Navegación – Mapa del sitio

InicioNúmeros41Un activisme pluriel : une visibi...Engendrando novos territórios pol...

Un activisme pluriel : une visibilité en demi-teinte

Engendrando novos territórios políticos: um caso de resistência lésbica periférica

Suane Felippe Soares

Resúmenes

Este artigo, emprega a História do Tempo Presente para analisar um grupo de socialização lésbica virtual, O Meninas RJ - por meio do WhatsApp e outras redes sociais – que promove encontros presenciais periódicos voltados para lésbicas que habitam a periferia, regiões marginais, da cidade do Rio de Janeiro. O grupo é conduzido com irreverência e acolhimento, oferecendo um espaço plural para lésbicas e mulheres que fazem sexo com mulheres. Trata-se de um território de resistência para as pessoas LBTI+ que o integram em espaços de periferias, pobreza, racismo, lesbofobia, capacitismo etc. Grosso modo, o grupo representa construção coletiva autônoma e fortalece o poder popular da comunidade lésbica da região. O argumento central é de que histórias marginais podem ser trazidas à tona para repensar fontes primárias e reposicionar a história das mulheres como um campo realmente crítico e que abarque todas as mulheres marginais.

Inicio de página

Texto completo

O perigo de uma história única

1Tal qual a história dos grandes homens e feitos, é amplamente criticada pelas historiadoras, a escrita da história das mulheres se percebeu, em alguma medida, universalista e excludente. A partir da eclosão dos movimentos sociais de mulheres negras, indígenas, amarelas, marrons, do Sul global, latinas, lésbicas, transexuais, intersexuais, bissexuais, ribeirinhas, do campo, da floresta, das águas, em situação de rua, privadas de liberdade, jovens, meninas, idosas, com deficiências e tantas outras, identificou-se que o campo da história das mulheres precisa se pensar plural, desde sua essência. A história das mulheres, muitas vezes, reproduz o modelo de exclusão que tanto critica na história tradicional ao silenciar a fala das mulheres não-brancas, não-heterossexuais, não-pertencentes ao Norte Global e às classes dominantes.

  • 1 bell hooks explica em seu trabalho “Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade” (...)

2Diversas mulheres, integrantes de minorias representativas, conseguiram evidenciar algumas dessas histórias por meio de críticas ao que, inicialmente, se chamou de história das mulheres escrevendo sobre seus corpos como territórios insurgentes, políticos e sonoros, pois o silêncio não protege (Lorde, 2019). Para citar algumas, temos Gayatri Spivak, Chimamanda Adichie, Mujeres Creando Comunidad, Dorotea Gómez Grijalva, bell hooks1, Glória Anzaldúa, Lúcia Guerra, Carolina Maria de Jesus, Audre Lorde, Coletivo Combahee River, Sojourner Truth, Anne Lister e a lista é imensa, muitas não são historiadoras, mas escreveram suas vidas em diários, como nos lembra Perrot (2007: 17), sobre a importância dos mesmos para a história.

  • 2 O estudo, do qual origina-se a investigação empírica apresentada a seguir, foi uma pesquisa de camp (...)

3O presente artigo2, endossando essa crítica, caminha na esteira dessas grandes mulheres que, cada qual ao seu modo, mostra os malefícios, para a escrita da história, em se contar uma história única (Adichie, 2018). Logo, como adverte Yasmine Ergas, «o feminismo é, ou foi, mais uma questão histórica do que uma questão de definição» (Ergas, 1995: 558). A marginalização dessas sujeitas gera uma ideia da condição lésbica pautada nas vivências e nas histórias das lésbicas brancas da elite, porque tomar a parte pelo todo é sempre uma forma de excluir parcelas com menor poder de enunciarem-se. Além de ser uma generalização discriminatória e um silenciamento é, também, um erro historiográfico, já que são perdidos elementos importantes que definem, tanto a parte evidenciada, quanto a negligenciada. Destaca-se ainda o fator numérico, é a maioria das lésbicas que permanece oculta no processo. Essa história das margens, das outsiders, das subalternas e das vencidas é sempre difícil de construir, já que são poucas as fontes que a registram, especialmente quando feitas em primeira pessoa.

4Utilizando a história do tempo presente, pensada a partir da reflexão sobre o território virtual e corpóreo, buscou-se construir uma análise que leva em conta o que Carlos Fico (2012) adverte como um dos desafios dessa escrita utilizando como metodologia a entrevista semiestruturada e a observação participante presencial e virtual. Nas palavras do historiador:

Uma das principais peculiaridades da História do Tempo Presente é a [...] a possibilidade desse conhecimento histórico ser confrontado pelo testemunho dos que viveram os fenômenos que busca narrar e/ou explicar. Trata-se, talvez, da única particularidade que verdadeiramente distingue essa especialidade das demais, embora muitos autores tenham tentado destacar’ [sic] outras singularidades do ponto de vista metodológico ou mesmo teórico.De fato, a marca central da História do Tempo Presente – sua imbricação com a política – decorre da circunstância de estarmos, sujeito e objeto, mergulhados em uma mesma temporalidade, que, por assim dizer, «não terminou». Isso traz importantes consequências epistemológicas para o conhecimento que se deseja construir. (Fico, 2012: 45)

5A história do tempo presente é fundamental para refletirmos, em que medida, nas últimas décadas, por meio da utilização de tecnologias acessíveis às populações periféricas lésbicas trabalhadoras empobrecidas e geralmente negras, foi tecida uma rede de apoio mútuo, e construído um espaço de socialização e garantias de que a coletividade, gravemente fragmentada pelo capitalismo, racismo e patriarcado, se revigorasse, em meio à hostilidade, por vezes letal, das configurações geopolíticas determinadas por essas opressões, além dos impactos gerados pela lesbofobia e pela heteronormatividade.

O Meninas RJ: resistência e construção popular

6O primeiro grupo militante de lésbicas a se formar no Brasil data de 1979, em São Paulo (Lessa, 2007). Na época, em várias cidades, eclodiram grupos responsáveis pela construção dos alicerces do que, hoje, podemos chamar de movimento lésbico brasileiro com suas fases, nuances e pautas próprias (Lemos, 2019; Silva, 2017). Trata-se de um movimento que ainda está em expansão e em busca por visibilidade (Pinafi, 2015; Soares; Costa, 2017; Simões; Facchini, 2009). O Meninas RJ não se caracteriza como movimento social ou como um grupo militante/ativista, mas como um espaço de socialização, acolhimento e trocas entre lésbicas. Algo que poderia ser classificado como movimento de mulheres lésbicas e não como movimento lésbico feminista. Difere-se, portanto, do que tradicionalmente é compreendido como luta popular com partidos e quadros políticos, marcando seu lugar na história com a atuação de sujeitas «anônimas» e técnicas alternativas, que, há anos, estão avolumando e diversificando a união entre lésbicas.

  • 3 No campo epidemiologia o termo «mulheres que fazem sexo com mulheres» refere-se a um grupo amplo de (...)
  • 4 Seguindo a orientação do Conselho de Ética em Pesquisa – CEP as informações que possam identificar (...)

7Na região do Grande Rio, que compreende a cidade do Rio de Janeiro e cidades vizinhas, existem vários grupos sediados no WhatsApp, a rede social mais popular no Brasil, voltados exclusivamente para mulheres que fazem sexo com mulheres (MSM)3 e/ou lésbicas. O grupo que será aqui analisado foi fundado em 2013 e será nomeado ficticiamente de Meninas RJ4. Trata-se de um grupo com fluxo contínuo de participantes, no qual o tempo de permanência das membras pode variar de dias até anos. Estimava-se, em 2017, que já haviam passado mais de dez mil pessoas no espaço, desde sua fundação. A gestão do espaço é feita por voluntárias e conta com equipes que oscilam entre duas e dez mulheres. A iniciativa continua com uma configuração bastante similar e contava com 610 pessoas ativas, em março de 2021.

8Na maior parte do tempo, ao longo da existência do grupo, o arranjo predominante contou com cinco subgrupos divididos por temáticas e/ou por idade. Tais subgrupos, sempre muito movimentados, tratam assuntos variados enquanto a administração promove alguns incentivos para a socialização como debates temáticos, horóscopo, dicas de programações culturais, livros, filmes etc.

9O Meninas RJ é mais do que espaço virtual, físico, sociopolítico e de entretenimento. Como os demais grupos desse modelo, exclusivos para mulheres, funciona como espaço de resistência contra problemas como assédios, preterimentos, exclusões, racismos, classismos, capacitismos e a lesbofobia que impedem essas lésbicas de pertencerem à sociedade, tal qual as mulheres heterossexuais. O grupo realiza, periodicamente, encontros presenciais fechados (suspensos durante a pandemia), os quais dialogam com o dia a dia das redes sociais, mas que cumprem função distinta destas. São espaços de socialização nos quais acontecem brincadeiras, há distribuição e venda de bebidas, brindes, atrações artísticas como dançarinas, cantoras e DJs, etc.

10A configuração atual dos grupos voltados para lésbicas e MSM, no Rio de Janeiro é de espaços efêmeros que não conseguem longevidade, e destinam-se, prioritariamente, para a formação de casais ou, em menor medida, para encontros sexuais casuais. O diferencial do Meninas RJ, está no fato de que, apesar de cumprir essas funções, também existe como espaço de entretenimento e formação de vínculos de amizade, contando com uma administração zelosa, regras internas e acompanhamento diário de conflitos, dúvidas e quaisquer imprevistos que surjam, sempre na tentativa de melhorar a convivência e não deixar ninguém para fora das conversas. O diálogo exclusivo entre mulheres, majoritariamente lésbicas, é um fenômeno raro, já que a maior parte dos espaços que possuem como política a não discriminação de lésbicas são LGBTI+ ou apenas «alternativos», mas não essencialmente lésbicos. Assim como o Meninas RJ, todos os grupos de lésbicas estudados, até 2017, eram frequentados apenas por lésbicas cisgêneras, ou seja, sem lésbicas trans. A composição de grupos LGBTI+ e/ou de cada um dos outros segmentos não foi o foco da pesquisa. Não foram coletados esses dados demográficos, mas é possível afirmar, devido às observações participantes, que a composição do Meninas RJ era quase que totalmente por lésbicas cisgêneras, uma parcela bem menor de mulheres bissexuais cisgêneras e um ou dois homens transexuais.

  • 5 O WhatsApp chama de administrador(a) (ADM) pessoas que gerenciam os grupos na rede social. O Menina (...)

11Mariana, fundadora, dona e administradora (ADM)5 do Meninas RJ, explica um pouco sobre o início do projeto:

Eu criei o grupo em um momento em que eu não estava assim, muito bem na vida pessoal, e eu achei que ele seria uma ferramenta para eu fazer novas amizades. [...] Foi uma coisa que me abriu muito para o mundo. E eu criei o grupo com uma mente um pouco egoísta, de querer fazer amizades para mim, e eu acabei criando algo que teve o mesmo efeito para muitas pessoas, porque muitas inclusive saíram da depressão por conta do grupo, fizeram amizades, conheceram pessoas especiais. [...]

E o fato do grupo ter regras, porque tem algumas regras de boa convivência, também ajudou porque é um grupo que preza muito a harmonia, então a gente tenta não incentivar assuntos polêmicos. Polêmicos que eu digo, assim, que vá criar dois grupos separados: gente que pensa de um determinado jeito muito radical e outro mais radical ainda. Enfim, então a gente tenta evitar esse tipo de assunto, tenta conversar coisas leves, porque é para ser um lugar para a pessoa chegar do trabalho e, sei lá, conversar coisas banais, sabe? Se distrair, então essas regras servem realmente para harmonizar o grupo, briga não é permitido, por exemplo. (Mariana, negra, «meio-termo», 29 anos)

Territórios e trajetórias lésbicas

  • 6 Neste ponto, caberia, como foi construída na tese, uma minuciosa descrição das integrantes do grupo (...)

12Mariana é uma mulher negra, de classe média baixa, «meio-termo», tímida, com um coração gigante, empolgada, de riso fácil e gênio difícil, que vive na Zona Norte do Rio de Janeiro. Se assumiu para a família bem jovem e sua mãe, inusitadamente, é a matriarca do Meninas RJ, pois abraçou o projeto da filha com unhas e dentes. Hoje, com seus trinta e três anos, Mariana trabalha como designer e, nas horas vagas, comanda o Meninas RJ, com paixão e dedicação6.

  • 7 Coloco dessa maneira porque a catalogação raça/cor do grupo estudado foi determinada por autoidenti (...)
  • 8 No Brasil, literalmente, este substantivo significa algo que está a meia distância entre dois extre (...)

13As membras do Meninas RJ constroem suas vidas destoantes em meio à « nação heterossexual » (Curiel, 2013), ocupam, recorrentemente, os piores cargos de trabalho, com renda familiar média de R$1.200,00 mensais, com a estimativa de renda per capita entre R$200,00 e R$400,00, em 2017. O grupo é composto majoritariamente por mulheres negras, muitas possuem ascendência indígena7 e quase todas periféricas e empobrecidas. As idades costumam variar entre 18 e 60, não havendo limite máximo de idade e são proibidas pessoas menores de idade. Trata-se de mulheres sujeitas a variados abusos, instabilidades e, como a maioria das lésbicas, vivendo em um universo velado e cheio de normas de sobrevivência, como estrangeiras em seus próprios territórios (Lacombe, 2009). Grosso modo, as lésbicas dividem-se em três grupos, segundo categorias endógenas: «bofe», «meio-termo8» e «lady», estas são as lésbicas masculinas, andróginas e femininas, respectivamente. Entre as entrevistadas, 12% são pessoas com deficiência e 50% relataram problemas crônicos de saúde, tais como epilepsia e depressão.

Território político: periferias digitais e físicas

14Mariana menciona ter dificuldade em divulgar seu grupo em meios lésbicos elitizados e perceber uma barreira sociocultural e econômica que impede que ela e suas companheiras do grupo e das periferias possam frequentar boates e eventos lésbicos, voltados para a classe média. Algumas entrevistadas explicam suas percepções sobre as diferenças entre os territórios que cresceram e outros, como a Zona Sul, região mais rica da cidade do Rio de Janeiro.

15Nas entrevistas, o espaço digital é caracterizado como mais acessível em termos de custo-benefício, do que boates e bares, quase todos localizados na Zona Sul, além de mais seguro. Destacam-se ainda questões que cruzam determinantes de classe, raça, sexo, sexualidade e território: muitas lésbicas realizam múltiplas jornadas de trabalho, com uma ou nenhuma folga semanal; não possuem recurso financeiro próprio para gerir suas vidas; são responsáveis pelo cuidado de familiares; residem em regiões que ofertam poucos espaços de entretenimento, e nenhum propriamente lésbico; enfrentam longos trajetos diários para se deslocarem da casa ao trabalho e regiões da cidade, se submetendo a um transporte coletivo caro, a um trânsito caótico e a rotas fragmentadas e perigosas, em horários noturnos.

16Tais condições cerceiam o ir e vir lésbico e transferem para o virtual uma parcela grande da demanda por socialização. O triunfo das redes sociais, cada vez mais acessíveis à classe trabalhadora, se torna, no caso estudado, um mecanismo de manutenção, expressão e tenacidade dessa parcela da sociedade.

Pesquisadora – Quais são as principais diferenças que você observa entre zonas pobres e ricas da cidade?

Entrevistada – Eu acho que é uma diferença de tratamento; eu acho que tem uma diferença de segurança; e uma diferença da forma como o Estado está presente em cada espaço. Na Zona Sul, o Estado está presente em tudo, desde a plantinha que está regadinha bonitinha; na orla da praia; desde a «Lapa presente», «Centro presente»; políticas do governo; a polícia bonitinha, engomadinha. Na Zona Norte a PM entra com fuzil na mão e camburão de noite para matar, entendeu?

E eu acho que isso reflete a forma como as pessoas são tratadas nesses espaços. A sapatão da Zona Sul é uma sapatão e a sapatão da Zona Norte é outra sapatão. A sapatão da Zona Sul, se for para a Zona Norte, vai ser bem tratada, a sapatão da Zona Norte, se for para a Zona Sul, vai ser rechaçada.

[...]

Eu posso não ter dinheiro, mas eu moro num bairro onde as pessoas têm dinheiro. Se eu falar que eu moro em um bairro que as pessoas têm dinheiro, as pessoas vão me tratar como se eu tivesse dinheiro também.

P - E você consegue se manter neste bairro? Você consegue pagar o preço de viver neste bairro?

E - Com muita dificuldade, mas consigo. Eu consigo viver dentro do espaço da minha casa, dentro do bairro, mas eu não consigo ter acesso ao bairro. («bofe», branca, 27 anos)

P - Existem boas opções de entretenimento lésbico no seu bairro?

E - Não deve ter nenhuma.... Não, ninguém nem pensa nisso, em criar eventos para pessoas lésbicas ou seguros para pessoas lésbicas.

P - No seu bairro, Thomas Coelho?

E - Nem em Thomas Coelho e nem ao redor de Thomas Coelho. Se tiver alguma coisa vai ser no centro da cidade, no Maracanã, na Zona Sul, mas onde eu moro não tem.

P - Você já foi a alguma boate LGBT?

E - Hum... (pausa) O mais próximo de ser LGBT foi a Acústica.

P - Você conhece a Papa G?

E - Conheço, mas nunca fui porque é muito perto de casa, a gente não pode se dar a este luxo não. Sendo muito perto de casa a família já sabe para onde você vai, sempre tem alguém para te ver... então, não.

[...]

P – Então, o único motivo pelo qual você preferia as festas no Centro ou na Zona Sul era porque eram longe da sua casa?

E – Não, era porque eram de graça, só isso. E eu nunca ia em festas assim [LGBT] na Zona Sul [...] porque nunca era de graça. Então eu só ia no Centro, porque era de graça e era de mais fácil acesso para mim e para os meus amigos, porque os meus amigos moram todos na Zona Oeste e eu sou a única que mora na Zona Norte. [...] [O] Centro era mais fácil porque eu não teria que me deslocar para a Zona Oeste e nem eles para a Zona Norte, então era mais fácil o transporte também. («lady», negra, 20 anos)

17Essas são algumas das características elencadas que mostram como a questão habitacional e territorial interfere na vida das lésbicas no Grande Rio. Mariana mencionou que, mesmo propondo ingressos com preços muito baixos, para os encontros presenciais, identifica certa dificuldade, entre as lésbicas, de reservarem uma parcela da renda para este tipo de atividade e conclui dizendo que « as lésbicas são pobres ».

18As falas das membras do grupo indicam que elas vivem, de forma mais orgânica, nos bairros e nas regiões que habitam, devido a: a estrutura arquitetônica e geopolítica das favelas; as disputadas territoriais entre traficantes, milicianos e policiais; o preço do deslocamento; a precariedade do transporte; o tempo necessário para o deslocamento; a insegurança com relação às modalidades de transportes disponíveis; a escassez de horários, etc. Essas lésbicas investem seu tempo livre em churrascos na vizinhança, cervejas nos bares do bairro, bailes funks, rodas de pagode, samba e outros ritmos musicais bem expressivos na região, ou seja, em espaços heterossexuais e, geralmente, lesbofóbicos. Algumas passagens das entrevistas, sobre o tema dos grupos virtuais, enumeradas a seguir, ilustram o assunto.

P – E o que você acha de grupos online para lésbicas?

E – Eu vejo como uma coisa positiva, é uma forma de inserção, porque muitas meninas, como aconteceu comigo, quando eu me assumi como lésbica, eu perdi algumas amizades, que não eram amigas de verdade, poucas foram as que ficaram, que falaram que estou contigo independente de você ser lésbica ou não. A maioria se afastou de mim e aí eu fiquei...

São assuntos diferentes, né? Tem certos assuntos que eu não posso conversar, como eu posso conversar com você, abertamente, que eu vá conversar com uma amiga minha heterossexual. Então, eu acho que os grupos são muito bons para inserção, e, às vezes, para poder dar um aconselhamento, para poder abraçar. Os encontros também são bons para isso, para fazer novas amizades, eu vejo pelo lado positivo. («meio-termo», negra, 27 anos)

E – Eu tenho tentado fazer contato com esses grupos para tentar criar amizades reais. Eu saí, ontem, com o pessoal de um desses grupos de Facebook, de WhatsApp, foi um momento legal, mas não é uma coisa que você faz sempre não. Eu tenho dificuldade de sair de casa, então foi a primeira vez que eu fiz isso, eu já fiz uma outra vez também, mas eu acabei não conseguindo criar vínculos. Eu entro no grupo, não consigo criar vínculos, ensaio e saio. («bofe», branca, 38 anos)

E - [o Meninas RJ] é um lugar onde eu tenho para conversar, para expor as minhas conversas. Eu tenho amigas, mas, às vezes, as coisas que eu falo não são coisas que interessem a elas, porque elas são heterossexuais. Então eu fico... Assim, tem coisas que eu falo, que eu fico meia cabreira de falar... «vou falar isso, ela não vai entender, ela é hétero, ela não vai me entender, ela não quer saber». Então eu prefiro conversar com outra lésbica, porque a outra lésbica vai me entender, vai conversar comigo. Então, eu prefiro os grupos porque é uma maneira de eu colocar a minha vida ali, pedir conselhos e tal, como se fossem minhas amigas.

[...]

Eu acho que o fato de ser na internet tem uma diferença porque, na internet, a pessoa meio que vai te ouvir, e, talvez, na vida real, ela não te ouça, ou, talvez, não dê aquele conselho. Olhando na sua cara, as pessoas não falam o que querem falar, mas, pela internet, você está atrás do celular, eu falo o que eu quiser! Então, eu acho melhor pelo celular do que ao vivo. («meio-termo», negra, 31 anos)

P – Quando você estava se descobrindo [lésbica], você dava prioridade para ambientes virtuais por algum motivo?

E – Eu dava prioridade para os ambientes virtuais porque eu queria conhecer pessoas. Eu não ia para boate, porque eu ainda tinha receio, eu não sabia como era, eu não tinha conversado com ninguém. Então, assim, eu não tinha costume de ir. Tinha medo, sabe? Sei lá, de ficar lá deslocada e não me sentir à vontade. Então, depois que eu comecei a fazer as amizades virtuais é que eu comecei a conhecer pessoas que me chamaram para ir. Aí que eu comecei a ir.

O ambiente virtual era mais reservado, mais protegido, hoje em dia, eu acho tranquilo ir para boate, como eu falei, não vou com muita frequência, mas não vejo nenhum problema e acho seguro. É bom também porque você não conhece muita gente em boate, por isso também que eu não procurava muito ir porque eu gosto assim, de conhecer pessoas e levar aquelas pessoas para minha vida. [...]

Raramente a pessoa chega [na boate] e fala: vamos trocar o telefone. Por isso que o virtual você consegue manter mais a conversa. Eu tenho amigas lésbicas que moram em outros estados, que eu nunca vi pessoalmente, mas que eu tenho amizade até hoje, eu converso até hoje. («meio-termo», negra, 34 anos)

19As jovens, até 25 anos, representam 42% das entrevistadas e a maioria do grupo. Elas relatam como assumir-se lésbica costuma ser um problema que envolve, dentre outras coisas, o fato de que elas se sentem solitárias, sem referências e sem nenhum tipo de espaço comunitário que lhes ampare enquanto lésbicas. Os grupos virtuais ocupam esse lugar de segurança, anonimato, acolhimento e sigilo. Para todas as idades, criam vínculos entre lésbicas, pois existe a possibilidade de trocas sobre temas específicos, que não são bem aceitos por pessoas heterossexuais, como familiares e amigas, além de romperem barreiras geográficas e conectarem lésbicas de lugares distintos através de interesses e experiências comuns sobre viver como lésbica. Algumas falas confluem ao caracterizarem o espaço virtual como mais propício à sinceridade e à pluralidade de pensamento. Por último, o medo da exposição em espaços presenciais, mesmo os LGBTI+, também é apontado como um diferencial favorável aos espaços virtuais.

20Para essas lésbicas os grupos virtuais e os encontros presenciais são formas de ter acesso ao que, para as lésbicas na Zona Sul, é muito mais frequente, ou seja, espaços exclusivos para lésbicas. Como esse tipo de entretenimento não está disponível para todas, as iniciativas como o Meninas RJ assumem um papel decisivo na vida dessas lésbicas, pois se apresentam como únicas possibilidades realmente acessíveis. A socialização em ambientes exclusivos tem um valor muito diferente, para as lésbicas do que tem para as pessoas heterossexuais, uma vez que esses são os únicos espaços em que é possível encontrar pessoas como elas, construir redes, afetos e subjetividades.

O espaço seguro como um valor para as lésbicas

21Os grupos possuem função acolhedora e sigilosa, mas, como todos os espaços, possuem diversos perigos. As informações trocadas online podem gerar riscos variados, por isso, a entrada de homens nestes grupos costuma ser proibida. Os grupos exercem também uma função social e comunitária muito forte, além de proverem conhecimentos específicos sobre a socialização lésbica, indisponíveis em outros espaços.

P – O que você acha de grupos online para lésbicas?

E – Depende, uns são chatos demais, outros não.

P – O que você vê de positivo, de negativo? O que você acha de chato e de legal?

E – De positivo, é que tem muitas pessoas legais. De negativo, é porque tem muitas pessoas que se passam por outras pessoas. Um exemplo: eu posso fazer um fake e viver outra pessoa por trás, porque eu já vi.

[...]

  • 9 Conversa privada, “private”.

No grupo da minha ex [...] tinha um homem ali dentro! E ela não sabia, porque ela foi colocando as pessoas e não foi interrogando direito quem era quem. [...] Eu sei que, no meio da noite, ela veio me chamar no WhatsApp, aí, as meninas estavam reclamando que tinha algo errado com aquela «mulher». Daí, eu dei corda, para ver quem era. Você conhece quando uma mulher vai no seu «pv»9, para te chamar para conversar, mas daí foi fazendo umas perguntas muito mais fora do padrão das perguntas, muito mais intencionais, entendeu? E daí eu pensei «tem algo errado aqui, né?» E daí foi isso que eu fiz. Daí eu falei «vou dar corda», aí vi que era homem e dez meninas falaram com ele. Uma das «ADMs», eu era uma das «ADMs», e que confirmou que era homem e daí ele falou que era homem e Deus! Fui lá e removi ele, bloqueie ele, falei assim: «gente, bloqueiem do celular de vocês, porque homem mesmo! » («meio-termo», negra, 43 anos)

22Sobre a segurança dos encontros presenciais, outra entrevistada comenta:

Eu gosto dos eventos presenciais do grupo, eu sempre vou, quando eu posso. É uma maneira de você encontrar pessoas, de você fazer amizades, de se divertir um pouco. E é naquele clubinho, é só lésbica, não tem nenhum hétero falando, não tem ninguém reclamando na sua cabeça que você está fazendo isso ou aquilo. É um lugar que eu em sinto em convívio, em família. («meio-termo», negra, 27 anos)

23Para as lésbicas, que estão acostumadas a viverem suas vidas fragmentadas, em segredo ou de forma discreta, constantemente mediada pela ponderação de estarem em espaços seguros ou não, a possibilidade de ocupar um salão fechado, com música alta, brincando, com amigas, sobre a temática lésbica, sem receber olhares ameaçadores ou reprovações com relação ao comportamento e a conduta, é algo raro e libertador. Os encontros costumam acontecer em bairros periféricos, de grande circulação, como por exemplo, o bairro de Madureira. Não são esperadas superproduções ou pessoas com o perfil « modelo de passarela », o que garante às frequentadoras segurança emocional, intimismo e aceitação.

24Os encontros do Meninas RJ contam com poucas pessoas, o maior deles teve setenta pessoas. Os menores costumam contar com quinze a vinte pessoas. Assim que o evento é marcado, as membras que confirmam presença, vão sendo adicionadas a um subgrupo de WhatsApp só para as participantes daquele evento. A existência deste grupo garante algumas coisas: (1) a certeza de que a membra pode conhecer as pessoas que vão estar lá com antecedência, fazendo com que o evento em si seja resultado de um processo de integração; (2) a opção de não comparecimento, caso ocorra algum conflito nesse meio tempo ou se forem adicionadas pessoas que possuem conflitos prévios; (3) a segurança, pois através do contato com cada integrante do grupo são estabelecidas as regras de convivência e avaliadas quais membras estão ou não aptas a participar da celebração.

Conclusão

25Essa socialização é uma questão de validação da própria existência e de construção coletiva de uma cultura lésbica, ou seja, do direito ao orgulho de si e de sua categoria. Algo que determina a forma como as lésbicas se compreendem e se inserem na sociedade. A mobilização em torno da celebração do que é ser lésbica, promovida cotidianamente e comemorada, em média, a cada dois meses pelo Meninas RJ, é uma das melhores demonstrações de que as lésbicas periféricas podem organizar-se, em seus territórios, criando espaços seguros de compartilhamentos da condição lésbica, independente de privilégios de renda, de classe, de raça e de passabilidade heterossexual.

26As redes sociais têm propiciado formas alternativas de expressão social. Esses grupos autônomos, que estão para além da macroestrutura governamental, mercadológica e institucional acessam pessoas que as macropolíticas não conseguem atingir, além de promoverem pluralidade e diversidade. A construção da história como um todo, mas mais especificamente a do tempo presente, deve levar em conta, cada vez mais, expressões que valem das ferramentas contemporâneas, muito mais acessíveis à classe trabalhadora, por meio das quais questiona-se formas tradicionais de registro das fontes primárias.

Inicio de página

Bibliografía

Adichie, Chimamanda Ngozi, O perigo de uma história única, São Paulo, Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Guilherme, HEILBORN, Maria Luiza, “Não somos mulheres gays: identidade lésbica na visão de ativistas brasileiras”, Gênero, Niterói, vol. 9, n° 1, 2° Sem. 2008, p. 225-249.

Anzaldúa, Gloria, Borderlands la frontera: the new mestiza, Capitán Swing Libros, S. L., 1987.

Combahee River Collective, “Black Feminist Statement”, Capitalist Patriarchy and the Case for Socialist Feminism, Z. Eisenstein, Nueva York, Monthly Review Press, [1979] 2006.

Comunidad, Comunidad Mujeres Creando, El tejido de la rebeldía ¿Que es el feminismo comunitario?, La Paz, Moreno Artes Gráficas, 2014.

CURIEL, Ochy, La nación heterosexual: análisis del discurso jurídico y el régimen heterosexual desde la antropología de la dominación, Bogotá, Edición Brecha Lésbica y En la frontera, 2013.

Ergas, Yasmine, “O sujeito mulher-O feminismo dos anos 1960-1980” en Thébaud, Françoise (dir.), História das Mulheres no Ocidente, O século XX, vol. V, Porto/São Paulo, Afrontamento/EBRADIL, 1995.

Fico, Carlos, “História do Tempo Presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis: o caso brasileiro”, Belo Horizonte, Varia História, vol. 28, 2012, p. 43-59.

Grijalva, Dorotea Gómez, “Mi cuerpo es un territorio político”, Vozes descolonizadoras – cuaderno 1. s/l., Bogotá, Brecha Lésbica, 2012.

Guerra, Lucía, La mujer fragmentada-historias de un signo, Santiago, Editorial Cuarto Propio, 2006.

hooks, bell, “Intelectuais Negras”, Revista Estudos Feministas,vol. .3, n° 2, Semestre, 1995.

__________, Ensinando a transgredir: educação como prática da liberdade, São Paulo, Editora WMF Martins Fontes, 2013.

JESUS, Carolina Maria de, Quarto de despejo: diário de uma favelada, São Paulo, Ática, 2007.

LACOMBE, Andrea, ““Tu é ruim de transa!” ou como etnografar contextos de sedução lésbica em duas boates GLBT do subúrbio do Rio De Janeiro”, Prazeres dissidentes, Rio De Janeiro, Garamond, 2009.

LEMOS, Ana Carla, Movimentos de Lésbicas de Pernambuco: uma etnografia lésbica feminista, 2019, Dissertação (Mestrado em Antropologia) Universidade Federal de Pernambuco, UFP.

LESSA, Patrícia, Lesbianas em movimento: a criação de subjetividade (Brasil, 1979-2006), 2007, Tese (Doutorado em História) Universidade de Brasília, Brasília - UNB.

Liddington, Jill, “Beating the Inheritance Bounds: Anne Lister (1791-1840) and Her Dynastic Identity”, Gender & History, 7 (2), 1995, p. 260–274.

LORDE, Audre, Irmã outsider, Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2019.

PERROT, Michelle, Minha história das mulheres, São Paulo, Contexto, 2007.

PINAFI, Tânia, História do movimento de lésbicas no Brasil, 1. Ed. Saarbrücken, Novas Edições Acadêmicas, 2015.

SANTANA, Glaucy, “Precisamos falar sobre a representatividade lésbica: uma análise do filme azul é a cor mais quente” in Denise Pereira. (Org.). Diversidade: Diferentes, não desiguais 2, 1a ed. Ponta Grossa (PR): Atena, 2019, v. 2, p. 31-40.

SILVA, Zuleide Paiva da, “Sapatão não é bagunça”: estudo das organizações lésbicas da Bahia, 2017, Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal da Bahia – UFBA.

SIMÕES, Júlio Assis, FACCHINI, Regina, Do movimento homossexual ao LGBT, São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2009.

SOARES, Gilberta Santos, COSTA, Jussara Carneiro, Moimento lésbico e Movimento feminista no Brasil: recuperando encontros e desencontros, Labrys, Études Féministes/ Estudos Feministas Julho/dezembro 2011 – janeiro/junho 2012.

SOARES, Suane Felippe, Um estudo sobre a condição lésbica nas periferias do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017. Tese (Doutorado em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva) Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2017.

SPIVAK, Gayatri, Pode o subalterno falar?, Belo Horizonte, Editora UFMG, 2010.

TRUTH, Sojourner, “Ain’t I A Woman?”, Sojourner Truth Sojourner Truth, Voices Of Democracy 7, (“Ain’t I A Woman?” Women’s Convention, Akron, Ohio, 28-29 May, 1851), 2012.

Inicio de página

Notas

1 bell hooks explica em seu trabalho “Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade” afirma que prefere que seu nome seja grafado sempre com todas as letras minúsculas como uma transgressão das normas acadêmicas e também para que o foco seja no que ela escreve e não na autora em si.

2 O estudo, do qual origina-se a investigação empírica apresentada a seguir, foi uma pesquisa de campo desenvolvida como parte integrante de tese doutoral defendida em 2017, pelo Programa e Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva, na Universidade Federal do Rio de Janeiro intitulada “Um estudo sobre a condição lésbica nas periferias do Rio de Janeiro” (SOARES, 2017). A pesquisa de campo e as entrevistas foram realizadas entre setembro e novembro de 2017. O acompanhamento do grupo virtual e dos encontros presenciais durou alguns anos, desde 2015. Todas as citações de falas das entrevistadas integram a tese de doutorado supracitada.

3 No campo epidemiologia o termo «mulheres que fazem sexo com mulheres» refere-se a um grupo amplo de mulheres que praticam, exclusivamente ou eventualmente, atividades sexuais homossexuais (Almeida e Heilborn, 2008: 233).

4 Seguindo a orientação do Conselho de Ética em Pesquisa – CEP as informações que possam identificar tanto o grupo quanto suas membras foram suprimidas e/ou alteradas sem incorrer em prejuízos para compreensão.

5 O WhatsApp chama de administrador(a) (ADM) pessoas que gerenciam os grupos na rede social. O Meninas RJ coloca como administradoras no WhatsApp membras voluntárias que assumem diversos tipos de responsabilidades. Logo, as «ADMs» também são um cargo dentro do grupo Meninas RJ.

6 Neste ponto, caberia, como foi construída na tese, uma minuciosa descrição das integrantes do grupo, em termos estatísticos e individuais, mas não há espaço para tal explanação, portanto, optou-se pelo aprofundamento de aspectos que dialogam estreitamente com a temática territorial.

7 Coloco dessa maneira porque a catalogação raça/cor do grupo estudado foi determinada por autoidentificação e muitas entrevistadas comentaram ter alguma ascendência indígena, mas não se reconheciam enquanto uma pessoa indígena.

8 No Brasil, literalmente, este substantivo significa algo que está a meia distância entre dois extremos. A lésbica «meio-termo» é aquela que não é nem tão masculina quando a «bofe» e nem tão feminina quanto a «lady», um estágio intermediário entre ambas. Para outras informações ver: SANTANA, Glaucy. Precisamos falar sobre a representatividade lésbica: uma análise do filme azul é a cor mais quente. In: Denise Pereira. (Org.). Diversidade: Diferentes, não desiguais. Ponta Grossa (PR): Atena, 2019, v. 2, p. 31-40.

9 Conversa privada, “private”.

Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Suane Felippe Soares, «Engendrando novos territórios políticos: um caso de resistência lésbica periférica»Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [En línea], 41 | 2021, Publicado el 07 julio 2021, consultado el 23 julio 2021. URL: http://journals.openedition.org/alhim/9969; DOI: https://doi.org/10.4000/alhim.9969

Inicio de página

Autor

Suane Felippe Soares

Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil
Suane Felippe Soares possui Pós-Doutorado em Filosofia pelo PPGF–UFRJ. É pesquisadora no campo dos estudos feministas, com enfoque na questão lésbica. Atualmente, está cursando doutorado em História pelo PPGHIS-UFRJ. suanefs@gmail.com

Inicio de página

Derechos de autor

Licencia Creative Commons
Amérique latine Histoire et Mémoire está distribuido bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.

Inicio de página
  • Logo Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search