Navigation – Plan du site

AccueilNuméros21Mélangesa vitrine pandêmica e a fragmenta...

Mélanges

a vitrine pandêmica e a fragmentação do espaço público

pandemic shop window and fragmentation of public space
Muriel Emídio Pessoa do Amaral

Résumés

A proposta deste ensaio é de relatar a fragmentação do espaço público durante a pandemia do novo coronavírus a partir da leitura de uma vitrine. Conforme apresentado por Marcondes Filho, Hannah Arendt e Maurice Blanchot, o relato não se propõe em apresentar uma nova teoria, mas de apresentar um acontecimento. Assim, a imagem em questão evidencia a fragmentação do espaço público, evidenciando aspectos de individualidade pela perspectiva de Hannah Arendt e Richard Sennett e também as vidas que podem ser descartadas, segundo Giorgio Agamben.

Haut de page

Texte intégral

introdução

Figura 1 – Vitrine pandêmica (Autoria: autor)

1A fotografia que se apresenta acima, feita por mim, não será analisada segundo metodologias de análises de imagens estáticas, nem será reconhecida a partir de um discurso produzido enquanto uma produção gráfica em que são levadas em consideração as cores, formas, texturas e composições. A imagem será guia para apresentar o relato sobre a fragmentação do espaço público durante a pandemia do novo coronavírus.

2A fotografia é da vitrine de uma loja localizada em uma das regiões mais valorizadas do centro de Londrina, cidade do Paraná, Brasil. O cartaz, com os dizeres «Qualquer trabalho que provê o pão de cada dia é essencial», exposto ao vidro pretende oferecer publicidade, mesmo com o deslize de conjugação verbal, à indignação ao decreto lavrado pelo governador do estado do Paraná, Ratinho Junior, sobre a medidas mais rígidas de isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus no estado. Na ocasião, Ratinho Junior decretou quarentena mais restritiva como a suspensão das atividades comerciais não-essenciais durante a primeira quinzena de julho a algumas regiões da unidade federativa para conter a infecção e mortes provocadas pelo novo vírus. Naquela altura, a quarentena se encontrava em franco processo de relaxamento com a reabertura de shopping-centers, bares, academias e restaurantes. O decreto estadual 4942/20 autorizaria apenas o funcionamento de estabelecimentos comerciais essenciais como mercados, farmácias, postos de combustíveis, além de serviços de saúde, mas deixou a critério das prefeituras o cumprimento ou não das medidas sugeridas.

3As propostas decretadas alcançaram sete regionais de saúde, tendo vigor em 134 municípios que apresentaram, segundo o governo do Paraná, altos índices de infecção e mortes, entre elas, a região de Londrina. A medida do governo foi suficiente para não agradar empresários e comerciantes das áreas atingidas pelo decreto. A intenção não é de realizar qualquer forma de proselitismo partidário, o relato pretende reconhecer, a partir da leitura da vitrine, como o espaço público e político se apresentam fragmentados e a vitrine em tela pode ser interpretada como sintoma dessa debilidade a partir das considerações de Arendt (2018, 2007) sobre política, espaço público e as relações de trabalho em interface com as contribuições de Richard Sennett (2010) sobre o espaço urbano contemporâneo.

4Esses autores partem de concepções sobre a individualidade no espaço público, entretanto, ela afirma o quanto esse aspecto pode ser encontrado nas relações políticas e de trabalho, e ele apresenta a individualidade na composição de ambientes urbanos; e a vitrine da loja pode ser lida como a interface entre as concepções dos autores. Além disso, o texto também traz para discussão o conceito de vida nua, apresentado por Giorgio Agamben (2010), ao apresentar que algumas vidas não apresentam valor público e político, podendo ser descartadas.

  • 1 Hannah Arendt desenvolveu a percepção do mal banal quando reconheceu na figura de adolf eichmann (...)

5Por ser um relato, a proposta não é de formular considerações permanentes sobre o acontecimento, tampouco estabelecer ou apresentar novas teorias ou epistemologias. Segundo Blanchot (2005), o relato se predispõe a apresentar o acontecimento, contemplando percepções, muitas vezes subjetivas sobre o mesmo que são descritas no calor no momento em que os acontecimentos ocorrem. Em outra perspectiva semelhante, o relato pretende «descrever uma cena, apresentar os ‘achados’, estes que ficam disponibilizados, tornados públicos, dispostos como numa instalação estética que aspira ter a capacidade de retraduzir por meios linguísticos diversos um contexto para qualquer um que não esteve lá» (Marcondes Filho, 2013, p. 64). Hannah Arendt (1999) também se propôs a relatar suas impressões sobre outras facetas do mal quando passou a considera-lo como sendo banal1. Assim, o relato se articula não no propósito de formar um arcabouço teórico sobre o tema, mas de materializar impressões e afetos suscitados na interface com os acontecimentos a partir de reflexões sobre o assunto.

o espaço público e a política

6O período pandêmico imposto pelo novo coronavírus outorgou de maneira abrupta a realização da quarentena, medidas de isolamento físico e social, além de hábitos mais frequentes de higienização, principalmente das mãos. Para controlar a infecção e manter os serviços de atendimentos de saúde minimamente em atividade, instituições e autoridades competentes da área da saúde sugeriram pela suspensão das atividades produtivas e do comércio. Promover o isolamento e a quarentena integram ações políticas, como sugere Arendt (2018), pois, mesmo trazendo traumas para a economia e para o lado emocional das pessoas afetadas, foram as únicas saídas possíveis e viáveis dentro da nova realidade que se formou, uma vez que ainda não havia medicamentos e vacinas específicos.

7A pandemia do novo coronavírus impôs com mais ênfase outras relações de sociabilidade, comunicação e também de trabalho como o uso mais frequente de tecnologias digitais. Enquanto alguns profissionais puderam realizar a quarentena em suas casas, mantendo parcial ou totalmente seus vencimentos, outros foram obrigados a manter a mesma dinâmica rotineira de labor, seja pela necessidade de acompanhar o tratamento de pessoas infectadas em hospitais ou por imposição de ordens superiores. Essa relação de trabalho poderá ser reconhecida nos espaços urbanos, com o evidenciado pela imagem apresentada.

8Nas primeiras linhas da sua obra, Richard Sennett (2010) apresenta a relação intrínseca entre os corpos e a arquitetura urbana no mundo ocidental para mostrar as formas de locomoção e os hábitos de homens e mulheres de ocuparem o espaço público, sejam em práticas de lazer, trabalho ou deslocamento. O autor reconstrói historicamente ambientes de cidades desde a Antiguidade grega, em que a nudez masculina não era interpretada como uma obscenidade à moral até os espaços compactos dos pubs londrinos cercados de individualismo urbano, perpassando pela segregação entre ricos e pobres em grandes centros metropolitanos. Ao reconhecer as mudanças ocorridas na cidade, Sennett percebe o quanto projetos urbanos dialogam com as teias simbólicas da cultura, ou seja, a arquitetura e os espaços públicos são discursos produzidos que, apresentam por linhas e concreto, aspectos que estão em circulação enquanto valores afetivos, morais e éticos.

9Se na Antiguidade a circulação de homens nus nos ginásios era comum é porque na ambiência pública daquela época, a nudez não era ofensiva e a liberdade do corpo era contemplada enquanto código de pertencimento social e, destarte, os ambientes foram projetados para dialogar com a sensação de compartilhamento e liberdade coletivos. Sob outro prisma sociocultural, a arquitetura gótica, tão empreendida em igrejas e castelos no Medievo, apresentava a superioridade de Deus nas torres pontiagudas e a relação de contraste entre a vida terrena e a vida divinal pelas penumbras renitentes dos ambientes de clausura. Em algumas passagens, Sennett recorre a Michel Foucault (1987) para explicar o quanto a arquitetura de espaço de confinamento e seus mobiliários como presídios, quarteis, clínicas e hospitais, por exemplo, são projetados para limitar a atuação do corpo e servir como tecnologia de controle, disciplina, acompanhamento e observância de sujeitos. Assim, Sennett demonstra que, mesmo em esferas mais reduzidas, a arquitetura dos espaços caminha lado a lado com os aspectos culturais que estão em circulação.

10Na contemporaneidade, o autor menciona que nos projetos urbanos há a predominância de traços de individualidades no espaço público. A percepção de Sennett acerca desta condição partiu de observações realizadas por Tocqueville, ainda no século XIX, ao sugerir que o atilamento das individualidades e subjetividades poderia promover o auto-respeito, na mesma medida em que poderia aguçar uma certa melancolia e uma espécie de solidão cívica, pois os valores de senso sociais eram substituídos por referenciais privados e individuais até mesmo na arquitetura do espaço público. Pelo entendimento deste novo valor moral para a Modernidade que Sennet (2010, p. 326) verificou «[...] a coexistência de pessoas voltadas para dentro de si tolerando-se umas às outras por mútua indiferença [...] perdendo a noção de destino compartilhado».

11A ideia da perda do espaço em comum, onde se promove o compartilhamento de experiências e vivência, é o movimento que Arendt (2018) realiza para apontar a degradação da ação política e do espaço público. A intenção de tencionar as considerações de Sennett às ideias de Arendt não é de coloca-las no mesmo patamar de igualdade, mas de reconhece-las em diálogo para perceber o quanto os valores orquestrados em nome do espaço comum estão deficientes, sendo o período pandêmico e a vitrine em tela afloraram a promoção do esfarelamento deste espaço.

12A tessitura das considerações de Arendt (2007) sobre política partiu, principalmente, da experiência com o fascismo na Europa na primeira metade do século XX quando chegou; ela chegou a ser prisioneira em campo de concentração na Alemanha. Ao viver na pele a privação de liberdade e a destruição do espaço público, ela considerou que a política não se refere em regimes governamentais, mas na articulação em conjunto de homens e mulheres na proposta de melhores saídas para o espaço público, por isso que considerava a Grécia antiga como expoente maior da demonstração da ação política no espaço público. A ação em conjunto é o que promove a ação política que, por sua vez, «está estritamente ligada à pluralidade humana, uma das condições fundamentais da vida humana» (Arendt, 2001, p. 92).

13A pluralidade defendida por Arendt prevê a diversidade da circulação de discursos e representações, o que implica afirmar que, dentro do espaço político, há divergências e diferenças de posicionamentos na formação da ação política. Destarte, engana-se aquele que acredita que o espaço político é um ambiente linear. Pela visão da autora, o espaço político é um ambiente de tensão e de conflito na mesma medida que se torna uma arena de debate e discussão em que as necessidades e desejos individuais e privados devem ser suprimidos, bem como as paixões narcísicas. Destarte, ela estabeleceu uma linha muito precisa para delimitar as diferenças entre público e privado.

14Arendt (2007) desenhou a vita activa, ou seja, a existência de qualquer vida humana, incluindo aspectos públicos, privados e sociais, a partir de três concepções: a obra, o trabalho e a ação política. Conforme apresentado anteriormente, a ação é o movimento dentro do espaço público para promover a política, sendo assim, a ação é «estar entre homens [...] e se empenha em fundar e preservar corpos políticos» (Arendt, 2007, p. 16) para o debate e discussão públicos. A obra, pela visão da autora, corresponde à produção da artificialidade do mundo e produz as coisas para serem utilizadas e não apenas consumidas. A vida dentro desta perspectiva compreende ao homo faber, o sujeito que faz do trabalho uma atividade para a elaboração do mundo.

15Se por um lado, a obra artificializa o mundo, por outro lado, com o desenvolvimento da sociedade de massa e a atomização dos sujeitos no espaço público, homens e mulheres passam a reconhecer nas atividades laborais sinais para estabelecer movimentos de pertencimento e participação públicos. Entretanto, do ponto de vista da autora, o trabalho corresponde a condições essenciais do processo biológico e vital do corpo humano e não da referência política. Assim, perde forças a condição de homo faber, que utiliza do seu trabalho para a instrumentalidade do mundo e do uso, e entra em cena o animal laborans, uma representação associada à produção de excessos e ao consumo, tanto de bens, como do próprio corpo para produzir os bens. Esta qualidade de sujeito não fomenta a ação política enquanto movimento para a organização mundana e se limita às condições metabólicas da própria condição de existência.

16As atividades produtivas que anteriormente eram realizadas para fabricar bens duráveis e úteis para a instrumentalização do mundo passam a ser produzidas para o excesso da produção. Assim, o trabalho é compreendido dentro da esfera social e não promove a ação política enquanto manifestação de liberdade; para Arendt, nenhuma referência pode estar a par da liberdade quando promove a dependência associada à necessidade. A produção elaborada pelo animal laborans assegura apenas a existência do indivíduo e da sua espécie e em nada garante a supremacia da qualidade do mundo enquanto espaço público de visibilidade, liberdade, comunicação e pluralidade.

17Pelas considerações de Arendt, a divisão entre obra e trabalho começou a perder forma na Modernidade. Mesmo sendo leitora e apreciadora de Marx, Arendt apresentou uma série de críticas aos posicionamentos dele quanto ao entendimento sobre as atividades laborais. Em algumas passagens, Arendt concorda com Marx quando este, por exemplo, aponta que o trabalho é uma atividade repetitiva e representa a produtividade não apenas do ponto de vista da elaboração de produtos, mas também da força de atuação dos corpos no desempenho do trabalho. Por outro lado, quando Arendt questiona o posicionamento marxista de que o trabalho molda o homem, ela percebe no pensamento dele a inversão dos valores quanto ao trabalho, à obra e à ação política. Arendt vislumbra que o trabalho não é político, não seria pelas atividades laborais que a humanidade conseguiria expressar movimentos de liberdade, diálogo e visibilidade, conceitos fundamentais para o desenvolvimento do espaço político. Para a autora, o trabalho apresenta como preocupação fundamental os meios da própria reprodução e a reprodução dos meios vitais, ou «nunca ‘produz’ outra coisa, senão ‘vida’» (Arendt, 2007, p. 99). Assim, pela visão da autora, a partir da Modernidade, toda obra tornar-se-ia em trabalho e a produção perderia a qualidade mundana e reproduziria a força ativa do trabalho apenas enquanto processo vital da própria existência dos trabalhadores.

18A vida voltada ao desempenho das atividades laborais não diz respeito à vida pública ou à participação política, mas se refere à vida enquanto zoé. Amparada nas concepções aristotélicas acerca das qualidades de vida, Arendt resgata duas possibilidades de existências: bios e zoé. Aquela diz respeito à participação pública e aos prazeres que as atividades relacionadas a essa função podem proporcionar. Por outro lado, há a vida enquanto zoé, a expressão da vida que se limita à categoria do privado e da reprodução da existência enquanto situação cíclica e metabólica. Dentro dessa qualidade de vida é onde se encontra as atividades laborais. Arendt não afirma que o trabalho não seja importante, pelo contrário, é uma atividade essencial e vital, entretanto não suficiente para a completude da vida, além de ser frágil para mover a ação política, por isso que ela considera que trabalhar «significa ser escravizado pela necessidade, escravidão esta inerente às condições da vida humana. Pelo fato de serem sujeitos às necessidades da vida, os homens só poderiam conquistar a liberdade subjugando outro que eles, à força, submetiam à necessidade» (Arendt, 2007, p. 94).

19A qualidade de vida sendo zoé, pelo entendimento de Agamben, é uma das expressões da vida nua, a vida que não apresenta sentido político. O entendimento do autor sobre essa perspectiva de vida foi reconhecido ainda na Antiguidade pela expressão do homo sacer, a existência que, mesmo sendo sagrada, não tem garantia de segurança, podem ser matável, sem que isso cause responsabilidade, dolo ou pesar. Esta condição se alastrou ao longo dos séculos e Agamben a percebeu, além das vidas confinadas em campos de concentração, também na arquitetura das artimanhas da biopolítica apresentada por Michel Foucault (1987), em que corpos e subjetividades eram negligenciadas pela atuação de discursos de poder não apenas de governantes, mas também das ações da ciência, da pedagogia e ações jurídicas.

20A pandemia do novo coronavírus ratifica a condição de vida nua ao expor pessoas à contaminação ao desprezar a capacidade mortal do vírus. A vitrine apresentada evidencia que algumas vidas também podem ser descartadas porque não apresentam expressões legítimas de pertencimento político, apenas são dignas de serem reconhecidas pela reprodução exaustiva das atividades laborais.

21Voltando às considerações de Arendt sobre o trabalho, a inversão promovida na Modernidade se estendeu aos dias atuais a ponto de o trabalho ser um agente legitimador de pertencimento político e a condição do animal laborans alcançar «à posição mais alta entre as potencialidades humanas» (Arendt, 2007, p. 318). Arendt acredita que houve a vitória do animal laborans por que houve a perda:

[...] da certeza de um mundo futuro, o homem moderno foi arremessado para dentro de si mesmo, e não ao encontro do mundo que o rodeava; longe de crer que este mundo fosse potencialmente imortal, ele não estava sequer seguro de que fosse real. [...] Os únicos conteúdos que sobraram foram os apetites e os desejos, os impulsos insensatos de seu corpo que ele confundia com a paixão [...]. (Arendt, 2007, p. 333-334)

22Estar dentro de si mesmo, conforme prevê o pensamento arendtiano, não se refere ao processo de reflexão que acontece em âmbito privado, mas está atrelado em diagnosticar que a humanidade se encontra apartada de si mesmo como um processo de solidão e envolvida com as paixões. Destarte, as atividades do trabalho incentivam o isolamento e fragmentação do espaço público por não avançar para além das questões empreendidas pela necessidade. A vitrine expõe essa condição ao pontuar que as propostas mais importantes da vida são aquelas associadas às atividades laborais, excluindo a ação política.

23Em outro estudo, Arendt (2013) afirma que o isolamento destrói a capacidade política porque não promove a ação em concerto e a vida enquanto metabolismo com a natureza, não interessa a ninguém. Experienciar a solidão na contemporaneidade é sintoma da individualidade e do imperativo dos aspectos privados dentro das práticas do espaço público e político. Esse pensamento que pode ser tensionado com a referência de Sennett (2010) acerca da individualidade no espaço urbano.

24Sennett aponta que a arquitetura contemporânea, mesmo sendo projetada para contemplar a existência de grandes avenidas e espaços de socialização como parques e praças e a diversidade de pessoas em circulação. O autor pontua que «a multiplicidade não incita as pessoas a conviverem» (Sennett, 2010, p. 358), implantando a ausência de diálogos e visibilidades; em outra passagem, ele menciona que «as pessoas não acolhem as diferenças, a dessemelhança cria hostilidade». (Sennett, 2010, p. 360). Essas marcas apontadas por Sennett derivam da sua observação em reconhecer no espaço urbano sintomas de alta circulação de pessoas e excessivo estímulo sensorial de um lado e, por outro lado, a abstenção da convivência pública e do desenvolvimento de diálogos. As palavras de Sennett tornam-se sintomáticas quando são levadas em consideração a composição da vitrine exposta na imagem.

25Além das contribuições de Sennett acerca da modernidade como estímulo de reconfiguração do espaço urbano a partir de referências individuais, o pensamento dele pode ser tencionado com as ponderações de Arendt para reconhecer como a vitrine em observação é indício da fragmentação do espaço público. Se Sennett (2010, p. 372) aponta que o desenvolvimento urbano se valeu «do planejamento urbano para resistir à demanda das massas e privilegiar os clamores individuais» houve, por outro lado, a fragmentação do espaço público por conta das formas implantadas sobre o trabalho a partir da Modernidade, pela perspectiva de Arendt.

26Em partes, o discurso apresentado no cartaz anexado à vitrine junto às peças de vestuário é a chancela dos posicionamentos de Arendt quanto ao entendimento dela acerca do trabalho. As atividades consideradas essenciais à vida são, na contemporaneidade, de fato, associadas à manutenção do corpo e dos processos vitais, dentre eles, o trabalho. É pelo desempenho renitente da dinâmica cíclica dos procedimentos laborais que homens e mulheres abastecem de alimentos seus lares e provém o sustento da família e a manutenção da vida enquanto uma condição metabólica. A vitrine do estabelecimento comercial que seria uma estrutura dentro do espaço urbano para promover o estímulo ao consumo também se torna um signo de sustentação de não apenas promover o consumo de bens, mas também o consumo do corpo de trabalhadores e trabalhadoras ao associar o ritmo do trabalho às condições humanas. Conforme Arendt (2007, p. 139) apontou, grande parte das atividades humanas foram reduzidas «ao denominador comum de assegurar as coisas necessárias à vida e de produzi-las em abundância», até mesmo em períodos de pandemia.

27Pela pena da autora, igualar grande parte das atividades humanas às práticas laborais sugere movimentos de violência. De acordo com Arendt, a violência é o expoente máximo da fragmentação da ação política, uma vez que não são reconhecidos os movimentos primordiais de liberdade, visibilidade, pluralidade e diálogos existentes dentro do espaço público e político. Enquanto a violência, no Medievo, era aplicada nos corpos aos olhos e na presença de público como forma de penitência e para servir de exemplo aos demais, na Modernidade, estas atitudes são escamoteadas em outras práticas, muitas vezes implantadas de modo sutil e, mesmo que inconsciente, são reproduzidas sem a devida reflexão, como é o caso do trabalho, por exemplo:

A era Moderna, ainda mais que o cristianismo, provocou – juntamente com sua glorificação do labor [...] diminuição real do uso dos instrumentos de violência nas relações humanas em geral. O enaltecimento do labor e a necessidade inerente ao metabolismo do homem com a natureza são, ao que parece, intimamente relacionados com a degradação de todas as atividades que resultam diretamente da violência, como o emprego da força nas relações humanas, ou contêm em si mesmos um elemento de violência [...] É como se a crescente eliminação da violência no decorrer de toda a era moderna tenha quase que automaticamente dado acesso ao retorno da necessidade em seu nível mais elementar. (Arendt, 2007, p. 142)

  • 2 Mesmo não sendo o objetivo deste texto, é importante mencionar que o entendimento de poder de Ar (...)

28Para ilustrar e estabelecer pontes com outros autores, o pensamento de Arendt vai ao encontro das posições de Michel Foucault (1987) acerca da violência. Mesmo apresentando pontos epistemológicos distintos, ao abordar a manifestação da violência, ambos podem ser pareados, ainda mais em interface às relações de trabalho. Enquanto Arendt menciona que a violência pelas atividades laborais é inserida enquanto práticas sociais convencionais e naturalizadas, Foucault parte da ideia de que há discursos e dispositivos tecnológicos que são empreendidos para manter a permanência e a circulação do poder2 também de modo naturalizado. É importante mencionar que o poder, para Foucault, não existe propriamente dito, mas se manifesta em relações de poder que não são praticadas exclusivamente pelo Estado, mas são produzidas e reverberadas em discursos e práticas daqueles que dialogam com as estruturas de dominação por uma relação de saber-fazer como é o caso, por exemplo, da influência social implantada pelo conhecimento científico e pelos movimentos jurídicos, pedagógicos e higiênico-sanitários, principalmente a partir do século XIX.

29A ideia do cartaz da vitrine da loja é uma demonstração da violência ao submeter pessoas, dentro do estado de exceção provocado pela pandemia, à exposição à infecção, além de ratificar o trabalho como ação política e naturalizar a condição de repetição exaustiva do corpo e privar de liberdade sujeitos que estão presos pelas correntes da necessidade. O espaço público é contaminado por aspectos individuais e privados, seja pela articulação de ambientes que prezam pelo afastamento do diálogo e das formas de sociabilidades, seja por que expõe sem melindres discursos que não avançam para a arena do debate político.

30A pandemia não apenas descortinou a negação da ciência e a descrença na força de infecção e morte do novo vírus por parte de alguns segmentos, mas também evidenciou a solidão que cada um é obrigado a lidar cotidianamente no espaço público. A vitrine em questão também é sintoma da debilidade da articulação de políticas públicas advindas da gestão federal. O presidente Jair Bolsonaro constantemente negou a potência do novo coronavírus e, desde o início da pandemia, questionou a suspensão das atividades produtivas e estimulou o consumo da cloroquina e hidroxicloroquina, drogas ineficazes no combate à doença, além de promover aglomeração, uma medida antipolítica para o controle da infecção. O discurso do presidente vai ao encontro da ideia do cartaz, seja pela negação da ação política, seja pelo incentivo ainda maior da promoção de vidas nuas, ao desdenhar das medidas de isolamento.

31Para ele, a suspensão das atividades laborais prejudicaria ainda mais a economia do País e as mortes provocadas pelo vírus seriam ínfimas diante as mortes causadas pela fome advindas com a suspensão do comércio e indústria. Por esse lado, os posicionamentos do presidente, bem com a vitrine da loja, vão ao encontro dos posicionamentos acerca da vitória do animal laborans. Se para Sennett a arquitetura moderna molda corpos e sujeitos individualizantes, o autor tem razão; e o trabalho, até mesmo em tempos de exceção, para Arendt, abre lacunas mais profundas no espaço público para o desenvolvimento da ação política, uma vez que as formas de consumo se tornaram medidas morais e éticas; agora, sem pudor de serem expostas.

considerações finais

32A proposta deste relato não é de encerrar suas reflexões, muito pelo contrário, é de tornar-se uma porta aberta para outras contribuições. Relatar sobre esse momento em que o Brasil é uma vitrine de descaso nas medidas protetivas para o avanço do novo coronavírus é uma demonstração de ação política, uma vez que é possível expressar pensamentos que possam contribuir para o desenvolvimento crítico e servir do compartilhamento de angústias durante os dias a fio em estado de quarentena.

33É importante considerar que a destruição do espaço público e da ação política não é realizada apenas durante a ocorrência da pandemia, mas ganhou grande magnitude durante a quarentena ao expor a realidade em que vivem muitos brasileiros em que o descaso pela vida é praticado não apenas pelos governantes, mas um discurso em franca circulação.

34Conforme apresentado anteriormente, a fotografia não seria analisada enquanto uma produção imagética, mas enquanto peça-chave para relatar sobre a fragmentação do espaço político. A vitrine apresentada no relato é mais um sintoma da incapacidade humana de articulação da ação política pela crença moderna de acreditar que o trabalho é uma expressão da ação política e, como apresentou Arendt (2007), o triunfo do animal laborans para o fortalecimento da vida nua e da zoé, condições que podem ser deixar de existir a qualquer momento.

Haut de page

Bibliographie

Arendt, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre banalidade do mal. São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

Arendt, Hannah. O que é política? 13ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2018.

Arendt, Hannah. A condição humana. 10ª ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2007.

Arendt, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

Arendt, Hannah. Origens do totalitarismo. Rio de Janeiro: Companhia de Bolso, 2013.

Blanchot, Maurice. O livro por vir. Trad. Leyla Perrone Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Foucault, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad.: Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

Marcondes Filho, Ciro. Nova teoria da comunicação, v. 1: o rosto e a máquina: o fenômeno da comunicação visto por ângulos humano, medial e tecnológico. São Paulo: Paulus, 2003.

Sennett, Richard. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Trad.: Marcos Aarão Reis, 2ª ed. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2010.

Haut de page

Notes

1 Hannah Arendt desenvolveu a percepção do mal banal quando reconheceu na figura de adolf eichmann, funcionário nazista, não uma pessoa monstruosa, mas um sujeito banal que se ausentou de pensar politicamente. entretanto, o julgamento dele e as reflexões da autora sobre esse acontecimento não serão abordados nesse ensaio.

2 Mesmo não sendo o objetivo deste texto, é importante mencionar que o entendimento de poder de Arendt (2018) é muito diferente do posicionamento de Foucault. Arendt reconfigura a tradição filosófica e pontua que o poder é uma manifestação política, ou seja, é a união de pessoas em concerto para soluções à pólis. Aquilo que Foucault compreende como poder pode ser considerado, pelas considerações de Arendt, como sendo vigor.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Muriel Emídio Pessoa do Amaral, « a vitrine pandêmica e a fragmentação do espaço público »Amerika [En ligne], 21 | 2021, mis en ligne le 10 mars 2021, consulté le 13 avril 2021. URL : http://journals.openedition.org/amerika/13281 ; DOI : https://doi.org/10.4000/amerika.13281

Haut de page

Auteur

Muriel Emídio Pessoa do Amaral

Universidade estadual de ponta grossa/ e-mail: murielamaral@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo CELLAM - Centre d’études des langues et littératures anciennes et modernes
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search