Navegación – Mapa del sitio

InicioNúmeros42Historias de luchas: caminos indi...Referência invisibilizada Maria O...

Historias de luchas: caminos individuales

Referência invisibilizada Maria Odília Teiceira, Leodegária de Jesus e Adélia Sampaio

Fabiana Santos Souza, Hellen Stephanye Rosa de Oliveira y Josileide Veras  de Sousa

Resúmenes

O presente artigo é constituído por biografias de mulheres negras de três diferentes áreas de atuação, sendo elas Maria Odília Teixeira, Leodegária de Jesus e Adélia Sampaio. Mulheres essas que são pioneiras em suas respectivas áreas e que, apesar de suas numerosas contribuições, sofreram processo de racismo epistêmico, uma estratégia racista de invisibilizar e negligenciar conhecimento produzido por pessoas negras. Visamos colaborar para que a pluriversalidade de saberes e epistemologias sejam reconhecidas. Possibilitando assim a construção de novos mundos, novas perspectivas de conhecimento e o mais urgente, que é a coexistência de especialistas em diversos assuntos, sendo mulheres negras juntamente com homens negros, mulheres brancas e homens brancos. 

Inicio de página

Texto completo

Introdução

1O presente estudo é uma atitude decolonial urgente, visto que “perturba a tranquilidade e a segurança do sujeito-cidadão moderno e das instituições modernas” (Maldonado-Torres, 2019 apud Bernardino-Costa; Grosfoguel; Maldonado-Torres, 2019: 33). Isso se dá, pois o presente texto reflete e problematiza a invisibilidade consequente da acumulação do “ser negra e ser mulher” cientes de que raça e gênero apesar de serem analiticamente diferentes, atuam conjuntamente na vida de mulheres negras, como afirma Collins (2019: 165). Em vista disso, por meio deste artigo assumimos “uma postura de enfrentamento da opressão para eliminação da situação injusta e equalização de existências em sociedade” (Berth, 2019: 23).

2A fim de “pensar em caminhos de reconstrução das bases sociopolíticas, rompendo concomitantemente com o que está posto” (Berth, 2019: 23) reunimos no presente artigo a biografia resumida de três mulheres de diferentes áreas de atuação, mas que compartilham do silenciamento epistêmico são elas: Adélia Sampaio, Leodegária de Jesus e Maria Odília Teixeira. Todas elas compartilham a interação entre as opressões estruturais oriundas da matriz colonial na qual se constitui o Brasil, interseccionalidades essas que, ao atuarem simultaneamente, revelam a “inseparabilidade estrutural do racismo, capitalismo e cisheteropatriarcado – produtores de avenidas identitárias em que mulheres negras são repetidas vezes atingidas pelo cruzamento e sobreposição de gênero, raça e classe. (Akotirene, 2019: 19).

3Na Faculdade de Letras, da Universidade Federal de Goiás (UFG), temos acesso ao cânone literário composto majoritariamente por homens brancos. Na disciplina Literatura Brasileira estudamos, dentre outros, a poetisa goiana Cora Coralina, contemporânea a Leodegária de Jesus, em contraponto àquela, esta não é apresentada em sala de aula. Contraditoriamente, existe um espaço físico na Faculdade de Letras chamado “Leodegária de Jesus”, e em sua homenagem, recentemente, foi feita uma gigante gravura que a representa. Contudo, continua ausente da grade curricular básica.

4A invisibilidade epistêmica de mulheres negras também acontece na Faculdade de Ciências Sociais, da UFG. Existe uma matriz curricular eurocentrada que utiliza como referenciais básicos e fundantes epistemologias brancas e europeias, em detrimento de outras também existentes. Outrossim, existe a disciplina antropologia visual, que observa diretores do Cinema Novo, como Glauber Rocha, ainda assim no currículo dessa faculdade não existe Adélia Sampaio, por mais que ela também seja atuante nesse mesmo movimento cinematográfico brasileiro.

5Em paralelo, na Faculdade de Medicina, da UFG, existe a disciplina “História da Medicina”, na qual trabalha-se a historiografia da medicina no Brasil, contudo, não se estuda mulheres negras médicas. No ano de 2019, em um congresso na cidade de Salvador, Bahia, em uma mesa sobre “Mulheres na medicina”; uma cientista negra falou sobre a primeira médica na história, Merite Ptá, a qual era uma mulher negra. Entretanto, Merite Ptá não foi citada durante as aulas. Situação que gera o seguinte questionamento: “como uma mulher negra faz parte da história da medicina e a faculdade não nos apresenta”? Merite Ptá foi a primeira médica registrada no mundo, viveu em 2.700 a.C. Em âmbito nacional a pioneira negra foi Maria Odília Teixeira, no entanto, nenhuma das duas estão na ementa da Faculdade de Medicina, da UFG. 

Invisibilidade: estratégia de racismo epistêmico 

6Segundo Sueli Carneiro (2015), o epistemicídio é uma estratégia racista que marca a história do povo negro no Brasil, utilizada inclusive pelo Estado, situação que se reafirma na dificuldade  de acesso e permanência de pessoas negras na educação formal. Carneiro reflete que “uma das heranças da escravidão foi o racismo científico do século XIX, que dotou de suposta cientificidade a divisão da humanidade em raças e estabeleceu hierarquias entre elas, conferindo-lhes estatuto de superioridade ou inferioridade naturais.” (Carneiro, 2015: 16). Além disso, Sueli Carneiro também afirma que esse desprezo aos saberes produzidos pela intelectualidade negra é mais uma estratégia de genocídio da raça.

7Na sociedade brasileira escravista e pós-abolição, a saúde não era um direito previsto para todos, nem moradia, lazer e educação, com isso a expectativa de vida do negro era mínima, algo não tão distante da realidade vivida hoje. Ainda vivemos em condições de vulnerabilidade, com grande índice de desemprego na comunidade negra, pois o “que existe no Brasil é uma divisão racial do trabalho” como constata Gonzalez (2020: 46). Essas condições associadas aos altos índices de mortalidade, inclusive devido ao precário acesso à saúde, somado ao pouco acesso à educação de qualidade, conectado a todas as problemáticas, anteriormente citadas, propiciam a maior evasão escolar e, consequentemente, um menor nível de escolarização do povo negro.

8Importante relembrar acerca de Ruby Nell Bridges Hall, mulher afro-americana, que foi a primeira criança negra a frequentar uma escola primária, William Frantz Public School, em Louisiana, no ano de 1960. No início, alguns pais de alunos protestavam em frente à escola contra o fato da aluna negra frequentar a mesma escola que seus filhos. Durante alguns dias, Ruby foi a única estudante a comparecer na sala de aula. Gradualmente, os protestos foram cessando e os alunos voltaram às aulas, de acordo com Peres (2013). Apesar da pouca idade, essa criança foi pioneira, e estar em um meio científico, não como objeto de estudo, mas sim como sujeito, a expôs a situações racistas. É possível constatar que as dificuldades vivenciadas por Ruby Bridges são embasadas em práticas racistas, que atuam também em Maria Odília Teixeira, Leodegária de Jesus, Adélia Sampaio e ainda reverberam, sob outro corpus, na realidade das estudantes negras no Brasil, apesar da diferença espacial e temporal.

Maria Odília Teixeira

Figura 1: Maria Odília Teixeira com a beca de formatura, 1909.

Figura 1: Maria Odília Teixeira com a beca de formatura, 1909.

Fonte: Faculdade de Medicina, Universidade Federal da Bahia.

Figura 2: Maria Odília Teixeira Lavigne, meados de 1921.

Figura 2: Maria Odília Teixeira Lavigne, meados de 1921.

Fonte: Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb)

  • 1 Faculdade de Medicina da Bahia – Universidade Federal da Bahia (UFBA). Caixa nº. 372, 1909; TEIXEIR (...)

9Quatro anos antes da abolição da escravidão no Brasil, no dia 05 de março de 1884, nasce em São Félix do Paraguaçu, na Bahia1 a mulher que viria a ser a primeira médica negra do país. Filha de José Pereira Teixeira e de Josephina Luiza Palma, o nome dela era Maria Odília Teixeira. Sua mãe chegou a sofrer as atrocidades como mulher escravizada, até ter sua carta de alforria, que já era fortemente reivindicada desde gerações anteriores. Segundo Santos (2019), há poucos relatos acerca de Josephina Palma, o que conduz a biógrafa supõe que talvez isso seja consequência da condição de subjugação imposta ao gênero. O pai de Maria Odília era um homem branco, que apesar de não dispor de grandes riquezas e patrimônios, foi criado por seu tio médico, diplomado ainda em 1837, e influente no Recôncavo Baiano.

10Maria Odília Teixeira alcançou vários feitos inéditos, segundo a sua biógrafa Santos (2019). Visto que ao graduar-se em medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia (FAMEB), no dia 15 de dezembro de 1909, torna-se a primeira médica negra formada na FAMEB; possivelmente a pioneira negra nessa profissão no Brasil; a primeira diplomada do século XX e a primeira médica a defender tese doutoral sobre cirrose alcoólica. Além de tudo isso, foi também a primeira professora negra da Universidade Federal da Bahia (UFBA), lecionando Clínica Obstétrica, e a primeira professora de ciências médicas em âmbito nacional.

11O racismo impede que todos os feitos anteriormente citados sejam de amplo conhecimento público e valorizados, ou seja, a raça e gênero de Maria Odília Teixeira colocam-na no espaço da invisibilidade. Embora de outra forma, o racismo também atuou na vida de sua mãe, pois, conforme Santos (2019), o médico Dr. José Teixeira dizia oficialmente que era solteiro, e não assumiu o seu relacionamento com Dona Josephina Palma, apesar de terem quatro filhos. Presume-se que a família do médico não autorizaria o casamento dele com uma mulher de pele escura, ex-escravizada e, provavelmente, pobre, tornando essa união interracial inadmissível. Sobretudo em um contexto no qual o sistema político-econômico, no Brasil, era o escravagista. Ao completar dez anos de idade, Maria Odília Teixeira viu seu pai casando-se com uma mulher branca, preterindo à sua mãe, a qual era interseccionada pelas “avenidas identitárias” (Akotirene, 2019: 22) da raça e da classe.

12Em memorial escrito pelo Cremeb-Bahia sobre Maria Odília Teixeira, foi entrevistado José Léo Lavigne, filho dela, também médico, o qual afirmou: “Minha mãe, sem nunca ter saído do Brasil, falava cinco línguas fluentemente, e não concebia como os professores ousavam ensinar o português, sem ao menos dominar o grego e o latim”. É importante salientar que a Dra. Maria Odília Teixeira deixou como legado o ensino, a pesquisa e o bom exercício da profissão, com responsabilidade e amor à vida.

13Com isso, inspirou e propiciou o exercício da medicina a um filho, dois netos e quatro bisnetas. Maria Odília enfrentou inclusive os desafios da ditadura do Estado Novo, fase essa após seu casamento em 1921, com Eusínio Gaston Lavigne, com o qual teve dois filhos: José Léo e Gastão Luis. Deixou de exercer a profissão de ginecologista e professora universitária para cuidar da família, embora não houvesse pressão direta de seu marido. Dessarte, essa médica admirável é um exemplo que deve ser reconhecido pelo seu pioneirismo, competência e dedicação. Deve sair da invisibilidade e tornar-se ícone de orgulho para outras mulheres, sendo negras ou não, médicas ou não. Pois, a representatividade de Maria Odília Teixeira está conectada às categorias de gênero, raça e exercício da medicina.

Leodegária de Jesus

Figura 3: Retrato de Leodegária de Jesus, na adolescência.

Figura 3: Retrato de Leodegária de Jesus, na adolescência.

Fonte: foto de registro presente no livro Lavra dos Goiases III: Leodegária de Jesus, organizado por DENÓFRIO, 2009./ Reprodução.

Figura 4: Leodegária Brazília de Jesus.

Figura 4: Leodegária Brazília de Jesus.

Fonte: capa do livro Lavra dos Goiases III: Leodegária de Jesus, organizado por DENÓFRIO, 2009.

14No Brasil, a abolição documental da escravidão aconteceu em 1888, um ano depois, no dia 08 de agosto, em Caldas Novas, Goiás, nasceu a poetisa Leodegária Brazília de Jesus. Filha de um homem negro chamado José Antônio de Jesus – o qual ficou órfão ainda na infância e vivenciou a pobreza desde o nascimento – e de Ana Isolina Furtado Lima de Jesus, uma mulher branca, filha de médico, proprietário de bens e escravaria. Os pais de Leodegária montaram uma escola na cidade de Caldas Novas, e posteriormente montaram uma escola em Jataí, outra cidade também no interior de Goiás. Mudaram-se assim com as três filhas, Leodegária, Zenóbia e Maria Aurora.

15Como supracitado, seu pai ficou órfão e, por isso, foi criado em um seminário católico, devido a isso teve uma educação extremamente rígida e moralista. A qual repetiu na criação das filhas. A educação dela se deu tanto na escola, quanto no âmbito familiar. De acordo com França (2019), Leodegária estudou em colégio “dirigido por religiosas francesas, que transmitiam ‘sólida instrução, requintado e alto nível educacional’. Terminado o curso, com notável aproveitamento [...].” (França, 2019: 22).

16Quando Leodegária tinha sete anos, sua família mudou-se para Rio Verde, outra cidade goiana. Dessa vez, o motivo foi o convite que seu pai recebeu para dirigir um jornal, do Partido Republicano Federal. Inicia-se na vida de Leodegária uma nova fase, repleta de descobertas e, sobretudo, marcada pelo contato intenso com a imprensa. No entanto, mais uma vez seu pai mudou de profissão e de cidade. Dessa vez, ele foi eleito deputado estadual, e em 1898 transferiu-se com toda a família para a capital de Goiás, que naquela época era a cidade de Vila Boa. Com isso, ela é matriculada no tradicional Colégio Sant’Ana, onde conhece a também futura poetisa goiana Anica Peixoto (Cora Coralina).

17A violência do racismo começa oficialmente na juventude de Leodegária, de acordo com o que se tem registrado pela sua biógrafa Darcy Denófrio França (2019). Leodegária de Jesus tentou ingressar para o Lyceu Goyano, um tradicional colégio, restrito à elite branca goiana. Porém, não conseguiu. Seu pai não se conformou com o impedimento à Leodegária, e denunciou a discriminação sofrida, percebendo ele que a raça de sua filha era fato preponderante na decisão dos administradores do Lyceu Goyano. Com isso, o governo federal organizou uma comissão especial para examiná-la, e segundo Denófrio (2019) e França (1996) ela obteve excelente desempenho. 

18Ainda assim, não ingressou no Lyceu Goyano. O resultado saiu somente seis anos após o exame. Em contrapartida, foi convidada a participar do Grêmio Literário Goiano. Destarte, aos 17 anos, em 1906, Leodegária torna-se a primeira mulher em Goiás a publicar um livro literário. Como afirma Denófrio (2019), “para se avaliar a importância de Leodegária de Jesus no estabelecimento de uma tradição literária entre nós, 22 anos depois, quando lançou o seu segundo livro, ainda era ela a única poetisa goiana a publicar obras” (2019: 16).

19O pioneirismo dessa proeminente poetisa foi um marco na literatura goiana, mas o racismo a torna invisível e inaudível. Pois, além de ser marcada pelo gênero, também é marcada pela raça. Outra escritora publica somente vinte e seis anos após Leodegária publicar seu segundo livro. 

Seu ‘reinado’, portanto, prolongou-se por 48 anos [...]. Depois de Leodegária, somente em 1954 Regina Lacerda veio a publicar seu livro Pitanga. Em 1956, Cora Coralina publicou, na cidade de Goiás, um poema, misto de crônica (e não um livro ainda), com apenas duas folhas: ‘O cântico da volta’. (Denófrio, 2019: 16-17)

20Percebemos que Leodegária “inventou em Goiás uma tradição lírica feminina, superando muitas pedras e percalços em busca do direito à voz e a profissionalização literária” (Britto, 2018: 11). Ela torna-se uma ativista literária e dedica toda sua vida à educação. Podemos afirmar que Leodegária era uma feminista avant la lettre, e lutava pela livre expressão das mulheres por meio da literatura. É importante salientarmos que Leodegária de Jesus, foi a primeira mulher a publicar um livro em Goiás, e ela era negra, logo, duplamente pioneira. No entanto, significativa parcela da população goiana não conhece Leodegária de Jesus, e muito menos sua obra e importância.

21Em contrapartida, sua contemporânea Cora Coralina, mulher branca, é a principal poetisa goiana, estudada e pesquisada em diversas teses de pós-graduações e Trabalhos de Conclusão de Curso, homenageada em inúmeros pontos do estado, nomeando monumentos, museu, ruas, avenidas, centro cultural, bairros, e até mesmo pelo Google, no ano de 2017. Ademais, é importantíssima a reflexão feita por Rezende:

Leodegária de Jesus ocupa um lugar na sociedade vilaboense, o lugar de mulher, um lugar que ela conquistou. Mas seu corpo define a ocupação desse lugar. Ela é uma mulher negra, filha de negro, professor, que vem de baixo, seria na atualidade o self-made-man. Sua importância para a literatura goiana, por ser a primeira mulher a publicar livros de poemas, não é reconhecida por muito tempo. (Rezende, 2018: 19)

22A obra de inauguração de Leodegária de Jesus foi Coroa de Lyrios, em 1906, como afirmado anteriormente. Nesse livro, o tema amor é abordado estabelecendo uma dinâmica entre o ser ideológico/amor perfeito e o ser real/sofrimento. É uma observação um tanto platônica do amor, e do mundo ao seu redor, antítese característica no contexto literário em que Leodegária escreve, o romantismo.

Figura 5: Fac-símile de capa da 1ª edição do livro de poesias Coroa de Lyrios, de 1906, de Leodegária de Jesus.

Figura 5: Fac-símile de capa da 1ª edição do livro de poesias Coroa de Lyrios, de 1906, de Leodegária de Jesus.

Fonte: Original pode ser consultado no acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás.

Figura 6: Fac-símile de capa da 1ª edição do livro de poesias Orchideas, de 1928, de Leodegária de Jesus.

Figura 6: Fac-símile de capa da 1ª edição do livro de poesias Orchideas, de 1928, de Leodegária de Jesus.

Fonte: Original pode ser consultado no acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás.

23O livro Coroa de Lyrios (1906) é composto por 30 poemas, sendo, 18 sonetos. Uma obra na qual, segundo Streglio (2016), o eu-lírico busca construir a ideia de um amor ideal, enquanto escapa de sua angústia de existir. Ao publicar, Leodegária foi muito elogiada pela linguagem simples, contudo, foi também severamente criticada por Gastão de Deus, um dos principais críticos literários da época. As críticas se embasaram no excesso de sentimentalismo e de vírgulas. Ainda assim, “ele acreditou que essa poetisa iria se tornar um grande nome no estado de Goiás”, França (1996). Gastão de Deus considerava os poemas de Leodegária imaturos esteticamente e, exacerbadamente sentimentais.

24De acordo com França (1996), Leodegária finaliza sua produção literária com o livro Orchideas (1928). Obra marcada por traços da realidade que vivia, repleta de sofrimento amoroso e intensa relação entre o místico e a poesia. Temos então, um eu-lírico revelando aspectos religiosos, como no poema “Levando a cruz”, vejamos: ”Quando a Jesus cercado de Tortura, /De uma angústia cruel que não se exprime /A cruz levara tão pesada e dura /Em que se devia consumar-se o crime” (De Jesus, 1928: 99). Quanto à estrutura, é basicamente camoniana, pois, segundo Denófrio (2019) e França (1996) Leodegária via em Luís Vaz de Camões uma inspiração, tanto quanto à estrutura de sonetos, quanto ao sentimentalismo. Dos 70 poemas presentes em Orchideas, 52 são sonetos.

25Paralelamente à obra de Leodegária, sua vida foi repleta de sofrimentos também. Pois, seu pai adoeceu da coluna, e com isso, ela e sua irmã mais velha tiveram que assumir as despesas e manutenção da casa. Toda a família se mudou para Araguari, Minas Gerais, a fim de que o pai obtivesse um tratamento de melhor qualidade. Mudaram-se para Uberabinha (atual Uberlândia), e em 1920, seu pai faleceu. Em seguida, Leodegária abriu a escola São José, na mesma cidade de falecimento do pai, e passou por uma fase de intensas dificuldades financeiras, por trabalhar exaustivas horas, para sustentar a mãe.

26Por causa desse período, somente aos 39 anos ela publicou o livro Orchideas (1928). Cinquenta anos depois, com idade já avançada, faleceu Leodegária de Jesus, era dia 12 de julho de 1978, em Belo Horizonte, onde morava. Apesar das estreias e do longo período sendo a única mulher a publicar um livro no estado de Goiás, ainda assim, mais uma vez confirmamos que “gênero inscreve o corpo racializado” (Akotirene, 2019: 28) e essa interseccionalidade é fator determinante para a invisibilização de pioneiras negras.

Adélia Sampaio

Figura 7: Adélia Sampaio, 2019.

Figura 7: Adélia Sampaio, 2019.

Fonte: Isabella Lanave / R.U.A Foto Coletivo / Divulgação.

27Adélia Sampaio nasceu no ano de 1944, na cidade de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, Brasil, onde morou com a irmã e a mãe. Não se tem relatos acerca de seu pai. Um fato muito marcante da biografia de Adélia são as violências praticadas contra ela e sua família, e que estão diretamente ligadas à classe e raça. Dona Guiomar, era como se chamava a mãe de Adélia, e assim como a maior parte das mulheres negras no Brasil, essa mãe solo, teve sua vida marcada pelo trabalho doméstico na casa de uma família branca, em Belo Horizonte. A patroa faleceu. Astuciosamente, a filha da falecida patroa convida dona Guiomar a seguir com o trabalho doméstico agora em sua casa, na capital do Rio de Janeiro, garantindo-lhe moradia também para Adélia e Eliana, que na época eram crianças. Dona Guiomar mal sabia que sofreria um golpe que a afastaria das suas amadas filhas.

Figura 8: Adélia Sampaio ao lado de sua mãe, no Largo do Machado, Rio de Janeiro.

Figura 8: Adélia Sampaio ao lado de sua mãe, no Largo do Machado, Rio de Janeiro.

Fonte: Reprodução /Rodinistzky.

28Ao chegar à capital fluminense, em meados de 1948, Adélia e sua irmã foram levadas para um orfanato, sem o consentimento de dona Guiomar. Somente seis meses depois é que a mãe conseguiu visitá-las, durante todo esse tempo ficaram separadas. Em seguida, a patroa envia Adélia Sampaio para um orfanato em Santa Luzia, Minas Gerais, e ao ser questionada, responde à mãe da menina “não se preocupe que pelo menos agora ela tá em Minas, vocês não são de Minas?”. Mais uma vez mãe e filha foram separadas. Durante sete anos sua mãe ficou trabalhando para pagar o orfanato onde a patroa tinha colocado Adélia, e somente após esses sete anos conseguiu juntar dinheiro e tirar férias para ir buscar a filha.

29Ainda no Rio de Janeiro, aos 13 anos Adélia foi morar com sua irmã, a qual trabalhava em uma loja de venda de filmes russos. Foi essa irmã, Eliana, que a convidou e a levou para assistir um filme pela primeira vez. Era lançamento, no Brasil, de “Ivan, o terrível”, produzido e dirigido por Sergei Eisenstein, em 1944, a exibição foi no cinema no Metro Passeio, no Rio de Janeiro. Adélia em entrevista concedida à Isabella Lanave (2017), jornalista da Revista Trip, afirmou: “Eu tremia. Eu fiquei apavorada, o que é isso? Eu quero fazer isso! Foi o único sentimento que eu consegui expressar na hora”.

  • 2 Cinema Novo foi um movimento cinematográfico brasileiro, que visava apresentar um cinema com a esté (...)

30Nessa mesma época, começou a trabalhar em lojas, comércios variados e magazines. Até que aos 16 anos inicia seu primeiro trabalho no cinema. Como telefonista na DiFilm, distribuidora ligada ao Cinema Novo2, estabeleceu contato com vários cineastas conhecidos como Carlos Barreto e Joaquim Pedro de Andrade. Não muito tempo depois, ela começou a cuidar do cineclube da empresa. Adélia Sampaio trabalhou em diversas funções, como maquiadora, continuísta, câmera, montadora e afirmava que seria diretora. Em entrevista concedida à Juliana Gonçalves e Renata Martins, afirmou: “cinema é, sem dúvida, uma arte elitista, aí chega uma preta, filha de empregada doméstica e diz que vai chegar à direção, claro que foi difícil! Até porque me dividia entre fazer cinema e criar meus dois filhos.” (Gonçalves, 2016).

31Adélia cuidava dos dois filhos sozinha, pois seu companheiro estava preso, por causa da ditadura militar, e além de ser preso político, ele estava sendo torturado. Ela afirmava que trabalhar na Difilm, exercitar o cinema e criar os dois filhos não era fácil, mas desistir não estava entre seus planos. Ela conheceu seu companheiro Pedro Porfírio em 1962, recém-chegado de Cuba, onde trabalhava como editor da Rádio Havana. Pedro trabalhava no Brasil como repórter do Jornal Última hora, e fez entrevista com Cobbett, sobre importação e exportação de filmes russos. Cobbett Willian era cônjuge da irmã de Adélia, a mesma Eliana que a levou ao cinema, quando esta tinha 13 anos. Assim os dois se conheceram.

32Logo depois, Pedro Porfírio convidou Adélia para conhecer onde os jornais eram impressos, eles começaram a namorar, e no dia 21 de junho de 1963 casaram no âmbito civil, e depois na igreja, ela tinha 18 anos. Adélia passou por muitas dificuldades ao longo do tempo, morou com sua mãe até alugar um apartamento. Sua irmã a ajudava bastante. Adélia Sampaio estava grávida de oito meses em junho de 1964, e durante uma abordagem policial, que ela sofreu durante uma manifestação contra a ditadura militar, um cassetete de borracha atingiu seu abdômen e seu primeiro filho veio a óbito. Alguns anos depois, tiveram dois filhos, Vladimir que nasceu em 1965, e Geórgia Melina, em 1968.

Figura 9: Adélia Sampaio.

Figura 9: Adélia Sampaio.

Fonte: Isabella Lanave / R.U.A Foto Coletivo / Divulgação.

33Adélia e Porfírio chegaram a trabalhar na Revista Chuvisco, a qual se tornou uma referência para o jornalismo. Em meados de 1964, a partir de uma cisão do Partido Comunista, nasceu o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8), no qual Porfírio ingressou, e no qual estava quando ocorreu a cisão também do seu casamento. Nesse mesmo contexto, Adélia Sampaio sofreu violência policial, novamente, foi agredida, machucada com cigarros acesos, presa e, após uma noite de prisão, liberta. Mediante isso, a empresa DiFilm foi pressionada a demiti-la, mas o responsável não o fez, afirma Lanave (2017).

34O amor de Adélia pelo cinema fez com que desejasse ser diretora. Contudo, um fator impeditivo marcou sua trajetória: ser mulher. O cargo lhe foi negado. Baseados em machismo e sexismo, afirmaram que ela não seria respeitada pelos homens da equipe elétrica e da maquinaria. Ainda assim, Adélia não desistiu, apesar da rejeição marcada pelo gênero, ela se tornou diretora de produção. Em entrevista à Lanave (2017), a própria Adélia afirma que foi uma diretora e produtora muito exigente. A rigidez foi uma estratégia de resistência e sobrevivência que essa admirável mulher encontrou para ser respeitada. Com isso, preparou aqueles homens e mulheres em sua maioria negros e negras, para níveis de exigência altos, tornando-os mais técnicos e mais amadurecidos intelectualmente. Com o filme “A Cartomante” (1974), dirigido e roteirizado por Marcos Farias, Adélia Sampaio inicia a sequência de 72 filmes que iria produzir, até chegar a dirigir seu primeiro filme.

35Sampaio também trabalhou no filme “O coronel e o lobisomem”, em (1979), dirigido por Alcino Diniz. Antes mesmo de iniciar o filme, Diniz não queria Adélia Sampaio no set, porque a equipe ali era só de homens, entretanto, ela se fez necessária e presente. Adélia já trabalhava de modo diferenciado, preocupando se com a saúde física e mental de sua equipe. Sampaio, sendo líder naturalmente, organizou uma manifestação junto à equipe e desligou a chave de luz, em protesto à irregularidade quanto ao horário de almoço da equipe. O diretor Diniz irritado com a atitude perguntou “Você é louca?”. Desafiando aquele homem branco, para essa fala machista, sua resposta foi “Não sou louca! Todos nós necessitamos da hora de almoço!”. A partir daquele dia, Adélia foi reconhecida por seus colegas, que em sua maioria eram negros, como “A Rainha da Pesada”.

36Em 1978, decidiu sair da Difilm e abriu sua própria produtora, registrada como A.F. Produções Artísticas. Contudo, a primeira produção feita por sua empresa foi em 1980, o qual discutia transexualidade, era um longa-metragem intitulado “Ele, ela, quem?”. Seus filmes tinham uma história por trás, discutia sobre a sexualidade, suicídio e os momentos que o Brasil estava vivenciando. Um olhar totalmente diferente de outros cineastas brasileiros daquela época. A resistência marca sua trajetória. Adélia contribuiu imensamente no Cinema Novo, que era um cinema de resistência, politizado, que buscava retratar as mazelas sociais presentes no país. Em 1979 dirigiu seu primeiro curta-metragem, intitulado “Denúncia Vazia”.

37E no ano de 1984, Adélia lança nos cinemas o filme “Amor Maldito”, tornando-se a primeira mulher negra e lésbica a estrear como diretora de um longa-metragem. Além de todo o pioneirismo de Adélia Sampaio por si só, esse longa também inaugurou a temática lésbica nas produções fílmicas. Foi baseado em uma história real, acontecida no Rio de Janeiro, e em seu enredo retrata o pensamento homofóbico de significativa parcela da sociedade, e do Poder Judiciário, o qual na época ainda tomava suas decisões a partir do moralismo.

38Considerando-se a conjuntura política que era de ditadura militar, essa produção cinematográfica foi rotulada pelas autoridades como de baixa qualidade formal, moral e material. Situação esta que conduziu a não aceitação deste filme por parte da maioria dos cinemas do Rio de Janeiro. O único cinema que aceitou, condicionou. Exigiu que fosse associado à pornochanchada, um estilo de filmes próximo às produções pornográficas, e que estava no auge da aceitação dos principais frequentadores dos cinemas, ou seja, o público masculino. Adélia Sampaio aceitou, pois entendeu que era somente uma estratégia de marketing.

39Ademais, Sampaio dirigiu o documentário Fugindo do passado: um drink para tetéia e história banal”, em 1987 e codirigiu o filme AI-5: o dia que não existiu”, em 2004. Sampaio atualmente está com 77 anos, mora no Rio de Janeiro, continua produzindo roteiros cinematográficos e espetáculos para o teatro. E apesar de todo o pioneirismo e de toda a contribuição riquíssima que deu para o cinema brasileiro, ainda assim, encontra-se invisibilizada. Sobretudo quando se pensa em Cinema Novo, ao pensarmos nos “grandes nomes” nos lembramos imediatamente de Glauber Rocha e Nelson Pereira dos Santos, mas, não associamos diretamente à Adélia Sampaio. Em entrevista concedida à Santiago (2020), da Revista UOL, na Coluna TAB, ao ser questionada sobre a “amnésia da indústria audiovisual” quanto à sua filmografia, a própria Adélia Sampaio responde que “deve ser porque eu sou preta, né?”.

Considerações finais

40Ainda nesse sentido, Grada Kilomba (2019: 36) afirma que o processo psíquico de negação como defesa do ego constitui a criação do “Outra/o”, como antagonista do “eu (self)”. Em sua tese de doutorado, que se tornou o livro “Memórias de plantação: episódios de um racismo cotidiano”, Kilomba embasa de que modo psiquicamente o sujeito negro torna-se “o outro” do sujeito branco. A situação agrava quando pensamos a situação da mulher negra, visto que, como Kilomba afirma (2019: 190) a mulher negra é “o outro do outro”.

Mulheres negras, por não serem nem brancas nem homens, passam a ocupar uma posição muito difícil dentro de uma sociedade patriarcal de supremacia branca. Nós representamos um tipo de ausência dupla, uma Outridade dupla, pois somos a antítese tanto da branquitude quanto da masculinidade. (Kilomba, 2019: 190, grifos da autora)

41A decolonialidade é “uma luta viva no meio de visões e maneiras competitivas de experienciar o tempo, o espaço e outras visões” (Maldonado Torres, 2019 apud Bernardino-Costa; Grosfoguel; Maldonado-Torres, 2019: 29). Sendo assim, uma das atitudes para produzir um giro decolonial centra-se na possibilidade de ampliar os espaços do ser, saber e poder. Ou seja, a mulher negra deve ter os seus saberes reconhecidos e valorizados, assim como o seu ser e, ressignificar o espaço de poder. Maria Odília Teixeira, Leodegária de Jesus e Adélia Sampaio podem ter vivido em épocas diferentes, mas como mulheres negras e pioneiras em suas áreas de atuação, compartilham do racismo epistêmico. Portanto, este presente estudo visa colaborar com a descolonização do saber, trazendo um pouco do legado dessas importantíssimas mulheres, intelectuais, negras e suas resistências. Revisitando Gonzalez (2020: 96) “é nesse sentido que o racismo, enquanto articulação ideológica e conjunto de práticas, denota sua eficácia estrutural”, acarretando em processos de invisibilização, que são fundamentados em critérios de raça e gênero.

Inicio de página

Bibliografía

AKOTIRENE, Carla, Interseccionalidade, São Paulo, Sueli Carneiro, Pólen, 2019. 

BERNARDINO-COSTA, Joaze, MALDONADO-TORRES, Nelson e GROSFOGUEL, Ramón, Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico, Belo Horizonte, Autêntica, 2019.

BERTH, Joice, Empoderamento, São Paulo, Sueli Carneiro, Pólen, 2019.

BRITTO, Clóvis Carvalho, “Lavra dos Goiases”: Darcy França Denófrio e a arqueologia da lírica de autoria feminina”, Revista UEG, Vol. 10, nº 2, 2018, <https://www.revista.ueg.br/index.php/revelli/article/view/7856>.

CARNEIRO, Sueli, Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil, São Paulo, Selo Negro, 2015.

COLLINS, Patricia Hill, “Epistemologia feminista negra”, in BERNARDINO-COSTA, Joaze, MALDONADO-TORRES, Nelson e GROSFOGUEL, Ramón (org.), Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico, Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2019.

CREMEB, Dia da mulher: conheça Maria Odília, primeira médica brasileira, Reportagem publicada dia 08 de setembro de 2019, no site do Conselho Regional de Medicina da Bahia – Cremeb. <http://www.cremeb.org.br/index.php/noticias/dia-da-mulher-conheca-maria-odilia-teixeira-a-primeira-medica-negra-do-brasil/>.

DENÓFRIO, Darcy França, Lavra dos Goiases III-Leodegária de Jesus, Goiânia, Cânone Editorial, Livraria Leodegária, 2019.

DE JESUS, Leodegária de, Coroa de Lyrios, Campinas, Editora Azul, 1928.

FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA, Maria Odília Teixeira, Salvador, <http://www.fameb.ufba.br/filebrowser/download/103>, 13 maio 2020.

FRANÇA, Basileu Toledo, Poetisa Leodegária de Jesus, Goiânia, Gráfica e Editora Kelps, 1996.

GONÇALVES, Juliana e MARTINS Renata, Adélia Sampaio, diretora negra que marcou o cinema nacional, Reportagem publicada dia 16 de março de 2016, no site Mulher no Cinema. <https://mulhernocinema.com/para-ler/conheca-adelia-sampaio-diretora-negra-que-marcou-o-cinema-nacional/>.

GONZALES, Lélia, Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos, org. Flávia Rios; Márcia Lima, Rio de Janeiro, Zahar, 2020.

KILOMBA, Grada, Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano, Rio de Janeiro, Editora Cobogó, 2019.

LANAVE, Isabella, A saga de uma mulher negra no cinema, Reportagem publicada dia 07 de julho de 2017, no site da Revista Trip. < https://revistatrip.uol.com.br/tpm/adelia-sampaio-a-primeira-mulher-negra-a-dirigir-um-longa-metragem-no-brasil>.

PERES, Elena Pajaro, A pequena Bridges e seu grande feito, São Paulo, Sankofa, Vol. 6, n° 11, 2013, p. 119.

REZENDE, Tania Ferreira, A semiótica dos corpos na literatura goiana: o corpo negro de Leodegária de Jesus, Artigo publicado em Revista UEG, Vol. 8, nº 1, 2018, < https://www.revista.ueg.br/index.php/revistapluraisvirtual/article/view/9177>

SANTOS, Mayara Priscilla de Jesus dos, Maria Odília Teixeira: a primeira médica negra da Faculdade de Medicina da Bahia (1884-1937), Dissertação (Doutorado em História Social) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

SANTIAGO, Henrique, “No cinema se faz denúncia”: aos 75 anos, a cineasta negra Adélia Sampaio conta como ainda é desafiador trabalhar e viver no Brasil, Reportagem publicada dia 24 de novembro de 2020 no site da TAB UOL. < https://tab.uol.com.br/edicao/adelia-sampaio/>.

STREGLIO, Cosme e DE FÁTIMA LIMA, Maria, O olhar poético de Leodegária na poesia goiana, Centro Científico Conhecer, Enciclopedia Biosfera, Jandaiaa-GO, Vol. 13, n° 23, 2016.

Inicio de página

Notas

1 Faculdade de Medicina da Bahia – Universidade Federal da Bahia (UFBA). Caixa nº. 372, 1909; TEIXEIRA, 1909. O documento que possui histórico, data de entrega do diploma e informações acerca de Maria Odília Teixeira encontram-se na Bibliotheca Gonçalo Muniz, na Faculdade de Medicina, na Praça da Sé, em Salvador, Bahia, Brasil. A biógrafa Santos (2019) acessou esses documentos para desenvolver sua tese de mestrado, a qual é fonte para o presente artigo.

2 Cinema Novo foi um movimento cinematográfico brasileiro, que visava apresentar um cinema com a estética do Brasil. Foi considerado subversivo. Dentre outras “subversões” esse foi o primeiro momento em que negros foram contratados como atores, até então, o costume era fazer Black Face, ou seja, pintar atores brancos para representarem negros. Os filmes produzidos nesse movimento foram proibidos durante a ditadura.

Inicio de página

Índice de ilustraciones

Título Figura 1: Maria Odília Teixeira com a beca de formatura, 1909.
Leyenda Fonte: Faculdade de Medicina, Universidade Federal da Bahia.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-1.jpg
Ficheros image/jpeg, 8,0k
Título Figura 2: Maria Odília Teixeira Lavigne, meados de 1921.
Leyenda Fonte: Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb)
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-2.jpg
Ficheros image/jpeg, 8,0k
Título Figura 3: Retrato de Leodegária de Jesus, na adolescência.
Leyenda Fonte: foto de registro presente no livro Lavra dos Goiases III: Leodegária de Jesus, organizado por DENÓFRIO, 2009./ Reprodução.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-3.jpg
Ficheros image/jpeg, 24k
Título Figura 4: Leodegária Brazília de Jesus.
Leyenda Fonte: capa do livro Lavra dos Goiases III: Leodegária de Jesus, organizado por DENÓFRIO, 2009.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-4.jpg
Ficheros image/jpeg, 84k
Título Figura 5: Fac-símile de capa da 1ª edição do livro de poesias Coroa de Lyrios, de 1906, de Leodegária de Jesus.
Leyenda Fonte: Original pode ser consultado no acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-5.jpg
Ficheros image/jpeg, 144k
Título Figura 6: Fac-símile de capa da 1ª edição do livro de poesias Orchideas, de 1928, de Leodegária de Jesus.
Leyenda Fonte: Original pode ser consultado no acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-6.jpg
Ficheros image/jpeg, 36k
Título Figura 7: Adélia Sampaio, 2019.
Leyenda Fonte: Isabella Lanave / R.U.A Foto Coletivo / Divulgação.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-7.jpg
Ficheros image/jpeg, 108k
Título Figura 8: Adélia Sampaio ao lado de sua mãe, no Largo do Machado, Rio de Janeiro.
Leyenda Fonte: Reprodução /Rodinistzky.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-8.jpg
Ficheros image/jpeg, 52k
Título Figura 9: Adélia Sampaio.
Leyenda Fonte: Isabella Lanave / R.U.A Foto Coletivo / Divulgação.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10383/img-9.jpg
Ficheros image/jpeg, 63k
Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Fabiana Santos Souza, Hellen Stephanye Rosa de Oliveira y Josileide Veras  de Sousa, «Referência invisibilizada Maria Odília Teiceira, Leodegária de Jesus e Adélia Sampaio »Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [En línea], 42 | 2021, Publicado el 02 febrero 2022, consultado el 25 mayo 2022. URL: http://journals.openedition.org/alhim/10383; DOI: https://doi.org/10.4000/alhim.10383

Inicio de página

Autores

Fabiana Santos Souza

Universidade Federal de Goiás (Brasil)
Graduanda em Letras – Português, na Universidade Federal de Goiás (UFG; Curriculum lattes: http://lattes.cnpq.br/6924110270922605profabisantos@outlook.com

Hellen Stephanye Rosa de Oliveira

Universidade Federal de Goiás (Brasil)
Graduanda em Medicina, na Universidade Federal de Goiás (UFG. Curriculum lattes: http://lattes.cnpq.br/6313998101233225hellenstephanyerosadeoliveira@gmail.com

Josileide Veras  de Sousa

Universidade Federal de Goiás (Brasil)
Graduanda em Ciências Sociais – Políticas Públicas, na Universidade Federal de Goiás (UFG). Curriculum lattes: http://lattes.cnpq.br/3975858660184174josileideveras@outlook.com

Inicio de página

Derechos de autor

Licencia Creative Commons
Amérique latine Histoire et Mémoire está distribuido bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.

Inicio de página
  • Logo Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search