletivas que produzem o sujeito com agenciamentos.

  • 11 Boxeadora Dany, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 02. Ano 2018.

26Dany, boxeadora brasileira, ao descrever as ações do boxe a partir de sua experiência e seu corpo nos leva para as noções de corpo como portal político e espiritual de resistência: “Ataco, esquivo, defendo, bloqueio, permaneço e relaxo. Essas são as sequências que faço todo dia no boxe. Aqui no boxe eu aprendo a criar força no corpo. Vou condicionando-o a ser mais forte com esses exercícios11."

27A fala requer pensar nas culturas africanas ressignificadas fora do continente africano, uma vez que a diáspora tem como importante elemento, novas construções de modos de vida, acima de tudo, para a sobrevivência.

  • 12 Boxeadora Josy, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 15. Ano 2018.

28As boxeadoras brasileiras, por exemplo, falam de “ir criando forças”, o que Josy define como: “é ficar em pé no ringue mesmo depois de muitos socos, é se concentrar e pensar que o corpo não está doendo e que o corpo tem que ficar de pé.12 Embora próximas da igualdade física com o sexo oposto, estão sempre distantes da igualdade social com os homens do boxe. E não alcançam apoio institucional e reconhecimento. Assim sendo, parece óbvio, a força da violência de gênero, a dominação masculina e o androcentrismo nesta modalidade esportiva.

  • 13 Boxeadora Josy, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 15. Ano 2018.

29Diante dessa realidade, submissão e múltipla opressão de gênero retratados em interseccionalidade e retrocessos, as próprias boxeadoras fazem a correlação: “No ringue a gente tem que permanecer forte e firme como na vida, porque são muitos golpes por segundo13. As jovens no boxe trazem a ideia da capacidade das sujeitas de superar os danos causados ao corpo, assim como estes danos pode afetar psíquica e socialmente. Apesar de que, para Josy, boxear é fazer “a força do músculo virar força na mente;” e essa força na mente leva à superação dos seus medos. Assim, expõe como as subjetividades negras são afetadas pelas experiências da diferença racial epidérmica, mas que é “por dentro” que são elaboradas outras formas de ser no mundo. Força e espírito estão envoltos na fisicalidade do corpo, como sugere Jacqui Alexander (2005), espírito é a energia transcendental existente nos corpos negros.

30Quando as boxeadoras expressam “é preciso aprender a levar socos” e dizem “não posso ter medo de levar socos,” estão também no horizonte dos socos das experiências ordinárias de terror policial, violência racial, discriminação e estereotipização. Boxear e ser uma boa boxeadora, é fabricar nos corpos recursos espirituais do enfrentamento e da superação da dor gerada nesses contextos? Essa questão me surgiu no campo metodológico quando acompanhei as boxeadoras em seus percursos e trajetórias no boxe. Para chegar ao espaço do treino, Vera faz um movimento corpo, e diz porque o faz. Ela elabora uma prática corporal, um movimento desviante que chamo de prática do desvio ou da fuga, e segue relatando:

  • 14 Boxeadora Vera: trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 29. Ano 2018.

Vindo da minha casa passo por rua X, ali andam carros, motos, tem gente vendendo tudo, roupas, frutas, drogas, tem até baile funk... A gente vai mudando de caminho o tempo todo, sobe, desce, tira o corpo do meio dos carros, do meio das metralhadoras... até chegar no ginásio de boxe. Mas quando chego lá posso relaxar, meu corpo se sente vivo quando tô boxeando14.

31Além dessas atividades corporais rotineiras, do processo vida, as boxeadoras exercem práticas corporais que criam resistências físico-corporais: caminham horas, fazem tripla jornada no trabalho, cuidam dos filhos, realizam tarefas domésticas. O processo de (re)encarnação das experiências ordinárias no espaço social do boxe ocorre por meio do treinamento habitual dos movimentos do boxe com estímulos sensoriais que vão criando um estado de êxtase. Os treinos são acompanhados por “música negra,” como o rap nacional e internacional, bem como funk que num volume quase ensurdecedor incita o corpo a vibrar ao ritmo do som.

32Os boxeadores e as boxeadoras correm em círculo e começam a entoar gritos que seguem a intensidade da corrida e quando param de correr iniciam sequências de golpes orquestradas pelo treinador. São trinta minutos de movimentos de muita intensidade, potência e resistência corporal, levando o corpo a uma catarse, uma imagem que lembra a de um corpo em estado de possessão espiritual encarnada. O corpo sagrado e consagrado no êxtase, no transe, e os elementos sagrados em meio a cosmovisão africana (Calheiro e Oliveira, 2018). O ginásio de boxe ativa o mundo que habita os corpos das pugilistas; um mundo em que, apesar das agruras, adversidades e aniquilamentos, também habita a potência, a transcendência e a fuga. Há aí a criação no próprio corpo de um artefato: o corpo-quilombo, ou, nas palavras de Joana, o corpo-templo, pois é o próprio corpo que acessa uma referência autônoma encarnada. Com essas evidências podemos estabelecer uma relação analógica entre a experiência corporal das boxeadoras com a experiência da diáspora africana e a noção de corpo como situado na intersecção entre o biológico e o simbólico, território de aniquilamento e de resistência de Nascimento e Lorde.

Pra Elas: como jovens negras acionam coletividades para construir a memória histórica do feminismo

  • 15 Miriam; Trechos de transcrição de entrevista, p. 30, 2018.
  • 16 Raissa Lima; trechos de transcrição de entrevista, p. 08. Ano 2018.

33Em fevereiro de 2019, após uma série de conversas por whatsapp e reuniões presenciais é criado o projeto Pra Elas. Uma iniciativa de meninas boxeadoras voltada para formar e capacitar jovens acima de 30 anos nas artes marciais. O projeto intitulado inicialmente Mulheres de Guerra é pensado por Miriam Alves, Raissa Lima e Jô Mello, todas lutadoras de artes marciais da Nova Holanda, no Complexo da Maré. Intitulado inicialmente com o nome Mulheres de Guerra, o projeto foi gestado por mais de dez meses e criado pelo desejo das boxeadoras em estimular a prática de esportes para jovens com faixa etária de 30 anos ou mais, que não podiam se inserir em outros projetos da comunidade, dedicados somente para jovens de 16 a 29 anos, além desse anseio, Miriam relata que o projeto é feito de jovens para jovens15. Raissa Lima enfatiza que um dos principais objetivos do projeto é o combate ao machismo e a lesbofobia nas artes marciais, bem como a construção de um espaço para jovens além dos 30 anos como modo de contribuir para a autoestima delas16.

34Nas narrativas de ambas as idealizadoras, o anseio de reivindicar os direitos das jovens ressoa na ação de criação do projeto. A ressonância afetiva não somente com outras jovens, mas também com o desejo de criar um ativismo e uma ação política no bairro é um dos motivadores para criação do projeto, isto é, a Consciência de gênero e racial das meninas boxeadoras é ao mesmo tempo motivadora do ativismo comunitário e também território de reivindicação de direitos.

35Em uma das reuniões do projeto em que fui convidada a participar, as três atletas discutiam modos de atender, também, os filhos das jovens que iriam participar das aulas de Boxe, Judô, Muai thay e Jiu jitsu. A demanda surgiu com o perfil social das possíveis participantes: mães, solteiras, trabalhadoras domésticas. Essas jovens não teriam com quem deixar as crianças nos horários de treino e logo não poderiam participar das atividades do projeto. Na tentativa de propor uma solução, me coloquei à disposição para realizar atividades com as crianças, como contação de histórias e atividades recreativas. As atletas acataram a minha sugestão e voluntariado e solicitaram, também, minha ajuda na construção do projeto escrito. Naquela ocasião, a ênfase dada na busca de formas de construção de uma ação política coletiva estava presente nas narrativas das três atletas, tanto na busca de respostas às estruturas machistas patriarcais, quanto na tentativa de responder as demandas de ordem materna das mães participantes do projeto. De modo que, ficou evidente como a produção corporal dessas boxeadoras não se fazia num ato isolado e individual, mas era feita no plano coletivo.

36A busca de um espaço para sediar as aulas e os treinos atrasou o início do projeto que aconteceria em 2018, mas só pode acontecer em fevereiro do ano de 2019, ocasião que não pude estar presente, pois estava de férias na minha cidade natal, Fortaleza. Acompanhei tudo através das redes e do celular, por onde elas me enviaram fotos da abertura da Casa Sede do Projeto e mensagens de satisfação e alegria. A abertura/lançamento do projeto aconteceu com um aulão aberto na praça pública de Nova Holanda e contou com a participação de mais de 50 jovens do bairro. Essas jovens puderam levar seus filhos que ficaram no espaço aberto brincando enquanto elas faziam aulas experimentais das três modalidades de artes marciais. Além disso, as outras duas integrantes, Miriam e Jô, são hoje professores de artes marciais em outros bairros. Como forma de ampliar o campo de atuação das ações individuais e coletivas, essas atletas, especialmente Miriam, dar aulas de boxe somente para jovens no Abraço Campeão, uma Ong do bairro Bonsucesso. Nos interesses do Pra Elas fica em evidência a intenção e a efetivação dos objetivos firmados no início do projeto: promover a autodefesa, autonomia e autoestima de jovens negras como formas de combater a violência doméstica e sexual.

Conclusão

37Por fim, este artigo versando sobre Gênero, corporalidade, coletividade tática, espiritualidade e meninas negras no boxe, trazendo reflexões sobre corpo, gênero, raça e questões políticas da diáspora africana nas Américas, discutiu corpos de jovens negras e como suas práticas corporais voltadas para as experiências de luta são ressignificadas nas arenas de boxe para a vida. As práticas corporais, as vivências e as narrativas das boxeadoras dão caminhos para pensarmos as boxeadoras negras dentro do contexto da subjetividade racializada e refletirmos sobre a produção desses corpos como portal político-espiritual tomando como central as subjetividades femininas negras em sua ambivalência e as discussões feministas negras do corpo negro como local de transcendência e ancoragem. Luta e resistência como fenômenos políticos e que nos liga a historiografia africana.

38Se olharmos para as boxeadoras a partir da perspectiva de corpo quilombo como vislumbrado por Nascimento (1985: 19), fica evidente que essas boxeadoras habitam um mundo em que seus corpos estão sujeitos aos efeitos que, figurativa e literalmente, “cortam a carne,” “fraturam ossos,” “tensionam os músculos” e “penetram as vísceras” dos seus corpos, mas é “por dentro,” no espírito, na memória corporal que se produz conhecimento e se criam outras formas de ser, como o próprio recurso das boxeadoras de criar forças. Essa força como conceito nativo das boxeadoras dá pistas sobre um tipo de autonomia e emancipação das boxeadoras, mas que não se trata de uma força puramente física/material e todavia, carrega a ideia de superação das situações de violência racial. É a força vital, esta força nos corpos de jovens negras é o local espiritual da fuga da múltipla opressão, uma zona segura e potente para a libertação dos corpos. E esse corpo constrói a libertação através e com um tipo de trabalho performativo, no sentido de ser iterativa e investida no projeto de representar algo como os sujeitos imaginam.

39Nesse sentido, o recurso de criar forças expresso nas narrativas das boxeadoras como o desejo de superação, de enfrentamento e autoestima, é o próprio trabalho performativo de criação de um local político e espiritual nos corpos dessas pugilistas, o que mostra como que a vida social negra se faz num processo contínuo e constante de tentativas de se libertar de um aparato ideológico que busca seu apagamento histórico, seja através das tensões de estruturas raciais, dos contextos de violência racial ou das práticas cotidianas de racialização dos corpos, como o estereótipo dos corpos negros tidos como “duros” “grosseiros” e “violentos.”

40A noção de resistência é evidente nas narrativas, que não são soltas, mas embebidas de praticidades. Desta forma, é relevante relacionar com as praticidades na diáspora: violências, resistências e fugas para livrar-se da morte. A questão torna-se evidente quando as interlocutoras falam das técnicas no boxe. Aprender técnicas para “se livrar dos socos” é, antes de tudo, encarnar as mais diversas formas de como recebê-los, uma vez que, a vida delas é marcada de violências interseccionadas. As boxeadoras evidenciaram tensões de raça, classe, gênero e sexualidade na prática de um esporte de combate e em termos de falta de apoio e reconhecimento. Apesar disso, ambas as realidades estão sendo refeitas em, com e através de um corpo/quilombo que ultrapassa a imagem do corpo dilacerado e carregado de dor e expressa sentimentos como “realização,” “superação,” “resistência”, “enfrentamento” e “autoestima”. Por fim, as teorias femininas sobre o corpo e as periferias são evidenciadas como lugares para construção da memória, identidade e a construção de si. Isto é, o corpo biológico, bem como o corpo comunidade se mostram como as pátrias territoriais primeiras para as mulheres que vivem na Diáspora africana, principalmente, para a atuação política dessas jovens meninas boxeadoras no Brasil. Os corpos e os territórios comunitários apareceram como os locais espirituais de fuga e como portais políticos para as pessoas negras que vivem nas favelas do Rio de Janeiro, de modo que meninas negras e periferias se erguem e se (re) criam mutuamente para suportar as injustiças sociais e lutar por memória, identidade e justiça.

Inicio de página

Bibliografía

ALEXANDER, M. Jacqui, Pedagogies of Crossing: Meditations on Feminism, Sexual Politics, Memory, and the Sacred, Durham, Duke University Press, 2006.

ANDERSON, Benedict, Comunidades imaginadas. Reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo, 1º Ed. Companhia das Letras, 2008.

CALHEIRO, Ineildes, As mulheres árbitras de futebol: um estudo sobre tecnologias de gênero e perspectivas da divisão sexual do trabalho, Dissertação (mestrado em Crítica Cultural)-Programa de Pós-graduação em Crítica Cultural. Alagoinhas, Universidade do Estado da Bahia, UNEB, 213f, 2016.

__________, OLIVEIRA, Eduardo David, “A interseccionalidade no esporte: reflexões sobre o estudo com as árbitras de futebol e o método corpo-experiência”, REBEH, Vol. 1 , n° 3,  2018, p. 34-57. Disponível em: <http://www.revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/128/88>

__________, “Força-drible-ginga: ancestralidades, africanidades e corporalidades no esporte na perspectiva interseccional de raça, gênero, classe e sexualidades”, in Luma Nogueira Andrade (Org.), Diversidade Sexual, gêneros e Raça: Diálogos Brasil-África, Realize Editora, Campina Grande-PB, 2019, p. 767-773.

DU BOIS, W. E. B., The Souls of Black Folk, New York, Bantam Classic, 1903.

CARNEIRO, Sueli, “A conferência sobre racismo”, Correio Braziliense, Brasilia, 7 jul. Coluna Opinão, 2000.

GALEANA, Patrícia, História de las Mujeres en México, México, Instituo Nacional de Estudios Históricos de las Revoluciones en México (INEHRM), 2015.

GEORGES, Duby, PERROT Michelle, História de las mujeres, México, Taurus, 5 vol., 2005.

GUARDIA, Sara Beatriz, Mujeres peruanas: el otro lado de la história, 5ª ed. Lima, Cemhal, 2013.

__________, “Desafíos a la história de América Latina”, Civitas, Porto Alegre, Vol. 15, n° 3, jul.-set. 2015, p. e84-e98.

HALL, Stuart, “Pensando a Diáspora (Reflexões Sobre a Terra no Exterior”, in Liv Sovik (org), Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais, Trad. Adelaine La Guardia Resende, Belo Horizonte, Editora UFMG, Brasília, Representação da Unesco no Brasil, 2003.

HÉRITIER, Françoise, Masculin, Féminin. La pensée de la différence, Paris, O. Jacob, 1996.

LORDE, Audre, “Eye to Eye: Black Women, Hatred, and Anger”, Essence, 1983.

__________,”Feminism and Black Liberation: The Great American Disease”, The Black Scholar, 10: 8/9, 1979.

__________, “Poesia Bicentennial”, The Black Unicorn, Part of: Norton Paperback, 1978, p. 36-37.

MORANT, Isabel, (Dir.), História de las mujeres en España y América Latina, Madrid, Cátedra, 4 vol., 2005.

NASCIMENTO, Beatriz,  “A mulher negra e o amor”, Jornal Maioria Falante, nº 17, Fev.-março, 1990.

__________, Arquivo Nacional, Fundo Maria Beatriz Nascimento, Caixas 7, 12, 17, 26, 05 e 08, 1985, 1987.

__________, “O Conceito de Quilombola e a Resistência Afro-Brasileira, Afrodiáspora, ano 6-7 (41–49), 1985.

PERROT, Michelle, Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988.

PERROT, Michelle, Les femmes ou les silences de l’histoire, Paris, Flammarion, 1998.

RIOT-SARCEY, Michèle, Histoire du féminisme, Paris, Ed. La Découverte 2008.

Sovik, Liv (org), Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais; Trad. Adelaine La Guardia Resende, Belo Horizonte, Editora UFMG, Brasília, Representação da Unesco no Brasil, 2003.

Inicio de página

Notas

1 A expressão está em itálico porque é um verbete usado pelas boxeadoras para se referirem ao trabalho de superar e transcender as forças físicas para suportar as opressões e injustiças raciais e de gênero.

2 Tradução minha do livro Les femmes ou les silences de l’histoire, ver no original: “À l'évidence, l'irruption d'une présence et d'une parole féminine dans des lieux qui leur étaient auparavant interdits ou inconnus est une innovation du XIXe siècle qui change l'horizon sonore. Pourtant, de nombreux espaces muets subsistent et, à l'égard du passé, un océan de silence, lié au partage inégal des traces, de la mémoire et, plus encore, de l'Histoire, cette histoire qui, pendant longtemps, a « oublié » les femmes, comme si, parce qu'ils étaient destinés à l'indicible obscurité de la reproduction, ils étaient hors du temps, ou du moins hors de l'événement” (Perrot, 1998: 9).

3 No artigo “Corpos crudos: boxeadoras negras em Cuba e no Brasil” publicado no Jornal Transition (2019) analiso como o marcador racial e étnico é determinante na estatística de atletas brasileiras, principalmente quando se trata de esportes de combate. Ler mais em: <https://www.jstor.org/stable/10.2979/transition.127.1.03>.

4 O pensamento histórico de Beatriz, a partir do território e do corpo, encontra uma síntese audiovisual no filme Orí (1989), dirigido por Raquel Gerber. O documentário narra os movimentos negros brasileiros entre 1977 e 1988, tendo o quilombo como ideia central e a oralidade da historiadora como guia dessa história. 

5 Boxeadora Juci: trechos retirados de Transcrição de Entrevista, p. 25 e 26. Ano 2018.

6 Boxeadora Carla: trechos retirados de Transcrição de Entrevista, p. 31 e 32. Ano 2018.

7 Boxeadora Carla: trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 31 e 32. Ano 2018.

8 Boxeadora Juci, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 27. Ano 2018.

9 Seguindo Stuart Hall (2003) a diáspora negra é sobre deslocamentos e fragmentações contínuas dos povos africanos, isto é, um fenômeno sociocultural e histórico que ocorreu em países além do continente africano devido à imigração forçada, por fins escravagistas mercantis que penduraram da Idade Moderna ao final do século XIX.

10 Boxeadora Ana; trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 12. Ano 2018.

11 Boxeadora Dany, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 02. Ano 2018.

12 Boxeadora Josy, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 15. Ano 2018.

13 Boxeadora Josy, trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 15. Ano 2018.

14 Boxeadora Vera: trechos retirados de Transcrição de entrevista, p. 29. Ano 2018.

15 Miriam; Trechos de transcrição de entrevista, p. 30, 2018.

16 Raissa Lima; trechos de transcrição de entrevista, p. 08. Ano 2018.

Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Antônia Gabriela P. de Araújo, «Criar forças é criar Quilombos: boxeadoras, coletividade tática e ativismo comunitário de jovens negras no Brasil»Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [En línea], 42 | 2021, Publicado el 01 febrero 2022, consultado el 25 mayo 2022. URL: http://journals.openedition.org/alhim/10291; DOI: https://doi.org/10.4000/alhim.10291

Inicio de página

Autor

Antônia Gabriela P. de Araújo

Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional
Afro-brasileira P.hD em Antropologia Social

Inicio de página

Derechos de autor

Licencia Creative Commons
Amérique latine Histoire et Mémoire está distribuido bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.

Inicio de página
  • Logo Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search