Navegação – Mapa do site

InícioNuméros10OpinionJorge Amado em Copacabana

Texto integral

Lors du colloque en hommage à Jorge Amado organisé à Rennes, Néstor Ponce, directeur d'Amerika, a évoqué sa rencontre avec le grand écrivain brésilien.



1Conheci Jorge Amado, em 1978 ou 1979, quando morei no Brasil, perseguido pela ditadura militar argentina. Li muita literatura brasileira, inclusive a obra completa de Jorge Amado. Mandei uma carta para sua editora, dizendo-lhe que gostava muito da sua literatura e que sabia que ele havia morado na Argentina, também exilado pelo governo autoritário brasileiro durante a ditadura militar. Eu disse que queria conhocê-lo. Algumas semanas depois, recebi uma resposta de Amado, dizendo para marcar um encontro na casa da sua filha Paloma, em Copacabana, creio. Fui visitá-lo. Falamos durante uma hora, trocamos impressões literárias e políticas. Ele acompanhou-me até a porta, e quando eu ia sair, me fitou com seus olhos aquosos e levando sua mão ao bolso me perguntou : “Você precisa de dinheiro ?”.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Néstor Ponce, «Jorge Amado em Copacabana»Amerika [Online], 10 | 2014, posto online no dia 22 junho 2014, consultado o 24 setembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/amerika/4745; DOI: https://doi.org/10.4000/amerika.4745

Topo da página

Autor

Néstor Ponce

Université Rennes 2
nestorponce35@yahoo.fr

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Tous droits réservés

Topo da página
  • Logo CELLAM - Centre d’études des langues et littératures anciennes et modernes
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search