Navegación – Mapa del sitio

A não-reciprocidade dos programas de cooperação para o desenvolvimento: uma análise bibliométrica

Cristiana Dobre

Resúmenes

Os projetos de cooperação internacional para o desenvolvimento (CID) cobrem uma ampla gama de atividade. A CID é hoje um instrumento ao qual é dada grande atenção, pois ele pretende incluir, de maneira igual, os cooperantes (doadores) e os cooperados (beneficiários) envolvidos. Não obstante, ainda não há um consenso sobre as « boas práticas » a serem adoptadas por esses atores. Isso gera problemas na avaliação e implementação dos projetos. O presente artigo procura superar essa dificuldade, ainda presente 60 anos após o nascimento na CID. Como o dizia Edgar Morin (1995): « O conhecimento é uma navegação num oceano de incertezas através os arquipélagos das certezas ». Esse estudo foca no princípio da reciprocidade, que gravita entorno de seis elementos interconectados, considerados essenciais para o bom funcionamento da cooperação: a confiança, a justiça, a identidade-comum, a reputação e a aplicação. Graças a uma revisa bibliométrica das publicações sobre esse tópico, será demostrado que há uma falha na literatura que trata da CID em conjunto com esses seis elementos. Variáveis meta-analíticos serão utilizadas, como, por exemplo, a colaboração entre autores, a distribuição geográfica das instituições de afiliação ou as citações.

Inicio de página

Texto completo

Introdução

1A literatura é abundante quando se trata da cooperação internacional. Os seus vários escopos, as suas múltiplas definições e suas formas de implementação dificultam o trabalho dos acadêmicos na hora de criar tipologias relevantes para as suas pesquisas. Dentro da área das relações internacionais, a ideia de cooperação foi amplamente estudada afim de entender as suas funções numa “sociedade anárquica” (Axelrod and Keohane 1985; Bull 1977; Oye 1985). Alguns procuraram identificar os princípios necessários para que as cooperações funcionem, incorporando, às vezes, teorias emprestadas da sociologia ou da antropologia. Assim, podemos encontrar conceitos, como a reciprocidade na cooperação internacional, dentro desses estudos interdisciplinares.

2Neste artigo, focaremos especificamente na cooperação internacional para o desenvolvimento (CID). Esse instrumento sofreu diversas transformações desde a sua criação. Chandy descreveu esse panorama da seguinte maneira: “o mundo da cooperação para o desenvolvimento está cheio de mitos” (Chandy, 2011: 3). Esses “mitos” decorrem da falta de consenso sobre a definição ou o papel da CID. Ao longo das últimas décadas, a CID deixou de ser um instrumento para o crescimento econômico para tornar-se ferramenta para a “parceria global para o desenvolvimento sustentável” (ODS: 17). Mesmo no contexto atual, confusões podem ser feitas, até pela variedade de sinônimos existentes para esse instrumento, como, por exemplo, “ajuda internacional”, “assistência técnica”, “cooperação técnica”, cooperação internacional para o desenvolvimento” ou “cooperação para o desenvolvimento”.

3Essas discrepâncias levam a dificuldades para avaliar os efeitos das diferentes estratégias de implementação dos programas de desenvolvimento. Ainda assim, alguns elementos para a eficiência da CID foram institucionalizados via declarações e agendas internacionais, como a Parceria de Busan para a Eficácia da Cooperação para o Desenvolvimento. Foram definidos cinco princípios que criariam uma base para uma cooperação eficiente: apropriação das prioridades de desenvolvimento, foco nos resultados, parcerias de desenvolvimento inclusivas, transparência e a responsabilização um para com o outro. Como esses princípios não consideram micro-indicadores de satisfação, não pode ser afirmado que eles descrevam o panorama inteiro para uma sustentabilidade da CID. Por isso, a ideia de reciprocidade aparece como uma dimensão interessante e relevante para a avaliação dos projetos de CID e os seus efeitos.

4Na teoria, a cooperação funciona graças ao elemento de reciprocidade. Assim, o que será analisado aqui é o espaço dado aos princípios de reciprocidade através da literatura que trata da CID especificamente. Como as pesquisas por palavra-chave nas bases de dados da internet não deram resultados relevantes na hora de pesquisar “reciprocity” (“reciprocidade”) junto a “international cooperation for development” (“cooperação internacional para o desenvolvimento”) ou a “international development cooperation” (“cooperação para o desenvolvimento internacional”), foi considerado um método diferente. De fato, vários autores ( Axelrod and Hamilton, 1981; Abell and Reyniers, 2000; Benitez-Schaefer, 2015; Messner, Haun, and Guarin, 2016) trabalharam sobre uma lista de elementos que possam melhor caracterizar o princípio da reciprocidade dentro dos estudos internacionais.

5Foram tomados os seis elementos do “hexágono da cooperação” de Messner (Messner et al., 2016: 133): confiança, comunicação, reputação, justiça, aplicação e identidade comum. Para os autores desse conceito, os seis gravitam entorno de um princípio vital para a cooperação, a saber, a reciprocidade.

6Entretanto, o objetivo desse artigo não será de criar um indicador para medir a eficácia da cooperação internacional. Esta pesquisa servirá como uma alavanca para observar a interseção entre reciprocidade e CID na literatura. Serão procuradas as características bibliométricas da inter-relação entre CID e reciprocidade através da analise de fatores como autoria, as dimensões geográficas das publicações, as coautorias e o impacto internacional desses estudos pelas citações.

7Se a literatura afirma que a cooperação depende de uma certa forma de reciprocidade, o artigo procura responder à questão seguinte: podemos afirmar que a literatura que trata da cooperação internacional para o desenvolvimento foca no estudo da análise da cooperação através do princípio da reciprocidade? E se sim, quais as características desses documentos e dos seus autores?

8Serão utilizados indicadores bibliométricos para criar o panorama dessas publicações, medindo a frequência, a distribuição geográfica, as citações, as frequências das palavras-chave mais usadas.

O contexto

9Como já foi mencionado, existe uma dificuldade de desenhar um panorama exaustivo do funcionamento da CID e dos seus impactos a nível local e global. No entanto, é possível encontrar estudos entorno desse assunto na literatura. Neste artigo, vários indicadores foram definidos afim de medir a eficiência e eficácia da cooperação.

10Uma vez que a lista das formas de cooperação é ampla, e que cada uma delas tem o seu próprio quadro de aplicação, será feita uma breve revisão histórica pela institucionalização da CID na esfera das negociações internacionais e na literatura especializada. Por haver equívocos acerca da sua definição e por ainda ser assimilada à ajuda ou à assistência internacional, alguns atores reclamam uma mudança no paradigma da CID. Isso pode ser justificado pela ascensão dos países emergentes a participar desses programas, não só como “recipientes”, mas como “doadores”. De um ponto de vista institucional, a implementação da CID também mudou com a participação de atores não-estatais e não-governamentais. Assim, a dinâmica geográfica está evoluindo constantemente. O sistema tradicional Norte-Sul não é mais o único a ser considerado. Hoje em dia, parcerias trilaterais e horizontais ganham cada vez mais espaço e um papel mais importante no alcance dos objetivos do desenvolvimento.

11Alguns novos conceitos foram criados para sublinhar a necessidade dessa mudança, como, por exemplo, “beyond aid” (além da ajuda”) (Gulrajani, 2017; Janus, Klingebiel, and Paulo, 2015; Sumner and Mallett, 2012), que se tornou um buzzword (Gómez and Knorringa n.d.: 133). Essa mudança de paradigma foi aplicada dentro das negociações internacionais através de discursos. Isso pode ser observado a partir do primeiro Fórum de Alto Nível sobre a Eficácia da Ajuda (HLF-1), em 2003 até o último, HLF-4, em 2011. De fato, no primeiro HLF, que aconteceu em Roma, o principal objetivo era “intensificar a prestação de ajuda” (OCDE, 2003), sem criar novos princípios ou boas práticas para auxiliar na implementação dos projetos de cooperação.

12Mesmo se os resultados desse primeiro fórum não foram os esperados, seria injusto negligenciar a importância desse como um primeiro passo para entender a importância das parcerias para o desenvolvimento, pois o discurso no segundo fórum já apresentava importantes evoluções. Novos princípios foram criados, como o de propriedade, harmonização, importância de resultados, conciliação e responsabilidade mutua. Essa foi uma mudança considerável no panorama da CID, pois a ideia de corresponsabilidade entre doadores e beneficiários apareceu pela primeira vez nas negociações internacionais.

13Para Hyden, o HLF2 que aconteceu em Paris em 2005 foi “um momento decisivo na história da assistência e cooperação para o desenvolvimento” (Hyden, 2008: 259), por instaurar o princípio de “propriedade nacional”. Não obstante, essa ideia ainda era ligada a uma forma de paternalismo no desenvolvimento. As relações entre doadores e beneficiários era considerada como uma entre pai e filho, tipo de parceria que influencia na modelagem dos objetivos do desenvolvimento sem considerar a voz dos beneficiários. Esse ponto de vista foi defendido por Martini et al.. No artigo deles, o marco decisivo para as mudanças no paradigma da CID foi, em verdade, a declaração de Busan na qual as “parcerias inclusivas” eram priorizadas em relação à “propriedade nacional”, por incluir atores do nível individual até o estatal (Martini et al. n.d.: 931). Os autores desse artigo mencionam uma preocupação em relação à tecnicidade da CID, fora do alcance para os “tomadores de decisão locais” (Martini et al. n.d.: 932), sem falar da falta de acesso dos próprios beneficiários desses projetos. Entretanto, graças a essa nova dimensão e à mudança de paradigma, os beneficiários de “ajuda internacional” ganharam um poder de decisão maior, alinhado com as suas próprias necessidades.

14Além disso, se olharmos nos discursos do quarto fórum em Busan, podemos observar uma clara mudança na gramática utilizada. De fato, se no documento que precede o último fórum de 2011, usava-se a noção de “eficácia da ajuda”, na declaração de Busan, essa foi substituída pela expressão “cooperação para um desenvolvimento eficaz”. Outro resultado dessa reunião foi a criação da Parceria Global para uma Cooperação para o Desenvolvimento Efetiva, que permitiu aos doadores do Sul Global unirem-se aos atores do Norte. Consequentemente, podemos afirmar que os efeitos do quarto HLF, aproximaram-se da harmonização dos princípios de eficácia da CID, por focarem na cooperação Sul-Sul, cooperação triangular (SNS) e por incluírem a sociedade civil para alcançar a sustentabilidade da cooperação para o desenvolvimento.

15Como pode ser deduzido dos últimos parágrafos, a falta de consenso entorno da CID, ajuda ou assistência persiste. Isso leva a analises e estudos de casos que podem ser enviesados. Partindo do pressuposto de que o conceito de “ajuda” não envolve atitude reciproca (Ramel, 2018: 8), esse estudo foca nas terminologias “cooperação internacional para o desenvolvimento”, “cooperação para o desenvolvimento” e “cooperação para o desenvolvimento internacional”. Essas parecem receber uma maior aceitação dos atores da cooperação, no contexto atual.

Metodologia

16Graças a um método meta-analítico, a analise bibliométrica tem por objetivo apresentar o vasto panorama das produções cientificas sobre a CID, que também incluiriam observações sobre pelo menos um dos seis elementos da reciprocidade do “hexágono da cooperação” de Messner. Os indicadores bibliométricos escolhidos foram o número de artigos publicados, os jornais de publicação, as citações por artigo, os países das instituições de afiliação dos autores, as colaborações nacionais ou internacionais e a análise de palavras-chaves e resumos.

17Esse método segue cinco passos: seleção das bases de dados, escolha dos indicadores, constituição da planilha das publicações escolhidas, analise dos dados e a interpretação dos resultados das relações analisadas. Esse processo se inspira em outros artigos de analise bibliométrica. Um artigo que faz uma boa revisão sobre o tema é o Revisão da Literatura: Apresentação de uma Abordagem Integradora (Melo, 2017). É importante lembrar aqui que as pesquisas foram feitas na língua inglesa, para um maior número de resultados. De fato, quando foram pesquisados artigos sobre a CID na língua portuguesa, poucos foram encontrados. Para facilitar a leitura, apresentaremos entre parênteses as traduções das expressões procuradas com os operadores booleanos utilizados (AND, OR, NOT).

18Primeiro, será feita uma breve descrição da base de dados bibliográfica. Depois, iremos introduzir as variáveis escolhidas para a análise e explicar a escolha dessas e a relevância para o estudo presente. Finalmente, serão apresentados os diferentes métodos de analise que foram usados para esse estudo.

Base da dados bibliográficos

19Múltiplas opções se apresentam quando se trata de analisar a literatura disponível, hoje em dia. A quantidade de bases de dados disponíveis é impressionante. Não obstante, a relevância e o impacto dependem do escopo de cada estudo. Para o objetivo desse artigo, que foca na presença de vários elementos na CID, quanto mais bases de dados forem consideradas, mais precisa será a análise.

Tabela 1 Bases de dados selecionadas

WoS

150 milhões publicações

Scopus

70 milhões publicações

Jstor

12 milhões publicações

Scielo

Mais de 700000 artigos com foco no “sul global”

Sciencedirect

3800 jornais e mais de 15 milhões publicações

Taylor&Francis

Foco disciplinar: ciências sociais e humanas. Mais de 4 milhões publicações

Sage

Foco disciplinar: ciências sociais e humanas

20As plataformas selecionadas são as seguintes: WebOfScience, Scopus, Sage, Jstor, Scielo, Sciencedirect and Taylor&Francis. Os fatores que levaram a seleção dessas bases de dados foram o número de publicações, o foco disciplinar ou a região de interesse. Um outro elemento importante foi a disponibilidade de funções analíticas para uso de operadores booleanos.

21A próxima figura dá uma primeira perspectiva da quantidade de artigos publicados que contêm no título as palavras “cooperação internacional” (“international cooperation”). Uma comparação é feita com a quantidade de artigos que contêm no título “cooperação internacional para o desenvolvimento”, “cooperação para o desenvolvimento internacional” e “cooperação para o desenvolvimento”, pois muitas vezes, essas três terminologias são utilizadas como sinônimos (“international development cooperation” AND “international cooperation for development” AND “development cooperation”). O primeiro filtro foi aplicado ao conteúdo dos títulos e o segundo ao conteúdo do texto inteiro. A única exceção feita foi a base de dados de ScienceDirect onde o filtro foi aplicado ao título, ao resumo e as palavras-chave, pois a plataforma não permite filtrar pelo texto inteiro. As palavras selecionadas para filtrar esses resultados no presente estudo são os seis elementos da reciprocidade considerados no artigo do Messner, dentro de artigos que tratam da CID. Assim, foram aplicados os seguintes filtros: (“trust” OR “communication” OR “reputation” OR “fairness” OR “enforcement” OR “we-identity” OR “identity” OR “we-ness”). Para a expressão “identidade comum” (“we-identity”) foram utilizados dois sinônimos, pois a utilização dessa é pouco comum. A figura 2 mostra como as seis variáveis impactaram a quantidade de publicações disponíveis para esse estudo.

Figura 1- Comparação: Número de artigos encontrados pós aplicação do primeiro filtro no título x Número de artigos que contêm “cooperação internacional” no titulo

Figura 1- Comparação: Número de artigos encontrados pós aplicação do primeiro filtro no título x Número de artigos que contêm “cooperação internacional” no titulo

Figura 2 Porcentagem de artigos disponíveis pós aplicação do segundo filtro, dos seis elementos da reciprocidade.

Figura 2 Porcentagem de artigos disponíveis pós aplicação do segundo filtro, dos seis elementos da reciprocidade.

22As figuras 1 e 2 facilitam a visualização da pequena quantidade disponível de artigos que respondem aos filtros aplicados. É o caso para a primeira filtragem entre os resultados obtidos quando aplicada a expressão “international cooperation” e as expressões mais especificas, mas é também evidente na segunda etapa, com a integração das seis variáveis, “trust”, “communication”, “reputation”, “fairness”, “enforcement”, “we-identity”, “identity”, “we-ness”.

23Após a seleção dos documentos, foram encontrados um total de 365 publicações, das quais 72,05% são artigos, 15,3% são livros publicados ou a serem publicados, 6,58% são relatórios oficiais, 3,84% são resenhas e o resto são patentes ou comunicados oficiais. Para uma análise bibliométrica relevante, foram escolhidos dois tipos de documentos, a saber, os artigos e os relatórios oficiais, pois as citações e a autoria estão disponíveis em 100% dos casos.

24O próximo passo foi a leitura dos resumos para verificar a relevância com o estudo. Essa etapa revelou-se essencial, pois algumas publicações não tratavam de cooperação internacional para o desenvolvimento, mas de outros assuntos como pesquisas medicais. Em seguida, foi necessário eliminar as duplicatas. Essas últimas duas fases eliminaram um total de 137 artigos e relatórios, o que reduziu o número a 228 artigos e relatórios oficiais relevantes para esse estudo de caso.

Seleção das variáveis e a relevância dessas

25Para a planilha foram escolhidos os nomes dos primeiros dois autores, o titulo do documento, o ano de publicação, o jornal da publicação, o tipo de referência, as palavras-chave, as citações por documento, as instituições e países dessas para cada autor e o resumo. As variáveis qualitativas são o jornal, as palavras-chaves, o título, o resumo. E as variáveis qualitativas e quantitativas são o autor, o país e as citações.

26Essas seleções permitiram a criação de um amplo panorama dessas publicações. Além disso, essa meta-analise permitiu responder à questão do artigo.

Métodos e ferramentas de análise

27O método foi emprestado de outras pesquisas que já seguiram esse processo da meta-analise e estudo bibliométrico (Glänzel, Schubert, and Czerwon, 1999; Guilera, Barrios, and Gómez-Benito, 2013; Gunashekar et al. n.d., 2015; Sweileh et al., 2017). Os estudos que analisam produções cientificas são utilizados em todas as disciplinas. Eles são importantes para os pesquisadores, pois permitem criar um estado da arte de um tema específico. Além disso, eles representam uma ferramenta que permite responder a uma hipótese utilizando dados facilmente acessíveis. A ideia desse artigo segue a mesma direção. De fato, no momento da escrita desse trabalho, nenhum artigo tinha usado esse método para encontrar as interconexões entre o princípio de reciprocidade e os estudos sobre a CID.

28As ferramentas utilizadas para a análise são variadas. Primeiro, foi utilizado o Excel para a compilação dos dados e as funções de contagem. Publish or Perish serviu para encontrar o número total de citações do Google Scholar para cada publicação, para a análise quantitativa e qualitativa dessa variável; R, Nvivo e Excel Heat Maps foram utilizados para o mapeamento e a visualização dos dados. Vale ressaltar que a língua utilizada nesses programas é o Inglês. Por isso, as Figuras apresentam legendas em Inglês.

Resultados e discussão

Visão geral da literatura encontrada

29Como foi explicado anteriormente, os artigos e relatórios encontrados representam uma pequena porcentagem das publicações disponíveis nas diferentes plataformas que foram consideradas para este estudo. Não obstante, essa seleção é valiosa, o que apresentaremos através das análises bibliométricas. Para entender a sua importância é necessário apresentar, a priori, as características gerais dessa literatura.

Evolução nas publicações

Figura 3 Evolução das publicações encontradas ao longo dos anos

Figura 3 Evolução das publicações encontradas ao longo dos anos

30A Figura 3 apresenta a progressão dessas publicações ao longo dos anos. O primeiro artigo considerado foi publicado em 1976. A literatura encontrada cobre um período de um pouco mais de 40 anos. Para a história da cooperação internacional, esse período não é bem representativo, mas, ao mesmo tempo, considerando a CID e a tipologia mais recente, é pertinente.

31Essa figura também revela um importante crescimento no número de publicações no início dos anos 2010, o que pode ser explicado pela mudança no paradigma de desenvolvimento, descrito acima. Os anos 2015-2020 mostram uma fase de declínio na produção, pois o estudo considera publicações somente até o final de 2018. Pode-se afirmar que encontros internacionais, como o HLF de Paris, Busan ou as COPs, podem ter uma influência na quantidade de publicações, pois, ao atraírem a atenção dos acadêmicos, esses eventos têm uma relação direta com o número de pesquisas sobre esse assunto.

Citações por artigo

32Não é possível ter uma medida exaustiva do impacto dessas publicações sobre a esfera cientifica, olhando só pela evolução das produções. Uma outra forma de fazê-lo é através do número de citações. Na Figura 4, uma visão geral das citações dos artigos encontrados pode ser observada. Poucos se destacam nesse sentido. Um deles é o relatório resumindo o Clube de Roma (Tinbergen, 1976), que com mais de 400 citações, é também o mais antigo dos documentos encontrados. Além desse relatório, os primeiros 9 artigos que o seguem são os mais citados, com mais de 100 citações cada.

33Outro elemento a ser discutido acerca da Figura 4 é o grande número de artigos que nunca foram citados. O primeiro artigo nunca citado foi publicado em 1982. Das 228 publicações, 24,5% nunca foram citadas. Isso poderia indicar uma falta de interesse nesse assunto específico ou simplesmente uma interconexão fraca entre os autores que consideraram essa área de estudo. Outra hipótese é o baixo impacto dos jornais escolhidos para a publicação, mas o fator não tem relevância para o objetivo deste estudo.

34Alguns autores acreditam que o número de citações não representa uma medida adequada para observar a qualidade cientifica das publicações (Walter et al., 2003). Além disso, o objetivo aqui não é medir a qualidade dos textos publicados. O número de citações é uma variável dependente que permite simplesmente registrar quais são os autores mais citados e a distribuição geográfica das instituições de afiliação.

Figura 4 Evolução das citações por artigo

Figura 4 Evolução das citações por artigo

A tendência na autoria e mapa de distribuição

35Como já mencionado, uma dimensão interessante é o estado da arte dentro da esfera internacional de criação de conhecimento sobre esse assunto nas bases de dados selecionadas. Uma maneira de entender em que medida esse assunto representa uma área de interesse é observando as coautorias. Fellesson acredita que as coautorias são representativas das novas dinâmicas globais (Fellesson, 2017: 26). Nas análises de coautorias, a maioria dos estudos foca na dimensão geográfica (Melin and Persson, 1996: 373). Ademais, na amostra do presente estudo, apresentam artigos apresentam coautoria internacional.

36Consequentemente, essa dimensão é importante mesmo se ela nem sempre representa a colaboração real entre os autores (Melin and Persson, 1996: 372). É investigada a relação entre a CID e os 6 elementos da reciprocidade, através da análise das colaborações entre autores e a que região geográfica as instituições deles pertencem.

37Como a maioria dos artigos foi produzida sem coautoria e como os relatórios são escritos por muitos autores, são considerados os dois primeiros autores para cada publicação. Mostraremos quais são os autores mais citados para depois colocar esse dado em correlação com as suas instituições de afiliação respectivas, para observar se há um padrão geográfico. É importante destacar que a variável N/A para a afiliação pode significar duas coisas: primeiro, não há coautoria; segundo, o autor não depende de nenhuma instituição no momento da publicação do documento, sendo são geralmente consultores independentes.

38A Figura 5 indica os autores mais citados. Ela está baseada nos artigos com mais de 30 citações. Outra informação presente nesta figura são os artigos que, dentro desse limite, foram produzidos em coautoria. Os pontos cinzas representam os artigos que foram publicados por um único autor.

Figura 5 Coautoria dos artigos com mais de 30 citações

Figura 5 Coautoria dos artigos com mais de 30 citações

39Existe uma fraca correlação entre os autores que mais publicaram sobre esse assunto. Isso pode ser interpretado como uma barreira na criação de conhecimento. Como as pesquisas sobre a CID pressupõem interesses dos acadêmicos e pesquisadores do mundo inteiro, a ausência de coautoria pode ser um obstáculo para a criação de estudos relevantes e úteis para responder aos desafios globais para o desenvolvimento.

40A próxima dimensão a ser observada é a distribuição geográfica. Graças à identificação dos autores, é possível averiguar se há um padrão geográfico nas produções, ou não. O critério geográfico é o das instituições de afiliação de cada autor. De fato, essa variável é importante, pois ela tem influência direta sobre os focos dos estudos. A Figura 6 considerou também os artigos com mais de 30 citações.

41A linha da função exponencial, R2, mostra que o nível de citações por artigo com mais de 30 citações é decrescente pois o número de artigos publicados aumenta. Ela também destaca os artigos acima desse nível. São poucos aqueles que se encontram nesta posição e cinco dentre eles foram publicados por um único autor ou um consultor independente. Outra informação que pode ser retirada dessa figura é que os autores afiliados a instituições inglesas ou norte-americanas são os com o maior número de publicações dentro do limite de mais de 30 citações. Acima de R2, todos os artigos foram publicados por autores afiliados a instituições do Norte Global.

42Esse resultado pode ser explicado por várias razões, como a importância dos jornais de publicação e instituições de afiliação, especializadas neste tópico. Na área da CID, os documentos encontrados e publicados em coautoria são resultados da colaboração entre autores de países desenvolvidos e em desenvolvimento. O fato desses artigos serem poucos, para a CID, pode ser uma observação relevante, pois pode ser considerado como sendo uma barreira para alcançar melhores resultados e práticas de cooperação, a longo prazo.

Figura 6 Distribuição por pais da instituição de afiliação da coautoria

Figura 6 Distribuição por pais da instituição de afiliação da coautoria

Principais jornais de publicação

43O interesse dessa variável não vem apenas dos jornais em si, mas das regiões de proveniência desses. Pode ser observado na Figura 7, que somente quatro jornais têm mais de uma publicação: World Development, Human Rights Quarterly, International Journal of Educational Development e Social Science and Medicine. Desses 4, três têm foco em Sociologia e Ciências Políticas. O Jornal Social Science and Medicine foca na História e na Ciência da Filosofia. O CiteScore (indicador de notoriedade) deles varia entre 0,9 e 3,92 na plataforma Elsevier (5 sendo o máximo). Assim, através dessa métrica, mais uma vez, podemos afirmar que nem sempre é necessário olhar para o número de citação dos artigos ou jornais para entender a influência que um artigo pode ter dentro de uma área especifica.

44A pouca diversidade dos jornais de publicação é representativa desse assunto, que ainda é pouco estudado dentro das publicações cientificas. Os acadêmicos e outros pesquisadores não podem ainda se identificar com um jornal especializado, pois ainda não existe um jornal que se destaque para as publicações sobre a CID em conjunto com os seis elementos do “hexágono da cooperação”.

Figura 7 Analise das palavras-chave e resumos

Figura 7 Analise das palavras-chave e resumos

Analise das palavras-chave e resumos

45Nessa secção, o foco será dado à dimensão qualitativa dos resumos e das palavras-chave. Os acadêmicos usam esse método para analisar ao mesmo tempo o estudo de caso, a informação utilizada e os resultados obtidos numa publicação.

46As próximas figuras são nuvens de palavras ilustrando as expressões repetidas mais de 4 vezes no resumo e nas palavras-chave dos documentos encontrados. Os dados foram divididos em quatro períodos (por década), para dar uma melhor impressão da evolução de utilização dessas expressões. Os períodos são: 1976-1986; 1986-1996; 1996-2006; 2006-2018. A seleção foi feita cuidadosamente para que não haja superposição. Foi utilizado um código de cores de vermelho ao azul, com o vermelho representando as palavras com mais repetições e azul as palavras de menor frequência. Como filtro, as palavras precisavam ser repetidas no mínimo quatro vezes nos primeiros três períodos, e no mínimo oito vezes no último período. Foi necessário fazer essa diferenciação, pois no último período a quantidade de palavras com mais frequência encontradas era maior.

47Graças a essas quatro nuvens, podemos afirmar que teve uma evolução nas expressões utilizadas. Houve uma mudança no número de publicações, o que influenciou na quantidade de palavras filtradas. Na primeira nuvem são encontradas 6 palavras, enquanto na última são quase 150. Algumas palavras são de grande frequência desde o primeiro período, como, por exemplo, “development” (“desenvolvimento”) ou “cooperation” (“cooperação”). Não obstante, essas não são as palavras mais relevantes, pois são partes das expressões booleanas utilizadas para encontrar os artigos, em primeiro lugar. O interesse deve ser focado nas outras palavras mencionadas conjuntamente a essas expressões.

48No primeiro período, a frequência da palavra “conservation” (“conservação”) foi maior que as duas palavras principais, “desenvolvimento” e “cooperação”. A palavra “economic” (“econômico”) é também altamente representada. Já, a partir do segundo período, apareceram noções como “international” (“internacional”), “countries” (“países”), “collaborative” (“colaborativo”), “tourism” (“turismo”) e mesmo “South-South” (“Sul-Sul”).

Figura 8 Nuvem de palavras: 1976-1986

Figura 8 Nuvem de palavras: 1976-1986

Figura 9 Nuvem de palavras: 1986-1996

Figura 9 Nuvem de palavras: 1986-1996

Figura 10 Nuvem de palavras: 1996-2006

Figura 10 Nuvem de palavras: 1996-2006

Figura 11 Nuvem de palavras: 2006-2018

Figura 11 Nuvem de palavras: 2006-2018

49Na terceira sequência, a palavra “aid” (“ajuda”) aparece conectada a expressões como “donor” (“doador”), “poverty” (“pobreza”), “goals” (“objetivos”). Tendo em vista o período, início dos anos 2000, isso pode ser explicado pela criação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Além disso, as palavras “world” (“mundo”), “partnership” (“parceria”) e “human” (“humano”) são encontradas nessa nuvem. Isso já é um sinal da mudança de paradigma dentro da literatura, pois a dimensão humana não era representada nas primeiras duas sequencias. Para a última nuvem, é importante ressaltar o uso de “gender” (“gênero”), “assistance” (“assistência”), “accountability” (“responsabilidade”), “ownership” (“propriedade”), “global partnership” (“parceria global”) ou mesmo “Brazil”, “Africa” e “China”. Isso é representativo dos discursos avançados nas negociações internacionais sobre a eficácia da CID. Não obstante, para o escopo do artigo, nenhum dos seis elementos da reciprocidade para o “hexágono da cooperação” aparece com grande frequência.

O que pode ser extraído desses resultados

50É complicado entender os padrões entorno da criação de conhecimento sobre um tópico específico e como esse responde as preocupações da vida real. O que pode ser feito graças à análise bibliométrica da literatura disponível é observar falhas nas pesquisas que poderiam ser úteis para obter respostas adequadas aos desafios globais e locais atuais, se fossem preenchidas. Por outro lado, a pesquisa foi feita em Inglês o que pode ter influenciado nos resultados. No entanto, nas bases de dados utilizadas é comum que os artigos publicados em outras línguas tenham os títulos e resumos traduzidos em inglês. Isso reduz o viés.

51Para entender a evolução, no tempo e no espaço, das pesquisas sobre esse tópico foi necessário combinar diferentes métodos de análise, do quantitativo ao qualitativo, e utilizar medidas multivariadas. Além da análise de uma possível falha nas pesquisas sobre um tópico específico, o interesse desse artigo vem também da importância, no contexto atual, dos programas e projetos de CID. Eles são uma ferramenta privilegiada para a cooperação internacional e amplamente discutidos durante as negociações internacionais para responder aos desafios globais, como pobreza ou mudanças climáticas.

52De fato, nas figuras das nuvens pode ser observada uma clara evolução sobre esse assunto, mesmo sem uma presença recorrente dos seis elementos utilizados para a pesquisa. A frequência dessas expressões ainda é baixa nos artigos e relatórios oficiais. Isso revela que os projetos da CID não incluem o princípio da reciprocidade e o motivo pelo qual os atores da CID, que se encontram a nível local ou mesmo os beneficiários, não se sentem associados a esses projetos. Como já mencionado, na última figura, existem algumas correspondências de alta frequência no uso de palavras também utilizadas em documentos institucionais como na declaração de Busan ou Paris pós HLF. Isso demostra uma preocupação conectada as diretivas criadas durante esses eventos internacionais. Entretanto, ainda é difícil saber como avaliar a eficácia desses programas de CID, seja essa avaliação a priori, na implementação, ou a posteriori (Hatton and Schroeder 2007: 430). E mesmo se existem diversas ferramentas para os atores do desenvolvimento, cada uma depende de políticas, objetivos e princípios diferentes. A inclusão começa nos níveis locais de atores envolvidos na CID. Indicadores mais inclusivos parecem ser a resposta as incertezas ainda existentes sobre as boas práticas nos projetos para o desenvolvimento.

  • 1 Traduzido pela autora. Original: “the trust that an individual has in others, the investment others (...)

53A falta de foco no princípio da reciprocidade nos estudos da CID é uma barreira para alcançar o consenso sobre essas boas práticas. Os seis elementos do hexágono da cooperação são relevantes para essa área. De fato, confiança, reputação e comunicação, são elementos conjuntamente utilizados para o bom funcionamento da cooperação em geral. Mesmo se os autores dos estudos que mencionam essas características não são necessariamente especializados na CID, os resultados obtidos por eles podem ser aplicados a esses projetos. De fato, “a confiança que um indivíduo tem nos outros, o investimento feito para adquirir reputações dignas de confiança e a probabilidade de usar normas reciprocas”1 (Ostrom, 2005: 50) são elementos fundamentais para a eficácia da cooperação para o desenvolvimento, pois são instrumentos vitais para parcerias sustentáveis. O forte elo entre reciprocidade e reputação facilita a comunicação entre atores da CID, assim como a resolução de problemas (Putnam, 1995). Além disso, uma boa comunicação é um primeiro passo para estabelecer a confiança entre atores, o que permite melhor conhecer as necessidades de cada um e a participação de todos no processo de programas de desenvolvimento. Os casos de assimetria de informação e aqueles de comunicação fraca levam a situações de não cooperação ou mesmo relações conflitivas, pois eles diminuem o sentimento de confiança.

Figura 12 O mapa global da produção cientifica: numero de publicações por pais

Figura 12 O mapa global da produção cientifica: numero de publicações por pais

Fonte: Produzido pela autora com base nas instituições de afiliação dos dois primeiros autores

54Esses elementos interconectados são variáveis essenciais a considerar na hora de pensar nos efeitos, eficácia ou sustentabilidade da CID. Mesmo se há autores que consideram que atores que ocupam papeis similares (“similar-looking CID que são parcerias multi-atores, na maioria dos casos. Essa dimensão também é vital para a produção de conteúdo científico e de conhecimento entorno dos desafios da CID.

55A produção cientifica analisada neste artigo é o espelho das evoluções que foram introduzidas na área da CID até hoje. Olhando para o mapa da Figura 12, aparece como uma evidencia a falta de produção cientifica sobre esse assunto em algumas regiões. Para os documentos encontrados nesse estudo, não há apenas uma fraca conexão entre autores, mas também há menos autores afiliados a instituições do Sul Global que a instituições do Norte. Essa é uma característica relevante para o presente artigo, pois a CID é um tópico de alto interesse para os atores do Sul. Por conseguinte, essa distribuição impacta a atuação de atores e agentes do desenvolvimento de todas as regiões assim como o caminho para alcançar um consenso sobre as boas práticas das parcerias internacionais frente aos desafios globais.

Conclusão

56Para as análises de projetos de cooperação internacional para o desenvolvimento ainda há uma preocupação em torno das avaliações da eficácia desses a nível mundial. Este artigo oferece uma perspectiva nova, a saber, a correlação entre os seis elementos da reciprocidade considerados no “hexágono da cooperação” e o estudo da CID. Assim, para que a cooperação seja eficaz para todos os atores envolvidos e no longo prazo, a dimensão da reciprocidade revela-se importante para as parcerias internacionais. Entretanto, foi demostrado que na literatura disponível sobre a CID, esse foco não existe.

57Os resultados obtidos neste artigo relatam que essa falha pode representar uma lacuna considerável na criação de conhecimento sobre esse tópico. A proposta aqui é que essa deficiência na produção cientifica poderia ser superada graças a uma colaboração mais intensa entre autores de instituições das regiões do Sul com os do Norte sobre esse assunto. Para melhor entender como os projetos de CID funcionam e quais são as boas praticas a seguir para resultados que respondam as necessidades de todos os agentes envolvidos, há uma necessidade de criar uma tipologia aceita por todos. Essa tipologia vá da criação dos projetos até os indicadores de avaliação da eficácia da CID.

Inicio de página

Bibliografía

ABELL, Peter and REYNIERS, Diane, “Generalised Reciprocity and Reputation in the Theory of Cooperation: A Framework.” 22, 2000, p. 3-18, <https://www.degruyter.com/downloadpdf/j/auk.2000.22.issue-1/auk-2000-0101/auk-2000-0101.pdf>

AXELROD, Robert and HAMILTON, D. W.,“The Evolution of Cooperation”, Science, 1981.

AXELROD, Robert and KEOHANE, Robert O., “Achieving Cooperation under Anarchy: Strategies and Institutions”, World Politics, 38 (1), 1985, p. 226-254, <http://www.journals.cambridge.org/abstract_S0043887100010613)>

BENITEZ-SCHAEFER, Florencia, “Beyond Fragmentation: Integrating Diversity Within Development Cooperation as a Contribution to International Peacebuilding”, Journal of Peacebuilding & Development, 10 (2), 2015, p. 52-67, <http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/15423166.2015.1056213>.

BULL, Hedley, The Anarchical Society : A Study of Order in World Politics. Columbia University Press, 1977, <https://openlibrary.org/books/OL4890077M/The_anarchical_society>.

CHANDY, Laurance, “Reframing Development Cooperation”, 2011, <https://www.brookings.edu/wp-content/uploads/2016/07/2011_blum_reframing_development_cooperation_chandy.pdf>.

CHANG, Luke J., DOLL, Bradley B., VAN ’T WOUT, Masha, FRANK, Michael J., SANFEY, Alan G., “Seeing Is Believing: Trustworthiness as a Dynamic Belief.” Cognitive Psychology, 61 (2), 2010, p. 87-105. (http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0010028510000150).

FELLESSON, Mans, “Research Capacity in the New Global Development Agenda”, EBA, 2017, <http://eba.se/wp-content/uploads/2017/05/Fellesson-webbversion170526.pdf>.

GLÄNZEL, W., SCHUBERT, A., CZERWON, H. J., “A Bibliometric Analysis of International Scientific Cooperation of the European Union (1985–1995)”, Scientometrics, 45 (2), 1999, p. 185-202, <http://link.springer.com/10.1007/BF02458432>.

GÓMEZ, Georgina, KNORRINGA, Peter, Local Governance, Economic Development and Institutions, 2016, <https://books.google.com.br/books?id=Hr7tCwAAQBAJ&pg=PA133&lpg=PA133&dq=beyond+aid+a+buzzword&source=bl&ots=lYSW0IAdjR&sig=cV6abFRnXxSDpyvBnLkQfUYPAKM&hl=fr&sa=X&ved=0ahUKEwiUjtuYnLnbAhXCGZAKHfPWDjgQ6AEIRTAD#v=onepage&q=beyond aid a buzzword&f=false>.

GUILERA, Georgina, BARRIOS, Maite, GÓMEZ-BENITO, Juana, “Meta-Analysis in Psychology: A Bibliometric Study”, Scientometrics, 94 (3), 2010, p. 943-954, <http://link.springer.com/10.1007/s11192-012-0761-2>.

GULRAJANI, Nilima,. “Bilateral Donors and the Age of the National Interest: What Prospects for Challenge by Development Agencies?”, World Development, 96, 2017, p. 375-389, <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0305750X17300839>.

GUNASHEKAR, Salil, LAVOIE, Rémi, ROBERGE, Guillaume, RASHID, Mohammed, MARJANOVIC, Sonja, “A Bibliometric Analysis of Research by the Cambridge Neuroscience Strategic Research Initiative: Extended Summary”, 2015, <https://www.rand.org/content/dam/rand/pubs/research_reports/RR1100/RR1189/RAND_RR1189.pdf>.

HATTON, Michael J., SCHROEDER, Kent, “Results-Based Management: Friend or Foe?”, Development in Practice, 17 (3), 2007, p. 426-432, <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09614520701337160>.

HYDEN, Goran, “After the Paris Declaration: Taking on the Issue of Power.” Development Policy Review, 26 (3), 2008, p. 259-274, <http://doi.wiley.com/10.1111/j.1467-7679.2008.00410.x>.

JANUS, Heiner, KLINGEBIEL, Stephan, PAULO, Sebastian, “Beyond Aid: A Conceptual Perspective on the Transformation of Development Cooperation.” Journal of International Development, 27 (2), 2015, 155-169, <http://doi.wiley.com/10.1002/jid.3045>.

MARTINI, Jessica et al. n.d., “Aid Effectiveness from Rome to Busan: Some Progress but Lacking Bottom-up Approaches or Behaviour Changes”, <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/j.1365-3156.2012.02995.x>.

MELIN, G., PERSSON, O., “Studying Research Collaboration Using Co-Authorships”, Scientometrics, 36 (3), 1996, p. 363-377, <http://link.springer.com/10.1007/BF02129600>.

MELO, Ari, “Revisão Da Literatura: Apresentação de Uma Abordagem Integradora”, AEDEM International Conference, september 2017, p. 427-443, <https://www.researchgate.net/profile/Ari_Mariano/publication/319547360_Revisao_da_Literatura_Apresentacao_de_uma_Abordagem_Integradora/links/59beb024aca272aff2dee36f/Revisao-da-Literatura-Apresentacao-de-uma-Abordagem-Integradora.pdf>.

MESSNER, Dirk, HAUN, Daniel, GUARIN, Alejandro, “Putting Behavior into International Cooperation”, The Chinese Journal of Global Governance, 2 (2), 2016, p. 129-141, <http://booksandjournals.brillonline.com/content/journals/10.1163/23525207-12340018>.

OECD. n.d., “Rome declaration on harmonization” <http://www.oecd.org/dac/effectiveness/31451637.pdf>.

OSTROM, Elinor, Understanding Institutional Diversity, Princeton, Pricenton University Press, 2005.

OYE, Kenneth A., “Explaining Cooperation Under Anarchy: Hypotheses and Strategies.” World Politics, 38 (1), 1985, p. 1-24, <http://www.journals.cambridge.org/abstract_S0043887100010534>.

PUTNAM, R. D. 1995. “Bowling Alone: America’s Declining Social Capital”, Journal of Democracy, 6 (1), 1995, p. 65-78, Socialcapitalgateway.org, <http://www.socialcapitalgateway.org/content/paper/putnam-r-d-1995-bowling-alone-americas-declining-social-capital-journal-democracy-6-1->.

RAMEL, Frédéric, “How to Understand International Society Differently: Mauss and the Chains of Reciprocity”, Journal of International Political Theory, 14 (2), 2018, p. 165-182, <http://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1755088217751514>.

SIGMUND, Karl n.d., “Sympathy and Similarity: The Evolutionary Dynamics of Cooperation”, <http://www.pnas.org/content/pnas/106/21/8405.full.pdf>.

SUMNER, A., MALLETT, R., The Future of Foreign Aid: Development Cooperation and the New Geography of Global Poverty, King’s International Development Institute, King’s College London, United Kingdom, Palgrave Macmillan, 2012, <https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-85014197675&doi=10.1057%2F9781137298881&partnerID=40&md5=6623264bd5315014add58385e16e8e1a>.

SWEILEH, Waleed M. et al., “Bibliometric Analysis of Worldwide Scientific Literature in Mobile - Health: 2006–2016”, BMC Medical Informatics and Decision Making, 17 (1), 2017, <http://bmcmedinformdecismak.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12911-017-0476-7>.

TINBERGEN, Jan, “Reshaping the International Order (RIO)”, Futures 8 (6), 1976, p. 553-556, <http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/0016328776900860>.

WALTER, G., BLOCH, S., HUNT, G., FISHER, K., “Counting on Citation: A Flawed Way to Measure Quality”, Med J Aust, 178 (6), 2003, p. 280-281, <citeulike-article-id:6064155%5Cnhttp://www.mja.com.au/public/issues/178_06_170303/wal10537_fm.pdf>.

Inicio de página

Notas

1 Traduzido pela autora. Original: “the trust that an individual has in others, the investment others make in trustworthy reputations, and the probability of using reciprocity norms” (Ostrom 2005:50).

Inicio de página

Índice de ilustraciones

Título Figura 1- Comparação: Número de artigos encontrados pós aplicação do primeiro filtro no título x Número de artigos que contêm “cooperação internacional” no titulo
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-1.jpg
Ficheros image/jpeg, 52k
Título Figura 2 Porcentagem de artigos disponíveis pós aplicação do segundo filtro, dos seis elementos da reciprocidade.
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-2.jpg
Ficheros image/jpeg, 44k
Título Figura 4 Evolução das citações por artigo
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-3.jpg
Ficheros image/jpeg, 24k
Título Figura 5 Coautoria dos artigos com mais de 30 citações
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-4.jpg
Ficheros image/jpeg, 60k
Título Figura 6 Distribuição por pais da instituição de afiliação da coautoria
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-5.jpg
Ficheros image/jpeg, 84k
Título Figura 7 Analise das palavras-chave e resumos
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-6.jpg
Ficheros image/jpeg, 72k
Título Figura 8 Nuvem de palavras: 1976-1986
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-7.jpg
Ficheros image/jpeg, 24k
Título Figura 9 Nuvem de palavras: 1986-1996
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-8.jpg
Ficheros image/jpeg, 48k
Título Figura 10 Nuvem de palavras: 1996-2006
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-9.png
Ficheros image/png, 43k
Título Figura 11 Nuvem de palavras: 2006-2018
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-10.jpg
Ficheros image/jpeg, 148k
Título Figura 12 O mapa global da produção cientifica: numero de publicações por pais
Leyenda Fonte: Produzido pela autora com base nas instituições de afiliação dos dois primeiros autores
URL http://journals.openedition.org/alhim/docannexe/image/7502/img-11.jpg
Ficheros image/jpeg, 39k
Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Cristiana Dobre, « A não-reciprocidade dos programas de cooperação para o desenvolvimento: uma análise bibliométrica », Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [En línea], 37 | 2019, Publicado el 20 septiembre 2019, consultado el 14 diciembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/alhim/7502

Inicio de página

Autor

Cristiana Dobre

Université de Rennes 2 (França)/Universidade de Brasilia (Brasil)Doutoranda, em regime de cotutela, na Université de Rennes 2 (ERIMIT) e na Universidade de Brasilia (CDS)dobre.cris26@gmail.com

Inicio de página

Derechos de autor

Licencia Creative Commons
Amérique latine Histoire et Mémoire está distribuido bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.

Inicio de página
  • Logo Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals