Navegación – Mapa del sitio

InicioNúmeros42Historias de luchas: caminos indi...Nossos passos vêm de longe: Almer...

Historias de luchas: caminos individuales

Nossos passos vêm de longe: Almerinda Farias Gama e o ativismo político de uma mulher negra na construção da luta feminista brasileira

Patrícia Cibele Tenório

Resúmenes

Este artigo tem como objeto analisar as múltiplas frentes de atuação política de Almerinda Farias Gama (1899-199), sufragista e feminista negra que teve papel fundamental na construção da emancipação política feminina no Brasil, em especial nos anos de 1930. Embora as conquistas políticas das mulheres brasileiras sejam constantemente creditadas unicamente à luta de um grupo específico, sufragistas brancas e pertencentes a famílias abastadas, trajetórias como as de Almerinda fazem emergir a presença de mulheres negras e integrantes da classe trabalhadora assalariada no palco dos acontecimentos históricos que levaram à obtenção dos direitos políticos femininos. Detentora de uma enorme energia política, Almerinda diversificou sua militância para além do movimento organizado de mulheres. Ela esteve a frente do associativismo proposto pela Ala Moça do Brasil, participou da fundação do Partido Socialista Proletário do Brasil (PSPB), e também foi uma militante combativa no movimento sindical no Rio de Janeiro, no contexto dos primeiros anos de governo do presidente Getúlio Vargas. Sua competência, entusiasmo e capacidade de reinvindicação, fazem de Almerinda um farol que ilumina os passos de uma nova geração de mulheres negras brasileiras que disputam os espaços institucionais de poder.

Inicio de página

Texto completo

“Eu me levanto

Trazendo as dádivas que meus ancestrais me deram”

Maya Angelou, Poesia completa,

Nova York, Random House, 2015.

Figura 1: Almerinda Farias Gama (1899-1999)

Figura 1: Almerinda Farias Gama (1899-1999)

Fonte: Cpdoc/Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Introdução

1Há um lema constantemente utilizado pelos movimentos de mulheres negras no Brasil. “Nossos passos vêm de longe” é a frase que pode ser lida nos cartazes erguidos por mãos negras nas manifestações políticas, também está presente na escrita e na ponta da língua das mulheres negras quando erguem suas vozes. Esta insígnia, que ganhou visibilidade na produção intelectual da feminista negra brasileira Jurema Werneck (2010), é uma relembrança sobre a longa caminhada das que vieram antes, mulheres negras que foram exemplos de resistência, luta e também de organização política. É também um chamado constante a beber da fonte da sabedoria ancestral e das estratégias políticas das mais velhas e dos mais velhos. Uma destas ancestrais, pouco conhecida até mesmo entre as mulheres negras brasileiras, é a sufragista e sindicalista Almerinda Farias Gama.

2Almerinda Gama, uma proeminente sufragista brasileira atuante nas primeiras décadas do século XX, nunca escreveu sobre si. Embora fosse uma mulher completamente ligada ao ofício textual, tendo trabalhado por anos a fio como datilógrafa e jornalista, Almerinda não chegou a produzir nenhum conteúdo textual sobre seus anos de atuação pública sendo uma das mais combativas lideranças do movimento organizado de mulheres nos anos de 1930. Até onde sabemos, Almerinda Gama foi a única mulher negra e integrante da classe trabalhadora assalariada entre as lideranças da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF), a principal entidade da primeira onda do feminismo no país e que encabeçou a campanha pela admissão feminina na vida política brasileira.

  • 1 O voto feminino no Brasil foi acolhido no decreto do Código Eleitoral, publicado em 24 de fevereiro (...)

3Passados quase 90 anos da conquista do direito ao voto pelas mulheres alfabetizadas no Brasil1, ainda há a percepção de que o êxito da aceitação feminina na cidadania é fruto do trabalho de articulação política empreendido unicamente por mulheres brancas e que mulheres negras estariam apartadas de toda a movimentação política que existia neste período histórico. Esta percepção não é de todo equivocada porque, de fato, foram mulheres brancas, alfabetizadas e oriundas de famílias abastadas e com prestígio social que lideraram a luta pelo voto feminino no Brasil. No entanto, trajetórias como a de Almerinda Gama, revelam que a história do feminismo no Brasil e as primeiras conquistas femininas no campo da política institucional também são fruto da luta de mulheres negras que a historiografia silenciou.

4Sendo personagens menos presentes na cena pública, sabemos que as mulheres foram apagadas das narrativas que, escritas por homens, não hesitavam em servir-se de um masculino universal. Conforme nos lembra Michelle Perrot (2005: 11), “as mulheres são mais imaginadas do que descritas ou contadas” e constantemente a História se “esqueceu” das mulheres. Nos debates historiográficos, nos arquivos ou nos museus, lugares que definem o que se diz sobre o passado, o que merece ser lembrado, nota-se a invisibilidade da presença feminina. Mesmo quando estão presentes, é comum serem sombras tênues, dados fragmentados.

5No entanto, se há um silêncio sobre as mulheres em geral, a situação de indiferença pode ser ainda maior para as mulheres negras que enfrentam tanto a subalternização de gênero, quanto à subalternização racial. Por isso, Sueli Carneiro (2004) reforça a importância de lembrar e nomear para combater o lugar de invisibilidade relegado às mulheres negras.

  • 2 ALMERINDA, a luta continua, Direção de Cibele Tenório, Rio de Janeiro: CPDOV/ FGV, 2015. (9 min). D (...)

6Foi seguindo o conselho de Sueli Carneiro que, em 2015, produzi e dirigi o curta-metragem intitulado “Almerinda, a luta continua”2, realizado em parceria com o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas (CPDOC-FGV), com sede no Rio de Janeiro. Intrigada com o silenciamento em torno dessa feminista histórica, ingressei no mestrado no Programa de Pós Graduação em História da Universidade de Brasília (UnB), onde desenvolvi uma pesquisa biográfica sobre Almerinda. Um dos sintomas do apagamento histórico do qual Almerinda foi alvo, era o fato de que até pouco tempo, a data de sua morte era completamente desconhecida. Como um dos esforços da pesquisa que realizei sobre ela, localizei a certidão de óbito de Almerinda e também seus familiares. Sabíamos que Almerinda havia nascido em 16 de maio de 1899, na cidade de Maceió no Nordeste brasileiro. Sabemos hoje também que Almerinda faleceu em 31 de março de 1999, sem qualquer reconhecimento (Tenório, 2020: 178).

  • 3 ALMERINDA, uma mulher de 30, Direção: Joel Zito Araújo. Recife: SOS Corpo,1991. (26 minutos). Dispo (...)

7O que conhecemos sobre Almerinda nos dias atuais deve-se principalmente à oralidade. Em 1984, a velha sufragista concedeu uma entrevista aos historiadores Angela de Castro Gomes e Eduardo Stotz. Na gravação, com quatro horas de duração, é possível ouvir uma Almerinda de voz simpática e memória afiada que, aos 85 anos, se propõe ao exercício de percorrer lembranças da infância, as cidades onde viveu, sua atuação política junto ao movimento de mulheres e também ao proletariado brasileiro no contexto dos anos de 1930. Em 1989, Almerinda voltou a rememorar sua trajetória, desta vez diante das câmeras do cineasta Joel Zito Araújo. Essa entrevista é o fio condutor do curta-metragem documental “Almerinda, uma mulher de 30”3.

8Na ausência de testemunhos escritos, os testemunhos orais surgem insurgentes trazendo à superfície memórias de mulheres tanto sobre a sua existência particular (também política), quanto sobre sua participação nos acontecimentos públicos. Não à toa, Michelle Perrot (1989:16) afirma que a história oral é a “revanche das mulheres”. Através desse depoimento, juntamente com fotografias, cartas, periódicos da época e arquivos da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF), hoje sob a guarda do Arquivo Nacional, sabemos que Almerinda teve papel de destaque no movimento sufragista brasileiro.

Uma sufragista negra no movimento organizado de mulheres

9A FBPF - entidade da qual Almerinda não só era associada, mas uma das lideranças mais aguerridas - foi fundada em 1922 pela bióloga Bertha Lutz e atuava buscando sensibilizar a opinião pública para as causas feministas, ao mesmo tempo em que tentava intervir no jogo político, seja defendendo políticos que eram simpáticos aos direitos das mulheres ou fazendo lobby para que a legislação trabalhista estendesse direitos às trabalhadoras (BESSE, 1999). Era a principal, mas não a única, organização feminina a pleitear o direito de as mulheres votarem e serem votadas

  • 4 Conforme mostram os formulários das inscritas no II Congresso Internacional Feminista, realizado pe (...)

10Almerinda tinha um perfil muito distinto das outras associadas. Além de ser uma das poucas mulheres negras entre as colegas de FBPF (única negra na alta cúpula da entidade), era também uma das poucas da classe trabalhadora assalariada. Era viúva, sem filhos, e trabalhava como datilógrafa para manter-se. No quadro de associadas figuravam enfermeiras, funcionárias públicas, jornalistas, estudantes e principalmente professoras4. Operárias, empregadas domésticas, costureiras ou auxiliares de escritório como Almerinda eram poucas, conforme ela mesma relatou: “De classe baixa muito poucas, era a classe média inferior, mas quase sempre nós tínhamos, por exemplo, a Baronesa de Bonfim era uma das nossas sócias” (Gama, 1984: 59).

11Diferente das colegas da FBPF, oriundas de famílias com prestígio social, Almerinda vinha de uma família modesta. Aos oito anos, após a morte do pai, Almerinda e os dois irmãos deixam a cidade natal, Maceió, para viver sob a tutela da avó paterna, Almerinda Silva Gama, e também da tia, Emília Gama, na cidade de Belém, no norte do país. Mesmo com poucos recursos, a família se esforçava para que a menina tivesse uma boa formação e fosse educada como as moças de classe média da época. Ela frequentou a escola, tomou aulas de piano e teoria musical, aprendeu o básico da língua francesa e de prendas domésticas. Preparava-se para um bom casamento – o destino social reservado às mulheres. No entanto, em seu depoimento, Almerinda conta que já na infância questionava a diferença do tratamento dado a homens e mulheres:

Eu sempre, por instinto, me revoltei contra a desigualdade de direito entre homem e mulher. Lembro-me de que, quando criança, brincava com um primo [...] Nós éramos crianças – talvez com 10, 11 anos – e dessa discussão amigável surgiu uma dúvida: eu dizia que no casamento o homem e a mulher tinham direitos iguais e igual autoridade, que na casa, no casal, o direito era igual. Ele dizia que era do homem. Eu, não me conformando com aquilo, achei que devia servir de árbitro a nossa avó, que era considerada uma mulher sábia e que de fato era. [...] Então, fomos juntos perguntar a ela quem era que mandava. Ela com certo tato, com muito jeito, disse que deveria haver harmonia, mas a autoridade do casal era do homem. Isso me deixou convencida da injustiça dos fatos, mas revoltada com isso. Meu primo saiu vitorioso, eu saí cada vez mais revoltada e achando que devia haver igualdade. (Gama, 1984: 36)

12Na juventude, acompanhava com entusiasmo as ações do movimento sufragista internacional veiculadas na imprensa. Nesta mesma época passou a contribuir com alguns jornais, escrevendo artigos e crônicas de crítica social sobre a condição feminina, prática que continuou adotando na vida adulta. Almerinda entendia que o caminho possível para conquistar a igualdade de direitos entre homens e mulheres passava pelo voto e pela presença de mulheres em cargos eletivos. Segundo Almerinda: “Eu achava que o voto era uma arma que nós tínhamos para poder ingressar no recinto onde se discutiam estes assuntos” (Gama, 1984: 39). A feminista sentia na pele a diferença de tratamento dada às mulheres, especialmente no mundo do trabalho. Em busca de alguma independência, Almerinda ingressou no mercado de trabalho aos 21 anos. Depois de se capacitar numa escola comercial, passou a trabalhar como secretária.

13Embora o setor administrativo incorporasse nas primeiras décadas do século XX toda uma nova tecnologia, como a máquina de escrever, que demandava uma mão de obra especializada, os salários para as mulheres em trabalhos administrativos eram baixos e as oportunidades de crescimento profissional, mínimas. Em busca de melhores empregos, Almerinda bateu em muitas portas, mas só recebeu respostas negativas: “No comércio os ordenados sempre foram muitos modestos, mas os bancários eram mais bem aquinhoados. Eu quis ser bancária e não podia ser porque era mulher” (Gama, 1983: 36). Ouviu as mesmas negativas na companhia de seguros. “Ah, mas nós não empregamos mulheres, só empregados homens” (Gama, 1983: 36). Nos bancos, a situação era a mesma. Por isso, interessou-se em participar de uma das reuniões da FBPF no Rio de Janeiro. Almerinda havia se mudado para a cidade em 1929, após ficar viúva do marido Benigno Gama com quem foi casada por pouco mais de dois anos.

14Almerinda começou a frequentar a FBPF em 1930 e rapidamente se integrou. Não foi difícil se aproximar de Bertha Lutz, a líder do movimento que, segundo Almerinda, era de fácil contato com outras mulheres. Quem ali chegava com disposição em participar, logo recebia tarefas. Naquele contato, Bertha passa a saber que a moça franzina de olhos expressivos já atuava escrevendo para jornais e que suas mãos eram agilíssimas na máquina de escrever. Logo, reconheceu nela um elemento de ação útil para a militância feminista.

  • 5 Ver: “AGITAM-SE as garçonetes”, Reunião na F.P. F para tratar do novo horário, A Noite, Rio de Jane (...)
  • 6 Almerinda era locutora do programa “Cinco minutos feministas” que ia ao ar na Rádio Sociedade. Ver: (...)
  • 7 Ver: GAMA, Almerinda, “Na conferência Nacional de Proteção à Infância”, Jornal do Brasil. Rio de Ja (...)

15Na FBPF, Almerinda foi ocupando o espaço de assessora de imprensa e relações públicas. Seu irmão José Gama, era tipógrafo e tinha muitos amigos na imprensa carioca, o que facilitava o contato com as redações dos jornais. O trabalho de Almerinda era tanto dar visibilidade às ações e atividades da entidade como também cuidar do secretariado: fazer o registro das reuniões em atas, tomar notas, ajudar na organização de congressos. Também recebia pessoas que procuravam a FBPF e conduzia reuniões para atender a suas demandas5, dava entrevistas falando em nome da entidade, emprestava sua voz e fazia as vezes de locutora de rádio para a narração de programas curtos da FBPF inseridos na programação da Rádio Sociedade6, redigia as convocações para as associadas e mandava para que os jornais as publicassem, tomava nota das reuniões e, depois, punha-se a redigir as notícias, “traduzindo” as ações para que tivessem tom mais palatável7, tudo isso, claro, sob a supervisão de Bertha Lutz.

16No entanto, a ação de maior impacto liderada por Almerinda no âmbito da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino foi a que a colocou como a única mulher entre 270 delegados-eleitores que escolheram representantes oriundos de sindicatos e associações profissionais para tomarem assento na Assembleia Nacional Constituinte de 1934.

17Almerinda chegara à FBPF em 1930, um ano de mudanças significativas no cenário político do país. Getúlio Vargas ascendia ao poder e inaugurava uma nova fase da história política brasileira. Em um avanço de modernização que é acompanhado por um viés de autoritarismo, o Governo Provisório de Getúlio reforma em 1932 o Código Eleitoral, que institui o voto secreto no Brasil e o sufrágio para mulheres alfabetizadas. Nesse contexto, desenha-se um novo modelo de representação política no parlamento. Além dos deputados eleitos pelo voto direito, também fariam parte do Congresso deputados-empresários e deputados-trabalhadores que, assim, teriam a oportunidade de discutir os interesses e as necessidades de suas categorias. Conforme aponta Angela de Castro Gomes (1980: 431), a criação deste modelo se propunha a transformar as associações e grupos que poderiam ser hostis ao governo em elementos reais de colaboração.

18Mapeando todos os espaços possíveis de participação política, as feministas da FBPF buscaram um caminho para participar desta eleição. Dentro do seio do movimento feminista surge então a estratégia de criar um sindicato que pudesse enviar um representante para a eleição indireta que escolheria os deputados classistas. Bertha Lutz rapidamente reconheceu que Almerinda seria o nome adequado para estar à frente de um sindicato. Mais do que um nome adequado, Almerinda era o nome possível, já que as feministas tinham pouco diálogo com os sindicatos que representavam outras trabalhadoras assalariadas, como os da indústria têxtil.

Onde mais estavam as mulheres trabalhadoras? No serviço doméstico, certamente. Esta era uma categoria ampla e dispersa; porém, sem uma organização política com a qual fosse possível dialogar. O mesmo ocorria nos ateliês de costura, de bordado e de chapéus. Havia muitos deles na cidade. Novamente, este era um ofício sem voz política. (Marques, 2016: 50)

  • 8 Até 1961, quando a capital foi transferida para Brasília, a cidade Rio de Janeiro era a sede do Dis (...)

19Sendo Almerinda representante de uma categoria profissional majoritariamente feminina, nada mais apropriado do que fundar um Sindicato das Datilógrafas, Taquígrafas e Secretárias do Distrito Federal. A entidade foi registrada junto ao Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio (MTIC) em julho de 1933. Além disso, Almerinda não seria uma completa estranha que aproveitava a situação para se intitular sindicalista, uma vez que ela já conhecia elementos do movimento operário na cidade, inclusive, seu irmão, José Antonio Gama, era uma liderança no Sindicato dos Gráficos do Distrito Federal8.

20Desta maneira, em 20 de julho de 1933, Almerinda tomou um dos assentos do plenário do Palácio Tiradentes, representando o Sindicato das Datilógrafas e Taquígrafas do Distrito Federal. Estava acompanhada de sua máquina de escrever. Sem se intimidar diante de olhares de julgamento que atestavam o estranhamento com sua presença ali, caminhou até a urna de votação e exibiu um sorriso no rosto ao votar.

Figura 2: Almerinda Gama vota na eleição de representantes classistas em 1933

Figura 2: Almerinda Gama vota na eleição de representantes classistas em 1933

Fonte: Cpdoc/Fundação Getúlio Vargas (FGV)

  • 9 “SE fosse eleita... As ideias e as impressões da única mulher que votou na primeira eleição dos rep (...)

21Na eleição classista, todos os delegados eleitores podiam votar e serem votados. Almerinda não obteve votos suficientes para ser eleita, no entanto, o plano de ter uma mulher tomando parte no pleito fora bem-sucedido. No dia seguinte, os jornais davam destaque ao fato de uma mulher ter participado na eleição dos representantes de classe e traziam entrevistas com Almerinda9.

22Na velhice, ao relembrar esses acontecimentos, Almerinda deixa escapar que sentira certa rixa por parte de outras integrantes da FBPF. A conquista coletiva que Almerinda tinha empreendido naquele dia não foi comemorada pelas demais.

(...) parece que algumas acharam que tavam esquecidas porque sempre há uma certa rivalidade. Eu não digo que tenha havido. Mas não houve mesmo assim um regozijo coletivo que chamasse atenção, não houve. As pequenas vitorias foram alcançadas paulatinamente, mas sem grande alarido. (Almerinda, 1991)

23Almerinda e as associadas da FBPF tinham em comum a busca de igualdade jurídica e de igualdade salarial para homens e mulheres que ocupavam o mesmo emprego. Embora estivessem pelejando no mesmo campo minado, tinham experiências individuais muito distintas. Há muitos modos de experimentar a vida enquanto mulher e Almerinda sabia bem disso. Como nos lembra Bell Hooks (2019):

Se é verdade que muitas mulheres são vítimas da tirania sexista, há poucos indícios de que isso crie um “elo comum entre todas as mulheres”. Há muito mais evidências corroborando o fato de que as identidades de raça e classe criam diferenças –raramente superadas– em termos de qualidade de vida, status social, e estilo de vida, e que isso impera sobre todas as experiências comuns partilhadas pelas mulheres. (Hooks, 2019:31)

24Em uma sociedade fortemente marcada pelo racismo, pelo classismo e pelo patriarcado, Almerinda, uma mulher negra e de classe baixa, saía às ruas diariamente na luta pela sobrevivência a partir do trabalho assalariado. Desde que se tornara viúva, dependia somente de si para se manter. Era também uma mulher que não estava sob os cuidados de nenhum parente masculino, pai ou marido, o que, como aponta Safiotti (2013), fazia com que ela fosse vista como menor, incapaz.

25Almerinda também tinha que lidar com os estereótipos raciais. São mulheres como Almerinda que sentem na pele as violências físicas e simbólicas de quem teve seu corpo objetificado, hipersexualizado e tratado historicamente como mercadoria. São diversos os estereótipos raciais, ou como dito por Patricia Hill Collins (2019), as imagens de controle, impostas sobre a população negra. Passam pela figura da mammy (ou no Brasil a “mãe preta”), do negro sofredor ou da mulata com apetite sexual excessivo. Nas narrativas das sociedades escravocratas, a dita sexualidade acentuada do corpo negro surge como uma caraterística que seria inerente à própria raça. Para Sueli Carneiro (2011: 1):

As mulheres negras tiveram uma experiência histórica diferenciada que o discurso clássico sobre a opressão da mulher não tem reconhecido, assim como não tem dado conta da diferença qualitativa que o efeito da opressão sofrida teve e ainda tem na identidade feminina das mulheres negras.

26As fontes revelam certa incompreensão por parte das colegas de FBPF sobre a realidade de mulheres como Almerinda. Em uma carta escrita por Almerinda para Bertha, em 24 de agosto de 1934, a datilógrafa explicitava as dificuldades que a vida real impunha-lhe e que ditavam os limites de sua participação nas atividades. Bertha havia solicitado a presença de Almerinda na II Convenção Feminista Nacional, que seria realizada no final do mês de agosto na cidade de Salvador. Assim diz um trecho da correspondência:

  • 10 Fonte: Arquivo Nacional, referência: BR AN, RIO Q0. ADM, COR. A934.10

Sei que Maria Luiza e D. Beatriz Pontes de Miranda estão providenciando para conseguir-me passagem gratuita ou com abatimento, e eu lhes sou sinceramente grata por todo esse interesse. Mas esse problema econômico é me insolúvel por várias faces. Estamos às portas da Convenção, e eu não estou aparelhada a empreender uma viagem com guarda-roupa próprio, por modesto que seja. Bem sabes que meus recursos limitam-se ao ordenado, sempre consignado às despesas habituais, agravando-se a situação presente com o fato de ser fim de mês10.

27Percebe-se que Almerinda tenta explicar para as colegas que viviam com folga, a dura realidade de quem não podia sequer pensar em gastos extras e precisava fazer malabarismos para que salário esticasse até o fim do mês. Não havia sobra para outros gastos ou supérfluos. Documentos como este, revelam os conflitos de classe no interior do movimento feminista. Há também a preocupação de não ter vestimentas adequadas para o evento.

28Embora Bertha e a FBPF fossem engajadas na elaboração de leis trabalhistas que beneficiassem as mulheres no contexto da formulação da legislação social brasileira, buscando melhores condições para a mulher operária além das questões relacionadas à proteção de grávidas e crianças, a relação com a luta dos trabalhadores era marcada por seu caráter assistencialista. O movimento feminista foi, por diversas vezes, alvo de críticas por tratar destes assuntos sem incluir no debate as próprias mulheres das classes operárias.

29Susan Besse (1999) afirma que, em sua grande maioria, as feministas resistiram cruzar a fronteira de classe, porque estavam imbuídas de temores, preconceitos e tinham uma postura maternal em relação à classe operária. Iam às ruas para lutar por igualdade de gênero, mas não convidavam, nem mobilizavam, as empregadas domésticas que mantinham suas casas em ordem. Mesmo outras categorias de trabalhadoras assalariadas, como professoras, funcionárias públicas, enfermeiras e datilógrafas, que figuravam entre as associadas, não tinham poder de decisão na FBPF.

30Em seu depoimento, Almerinda compartilhou que esperava que, após a conquista do voto, a entidade encampasse a luta por igualdade em outras esferas: “O principal passo almejado pela Federação do Progresso Feminino já tinha sido conquistado, que era a igualdade política, o voto. Agora, precisava manter essa igualdade sempre junto às classes produtivas” (Gama, 1984: 94). Como a sua expectativa se frustrou, Almerinda foi se distanciando do movimento de mulheres. Em 1935, já estava afastada da FBPF.

Convergência de lutas

31Mesmo no período em que era uma liderança ativa na FBPF, Almerinda já ampliava suas atividades como militante. Percebe-se nela uma enorme energia política que a impulsionava a diversificar suas frentes de atuação. Inquieta, atuava no movimento de mulheres e também no movimento sindical carioca. Como já dito, ela presidia o Sindicato das Datilógrafas e Taquígrafas do Distrito Federal, que, por falta de adesão das trabalhadoras de escritório, funcionava com dificuldades. Conforme rememorado por Almerinda:

As mulheres de fato não tinham consciência combativa, consciência corporativa. Você falava fulana... “E quanto eu vou ganhar? Eu vou ganhar alguma coisa com isso?” não sabia (inaudível) a gente pegava aquilo para efeito oficial, para fazer número porque elas mesmas não se interessavam. Não se interessavam, não tinham consciência. (Almerinda, 1991)

32No entanto, ao circular naquele meio, passou a ser uma espécie de referência para as lideranças sindicais, principalmente as de categorias com baixa escolaridade e sem tradição de luta. No rol das entidades que contavam com a ajuda da companheira Almerinda, estavam os sindicatos dos guindasteiros, dos chauffeurs, padeiros, alfaiates e muitas outras categorias. Almerinda tinha a bagagem da militância política na FBPF e, sendo uma empregada de cartório, conhecia como poucos os meandros burocráticos. Como a dinâmica sindical também é feita de assembleias, ofícios para empregadores, escrita de contratos, todas estas atividades burocráticas, Almerinda passou a ajudar de maneira voluntária diversos sindicatos. Como ela mesmo afirmava, era a única mulher presente naquele meio. Nesse período, parece ocorrer em Almerinda o abandono gradual da identidade puramente de gênero e, em decorrência disso, ocorre uma ampliação de sua identidade de classe.

  • 11 “ALA Moça do Brasil”, A Batalha, Rio de Janeiro, 30/11/ 1933. p.2.

33Em novembro de 1933, Almerinda funda no Rio de Janeiro a Ala Moça do Brasil, que, segundo o jornal A Batalha, era uma associação político-social que se destinava a organizar cursos de educação cívica nos subúrbios cariocas e que se propunha a ser uma frente política de renovação. Almerinda Gama era a presidente da associação que tinha uma diretoria mista, formada por homens e mulheres. Sabe-se muito pouco sobre esta frente, pois não há registros sobre ela nos relatos pessoais de Almerinda, senão nos registros feitos pela imprensa. Por meio dos jornais, sabemos que a Ala Moça se reunia no bairro de Madureira, no Rio de Janeiro, e servia como um núcleo político de formação de eleitores, recomendando candidatos que se alinhavam às suas propostas. A associação defendia em seu programa a obrigatoriedade do ensino primário, técnico e profissional, a liberdade de pensamento, legislação do divórcio, laicidade do Estado e garantia de assistência médica e hospitalar e o amparo legal do trabalhador de todas as classes11.

  • 12 MANIFESTO Programa do Partido Socialista Proletário do Brasil, Rio de Janeiro, agosto de 1934. Arqu (...)

34Estes mesmos temas aparecem no programa do Partido Socialista Proletário do Brasil (PSPB), fundado em agosto de 1934, por Almerinda e outro grupo político, este mais ligado às questões do proletariado. Ela surge como a única mulher no Diretório Central. O lema do partido era: “A emancipação dos trabalhadores só poderá ser obra dos trabalhadores”12. Entre as propostas expostas no manifesto de criação do partido estão o sufrágio universal para maiores de 18 anos - sem distinção de sexo, nacionalidade e extensivo aos analfabetos -, gratuidade e laicidade do ensino em todos os graus e um sistema tributário que previa que só os ricos pagassem impostos.

35Observa-se que tanto na Ala Moça do Brasil quanto no PSPB surgem propostas que não eram abraçadas pela FBPF, que eram defendidas por Almerinda, como o direito ao divórcio. O tema era controverso e as feministas o evitavam a todo custo “pelo temor de afrontar a Igreja, uma adversária política poderosa” (Marques, 2016: 44).

36Constavam no programa do partido: o divórcio, a extensão do voto a analfabetos, a importância do ensino gratuito a todas as classes e, claro, a defesa do proletariado. A instrução pública gratuita era uma pauta que lhe interessava, por acreditar ser ela mesma fruto da educação que recebera. Almerinda entendia a educação como um direito que deveria ser universalizado.

37É possível perceber como Almerinda conseguia traduzir em luta política as questões que mais afligiam as condições de existência de pessoas como ela. Esta é, segundo Andrea Lopes da Costa, uma prática comum entre as mulheres negras, que tendo ocupado historicamente posições subalternizadas, passam a enxergar a política pela perspectiva dos que mais sofrem os efeitos das desigualdades estruturais:

Assim, a agenda política dessas mulheres converge para a própria agenda da sociedade igualitária de fato. Educação, Saúde, Segurança, Justiça, Trabalho, Habitação são os principais pontos apresentados nos programas na maior parte das lideranças políticas negras e, do mesmo modo, não é coincidência que sejam os alicerces para a existência de um modelo social justo. (Da Costa, 2021: 16)

  • 13 GAMA, Almerinda Farias, Panfleto da campanha eleitoral de Almerinda Farias Gama para o pleito de 14 (...)

38Esta mesma plataforma política foi utilizada por Almerinda quando ela se candidatou a deputada federal nas eleições gerais realizadas em outubro de 1934. Ela tinha 35 anos à época. Sua campanha não contou com qualquer apoio por parte das feministas da FBPF (Tenório, 2020: 85). O panfleto com suas propostas dizia: “Lutando pela independência econômica na mulher, pela garantia legal do trabalhador e pelo ensino obrigatório e gratuito de todos os brasileiros em todos os graus13. Esta plataforma eleitoral sintetizava pontos que foram eixos centrais de sua vida pública e privada: as lutas contra as opressões de gênero e de classe.

Considerações finais

39Almerinda não chegou a ser eleita, mas suas iniciativas tiveram um valor imenso, porque, como aponta Sueli Carneiro (2019: 266), falar da relação entre mulher negra e poder é como falar do ausente, porque o racismo e o ceticismo “transformam as mulheres negras na antítese da imagem com a qual se associa o poder.”

40Por falta de atividade, o Sindicato das Datilógrafas e Taquígrafas teve a carta recolhida ainda nos anos de 1930. Segundo rememorou Almerinda (Gama, 1984: 97): “Eu não podia aguentar fazer força, continuar a arregimentar uma porção de ovelhas desgarradas que não queriam ir para o redil”.

41Com o recrudescimento do Estado Novo, período ditatorial iniciado em 10 de novembro de 1937, sob a égide de Getúlio Vargas, Almerinda recolhe-se. Ela não voltaria a participar do movimento político partidário ou sindical. Também não voltaria a se candidatar a um cargo político. Almerinda seguiu trabalhando como datilógrafa e jornalista até a sua aposentadoria na década de 1970. Não se casou novamente, mas formou uma família afetiva que a amou e que cuidou dela até sua morte em 1999.

42A trajetória de Almerinda sugere que sua busca por independência nunca foi apenas para proveito próprio, não servia a um propósito individualista. Almerinda buscava intervir no mundo para adquirir autonomia não somente para si, mas para seus pares. Foi assim na sua incursão na cena política e na luta sindical. Um forte sentido de comunidade permeava tudo que Almerinda se propunha a fazer. Essa característica, que era na verdade uma prática, tem relação com o fato de Almerinda viver em uma sociedade fortemente marcada pelo racismo, pelo sexismo e pela desigualdade social e econômica, em que sujeitos negros e trabalhadores precisam criar redes de apoio para escapar dessa confluência de opressões.

43Acredito que, quando não foi completamente apagada, a contribuição de Almerinda à construção da cidadania feminina foi minimizada. Ao desejar ocupar os espaços de representação política sendo mulher e negra, Almerinda se dispôs a enfrentar as determinações de raça e gênero que sinalizavam que sua presença nestes lugares era insólita. É preciso admirar sua coragem ao tentar ocupar os espaços de poder e sua recusa de viver o destino socialmente reservado às mulheres negras. Almerinda, juntamente com Antonieta de Barros, foram as primeiras mulheres negras a concorrem a cargos eletivos no país. Antonieta foi eleita deputada estadual em 1934, no estado de Santa Catarina e se tornaria a primeira mulher negra a ocupar um cargo eletivo no país (Shumaher, Cerva, 2015: 95). Foram pioneiras que com suas trajetórias de luta inspiram as novas gerações de mulheres negras brasileiras que disputam os espaços institucionais de poder nos dias atuais.

44Fazer emergir as vozes periféricas de mulheres como Almerinda, vozes que foram emudecidas pelo sexismo, pelo racismo e pelo preconceito de classe, se faz necessário não só pela necessidade de reparação histórica a sujeitos que foram subalternizados, mas também pelo fato de que a experiência e a memória dos que resistiram no passado, é sabedoria ancestral para seguir lutando no tempo presente.

Inicio de página

Bibliografía

BESSE, Susan K., Modernizando a desigualdade: Reestrutuação da Ideologia de Gênero o Brasil, 1914-1940, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

CARNEIRO, Sueli, Escritos de uma vida, São Paulo, Pólen Livros, Edição Kindle, 2019.

_________, Enegrecer o feminismo: A Situação da Mulher Negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero, 06 de março de 2011. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/>. Acesso em: 25/08/2021.

__________, "A mulher negra na sociedade brasileira – o papel do movimento feminista na luta anti-racista", in MUNANGA, Kabengele (Org.), História do negro no Brasil, Vol. 1. O negro na sociedade brasileira: resistência, participação, contribuição, Brasília, Fundação Cultural Palmares, 2004, p. 286-336.

COLLINS, Patricia Hill, Pensamento Feminista Negro: conhecimento, consciência e política do empoderamento, São Paulo, Editora Boitempo, 2019.

DA COSTA, Andrea Lopes. Gerações em diálogo, mulheres negras em resistência, in LOURENÇO, Ana Carolina e Anielle FRANCO (org.), A radical imaginação política das mulheres negras brasileira, São Paulo, Fundação Rosa Luzemburgo, 2021.

GAMA, Almerinda Farias, Almerinda Farias Gama: depoimento, CPDOC-FGV, Rio de Janeiro, 8 de junho de 1984. Depoimento à Angela Maria de Castro Gomes e Eduardo Stotz.

GOMES, Angela de Castro, A representação de classes na Constituinte de 1934, in GOMES, Angela de Castro (coord), Regionalismo e centralização política, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1980.

HOOKS, Bell, Teoria Feminista-da margem ao centro, Tradução de Rainer Patriota, São Paulo, Perspectiva, 2019.

MARQUES, Teresa C. de N., Bertha Lutz-Perfis Parlamentares, Brasília, Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2016.

PERROT, Michelle, As mulheres ou os silêncios da história, trad. Viviane Ribeiro, Bauru (São Paulo), EDUSC, 2005.

__________, “Práticas da memória feminina”, Revista Brasileira de História, São Paulo, n° 18, 1989, p. 9-18.

SAFFIOTI, Heleieth, A mulher na sociedade de classes: mito e realidade, São Paulo, Expressão Popular, 2013.

SCHUMAHER, Schuma e CEVA, Antônia, Mulheres no poder: trajetórias na política a partir da luta das sufragistas do Brasil, Rio de Janeiro, Edições de Janeiro, 2015.

TENÓRIO, Patrícia Cibele da Silva, A vida na ponta dos dedos: A trajetória de vida de Almerinda Farias Gama (1899-1999)-feminismo, sindicalismo e identidade política, Dissertação (Mestrado em História) -Programa de Pós-Graduação em História, Universidade de Brasília. Brasília, 2020.

WERNECK, Jurema, “Nossos passos vêm de longe! Movimentos de mulheres negras e estratégias políticas contra o sexismo e o racismo”, Revista da ABPN, Rio de Janeiro Vol. 1, n° 1, 2010, p. 8-17.

Inicio de página

Notas

1 O voto feminino no Brasil foi acolhido no decreto do Código Eleitoral, publicado em 24 de fevereiro de 1932.

2 ALMERINDA, a luta continua, Direção de Cibele Tenório, Rio de Janeiro: CPDOV/ FGV, 2015. (9 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=U0oc8sux7yI&t=7s. Acesso em: 14 de agosto de 2021.

3 ALMERINDA, uma mulher de 30, Direção: Joel Zito Araújo. Recife: SOS Corpo,1991. (26 minutos). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=_9jfbUM_zGQ >. Acesso em: 14 de agosto de 2021.

4 Conforme mostram os formulários das inscritas no II Congresso Internacional Feminista, realizado pela Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, no Rio de Janeiro. Fonte: Arquivo Nacional, referência: BR RJANRIO Q0.ADM, EVE.CNG, TXT.10, v.2 - Dossiê

5 Ver: “AGITAM-SE as garçonetes”, Reunião na F.P. F para tratar do novo horário, A Noite, Rio de Janeiro: 19/08/1933.

6 Almerinda era locutora do programa “Cinco minutos feministas” que ia ao ar na Rádio Sociedade. Ver: FEDERAÇÃO Brasileira Pelo Progresso Feminino, "Projecto de Lei Eleitoral", Diário de Notícias, Rio de Janeiro: 23/09/1931.

7 Ver: GAMA, Almerinda, “Na conferência Nacional de Proteção à Infância”, Jornal do Brasil. Rio de Janeiro: 21/09/1933.

8 Até 1961, quando a capital foi transferida para Brasília, a cidade Rio de Janeiro era a sede do Distrito Federal.

9 “SE fosse eleita... As ideias e as impressões da única mulher que votou na primeira eleição dos representantes de classe”, A Noite, Rio de Janeiro: 21/07/1933, p. 1.

10 Fonte: Arquivo Nacional, referência: BR AN, RIO Q0. ADM, COR. A934.10

11 “ALA Moça do Brasil”, A Batalha, Rio de Janeiro, 30/11/ 1933. p.2.

12 MANIFESTO Programa do Partido Socialista Proletário do Brasil, Rio de Janeiro, agosto de 1934. Arquivo Nacional, referência: BR RJANRIO Q0.ADM, EOR.CDI, POI.99 – Dossiê.

13 GAMA, Almerinda Farias, Panfleto da campanha eleitoral de Almerinda Farias Gama para o pleito de 14 de outubro de 1934, CPDOC/FGV, Rio de Janeiro, 1934.

Inicio de página

Índice de ilustraciones

Título Figura 1: Almerinda Farias Gama (1899-1999)
Leyenda Fonte: Cpdoc/Fundação Getúlio Vargas (FGV)
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10424/img-1.jpg
Ficheros image/jpeg, 32k
Título Figura 2: Almerinda Gama vota na eleição de representantes classistas em 1933
Leyenda Fonte: Cpdoc/Fundação Getúlio Vargas (FGV)
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/10424/img-2.jpg
Ficheros image/jpeg, 44k
Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Patrícia Cibele Tenório, «Nossos passos vêm de longe: Almerinda Farias Gama e o ativismo político de uma mulher negra na construção da luta feminista brasileira»Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [En línea], 42 | 2021, Publicado el 02 febrero 2022, consultado el 25 mayo 2022. URL: http://journals.openedition.org/alhim/10424; DOI: https://doi.org/10.4000/alhim.10424

Inicio de página

Autor

Patrícia Cibele Tenório

Universidade de Brasília (Brasil)
Doutoranda em História pela Universidade de Brasília (UnB), mestra em História pela Universidade de Brasília (UnB) e bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Atua como jornalista e produtora audiovisual. cibeletenorio@gmail.com

Inicio de página

Derechos de autor

Licencia Creative Commons
Amérique latine Histoire et Mémoire está distribuido bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.

Inicio de página
  • Logo Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search