Navigation – Plan du site

AccueilNuméros23Dossier: Imaginaires de la LimiteLimites, Arts et ImagesO sofrimento de migrantes, suas f...

Dossier: Imaginaires de la Limite
Limites, Arts et Images

O sofrimento de migrantes, suas formas de vida e sobrevivências liminares nas imagens

The suffering of migrants, their forms of life and liminal survivals in the images
Ângela Marques

Résumés

O trabalho analisa imagens fotojornalísticas referentes a sujeitos e povos migrantes entre os anos 2016 e 2020 no site da World Press Photo, de modo a evidenciar formas de legibilidade frequentemente associadas ao sofrimento de sujeitos e povos em situação de vulnerabilidade. A interseção entre as perspectivas de Rancière, Foucault, Butler, Laugier, Didi-Huberman e Lévinas configura uma abordagem que aproxima as noções de inteligibilidade, cena de dissenso, biopolítica/biopotência, fabulação, montagem, precariedade, sofrimento, formas de vida e rosto. Evidencia-se como formas de vida migrantes, com suas diferentes vulnerabilidades e práticas de resistência, são figuradas nas imagens e revelam situações de injustiça e sofrimento, ao mesmo tempo que são potencialmente capazes de mostrar as dimensões interseccionais que atravessam a criação de enunciados nos quais os corpos, rostos, paisagens e objetos podem ser lidos e escutados a partir de um ponto de vista político, estético e ético.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Povos migrantes e sua exposição nas imagens fotojornalísticas produzem cenas que geralmente afirmam hierarquias subalternizantes por meio de enquadramentos do sofrimento que convocam o olhar compassional. Críticas acerca de imagens que revelam o “corpo sofredor” (BIODI ; MARQUES, 2015, 2020) apontam que elas podem objetificar e violentar o sujeito fotografado, além de traumatizar o espectador. Tais imagens estariam sempre posicionadas diante de um dilema ético : ao expor o corpo que padece violam a dignidade humana ou têm a chance de reconfigurar a ponte entre os afetos morais e as condições de reconhecibilidade das vidas (BUTLER, 2004) ? Quando nos indagamos acerca de como os corpos de migrantes são inscritos em imagens fotojornalísticas, somos instados a reexaminar como nossos julgamentos acerca do valor das vidas expostas na imagem. Distanciando-se de uma perspectiva que aponta as imagens como reproduções mecânicas do sofrimento para o consumo voyerista de um outro que pode ser, no máximo, tolerado, Butler (2015) nos chama a atenção para as operações de mediação ética realizadas pela fotografia. Segundo ela, imagens que revelam o sofrimento e o padecimento de corpos vulneráveis podem reconfigurar a relação ética entre o espectador e as alteridades representadas : trata-se menos de transformar o espectador em testemunha passiva da desfiguração do outro, e mais de tematizar quais respostas e qual responsabilidade seriam possíveis nas condições atuais.

2O corpo que sofre também grita nas imagens : um grito que ecoa a partir de corpos marcados pela raça, pelo gênero, pela classe, pela condição de vulnerabilidade, deslocando nossa capacidade de apreensão e de reconhecimento. Butler assinala a importância de uma responsabilidade ética corporificada a ser construída a partir de outra relação entre a mobilização afetiva e o reconhecimento. Assim, não é propriedade da imagem, em si, trazer dignidade aos corpos sofredores, mas interferir nas lógicas e nos esquemas de inteligibilidade que conduzem os julgamentos morais acerca das vidas que merecem ser protegidas ou não.

3Trata-se de ir além do espetáculo do consumo da agonia e construir uma relação ética com as imagens que possa contribuir para a escuta e consideração de demandas políticas (DEAN, 2015 ; MACÉ, 2018). Como indica Didi-Huberman (2012), trata-se de tentar ver a humanidade do outro, de imaginar para ele uma forma de vida que vai além dos enquadramentos conformados pelos holofotes midiáticos. Responder ao outro que nos interpela a partir da imagem é um exercício ético, estético e político que nos convoca não como testemunhas passivas (ou cúmplices de uma injúria), mas como interlocutores expostos a sermos desfeitos e despossuídos por aqueles que nos interpelam desde a cena narrativa da qual faz parte a imagem.

4Dean (2015) e Voegele (2019) afirmam que a imagem de um corpo sofredor pode nos assombrar justamente porque atesta que houve uma agressão, uma violência, um padecimento que poderia ter sido evitado. O indício de que um corpo que sofre é uma vida, pode ser apreendido como uma vida a ser protegida, cuidada, amparada. E qual a relação entre os afetos mobilizados por essa imagem e as normas que definem as condições de reconhecibilidade das vidas ? É essa conexão que Butler (2004, 2015) quer explorar a partir do conceito de enquadramento e de seu poder de modelar e reorganizar os afetos dos espectadores. Aqui, por mais que narrativas humanitárias reforcem a produção de vítimas como forma de consideração normativa e institucional, é importante pensar em como experiências de vulnerabilidade podem ser traduzidas muito além da perspectiva humanitária. Além disso, imagens podem convocar afetos éticos mais universais (indignação, comoção, raiva, solidariedade, etc.), mas localmente o tratamento conferido àqueles tidos como estrangeiros pode ainda permanecer marcado pelo racismo, pela xenofobia, pelos ódios que alimentam as relações intersubjetivas situadas. Enquanto afetos universais direcionam apelos morais para a compaixão (sentir por), afetos políticos ligados à responsabilidade ética conectam-se com a empatia (sentir com).

5Fotografias jornalísticas indicadas ao prêmio concedido pelo concurso da organização World Press Photo são conhecidas por seu apelo ético, mas os quesitos de premiação nada dizem acerca de como conciliar os afetos despertados pelas imagens com as orientações normativas que definem quais vidas são dignas de reconhecimento e quais vidas são empurradas à sideração. Butler menciona como o racismo e o olhar colonial interferem na produção de empatia com relação aos povos migrantes que não atendem aos padrões de humanidade definidos a partir de critérios hierárquicos. O migrante é estigmatizado por enquadramentos de hostilidade (cuidadosamente apresentado sob as roupagens da hospitalidade), ódio e depreciação. Como, então, produzir respostas éticas e afetivas que se diferenciem das normas padronizadas e excludentes de reconhecimento ?

6Butler (2011, 2015) aproxima enquadramento e moralidade quando aponta para a maneira como narrativas visuais e enquadramentos definem quais vidas são inteligíveis, quais narrativas revelam sujeitos de direitos, existências dignas de serem protegidas. Segundo ela, o enquadramento, tomado como moldura que torna os vulneráveis visíveis, contribui negativamente para intensificar sua precariedade e seu apagamento. Os esquemas normativos e históricos que “preparam ou modelam um sujeito para o reconhecimento, produzem as regras que orientam o modo como apreendemos a vida em sua precariedade” (BUTLER, 2015, p. 28). Enquadramentos são mecanismos de regulação do estatuto dos corpos representados e o tipo de atenção a eles conferida. Eles articulam uma forma de biopolítica ou governo biopolítico dos corpos coletivos, cerceando comportamentos, modos de agência e possibilidades de ação. Por isso, sua reflexão sobre reconhecimento e ética da justiça envolve problematizar o enquadre em busca das fissuras que nos indicam que a moldura não consegue determinar de forma precisa o que vemos, pensamos, reconhecemos e apreendemos.

7Se considerarmos a abordagem de Butler, imagens de povos migrantes são frequentemente produzidas a partir de enquadramentos que lhes confere apenas uma legibilidade superficial, resultante de mecanismos neoliberais de gestão dos “indesejáveis”. Rodrigues (2021) afirma que a perspectiva de Butler ultrapassa aquela de Foucault (1980) ao evidenciar como a interseccionalidade, o racismo e o colonialismo precisam ir além da definição de biopolítica. Assim, quando gênero, raça e classe são considerados na definição do que é uma vida, dimensões morais e valorativas passam a selecionar aquilo que importa para separar humanos e não humanos. Ser enlutável, portanto, “não é algo que se dê apenas quando a morte acontece, mas é condição para que uma vida seja cuidada desde o seu nascimento, para que seja reconhecida como vida” (RODRIGUES, 2021, p. 87). O governo biopolítico dos corpos coletivos atua justamente, argumentamos, na produção de enquadramentos que valorizam a emancipação preservando, ao mesmo tempo, o controle sobre as possibilidades de ser e existir em sociedade (preservando a passividade).

8Acreditamos que as normas que sustentam os dispositivos de visibilidade que dificultam a alteração da vulnerabilidade das vidas podem ser tematizadas, questionadas e alteradas por códigos biopotentes (FASSIN, 2020) que enfrentam e tensionam as racionalidades biopolíticas. A nosso ver, o governo dos corpos (FASSIN, 2009), a capacidade de controlar comportamentos, modos de agência e possibilidades de ação passa pelo modo como o jornalismo oferece enquadramentos e possibilidades interpretativas (modos de ação ou contenção dessas ações, opções e escolhas) à sociedade. O enquadramento jornalístico promove um tipo de poder que envolve os modos de (in)visibilidade de sujeitos e grupos, regulando o espaço e os modos de sua aparição (BUTLER, 2018). Observamos a aparição de povos migrantes nas imagens como sujeitos políticos, dotados de um corpo (submetido às instituições e, ao mesmo tempo, resistente a elas) e o modo como suas ações e gestos promovem uma interseção entre a potência política das imagens, do rosto e da singularidade de seus contextos de vida, sofrimento e experiência.

9 Povos migrantes aparecem como coletividade que age e sofre por meio de uma aliança pela sobrevivência : abandonam uma forma de vida e, enlutados pelo que ficou para trás, empreendem trajetórias de alto risco, risco de morte, de condenação, exílio, desaparecimento. Imagens de povos migrantes vão além de tornar visíveis seus corpos : são o registro de seu aparecimento na cena (pretensamente) pública, como condição necessária para a tematização da injustiça, para a configuração da política democrática e para a emergência de existências que afirmam que são vivas, que estão vivas e são dignas de viver, contestando sua pretensa invisibilidade e indignidade de luto.

10Cada imagem fotográfica, sempre em relação com outras imagens, pode ser tomada como parte de uma cena polêmica de aparição dos corpos de sujeitos migrantes na qual múltiplas forças se tensionam. Entre elas : o poder biopolítico de controle dos corpos coletivos e a biopotência presente nos agenciamentos moleculares que os fotografados deixam entrever em seus corpos, gestos e expressões. Dialogando com Foucault, acreditamos que imagens de povos migrantes selecionadas pela organização World Press Photo são permeadas por relações de poder que se articulam sobre dois elementos que lhe são indispensáveis : “que o outro (aquele sobre o qual o poder se exerce) seja inteiramente reconhecido e mantido até o fim como o sujeito de ação ; e que se abra, diante da relação de poder, todo um campo de respostas, reações, efeitos, invenções possíveis” (FOUCAULT, 2014, p. 132).

11As sequências narrativas de imagens fotojornalísticas relacionadas ao deslocamento migratório de pessoas latino-americanas foram selecionadas no site da organização World Press Photo, entre os anos de 2016 e 2020, sendo analisadas a partir de três eixos principais : a) enquadramentos e vulnerabilidades do corpo sofredor (Butler, Lévinas, Laugier, Foucault) ; b) tornar sensível o olhar diante da aparição liminar de migrantes (Didi-Huberman) ; c) aparecimento político dos migrantes e modos de interpelação do olhar do espectador (Rancière). A seleção das sequências de imagens considerou sua performatividade, ou seja, a possibilidade de deixar visível a tensão entre (i) uma gramática visual do controle dos corpos e da interpelação do espectador pela compaixão. Nessa gramática o sofrimento é racionalmente aplicado aos corpos como parte da violência estrutural ; e (ii) uma gramática visual da biopotência, que mostra os migrantes como agentes fabuladores de seus destinos e formas de vida, como sujeitos que, através do sofrimento, se colocam diante do poder, fazem face a ele e produzem um dizer, um rosto levinasiano que dialetiza o olhar, trazendo-o de volta ao campo do agonismo, do sintoma que emerge no encontro com o poder em situações liminares, nas bordas da violência.

12A articulação entre esses eixos visa evidenciar a busca por uma compreensão das imagens como operação política de abertura de intervalos e explicitação de sintomas (aquilo que práticas neoliberais tentam constantemente minar), como invenção da cena polêmica de aparência e agência, de apropriação e cuidado dessa exposição por meio da qual se inscreve o gesto e o corpo do sujeito, e na qual esse sujeito é constituído por meio de enquadramentos que promovem a conexão e a desconexão entre os múltiplos nomes que o definem. Nas sequências de imagens que veremos a seguir, os povos migrantes possuem agência, reconfiguram coletivamente suas vulnerabilidades, traçam rotas de fuga, demonstram as precariedades, alteram os regimes afetivos que orientam os olhares avaliativos, demandam escuta, consideração, avizinhamento.

Sequências narrativas e trajetórias de padecimento de povos migrantes

13O relato imagético de acontecimentos traumáticos produz um aparecimento de corporeidades ligadas ao refazimento de experiências de sobrevivência a partir de vulnerabilidades que se alteram a partir da fabricação, da elaboração constante de uma forma de vida que combina sofrimento, vínculos familiares partidos, vínculos sociais desfeitos, precariedade, falta de respeito, ilegibilidade/invisibilidade diante de esferas mais amplas de apresentação de si e de expressão de suas experiências. Por isso, questionam um quadro de sentidos biopolítico em que tudo parece estar dito ; o migrante facilmente identificado e o espectador prontamente adequado à sua posição de indignado diante de fatos fáceis de serem interpretados e julgados (FASSIN ; 2020).

Fotos de Pieter Ten Hoopen.

Disponível em : https://www.worldpressphoto.org/​collection/​photo-contest/​2019/​pieter-hoopen-sns/​1

14Grande parte das imagens vencedoras do World Press Photo revelam as dificuldades de mulheres, de mães e de crianças latino-americanas para cruzarem as fronteiras dos Estados Unidos. Há a presença marcante de corpos extenuados, de famílias inteiras que fazem travessias insalubres e comunidades entrelaçadas no trajeto excruciante em que se expõem à morte. As imagens 1 e 2 mostram viajantes de uma caravana de migrantes que se deslocam nas estradas de Tapanatepec (México) rumo à fronteira com os Estados Unidos no ano de 2018. A caravana reúne famílias de Honduras, Nicarágua, El Salvador e Guatemala que tentavam escapar à repressão política, à violência e à dificuldades econômicas : foram cerca de 7.000 viajantes, incluindo pelo menos 2.300 crianças, que caminhavam cerca de 30 km por dia, geralmente em temperaturas acima de 30 °C e que, de vez em quando, contavam com o apoio de caminhoneiros para conduzi-los em parte do trecho da viagem.

15De alguma maneira, e como veremos mais adiante, o ato de “tornar sensível” (rendre sensible) mencionado por Didi-Huberman (2016), refere-se ao modo como a imagem fotográfica torna inteligíveis a nós alguns acontecimentos sensíveis, excessivos e conflituais : ou seja, tornam legível e evidente um sintoma (uma interrupção no saber) que nos apresenta nas imagens o lugar no qual um povo sofre, o lugar a partir do qual expressam “uma crise não apaziguada, um sintoma” que a governamentalidade teima em negar (DIDI-HUBERMAN, 2012, p. 214).

16Povos migrantes se deslocam unidos, uma ação na qual seus corpos adquirem peso, existência concreta, pesam de cansaço, pesam sobre nosso olhar : sua concretude nos desloca, olhamos os detalhes, percorremos cada pessoa do grupo, imaginamos as famílias, seu esforço descomunal, a forma de vida perdida, a tentativa de sobreviver a qualquer custo. Desconstruir um padrão moralizante de inteligibilidade dessas imagens implica investir contra uma leitura vitimizante e que opera por meio da denúncia e do julgamento valorativo, acionando frequentemente a indignação moralista. As imagens performadas em sequência narrativa surgem no encontro da visualidade com o espectador, e não como uma relação entre um referente capturado por alguém e entregue como produto de um olhar. O espectador é emancipado de uma posição passiva para implicar-se, por meio de um trabalho ativo de leitura e consideração, no gesto de produção da imagem.

Fotos de Pieter Ten Hoopen. Disponíveis em : https://www.worldpressphoto.org/​collection/​photo-contest/​2019/​pieter-hoopen-sns/​1

17As sequências narrativas de imagens fotojornalísticas foram selecionadas no site da organização World Press Photo, entre os anos de 2016 e 2020. Todas são de domínio público e seu endereço eletrônico de acesso está indicado na legenda. Procuramos mostrar que é possível questionar os enquadramentos que enfatizam negativamente as vulnerabilidades do corpo sofredor, por meio da sensibilização do olhar diante da aparição liminar de migrantes. Partimos do pressuposto de que o aparecimento político dos migrantes produz gestos biopotentes que acionam uma relação com o espectador capaz de que permitir a figuração como caminho para a construção relacional da dignidade (RANCIÈRE, 2012 ; DIDI-HUBERMAN, 2012). A nosso ver, tal aparecimento não ocorre “apenas para falar e agir, mas também para sofrer e comover, para engajar outros corpos, para negociar um ambiente do qual se depende, para estabelecer uma organização social com o objetivo de satisfazer as necessidades”. (BUTLER, 2018, p. 175).

18Entendemos as imagens como operação política de abertura de intervalos e explicitação de sintomas (aquilo que práticas neoliberais tentam constantemente minar), como invenção da cena polêmica de aparência e agência, de apropriação e cuidado dessa exposição por meio da qual se inscreve o gesto e o corpo do sujeito, e na qual esse sujeito é constituído por meio de enquadramentos que promovem a conexão e a desconexão entre os múltiplos nomes que o definem. As imagens de povos migrantes não são vistas exclusivamente como imagens-documento, mero registro de um real de precariedade e de determinação prévia das existências e seus destinos, mas são observadas de modo a evidenciar um trabalho dissensual de rearranjo singular dos modos de aparição, das coordenadas do representável, da figuração e de sua politicidade.

19Por isso, não empreendemos uma análise do conteúdo das imagens, mas dos arranjos discursivos que, através delas, permitem ou não o aparecimento político das corporeidades em deslocamento.

Imagens e operações de deslocamento do olhar

20O aparecer de sujeitos e povos migrantes nas imagens fotojornalísticas envolve uma operação delicada de questionar o enquadramento hierárquico e consensual, de interpelá-lo em busca das fissuras que indicam que a moldura não consegue determinar de forma precisa o que vemos, pensamos, reconhecemos e apreendemos. No lugar de discursos de causalidade e de apagamento das sutilezas e texturas das experiências, é vital apostar na escolha de outro enquadramento para “ler” os enunciados, para abrir intervalos narrativos que permitam duas ações simultâneas : criar uma narrativa intervalar e, através dos intervalos, permitir aos espectadores uma outra forma de legibilidade do tempo e do comum. Para fazer figurar os povos vulneráveis é importante encontrar os relatos que permitem tornar sensível uma aproximação, um avizinhamento mais demorado entre espectador e alteridade presente na imagem.

Fotos de Pieter Ten Hoopen. Disponíveis em : https://www.worldpressphoto.org/​collection/​photo-contest/​2019/​pieter-hoopen-sns/​1

21A sequência acima revela um processo de luto por vidas de migrantes venezuelanos perdidas ao empreenderem travessias arriscadas. Mostrar o luto na imagem é significativo : não apenas porque Butler define o luto como a condição de avaliação de uma vida como tal, mas porque o processo de luto permite um espaço entre o espectador e os migrantes que se distingue das opções comumente oferecidas para esse encontro : “ordem dominante diz que há apenas uma opção : acompanhar o tempo e o ritmo dos vencedores ou solidarizar-se com o tempo das vítimas. Acompanhar os primeiros e socorrer os segundos” (RANCIÈRE, 2019b, p. 86).

22A nosso ver, a temporalidade do enlutamento é a temporalidade da coexistência possível. O luto como sinônimo de luta : resistir contra a violência, a barbárie e o esquecimento por meio da construção precária de uma memória ética, de uma experimentação coletiva da dor. Segundo Butler (2004, p. 23) “ o que o luto mostra é a forma como nossas relações com os outros nos sustentam, de formas que nem sempre podemos recontar ou explicar, de formas que interrompem a abordagem auto-reflexiva de nós mesmos, desafiando a noção de que temos controle autônomo sobre nós.”

23O luto narrado nas imagens expõe como o dispositivo de visibilidade pode nos aproximar ou nos afastar do sofrimento experimentado pelo outro. Por isso, “a imagem não é simplesmente o visível. É o dispositivo por meio do qual esse visível é capturado” (RANCIÈRE, 2007, p. 199) e os modos de sua captura. Argumentamos em vários artigos que a política das imagens está intrinsecamente ligada ao modo como, nas imagens, operações constituem regimes de visibilidade capazes de regular e constranger o “aparecer” dos sujeitos, além de construir regulações para a distância do espectador de modo a evitar um contínuo confuso onde se perde toda a probabilidade de alteridade.

24Ao afirmar que a cena é “a disposição visual de um modo de racionalidade” (2018a, p. 29), Rancière propõe um modo de compreensão das imagens que escapa ao regime representativo e se aproxima de uma operação que vai regular a maneira como percebemos, apreendemos e validamos as formas de vida, os corpos e as enunciações. A imagem é inserida em uma rede de elementos que configuram a cena de dissenso e, justamente por isso, ajuda a expor e explorar as diferentes formas a partir das quais uma mesma coisa pode se tornar legível para nós. Ao procurar outros modos de produzir imagens para além do regime representativo, Rancière (2012) não defende que a representação deva ser evitada, pois esta continua sendo uma modalidade da qual as imagens se servem para criar mundos (CALDERÓN, 2020). O que ele enfatiza é que a representação precisa ser desafiada pela figuração, ou seja, por regimes de imagens que interrompam o fluxo consensual de legibilidade do mundo, criando um reagenciamento dos enunciados circulantes, fazendo aparecer uma capacidade de agregar nomes e personagens que multipliquem a realidade. Assim, essa operação intervalar das imagens cria formas de “aparências” que evidenciam e articulam modos distintos de imaginar um acontecimento.

25O intervalo e a fabulação compõem uma operação de deslocamento e interrupção da maneira através da qual o regime representativo reafirma hierarquias e desigualdades nas modalidades do “aparecer” dos sujeitos e de suas formas de vida. Uma imagem produz intervalos quando oferece “uma dimensão de fuga, uma verticalidade em relação ao desdobramento linear de uma narrativa, criando oportunidade de aproximações de temporalidades múltiplas” (RANCIÈRE, 2019a, p. 69).

26A reflexão de Rancière (2007, 2010, 2012) revela que imagens não estão prontas, mas encontram-se “em trabalho”, testando modos de desencaixes às formas enunciativas dominantes e às representações redutoras. São intervalares no sentido de que elas transitam entre nomes, entre outras imagens e entre nós mesmos : não nos posicionamos diante delas, à espera de seus efeitos, mas estamos entre elas (RANCIÈRE, 2012). A circulação das imagens e a maneira como as fazemos circular produzem constelações, definem montagens que nem sempre seguem uma ordem narrativa linear causal : a potência política das imagens reside nas relações inesperadas e não previstas que elas podem engendrar. Sob a perspectiva de Rancière (2012, 2013a, 2019a), as imagens são operações que dispõem as coisas de uma dada maneira para que outras realidades possam ser imaginadas. Como ressalta Calderón, elas são “pequenas máquinas que funcionam a partir da diferença, do dinamismo conflitivo, sem se reduzirem ao visível, para criar e abrir brechas ao que nunca foi visto” (2020, p. 35).

27 O trabalho da imagem é abrir planos de conexões e desconexões, aproximações e distinções, fratura e recomposições que não realizam expectativas de legibilidade, trazendo ao olhar do espectador uma indecidibilidade que o torna sensível a aspectos que antes não seriam objeto de contemplação ou consideração. Assim, Rancière argumenta que a imagem produz “um tipo de operação que vai alterar a distribuição do visível e do pensável” (2019a, p. 50), pois, a potência política está tanto nas imagens (materialidade sígnica) quanto nas relações e operações que as definem.

28No lugar de discursos de causalidade e de apagamento das sutilezas e texturas das experiências dos povos migrantes, é preciso encontrar os relatos que permitem uma aproximação, um avizinhamento mais demorado entre espectador e alteridade presente na imagem fotográfica. Imagens de avizinhamento despertam no espectador novos modos de percepção da imagem, do corpo e do espaço da cena. Seria interessante, então, perceber como certas imagens poderiam passar da representação à figuração dos corpos transformando os testemunhos, os gestos e as narrativas de “lugar de verdade” para possibilidades de performar sensações ligadas a uma experiência estético-política (PICADO, 2020).

Aparição na imagem, figuração na cena

29A configuração de zonas liminares de guerra e vigilância gera cenas nas quais o conflito e a insurgência criam situações de questionamento de uma ordem dominante que apaga conflitos, diferenças. A aparição de mães migrantes como sujeitos políticos em cenas de confronto com o poder não se restringe apenas à sua visibilidade e possibilidade de apreensão. Uma aparição marca a emergência de sujeitos de enunciação, que participam dos enfrentamentos que se desdobram nas fronteiras, nomeando os termos da injustiça.

30 A terceira fotografia da sequência acima, intitulada “Crying girl on the border”, foi vencedora da edição de 2019 do World Press Photo. Ela retrata a abordagem, na fronteira entre Estados Unidos e México, de agentes policiais norte-americanos a um grupo latino-americano composto, em sua maioria, por mulheres e crianças que enfrentam, indistintamente, situações de vigilância, detenção, atendimento médico precário ou insuficiente, ofensas pessoais, além de deportações solitárias. A circulação dessas imagens, suas reapropriações em redes sociais, paródias e montagens críticas ao governo de Donald Trump mostram que é possível modificar as condições de experiência e de reconhecimento da alteridade (BIONDI ; MARQUES, 2020). Segundo Calderón (2020) e Quintana (2018), no processo de circulação das imagensque, corpos observados (e muitas vezes vigiados) podem aparecer como sujeitos dignos, humanos, descolando-se das identidades e scripts impostos. A circulação de imagens que denunciam o controle biopolítico e colonial das diferenças pode gerar intervalos críticos de reflexividade interpretativa favorecendo “os deslocamentos que modificam o mapa do que é pensável, nomeável e perceptível, alterando assim a topografia do que é possível” (RANCIÈRE, 2009b, p. 576).

31De acordo com Rancière (2019a), os deslocamentos, os rearranjos e as redisposições criadas nesse processo de circulação e apropriação das imagens podem configurar outro imaginário político para acolher a presença de formas de vida dissidentes. Ao mencionar os filmes realizados pelo cineasta português Pedro Costa, por exemplo, Rancière (2019a) ressalta como as imagens de migrantes cabo-verdianos podem ser entendidas menos como representações e mais como figurações capazes de mudar os lugares e a forma de reconhecimento da dignidade dos migrantes. Na figuração, o sujeito tem que escapar à nossa tentativa incessante de tudo categorizar, avaliar, julgar e submeter ao já familiar : ele deve permanecer estranho, infamiliar e, por isso mesmo, inquietante. Além disso, a figuração relaciona-se ao modo como sujeitos ganham agência no conflito e no intervalo entre modos diferentes de definir quem pode aparecer, falar e ser escutado, e quem não pode. Figurar na imagem com dignidade é re-existir apesar de tudo.

Tornar sensível, “desarmar” o olhar, explorar a imagem : sobrevivências do rosto

32Tornar legíveis a repressão, a violação de direitos, a desumanização é nos tornar sensíveis às resistências dos povos migrantes, à recusa diante da imagem de vítima sacrificial e às transformações materiais e qualitativas que reconfiguram o aparecer dos corpos e que podem modificar as coordenadas de sua existência. A aparição é, antes de tudo, uma ruptura com a previsibilidade, a criação de narrativas experimentais e dissidentes (RANCIÈRE, 2018b ; 2019a) que atuam como “aparelhos” ou “máquinas” capazes de desmontar a razão explicativa que perdura no regime representativo, abrindo intervalos que permitem desvios, devaneios, desmesuras (RANCIÈRE, 2018c).


33O beijo, o sorriso, o gesto de afeto desses migrantes mexicanos (Tijuana) que integram a imagem 5, mas também a fuga, o corpo que corre, que tem seus traços estampados nos murais que cobrem as grades da fronteira entre México e Estados Unidos nos indica que figurações dissensuais elaboradas no fazer das imagens podem promover fraturas, transformações minoritárias e cotidianas na experiência a partir da construção de uma outra paisagem para o aparecimento dos corpos, de seus gestos e de suas palavras. A composição dessa cena e a forma de aparição que ela permite alteram a partilha policial do sensível e revelam a imbricação entre estética e política nos processos de emancipação. O intervalo aberto pelo sorriso na imagem permite aos corpos dos migrantes, sobretudo de mulheres migrantes, a redescoberta de seus próprios movimentos, de suas histórias, seus gestos e sua mobilidades única entre espaços sociais, políticos e institucionais.

34A emancipação associada à aparição corporificada do sujeito sobre a cena (que é, ao mesmo tempo, o resultado dessa aparição) é uma articulação entre a capacidade que um sujeito qualquer possuir de alterar sua aparência (de vítima a agente de resistência, por exemplo), suas condições de aparecimento e também o dispositivo que controla quais corpos e quais aparências são dignas de serem consideradas como legítimas em detrimento das aparências percebidas como abjetas e desprezíveis. “Nesse sentido, o corpo, enquanto arranjo de posições, afetos, imagens e formas de percepção, pode produzir outras imagens e formas de percepção através de fraturas sutis e de mudanças de posição em sua configuração afetiva e experiencial” (QUINTANA, 2018, p. 218).

35Ferrarese e Laugier (2015, 2018), Macé (2018) e Didier Fassin (2016) afirmam que é preciso considerar os arranjos que modelam formas de vida em situações de urgência, de incerteza, de trauma, nas quais é necessário não só escolher aquilo que merece ser cuidado e preservado, como também requer a criação de estratégias que direcionam todas as ações destinadas a manter a integridade, a dignidade e a preparar o mundo a ser habitável, tornando-o fruto de uma trama complexa de relações cuja função é manter a vida. Interessa a esses autores as ações e interações que os sujeitos criam e fabulam para zelar pela manutenção da vida ordinária e de seu ritmo possível.

36A nosso ver, formas de vida reveladas nas imagens e entre elas podem “tornar sensíveis e legíveis as falhas, os lugares e os momentos por meios dos quais os povos, ao declararem sua impotência, afirmam, ao mesmo tempo, o que lhes falta e o que desejam” (DIDI-HUBERMAN, 2016, p. 422). Assim, Rancière (2019) e Didi-Huberman (2012, 2016) possuem o interesse comum em evidenciar como as imagens, dialeticamente, tornam sensíveis – acessíveis, legíveis e dignas de consideração – a vida e a sobrevivência dos povos, ao mesmo tempo em que elas declaram a vulnerabilidade dos oprimidos em situações que os expõem à violência, ao silenciamento e, justamente por isso, demandam outras formas de acolhimento, consideração e hospitalidade nas imagens (BIONDI ; MARQUES, 2015, 2020).

37A hospitalidade que aproxima espectador e sujeitos fotografados desautomatiza o olhar e permite um encontro com o rosto do outro. É importante destacar aqui que a noção de rosto é por nós tratada a partir da obra de Emmanuel Lévinas (1999), que enfatiza como o rosto emerge a partir do apelo ético feito pelo outro que nos interpela e nos obriga a assumirmos um compromisso ético com ele. Não se trata da face humana, nem de um diálogo verbal explícito, mas de um dizer que nos vincula à alteridade. Os textos de Lévinas aproximam o rosto do feminino, uma vez que o feminino aqui não seria a mulher em si, mas o acolhimento, a proximidade e abertura ética à interpelação endereçada pelo outro.

38Segundo a leitura que Didi-Huberman (2016) faz de Lévinas, a abertura incondicional ao outro define o rosto como encontro que expõe a diferença, a impossibilidade de reduzir o outro ao mesmo, de submetê-lo ao desejo de significá-lo e nomeá-lo. Citando Lévinas, Didi-Huberman ainda afirma que a figuração de sujeitos e povos confere-lhes dignidade e respeito “a partir da dialética entre a experiência ética (sempre singular) que preserva o rosto ; e a experiência normativa, da lei, que apaga o apelo que o rosto faz à responsabilidade moral de todos” (2016, p. 440).

39O rosto marca, nessa perspectiva, uma relação ética de abertura e acolhimento para o outro, uma forma de diálogo em que um não possui o outro, nem tampouco se reconhece nele. Nas fotografias que integram a imagem 6, não vemos as faces dos latino-americanos que tentam migrar para os Estados Unidos. Mas a emergência do rosto como interpelação que ecoa nas fotografias nos convida a perscrutar, a olhar com mais vagar os cenários e as hostilidades em que o corpo do outro se desloca, revelando como a imagem é importante meio de acesso ao outro e à sua aparência (seu aparecer).

40Respondemos à convocação deste olhar a nós dirigido, participamos, ainda que desconfortáveis, do movimento que ele provoca. Coabitamos, mesmo que por um breve momento, no padecimento que parece afligir os sujeitos capturados pela imagem. Por este olhar sensível, coexistimos no entretempo, no intervalo em que vidas singulares enfrentam a precariedade universal. Como afirma Picado (2020), essa dinâmica rompe o caráter extensivo ao qual o espectador apenas testemunha um sofrimento para, com ele, dialetizar ; como aquele que toma um lugar para si, aquele que foi deslocado de certa ordem contemplativa para ser sujeito ativo, lugar político de um gesto no qual o contato opera na partilha dos olhares. O contato com o rosto do outro através das imagens pode permitir a emergência de um “olho à escuta” (DIDI-HUBERMAN, 2012, p. 38), uma vez que a dignidade do ser humano é construída por meio de um olhar que escuta o rosto construindo uma relação política, ética e comunicativa de hospitalidade, solicitando outro imaginário e uma forma de consideração que se posiciona contra o apagamento das formas de vida precárias no interior das imagens e entre elas.

Considerações finais

41A resistência e a sobrevivência liminar de povos migrantes latino-americanos nas imagens fotográficas aqui analisadas são operações de aparecimento que permitem a criação de intervalos, de zonas intermediárias nas quais as experiências dos migrantes e dos espectadores podem se aproximar, indo além dos tradicionais lugares da vítima, da compaixão e da indignação. Como bem ressalta Butler (2015), questionar o estatuto de vítima não significa vencer a vulnerabilidade, mas manifestá-la, torná-la legível no corpo, nos gestos, na presença, nas lógicas de manifestação que demandam uma resposta oficial das instituições para que as vidas precárias sejam consideradas. Aparecer para evidenciar e contrapor as técnicas de apagamento das existências é uma manifestação política vital para apontar as condições políticas que organizam as desigualdades e as aprofundam. O aparecer também pode romper o esquema de representação que silencia o rosto dificulta a aproximação da alteridade, o avizinhamento do inquietante outro que ainda não se entregou ao conceito e à rigidez da classificação biopolítica.

42É nos gestos não capturáveis, ambíguos e que geram indecidibilidade nas formas hegemônicas de produção de legibilidades dos corpos e das vidas que pode atuar a biopotência. Essas experiências minoritárias nos revelam como a autonomia é fruto da experiência e da forma como ela é trabalhada, individual e coletivamente como base para a ação, por meio da sedimentação de ideias, sentidos, gestos e práticas que lhes asseguravam uma vida possível e articulada aos objetos e à perseverança de uma forma de agir que tenta produzir um mundo que seja habitável. A biopotência atua na definição do que é uma vida humana e do que conta como vida sem subestimar as potencialidades, táticas, realizações, imaginários e solidariedades que lhes permitem escapar dos constrangimentos que pesam sobre elas. São sobreviventes e criam uma forma de vida de lhes garante um rosto a ser contemplado num jogo de enunciação e de invenção de uma cena.

43Na tensão entre a forma de vida dos migrantes e a construção de quadros de sentido midiáticos alinhados ao controle biopolítico, escapava sempre o intervalo, o tempo e a abertura para a escuta da demanda e do dizer desses rostos. Ainda assim, a imagem funciona como abertura ao outro (o sujeito capturado pela câmera e também o espectador). Mas a imagem não é a aparição do rosto : ela se torna presente pela representação, enquanto o rosto nos escapa. A relação indescritível ao outro pode se tornar fixa quando se converte em história, narrativa, imagem. Mas a imagem pensativa (RANCIÈRE, 2012) nos convida a desafiar e trair o enquadramento por meio de um trabalho de renovação de seu sentido, de performance da leitura que desafia as normas e nomes estabelecidos pelas identidades sociais atribuídas.

Haut de page

Bibliographie


BIONDI, Angie
 ; MARQUES, A. C. S. Corpo sofredor : tensões narrativas e política das imagens no fotojornalismo. Brazilian Journalism Research (Online), v. 11, p. 120-141, 2015.

BIONDI, A. G. ; MARQUES, A. C. S. Crying girl on the border : a colonialidade de gênero na fronteira das imagens. Pauta geral - estudos em jornalismo, v. 7, p. 1-20, 2020.

BUTLER, Judith. Precarious Life. London : Verso, 2004.

CALDERÓN, Andrea Soto. La performatividad de las imágenes. Santiago de Chile : Ediciones Metales Pesados, 2020.

DEAN, Carolyn. Atrocity Photographs, dignity, and human vulnerability. Humanity, v.6, n.2, 2015, p. 239-264.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Peuples exposés, peuples figurants, L’Oeil de l’Histoire, 4. Paris, Éditions de Minuit, 2012.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Peuples en larmes, peuples en armes. Paris : Éditions de Minuit, 2016.

FASSIN, Didier. The Value of Life and the Worth of Lives. In : DAS, Veena ; HAN, Clara (eds.). Living and dying in the contemporary world : a compendium. California : The Regents of the University of California, Library of Congress, 2016, p. 770-783.

FERRARESE, Estelle ; LAUGIER, Sandra. Formes de vie. Paris : CNRS Éditions, 2018.

FOUCAULT, Michel. Poder de morte e direito sobre a vida. In : História da Sexualidade, v.1, A vontade de saber. Rio de Janeiro : Graal, 1980, p. 127-152.

LAUGIER, Sandra. La vulnerabilité des formes de vie. Raisons politiques, v.57, n.1, 2015, p. 65-80.

LÉVINAS, Emmanuel. Alterity and transcendence. New York : Columbia University Press, 1999.

MACÉ, Marielle. Siderar, considerar : migrantes, formas de vida. Rio de Janeiro : Bazar do Tempo, 2018.

QUINTANA, Laura. (2018). Jacques Rancière and the emancipation of bodies. Philosophy and Social Criticism, 45(2), p. 212-238.

PICADO, José Benjamin. (Des)Aventuras do Índice nas Teorias da Fotografia. INTERIN, v. 25, n. 2, jul./dez. 2020, p. 9-26.

RANCIERE, Jacques. Les territoires de la “pensée partagée”. Entretien a Jacques Lévy, Juliette Rennes et David Zerbib. In : ______. Et tant pis pour les gens fatiguées. Paris : Éditions Amsterdam, 2009b, p. 572-586.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo : Martins Fontes, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro : Contraponto, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. Aisthesis : scenes from the aesthetic regime of art. London : Verso, 2013a.

RANCIÈRE, J. Béla Tarr : o tempo do depois. Lisboa : Orfeu Negro, 2013b.

RANCIÈRE, J. Le fil perdu : essais sur la fiction moderne. Paris : La Fabrique, 2013c.

RANCIÈRE, Jacques. The method of equality. Interviews with Laurent Jeanpierre and Dork Zabunyan. Cambridge : Polity Press, 2016.

RANCIÈRE, Jacques. Les bords de la fiction. Paris : Éditions du Seuil, 2017.

RANCIÈRE, Jacques. “O desmedido momento”. Serrote, n.28, 2018a, p. 77-97.

RANCIÈRE, Jacques. La Méthode de la scène. Paris : Éditions Lignes, 2018b.

RANCIÈRE, Jacques. Le temps modernes. Paris : La Fabrique, 2018c.

RANCIÈRE, Jacques. Le travail des images. Conversations avec Andrea Soto Calderón. Dijon : Les Presses du Réel, 2019a.

RANCIÈRE, Jacques. El tiempo de los no-vencidos, Revista de Estudios Sociales, n.70, 2019b, p. 79-86.

RANCIÈRE, Jacques. La pensée des bords (entretien avec Fabienne Brugère), Critique, n.881, 2020, p. 828-840.

RODRIGUES, Carla. O luto entre a clínica e a política. Belo Horizonte : Autêntica, 2021.

VOEGELE, Hannah. Precarious Borders : frames of (im)migration and the potentiality of affect. Raisons politiques, 2019, n.4, v.76, p. 121-143.

Haut de page

Table des illustrations

Légende Fotos de Pieter Ten Hoopen.
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-1.png
Fichier image/png, 230k
Crédits Fotos de Pieter Ten Hoopen. Disponíveis em : https://www.worldpressphoto.org/​collection/​photo-contest/​2019/​pieter-hoopen-sns/​1
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-2.png
Fichier image/png, 227k
Crédits Fotos de Pieter Ten Hoopen. Disponíveis em : https://www.worldpressphoto.org/​collection/​photo-contest/​2019/​pieter-hoopen-sns/​1
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-3.png
Fichier image/png, 217k
Crédits Fotos de John Moore Disponíveis em : https://www.worldpressphoto.org/​collection/​photo-contest/​2019/​john-moore-2/​1
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-4.png
Fichier image/png, 198k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-5.png
Fichier image/png, 166k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-6.png
Fichier image/png, 226k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-7.png
Fichier image/png, 343k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-8.png
Fichier image/png, 229k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-9.png
Fichier image/png, 224k
Crédits Fotos de John Moore (Instagram)Disponíveis em : https://www.instagram.com/​p/​BqUt5sglKA9/​
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-10.png
Fichier image/png, 213k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-11.png
Fichier image/png, 257k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-12.png
Fichier image/png, 318k
URL http://journals.openedition.org/amerika/docannexe/image/15004/img-13.png
Fichier image/png, 345k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ângela Marques, « O sofrimento de migrantes, suas formas de vida e sobrevivências liminares nas imagens  »Amerika [En ligne], 23 | 2021, mis en ligne le 06 janvier 2022, consulté le 23 mai 2022. URL : http://journals.openedition.org/amerika/15004 ; DOI : https://doi.org/10.4000/amerika.15004

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo CELLAM - Centre d’études des langues et littératures anciennes et modernes
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search